segunda-feira, 31 de maio de 2021

ALEMANHA: Soldados do Infortúnio

O título parafraseia o famoso termo "Soldado da Fortuna".
Ilustração de Brett Affrunti para POLITICO.

Por Matthew KarnitschnigPOLITICO, 15 de fevereiro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de maio de 2021.

BERLIM - Caças e helicópteros que não voam. Navios e submarinos que não podem navegar. Grave escassez de tudo, desde munições até roupas íntimas.

Se parece um exagero comparar a Bundeswehr da Alemanha com "A Gangue que Não Conseguia Atirar Direito" (The Gang That Couldn't Shoot Straight, 1971), basta olhar para o fuzil de assalto padrão do exército, o G36 da Heckler & Koch. O governo decidiu descartar a arma depois de descobrir que ela erra o alvo se estiver muito quente.


Fuzil HK G36.

“Não há pessoal nem material suficientes, e muitas vezes se confronta a escassez acima da escassez”, concluiu Hans-Peter Bartels, um membro do parlamento social-democrata encarregado de monitorar a Bundeswehr para o parlamento, em um relatório publicado no final de janeiro. “As tropas estão longe de estarem totalmente equipadas.”

Outrora uma das forças de combate mais ferozes (e mais brutais) do planeta, o exército alemão de hoje se parece cada vez mais com um corpo de bombeiros voluntário - no mês passado, tropas de montanha foram enviadas para retirar a neve dos telhados da Baviera - do que uma máquina militar moderna.

Tropas de montanha limpando telhados na Baviera, fronteira com a Áustria, 2019.

Em uma recente viagem à Lituânia, onde cerca de 450 soldados alemães estão estacionados como parte de uma missão da OTAN para deter a agressão russa, as autoridades americanas ficaram consternadas ao descobrir o pessoal da Bundeswehr se comunicando em telefones móveis inseguros devido à falta de equipamento de rádio seguro.

“Não importa para onde você olhe, há disfunção”
- Oficial alemão de alto escalão no quartel-general da Bundeswehr.

Menos de 20% dos 68 helicópteros de combate Tigre da Alemanha e menos de 30% de seus 136 jatos Eurofighter poderiam voar no final de 2018. Os pilotos, frustrados por não poderem voar, estão indo embora.

“Não importa para onde você olhe, há disfunção”, disse um oficial alemão de alto escalão na sede do Bundeswehr em Berlim.

Embora o aparelho militar alemão esteja em estado de abandono há algum tempo, o relatório Bartels e uma série de revelações recentes sobre a má gestão no topo do Ministério da Defesa sugerem que a condição da força é pior do que até mesmo os pessimistas acreditavam.

Com o governo do [então] presidente dos Estados Unidos Donald Trump pressionando intensamente Berlim para gastar mais em defesa e cumprir suas obrigações com a OTAN, o lamentável estado das forças militares alemãs deve estar em alta neste fim de semana, quando os líderes políticos e militares dos Estados Unidos e da Europa se reunirem para seu congresso de segurança anual em Munique.

A ministra da Defesa alemã, Ursula von der Leyen, faz uma excursão ao Gorch Fock por seu comandante, Nils Brandt, em janeiro. O custo da revisão do navio icônico aumentou de € 10 milhões para € 135 milhões, de acordo com a última estimativa. (Mohssen Assanimoghaddam / DPA)

Se o governo de Angela Merkel está preparado, ou mesmo capaz, de enfrentar os problemas é outra questão. O bloco de centro-direita de Merkel supervisionou o ministério da defesa por quase 15 anos, e os críticos colocam a responsabilidade pelos problemas da Bundeswehr diretamente aos pés do partido no poder.

“Esta é uma batalha em várias frentes”, disse a ministra da Defesa, Ursula von der Leyen, no mês passado, enquanto tentava se defender das críticas. “Eu também gostaria que as coisas acontecessem mais rapidamente, mas 25 anos de retração e cortes não podem ser revertidos em apenas alguns anos.”

Nas últimas semanas, von der Leyen foi pego em um furor por consultores externos, incluindo McKinsey e Accenture, que receberam centenas de milhões de euros para limpar a bagunça do exército. Até agora, os consultores têm pouco a mostrar por seus esforços.

Preocupações com o papel dos estranhos levaram o parlamento a formar um comitê investigativo especial no mês passado para investigar irregularidades envolvendo aquisições e acusações de que os consultores foram oferecidos negócios superfaturados e muita influência.

A pressão está crescendo de todos os lados sobre von der Leyen, que é ministra da Defesa desde 2013. Marie-Agnes Strack-Zimmermann, vice-líder dos democratas livres de oposição, alertou que se a ministra não pode limpar o ar rapidamente, seria hora de perguntar “se o ministério está sendo liderado pelas pessoas certas”.

Longe de estar em ordem

Retorno do Gorch Fock ao porto de origem de Kiel após um cruzeiro de treinamento, 2009.

Os olhos da maioria dos alemães ficam vidrados e sem interesse com a menção dos problemas perpétuos da Bundeswehr, mas um caso envolvendo o Gorch Fock, o navio de treinamento naval de três mastros da marinha, chamou sua atenção.

Lançado em 1958 para ensinar uma nova geração de recrutas navais da Alemanha Ocidental, o imponente navio de 81 metros, que leva o nome do pseudônimo de um popular autor marítimo alemão, é mais do que apenas um navio de treinamento; para muitos, o Gorch Fock - cuja semelhança foi gravada em algumas notas do marco alemão - é um símbolo do renascimento da Alemanha no pós-guerra.

Verso da nota de 10 marcos alemã, 3ª série.

O status icônico do navio é um dos motivos pelos quais poucos se opuseram quando a Bundeswehr anunciou em 2015 que ele precisava de uma grande reforma. Até, é claro, o preço explodir de uma projeção inicial de € 10 milhões para € 135 milhões, de acordo com a estimativa mais recente.

Autoridades da Bundeswehr alegaram que a profundidade dos problemas do navio só ficou clara quando ele estava em doca seca, mas poucos estão acreditando em tais explicações. “Quando os reparos custam mais do que um navio novo, algo está obviamente errado”, disse Bartels, o superintendente parlamentar da Bundeswehr, em uma entrevista.

"Dado o tamanho e o poder econômico da Alemanha, a atenção de Berlim à segurança é surpreendentemente superficial."

O Gorch Fock "é um sintoma dos problemas mais amplos da Bundeswehr", disse Bartels. “Tudo demora muito e custa muito dinheiro. É como se tempo e dinheiro fossem recursos infinitos e, no final, ninguém assume a responsabilidade.”

Quase da noite para o dia, o navio passou de orgulho e alegria para a piada da vez. Na semana passada, o semanário alemão Der Spiegel retratou o Gorch Fock em sua capa com o título “Navio dos tolos” (Das Narrenschiff).

"O Navio dos Tolos" é uma sátira alegórica germânica publicada em 1494 na Suíça.

É uma metáfora apropriada para o corpo político da Alemanha também. Dado o tamanho e o poder econômico da Alemanha, a atenção de Berlim à segurança é surpreendentemente superficial; cidadãos e políticos freqüentemente parecem alheios aos desafios que o país enfrenta. Embora a Alemanha enfrente ameaças crescentes à segurança tanto da Rússia quanto da China, ninguém saberia disso rondando a capital alemã.

Grande parte da mídia agora retrata os EUA como uma ameaça à segurança no mesmo nível da Rússia. As atitudes públicas mudaram em uma direção semelhante. As discussões sobre segurança são conduzidas por um punhado de analistas de think tank com opiniões parecidas que parecem passar a maior parte do tempo no Twitter, preocupados com a possibilidade de Trump puxar o plugue da OTAN.

Mais alemães acreditam que a China é um parceiro melhor para seu país do que os EUA, de acordo com uma pesquisa publicada na semana passada pelo Atlantik Brücke, um grupo de lobby transatlântico com sede em Berlim. Cerca de 80 por cento dos entrevistados consideram as relações EUA-Alemanha como "negativas" ou "muito negativas".

Em tal ambiente, é fácil esquecer que os EUA têm 33.000 soldados estacionados na Alemanha e que Washington garantiu a segurança alemã desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Soldados poloneses e americanos durante um exercício da OTAN na Alemanha.

No entanto, essa história pode ser o problema central quando se trata das atitudes alemãs em relação à defesa. Muitos alemães parecem felizmente inconscientes de que sua segurança, e por extensão sua prosperidade, depende em grande parte da presença do escudo nuclear americano.

Em breve, eles terão um rude despertar. Os envelhecidos caças Tornado da Alemanha, os únicos aviões que o país possui capazes de transportar ogivas nucleares, serão desativados nos próximos anos. Berlim precisa encontrar um substituto para cumprir suas obrigações de acordo com sua estratégia de defesa nuclear de décadas com os Estados Unidos.

Fazer isso pode não ser tão fácil, pelo menos politicamente. Na esteira do colapso de um tratado de armas nucleares da era da Guerra Fria entre os EUA e a Rússia [em fevereiro de 2019], alguns funcionários do Partido Social Democrata, o parceiro menor da coalizão de Merkel, começaram a questionar se Berlim deveria manter seus compromissos nucleares com relação aos EUA.

O SPD, que tem lutado para reverter um colapso nas pesquisas, provavelmente está apenas testando as águas. Os democratas-cristãos de Merkel permanecem solidamente a favor da aliança nuclear com os EUA, e qualquer movimento para acabar com isso provavelmente aceleraria o colapso do governo.

No entanto, a retórica do SPD reflete um ceticismo mais amplo de todas as coisas militares na Alemanha, que sugere que rejuvenescer a Bundeswehr é tanto mudar a mentalidade do público quanto gastar mais dinheiro.

A rejeição automática do engajamento armado pelos alemães pode estar enraizada em sua história do século XX, mas também é evidente que décadas sob a proteção americana embalaram o país em uma falsa sensação de segurança.

O serviço militar traz consigo pouco orgulho na Alemanha. (Sean Gallup / Getty Images)

Diante disso, há pouca vantagem para os políticos abraçarem abertamente o exército como uma instituição democrática essencial. O fato da Bundeswehr ser ativa em missões estrangeiras perigosas, como no Mali ou no Afeganistão, recebe pouca atenção, por exemplo.

Relatos de tropas mal equipadas em perigo são mais prováveis de desencadear humor negro do que indignação. Em um país onde o serviço militar traz pouco orgulho, o destino dos soldados é pouco preocupante.

Em Berlim e em outras cidades alemãs, alguns militares da Bundeswehr dizem que preferem não usar uniforme ao viajar para o trabalho, a fim de evitar olhares agressivos e comentários rudes. E em Potsdam, uma capital regional perto de Berlim, os políticos locais têm debatido se é apropriado que os bondes da cidade exibam anúncios de recrutamento para a Bundeswehr.

Até Merkel tem dado pouco amor à Bundeswehr ultimamente. A chanceler não visita tropas na Alemanha desde 2016. “A chanceler se preocupa com a Bundeswehr?” O diário de circulação em massa Bild perguntou em uma manchete na semana passada.

Se ela o faz ou não, pode ser irrelevante neste estágio. Com Merkel em seu caminho de saída, consertar a Bundeswehr provavelmente dependerá de seu sucessor. Até então, os planos de um “Exército Europeu” que inclua a Alemanha têm quase tantas chances de decolar quanto a Força Aérea Alemã.

Brigada Franco-Alemã com fuzis FAMAS franceses.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

Death of the Wehrmacht: The German Campaigns of 1942,
Robert M. Citino.

Leitura recomendada:




Secretário-Geral da OTAN duvida da autonomia europeia31 de maio de 2021.

Secretário-Geral da OTAN duvida da autonomia europeia


Por Nicolas Barotte, Le Figaro, 19 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de maio de 2021.

“A UE não pode proteger a Europa ou substituir a OTAN”, declarou na sexta-feira Jens Stoltenberg, para se opor a esta “autonomia estratégica” europeia defendida em particular pela França.

Há palavras que não surgem espontaneamente da boca do Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, quando fala sobre o futuro da Aliança e o reforço dos laços transatlânticos: os da "autonomia estratégica europeia".

"Existem diferentes interpretações" do conceito, respondeu ele durante uma reunião com a imprensa, antes de sua intervenção na conferência de segurança de Munique, que aconteceu virtualmente na sexta-feira. Ele não escondeu um certo ceticismo em relação a este objetivo defendido pelo Presidente da República Emmanuel Macron e retransmitido por outros países da União.

Jens Stoltenberg durante uma conferência de imprensa na sede da OTAN em Bruxelas em 17 de fevereiro. (Pool / Reuters)

Ao saudar "todos os esforços" empreendidos pelos europeus para investir nas suas capacidades de defesa ou para remediar a "fragmentação" da indústria de defesa europeia, o Secretário-Geral da OTAN adverte: "A UE não pode proteger a Europa ou substituir a OTAN". Ele insiste nas dimensões geográficas e políticas da defesa ocidental. A Aliança se estende ao norte até a Islândia ou Canadá. No flanco sul, a Turquia é um aliado essencial, segundo ele, para a proteção dos interesses aliados. Ele não menciona tensões com Ancara, que quer adquirir defesas russas S400.

Os argumentos de Paris

Diplomata, Jens Stoltenberg raramente se desvia do ponto de equilíbrio interno da OTAN. Também defende sua posição institucional. Enquanto faz campanha por laços transatlânticos mais estreitos com o novo presidente dos EUA, Joe Biden, ele se preocupa com qualquer coisa que possa "enfraquecer a solidariedade" entre os aliados. A ambição de defesa europeia não deve "ser entendida como uma alternativa ou um enfraquecimento da OTAN", afirmou. O governo francês continua repetindo que a "autonomia estratégica" não pretende substituir a Aliança, mas fortalecê-la. Obviamente, os argumentos não se suportam. Em Paris, esperamos convencer e principalmente o governo Biden.

O Secretário-Geral da OTAN também está realizando um trabalho perigoso de modernização da organização. Tratando-se de traçar um novo "conceito estratégico", o último datado de 2010, Jens Stoltenberg lançou várias propostas de evolução que ainda não encontraram apoio unânime. Seu método, considerado “iconoclasta” internamente, não foi apreciado.

Em particular, ele deseja reformar o método de financiamento de certas operações, permitindo que a OTAN cubra parte dos custos. Os países sem capacidade militar poderiam, assim, compartilhar melhor o fardo. Dentro da Aliança, os céticos, incluindo a França, alertam contra um sistema de “desincentivo” que levaria os estados a pararem de investir em suas próprias capacidades. O sistema também poderia prejudicar os principais contribuintes financeiros da Aliança, como a França, que pagaria por outros enquanto continua a financiar suas próprias intervenções fora do quadro da aliança, como, em particular, a Operação Barkhane.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


A Alemanha pacífica30 de maio de 2021.

"Dia da Marmota" para o exército alemão conforme melhorias não saem do lugar, 31 de maio de 2021.






Operação Molotov: Por que a OTAN simplesmente entrou em colapso no verão de 202421 de maio de 2020.

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?24 de fevereiro de 2020.

Klaim & Djaf: Entrevista com o cinegrafista e ex-membro da Gendarmaria da França


Por Albert L., Overt Defense, 28 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de maio de 2021.

Clément Richard é um cinegrafista de 23 anos com uma formação interessante. Veterano da Gendarmaria francesa, ele fazia parte do Pelotão de Vigilância e Intervenção (Peloton de surveillance et d'intervention de la Gendarmerie / PSIG) com especialização em armas, tiro, combate e diversos esportes. Também passou um ano e meio na Unidade Móvel Especializada, onde se especializou em investigação imobiliária e prisão domiciliar.


Seu tempo com a Gendarmerie o viu trabalhar com a elite francesa GIGN em várias missões na França e no exterior e como um líder de grupo com a Legião Estrangeira Francesa em uma missão durante a Operação HARPIE na Amazônia. Agora ele lançou um novo projeto, um canal no YouTube chamado Klaim & Djaf. O canal reúne o amor de Clément por filmagem e táticas operacionais com sua paixão por videografia.


Overt Defense: O que o levou a ingressar no PSIG?

Clément Richard: O PSIG é uma unidade muito interessante para começar no ambiente de intervenção. Ele permite que você aprofunde seus conhecimentos sobre armas de fogo, esportes de combate e técnicas de intervenção profissional enquanto dá os primeiros passos em intervenções de risco.

O reduzido número de efetivos neste tipo de unidade permite-lhe sentir-se próximo dos seus companheiros e avançar juntos nas diferentes missões. Essas missões são variadas e todas muito interessantes.

OVD: Você pode dizer quantas de suas operações ocorreram na França Metropolitana em vez de na França Ultramarina?

Clément: É muito difícil dizer quantas viagens fiz na França. Tive a oportunidade de manter a ordem durante as manifestações em Paris, Lyon ou Montpellier. Também tive a possibilidade de fazer muitas transferências de prisioneiros meio que em todo lugar da França.
No que diz respeito ao exterior, minha única missão foi na Guiana, na floresta amazônica.


OVD: O que você achou que foi sua experiência mais memorável em seu tempo na unidade?

Clément: Na Gendarmerie, muitas missões ficam na sua mente porque muitas vezes são únicas.
O fato de estar na floresta amazônica com a Legião Estrangeira Francesa foi uma experiência maluca. Humana e profissionalmente, só me lembro do bom.
Caso contrário, poder salvar vidas ou ajudar pessoas é sempre algo memorável. Um dia, um homem escreveu uma mensagem para sua esposa dizendo que queria “ir” para o lugar mais bonito. Com as informações que coletamos, encontramos o lugar onde esse homem queria se suicidar. Um penhasco de cem metros de altura. Então nós dirigimos muito rápido e então corremos na neve por vários quilômetros. Cada minuto contado. Graças à minha condição física, fui o primeiro a chegar ao local onde estava o suicida. Consegui segurá-lo pela jaqueta antes que ele pulasse. Tivemos então que dar os primeiros socorros até a chegada do pelotão de montanha acompanhado do adestrador de cães e do helicóptero.


OVD: Como foi trabalhar com a Legião Estrangeira Francesa na Amazônia?

Clément: Sinceramente, foi a melhor experiência da minha vida. O pessoal da Legião Estrangeira Francesa é respeitoso, trabalhador e sempre interessado em qualquer missão.
O objetivo na floresta era encontrar campos de garimpeiros para destruí-los e prender as pessoas nesses campos. Apesar do alto risco dessas missões, sempre tive confiança nesses homens.

OVD: Os legionários tiveram algum problema com a liderança da unidade enquanto você trabalhava com eles?

Clément: Não, de forma alguma. Apesar da minha pouca idade, eles sempre foram muito obedientes a todas as ordens que eu podia dar. O respeito é algo muito importante para eles, ainda mais se você for um gendarme.


OVD: Você notou alguma mudança na cultura da unidade e do serviço antes e depois do início da Operação Sentinelle (a operação antiterrorismo conjunta de militares, polícia e gendarme desde os ataques terroristas de janeiro de 2015)?

Clément: Claro. Depois dos ataques ou eventos que tivemos na França, toda a Gendarmaria foi reorganizada. Novos artigos sobre o uso de armas foram publicados e novas instruções antiterrorismo foram postas em prática. E é muito bom porque é preciso estar preparado para cada eventualidade.

OVD: Como você decidiu que era hora de fazer outra coisa?

Clément: Na minha última unidade eu realmente não me sentia mais útil e todas as missões eram muito repetitivas. Eu não estava mais gostando do que estava fazendo. Pensei então em continuar a fazer coisas que gosto como tiro, esportes, técnicas de combate e intervenção sem estar na Gendarmaria.

OVD: Então, o que o atraiu para a videografia?

Clément: A videografia é uma maneira perfeita de transmitir emoções e colocar um sorriso no rosto das pessoas que podem estar assistindo o que eu faço. As horas de edição e captura de imagens são coisas que devem ser feitas de forma séria para “chocar” o olhar do espectador. Além disso, ser Youtuber é o emprego dos meus sonhos. Fazer vídeos que adoro, com pessoas que admiro em assuntos que domino: o sonho.


OVD: Como você decidiu que isso é o que você queria fazer profissionalmente?

Clément: Foi apenas um sentimento geral. Eu sabia que era bom nisso, então por que não tentar? Você tem que acreditar em si mesmo às vezes, eu acho, e provavelmente teria me arrependido de não ter tentado algo que realmente me atraía.

OVD: Quais são algumas de suas influências cinematográficas?

Clément: Eu assisto muitos filmes de guerra como o que você pode ver em todas as plataformas de streaming (por exemplo, Tyler Rake / Extraction no Netflix), mas fora isso no Youtube sou um grande fã de TRex Arms e Achilles Tactics ou mesmo Cercle de Tir de Wissous, na França, pelos conselhos que traz.
Caso contrário, muitas pessoas no Instagram fazem um ótimo trabalho como o Khimaira Strategy, por exemplo. Eu realmente aconselho dar uma olhada no que ele está fazendo.

OVD: Quanto esforço consciente você faz para garantir que nada que possa ser ensinado apareça nos vídeos?

Clément: Não temos a legitimidade, como alguns instrutores, de ensinar a outros o que sabemos em vídeo. Certamente não queremos. O mundo do treinamento é muito interessante, mas no momento não é nosso domínio. Queremos apenas fazer lindos vídeos. A ideia é dar às pessoas o desejo de se interessarem pelo mundo do tiro tático ou pelo exército em geral, tudo com um sorriso, sempre com um sorriso.

OVD: Quais são os requisitos da Gendarmaria em relação às suas produções de vídeo, além do embaçamento dos rostos dos gendarmes da ativa?

Clément: Por enquanto eu borro todos os rostos, então não há risco. Mas se um dia a Gendarmaria concordar em colaborar conosco em certas produções de vídeo, então farei o que eles desejam.

Emblema do PSIG.

Obrigado a Clément por discutir suas experiências com a Gendarmaria. É extremamente interessante obter algumas informações em primeira mão sobre como o Pelotão de Vigilância e Intervenção da Gendarmaria opera. Confira o canal de Clément no Instagram e Klaim & Djaf no YouTube para ver seu trabalho.

Bibliografia recomendada:

European Counter-Terrorist Units 1972-2017.
Leigh Neville e Adam Hook.

Leitura recomendada:



"Dia da Marmota" para o exército alemão conforme melhorias não saem do lugar

O recrutamento para a Bundeswehr continua sendo um problema chave, com 20.000 postos do exército ainda não preenchidos. (Sean Gallup / Getty)

Por Guy Chazan, Financial Times, 28 de janeiro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de maio de 2021.

O relatório destaca a escassez de camas, postos vazios e aquartelamentos mofados.

O exército alemão ainda tem "muito pouco material, muito pouco pessoal e muita burocracia", apesar de um grande aumento no orçamento, de acordo com um relatório sobre o estado da Bundeswehr.


O relatório anual de Hans-Peter Bartels, comissário das Forças Armadas do Bundestag alemão, será uma leitura estranha para Annegret Kramp-Karrenbauer, a ministra da Defesa que tem ambições de suceder Angela Merkel como chanceler alemã.

Kramp-Karrenbauer, que já assumiu como líder da União Democrata Cristã conservadora de Merkel, foi nomeada ministra da Defesa em julho do ano passado e prometeu aumentar os gastos e melhorar o moral. Ela ganhou popularidade com reformas atraentes, como permitir que militares uniformizados viajem gratuitamente em trens alemães.

Mas o relatório de Bartels deixa claro que o Bundeswehr continua a ser atormentado por problemas profundos. Ele reconheceu que o governo estava falando sério sobre tentar modernizar as forças armadas e aumentar os gastos com defesa após anos de austeridade, mas concluiu que as mudanças “ainda não eram sentidas pelas tropas”.


Ele comparou a falta de melhorias ao Dia da Marmota (Groundhog Day), a comédia cinematográfica de 1993 em que Bill Murray revive o mesmo dia indefinidamente.

Bartels disse que o ministério da defesa não conseguiu melhorar significativamente a prontidão de combate dos principais sistemas de armas da Alemanha, como aeronaves, helicópteros e navios - um problema que tem perseguido a Bundeswehr por anos.

O recrutamento continua sendo um problema fundamental. Bartels disse que 20.000 postos do Exército permaneceram vagos e, no ano passado, o número de soldados recém-recrutados ficou em pouco mais de 20.000, 3.000 a menos do que em 2017.

A Alemanha tem sofrido enorme pressão nos últimos anos, especialmente do governo do [então] presidente dos Estados Unidos Donald Trump, para aumentar seus gastos militares. Embora tenha se comprometido a gastar 2 por cento do produto interno bruto em defesa em uma cúpula da Otan em 2014, continua longe dessa meta: Berlim diz que gastará 1,5 por cento do PIB com as forças armadas até 2025, e não alcançará a meta dos 2 por cento antes do início dos anos 2030.


Bartels disse que as despesas já estavam disparando, de € 32,4 bilhões em 2014 para € 43,2 bilhões no ano passado. Mas isso ainda não se traduziu em melhorias tangíveis no campo. Ele disse que € 1,1 bilhão destinados a equipamentos de defesa não foram gastos devido a atrasos em projetos de armamentos.

Seu relatório pinta um quadro sombrio da vida para o soldado alemão médio: mochilas com defeito, mofo nas paredes de algumas instalações do exército e camas e armários insuficientes.

Bartels reservou uma crítica especial ao complexo sistema de compras da Alemanha e disse que a obtenção de peças simples de equipamento deveria ser radicalmente simplificada "de acordo com o princípio da Ikea: escolha, pague, leve com você". Ele disse que a “solução projetada” mais complexa deve ser reservada para produtos sofisticados, como carros de combate e sistemas de defesa antimísseis.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

A Alemanha pacífica
30 de maio de 2021.


Exército Alemão sugere que seus soldados dirijam carros e finjam que estão dirigindo tanques durante exercícios7 de fevereiro de 2020.


FOTO: Brigada Franco-Alemã, 22 de janeiro de 2020.

FOTO: Fernspäher do exército alemão4 de fevereiro de 2020.

FOTO: Centurions holandeses na Alemanha Ocidental1º de março de 2020.

domingo, 30 de maio de 2021

Como a Rússia capturou seu primeiro MKb-42(H)


Por Andrey Ulanov, Forgotten Weapons, 30 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de maio de 2021.

Quando um novo modelo de arma chega à frente de batalha, sempre existe o risco de ser capturado pelo inimigo. As forças armadas fazem de tudo para evitá-lo. Por exemplo, quando a URSS realizou testes comparativos da submetralhadora Sudaev (PPS) e uma nova versão da submetralhadora Shpagin (PPSh-2), Stalin assinou pessoalmente uma ordem ordenando que os testes fossem realizados na retaguarda com as unidades retiradas da linha de frente que tem experiência em combate. Independentemente disso, a ordem foi violada e as submetralhadoras de Sudaev foram testadas nas batalhas perto de Leningrado.

Sem dúvida, os alemães tomaram precauções semelhantes. Então, quem capturou e quando foi capturado o primeiro Maschinenkarabiner 42 alemão?

Algumas fontes russas afirmam que o primeiro MkB foi capturado em março de 1943. No entanto, esta informação ainda não foi confirmada por nenhum documento. Conduzindo minha própria pesquisa no Arquivo Central do MOD russo (conhecido como TsAMO), encontrei um relatório datado de junho de 1943 (fonte: fundo 81, arquivo de caso 87, "Correspondência sobre armas leves estrangeiras"), que nos permite restabelecer a linha do tempo de captura do primeiro Maschinenkarabiner 42. Ele é o seguinte:

“Ao Chefe do GAU KA (diretoria principal de artilharia do Exército Vermelho). Estou enviando o tenente-técnico N.N. Troitsky para entregar uma carabina automática alemã e 4 cartuchos para ela, que foram capturados no setor do 22º Exército perto da cidade de Holm em junho”.


Encontramos então o MKb42(H), número de série 1334, na documentação do campo de tiro de teste soviético, onde a carabina chegou no início de julho. Curiosamente, ele tinha apenas 3 cartuchos até então. Aparentemente, um cartucho foi imediatamente encaminhado para os especialistas em munição. Este MKb42(H) passou por pesquisas preliminares e testes em julho de 1943. Uma vez que os três cartuchos originais não eram remotamente suficientes para quaisquer fins de teste, o campo de teste foi ordenado a fabricar 500 cartuchos de munição compatível "recravando os cartuchos alemães e aparando as balas" no local.


O livro de Dieter Handrich, Sturmgewehr! From Firepower to Striking Power (Sturmgewehr! Do poder de fogo ao poder de ataque), indica que os testes militares do MKb-42(H) foram ordenados em abril de 1943. Como resultado, cerca de 2.000 unidades foram enviadas para o Heeresgruppe Nord, destinadas às seguintes divisões: 1ª, 11ª, 21ª, 93ª, 212ª divisões de infantaria e 18ª divisão Panzergrenadier. Na verdade, a lista real era um pouco diferente. Para nós, o detalhe mais interessante é que a 93ª divisão de infantaria recebeu 213 Maschinenkarabiner, dos quais 7 foram perdidos já em junho de 1943 (fonte: NARA T-315 R-1167 e T-312 R-600).

Como você provavelmente já deve ter adivinhado, a 93ª Divisão de Infantaria estava localizada na área da cidade de Holm, enfrentando o 22º Exército soviético. A linha de frente nesta área era relativamente estável, então enviar um lote de novas armas aqui para testes de combate certamente pareceu uma ótima ideia para o comando alemão. No entanto, os alemães não consideraram a alta atividade de razvedka, as unidades soviéticas de reconhecimento de campanha nesta área. Não muito diferente dos Rangers do Exército dos EUA, esses operadores altamente treinados com trajes ghillie, muitas vezes com experiência de caça na Sibéria, realizavam ataques rotineiramente atrás das linhas inimigas para explorar novas informações sobre as forças inimigas e trazer prisioneiros vivos para interrogatório. Seu objetivo secundário era impedir que seus colegas alemães fizessem o mesmo.


Em um dos relatórios do 22º Exército, descobri o seguinte episódio:

Em 22 de junho de 1943, um grupo de batedores do 820º Regimento de Infantaria liderado pelo 2º Ten Arkhipov descobriu uma emboscada armada por uma unidade de reconhecimento alemã. Apoiados por um pelotão de infantaria sob o comando do Tenente Ivushkin, os batedores soviéticos atacaram o grupo, eliminando 12 soldados alemães e capturando três (dois obergefreiters e um soldado). De acordo com o relatório de campanha soviético, o grupo pertencia ao 1º Batalhão, 272º Regimento da 93ª Divisão de Infantaria. O relatório também lista “quatro carabinas-metralhadoras” como troféus.

Durante o interrogatório subsequente, o prisioneiro Hugo Hinsche indicou que um pelotão especial de reconhecimento de batalhão foi formado no 1º batalhão do 272º regimento de granadeiros em maio de 1943. O pelotão era composto por 27 pessoas armadas com “carabinas-metralhadora do modelo de 1942”. Pode-se dizer com alto grau de certeza que foi o razvedka do 820º Regimento de Infantaria soviético que se tornaram os primeiros soldados aliados a apreenderem uma amostra desta tão procurada arma alemã. A história do 43º modelo de cartucho, fuzis de assalto Kalashnikov e tudo o mais começa com essas pessoas.

Bibliografia recomendada:

German Automatic Rifles 1941-45:
Gew 41, Gew 43, FG 42 and StG-44.
Chris McNab.

Leitura recomendada:



GALERIA: Tanque T-54M do Exército Popular Vietnamita

Tanque T-54M do Exército Popular Vietnamita.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de maio de 2021.

Tanque T-54M do Exército Popular Vietnamita postado nas redes sociais hoje, dia 30 de maio. O T-54M é o T-54B que foi modernizado na empresa estatal Z153, do Ministério da Defesa da República Socialista do Vietnã. Os países do sudeste asiático têm demonstrado consistente interesse pelo estado de suas frotas blindadas, especialmente seus carros de combate principais, apesar do ambiente de geografia inóspita. As selvas e montanhas da Ásia, ambientes considerados como proibitivos para tanques de guerra, não impedem que os estados-maiores da região invistam pesado na arma blindada.

Os exércitos do ASEAN vêm adquirindo novos carros de combate ou modernizando carros antigos. O Vietnã possui o moderno T-90 como seu carro de combate de primeira linha, com os T-54 sendo modernizados e ainda mantidos em estado operacional. De modo geral, e especificamente na região, estes velhos blindados realizam uma missão importante na defesa dos interesses de Hanói.





O Comando vietnamita não esqueceu a importância dos tanques na sua Ofensiva de Primavera de 1974-1975 que conquistou o Vietnã do Sul. Os norte-vietnamitas destruíram a República do Vietnã montadas em seus cavalos de aço, seguindo a doutrina soviética de ofensiva blindada. Apesar das perdas em homens e tanques, a operação terminou com a famosa cena de um T-54 derrubando o portão do palácio presidencial de Saigon - o Palácio da Independência.

Abril Negro: Um T-54 do Exército Popular Vietnamita, com a bandeira da Frente de Libertação Nacional (Viet Cong) derruba o portão do Palácio da Independência, em 30 de abril de 1975.

O adversário atual previsto é a China comunista, tendo derrotado uma invasão chinesa em 1979. Atualmente o Vietnã participa de uma aliança trilateral com a Rússia e o Laos. Em agosto do ano passado, uma equipe vietnamita foi a vice-campeã no famoso Biatlo de Tanques em Alabino, no Oblast de Moscou. Na ocasião, os vietnamitas usaram o T-72B3, que não é utilizado pelo Exército Popular Vietnamita.

Bibliografia recomendada:

Soviet T-55 Main Battle Tank.
James Kinnear e Stephen L. Sewell.

Tanks:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewiez.

North Vietnamese Army Soldier 1958-75.
Gordon L. Rottman e Brian Delf.

Leitura recomendada:




FOTO: Bulldog em Saigon18 de dezembro de 2020.