domingo, 29 de janeiro de 2017

CLASSE SOVREMENNY/ PROJECT 956 SARYCH. O grande destróier lança mísseis da Marinha Russa e chinesa.

FICHA TÉCNICA
Tipo: Destróier.
Tripulação: 344 tripulantes.
Data do comissionamento: Dezembro de 1980.
Deslocamento: 7940 toneladas (totalmente carregado).
Comprimento: 156,5 mts.
Calado:  6,5 mts.
Boca:  17,3 mts.
Propulsão:  2 turbinas a vapor GTZA-674 que juntas produzem 99500 hp que movem dois eixos com hélices de 4 pás.
Velocidade máxima: 33 nós (61 km/h)
Alcance: 26000 Km (em velocidade de cruzeiro econômica: 14 nós)
Sensores:  Radar de busca aérea: MR-760 Top Plate 3D; Radar busca de superfície: MR 212 Palm Frond; Radar de controle de fogo: MR-90 Front Dome. Sonar MGK-355 Platina montado no casco.
Armamento: AAW: 2 lançadores de mísseis 3S90M Shtil (SA-N-12 Grizzly) ; 4 canhões antiaéreos AK-630 de 6 canos de 30 mm; 2 canhões duplos AK-130-MR-184 de 130 mm; SSW: 2 lançadores quádruplos para mísseis  P270 Moskits  (SS-N-22 Sunburn); ASW: 2 lançadores de torpedos pesados de 533 mm; 2 lançadores de foguetes RBU-1000
Aeronaves: Um Ka-27 Helix.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S Junior
O destróier classe Sovremenny, desenvolvido na Rússia, é um poderoso navio construído para complementar os destróieres anti-submarino da classe Udaloy, já descritos no WARFARE. Para essa tarefa, os navios da classe Sovremenny foram pesadamente armados para lidar com todas os ameaças possíveis do combate naval. Para combate anti-navio, estão instalados dois lançadores de 4 células de mísseis Raduga P-270 Moskit, denominados SS-N-22 Sunburn pela OTAN. Este míssil é um dos mais poderosos armamento anti-navio já construído. Com quase 10 metros de comprimento, este míssil tem quase o tamanho de um pequeno caça e voa em perfil “sea skimming” ou “rente ao mar” em velocidade supersônica alta (cerca de 3200 km/h), o que já lhe confere uma potente transferência de energia cinética quando impacta em um casco de navio, transportando uma ogiva de 300 kg de alto explosivo capaz de partir no meio qualquer navio do tamanho de um cruzador,  ou pode, ainda, ser armado com uma ogiva nuclear de 200 Kt, que poderia incinerar um grupo de batalha naval de uma vez. O alcance deste poderosíssimo míssil pode chegar a 120 km, quando disparado de superfície. Digo isso, porque este míssil é lançável de aviões, também, o que lhe confere um alcance de 250 km. Esse espaço que usei para descrever esta arma sem paralelo no ocidente, foi importante, pois é uma arma que “estigmatiza” este navio como um “matador” de navios.
Acima: O Potente míssil P-270 Moskit representa o martelo de batalha dos destróieres da classe Sovremenny. Mesmo sua versão com ogiva convencional é capaz de por a pique os maiores navios de guerra, com exceção dos porta aviões.
Para defesa antiaérea o Sovremenny é armado com  dois  lançadores de mísseis 3S90M Shtil (SA-N-12 Grizzly), que é a versão naval do míssil BUK-M-3, com um alcance de 70 Km. O Sovremenny carrega 48 mísseis 3S90M de recarga para esses dois lançadores. Dois canhões duplos AK-130-MR-184 de 130 mm com capacidade anti-superfície e antiaérea estão montados a frente e a traseira do Sovremenny, que transporta 2000 munições de capacidade.
Para defesa de ponto, estão instalados 4 canhões de 6 canos rotativos AK-630 de 30 mm e com uma cadência de tiro da ordem de 6000 tiros por minuto. São transportados pelo navio 8000 cartuchos de 30 mm para alimentar estes canhões.
Para guerra anti-submarino são transportados dois lançadores duplos para torpedos pesados de 533 mm e dois lançadores de seis tubos para foguetes anti-submarinos RBU-1000 com 120 foguetes de recarga e 12 para pronto emprego. Um helicóptero anti-submarino Ka-27 é transportado também. Graças ao armamento que havia sido planejado para este navio, o seu tamanho é grande, sendo pouco maior que o destróier americano de classe AEGIS como o Arleigh Burke, também já descrito nesse site.
Acima: O Sovremenny opera um helicóptero Ka-27 Helix para missões anti-submarino em apoio aos meios orgânicos do navio que participam desse segmento da guerra naval.
Mas todos esses “dentes” não seriam tão letais se não houvesse os sensores para serem os olhos e ouvidos do navio. Para isso, nos dois primeiros navios dessa classe, foi  instalado um radar Top Steer que faz a busca aérea e alcança 300 km. Nos navios mais recentes foi instalado um radar MR-760 Top Plate 3D, capaz de detectar uma aeronave de grande porte a 300 km e um míssil em voo rasante a 50 km, além de poder gerenciar 40 alvos simultaneamente. Para controle de fogo dos mísseis 3S90M Shtil é usado o radar  MR-90 Front Dome com 74 km de alcance. Para busca de superfície, é usado o radar MR 212 Palm Frond com um alcance de 105 km. Os navios da classe Sovremenny contam, também com um sistema de contramedidas ativas com 8 lançadores de iscas PK-10 e 2 lançadores PK-2 com 200 foguetes que lançam uma nuvem de chaff que causam desorientação nos radares de mísseis inimigos.
Acima: Embora a suite de sensores este navio seja antiga, ainda é capaz de fazer seu papel e dar a capacidade de escolta que nortearam o projeto original dos navios Project 956 (Sovremenny).
A propulsão do Sovremenny é feita por duas turbinas a vapor GTZA-674 que juntas produzem 99500 hp, e que movem dois eixos com duas hélices com 4 laminas. Esse sistema acelera o Sovremenny a uma velocidade máxima de 33 nós (61 km/h) tornando este destróier um dos mais rápidos da categoria. Sua autonomia é extremamente boa. São incríveis 26000 km, quando navegando em velocidade econômica, que nesta classe de navio significa algo em torno de 14 nós (26 km/h).
É claro que a classe Sovremenny representa um projeto com mais de 30 anos, e por isso, sua idade já pesa. Porém, dado a seu forte armamento e de se excelente desempenho marinheiro, os destróieres da classe Sovremenny ainda representam um sistema de armas que precisa ser respeitado no campo de batalha. O navio se mantém em serviço na marinha russa com 5 navios ativos de 17 unidades que um dia operou sob a bandeira da mãe Rússia, e na marinha chinesa com 4 navios.

Acima: Os navios da classe Sovremenny continuam em operação na Rússia e na China e deverão permanecer por mais alguns anos em serviço até serem substituídos por uma nova classe de navios.



VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

domingo, 22 de janeiro de 2017

DASSAULT AVIATION MIRAGE 2000-5MK2. O ultimo representante da dinastia Mirage.

FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: Mach 0,9 (1190 km/h).
Velocidade máxima: Mach 2,2 (2350 km/h).
Razão de subida: 17100 m/min.
Potencia: 0,91 (somente com combustível interno).
Carga de asa: 69 lb/ft².
Fator de carga: 9 Gs.
Taxa de giro instantânea: 22º/s.
Razão de rolamento: 270º/s.
Teto de serviço: 17600 m.
Raio de ação/ alcance: 1530 km (com 3 tanques externos)/ 3335 km.
Alcance do Radar: Thales RDY com 111 km (alvo de 5m² de RCS como um caça MIG-29).
Empuxo: Um motor Snecma M53-P2 com 9706 kgf com pós-combustão.
DIMENSÕES
Comprimento:14,36 m.
Envergadura: 9,13 m.
Altura: 5,2 m.
Peso vazio: 7500 Kg.
Combustível interno: 6966,60 lb.
ARMAMENTO
Mísseis Ar-Ar: Médio alcance: MBDA MICA RF / IR
Ar-Superfície:  Bombas AASM Hammer 250, BGL 1000/ 400/ 250, Bomba guiada a laser GBU-12 Paveway II
Interno: 2 canhões DEFA 554 de 30 mm

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior
O nome "Mirage" representa uma das mais bem sucedidas dinastia de caças na história da aviação militar. Os franceses, através de sua talentosa empresa Dassault Aviation, (inicialmente Avions Marcel Dassault), desenvolveram a família Mirage desde 1953 produzindo modelos, como o Mirage III e o Mirage 5, que obtiveram tanto sucesso comercial quanto em batalhas. O ultimo e mais moderno membro da família foi o Mirage 2000, uma aeronave desenvolvida com estabilidade relaxada, que dependia de um sistema de controle FBW (Fly By Wire) para voar, o que lhe garantia alta agilidade e a solução de todos os inconvenientes que a configuração de asa em delta apresentava em modelos anteriores, e que entrou em serviço na Força Aérea Francesa em 1984 com a versão inicial "Mirage 2000C" que era uma aeronave bastante especializada, limitada a operações de interceptação e combate aéreo. A partir dai, versões de ataque e treinamento foram sendo desenvolvidas aumentando o leque de opções dentro deste projeto. Em 1991 a Dassault apresentava a versão Mirage 2000-5, que trouxe melhoramentos importantes em seus sistemas permitindo ao caça de 3º geração operar como uma aeronave multimissão, atacando alvos no ar e na superfície. Esta versão foi adquirida pela Força Aérea Francesa que modificou quase 40 aeronaves do modelo C de seu acervo para o novo padrão "-5" e vendeu outros exemplares para mais 4 países.
O modelo que será foco deste artigo, a partir de agora, é o Mirage 2000-5MK2, que representa a ultima e mais moderna aeronave da dinastia Mirage.
Acima: O Mirage 2000C é um modelo especializado em missões ar ar, e foi necessário desenvolver novas capacidades para o modelo para torna lo mais flexível em combate, e tornar ele mais atrativo para o mercado internacional.
O Mirage 2000-5MK2 tem em seus sensores e armamentos, suas atualizações chave que trouxeram um aumento significativo de sua capacidade de combate quando comparado com as versões anteriores do Mirage 2000. Com relação a estes sensores, o mais importante foi a substituição do radar RDM, um sensor especializado para missões ar ar, pelo muito mais capaz e flexível RDY-2. Além do aumento do alcance de 85 km do RDM, para 111 km no RDY -2, o novo sensor permitiu o rastreio de 24 alvos simultâneos com engajamento de 4 deles simultaneamente. O RDY, trouxe também, uma capacidade inexistente anteriormente na versão C, que é a capacidade de rastrear e engajar alvos de superfície, tornado o Mirage 2000-5MK2 em uma aeronave de combate multi-missão. O avião recebeu a integração de um casulo (ou pod, como alguns preferem), para designação de alvos Damocles, fabricado pela Thales, que é composto por um designador a laser, um FLIR e um sistema de imagem de alta resolução que permite identificar um carro de combate inimigo no solo  a 27 km. O Mirage 2000-5 MK2 está equipado com um HUD (Head Up Display) Thales VEH 3020 de grande angulo, que permite uma melhor visualização do cenário de batalha aérea. Porém, a mira montada no capacete, a chamada "HMD (Helmet Monted Displau), não foi integrado ao Mirage. Esse recurso ficou para o seu sucessor natural, o poderoso e moderno Rafale, já descrito nesse site.
Acima: O radar RDY-2 é um dos pilares das capacidades do Mirage 2000-5MK2. Seu alcance é de cerca de 111 km contra um avo do tamanho de um caça e 4 alvos podem ser engajados simultaneamente.
O cockpit do Mirage 2000-5MK2 possui um painel com 3 telas multifunção coloridas que permitem um gerenciamento da navegação e missão mais fácil para o piloto. O layout dos controles no cockpit é do tipo HOTAS (Hands On Throttle-And-Stick) uma característica presente em todos os caças que foram projetados no fim da década de 70 para cá, e que também permite ao piloto um maior controle das ferramentas e recursos da aeronave sem ter que tirar as mãos do manche e do manete. O cockpit é, também, compatível com o uso de óculos de visão noturna.
No campo da defesa eletrônica, o Mirage 2000-5 está equipado com uma suíte de guerra eletrônica integrada Thales ICMS MK-2 que opera junto com um sistema de alerta de míssil Damir DDM que informa o piloto quando um míssil inimigo é lançado contra o seu caça.
Acima: O painel de controle do Mirage 2000-5MK2 tem o lay out típico dos caças de 4º geração, mesmo sendo uma aeronave de 3º geração. 
O Mirage 2000-5MK-2 é equipado com um motor turbofan Snecma M53-P2 que fornece a potência máxima com pós combustor de 9706 kfg de empuxo, dando uma relação empuxo/ peso, considerando o caça armado com 6 mísseis ar ar MICA e um tanque externo de combustível montado no cabide central da fuselagem, de 1300 litros, de 0,77. Não é um desempenho formidável, porém, a baixa resistência aerodinâmica permite ao Mirage 2000 um desempenho de aceleração consistente. A uma altitude de 10973 m, voando a velocidade de mach 0,9 (1190 km/h), acelera até mach 1,85 (2000 km/h) em apenas 120 segundos. A sua razão de subida é espetacular, chegando a 17100 m/min, o que corresponde a um desempenho melhor que o do F-15 e F-16 norte americano, e comparável ao do Su-27 e MIG-29 russos. Já no campo de manobrabilidade, a estabilidade relaxada, onde o centro de gravidade da aeronave é deslocado de sua posição natural,  e controlada pelos controles FBW (Fly By Wire), permite ao Mirage 2000, uma desempenho de curva muito bom, sem a característica perda de energia de aeronaves com configuração em delta possuem nessas curvas mais fechadas. A taxa de giro instantânea, a velocidade de mach 0,7 é de 22º/seg, o que pode ser considerado bom quando comparado com aeronaves de sua época.  para os padrões atuais, no entanto, esse desempenho não representa um valor tão bom. O moderno caça Rafale, já descrito no WARFARE, seu sucessor na força aérea francesa, atinge 31º/ seg em velocidade igual.
Acima: O Mirage 2000-5MK2 tem um bom desempenho de manobra. Se o compararmos com aeronaves de sua geração, ele se destaca positivamente nesse quesito.
O armamento do Mirage 2000-5MK2 é composto pelos mísseis ar ar de médio alcance MICA que tem alcance de 60 km e com total capacidade de combate de combater a curta distancia também, graças a sua vetoração de empuxo que lhe garante alta agilidade em manobras. O MICA pode ser equipado com um sistema de guiagem por radar ativo (RF) ou por um sistema de guiagem por infravermelho (IR). É interessante notar que esta ultima versão tem uma vantagem de emprego contra aeronaves stealth, que embora não reflitam bem as ondas de radar, não conseguem esconder a assinatura térmica com a mesma eficiência. Para missões contra alvos de superfície, pode-se transportar bombas guiadas AASM  Hammer 250, que podem ser lançadas a 15 km do alvo, sendo guiadas por um sistema de GPS ou com um tipo de guiagem dual, onde a arma faz uso de um sistema de GPS com suporte de um sistema de infravermelho, ou a laser, o que garante uma precisão com margem de erro de apenas 1 metro . As bombas guiadas a laser de fabricação francesa BGL, que são similares a família Paveway dos Estados Unidos, também podem ser empregadas em todas as suas versões pelo Mirage 2000-5MK2. Alias, a bomba GBU-12 Paveway II pode ser usada também no Mirage 2000.
Acima: O míssil MIKA é o principal armamento ar ar do Mirage 2000-5. Ao todo podem ser transportados 6 unidades, sendo 4 deles guiados a radar ativo, e dois deles por infravermelho.
Para ataque contra navios de guerra inimigos, o Mirage 2000-5MK2 usa o míssil AM-39 Block 2 Exocet guiado por radar ativo e com alcance de 70 km. Este míssil tem uma ogiva de 165 kg de explosivos e é capaz de produzir estragos significativos a navios do tamanho de um destróier. Outro armamento integrado ao Mirage é o míssil de cruzeiro multinacional SCALP EG (Storm shadow) fabricado pela MBDA e desenvolvido anteriormente pela Inglaterra Itália e França tendo um alcance 500 km. O sistema de guiagem do SCALP EG se dá  por uma combinação de sistemas INS, GPS e TERPRON que permite ao míssil voar rente ao solo seguindo o contorno do terreno dificultando sua detecção pelos sistemas de radares inimigos. Na fase final do ataque, o SCALP usa um sistema infravermelho.  A ogiva do SCALP EG, também difere do Apache. No SCAPL EG ela é unitária de penetração com 450 kg de alto explosivo. O objetivo é a destruição de alvos reforçados como um Bunker, por exemplo.
O armamento orgânico do Mirage 2000-5MK2 continuou sendo os mesmos dois potentes canhões DEFA 554 em calibre 30 mm, com 125 munições cada um, capazes de uma cadência de 1800 ou 1200 tiros por minuto, configuráveis por um controle do piloto.
Acima: O míssil SCALP EG montado no cabide central deste Mirage 2000-5B permite uma capacidade de atacar alvos fora do alcance dos seus sistemas de defesa (capacidade stand off). 
Embora o projeto do Mirage 2000 seja antigo, datando da década de 80 do século passado e já haver um sucessor em operação (o Rafale), é inegável que a capacidade de combate do Mirage 2000-5 MK2 ainda é bastante relevante. Bem armado, com bom desempenho de voo, e com sensores eficientes, ele está no mesmo nível que um F-16C Block 50 e pode operar com uma capacidade crível por mais 15 anos, pelo menos. O mercado de caças, no entanto produz pesado lobby junto as autoridades militares e políticas para forçar a substituição dos equipamentos de combate em uso por novos produtos, mantendo a saúde da industria bélica. Para nações como Emirados Árabes Unidos, Grécia, Catar e Taiwan, a manutenção de uma frota de Mirages 2000-5, faz bastante sentido ainda e deverão manter seus caças operando até 2030.
Acima: Embora o Mirage 2000 seja um projeto antigo e com seu sucessor já operacional, suas boa capacidades permitirão a continuidade de seu uso operacional por mais 15 anos pelo menos.



VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

SIG SAUER P-226. Uma das referências em qualidade no mundo das armas de fogo.

FICHA TÉCNICA
Calibre: 9 mm, 357 SIG e 40 S&W.
Peso: 964 gr (Descarregada).
Capacidade: 15+1 em 9 mm, 12+1 em 357 SIG e 40 S&W.
Comprimento do cano: 4,4 polegadas.
Comprimento total: 19,6 cm.
Gatilho: Ação dupla/ ação simples.
Sistema de operação: Colt- Browning modificado.
Mira: Alça ajustável horizontalmente e massa fixa com sistema tridot.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior
A marca "SIG SAUER" já foi foco de um artigo neste blog onde elenquei um pouco da história e o portfólio de pistolas que esta excelente industria de armas produz. Porém, é claro, alguns produtos, em especial, merecem uma descrição mais detalhada, dado a sua importância dentro do segmento de armas de fogo. Muitos modelos desta marca vão aparecer descritos no futuro, no Full Metal Jacket Blog, porém, o primeiro que considerei enfocar é o modelo P-226, considerada como uma das  "Wonder Nines", no concorridíssimo mercado estadunidense.
A história da P-226 começa em 1982 quando as forças armadas dos Estados Unidos emitiram um requerimento para uma nova pistola que viesse a substituir suas famosas pistolas calibre 45 do modelo Colt M-1911 nos serviços militares dos Estados Unidos. Muitas empresas famosas participaram desta concorrência, entre elas a Beretta, Colt, Heckler & Koch, Walter, FN Herstal, entre outras. A Sig Sauer usou como base de sua proposta, o famoso e consagrado modelo P220, calibre 45 ACP, e modificou o projeto para calçar o 9 mm Parabellum, adotando um carregador bifilar de 15 munições para cumprir o requisito de alta capacidade, o que aumentou um pouco a espessura da empunhadura.
As duas únicas empresas cujas pistolas passaram nos rigorosos testes foram a Sig Sauer P-226, e a Beretta M-92, já descrita nesse blog, e que, acabou vencendo essa concorrência. Tanto a Beretta quanto a Sig Sauer tinha a mesma eficiência, porém a SIG pecou em um item que ela sempre erra. O preço. As pistolas da marca são caras e essa característica já estigmatizou os produtos da empresa.
Acima: Este exemplar da foto é o primeiro modelo da P-226, lançada em 1982. Depois de mais de 30 anos, o modelo recebeu melhorias o que mudou seu desenho original.
Originalmente, a P-226 tinha a armação produzida em liga de alumínio e o ferrolho em aço inoxidável (mesmo a de acabamento preto, o material é aço inoxidável), porém, hoje existem muitas versões desta arma, e um acabamento mais robusto, chamado de Nitron, que fornece mais resistência a ferrugem e ao desgaste do uso intenso da arma.
O sistema de funcionamento é o Browning -Colt, onde o ferrolho tranca no cano e este, tem um movimento pivotante, onde, depois do disparo, quando o ferrolho recua, o cano inclina-se baixando a entrada da câmara, facilitando a entrada de uma nova munição, e quando o ferrolho volta a sua posição inicial, ele trava no bloco da câmara do cano. A maioria das pistolas modernas atuais, em calibres como o 9 mm, .40 e o 45 ACP usam este sistema ou uma variação dele. O gatilho, por sua vez, funciona no sistema de ação dupla que permite maior praticidade para operar a pistola com uma munição na câmara e com o martelo (ou cão) em posição desarmado, bastando apenas pressionar o gatilho para ocorrer o primeiro disparo, sendo que os disparos subsequentes serão todos em ação simples.
Acima: A desmontagem da P-226 se dá de forma extremamente simples, facilitando a limpeza de primeiro escalão da arma.
A P-226 possui algumas peculiaridades das teclas de operações. Na absoluta maioria das pistolas que possuem decocker (função de desarmar o cão), este recurso usa a mesma tecla de trava do ferrolho para operar esta função. Um exemplo é sua concorrente, a Beretta M-92, que basta baixar a tecla de trava do ferrolho para desarmar o cão. Na P-226,  não há a tecla de trava do ferrolho. Assim, a pequena tecla na lateral do chassi, próximo ao cão é, na verdade, o liberador do ferrolho (normalmente essa tecla fica a frente, na mesma posição do gatilho,aproximadamente). A tecla logo a frente, é o desarmador do cão (decocker).  É interessante observar que as teclas não são ambidestras e se localizam apenas do lado esquerdo da armação. E falando em armação, as P-226 passou a ter um trilho para acessórios na armação a frente do guarda mato, o que facilita muito a instalação de lanternas e apontadores laser.
Acima: Diferentemente da absoluta maioria das pistolas moderna, a P-226 n]ao possui uma tecla de trava do ferrolho, e a posição da tecla liberadora do ferrolho fica posicionada  acima da empunhadura, o que facilita sua operação com apenas uma mão.
A P-226 é fabricada nos calibres 9 mm Parabelum com carregador para 15 munições, 40 S&W, com carregador de 12 munições, e o potente 357 SIG com carregador de 12 munições também. A P-226 em 9 mm é mais usada por organizações militares e no mercado civil dos países onde a democracia funciona de verdade. O calibre 40 é mais usado por departamentos de polícia devido a seu bom poder de parada. A munição 357 SIG, por ser mais recente, tem seu preço maior além de não ser ainda muito difundido, porém, devido ao excelente desempenho balístico, esta munição deve se tornar mais comum no futuro. O cano da P-226 tem comprimento de 4,4 polegadas, sendo pouco menor que o comprimento da Colt M1911 cujo cano tem 5 polegadas. Mesmo assim, a P-226 é considerada uma pistola de tamanho "full" ou padrão, para ser empregada de forma ostensiva. Suas dimensões não permitem que ela seja portada de forma dissimulada com muito sucesso. Afinal trata-se de uma arma relativamente espessa.
A alça da mira permite regulagem horizontal e o conjunto de alça e massa possui 3 pontos brancos (sistema tri-dot) que facilita o rápido enquadramento da mira ou a visada rápida.
Acima: A confiabilidade da P-226 é tão alta quanto da Beretta M-92, a colocando como um dos ícones do mundo das armas de fogo.
A Sig Sauer produz muitas versões de sua P-226, como a versão Combat, que vem com a rosca de fábrica para supressor de ruídos (os famosos silenciadores), em acabamento saia e blusa, com a armação cor deserto e o ferrolho em Nitron preto fosco; a MK-25 que é o modelo adotado como padrão do SEALs , tropa de elite da marinha norte americana, onde o modelo apresenta tratamento interno anti corrosão; P-226 Legion, com acabamento PVD cinza cujo acabamento é, também, mais resistente que o de uma oxidação comum. P-226 Elite, que tem o beaver tail aumentado, garantindo uma maior segurança para as mãos do operador que poderia receber uma "mordida" do ferrolho no momento do disparo, além de placa de madeira na empunhadura, que dá uma aparência mais "nobre" ao armamento.
Como muitos dos leitores deste blog sabem, no mundo das armas de fogo, o produto que apresenta alta qualidade e confiabilidade possui uma vida operacional sem prazo para acabar, a exemplo do velho projeto de John Moses Browning, a Colt M 1911, fabricada e usada por forças militares até hoje, mesmo depois de ter sido substituída como arma de porte da infantaria norte americana. A P-226 da SIG, cujo projeto já tem 34 anos já, deverá se manter em produção por muitas décadas. Além de uma pistola confiável e bastante precisa, ela se tornou um item de colecionismo para os amantes de armas de fogo. Seu custo porém, na casa dos U$ 1000,00, em território norte americano, em suas versão mais simples, se mostra caro para o segmento.
Acima: O grupo de operações especiais da marinha dos Estados Unidos SEALs usam uma versão da P-226 projetada especificamente para eles designada MK-25. cuja marca externa é a ancora desenhada ao lado no nome da arma no ferrolho.




Acima: As P-226 atuais tem uma empunhadura com a ergonomia aperfeiçoada para uma pega mais confortável e firme.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o Full Metal Jacket e o site WARFARE no Twiter e nossa fanpage no Facebook

PISTOLA SIG SAUER P-226 - Atualização Full Metal Jacket


Olá amigos.
O blog Full Metal Jacket traz em detalhes esta semana a pistola Sig Sauer P-226. Uma arma já no hall das pistola clássicas que ajudou a consolidar a fama da qualidade da empresa Sig Sauer no mercado mundial.

Abraços

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

BAE SYSTEMS CHELLENGER 2. Um inglês peso pesado

FICHA TÉCNICA
Velocidade máxima: 59 Km/h em estrada e 40 km/h em terreno irregular.
Alcance máximo: 450 Km (em estrada); 250 km (em terreno irregular).
Motor: Um motor turbo diesel Perkins CV 12 com 1200 Hp.
Peso: 62,5 Toneladas.
Comprimento: 11,55 m (contando o canhão)
Largura: 3,52 m.
Altura: 2,49 m.
Tripulação: 4 tripulantes.
Inclinação frontal: 60º.
Inclinação lateral: 30º.
Passagem de vau: 1,07 m
Obstáculo vertical: 0,9 m.
Armamento: 1 canhão L-30 de 120 mm, 1 metralhadora Chain gun de 7,62 mm e uma metralhadora L-37 de 7,62mm.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S Junior
O tanque pesado Challenger 2 é uma evolução do Challenger 1, e representa  a ultima geração de tanques de guerra pesados do exército britânico. O Challenger 2 foi desenvolvido pela BAE Land Systems, conhecida formalmente como Vickers Defense Systems. Atualmente o Challenger 2 está em serviço no exército britânico, com 226 tanques em serviço, e no exército de Omã que colocou uma encomenda de 38 unidades para suas fileiras de combate.
O Challenger 2 usa a famosa blindagem “Chobham” de segunda geração na sua torre, o que garante um dos maiores índices de proteção blindada nos tanques atuais. Além disso o tanque é protegido para operar normalmente em ambientes NBQ (nuclear, biológico e químico), característica muito importante quando muitos prováveis inimigos da OTAN, possuem armas táticas com essas características. Existem 5 lançadores de fumaça L-8 de cada lado da torre, para dificultar o engajamento do Challenger por um inimigo, e um sistema que injeta diesel nos exaustores do motor para fazer fumaça e conseguir o mesmo efeito.
Acima: Aqui podemos ver o Challenger 1, veículo do qual deriva o Challenger 2. Embora os dois veículos se assemelhem, externamente, o Challenger 2 apresenta melhorias em todos os aspectos do desempenho.
O motor que equipa o Challenger 2 é um potente  turbo diesel Perkins CV 12 com 12 cilindros e 1200 hp de potência. Esse motor permite um desempenho de velocidade de 59 km/h em estradas ou 40 km/h em terreno irregular, o que não é nada mal se levarmos em conta que o Challenger 2 pesa 62,5 toneladas! Vale observar aqui que os MBTs norte americano M-1A2 e o alemão Leopard 2 A5 possuem motores mais potentes, porém, o Perkins CV-12 demonstrou ser mais confiável nas operações de guerra contra o exército iraquiano.  O alcance está em 450 km rodando em estrada, ou 250 Km em terreno irregular. A suspensão é do tipo hidrogas variável de segunda geração, o que consegue um conforto maior a tripulação que a dos tanques anteriores.
Acima: Embora o Challenger 2 tenha velocidade e potência menores que a de seus concorrentes ocidentais, a confiabilidade mecânica é maior.
O Challenger 2 está equipado com um computador de controle de fogo da General Dynamics Canadá, e um sistema PBISA que é um sistema da informação do campo de batalha produzido pela General Dynamics UK. Esse sistema integra o mostrador do motorista com o do comandante, facilitando a tomada de decisões e agilizando a dinâmica de combate. Um sistema de comunicação digital tático Bowman, permite uma comunicação de voz segura e a transmissão e recepção de dados, fazendo, também a localização de todas as outras unidades no campo de batalha. Sistemas como esse, são indispensáveis para uma maior consciência situacional da batalha. Tanques sem um equipamento com essa capacidade tendem a ser destruídos em combate por tanques que usam esta tecnologia.
Acima: O Challenger 2 é o mais protegido MBT do mundo. Porém, ainda pode receber módulos adicionais de blindagem reativa como o exemplar da foto acima. 
Uma mira giro estabilizada SAGEM VS-580-10 está montada para uso do comandante e atua de forma integrada a um telêmetro a laser que confirma a visada para a decisão de disparo. Para uma visão de 360º em volta do tanque, o Challenger 2 tem 8 periscópios montados ao redor do tanque. Para o artilheiro há uma mira térmica Pilkington Optronics TOGS II que fornece a capacidade de visão noturna, além de permitir encontrar alvos fortemente camuflados. As informações captadas por este sensor são mostradas nas miras do comandante e na do artilheiro, assim como em seus monitores. Ainda para o artilheiro há um sistema primário de mira estabilizada, também da Pilkington Optronics, e que opera em conjunto com um outro telêmetro laser com alcance de 200 m à 10 Km e de um monitor. E por ultimo, o motorista do Challenger 2, conta com um periscópio L-30, com intensificador de imagem, fabricado pela Nanoquest, montado coaxialmente, acima do canhão.
Acima: O Challenger está equipado com uma suíte de sensores que permite uma ótima consciência situacional do campo de batalha além de permitirem uma visada eficiente de seus alvos.
O armamento principal do Challenger 2 é um canhão L-30A1 de 120 mm, estabilizado, fabricado pela BAE Land Systems.  O canhão é feito com um processo de fundição por eletrostática e ainda revestido com uma luva térmica. Este canhão possui alma raiada, sendo que o Challenger 2 é o único carro de combate moderno ocidental que usa um canhão desse tipo, o que implica em uma precisão superior a um custo de menor capacidade de penetração quando comparado come outros veículos de combate similares. Dentro do veículo ficam estocados 49 projéteis de vários tipos, incluindo a perfurante de blindagem (APFSDS), projéteis de alto explosivo (HE), e munição de urânio empobrecido. Como armamento secundário, estão montados uma metralhadora coaxial L-94A1 Chain Gun calibre 7,62 mm, e uma metralhadora anti-aérea L-37A1 (Versão da famosa e confiável FN MAG) em calibre 7,62 mm.
Acima: Visto de muito perto, podemos observar as raias existente na alma do canhão L-30A1 do Challenger 2. Ele é o único MBT ocidental com um canhão de 120 mm de alma raiada.
O MBT Clallenger 2 é um dos mais eficientes carros de combate do mundo atualmente. A Inglaterra pretende manter ele em operação, pelo menos, até 2035. Até lá, o veiculo passará por mais modernizações que abrangerão seus sistemas eletrônicos e sensores. Por ser um veículo de alto valor, graças a seus sofisticados sistemas e sua blindagem passiva, a eventual substituição do Challenger 2 vai ser um trabalho bastante árduo para o fabricante que ficar incumbido desta tarefa. Não ficaria surpreso, se o sucessor do Challenger 2, depois de 2035, acabar sendo um blindado binacional, ou fruto de um consórcio multinacional para desenvolvimento de uma nova geração de MBTs, para poder dividir os altos custos que um veículo destes trará.
Acima: O Challenger 2 passará por um amplo programa de modernização que o manterá na ativa até 2035.


VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.