sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Modernização do exército chinês: progresso, retórica e realidade


Por Henry Boyd, Military Balance Blog, 21 de agosto de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de agosto de 2019.

O Livro Branco da Defesa de 2019 da China, publicado em 24 de julho, sugere que o Exército de Libertação Popular (PLA) pode estar em risco de perder as metas de modernização programadas para serem alcançadas antes do 100º aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês (PCC) em 2021.
O cronograma de modernização do PLA está mais do que simbolicamente vinculado aos objetivos dos "Dois Centenários" (两个一百年) do Presidente Xi Jinping. O aniversário da fundação do PCC é o primeiro centenário, enquanto o segundo, em 2049, marcará 100 anos desde a fundação da própria República Popular da China. Um PLA mais capaz é uma parte fundamental do "China Dream" (中国梦, Sonho Chinês) - uma ambição abrangente de desenvolvimento e modernização para a nação chinesa promovida por Xi. Portanto, o PLA recebeu uma série de três pontos de referência para seu próprio progresso - em 2020, 2035 e 2049.

MECANIZAÇÃO E INFORMATIZAÇÃO
Até 2020, o PLA deve ter cumprido os objetivos de alcançar a mecanização básica (机械化) e feito progressos significativos em direção à informatização (信息化). Essa linha do tempo foi divulgada publicamente no Livro Branco da Defesa de 2008 e foi reiterada recentemente no discurso de Xi no 19º Congresso do Partido em 2017. O PLA nunca tornou público o que exatamente quer dizer por um ou outro termo, mas o primeiro é amplamente entendido como modernizar os inventários de equipamentos, enquanto o último aborda a ampla adoção de sistemas digitais em um ambiente de rede.
Os dois objetivos refletem o fato de que o PLA do pós-Guerra Fria vem correndo atrás das outras grandes potências militares, e os EUA em particular, em termos de capacidade de equipamentos e como conduzir operações militares modernas. Procurando diminuir rapidamente essa lacuna, está tentando perseguir os dois objetivos mais ou menos simultaneamente.
Também em 2017, Xi parecia indicar que os objetivos de modernização haviam sido atingidos. No desfile do dia do exército em 1º de agosto daquele ano, ele pareceu anunciar que o PLA já havia alcançado a mecanização e havia feito rápido progresso em direção à informação. Os autores do último Livro Branco, no entanto, adotam uma linha mais cautelosa. Apesar do bom progresso, o PLA "ainda não concluiu a tarefa de mecanização e precisa urgentemente melhorar sua informatização".
Examinar fatos no terreno sugere que, particularmente no que diz respeito à mecanização, o floreio retórico de Xi parece excessivamente otimista e a cautela do Livro Branco talvez exageradamente pessimista.

PROGRESSO DO EXÉRCITO DO PLA
O próprio Exército do PLA (ou seja, as forças terrestres) continua sendo o ponto de falha mais provável para os objetivos de 2020. Embora a reorganização mais recente tenha reduzido o tamanho geral do exército para menos de 1.000.000 de soldados, ele ainda mantém aproximadamente o dobro do pessoal em serviço ativo do que o Exército dos EUA. Equipar essa força exclusivamente com equipamentos modernos é uma tarefa enorme. É um desafio ainda maior, dado que as forças da marinha, da força aérea e de foguetes estão recebendo prioridade sobre o exército para seus próprios programas ambiciosos.
Embora o exército tenha ambições de padronizar seu equipamento em suas brigadas de armas combinadas, recentemente reestruturadas, com papéis pesados, médios e leves que lembram a estrutura da equipe de combate de brigada dos EUA, por enquanto um número significativo de formações ainda depende de plataformas e sistemas legados. Essa "mecanização parcial" do exército é vista há muito tempo como um fator complicador importante na busca do PLA de obter a informatizações efetiva.
Dos 5.800 tanques principais de batalha listados em serviço no banco de dados do IISS Military Balance+, apenas cerca de 60% podem ser classificados como modernos; cerca de 2.000 ainda são baseados no obsoleto ZTZ-59 (uma versão licenciada do T-54 soviético). O tanque leve Tipo-15 (ZTQ-15) mencionado no Livro Branco entrou em serviço agora, mas apenas com uma, ou talvez duas, brigadas até agora. Para outros veículos blindados, o cenário é pior: das aproximadamente 50 brigadas de armas combinadas pesadas e médias do PLA (excluindo formações anfíbias), apenas cerca de 20 estão atualmente equipadas com os mais recentes veículos de combate de infantaria sobre lagarta (ZBD-04/ -04A) ou sobre rodas (ZBL-08).
O novo MBT leve ZTQ-15 (Type 15) do Exército de Libertação Popular
Em suma, substituir completamente o inventário da plataforma legada do Exército do PLA - presumivelmente um componente essencial da verdadeira mecanização - exigiria a adição de milhares de novos veículos blindados e peças de artilharia nos próximos dois anos. É altamente improvável que isso ocorra, mesmo que a modernização do exército receba uma priorização mais alta do que no passado. Um resultado mais realista pode ser a expectativa de que pelo menos 50% de todos os veículos blindados, artilharia e sistemas de defesa aérea do Exército do PLA sejam modernos até 2020.
Embora esse resultado possa ser menos palatável politicamente do que a modernização total, é importante lembrar que mesmo um Exército do PLA parcialmente modernizado ainda representa uma capacidade impressionante. Mesmo as 20 brigadas equipadas com ZBD-04/ZBL-08, mencionadas acima, já superam o total de 17 equipes de combate de brigada Blindadas e de Stryker do Exército Americano em serviço. Enquanto isso, os vizinhos da China, como Índia, Rússia e Taiwan, estão enfrentando seus próprios problemas em relação à modernização das forças terrestres. Dado que a Marinha do PLA e a Força Aérea do PLA, em particular, estão muito mais à frente do que o exército em termos de modernização de equipamentos, os prazos de 2020 podem, portanto, representar mais uma preocupação de apresentação do que prática para o PLA.
Míssil balístico DF-21D, projetado para destruir porta aviões e seu grupo de batalha é uma das grandes conquistas do moderno Exército de Libertação Popular da China.

Essa análise foi originalmente publicada no IISS Military Balance+, o banco de dados online que fornece informações e análises indispensáveis para usuários do governo, forças armadas, setor privado, academia, mídia e muito mais. Personalize, visualize, compare e baixe dados instantaneamente, em qualquer lugar, a qualquer hora. O IISS Military Balance+ inclui dados sobre as forças armadas da China, equipamentos, economia de defesa, aquisições de defesa, exercícios militares e desdobramentos.

Henry Boyd é pesquisador
em Defesa e Análise Militar.















ÍNDICE DE ARMAMENTOS TERRESTRES - WARFARE BLOG



quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

HECKLER & KOCH G3. Conheça o Fuzil de Batalha G-3 (e ele é uma lenda por um bom motivo)

Heckler & Koch G3

Por Kyle Mizokami, The National Interest, 08 de dezembro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro
Adaptação de Carlos Junior.

FICHA TÉCNICA
Tipo: Fuzil de assalto.
Miras: dioptro rotativo com marca para 100 e 400 metros.
Peso: 4,5 kg (vazio).
Sistema de operação: Blowback com retardo.
Calibre:7,62x51 mm.
Capacidade: 20 tiros.
Comprimento Total: 102 cm.
Comprimento do Cano: 17,72 pol.
Velocidade na Boca do Cano: 790 m/seg*.
Cadência de tiro: 600 tiros/ min.
 * Dependendo da munição haverá variação como qualquer calibre.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

ESTÁGIO CAPACITA OPERADORES DO SISTEMA REMAX, ESTAÇÃO DE ARMAS DA NOVA FAMÍLIA DE BLINDADOS DO EXÉRCITO


Estágio do Sistema Automatizado REMAX da Viatura Blindada de Transporte Pessoal (VBTP) Média sobre Rodas 6x6 GUARANI.
São Borja (RS) – No período de 16 a 20 de dezembro foi realizado, no 2º Regimento de Cavalaria Mecanizado, o Estágio do Sistema Automatizado REMAX da Viatura Blindada de Transporte Pessoal (VBTP) Média sobre Rodas 6x6 GUARANI. A REMAX é uma estação de armas remotamente controlada, giro-estabilizada, para metralhadoras 12.7 mm, 7,62 mm e .50mm, equipando a nova família de blindados do Exército Brasileiro. Participaram da atividade integrantes de organizações militares subordinadas à 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada.

Durante o estágio, foram realizadas instruções teóricas e práticas por técnicos da empresa ARES Aeroespacial e Defesa. Na oportunidade, os estagiários executaram o tiro diurno parado e em movimento, utilizando o sistema de estabilização de tiro da Torre REMAX, empregando a metralhadora calibre .50. A finalidade foi capacitar os oficiais e sargentos a operarem o material que faz parte do Programa Estratégico Guarani e realizar a manutenção de 1º nível da Torre REMAX.
O REMAX é uma estação de armas remotamente controlada giro-estabilizada para metralhadoras 12,7 mm e 7,62 mm que foi desenvolvida a partir dos requisitos do Exército Brasileiro por meio de uma parceria da ARES com o CTEx (Centro Tecnológico do Exército).
Fonte: 2º RC Mec



terça-feira, 24 de dezembro de 2019

UM FELIZ NATAL A TODOS VOCÊS!


Eu desejo a todos os leitores e colaboradores do WARFARE Blog um feliz natal para todos vocês! Que esta data seja aproveitada por todos vocês para refletir sobre o significado da vinda de Jesus Cristo e os exemplos que ele deu com objetivo de instruir a humanidade para um caminho mais alto.

Carlos Junior

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

GAROTA A JATO: A história de Caroline Johnson, a primeira mulher a bombardear o Estado Islâmico com o caça F/A-18 Super Hornet da Marinha dos Estados Unidos



Caroline Johnson

Em 9 de agosto de 2014 , Caroline Johnson se posicionou no banco traseiro de seus F/A-18F Super Hornet preparando-se para atacar o inimigo, tornando-se a primeira mulher a lançar as bombas  sobre o Estado Islâmico.

Texto Dário Leone para o site  The Aviation Geek Club
Tradução e adaptação: Carlos Junior.

Caroline Johnson era uma candidata improvável para a aviação. Uma loira alta estreante nascida no Colorado, poderia, facilmente, entrar em uma carreira na industria da moda ou na cinematográfica, ainda sim se tornou uma WSO (Weapons System Officer) ou Oficial de Sistemas de Armas do Boing F/A-18F Super Hornet da marinha dos Estados Unidos.

Ela iniciou sua carreira militar na academia naval dos Estados Unidos em 2005, rebelando-se contra as regras da sociedade, mas amando os desafios e os amigos que fez em sua trajetória. Apos se formar em economia, em 2009, ela ingressou na comunidade de elite da aviação naval e iniciou a escola de voo em Pensacola, Florida. Em 2011 ela recebeu suas "asas de ouro"e foi designada Naval Flight Officer (NFO) ou oficial de voo naval, mais especificamente uma WSO do F/A-18F Super Hornet. Terminando no topo de sua classe, ela ganhou o premio Paul F. Lawrence, como reconhecimento por ter se destacado como a primeira da classe em caça de ataque, assim como a mais destacada de sua turma no ranking geral.
Boeing F/A-18F Super Hornet do esquadrão VFA 123 Fighting Blacklions.
Caroline voou o F/A-18F como membro do esquadrão VFA 123 Fighting Blacklions, a bordo do porta aviões USS George H.W Bush (CVN-77), durante uma implantação de 9 meses em 2014.
Em sua missão histórica, Caroline e os Blacklions voaram em apoio a Operation Enduring Freedon (Liberdade Duradora) e na Operation Inherent Resolve (Operação Inerente Resolução) em ações no  Afeganistão, Iraque e Síria.
Então, 9 de agosto de 2014 chegou. Ela e sua unidade estavam sobre o Monte Sinjar, no Iraque quando detectaram dois veículos blindados de transporte de tropas e dois Hunvees disparando contra uma aldeia, levando homens mulheres e crianças a fugirem correndo para preservar suas vidas. Drones de reconhecimento sobre a área identificaram que se tratava de forças do estado Islâmico, e um ataque  contra essas forças foi autorizado pelo secretário de defesa. Johnson se preparou para o ataque no cockpit traseiro de seu Super Hornet, fazendo dela uma das primeiras mulheres  a voar em uma missão de combate sobre o Iraque desde 2011, e a primeira mulher e lançar bombas sobre o Estado Islâmico a partir de um F/A-18F Super Hornet.
"Esse foi meu primeiro ataque e não me arrependo disso", disse Johnson.
"Foi um momento sombrio. Você percebe que está tirando a vida  humana para proteger outra vida humana. Isso não é natural. Matar a distancia é duro, mas é mais fácil. A percepção da gravidade do momento não foi perdida para mim. Mas eu fui treinada para fazer isso. Eu executei uma ordem e fui capaz de proteger a aldeia com  pessoas inocentes de serem massacradas."
O F/A-18F Super Hornet de Caroline, armado com um míssil AGM-65 Maverick.
Eles tiveram que esperar 72 dias sobre o Iraque e Síria antes de serem autorizados de usar força letal. Assistir o estado Islâmico operar nesse intervalo de tempo foi brutal.
"Eles são humanos horríveis, com um total desprezo pela vida humana" disse ela. "Para testemunhar aquilo, dia apos o outro, assistir assassinatos em massa, você tem que ter uma compreensão, e eu tinha treinado por muito tempo  para proteger pessoas inocentes em terra, e quando vi isso ser violado, e finalmente pude usar minhas habilidades para lidar com isso, e usar armas, não há chamado maior!"
Em cima, um F-14D Super Tomcat e abaixo um F/A-18F Super Hornet do esquadrão Blacklions do qual Caroline fez parte.
Seu livro de memórias "Jet Girl" foi lançado em novembro de 2019. Em 1º de dezembro ouve uma  sessão de autógrafos na livraria Covered Treasures Bookstore, em Monument, Colorado, Estados Unidos.
 Um dos momentos mais "interessantes" na trajetória militar de Caroline veio em sua primeira festa de esquadrão. Quando as esposas do outros aviadores descobriram que ela não era uma esposa / namorada, mas sim um piloto de combate, ela foi imediatamente excluídas das conversas.
No esquadrão Blacklions, Caroline completou  suas qualificações nos níveis II, III e IV do SFWT, obteve a designação de comandante de missão de combate  e também se formou com honras na universidade de Oklahoma com o Master of Arts em liderança administrativa.
Johnson permaneceu ativa dentro do cockpit até 2015, quando fez a transição para o ensino na Academia Naval, onde ensinou liderança e recrutou a próxima geração de aviadores  como oficial  de operações  de aviação.
Atualmente Caroline está na reserva da marinha, e trabalha como consultora e e oficial de ligação.

Na transição para o setor privado, foi co-autora com Hof William do livro Jet Girl, e se tornou palestrante profissional.

Conforme informado ao The Gazette, em suas memorias, ela também citou ter sido alvo de assédio moral por ser mulher em uma atividade de alta performance em uma elite militar, e que isso teve um peso em sua decisão de deixar o serviço ativo. A maioria de de seus colegar a tratou de forma igualitária, mas alguns poucos  não tiveram o mesmo comportamento. "A maioria das minhas experiencias foi maravilhosa, mas houveram algumas maçãs podres que criaram uma experiencia miserável," ela disse.
"As circunstancias não chegaram a ser criminosas, mas elas foram difíceis de superar, mesmo para uma pessoa resiliente, como eu fui, e no auge do minha carreira. Alguns dias foram bem tristes."
Eça espera que estas experiencias auxiliem na melhora no ambiente para as futuras gerações.
"Olhando para traz, fico feliz por ter passodo por tudo isso. Eu cresci muito. " disse ela. "Isso me deu uma melhor compreensão sobre como o assédio moral afeta as pessoas. Se pudermos impedir que o assédio moral  e as maçãs podres envenenem o grupo, a equipe poderá ser fortalecida.
Livro "Jet Girl"
A ironia do fato de ela estar pilotando uma aeronave multimilionária sobre países que não permitiam que as mulheres sequer dirigissem carros não foi perdida para Caroline.

domingo, 15 de dezembro de 2019

URALVAGONZAVOD BMPT TERMINATOR. O verdadeiro exterminador urbano.


FICHA TÉCNICA
Velocidade máxima: 65 Km/h.
Alcance Maximo: 550 Km (Em estrada).
Motor: Motor  V-92S2  1000 Hp de potência. 
Peso: 47 Toneladas. 
Comprimento: 6,9 m. 
Largura: 3,8 m.
Altura: 3,4 m. 
Tripulação:5 tripulantes.
Inclinação frontal: 60º.
Inclinação lateral: 30º.
Passagem de vau: 1,2 m,
Obstáculo vertical: 0,85 m.
Armamento: 2 canhões automáticos 2A42 em calibre 30 mm, 4 mísseis antitanque 9M120 Ataka T, 1 metralhadora coaxial PKTM em calibre 7,62X54R mm e 2 lançadores automáticos de granadas AG-17D em calibre 30 mm.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

COLOCANDO BOMBAS NO F-16!

Você já teve curiosidade de ver de perto como se coloca uma bomba num cabide abaixo das asas de um caça? O vídeo abaixo mostra essa operação com detalhes raramente mostrados.

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

TEJAS MK-1. O pequeno caça leve indiano.

Caça Tejas MK-1
FICHA TÉCNICA
Velocidade máxima: Mach 1.8 (1920 km/h).
Velocidade de cruzeiro: Mach 0.9 (1100 km/h).
Razão de subida: *13000 m/min.
Potência: 0,94.
Carga de asa: 52,31 lb/ft².
Fator de carga: +8, -3,5 Gs.
Taxa de giro instantânea: 17º/s.
Razão de rolamento: 220º/s.
Teto de serviço: 15000 m.
Alcance: 850 km..Alcance do radar: Elta EL/M-2032 multi-modo: 64 Km (RCS 5m²).
Empuxo: Um motor General Electric F404-IN20 com 9000 kgf de empuxo com pós combustão.
DIMENSÕES
Comprimento: 13,2 m.
Envergadura: 8,2 m.
Altura: 4,4 m.
Peso: 6560 kg (vazio).
Combustível Interno: 5419 lb.
ARMAMENTO
Capacidade total: 3500 kg de carga externa divididos por 8 pontos fixos entre asas e fuselagem.
Ar Ar: Míssil de curto alcance R-73; Míssil de médio alcance Derby; Míssil de médio alcance Astra.
Ar Terra: Bombas guiadas a laser BGL-1000; Bombas de queda livre de 250 kg. Casulo de foguetes não guiados de 68 mm FFAR.
Interno: Canhão de duplo cano GSh 23 mm com 220 munições.

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

US Navy assina contrato para compra dos submarinos Virginia Block V

WASHINGTON - O Comando  de Sistemas Navais concedeu um contrato para construção de nove submarinos da classe Virginia - oito com o Virginia Payload Module (VPM) - Bloco V para a General Dynamics Electric Boat (GDEB) em 2 de dezembro de 2019.
O contrato inclui uma opção para um submarino adicional com VPM. O contrato do Bloco V com um valor fixo de US $ 22,2 bilhões, contrato de aquisição plurianual para os exercícios de 2019 a 2023.

"Nossa força submarina é fundamental para o poder e o alcance de nossa força naval integrada", disse o secretário interino da Marinha Thomas B. Modly. "O anúncio de hoje confirma nosso compromisso com a futura força submarina de nossa nação em todo o mundo", comentou ainda.

"O contrato plurianual também fornece a estabilidade necessária para a base industrial crítica para garantir que possamos continuar a manter nossa vantagem competitiva em guerra submarina, além de fornecer uma base sólida para o programa Columbia se basear".

O contrato do Bloco V continua o acordo de parceria da classe Virginia entre o contratante principal GDEB (General Dynamics Elecrtric Boat) em Groton, Connecticut, e o principal subcontratado, a divisão de construção naval Newport News (HII-NNS) da Huntington Ingalls Industries (HII-NNS) em Newport News, Virginia.

Os submarinos do bloco V incorporarão modificações de design para atingir superioridade acústica que manterá o domínio submarino em todos os cascos do bloco V e no VPM, com quatro grandes tubos de carga útil em uma nova seção do casco em oito submarinos, aumentando a capacidade de ataque do Tomahawk de 12 para 40 mísseis por embarcação.

Fonte: Comando de Sistemas Navais dos Estados Unidos.