terça-feira, 2 de março de 2021

Italianos da Divisão Brescia no Cerco de Tobruk

Ilustração de Steve Noon, Italian Soldier in North Africa 1941-1943. (Osprey Publishing)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de março de 2021.

Em 12 de abril de 1941, quando as forças italianas e alemãs começaram seu Cerco de Tobruk, a Divisão Brescia junto com o 3º Batalhão de Reconhecimento alemão capturaram o porto de Bardia, tomando várias centenas prisioneiros e uma grande quantidade de saque. Mas o ataque parou e Rommel foi forçado a pedir reforços. Na noite de 30 de abril, uma poderosa força ítalo-alemã ataca as defesas de Tobruk novamente, e a Ariete, Brescia, o 8º Regimento Bersaglieri e Guastatori (engenheiros de combate) envolveram e capturaram sete pontos fortes (R2, R3, R4, R5, R6, R7 e R8). Na noite de 3 de maio, os australianos contra-atacaram mas os italianos, na forma das Divisões Trento, Pavia e alguns Panzergrenadiers repeliram o ataque e os atacantes só conseguiram recuperar um ponto forte das tropas italianas defensoras. Na noite de 16 de maio, a Divisão Brescia retalia com a ajuda de dois pelotões do 32º Batalhão de Engenharia de Combate e abre uma brecha no perímetro defensivo dos 2/9º e 2/10º Batalhões. Com os obstáculos removidos, as tropas da Brescia envolvidas, que trazem equipes de lança-chamas e tanques, capturam os pontos fortes S8, S9 e S10.

Os australianos reagem e o Oficial Comandante dos Guastatori, o Coronel Emilio Caizzo, é morto em um ataque de mochilas explosivas (satchel) e ganha uma Medalha de Ouro por valor póstuma (Medalha de Ouro ao Valor Militar, mais alta condecoração italiana). Embora a História Oficial Australiana admita perder três posições, ela afirma que os atacantes eram "alemães". No entanto, uma narrativa italiana registrou:

"Com grande habilidade e velocidade, os Guastatori abrem três pistas nas minas e obstáculos para permitir passagem aos Fucielieri da Brescia. Lado a lado com as tropas de assalto da Brescia, eles infligem grandes perdas ao inimigo e tomam outros pontos fortes com explosivos e lança-chamas."

O historiador militar australiano Mark Johnston afirma que havia uma "relutância em reconhecer os reveses contra os italianos" nos relatos oficiais australianos.

O Major-General Leslie Morshead estava furioso e ordenou que os australianos ficassem mais vigilantes no futuro. Entre os objetivos inicialmente selecionados durante o planejamento da Operação Brevity estava a recaptura dos pontos fortes S8 e S9, mas isso foi abandonado quando descobriu-se que os australianos os recuperaram.

Em 24 de maio, a Divisão Brescia, que assumiu a frente ocidental de Tobruk, repeliu uma força de infantaria atacante, apoiada por tanques. Em 2 de agosto, um outro ataque foi lançado para recuperar os pontos fortes perdidos, mas as forças atacantes dos batalhões australianos 2/43º e 2/28º são repelidos. Este foi o último esforço australiano para recuperar as fortificações perdidas. Como parte das forças assediadoras em torno de Tobruk, a Brescia resistiu contra a ofensiva britânica de 24 de novembro de 1941 até 10 de dezembro de 1941, quando a 70ª Divisão Britânica (Brigada Independente de Fuzileiros dos Cárpatos polonesa capturou a posição de White Knoll) finalmente atravessou a retaguarda da Brescia e levantou o cerco de Tobruk durante a Operação Crusader. Avançando em plena luz do dia em 11 de dezembro, um batalhão da Brescia chegou a 50 jardas do 23º Batalhão da Nova Zelândia, mas foi cortado pelas metralhadoras dos neozelandeses. A retirada inicial foi para o Ayn al-Ghazalah. Em 15 de dezembro, a Divisão Brescia manteve a sua posição no Ayn al-Ghazalah (Gazala) contra a 2ª Divisão Neo-zelandesa e a Brigada Polonesa, permitindo que uma poderosa força blindada ítalo-alemã contra-atacasse e derrotasse o 1º Batalhão Britânico, The Buffs. Em 18 de dezembro, presa às forças britânicas e flanqueado pelo sul, a divisão começou a se retirar para Ajdabiya e chegou às posições planejadas em 22 de dezembro de 1941.

Uma veterana da Guerra da Abissínia, a Divisão Brescia lutaria ainda em Gazala e Mersa Matruh, e depois nas batalhas de El-Alamein. Depois que a Segunda Batalha de El Alamein começou em 24 de outubro de 1942, a Brescia foi capaz de manter suas posições contra as unidades blindadas britânicas até 4 de novembro de 1942. Com a frente já em desordem, recuou pela rota Deir Sha'la - Fukah. A falta de meios de transporte resultou em unidades aliadas alcançando e aniquilando os remanescentes da Divisão Brescia em 7 de novembro de 1942, à vista de Fouka onde outras unidades do Eixo despedaçadas já se reuniram. A divisão foi oficialmente dissolvida em 25 de novembro de 1942.

Bibliografia recomendada:

Italian Soldier in North Africa 1941-43.
P. Crociani e P.P. Battistelli.

Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário