sexta-feira, 30 de abril de 2021

As forças convencionais da Coréia do Sul se fortalecem: a busca por estabilidade estratégica


Por Manseok Lee e Hyeongpil Ham, War on the Rocks, 16 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de abril de 2021.

Como a Coréia do Sul deve responder ao crescente arsenal de mísseis de ponta nuclear da Coréia do Norte? Alguns argumentam que Seul deveria melhorar suas capacidades convencionais a fim de deter o aventureirismo nuclear de Pyongyang e alcançar a estabilidade na Península Coreana. Outros afirmam que um acúmulo de armas na Coréia do Sul em resposta aos desenvolvimentos nucleares da Coréia do Norte poderia resultar em uma escalada inadvertida da crise.

Em seus recentes ensaios em War on the Rocks e International Security, Ian Bowers e Henrik Hiim apontam corretamente que as forças militares convencionais da Coréia do Sul são de crescente importância para a estabilidade estratégica com a Coréia do Norte. No entanto, eles também argumentam que as forças convencionais da Coréia do Sul estão aumentando a instabilidade na Península. Bowers e Hiim concluem que “se os Estados Unidos desejam garantir que quaisquer iniciativas de desnuclearização sejam bem-sucedidas, pode ser necessário persuadir a Coréia do Sul a realizar reduções de armas convencionais, especialmente no que diz respeito a capacidades ofensivas”.

Nós respeitosamente discordamos. As forças convencionais sul-coreanas desempenham um papel positivo e até mesmo essencial em um contexto de aliança com os Estados Unidos na manutenção da estabilidade enquanto a Coréia do Norte se nucleariza. Nossas perspectivas sobre este assunto são informadas por nossa experiência como oficiais militares sul-coreanos envolvidos no desenvolvimento de teorias e políticas de dissuasão para a aliança EUA-Coréia do Sul. Argumentamos que as capacidades convencionais da Coréia do Sul na verdade fortalecem a estabilidade na Península Coreana, reduzindo as expectativas da Coréia do Norte em relação à utilidade de suas armas nucleares. Como resultado, o desenvolvimento dessas forças convencionais - em cooperação com seus aliados em Washington - ajuda Seul a impedir que Pyongyang alcance seus objetivos estratégicos por meio do aventureirismo nuclear.

Abordagens da Coréia do Sul para dissuasão


As capacidades convencionais da Coréia do Sul foram projetadas para desempenhar um papel central no estabelecimento da postura de dissuasão da aliança EUA-Coréia do Sul e na implementação de uma estratégia anti-nuclear combinada. Essa abordagem está codificada na estratégia de "dissuasão sob medida" anunciada em 2013. Essa estratégia está em sintonia com as características específicas do programa nuclear da Coréia do Norte. Especificamente, é baseado no entendimento de que Kim Jong Un sozinho tem autoridade para empregar as armas nucleares da Coréia do Norte, que os lançadores de mísseis móveis são o principal meio de disparo e que os mísseis da Coréia do Norte estão localizados em túneis profundamente enterrados. Esses recursos podem permitir que a aliança EUA-Coréia do Sul detecte os primeiros sinais de alerta de ataques nucleares, bem como destrua os mísseis durante os estágios de desdobramento e preparação de lançamento. A estratégia é baseada tanto no compromisso dos EUA com a dissuasão nuclear estendida e na construção esperada da Coréia do Sul de forças convencionais, quanto na interoperabilidade dessas forças com os meios militares americanos.

As capacidades militares convencionais da Coréia do Sul no que diz respeito à dissuasão das ameaças nucleares da Coréia do Norte consistem em três elementos principais: o sistema de Defesa Aérea e de Mísseis da Coréia, o sistema de Cadeia de Matança (Kill Chain) e o sistema de Punição e Retaliação Maciça da Coréia (Korea Massive Punishment and Retaliation). O sistema de Defesa Aérea e de Mísseis da Coréia é um sistema em grande parte nativo de defesa antimísseis em camadas. Embora ainda seja principalmente conceitual e muitos componentes do sistema de defesa antimísseis estejam em estágio de desenvolvimento, as forças armadas sul-coreanas pretendem estabelecer sistemas de alerta antecipado, comando e controle e múltiplos sistemas de interceptação em meados da década de 2020 por meio de investimentos constantes. O sistema de Cadeia de Matança - operado pelo exército, marinha e força aérea - consiste em sensores, mísseis balísticos terrestres / marítimos e de cruzeiro e várias bombas guiadas com precisão. Ele tenta detectar ataques de mísseis norte-coreanos iminentes e permitir que as forças sul-coreanas destruam os mísseis e lançadores do país preventivamente. Por último, o sistema de Punição e Retaliação Maciça da Coréia envolve o uso de múltiplas capacidades cinéticas e não-cinéticas, incluindo mísseis balísticos e de cruzeiro, bombas guiadas, bombas blecaute e armas de pulso eletromagnético, para atingir as instalações de liderança da Coréia do Norte após qualquer ataque nuclear. Na verdade, o sistema de Cadeia de Matança e o sistema Punição e Retaliação Maciça da Coréia compartilham as mesmas plataformas de armas, embora suas abordagens para usar os meios disponíveis sejam diferentes. Isso representa uma das razões por trás da decisão da Coréia do Sul de integrar o sistema de Cadeia de Matança e o sistema de Punição e Retaliação Maciça da Coréia em 2019 e expandir os conceitos para o sistema de Ataque Estratégico (Strategic Strike) para facilitar a gestão eficiente de projetos de aumento de força.


As capacidades convencionais da Coréia do Sul reforçam a dissuasão na Península Coreana. Por um lado, o sistema sistema de Cadeia de Matança e o sistema de Punição e Retaliação Maciça da Coréia representam meios de conseguir a dissuasão por negação, uma vez que os mísseis da Coréia do Sul são capazes de atingir os mísseis e lançadores da Coréia do Norte se os ataques forem iminentes. Por outro lado, o sistema de Punição e Retaliação Maciça da Coréia visa a dissuasão por meio da punição. O objetivo é transmitir a mensagem de que, se a Coréia do Norte decidir usar suas armas nucleares, todos os participantes do processo de tomada de decisão, incluindo Kim Jong Un, serão removidos. Assim, o sistema de Punição e Retaliação Maciça da Coréia está mais próximo de uma estratégia de contra-força ou contra-liderança do que de uma estratégia de contra-valor.

Antecipando preocupações com relação às forças convencionais da Coréia do Sul


Enquanto a Coréia do Sul acredita que suas forças convencionais são fundamentais para estabilizar o equilíbrio militar com a Coréia do Norte, outros analistas estão preocupados que as medidas da Coréia do Sul tenham o efeito oposto. Bowers e Hiim, por exemplo, estão preocupados com o aumento do risco do uso nuclear da Coréia do Norte, ameaçando a estabilidade estratégica na Península Coreana e fortalecendo o incentivo da Coréia do Norte para possuir armas nucleares.

A primeira preocupação é que, se as forças convencionais da Coréia do Sul forem operadas unilateralmente e preventivamente, isso pode aumentar o risco de uso de armas nucleares pela Coréia do Norte. Embora essa preocupação seja compreensível, a Coréia do Sul não tem incentivo para operar suas forças convencionais de forma independente, unilateral ou sem qualquer consulta aos Estados Unidos. Além disso, dados os vários fatores socioeconômicos envolvidos, um ataque preventivo com risco de retaliação nuclear imporia custos quase inimagináveis à Coréia do Sul, que é democrática com uma economia aberta. Portanto, a preocupação de que as capacidades convencionais aprimoradas da Coréia do Sul aumentem o risco do uso de armas nucleares pela Coréia do Norte é exagerada.


A segunda preocupação é que o acúmulo de forças convencionais da Coréia do Sul possa ameaçar a estabilidade estratégica na Península Coreana. O conceito de estabilidade estratégica envolve duas condições essenciais: estabilidade da corrida armamentista, que indica que nenhum dos lados tem incentivo para se engajar rapidamente no aumento militar; e estabilidade de crise, o que implica que não há incentivo para nenhuma das partes usar a força militar primeiro. Se uma corrida armamentista sempre resulta em uma escalada de crise imparável, o ponto levantado pelos céticos pode parecer razoável. Na prática, entretanto, isso nem sempre é verdade. Por exemplo, se um equilíbrio estratégico e vulnerabilidade mútua forem alcançados após o acúmulo de armas de um lado, ambos os lados podem perder o incentivo do primeiro ataque. O sistema de defesa antimísseis da Coréia do Sul e a capacidade garantida de retaliação permitiriam à aliança EUA-Coréia do Sul responder prontamente e com credibilidade ao aventureirismo nuclear da Coréia do Norte e, assim, desencorajar Pyongyang de escalar uma crise lançando seus ataques preventivos e surpresa, alcançando assim estabilidade estratégica.


A terceira preocupação é que o acúmulo de forças convencionais da Coréia do Sul pode tornar mais difícil convencer a Coréia do Norte a desnuclearizar por meio de negociações. Em outras palavras, mesmo que o governo Biden consiga persuadir Pyongyang de que os Estados Unidos não representam uma ameaça existencial para a Coréia do Norte, as forças convencionais da Coréia do Sul representam um incentivo para que a Coréia do Norte preserve suas armas nucleares. Essa noção parece depender da premissa de que se a Coréia do Sul tomar medidas para se desarmar, a Coréia do Norte poderá ser mais receptiva a desistir de suas armas nucleares. No entanto, as medidas de desarmamento unilateral são inaceitavelmente arriscadas com um oponente tão malicioso e não confiável como a Coréia do Norte. É mais provável que, se a Coréia do Sul reduzisse os planos de modernização da força convencional, a Coréia do Norte optaria por usar uma estratégia coercitiva contra a Coréia do Sul ou mesmo tentar alterar o status quo com base em sua recém-descoberta vantagem militar assimétrica. Tal situação seria um resultado intolerável para a Coréia do Sul e os Estados Unidos.

A contenção militar sul-coreana não convenceria a Coréia do Norte a se envolver em negociações para desnuclearizar. Ao contrário, melhorar suas forças convencionais poderia, na verdade, dar à Coréia do Sul uma vantagem de negociação. As capacidades contra-nucleares e de contra-liderança da Coréia do Sul são fichas potenciais a serem trocados se a Coréia do Norte estiver disposta a negociar por reduções em suas armas nucleares ou no tamanho do Exército Popular da Coréia. Qualquer redução unilateral de armas por Seul será um desperdício de uma troca potencial. Mesmo se a Coréia do Norte eliminasse suas armas nucleares, ainda teria um enorme exército convencional, incluindo mais de um milhão de soldados, corpos mecanizados e divisões de artilharia. A Coréia do Sul tem motivos suficientes para manter suas capacidades convencionais de dissuasão e estabilidade após a desnuclearização.

Dissuasão convencional contra a Coréia do Norte


À medida que as capacidades nucleares da Coréia do Norte melhoram, a questão mais importante para a Coréia do Sul e seus aliados americanos é determinar a melhor forma de impedir Pyongyang de empregar suas armas nucleares. Durante o Oitavo Congresso do Partido dos Trabalhadores da Coréia, Kim Jong Un revelou suas intenções de separar a Coréia do Sul dos Estados Unidos e reunificar a Península Coreana sob o domínio socialista. Ele planeja fazer isso, em parte, pressionando a aliança por meio do uso de ameaças nucleares coercitivas.

A Coréia do Sul e os Estados Unidos devem trabalhar juntos para convencer a Coréia do Norte de que suas ameaças nucleares nunca terão sucesso. Até o momento, a Coréia do Sul confiou nas forças nucleares da América para dissuadir a Coréia do Norte. No entanto, como observa Brad Roberts, a Coréia do Norte provavelmente aplicaria táticas de “zona cinzenta” - isto é, provocações militares apoiadas por suas armas nucleares que caem abaixo do limite nuclear dos EUA. Se não houver meios de preencher a lacuna entre as capacidades convencionais e nucleares, a Coréia do Norte provavelmente consideraria a ameaça de usar armas nucleares de uma maneira mais agressiva, pois pode erroneamente perceber que os Estados Unidos não interviriam em uma crise na Península Coreana. A ameaça convencional credível da Coréia do Sul, portanto, aumenta os custos esperados das provocações nucleares da Coréia do Norte e reduz a possibilidade de atingir os objetivos políticos e militares desejados por meio do uso de armas nucleares.


Olhando para a Frente


As forças convencionais da Coréia do Sul desempenham um papel positivo na manutenção da estabilidade na Península Coreana. Ao fornecer opções flexíveis e confiáveis para dissuasão, as forças convencionais da Coréia do Sul impedem que a Coréia do Norte cometa um erro de cálculo estratégico e determine incorretamente que o emprego nuclear trará benefícios políticos. Assim, as forças convencionais do país são essenciais para manter a estabilidade estratégica por meio da gestão de crises. As propostas para reduzir as capacidades convencionais da Coréia do Sul na esperança de garantir a desnuclearização voluntária da Coréia do Norte são compreensíveis, dados os perigos do conflito na Península Coreana. Em última análise, entretanto, a restrição unilateral da Coréia do Sul não promoveria os interesses de segurança da Coréia do Sul ou dos Estados Unidos. Em vez disso, Seul e Washington devem trabalhar juntos para reforçar a postura convencional da Coréia do Sul. Isso pode até dar à Coréia do Norte incentivos para voltar à mesa de negociações e se abster de fazer ameaças nucleares. Além disso, é hora de pensar mais seriamente sobre como os países (por exemplo, Austrália, Japão, União Européia, Reino Unido, etc.) que compartilham valores com os Estados Unidos e a Coréia do Sul podem agir coletivamente para evitar o aventureirismo nuclear da Coréia do Norte e ajudar a garantir a estabilidade estratégica na Península Coreana.


Maj. Manseok Lee é atualmente um candidato a Ph.D. na Universidade da Califórnia, Berkeley. Anteriormente, ele foi um pesquisador associado do Center for Global Security Research no Lawrence Livermore National Laboratory. Ele escreveu vários artigos de pesquisa sobre a estratégia nuclear da Coréia do Norte, não-proliferação nuclear e impacto de tecnologias emergentes na estabilidade estratégica.

Cel. Hyeongpil Ham recebeu seu Ph.D. do Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Ele trabalhou por mais de 30 anos no Ministério da Defesa Nacional da Coréia do Sul, Ministério das Relações Exteriores e Instituto Coreano de Análises de Defesa. Ele liderou a força-tarefa governamental responsável por abordar as ameaças nucleares da Coréia do Norte e desenvolver a estratégia de dissuasão e defesa da Coréia do Sul.

Os autores são especialmente gratos a Brad Roberts e a um especialista no assunto do War On The Rocks pelos comentários perspicazes sobre as versões anteriores deste artigo. Todas as declarações de fato, opinião ou análise expressas são de responsabilidade dos autores e não refletem as posições oficiais ou pontos de vista do governo e exército sul-coreanos.

Bibliografia recomendada:

A Guerra da Coréia: Nem vencedores, nem vencidos.
Stanley Sadler.

The Armed Forces of North Korea:
On the path of Songun.
Stijn Mitzer e Joost Oliemans.

Leitura recomendada:








FOTO: Filipinos na Coréia14 de março de 2020.

Insurgência na selva: as armas do ISIS no Leste Asiático (parte 1)


Do site Calibre Obscura, 27 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2021.

O Estado Islâmico no Leste Asiático (ISEA) é um ramo do ISIS único em muitos aspectos, desde seu armamento e localização de operações até sua filiação. O ISEA atua nas Filipinas e em outros países do sudeste asiático (como a Indonésia), mas neste artigo estarei me concentrando nas armas dos militantes do ISEA nas Filipinas.

Este grupo está envolvido em ataques armados contra autoridades filipinas há quase 3 décadas, como parte de movimentos jihadistas que foram os precursores do ISEA - especificamente movimentos como Abu Sayyaf e o Grupo Maute. Muitos relatórios sobre o ISEA continuam a usar a terminologia antiga ao nomear quem foi o responsável pelos ataques, mas essencialmente esses grupos agora são operacionalmente indistinguíveis. Muitos fizeram "Bay'ah" (um juramento de lealdade) ao ISIS propriamente dito no Oriente Médio - é por isso que as operações do ISEA agora são transmitidas por redes de mídia do ISIS, como a Amaq. No entanto, várias facções permanecem leais à Al-Qaeda.

Embora o Bay'ah do ISEA tenha sido feito para o ISIS e seu líder al-Baghdadi em datas diferentes em 2014 e 2015 por grupos distintos, esta transição para a fidelidade ao Estado Islâmico fez um progresso significativo em outubro de 2015. Nesse ponto, representantes de várias organizações jihadistas nas Filipinas (que têm conexões com a Malásia, Indonésia e outros países), divulgaram um vídeo conjunto anunciando que estavam se unindo sob a liderança do agora "Emir" do sudeste asiático Isnilon Hapilon.

O Grupo Maute pode não ter sido incluído neste encontro, mas em abril de 2016 estava claramente alinhado com o ISIS em sua propaganda divulgada publicamente. Eles também juraram lealdade em abril de 2015, junto com Ansar Al-Khilafah Filipinas - outra organização extremista filipina. (Embora esta facção tenha se dividido mais tarde e não seja anteriormente leal ao ISIS). Não parece que um ISIS Wilayah (traduzível para uma nova província do ISIS) tenha sido proclamado até julho de 2018. As organizações centrais de propaganda do ISIS continuaram a reportar nas Filipinas sob o título de “Leste Asiático” até essa data. No entanto, os próprios militantes parecem ter adotado com freqüência a prática de emitir declarações e meios de comunicação em nome da "Wilayah do Leste Asiático", mesmo antes da declaração oficial.

Enquanto Abu Sayyaf, o Grupo Maute e outras organizações (ou facções de grupos) - como Ansar Khalifa Filipinas e facções dos Combatentes Islâmicos da Liberda Bangsamoro - juraram lealdade ao ISIS e agora estão publicamente identificados com a bandeira negra, parece que as estruturas de comando e abastecimento dos grupos poderiam permanecer um tanto alinhadas com as organizações anteriores, como esperado. Esses grupos que compõem o ISEA certamente estão unidos e colaboram (por exemplo na captura e batalha pela cidade de Marawi), mas continua a haver um certo nível de independência nas operações e ataques. Isso provavelmente se deve à geografia histórica da influência e controle dos grupos na área. As ligações e a competição entre o Estado Islâmico e os grupos ligados à Al-Qaeda permanecem vagas.

Mapa de grupos afiliados do ISIS como parte do ISEA, maio de 2017. (Fonte)
Este mapa não representa a situação atual e a localização dos grupos do ISEA, mas é amplamente representativo.

Independentemente disso, cada grupo pode agora ser considerado um afiliado oficial do próprio ISIS, mesmo que a terminologia exata nem sempre seja usada pelas organizações de mídia ou pelos próprios grupos jihadistas. O ISEA carece de controle territorial significativo. É limitado a ataques de insurgência em grandes cidades nas Filipinas - especialmente aquelas que não estão em áreas de maioria muçulmana do país. O grupo retém armas e liberdade operacional significativas nas áreas remotas da selva e em torno das ilhas tais como Sulu.

A atividade recente de mídia social de combatentes individuais parece mostrar que a ação do governo filipino (apoiada pelas forças americanas e australianas, além de várias outras alianças) é um pouco bem-sucedida em restringir a capacidade operacional do ISEA, especialmente desde a Batalha de Marawi, na qual centenas de combatentes foram mortos junto com várias figuras de liderança de topo.

A capacidade do grupo de manter bases permanentes é limitada, e ele enfrenta ataques freqüentes contra seus acampamentos decrépitos na selva. Isso não impede uma transferência ativa de fundos e pessoal do Oriente Médio para o Leste Asiático, no entanto, como foi visto em particular com a Batalha de Marawi, onde grandes quantidades de dólares americanos foram enviadas do centro do ISIS no Oriente Médio para financiar significativamente a organização no sudeste asiático.

Quem é o atual Wali oficial do ISEA (ou mesmo se houver) é muito difícil de discernir. Isnilon Hapilon foi morto durante a Batalha por Marawi, e parece que as figuras de liderança dos grupos que compõem o ISEA mudam freqüentemente. Esta é uma conseqüência das autoridades filipinas reprimirem eficazmente os jihadistas. A filiação estrangeira ao ISEA é um assunto controverso, já que as autoridades locais freqüentemente procuram negar a presença de combatentes não-locais e a mídia do ISEA, oficial e não-oficial, é extremamente cuidadosa ao revelar a presença de combatentes estrangeiros. Independentemente disso, parece claro que houve pelo menos duas figuras de militantes que fizeram Hijra (hégira) - neste sentido, migrar para fortalecer o Estado Islâmico (como encorajado pelo ISIS em sua propaganda "Dentro do Califado"), ou transferiram-se da central do ISIS para facilitar e melhorar a capacidade do grupo nas Filipinas. Também parece haver vários combatentes que viajaram anteriormente ao Iraque ou à Síria para lutar pelo ISIS e voltaram para as Filipinas. Parece que às vezes a principal indicação de que um combatente estrangeiro estava envolvido em uma ação do ISEA é apenas após sua morte, como foi o caso de um indivíduo marroquino envolvido em um ataque VBIED (Vehicle-Borne Improvised Explosive Device/ Dispositivo Explosivo Improvisado Guiado por Veículo).

Não há razão para duvidar da interação contínua entre o ISEA e o ISIS central. Por enquanto, talvez seja reduzido pela derrota territorial do ISIS na Síria, mas parece que a atividade em outras áreas da Síria e do Iraque está aumentando novamente, e que as operações de mídia parecem substancialmente intactas.

Na verdade, como o ISIS em seu centro tradicional de operações é suprimido ou forçado à clandestinidade, outras províncias do grupo, como no leste da Ásia ou na África Ocidental, estão se tornando mais significativas em termos de liberdade prática de operações e comunicados à mídia (embora o ISEA não lançou recentemente vídeos longos, como os da África Ocidental ou do Iraque, provavelmente porque a organização ainda está recuperando forças e fundos após a batalha de Marawi, que, embora tenha sido um grande sucesso de propaganda, levou à dizimação de várias figuras importantes dentro do grupo).

O ISEA continua ativo nos últimos anos, com um duplo atentado suicida em 27 de janeiro de 2019 na Catedral de Nossa Senhora do Monte Carmelo, em Jolo, no qual 21 fiéis morreram, e um grande tiroteio no sábado, 2 de fevereiro, não muito longe, onde mais de 100 militantes dizem que se reuniram e se envolveram em um confronto feroz com as AFP (Forças Armadas das Filipinas) antes de recuar para a selva das montanhas Patikul. Este encontro deixou 5 soldados mortos e 18 feridos, com apenas 3 militantes declarados mortos. Se os relatos da mídia local sobre os números do ISEA estiverem corretos, uma reunião desse tamanho é rara e indicativa da crescente confiança e habilidade do grupo. O grupo travou batalhas em pequena escala com as forças da milícia em outubro de 2019, e uma tentativa de duplo atentado suicida usando dois combatentes egípcios foi frustrada no início de novembro de 2019, também em Jolo. Imagens de combatentes em Basilan, Mindanao e Jolo também foram publicadas em novembro de 2019, mostrando um grande número de militantes prometendo bayah ao novo "califa" do ISIS, Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurashi, depois que seu sucessor foi morto em um ataque americano em 26 de outubro.

No entanto, o ISEA tem estado relativamente quieto em comparação com outros ramos do ISIS ao longo de 2019 e 2020, indicando uma fraqueza duradoura e necessidade de reconstrução desde a batalha de Marawi. Apesar da queda na ação desde a batalha de Marawi, o ISEA é um ramo do ISIS que continua a atormentar o sudeste asiático e as Filipinas, e tem uma longa e única história, com insurgências locais distintas se unindo sob a bandeira e controle do ISIS. Embora a insurgência esteja sob constante pressão, o grupo mantém a capacidade de causar baixas e capturar armas.

 O ISEA não parece estar desaparecendo em breve e é um exemplo relativamente único de onde as imagens divulgadas por meio de contas individuais de mídia social superam em muito os vídeos e as imagens oficiais, como as divulgadas pela Amaq, ou por meio de qualquer número de agências regionais ou centrais do ISIS . (O vídeo de outubro de 2019 da Agência Amaq da ação do ISEA contra milícias alinhadas ao governo apareceu em canais não-oficiais pelo menos uma semana antes do seu lançamento pela Amaq). Isso significa que a percepção sobre as armas é mais representativa do uso real (em oposição a ser filtrada pelos canais sancionados e higienizados), mas também normalmente de qualidade inferior e com menos detalhes visuais disponíveis. No entanto, a natureza não-filtrada nos dá um excelente ponto de vista "real", especialmente combinado com a mídia oficial e aquela das autoridades.

Suas armas são um retrato muito interessante das cadeias de suprimentos e preferências dos insurgentes - vamos dar uma olhada.

Conteúdo da Parte 1:

  • Armas de uso padrão
  • Fuzis exóticos e incomuns
  • Plataformas de precisão e longo alcance
  • Metralhadoras leves, médias e pesadas

Fuzis de uso padrão

O ISEA é possivelmente um dos únicos ramos do ISIS, excetuando talvez elementos das forças do ISIS no Iraque, que padronizaram suas armas portáteis nos calibres padrão da OTAN. Isso provavelmente se deve ao fato dessas munições serem usadas pelas Forças Armadas das Filipinas - em particular 7,62x51mm e 5,56x45mm. Ambos os calibres são usados por vários forças militares em todo o mundo, tanto dentro quanto fora da OTAN.

Como as armas do ISEA são principalmente aquelas usadas pelas Forças Armadas da região, em particular as das Filipinas, isso não é surpresa. De forma semelhante, as próprias armas também são amplamente representativas daquelas em uso pelas AFP, com uma grande quantidade de adições.

O fuzil mais comum, visto na maioria das imagens postadas por membros do grupo, é o M16A1.


Este fuzil é o emblema do poder americano em todo o mundo, em particular da Guerra do Vietnã, onde relatos de que a plataforma era uma arma maravilhosa ou uma armadilha mortal absolutamente não confiável eram ambos imprecisos. Embora o M16A1 tenha sido substituído há muito tempo no serviço militar dos Estados Unidos, este fuzil continua em uso em vários países, tendo sido vendido, dado como ajuda ou produzido localmente.

No caso das Filipinas, existe uma relação militar tradicionalmente estreita com os Estados Unidos, que incluía várias entregas de fuzis, bem como produção licenciada nas Filipinas. Estes fuzis são designadas como 613P (P significa Philippines/Filipinas) e 653P, variantes do fuzil Colt 603 e da carabina Colt 653 M16, respectivamente.


M16A1 com o guarda-mão do M16A2.

Os M16 filipinos foram produzidos de 1974-1986, e os ~150.000 fuzis produzidos (embora os números precisos produzidos para cada tipo não sejam claros) durante este período continuam a servir nas Forças Armadas das Filipinas, e também no serviço da milícia, sejam capturados ou desviados. Havia também grandes quantidades de fuzis M16 e M16A1 fabricados nos EUA entregues durante o final da era do Vietnã; o programa de vendas militares ao exterior do governo dos Estados Unidos distribuiu cerca de 4.000 M16A1 (Colt Modelo 603) antes de 1975, enquanto outro programa, o Programa de Assistência Mútua (Mutual Assistance Program), sob os auspícios da Lei de Assistência de Defesa Mútua (Mutual Defense Assistance Act), entregou 22.991 fuzis em 1975. Isso não foi tudo - cerca de 45.000 fuzis Modelo 613 (versão de exportação do Colt 603) foram adquiridos diretamente da Colt antes de 1976. A última remessa de 30.000 fuzis M16A1 foi entregue durante a Presidência de Gloria Arroyo, entre 2001 e 2010, diretamente dos estoques excedente dos EUA. O grande número de fuzis produzidos ou entregues nas Filipinas explica de alguma forma a proliferação desses fuzis entre o ISEA. No entanto, as pequenas quantidades de M16A2 também entregues pelos EUA naquela época não apareceram com o ISEA.

O Colt 653-653P é idêntico em tudo, exceto nas marcações. (Fonte)

É quase impossível determinar se um fuzil é produzido pelos filipinos ou um fuzil Colt produzido nos Estados Unidos, pois não há diferença alguma entre os fuzis além das marcações de fábrica. Essas são normalmente difíceis de discernir.

Colt 603 ou 613P de comprimento total nas mãos do ISEA.



Fuzil encurtado artesanalmente.

Carabina.

Várias melhorias e atualizações para esses fuzis cansados foram realizadas ou propostas pelo Arsenal do Governo (Government ArsenalGA) do Departamento de Defesa Nacional das Filipinas, mas parece que uma alta porcentagem desses fuzis permaneceu perto do estoque em uso pelas AFP. A extensão da modernização parece ser tipicamente a substituição dos guarda-mão (geralmente no estilo M16A2) e a substituição ocasional da coronha/cano. Isso, é claro, foi filtrado para os fuzil vistos em uso pelo ISEA, com subgrupos que normalmente são mais bem financiados ou experientes, geralmente usando fuzis M16 em condições superiores.




Há evidências de atualizações e mudanças nesses fuzis que são específicas dos grupos militantes, e não realizadas pelas autoridades. Isso inclui reposições feitas por terceiros de coronhas, empunhadura de pistola, miras ópticas e trabalhos de camuflagem, como pode ser visto acima. Muitas vezes não está claro se as melhorias e personalizações das armas foram realizadas pelas autoridades ou pelos militantes, mas entre alguns combatentes, parece que os quadritrilhos feitos por terceiros são populares. Eles parecem ter sido comprados no exterior ou adquiridos no país - as Filipinas têm uma cultura doméstica próspera de armas de fogo. Alguns fuzis parecem ter sido cortados, de forma semelhante às carabinas Menusar da Força de Defesa de Israel.

Notícias sobre insurgências islâmicas nas Filipinas indicam que o M16 tem sido a arma de escolha para esses combatentes por muitos anos. É possível que a seleção de armas seja fortemente influenciada pela disponibilidade também, já que a área está inundada com variantes do M16.

Acessórios comuns incluem o guarda-mão Leapers UTG PRO estilo quadritrilho, empunhaduras de pistola ERGO Tactical, quebra-chamas Novekse Pig, e coronhas padrão Magpul. É improvável que muitos deles sejam genuínos - provavelmente, falsificações baratas ou cópias de airsoft.

Seguindo os fuzis padrão M16, um dos tipos de fuzil mais comuns em uso pelo ISEA é o fuzil de batalha M14. O M14 é uma variante melhorada de seleção de fogo do M1 Garand da Segunda Guerra Mundial, recalibrado para o cartucho de 7,62x51mm e utilizando um carregador de 20 tiros. Este cartucho de fuzil de tamanho grande é consideravelmente maior do que o 5,56x45mm e, portanto, carrega consigo as propriedades associadas de ser mais eficaz à distância, normalmente causando maiores danos à carne/tecido corporal além de 125m, e sendo muito mais eficaz contra estruturas e cobertura. No entanto, é muito mais pesado, tem um recuo muito maior e é geralmente considerado muito mais difícil de controlar quando dispara em modo totalmente automático.

O fuzil M14. (Fonte)

O M14 é o predecessor direto do M16, sendo o fuzil de serviço padrão do Exército dos EUA de 1961 a 1964. Este período foi um tempo de vida excepcionalmente curto para um fuzil de serviço, mas mesmo assim foram produzidos cerca de 1,3 milhão de fuzis M14, e centenas de milhares desses fuzis foram vendidos ou doados aos aliados dos Estados Unidos em todo o mundo, incluindo as Filipinas, que receberam cerca de 104.000 deles. O fuzil ainda está em serviço com as AFP, com os fuzileiros navais filipinos sendo fotografados com fuzis M14 ao longo de 2017 e 2018, incluindo em Marawi e outras operações contra-terrorismo.

Esses fuzis chegaram às mãos de militantes do ISEA em diversas áreas das Filipinas e são empunhados por uma grande maioria de combatentes. Semelhante ao M16, o M14 às vezes é personalizado com trabalhos de pintura e miras ópticas, embora eles geralmente estejam próximos da configuração padrão da coronha. Eles também foram identificados com novos chassis sintéticos, geralmente com uma coronha dobrável. Isso ajudaria muito no tamanho do M14 para o transporte pela selva.



O chassis acima parece ser um modelo sintético, completo com coronha dobrável no estilo Galil. O fabricante não está claro. Parece também que as armas adaptadas artesanais viram uso, com uma coronha dobrável para os lados fortemente semelhante à dos fuzis Galil ou AK búlgaros sendo conectados a uma coronha de madeira.

Embora não totalmente claro, parece que em geral os militantes preferem a plataforma de 5,56mm, além de desfrutar de um maior suprimento de fuzis e munições desse tipo. Para o combatente médio do Estado Islâmico, que normalmente parece ser jovem e de constituição física frágil, a plataforma M16 seria confortável de manejar e eficaz. A plataforma é leve, barata, confiável (com manutenção) e possui excelente intercambialidade de peças civis AR-15 e acessórios, facilitando a cadeia de suprimentos e as dificuldades de manutenção em oposição a plataformas mais raras, como o M14.




Militante do ISEA em Sulu com um carregador estendido improvisado para seu M14. Ele pode conter cerca de 35 tiros.

Embora o M14 seja um sistema de armas mais antigo em comparação com o M16 e certamente apresentará um maior desafio ergonômico e de manutenção para o grupo, o poder contundente da munição 7,62x51 pode ser útil para operações de longo alcance em comparação com as plataformas de 5,56mm do grupo. O grupo parece não ter falta de nenhum dos dois, e como as AFP continuam a usar ativamente o M14 contra militantes, parece que o grupo pode muito bem continuar capturando fuzis bem conservados das tropas do governo, garantindo um novo suprimento de fuzis inteiros ou peças de fuzis.

O fuzil também pode ser usado na função de DMR (atirador de elite designado). Isso requer miras óticas e usuários treinados. O grupo certamente tentou fornecer o primeiro para uso em um papel de contra-sniper contra as AFP, como detalharei mais abaixo em minha seção "Plataformas de precisão e longo alcance".

Outro fuzil comum usado pelo ISEA é o Galil, em suas versões mais antigas e na nova versão ACE. O IMI Galil é baseado no fuzil Valmet Rk 62 finlandês, que por sua vez é baseado no AK-47. Enquanto o Rk 62 é altamente semelhante à série AK fresada, diferindo principalmente em coronha, miras e guarda-mão, o Galil é uma variação desse fuzil finlandês, incluindo outras alterações no guarda-mão, coronha e, o mais importante, uma mudança no calibre para 5,56x45mm OTAN, em oposição ao 7.62x39mm Rk 62. Ambos podem ser considerados variantes de altíssima qualidade da série AK.

O Galil foi produzido em uma série de variantes - o AR (variante do fuzil padrão), ARM (fuzil-metralhador) e SAR (versão curta), mas o ARM foi o mais amplamente produzido. O ARM também é o mais comumente usado pelo ISEA.

Galil ARM.

Esta plataforma baseada no Kalashnikov usa seu próprio padrão de carregador (normalmente com capacidade de 35 tiros), que não é compatível com fuzis baseados no M16 do ISEA. Embora a capacidade ligeiramente maior desses carregadores possa ser uma vantagem para os combatentes do ISEA, a relativa escassez desses carregadores e a incompatibilidade com outras plataformas significa que este fuzil provavelmente terá uma utilidade ligeiramente limitada para o grupo. No entanto, o Galil é altamente confiável e fácil de manter.




Parece que o Galil às vezes é carregado por figuras de liderança de nível médio, como uma marca de prestígio. Não parece que os carregadores sejam escassos o suficiente para que o Galil não possa ser utilizado, apenas que não pode ser amplamente distribuído. Também pode ser avistado com a granada M203 40x46mm montada, o que requer modificações no fuzil (remoção do guarda-mão, bipé etc). Esta modificação do fuzil e lança-granadas para serem compatíveis é aparentemente distinta, com forças militares profissionais em todo o mundo muito raramente fazendo isso.


Uma iteração mais recente do Galil, o Galil ACE 21, também pode ser detectada nas mãos do ISEA. Esta arma é muito semelhante às versões anteriores do Galil, mas inclui recursos muito mais modernos, como trilho de acessórios, coronha dobrável estilo M4, precisão aprimorada e muito mais.



O Galil ACE 21 é amplamente utilizado na área, inclusive pela Polícia Nacional das Filipinas, que o utiliza (entre outras armas) como suprimento padrão. As imagens acima também parecem ter sido capturadas por forças policiais após um ataque, embora a corrupção também seja uma possibilidade. O pequeno tamanho do ACE 21 e sua compatibilidade de munição com o resto das armas do ISEA o tornariam uma arma útil de curto alcance, que também é significativamente mais moderna do que muitas das armas do grupo. No entanto, não tem a capacidade de montar o lança-granadas M203.

Embora o ACE seja um variante do AK bastante moderno, existem evidências de outros AK em uso pelo ISEA, incluindo vários fuzis Tipo 56. Estes não são usados pelas Filipinas e geralmente são considerados contrabandeados de estados vizinhos. Estes são acompanhados por alguns fuzis AKM - enquanto um carregamento de 5000 fuzis AKM foi enviado para as Filipinas pela Rússia no que foi em grande parte um esforço simbólico, estes parecem ter sido pouco usados e as imagens de fuzis AKM, por mais raros que sejam, pré-datam o fornecimento.


2 fuzis AK Tipo 56-1 e um AK padrão AKM com o ISEA, por volta de 2017.

Outro tipo de arma usado pelo ISEA são as carabinas do tipo M4. Isso inclui uma variedade de armas de diferentes fabricantes (por exemplo, pequenas quantidades de variantes da Colt M4 foram oferecidas pelos Estados Unidos em 2017), mas o mais típico é a carabina Remington R4A3. Isso é mais claramente descrito como uma cópia da carabina Colt M4, originalmente planejada para ser fornecida ao Exército dos Estados Unidos. Enquanto isso foi impedido por uma ação legal da Colt em 2012, a Remington passou a comercializar os fuzis para exportação. Eles não têm diferenças práticas no desenho fornecimento padrão M4 original, mas o sistema de trilhos e alguns outros detalhes diferem um pouco.

R4 com o lança-granadas M203, logo após a captura.


Fuzil R4 com lança-granadas M203, capturado em dezembro de 2018.

Outro R4 capturado. Observe a marcação "ganima", referindo-se a "Ghanimah" ou captura do campo de batalha, e Galil ao fundo. É provável que o M203 seja muito mais antigo do que o fuzil, e anexado pelos militantes.

Remington R4 e outros fuzis capturados pelo ISEA por volta de 2016.

Embora seja difícil determinar a origem específica para fuzis R4 individuais usados pelo ISEA, é extremamente provável que eles façam parte de um contrato de novembro de 2013 para o fornecimento de "mais de 40.000" fuzis para o Exército e Corpo de Fuzileiros Navais filipinos, um pedido que foi amplamente concluído no início de 2016, com um total de 56.843 entregues pela Remington. Embora a intenção declarada da compra das carabinas fosse substituir a série M16 em uso pelas AFP, isso também significou que o R4 caiu nas mãos do ISEA, geralmente através da captura das tropas das AFP.

R4A3 com M203 Airtronic.

Esta é uma plataforma moderna, leve e eficaz e, portanto, é dada a figuras de liderança quando capturados - por exemplo, Isnilon Hapilon e Omar Maute, figuras de liderança do grupo Abu Sayyaf e Maute respectivamente, foram mortos carregando fuzis R4 em outubro de 2017 durante as etapas finais das operações para remover o ISEA de Marawi. Isso indica que o grupo possuía fuzis R4 pelo menos antes do cerco de Marawi, quando por um período o ISEA reuniu grandes quantidades de armas modernas e munições para o ataque à cidade. Isso aconteceu apenas 12 a 16 meses após a chegada dos últimos fuzis R4 da Remington, embora as entregas tenham começado em 2014.

Remington R4A3.

O passo do raiamento de 1 em 7 do cano R4A3 também permite que ele use munição M855 perfurante. Embora a munição M193 ainda pareça ser um suprimento padrão para as AFP, o relatório sugere que uma mudança na famosa munição "ponta verde" pode ter começado em 2016. Embora o M855 seja utilizável nos fuzis M16A1 do ISEA, o passo de 1-12 desses fuzis significa que a precisão além de 100m seria muito prejudicada. Conseqüentemente, o uso do R4 é tanto um símbolo de status quanto um requisito prático para que os fuzis do ISEA sejam usados em distâncias mais longas com munição capturada recentemente, embora a munição M193 também seja extremamente comum em estoques de militantes e entre as tropas do governo ou forças policiais.

Um fuzil de padrão M4 (não parece ser um Remington R4) com M203 acoplado. Raramente não são vistos fuzis Remington R4 - as forças de segurança locais usam pequenas quantidades de fuzis Colt e semelhantes.

Um acessório extremamente comum para fuzis em uso pelo ISEA é o lança-granadas M203 40x46mm. O M203 é uma arma amplamente utilizada desde 1969, sendo usada em quase todos os conflitos envolvendo as forças armadas americanas ou seus aliados, do Vietnã à Guerra das Malvinas e até à Síria hoje. Uma arma muito versátil, o M203 e suas variantes ou clones foram anexados a quase todas as plataformas abundantes, da Série M16 ao Tavor israelense.

O M203, completo com guarda-mão M16 e mira.

No uso normal do Exército ou do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, o M203 geralmente não é um item padrão em todos os fuzis usados no grupo de combate típico, muitas vezes aparecendo em apenas um único fuzil por esquadra-de-tiro de 4-5 homens, embora essa prática varie entre as forças. Isso difere do uso pelo ISEA e seus grupos de componentes. Em vez disso, parece ser uma prática padrão anexar o M203, se disponível, a todos os fuzis possíveis.

Parece haver uma abundância de LG M203 e munições 40mm disponíveis, normalmente munição de alto explosivo padrão. Na verdade, dependendo da localização, as imagens de código aberto que eu vi indicam que não é incomum que mais fuzis sejam equipados com o lançador de granadas sob o cano M203 40x46mm do que aqueles sem, exceto os fuzis M14, que nunca são vistos com o M203.




Observe o tubo de proteção e o suporte improvisados do M203.




Curiosamente, na ocasião em que carabinas como a Colt 653P são usadas sem o "recorte M203" - o local de montagem para o M203 no cano - o grupo parece ter resolvido freqüentemente o problema fabricando uma cobertura de cano ventilado para manter o M203 no lugar e conectado, bem como às vezes fabricando soluções de montagem personalizadas para fuzis tais como o Galil e FN CAL. Isso indica que o M203 tem um valor alto o suficiente para que os combatentes dediquem tempo e recursos para adaptá-lo a fuzis para os quais ele não foi projetado. Parece que, se disponível, a cobertura do cano M203 original junto com a mira de folha com a qual é empregado, mas freqüentemente nenhuma mira é usada. Isso restringe o uso preciso do M203, mas combatentes experientes, especialmente em distâncias mais próximas, como em cidades ou na selva, ainda seriam capazes de empregar os lança-granadas. Normalmente, parece que 30-50% dos fuzis em uso têm M203 acoplado, com alguns grupos de combatentes (normalmente 4-10 indivíduos) totalmente equipados com M203, mesmo que nenhuma munição de granada seja carregada com eles.



Este uso do M203 como um multiplicador de força excede o das AFP, e poderia ser extremamente útil para os militantes na luta contra seus oponentes numericamente superiores, capazes de infligir danos em vários intervalos com apenas um número limitado de atacantes.

Não é incomum que os combatentes, como pode ser visto nas imagens acima, carreguem entre 4 e 12 granadas de 40x16mm consigo, sugerindo que o ISEA dá grande ênfase ao uso de grandes quantidades de granadas de 40 mm para ampliar sua capacidade de causar danos e baixas às forças governamentais.

Imagens de combate, como as de Marawi, normalmente mostram quantidades menores de granadas por combatente em comparação com a mídia social - é provável que as últimas imagens possam ser um tanto exageradas por causa das aparências. Apesar disso, em particular nas áreas onde o grupo tem maior financiamento e sucesso, o ISEA não tem escassez de munições novas/em bom estado de 40x46mm. Tanto que as imagens postadas online mostram munições totalmente novas sendo convertidas para uso como granadas improvisadas lançadas à mão. Embora seja viável que esta ação seja devido à falta de plataformas de lançamento, pode haver um excesso de oferta considerável de munição em algumas áreas, seja via Ghanimah (termo islâmico para espólio de guerra capturado) ou corrupção. Também pode ser a falta de usuários competentes ou treinados no M203, mesmo que grandes quantidades de fuzis o mostrem acoplado.

Imagens de captura de campo de batalha mostram um grande número sendo capturado, mas os engajamentos bem-sucedidos com as AFP, embora tenham aumentado nos últimos meses, ainda são baixos.

Combatentes do ISEA localizados em Sulu com M203 conectados ao Colt 653P e 613P.

É difícil determinar a origem dessas munições e lançadores, já que o M203 e sua munição foram fabricados localmente e em outros pontos do mundo, em particular, é claro, nos Estados Unidos. Parece que a maior parte dos M203 é bem utilizada, mas bem mantida, sugerindo uma cadeia de suprimentos de longo prazo de lançadores e munições de arsenais militares na região, bem como profunda familiaridade com a plataforma. A maioria parece ser de modelos M203 mais antigos que são difíceis de rastrear a época e a origem precisa, mas são mais prováveis de serem fornecidos a partir de estoques americanos durante as profundas relações entre os países que continuam até hoje - é muito provável que números de M203 tenham sido fornecidos junto com fuzis M16.

No entanto, alguns lançadores mais recentes, principalmente aqueles que são anexados a carabinas Remington R4, são da Airtronic USA. A Airtronic USA é um dos principais fabricantes de M203 nos Estados Unidos, atendendo ao Exército dos EUA e a clientes estrangeiros.

Sob o programa de Vendas Militares do Governo dos EUA, 2.865 M203 fabricados pela Airtronic USA foram entregues às AFP em 2017-2018 em duas fases: a fase 1 foi para 2.200 unidades de lançadores de granadas M203, enquanto a Fase 2 foi para 684 unidades. Esses lança-granadas teriam sido planejados diretamente para serem instalados na plataforma Remington R4, e muitos puderam ser vistos em uso durante o cerco da cidade de Marawi pelas forças governamentais.

Eles também caíram nas mãos do ISEA, embora em quantidades muito menores do que o M203 da era do Vietnã mais comumente encontrado. No entanto, o M203 é um lançador bastante simples e, se mantido, deve funcionar por longos períodos.

Fuzis exóticos e incomuns

O ISEA usa uma variedade considerável de fuzis "não padronizados", bem como aqueles que são do padrão AR-15. A origem desses fuzis é difícil de verificar, mas eles são uma excelente demonstração de quais tipos de plataformas estão disponíveis localmente.

O ISEA faz uso ocasional de Carabinas M1 e M2 - pelo menos 8.836 fuzis foram documentados como sendo transferidos pelos EUA entre 1945 e 1975, com muitos mais prováveis de serem obtidos antes deste período. Eles são regularmente capturados de grupos criminosos e outros grupos insurgentes.


Há evidências de que muito poucos fuzis Steyr AUG A1 estão sendo usados pelo ISEA - eles são usados por estados vizinhos e também raramente são usados pelos Scout Rangers, particularmente no início dos anos 2000.

Fuzis FN CAL em uso com o ISEA.

Observe a solução de montagem M203 improvisada.

O ISEA e seus predecessores mostraram muito poucos fuzis Vz.58 v (coronha dobrável) em uso. Algumas fontes afirmam que esses fuzis foram importados ilegalmente para o país na década de 2000, mas os detalhes não são claros.


Plataformas de precisão e longo alcance

Parece que pelo menos alguns militantes adotaram uma prática vista em todo o mundo - a do M16 como um fuzil de atirador designado improvisado (Designated Marksman Rifle, DMR). Como o M16A1 com seu cano de 20 polegadas é inerentemente mais preciso do que muitas armas usadas por insurgentes, como a série AK, bem como o desempenho de médio alcance razoável do cartucho 5,56x45mm, vários grupos ao redor do mundo adotaram os fuzis M16 como solução à falta de plataformas DMR dedicadas. Isso é particularmente útil ao operar em ambientes urbanos, como os encontrados pelo ISEA em Marawi, ou mesmo próximos em ambientes, como a selva, onde as deficiências do cartucho menor não são tão aparentes quando se operar em alcance, onde 7,62x51mm e maiores são geralmente considerados superiores. Em ambientes urbanos, no entanto, plataformas de 5,56mm são perfeitamente aceitáveis para alvejar as forças de segurança.

Militante do ISEA durante a Batalha de Marawi, com M16A1 no papel de DMR.

Equipados com uma mira de médio alcance, os M16 (e ocasionalmente seu clone chinês, o CQ) são fuzis competentes no papel de DMR improvisado. Na verdade, esse conceito foi adotado e estendido por produtos como o fuzil de uso especial Mark 12 Mod 0/1, usado pelas Forças Especiais dos Estados Unidos. Outro exemplo, muito mais próximo do ISEA, é o Fuzil de Fuzileiro Naval Sniper Batedor (Marine Scout Sniper Rifle, MSSR) dos Snipers Batedores do Corpo de Fuzileiros Navais filipino, que é um programa em evolução de melhorias no desenho básico do M16A1 (usando armações originais M16A1), para criar o que é dito ser um fuzil de muito bom desempenho até 600m.

Um militante do ISEA durante a Batalha de Marawi com o que parece ser um MSSR Geração 3 ou 4.

Militantes individuais podem ser vistos com miras de médio alcance acopladas aos fuzis M16 originais, às vezes com armações superiores de reposição. Também há evidências limitadas (como pode ser visto acima) de que o ISEA também capturou pelo menos um MSSR original, embora não esteja claro se a munição de precisão de 5,56mm também foi capturada, o que oferece um desempenho muito superior em comparação com a munição comum SS109/M855.

Fuzis GA-MSSR e GA-SDMR capturados em dezembro de 2020. (Imagem via @war_noir)

O M14 mencionado acima também foi usado como um fuzil de atirador designado, provavelmente devido ao desempenho superior da munição em distâncias mais longas em comparação com o 5,56mm. Novamente, não está claro se o ISEA obteve acesso à munição de atirador para o M14, mas as evidências disponíveis indicam que é improvável.


Acima podem ser observados dois fuzis M14 na função de sniper, embora, como afirmado anteriormente, seu caso de uso provavelmente esteja mais próximo de um fuzil de atirador designado. A montagem da luneta na segunda imagem parece ser idêntica a uma montagem de luneta CYMA/Matrix Airsoft, que é uma cópia alterada de uma montagem de luneta Springfield Armory para o fuzil M1A civil.

Em cima: Base de montagem de luneta totalmente em metal Matrix para fuzis AEG Airsoft da série M14. Em baixo: Montagem de mira estilo Picatinny de 4ª geração do Springfield Armory.

Não está claro o quão eficaz a montagem da luneta airsoft será com o fuzil real, mas pode-se esperar que a menor qualidade e tolerâncias da montagem airsoft afetarão a capacidade da luneta "manter o zero" (não exigindo ajustes frequentes para atingir um alvo em um determinado intervalo com precisão aceitável), e também terá maior probabilidade de quebrar ou desmoronar. No entanto, seria essencialmente funcional.

Os lutadores do ISEA e seus subgrupos também usaram quantidades limitadas de fuzis de ferrolho. Estes variam de fuzis de caça típicos, facilmente disponíveis na área, a fuzis M24 SWS muito incomuns - a bem conhecida adaptação do exército dos EUA da plataforma Remington 700 para uso militar. Este fuzil também está em uso com o Exército e o Corpo de Fuzileiros Navais das Filipinas.

Notar o silenciador conectado ao M24 SWS - este fuzil é muito provavelmente capturado nesta configuração das forças governamentais.

O que parece ser um fuzil de caça usado por um sniper do ISEA em Marawi.

Metralhadoras leves, médias e pesadas

Enquanto o Estado Islâmico nas Filipinas está bem armado com uma variedade de armas leves da Guerra Fria e modernas para o combatente individual, o grupo exibiu uma variedade muito menor de metralhadoras. No entanto, elas existem em quantidades razoáveis, com o grupo de combate médio do ISEA geralmente parecendo carregar pelo menos uma metralhadora, normalmente a metralhadora de uso geral M60 de 7,62x51mm.

Militante do ISEA com metralhadora M60E3, junho de 2016.

O M60 nas mãos do ISEA parece ser proveniente principalmente das Forças Armadas das Filipinas, por corrupção ou captura, assim como os M16 carregados pelo ISEA. A M60E3 é a principal metralhadora de uso geral das AFP, embora possua algumas armas atualizadas para o padrão M60E4. Parece que o M60 foi fornecido em grandes quantidades às AFP pelos Estados Unidos.

Duas metralhadoras M60E3 e uma Daewoo K3 nas mãos de combatentes do ISEA, por volta de 2018.

Embora os M60 usados pelo ISEA sejam provavelmente da safra dos anos 1960-1980 e geralmente exibam altos níveis de desgaste, parece que o grupo tem longa experiência com o M60 e pode operar e manter a plataforma. O M60 toma o lugar da metralhadora "padrão" que geralmente é a série de metralhadoras PK no Oriente Médio.

Combatente do ISEA com uma técnica de tiro "interessante" para o M60 durante a Batalha de Marawi.

A metralhadora média Browning M1919 também faz parte do arsenal do ISEA. O M1919 .30-06 foi regulamentado para uso de segunda linha e estático pelas AFP, e também raramente é visto em uso pelo ISEA, que parece ter acesso limitado à plataforma.

Uma metralhadora M1919A4 capturada do ISEA em Marawi (entre uma tremenda quantidade de outras armas, incluindo espingarda Browning Auto 5, carabina M1, M60E3, fuzis artesanais, lança-granadas M79 etc).

Embora a metralhadora M1919 seja uma plataforma mais antiga (da Segunda Guerra Mundial), com manutenção e um suprimento de munição .30-06 seria perfeitamente útil para os combatentes do ISEA. Dada a idade das plataformas e a aparente falta de munição, parece que raramente é usada. Parece que o AFP GA (Arsenal do Governo) não fabrica a munição necessária, ao contrário do 5.56x45 e 7.62x51, e como resultado, apenas os estoques existentes de munição podem ser usados pelas AFP e, por extensão, o ISEA. No entanto, o M1919 pode ser usado em grandes quantidades por milícias alinhadas com o governo, que frequentemente usam equipamentos mais antigos ou de segunda linha em grandes quantidades (isso também se aplica ao M1 Garand, que também é calibrado em .30-06 e também pode ser encontrado nas Filipinas).

A M1919 em uso por combatentes do ISEA, 2017-19.

Durante a Batalha de Marawi, uma M1919 pôde ser avistada sendo disparada de forma selvagem contra as forças das AFP - é difícil imaginar um cenário mais distante do que a venerável metralhadora foi projetada para fazer quase 100 anos antes.

Uma prima próxima da M1919 é a metralhadora pesada M2HB calibre .50 (comumente conhecida como Browning .50), que foi usada pelo ISEA em quantidades limitadas. No entanto, seu emprego é notável por sua raridade e caso de uso muito claro - a M2HB essencialmente só apareceu em números significativos durante a tomada de Marawi pelo ISEA, em que a metralhadora pesada foi usada como o componente de arma das Técnicas (picapes) do ISIS, e durante os intensos combates urbanos, tanto contra pessoal quanto contra aeronaves.

Técnicas do ISEA com M2HB durante a tomada da cidade de Marawi.

A M2HB é extremamente cara no mercado negro e oferece uma capacidade análoga à metralhadora pesada DShK 12,7x108mm usado com tanta frequência pelo ISIS no Oriente Médio. Como parte da mobilização militar do ISEA para a tomada de Marawi, parece que a M2HB foi adquirida em quantidades até então jamais vistas, junto com uma abundância de munição nova, presumivelmente por longos períodos de tempo. Estas foram então montadas em veículos. Parece que pelo menos uma metralhadora pesada AN/M2 (variante de aeronave de tiro rápido) também foi usada pelo ISEA.

Isso daria aos militantes uma capacidade de ataque de longo alcance e pesada, muito útil no estilo rápido de luta que o ISEA tentou imitar do Oriente Médio - a técnica sendo uma parte fundamental dessa estratégia. É difícil determinar quantas técnicas equipadas com M2HB foram empregadas, mas entre 10-20 parece realista, acompanhadas por quantidades maiores de M2HB desmontadas de qualquer veículo. Quantidades da M2HB foram eventualmente recuperadas pelas forças das AFP quando a cidade foi retomada.

Técnica do ISEA baseado em caminhão pequeno com M2HB.

M2 montada em uma picape.

M2 usada contra aeronaves das AFP.

Após o cerco, os militares das Filipinas fizeram um esforço deliberado para reduzir a ameaça dos armamentos de .50. Iniciada no final de 2017, esta abordagem multifacetada envolve: "preços de prêmio para metralhadoras M2 em programas de recompra, melhor segurança das M2 e da munição 50BMG em bases militares e esforços da marinha e alfândega das Filipinas para impedir a importação do mercado negro".

Parece que a capacidade dos grupos afiliados do ISEA de obterem munição pesada e 12,7x99/.50BMG era claramente motivo de preocupação para uma ação decisiva. A M2HB não parece ter sido usada pelo ISEA desde a Batalha de Marawi, mas o grupo pode manter um número limitado em estoque, ou pode ter conseguido comprar unidades adicionais.

Soldados do exército das Filipinas exibem armas capturadas de Abu Sayyaf em 2017, com uma M2 Browning e incluindo um par de fuzis M1 Garand, um dos quais foi pintado com spray preto brilhante.

O ISEA possui uma mistura variada e muito interessante de armas, como resultado da localização particular do grupo e dos fluxos de armas de longa data nas áreas em que opera. Fique ligado na Parte 2, que incluirá:
  • Lançadores RPG, lançadores de granadas auto-explosivas, canhões sem recuo e dispositivos IED.
  • Armas de porte.
  • Fornecimento de munição.
  • Armas de origem estrangeira.

Este projeto teria sido muito mais difícil sem a ajuda de @ flava13_v7, que agora infelizmente parece estar offline. Muitas imagens não oficiais foram coletadas por meio de seus canais. Meus agradecimentos também a Paweł Wójcik, cujo trabalho tem sido muito útil.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:





FOTO: Filipinos na Coréia, 14 de março de 2020.