quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

TYPE 23 CLASSE DUKE. Preparada para qualquer missão!

FICHA TÉCNICA
Tipo: Fragata anti-submarino.
Tripulação: 185 tripulantes.
Data do comissionamento: Junho de 1990
Deslocamento: 4900 toneladas (totalmente carregado).
Comprimento: 113m.
Boca: 16,1 m.
Propulsão: 2 turbinas a gás Rolls Royce Marine Spey SM1C com 26150 hp, 2 motores elétricos Gec Electric Motors com 4000 hp cada e 4 motores diesel Paxman Valenta com 8100 hp de potencia total.
Velocidade máxima: 28 nós (51,85 km/h).
Alcance: 13890 Km.
Sensores: Radar de busca aérea e de superfície Type 997 Artisan tridimensional (3D) com 200 km de alcance; Radar de navegação: Kelvin Hugues Type 1007; Sistema de busca eletro-optico Sea Archer 30  Sonar de casco (proa) Thales Type 2050, Sonar rebocado Type 2087
Armamento: 1 canhão Vickers Mk-8 de 114 mm , 2 canhões DS30M Mark 2 de 30 mm, 1 lançador vertical de mísseis Sea Ceptor CAMM (32 mísseis),  2 lançadores quádruplos de mísseis RGM-84 Harpoon; 2 metralhadoras gatling M-134 Minigun em calibre 7,62 mm;  tubos duplos para torpedos leves de 324 mm BAE Stingray.
Aeronaves: 1 Helicóptero Super Links ou um helicóptero EH-101

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S Junior
A fragata da classe Duke, também conhecida como Type 23, começou a ser projetada em 1980 para substituir as velhas fragatas da classe Leander. Porém em 1981 uma revisão dos programas de defesa da Inglaterra pediu que fosse acelerado o programa de construção da nova fragata Type 23, e acabou sendo redesenhado nos anos seguintes tendo seu tamanho e preço aumentado. Desta forma, lições aprendidas durante o conflito das Malvinas, foram incorporadas ao projeto, assim como um hangar maior para operar o helicóptero Sea King ou o Lynx, e posteriormente o novo EH-101 Merlin. A primeira fragata Type 23 foi comissionada em junho de 1990 e o ultimo navio desta classe foi comissionado em 2002, tendo totalizado 16 embarcações construídas. Recentemente, em 2005, o Chile, dando andamento ao programa de modernização de suas forças armadas, adquiriu da marinha inglesa 3 embarcações da classe Type 23, sendo que em 2006 foi entregue o primeiro navio que foi batizado de Almirante Cochrane.
Acima: Desenvolvida com base na experiência adquirida na guerra das Malvinas, a Type 23 trouxe um navio de custo relativamente baixo, e com uma capacidade multi-missão  elevada.
O sistema de controle e comando da Type-23 foi desenvolvido pela poderosa BAE e usa processadores Intel 80486,  transponders  INMOS T-800 e um sistema de rede com fibra óptica em via dupla. Esse sistema foi atualizado para poder operar integrado ao novo sonar 2087 que substituiu o sonar 2031. O sonar 2087 é um sonar rebocado que trabalha passivo e ativamente e tem profundidade variável. Sua frequência menor que as dos sonares anteriores se propaga melhor no oceano permitindo um maior alcance de varredura.
O novo radar, que 11 dos 13 navios desta classe passou a contar depois de sua modernização em 2017, foi o BAE Type 997 Artisan 3D capaz de rastrear  900 alvos simultaneamente a um alcance máximo de 200 km. Isso representa um acréscimo de 25% sobre o alcance do radar Type 996 original instalado nestes navios. O radar de navegação é o Type 1007 que trabalha na banda I e além disso há dois radares de controle de fogo BAE System Type 911 atuam integrados ao sistema de mísseis Sea Wolf,.
Acima: Recentemente modernizada, as Type 23 receberam o moderno radar Type 997 Artisan 3D, que também compõe a suíte de sensores dos novos porta aviões da classe Queen Elizabeth, já abordados aqui no WARFARE.
De longe, o mais importante armamento da Type-23 é o seu sistema de defesa antiaérea que, durante 26 anos foi composto por um lançador vertical GWS-26 para mísseis antimíssil Sea Wolf  de defesa de ponto. O Sea Wolf é um pequeno míssil com um alcance útil que vai de 1 km até o máximo de 10 km em sua ultima versão, e que possui uma ogiva de fragmentação com 14 kg de massa. Sua guiagem é do tipo comando em linha de visada (CLOS) onde um radar é apoiado por um sensor eletro-óptico que garantia um elevado nível de precisão do sistema. Porém, a qualidade das ameaças navais aumentou e levou a necessidade da marinha inglesa de modernizar o armamento de suas fragatas Type 23 remanescentes para poder fazer face a esta nova realidade. A resposta da Royal Navy para essa nova demanda veio sob a forma do CAMM (Common Anti-Air Modular Missile), mais conhecido pelo seu nome Sea Ceptor. O moderno míssil, baseado no projeto do míssil ar ar AIM-132 Asraam, tem seu sensor de guiagem composto por um radar ativo, no lugar do sensor de calor (IR) do míssil aerotransportado. O lançador é vertical permitindo deixar 32 mísseis prontos para emprego imediato, no lugar dos 32 Sea Wolf originais. Por ultimo, vale observar que o alcance do Sea Ceptor é de 25 km, sendo, assim, mais que o dobro do mísseis Sea Wolf. este moderno armamento foi escolhido pela marinha do Brasil para ser empregado na nova classe de corvetas classe tamandaré a ser construída no país.
Acima: O moderno míssil CAMM Sea Ceptor ampliou significativamente a capacidade de destruir alvos aéreos. Além de ser uma arma mais precisa que o Sea Wolf, seu predecessor, o novo míssil  tem mais que o dobro do alcance.
Para combate de superfície, a Type-23, está equipada com 2 lançadores quádruplos para mísseis anti-navio RGM-84D Harpoon, cujo alcance é de 120 km. O Harpoon é um míssil com perfil de voo “sea skimmig” onde o trajeto final é feito a baixa altitude para dificultar sua localização, voando a uma velocidade de cruzeiro na ordem de 800 km/h. O Harpoon foi um dos mais bem sucedidos mísseis anti-navio já construídos e está equipado com uma potente ogiva com 224 kg de alto explosivo que é capaz de por fora de ação a maioria dos navios de guerra do mundo. A  sua baixa velocidade, no entanto, o coloca em vulnerabilidade frente aos sistemas anti mísseis modernos que podem destruir o míssil quando se aproxima do seu alvo. Em breve a Royal Navy deve aposentar este míssil e até o momento não possui um substituto escolhido ou em desenvolvimento para ocupar a missão anti-navio.
Acima: Nesta foto podemos ver, logo a frente da ponte do navio, os dois lançadores quádruplos para mísseis anti-navio Harpoon. Em breve, estes mísseis serão aposentados devido a chegada do fim da vida útil deles. A Real marinha Inglesa ainda não tem um substituto para esta arma o que deverá abrir uma perigosa lacuna na capacidade de combate de seus navios de guerra.
Logo na proa do navio pode-se ver uma torre do canhão Vickers MK-8 de 114 mm, um canhão clássico nos navios britânico do final do século 20. Esse canhão tem um alcance de 22 km e consegue disparar até 25 tiros por minuto. Atualmente uma nova munição para este canhão desenvolvida pela RO Defense estendeu o alcance do projétil para 27 km. A torre do canhão, também recebeu uma modernização e tem um desenho facetado para diminuir sua reflexão a radares inimigos. Para defesa antiaérea de ponto, existem 2 canhões DS30M Mark 2 de 30 mm cujo projétil atinge um alcance de 10 km contra alvos de superfície ou 3,5 km contra alvos aéreos. Cada um desses canhões podem disparar em uma cadência de 200 tiros por minuto.
Para atacar submarinos estão instalados 4 tubos lança torpedos de 324 mm equipados com torpedos leves BAE Stingray cujo alcance chega a 11 km e pode atacar submarinos a uma profundidade de 750 m. O Stingray usa uma ogiva de 45 kg de torpex, altamente explosivo e sua velocidade chega a 83 km/h. Ainda, para  apoio a guerra anti-submarina, a Type-23 opera um helicóptero médio Agusta/ Westland  AW-101 Merlin  que executa tarefas de busca e ataque contra alvos submarinos e de superfície. O Merlin está substituindo o extremamente bem sucedido helicóptero Agusta/ Westland Lynx.
Acima: O armamento de defesa de curto alcance é representado pelo canhão DS30M Mark 2 de 30 mm instalado um de cada lado da fragata.
O sistema de propulsão da Type-23 é do tipo diesel elétrica (CODLAG), composto por duas turbinas a gás Rolls Royce  Spey  SM1C que desenvolvem 37540 hp de potencia, e  dois motores elétricos GEC electric motors  que produzem 2980 kW e 4000 cavalos de potencia. A velocidade máxima que é atingida por esta classe de fragata é de 28 nós (52 km/h), e o alcance do navio, em velocidade econômica de 15 nós  (30 km/h) chega a 13890 km. Existe, também, 4 motores auxiliares movidos a diesel  Paxman Valenta 12 RPA 200 CZ que podem desenvolver 1,510 kW e 2025 shp de força, cada um.  Essas características de desempenho tornam o fragata Type-23, um navio totalmente capaz de operar em águas azuis e a fazer parte de um grupo de batalha e escolta.
Acima: Com um competente sistema de propulsão baseado em motores a diesel e turbinas a gás, as fragatas Type 23 possuem boa capacidade marinheira podendo participar de grupos de batalhas navais como escoltas.
Em 2006, governo britânico, decidiu que haveria uma substancial diminuição de sua marinha o que acarretaria em muitos navios de guerra sendo disponibilizados para compra de segunda mão por países com orçamentos mais limitados. O Brasil, com uma importante influencia britânica nos navios de guerra em uso pela marinha, poderia ser muito beneficiada por essa disponibilidade de navios como as fragatas Type-23 que certamente estarão entre os navios disponibilizados. Embora a maior deficiência dos navios de guerra da marinha do Brasil seja a falta de um sistema de mísseis antiaéreos de área, ainda sim a Type-23, que não tem esta capacidade, poderia ser útil para substituir as fragatas Type-22 já em uso pela nossa marinha. Mas recentemente, no entanto, a mudança no cenário estratégico internacional que foi iniciado com a anexação da Crimeia pela Rússia e pela, visível maior agressividade do governo russo na defesa de seus interesses, causou maior preocupação em todos os países europeus, de forma a reverter o processo de redução de ativos militares e fazendo com que os orçamentos de defesa dos membros da OTAN e nações alinhadas recebessem um aumento. Hoje é entendido que as 13 fragatas Type 23 remanescentes da Inglaterra só deixarão o serviço ativo depois de começarem a ser entregues as novas fragatas Type 26 em meados de 2023 que as substituirão na Royal Navy.
Acima: Embora os navios não sejam tão antigos, o desenho, certamente, é baseado em conceitos ultrapassados. A popa tem um heliporto e um hangar para operar um helicóptero AW-101 Merlin.

VÍDEO

Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

6 comentários:

  1. Boa tarde, seria perfeita na atual conjuntura da marinha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. Porém, o comando da força naval tem focado em meios de combate com menor expressão ofensiva o que demonstra uma clara visão limitada da nossa marinha sobre para que serve uma força militar.

      Excluir
    2. Fala carlos ,feliz natal e ano novo !O que vc achou da aquisição do navio porta helicóptero Hms ocean pela MB ?Foi um bom negócio?Alis otima matéria,esperando uma sobre a classe holandesa de fragatas Karel Doorman,ela é inferior ou mesmo patamar que a Type 23?E por ultimo vai ter uma matéria sua sobre a possível compra/fusão/ parceira ou sei lá o quê da Boeing com Embraer ?Desculpa as muita perguntas :D

      Excluir
    3. Obrigado John. Um feliz 2018 para você também!
      A Type 23, e as fragatas holandesas Karel Doorman são equivalentes, de forma que depois da modernização, as Type 23 se sobressaem um pouco na capacidade de combate antiaéreo por que o Sea Ceptor tem maior alcance e capacidade de engajamento, pois usa um radar ativo.

      Abraços

      Excluir
  2. O blog é fantástico e a matéria muito boa, e acho que as tipe 23 seriam uma bela aquisição pra MB, mas também acho que nossa marinha está fazendo o possível com o seu orçamento e o bom e barato hoje é muito bem vindo, vide as OPVs da Bae, pena que não vieram mais. Abçs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rennany! Fico feliz que esteja gostando. Em 2018 tem muito mais! Abraços

      Excluir