quarta-feira, 5 de julho de 2017

CLASSE SEJONG (KDX III). Reinando sobre o Mar Amarelo.

FICHA TÉCNICA
Tipo: Destróier.
Tripulação: 350 tripulantes.
Data do comissionamento: Dezembro de 2008.
Deslocamento: 11000 toneladas (totalmente carregado).
Comprimento: 165 mts.
Calado: 6.25 mts.
Boca: 21 mts.
Propulsão: 4 turbinas a gás GE LM 2500 de 25000 Hp cada.
Velocidade máxima: 30 nós (56 km/h).
Alcance: 10200 Km.
Sensores: Radar multifuncional SPY-1D  (V) AEGIS, Sistema de controle de fogo AN/SPG-62. Sonar Atlas Elektronik DSQS-21BZ, Sonar rebocado Sagem MTeQ e um sistema de detecção passiva infravermelha Sagem IRST.
Armamento: 2 lançadores verticais MK-41 (um de 48 celulas e outro com 32 celulas) totalizando 80 celulas para mísseis SM-2 Block IIIB/IV Standard,  1 Lançador vertical K-VLS para 16 mísseis K-Asroc Red Shark; 1 Lançador vertical K-VLS para 32 mísseis Hyummoo III C, 4 lançadores quádruplos para 16 mísseis antinavio SSM-700K Hae Sung; 1 lançador para 21 mísseis antiaéreos RIM-116 RAM; 1 canhão MK-45 Mod 4 de 127 mm; 1 canhão Goalkeeper  CIWS de 30 mm; 2 lançadores triplos para torpedos leves K-745 Blue Shark.
Aeronaves: 2 helicópteros Agusta/ Westland Super Linx MK-99.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior
A Coreia do Sul tem sua defesa intimamente ligada a influencia militar e industrial dos Estados Unidos. Todos os meios de combate, das três forças principais de defesa da Coreia do Sul são fabricados sob licença ou tem importante participação da indústria bélica norte americana.
O navio de guerra que é foco deste artigo representa um exemplo claro dessa influência. O destróier KDX III ou, classe Sejong, como é conhecido, é o mais poderoso navio de guerra no mar amarelo e mar do Japão, onde, pode-se dizer que esse status é dividido com o destróier japonês da classe Atago, que também recebeu pesado suporte norte americano em sua concepção e construção.
Acima: O projeto da classe Sejong é baseado no destróier norte americano da classe Arleigh Burke. O navio sul coreano, no entanto, é maior e mais pesadamente armado.
O Sejong começou a ser idealizado no ano 2000 e depois de escolhido o projeto, o navio foi construído durante os anos seguintes vindo a ser lançado em maio de 2007 pela Hyundai Heavy Industries. Seu desenho é baseado no destróier norte-americano classe Arleigh Burke, na sua versão conhecida como Flight II A, cujo principal diferencial é a existência de um hangar para operar dois helicópteros de tamanho médio.  O Sejong, porém, é mais de 11 metros mais comprido, chegando aos 165 metros além e tem uma boca de 21 m. Naturalmente seu deslocamento é maior que o navio norte americano, chegando a  11000 toneladas quando totalmente carregado. Mesmo com essas dimensões maiores, o desempenho do navio no mar é ligeiramente melhor que o seu "pai ocidental".
Sua propulsão é configurada como COGAG (Combinação gás com gás), contando com 4 turbinas General Eléctric LM-2500 que produzem 25000 Hp cada permitindo ao Sejong navega a velocidade máxima de 30 nós (56 km/h), a mesma do Arleigh Burke, porém, sua autonomia é maior, chegando a 10200 km, o que lhe dá capacidade de escoltar grupos de batalha por qualquer lugar do mundo.
Acima: Embora os navios da classe Sejong sejam maiores que os seus primos da classe Arleigh Burke, seu desempenho de velocidade é o mesmo, e o navio sul coreano ainda tem maior alcance.
Sendo um navio com forte ênfase na guerra antiaérea, sua capacidade de detecção e controle do espaço aéreo é dada pelo mais capaz sistema de radar atual, o sistema AEGIS , desenvolvido nos Estados Unidos, composto pelo moderno radar SPY-1D (V). Este radar possui 4 antenas cuja disposição cobrem 360º em volta do navio permanentemente permitindo rastrear mais de 100 alvos a 450 Km de distancia de forma ininterrupta, além de ser muito mais resistente a contramedidas eletrônicas impostas pelos sistemas de guerra eletrônica inimigos. 
O radar de controle de fogo para alvos aéreos é o Mk 99 Missile Fire Control System (MFCS) que trabalha integrado com o radar AN/SPG-62 que faz a iluminação dos alvos aéreos detectados pelo radar SPY-1D para que os mísseis de defesa anti-aérea SM-2 atinjam seu alvo. Desta forma, pode-se ver que os sistemas operam de forma integrada otimizando a capacidade de resposta do navio a ameaças aéreas.
Para guerra anti-submarina, o Sejong faz uso de um sonar de casco DSQS-21BZ fornecido pela Atlas Elektronik que tem capacidade de detectar um submarino inimigo a 29,7 km. Um segundo modelo de sonar chamado MteQ, do tipo rebocado, também é empregado nesta classe.
A suíte de guerra eletrônica foi privilegiada também com o sistema SLQ-200(V) 1K conhecido, também como “Sonata” que faz a identificação de sinais de radio, radares e mísseis, identificando a ameaça e gerando uma contramedidas ativa que interfira nos equipamentos inimigos.
Acima: O sistema AEGIS composto pelas 4 antenas fixas SPY-1D (V) caracterizam o desenho do destróier da classe Sejong. Este sistema está entre os 3 mais modernos sistemas do mundo para defesa antiaérea.
O armamento da Sejong é mais pesado do que a média dos navios de guerra de sua categoria. Mesmo sendo um destróier, suas capacidades se igualam ao do cruzador classe Ticonderoga, da marinha dos Estados Unidos.
A capacidade antiaérea é garantida por 2 lançadores verticais MK-41 para mísseis Raytheon SM-2 Block IIIB/IV Standard. Um dos lançadores tem 48 células e o outro tem 32 células. O míssil SM-2 Block IIIB possui um alcance máximo de 74 km e e seu sistema de guiagem é do tipo dual, ou seja, usa dois tipos distintos de guiagem, sendo uma por radar semi ativo e a fase terminal usa um sensor infravermelho. A grande vantagem desse sistema de guiagem é a capacidade de superar eventuais contramedidas evasivas que venham a ser usadas pelo alvo. Esta versão é particularmente eficaz contra alvos em voo em baixa altitude e com RCS pequeno (alvos furtivos).
Ainda, para defesa antiaérea, há um pequeno lançador de mísseis RIM-116 RAM, com 21 mísseis. Estes pequenos mísseis são usados para defesa aproximada contra mísseis anti-navio, e projeteis guiados que penetrem na defesa externa do navio.
Acima: Os destróieres da classe Sejong são pesadamente armados e contam com a capacidade de pronto emprego de nada mais, nada menos, que 128 mísseis divididos entre mísseis antiaéreos SM-2 Block IIIB/IV Standard, mísseis anti submarino K-Asroc Red Shark e mísseis de cruzeiro Hyummoo III C. Caso colocarmos nessa conta os outros 16 mísseis anti-navio SSM-700K Hae Sung, a conta vai parar nos incríveis 144 mísseis para pronto emprego!
Um sistema de lançamento vertical para mísseis projetado na própria Coreia do Sul foi instalado e está equipado com 48 celulas divididas em 16 células para mísseis anti-submarino K-ASROC Red Shark. Este míssil tem um alcance de 19 km e está equipado com um torpedo K-745 Blue Shark que é lançado na água, na área onde o contato submarino inimigo tiver sido detectado pelos sistemas de sonares do Sejong. A partir deste momento o torpedo inicia o ataque ao submarino detectado. O alcance do torpedo K-745 Blue Shark  é de 12 km e seu sistema de guiagem se dá por sonar ativo/ passivo com alcance de 1,9 km e é equipado com uma espoleta de detonação por contato que detona sua ogiva permitindo penetrar 1,5 metros de aço.
As outras 32 células deste lançador, estão armadas com 32 mísseis de ataque terrestre Hyummoo III C, similar ao Tomahawk. Este poderoso míssil de cruzeiro é guiado por GPS e possui um alcance de 1500 km, sendo, portanto, capaz de infringir sérios danos contra alvos estratégicos inimigos bem dentro de seu território.
Voltando a tratar da capacidade de ataque anti-submarino do Segong, foram instalados dois lançadores triplos de torpedos K-745 Blue Shark, mesmo modelo usado no míssil K-ASROC.
Para guerra anti-navio, o Sejong está armado com 4 lançadores quádruplos para mísseis SSM-700K Hae Sung, cujo alcance é de 250 km e guiados por INS/GPS com radar ativo na fase terminal.
Acima: Operando de forma similar ao famoso míssil de cruzeiro norte americano BGM-109 Tomahawk, o míssil de cruzeiro Hyummoo III C, possui um alcance de 1500 km.
O armamento de tubo é composto por um canhão norte americano MK-45 Mod-4 de 127 mm instalado a frente do navio e pode ser usado tanto contra alvos de superfície, como contra alvos aéreos e seu alcance é de 24 Km. Um sistema antiaéreo tipo CIWS Goalkeeper, contendo com um canhão em calibre 30 mm é usado para defesa antiaérea de ponto.  O canhão usado no sistema é o poderoso GAU-8 da General Electric, famoso por ser usado no avião de combate A-10 Thunderbolt II contra veículos blindados. Sua cadencia é de 4200 tiros por minuto e seu alcance efetivo é de 2000 metros. O destróier Sejong opera dois helicópteros anti-submarino Agusta/ Westland Super Linx MK-99, porém pode-se operar outros modelos de dimensões similares como o Sikorsky SH-60 Seahawk.
Acima: O sistema de defesa de ponto CIWS Goalkeeper é armado com um potentíssimo canhão de 7 canos rotativos GAU-8/A Avenger em calibre 30 mm,  o mesmo usado no jato de apoio aéreo aproximado A-10C Thunderbolt II da força aérea dos Estados Unidos. São 4200 tiros por minuto capazes de destruir aeronaves e mísseis anti-navio que se aproximem do navio a uma distancia de até 2000 metros.
Os dados apresentados aqui deixam claro que a classe Sejong representa um dos mais poderosos destróieres no mundo. É certo que a estratégia de defesa da Coreia do Sul recebe influencia pesada do governo dos Estados Unidos e muito provavelmente os norte americanos até tem poder de decisão sobre o que vai ou não ser adquirido pelas forças armadas sul coreanas. Por isso, é interessante observar que o Sejong é mais bem armado que os navios da classe Arleigh Burke da marinha dos Estados Unidos e isso evidencia a importância que a capacidade antiaérea e de ataque contra alvos terrestres tem na marinha sul-coreana e na estratégia norte americana de atuação naquela região do globo. A Coreia do Norte, o inimigo numero um da Coreia do Sul, não tem, absolutamente, nada equivalente em tecnologia, poder de fogo e desempenho ao que o destróier da classe Sejong é capaz de prover e a marinha sul coreana possui, atualmente, 3 navios desta classe, com mais 3 encomendados e a serem integrados a moderna marinha da Coreia do Sul até 2022.
Acima: Na popa do Sejong podemos ver os dois hangares para operações de dois helicópteros médios, normalmente do modelo Westland Mk.99A Super Lynx. Porém o modelo norte americano SH-60 Seahawk também pode ser empregado.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

Um comentário:

  1. capacidades simplesmente espetaculares né.................. uma pena que a MB prefira gastar a verba a ela destinada com um número tb espetacular de oficiais generais. Mas cada um tem suas necessidades e prioridades rsrsrsrsrs.............

    ResponderExcluir