quinta-feira, 8 de junho de 2017

BOEING 737 AEW&C WEDGETAIL. A visão de águia da Boeing


FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: 759 km/h.
Velocidade máxima: 955 km/h.
Autonomia: 9 horas.
Teto operacional: 12500 m.
Alcance de travessia: 5632 km.
Empuxo: 2 turbofans CFM International CFM56-7B24, gerando unitariamente 912247 kgf de empuxo.
Radar: Northrop Grumman Electronic Systems Multi-role Electronically Scanned Array (MESA) com 350 km de alcance (alvo com 5m² de RCS).
DIMENSÕES
Comprimento: 33,06 m.
Envergadura: 35,08 m.
Altura: 12,5 m.
Peso: 46606 kg (vazio).

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior (Agradeço a Sérgio Santana por ter dado suporte a concepção teste texto) 
Com o despertar sobre a necessidade de aumentar a consciência situacional sobre o campo de batalha para poder ser mais efetivo sendo percebida e valorizada por, cada vez, mais forças aéreas, o nicho de mercado para aeronaves de alerta aéreo antecipado começou a se tornar mais atraente para a industria aeronáutica. Uma vez refletido sobre isso, vamos a mais uma matéria no WARFARE blog. A Austrália, uma nação com laços de amizade (interesse estratégico, na verdade) muito fortes com os Estados Unidos, tem em seu parceiro, o principal fornecedor de suas forças armadas, e na ultima década do século XX decidiu que precisava adquirir para sua força aérea uma aeronave de alerta aéreo antecipado e comando AEW&C (Airborne Early Warning and Control) e lançou uma requisição de propostas para o mercado, onde as empresas qualificadas a fornecer este tipo especializado de aeronave fizessem suas ofertas. Este programa de aquisição passou a ser conhecido pelo nome de Projeto Wedgetail.
Acima: A Boeing teve um senso de oportunidade sensacional em aproveitar como plataforma o seu extremamente bem sucedido modelo 737 como uma aeronave de alerta aéreo avançado e comando.
A empresa norte americana Boeing, projetista de um dos mais bem sucedidos projetos de aeronave AEW do mercado, o E-3 Sentry (AWACS), já descrito no WARFARE (clique no nome da aeronave para ler a matéria) apresentou uma proposta muito interessante de uma plataforma de alerta aéreo antecipado baseada na excelente aeronave de transporte regional Boeing 737-700 Next Generation, que por sua vez acabou sendo selecionada pela Real Força Aérea Australiana (RAAF). A aeronave é chamada pela Boeing como 737 AEW&C e de E-7A Wedgetail, pela RAAF, logo em seguida mais duas forças aéreas alinhadas com os Estados Unidos também encomendaram o modelo: A Coreia do Sul e a Turquia, porém, os exemplares adquiridos por estes países possuem algumas características técnicas especificas para irem de encontro aos requisitos específicos de cada força aérea.
Acima: A Austrália é um leal aliado dos Estados Unidos na Oceania e possui conflito de interesses com potências regionais como a China e Rússia. O E-7A Wedgetail é parte fundamental da capacidade de defesa daquela nação.
Por ser uma versão de uma aeronave de transporte de passageiros Boeing 737-700 ER, da família Next Generation, a propulsão usada também acabou sendo derivada da usada no modelo civil. A propulsão do Wedgtail fica por conta de dois turbofans CFM International CFM56-7B24 que produzem 12247 kgf de empuxo cada, permitindo a esta aeronave voar a uma velocidade máxima de 955 km/h e uma velocidade de cruzeiro de 759 km/h. O alcance máximo do Wedgtail é de 7040 km, porém, quando a aeronave está em missão, fazendo o rastreio do espaço aéreo a sua volta, ela opera em velocidades bem mais baixas. A autonomia do Wedgtail quando em patrulha, é de cerca de 9 horas de voo, graças a seu tamanho que lhe permite uma boa quantidade de combustível e seus eficientes motores. Além disso, a aeronave pode ser reabastecida em voo através do sistema lança e receptáculo (o mesmo usado pelo caça F-16).
Acima: O E-7A Wedgetail é propulsado por dois confiáveis turbofans CFM International CFM56-7B24. A ideia da Boeing de adaptar a plataforma do Boeing 737 para missões AEW&C foi bastante sábia.
O principal sensor do Wedgtail é o moderno radar de varredura eletrônica ativa (AESA), desenvolvido pela Northrop Grumman  batizado de MESA (Multi-role Electronically Scanned Array) que opera de modo multifuncional, rastreando os alvos e já fazendo a identificação se é amigo ou inimigo através de um sistema IFF (identification friend or foe) integrado à antena. Este radar tem alcance de 350 km, e consegue detectar, simultaneamente, 3000 alvos em terra, mar e ar, rastreando 180 deles e guiando 24 interceptações. O alcance para o recurso de IFF chega a 555 km. O sistema de comunicação é composto por 10 rádios VHF/UHF fabricados pela Rockwell Collins  do modelo AN/ARC-210 e 3 rádios que operam em HF modelo AN/ARC-220 do mesmo fabricante. O Wedgtail recebeu 4 equipamentos MAWS (Missile Approach Warning System) Northrop Grumman AN/AAR-54 que alerta a tripulação quando um míssil estiver se aproximando da aeronave. A aeronave está equipada com o sistema de intercambio de dados baseado no sistema de distribuição de dados AN/URC-138 compatível com link 11, JTIDS e link 16 (padrão OTAN) permitindo a operação em rede com as diversas aeronaves aliadas dentro do campo de batalha.
Acima: 10 operadores nos consoles de missão são necessários para operar esta poderosa aeronave de alerta aéreo antecipado.
O Boeing 737 AEW&C Wedgtail não ficou sendo uma exclusividade australiana. Embora a Força Aérea Australiana seja o primeiro cliente, outros países também adquiririam esta moderna plataforma de alerta aéreo avançado. A Turquia e a Coreia do Sul, conforme comentado no início deste artigo, também acabaram comprando o Wedgatial para compor as robustas capacidades das suas respectivas forças aéreas. Porém cada nação solicitou que alguns equipamentos fossem modificados em relação ao modelo australiano. Esta matéria focou, especificamente no modelo australiano E-7A Wedgtail, devido a Austrália ter sido a primeira nação a adquirir o modelo e de certa forma, ter dado um forte apoio ao projeto. O custo de aeronaves desse tipo, naturalmente, é alto devido a tecnologia sofisticada e devido a baixa escala de produção de aeronaves desse tipo. O custo unitário de um Wedgtail  é de cerca de USD$ 200 milhões, porém esse valor pode variar dependendo dos equipamentos que cada cliente possa solicitar para preencher seus requisitos.

Acima: A força Aérea da Coreia do Sul utiliza 4 aeronaves Boeing 737 AEW&C sob o nome Peace Eye. Aqui podemos ver um caça bombardeiro pesado Boeing F-15K escoltando um Peace Eye.

Acima: A Turquia, também opera 4 4 aeronaves desse tipo, sendo que lá, o nome dado ao modelo é de Peace Eagle.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

5 comentários:

  1. O sistema AESA dessa plataforma é mais eficiente do que o do E-3 Sentry?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dudé.
      Embora o sistema MESA do Wedgetail seja capaz de detectar mais alvos simultaneamente, a capacidade de rastreio e alcance do radar APY-1 usado no E-3 é superior. De uma forma geral, eu considero o radar MESA superior por ser do tipo AESA e ter maior capacidade de processamento.
      Abraços

      Excluir
  2. Seria possível instalar um sistema igual a esse, no KC-390 da Embraer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria sim, mas não considero ele uma plataforma adequada. Hoje há opções de plataforma melhor como o Global 6000 da Bombardier que está sendo desenvolvido como o GlobalEye.

      Excluir
  3. Entendo. E quanto ao EMBRAER E195-E2? Seria possível convertê-lo em uma plataforma de alerta aéreo?

    ResponderExcluir