sábado, 30 de janeiro de 2021

Estréia de combate do Tiger

Um dos primeiros Tigres recebidos pelos 501º e 502º em Fallingbostel.

Por Ian Hudson, The Tank Museum, 11 de outubro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de janeiro de 2021.

A estreia de combate do Tiger ocorreu em agosto de 1942 na Frente Oriental. Não foi um sucesso, com três dos quatro Tigers quebrando.

O Tiger I (Tigre I) começou a entrar em serviço no Exército Alemão em meados de 1942. Eles deveriam ser usados por Batalhões de Tanques Pesados, um novo tipo de unidade. Os dois primeiros foram formados em maio de 1942 em Fallingbostel.

Os Batalhões de Tanques Pesados

A primeira unidade a receber o novo tanque foi o Batalhão de Tanques Pesados 502. Embora a unidade existisse, os tanques não. A produção atrasou e, no final de agosto, apenas 9 Tigers foram aceitos pelo Exército. O 502º recebeu seus primeiros 4 Tigers nos dias 19 e 20 de agosto, permitindo que a 1ª Companhia do Batalhão fosse formada.

Tiger ‘100’ do 502º, o primeiro capturado pelos soviéticos.

Como veículos novos, os Tigers sofreram de problemas mecânicos graves que levaram a frequentes falhas técnicas e quebras. O Batalhão contava muito com o apoio dos funcionários da Henschel, que havia construído o tanque, e da Maybach, responsável pelo motor.

Neste estágio inicial, a maioria dos tripulantes do Tiger eram provenientes de unidades Panzer existentes. Isso significava que eles eram bem treinados e experientes, mas eram novos nas diferentes táticas utilizadas pelos Batalhões de Tanques Pesados. Infelizmente, tão poucos Tigers foram concluídos que, por necessidade, o treinamento com o dito veículo foi mínimo.

Hitler ordenou que o Tiger fosse usado em combate o mais rápido possível, portanto, apesar desses problemas, a Companhia embarcou para a Frente Oriental no dia 23. Com força total, teria 9 Tigers e 10 Panzer III, mas parece que apenas quatro de cada foram enviados.

A estréia em combate do Tiger

A Companhia chegou a Mga, a sudeste de Leningrado, no dia 29 de agosto, desembarcou do trem e começou a avançar para a frente. Aquele dia viu o primeiro uso do Tiger em combate. Foi uma estréia nada auspiciosa.

O comandante do 502º, Major Richard Märker, desaconselhou o envio dos Tigers. Ele argumentou que o terreno neste setor era totalmente inadequado para o tanque de 56 toneladas. Fortemente arborizada, a área tinha uma drenagem ruim, o que resultava em pântanos grandes e macios. As fortes chuvas comuns nesta época do ano pioraram as coisas.

Ele também estava preocupado com o fato de que apenas quatro tanques teriam um impacto mínimo em qualquer batalha. Ele foi ignorado e a estréia do tanque provou ser um fracasso. Em dois dos tanques, lama espessa se acumulou entre as rodas intercaladas. Isso sobrecarregou o trem de força e causou falha na transmissão. Um terceiro sofreu falha no motor.

Tiger "100" capturado pelos soviéticos.
Esses primeiros Tigers não tinham proteções de lagartas.

O Panzer VI "Tiger I" (torre número 114) sendo rebocado por veículos rebocadores PK 637 de 18t na União Soviética, junho de 1943.

Os três Tigers quebrados e atolados foram recuperados pelos meia-lagartas Sd Kfz 9 Famo da Companhia. Três desses veículos foram obrigados a puxar cada tanque para um local seguro. As peças de reposição necessárias tiveram que ser enviadas da Alemanha. Apesar desses desafios, os quatro Tigers estavam operacionais novamente em 15 de setembro.

O segundo uso do Tiger, em 22 de setembro, teve ainda menos sucesso. Todos os quatro quebraram ou atolaram, um deles pegando fogo.

Desta vez, apenas três puderam ser recuperados. Märker sugeriu destruir o quarto para evitar que os soviéticos aprendessem seus segredos, mas foi recusado pelo Comando do Exército. Após vários meses, a aprovação foi concedida e o tanque explodiu no dia 25 de novembro.

A essa altura, Märker havia sido removido do comando do 502º. Apesar de seus avisos, ele foi considerado responsável pelas falhas de sua unidade. No entanto, como a ordem para usar os Tigres viera diretamente de Hitler, não havia como evitá-las.


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

FOTO: Tigre na lama, 22 de fevereiro de 2020.

FOTO: O Tigre na Tunísia, 5 de julho de 2020.



Os mitos do Ostfront, 2 de novembro de 2020.

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Yamamoto e o planejamento para Pearl Harbor

Bombardeiros-torpedeiros japoneses em Pearl Harbor. (Ilustração de Dave Seeley)

Por Mark Stille, History Reader, 26 de novembro de 2012.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de janeiro de 2020.

A abordagem do Japão em 1941, que consistia em negociações paralelas aos preparativos para a guerra, nunca deu às negociações qualquer chance realista de sucesso, a menos que os Estados Unidos concordassem com as condições do Japão. Assim, cada vez mais, a guerra tornou-se a única opção restante. Uma Conferência Imperial em 2 de julho de 1941 confirmou a decisão de atacar as potências ocidentais. No início de setembro, o imperador se recusou a anular a decisão de ir à guerra e a autorização final para a guerra foi dada em 1º de dezembro. Nessa época, a força de ataque de Yamamoto a Pearl Harbor já estava no mar.

Yamamoto sozinho teve a idéia de incluir o ataque a Pearl Harbor nos planos de guerra do Japão e, como o ataque era tão arriscado, foi preciso muita perseverança de sua parte para aprová-lo. Diz muito sobre sua influência e poder de persuasão que o evento tenha ocorrido. O ataque foi um sucesso além de todas as expectativas, tornando-o central para a reputação de Yamamoto como um grande almirante, e como tinha ramificações estratégicas e políticas muito além do que ele imaginava, fez de Yamamoto um dos comandantes mais importantes da Segunda Guerra Mundial.

Yamamoto em sua capitânia Nagato antes da guerra.
Sua supervisão do processo de planejamento da Frota Combinada se baseou mais na abordagem consensual tradicional japonesa, em vez de liderança firme e envolvimento profundo nos detalhes do planejamento. Crédito da imagem: Naval History and Heritage Command. Crédito da legenda: Osprey Publishing.

Yamamoto não foi a primeira pessoa a pensar em atacar a base naval americana em Pearl Harbor. Já em 1927, os jogos de guerra na Escola Superior de Guerra Naval japonesa incluíram um exame de um ataque de porta-aviões contra Pearl Harbor. No ano seguinte, um certo capitão Yamamoto deu uma palestra sobre o mesmo assunto. Quando os Estados Unidos moveram a Frota do Pacífico da Costa Oeste para Pearl Harbor em maio de 1940, Yamamoto já estava explorando como executar uma operação tão ousada. De acordo com o chefe do Estado-Maior da Frota Combinada, Vice-Almirante Fukudome Shigeru, Yamamoto discutiu pela primeira vez um ataque a Pearl Harbor em março ou abril de 1940. Isso indica claramente que Yamamoto não copiou a idéia de atacar uma frota em sua base após observar a incursão de porta-aviões britânico na base italiana de Taranto em novembro de 1940. Após a conclusão das manobras anuais da Frota Combinada no outono de 1940, Yamamoto disse a Fukudome para orientar o contra-almirante Onishi Takijiro para estudar um ataque a Pearl Harbor sob o maior sigilo. Após o ataque de Taranto, Yamamoto escreveu a um colega almirante e amigo afirmando que havia decidido lançar o ataque a Pearl Harbor em dezembro de 1940.

Se for possível acreditar que Yamamoto decidiu seu ousado ataque já em dezembro de 1940, várias questões são colocadas em foco. Em primeiro lugar, pode ser estabelecido que Yamamoto havia decidido por esse curso de ação arriscado antes mesmo que as vantagens e desvantagens de tal ação pudessem ser totalmente avaliadas. Além disso, no final de 1940, Yamamoto nem mesmo possuía os meios técnicos para montar tal operação. Outra questão que precisa ser feita é por que Yamamoto pensava que era seu trabalho formular uma grande estratégia naval, que era responsabilidade do Estado-Maior Naval.

O planejamento do ataque foi um processo confuso e frequentemente aleatório. No início, havia apenas a visão de Yamamoto. Gradualmente, e contra a oposição quase universal, Yamamoto fez sua visão se tornar realidade. Em uma carta datada de 7 de janeiro de 1941, Yamamoto ordenou que Onishi estudasse sua proposta. Isso foi seguido por uma reunião entre Yamamoto e Onishi em 26 ou 27 de janeiro, durante a qual Yamamoto explicou suas idéias. Onishi foi escolhido por Yamamoto para desenvolver a idéia, já que ele era o chefe do estado-maior da 11ª Frota Aérea baseada em terra e era um colega defensor da aeronáutica e um notável especialista e planejador tático.

Onishi incluiu o comandante Genda Minoru no planejamento em fevereiro. Depois que Genda viu a carta de Yamamoto, sua reação inicial foi que a operação seria difícil, mas não impossível. Com Yamamoto fornecendo a visão motriz e a cobertura política, Genda se tornou a força motriz para transformar a visão em um plano viável. Genda acreditava que o sigilo era um ingrediente essencial do planejamento e que, para ter alguma chance de sucesso, todos os porta-aviões da IJN teriam que ser alocados para a operação. Genda foi encarregado de concluir um estudo da operação proposta em sete a dez dias. O relatório subsequente foi um marco no processo de planejamento, uma vez que a maioria de suas idéias foram refletidas no plano final. Onishi apresentou um esboço expandido do plano de Genda para Yamamoto por volta de 10 de março.

Em 15 de novembro de 1940, Yamamoto foi promovido a almirante pleno e, à medida que o planejamento para a guerra aumentava de intensidade, ele começou a se questionar sobre seu futuro. Era costume que o Comandante-em-Chefe da Frota Combinada servisse por dois anos. No início de 1941, Yamamoto estava pensando em sua mudança iminente de função e estava pensando em se aposentar. Ele gostaria de ter sido nomeado comandante da Primeira Frota Aérea (a força de porta-aviões da IJN) para liderar seu ataque ousado, mas percebeu que tal evento era impossível. Durante esse tempo, ele disse a um de seus amigos:

Se houver uma guerra, não será o tipo em que os encouraçados de batalha avançam vagarosamente como no passado, e o correto para o C-em-C da Frota Combinada seria, eu acho, permanecer firme no Mar Interior, de olho na situação como um todo. Mas não consigo me ver fazendo algo tão chato e gostaria que Yonai assumisse o controle, para que, se necessário, eu pudesse desempenhar um papel mais ativo.

Apesar de seus desejos, Yamamoto não deixou seu posto em meados de 1941, após seus dois anos.

Yamamoto assume o Estado-Maior Naval

Sede do Estado-Maior Naval japonês na década de 1930.

Talvez mais difícil do que resolver quaisquer dificuldades técnicas e operacionais para tornar o ataque a Pearl Harbor possível foi a tarefa de Yamamoto de convencer o Estado-Maior Naval de que a operação de Pearl Harbor era viável. Uma vez que o Estado-Maior Naval era responsável pela formulação geral da estratégia naval, qualquer dúvida sobre se e como atacar os Estados Unidos na fase inicial da guerra estava claramente sob sua jurisdição. No entanto, em outra indicação do confuso processo de planejamento japonês, Yamamoto queria tomar essa prerrogativa para si mesmo. No final de abril, Yamamoto encarregou um de seus principais oficiais do estado-maior da Frota Combinada de iniciar o processo de convencimento do cético Estado-Maior Naval. A reunião inicial não foi bem para Yamamoto, já que o Estado-Maior Naval não acreditou em sua afirmação de que o ataque seria tão devastador a ponto de minar o moral americano. O foco do Estado-Maior Naval era garantir o sucesso da operação sul e isso exigia o uso dos porta-aviões da Frota Combinada. Sua maior preocupação era que o ataque a Pearl Harbor era simplesmente muito arriscado. A fim de obter a aprovação do Estado-Maior Naval, Yamamoto começou a enfatizar o fato de que seu ataque a Pearl Harbor também serviria para proteger o flanco do avanço sul, paralisando a Frota do Pacífico em sua base principal.

Em agosto, o mesmo oficial de estado-maior voltou a Tóquio para defender o caso de Yamamoto. Embora o Estado-Maior Naval permanecesse contrário à ideia, concordou que os jogos de guerra anuais incluiriam um exame do plano de Pearl Harbor. Estes começaram em 11 de setembro com a primeira fase focando na condução da operação sul. Em 16 de setembro, um grupo de oficiais selecionados por Yamamoto, incluindo representantes do Estado-Maior Naval, começou uma revisão da operação do Havaí. Os resultados dessa manobra de mesa controlada pareciam confirmar que a operação era viável, mas também serviu para confirmar que era arriscada e que o sucesso dependia muito da surpresa. No final do exercício de dois dias, o Estado-Maior Naval não se convenceu. Preocupações básicas, como se o reabastecimento seria possível para levar toda a força para o Havaí e quantos porta-aviões seriam alocados para a operação, também permaneceram sem solução.

Em 24 de setembro, o Estado-Maior de Operações do Estado-Maior Naval realizou uma conferência sobre o ataque proposto ao Havaí. Yamamoto ficou furioso quando soube que mais uma vez o Estado-Maior Naval havia rejeitado seu plano. Em 13 de outubro, a equipe da Frota Combinada realizou outra rodada de manobras de mesa no navio capitânia de Yamamoto, o encouraçado Nagato, para refinar os aspectos da operação de Pearl Harbor e revisar a operação sul. Apenas três dos porta-aviões da IJN foram usados, o Kaga, Zuikaku e Shokaku, porque tinham alcance para navegar até Pearl Harbor; os outros três porta-aviões, Akagi, Soryu e Hiryu, foram alocados para a operação sul. Pela primeira vez, a frota e os mini-submarinos foram incluídos no planejamento do ataque a Pearl Harbor. No dia seguinte, houve uma conferência para revisar o plano e todos os almirantes presentes foram convidados a falar. Todos, exceto um, se opuseram ao ataque a Pearl Harbor. Quando eles terminaram, Yamamoto se dirigiu ao grupo reunido e afirmou que enquanto ele estivesse no comando, Pearl Harbor seria atacado. O tempo para divergências e dúvidas entre os almirantes da Frota Combinada havia terminado.

Com o apoio de seus próprios comandantes assegurado, Yamamoto estava determinado a levar a questão a um ponto crítico com o ainda cético Estado-Maior Naval. Em uma série de reuniões de 17 a 18 de outubro, Yamamoto jogou seu ás. Os representantes de sua equipe revelaram que, a menos que o plano fosse aprovado em sua totalidade, Yamamoto e toda a equipe da Frota Combinada se demitiriam. Já que para Nagano a idéia de ir à guerra sem Yamamoto no comando da Frota Combinada era simplesmente impensável, essa ameaça serviu para encerrar o debate sobre Pearl Harbor. No final, não foi a lógica que venceu Yamamoto, mas a ameaça de demissão e não seria a última vez que ele usaria essa tática.

O próprio planejamento da operação foi realizado pela equipe da Primeira Frota Aérea. Em 10 de abril de 1941, Yamamoto deu luz verde para formar a Primeira Frota Aérea combinando as Divisões 1 e 2 em uma única formação. Este foi um passo revolucionário que foi considerado por algum tempo, e em abril, Yamamoto julgou que era o momento certo para dar esse passo. Como defensor do poder aéreo, ele sentiu que era necessário maximizar o poder de ataque da força de porta-aviões. Ao concentrar os porta-aviões em uma única força, Yamamoto criou a força naval mais poderosa do Pacífico e ganhou os meios para conduzir sua operação em Pearl Harbor. No final de abril, o estado-maior da nova Primeira Frota Aérea, liderado por Genda, que fora designado como oficial do estado-maior, estava empenhado em detalhar os detalhes da operação. Gradualmente, os problemas associados ao reabastecimento, execução de ataques de torpedo nas águas rasas de Pearl Harbor e tornar o bombardeio rasante contra navios de guerra fortemente blindados uma tática viável foram resolvidos.

O Plano de Pearl Harbor

Fotografia de Battleship Row tirada de um avião japonês no início do ataque. A explosão no centro é um ataque de torpedo no USS West Virginia. Dois aviões japoneses atacando podem ser vistos: um sobre o USS Neosho e outro sobre o Estaleiro Naval.

Para Yamamoto, o objetivo do ataque a Pearl Harbor era afundar navios de guerra em vez de porta-aviões. Os navios de guerra estavam tão profundamente arraigados nas mentes do público americano como um símbolo do poder naval que, ao estilhaçar sua frota de batalha, Yamamoto acreditava que o moral americano seria esmagado. Ele até considerou desistir de toda a operação quando parecia que o problema de usar torpedos no porto raso não poderia ser resolvido - torpedos eram necessários para afundar os navios de guerra fortemente blindados, enquanto o bombardeio de mergulho teria sido suficiente para afundar os porta-aviões com blindagem leve. Essa ênfase em mirar navios de guerra, em vez de porta-aviões, põe em questão as credenciais de Yamamoto como planejador estratégico, bem como seu status como um verdadeiro defensor do poder aéreo.

O plano final foi concluído por Genda e refletiu a diferença de opinião entre Genda e Yamamoto. Genda, o fanático do poder aéreo, dedicou mais peso aos porta-aviões que afundavam e menos aos navios de guerra que afundavam. A primeira onda de ataque incluiu 40 aviões-torpedeiros, que foram divididos em 16 contra os dois porta-aviões que poderiam estar presentes, e os outros 24 contra até seis navios de guerra, que eram vulneráveis a ataques de torpedos. Cinquenta bombardeiros rasantes carregando bombas perfurantes especialmente modificadas também foram alocados para atacar a chamada “Linha de Navios de Guerra” (Battleship Row), onde a maioria dos navios de guerra estava atracada. O ataque rasante era a única maneira de atingir as áreas internas dos navios de guerra quando dois navios estavam atracados juntos. Cinquenta e quatro bombardeiros de mergulho e os caças que os acompanhavam receberam ordens para atacar os diversos campos de aviação de Oahu. Ao todo, os seis porta-aviões da força de ataque planejavam usar 189 aeronaves na primeira onda.

A segunda onda foi planejada para incluir 171 aeronaves. Os 81 bombardeiros de mergulho eram a peça central deste grupo e receberam ordens para se concentrarem em completar a destruição de todos os porta-aviões presentes, seguida de ataques aos cruzadores. As bombas relativamente pequenas carregadas pelos bombardeiros de mergulho eram insuficientes para penetrar a blindagem dos encouraçados, então a primeira onda teve a função de infligir o máximo de dano aos navios pesados. O restante das aeronaves da segunda onda, que incluía 54 bombardeiros rasantes, deveria completar a destruição do poder aéreo americano em Oahu, a fim de evitar qualquer ataque contra os porta-aviões japoneses.

Apesar do fato de que a força de ataque (a Kido Butai) embarcou pelo menos 411 aeronaves para a operação, tornando-a a força naval mais poderosa do Pacífico, o ataque continuou sendo uma empreitada arriscada. Se os americanos detectassem os invasores a tempo de preparar suas defesas aéreas, o ataque poderia ser catastrófico para os japoneses, um fato que eles haviam verificado em seu jogo antes do ataque. Se expostos ao contra-ataque, os porta-aviões japoneses seriam vulneráveis. Nagumo Chuichi tinha sob seu controle uma grande parte do poder de ataque da IJN, e perder a força no primeiro dia da guerra seria um desastre.

O incursão de Pearl Harbor

A Kido Butai partiu do seu ancoradouro nas Ilhas Curilas em 26 de novembro. O trânsito não foi detectado e na manhã de 7 de dezembro, de uma posição a cerca de 320 quilômetros ao norte de Oahu, seis porta-aviões japoneses começaram a lançar a primeira onda de ataque. Às 07:53h o líder do ataque enviou o sinal “Tora, Tora, Tora”, indicando que o elemento surpresa havia sido obtido.

Extraído de "Yamamoto Isoroku" por Mark Stille.

Mark Stille (Comandante, Marinha dos Estados Unidos, aposentado) é o autor de Yamamoto Isoroku, The Coral Sea 1942 e vários outros livros enfocando a história naval no Pacífico. Ele recebeu seu BA em História pela University of Maryland e também possui um MA da Naval War College. Ele trabalhou na comunidade de inteligência por 30 anos, incluindo visitas ao corpo docente do Naval War College, no Estado-Maior Conjunto e em navios da Marinha dos Estados Unidos. Ele é atualmente um analista sênior que trabalha na área de Washington, D.C.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

LIVRO: Yamamoto Isoroku (série Command)


Resenha do livro Yamamoto Isoroku, série Command da Osprey Publishing pelo autor Dr. Robert A. Forczyk.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de janeiro de 2020.

Excelente introdução ao almirante mais importante do Japão na Segunda Guerra Mundial (5 estrelas)

Por R. A. Forczyk, 24 de setembro de 2012.

Embora a maioria dos americanos esteja familiarizada com o ataque japonês a Pearl Harbor em dezembro de 1941, relativamente poucos sabem algo sobre o homem que ordenou e dirigiu o ataque - o almirante Yamamoto Isoroku. Nos últimos cinquenta anos, houve apenas um punhado de livros em inglês sobre Yamamoto e os trabalhos anteriores não incorporaram as percepções japonesas. O famoso historiador naval Mark Stille fornece uma excelente introdução à carreira de Yamamoto e seu impacto na Guerra do Pacífico em uma das últimas adições à série Command (Comando) da Osprey. Enquanto representações popularizadas de Yamamoto tendiam a classificá-lo como um grande almirante e um homem que buscava relações pacíficas com os Estados Unidos, o autor apresenta um excelente caso de que, "embora talentoso em muitos aspectos, Yamamoto não era um gênio militar". Este é um dos melhores volumes da série Command e pertence à estante de qualquer pessoa com um interesse sério na Guerra do Pacífico.

O volume começa com uma discussão sobre as origens de Yamamoto, o que pode ser confuso (já que ele nasceu com o sobrenome Takano). O autor discute a rápida ascensão de Yamamoto na hierarquia da Marinha Imperial Japonesa (IJN), seus ferimentos na Guerra Russo-Japonesa, viagens à América, experiência diplomática e funções de estado-maior. Em particular, o autor observa a oposição de Yamamoto à construção dos navios de guerra da classe Yamato e favoreceu um maior investimento na aviação naval. Em vez de navios de guerra, Yamamoto pressionou por bombardeiros de longo alcance como os "Nell" e "Betty", que provariam seu valor contra os navios de guerra britânicos Repulse e Prince of Wales em 1941. Ainda assim, o autor argumenta com sucesso que, embora Yamamoto tenha influenciado positivamente como a IJN foi configurada e treinada para a guerra, ele não foi uma escolha ideal para liderar a frota na guerra, já que era essencialmente um "almirante político" com "pouca experiência de comando". Yamamoto era o tipo de oficial, talvez como Alfred Thayer Mahan, cujo melhor papel era uma capacidade intelectual, em vez de comando de batalha.

Yamamoto em sua capitânia, o encouraçado Nagato, antes da guerra.

Quando Yamamoto foi escolhido para comandar a IJN em 1939, ele se envolveu na política que levou ao envolvimento do Japão na Segunda Guerra Mundial. Yamamoto se envolveu em discussões com o Estado-Maior Geral e desenvolveu uma teoria favorita de que atacar Pearl Harbor poderia prejudicar a determinação americana, embora outros líderes japoneses acreditassem que os Estados Unidos da América poderiam não intervir para impedir um ataque japonês às Índias Orientais Holandesas (provavelmente correto) e mesmo que o fizessem, um ataque a Pearl Harbor era muito arriscado. O autor observa que Yamamoto começou a empregar sua tática de ameaçar renunciar a menos que conseguisse o que queria - não exatamente um estilo de comando eficaz, atuando mais como um político. Em todo o processo, o autor mostra inconsistências no comportamento de Yamamoto que levaram a desastres posteriores, como a falha em ouvir pontos de vista alternativos ou em incorporar qualquer grau de flexibilidade em seu planejamento. Na verdade, Yamamoto parece excessivamente rígido, inflexível e disposto a permitir que ideias preconcebidas, em vez de realidades do campo de batalha, guiem suas decisões.

Depois de Pearl Harbor, Yamamoto estava procurando uma rampa para o Japão sair de sua situação difícil de estar em uma guerra com os Estados Unidos que não poderia vencer. O autor observa que Yamamoto considerou o período após a queda de Cingapura como o momento ideal para negociar, mas ficou desapontado com o fato dos líderes do Japão não terem feito aberturas diplomáticas com os Estados Unidos. Na verdade, este era um ponto discutível por dois motivos: primeiro, a liderança política do Japão era relutante em atingir um acordo de qualquer natureza sobre suas conquistas e, em segundo lugar, os americanos não considerariam nenhum acordo político com o Japão após os enganos diplomáticos empregados antes de Pearl Harbor. Aparentemente, Yamamoto não recebeu o memorando: depois de Pearl Harbor, foi uma luta até a morte. Hoje em dia, a decisão do Japão de atacar os Estados Unidos é geralmente considerada um ato de suicídio nacional e Yamamoto era o homem que segurava a faca, mas sem muita autoconsciência.

O almirante Isoroku Yamamoto, poucas horas antes da sua morte, saudando os pilotos navais japoneses em Rabaul, em 18 de abril de 1943.

Yamamoto "teve sucesso em sequestrar a formulação da estratégia naval japonesa", o que levou aos desastres em Midway e Guadalcanal. Seus planos operacionais eram muito complexos e seu estilo de comando de batalha muito solto e remoto, contentando-se em permanecer isolado no "Hotel Yamato" (seu navio-chefe, o encouraçado Yamato). Mesmo quando suas forças obtiveram sucesso, como na Batalha das Ilhas Salomão Orientais em outubro de 1942, Yamamoto não conseguiu capitalizar sobre ela. Na verdade, seu comportamento se tornou cada vez mais fatalista e passivo após Midway, permitindo que a Marinha dos EUA tomasse a iniciativa estratégica. Na última parte do volume, o autor compara Yamamoto com seu principal oponente - o almirante Chester Nimitz, e Yamamoto não sai muito favoravelmente. O autor ressalta que Yamamoto não era realmente um almirante moderno, por uma série de razões, e permaneceu atolado no pensamento à moda antiga (como em relação aos encouraçados). Na seção final, o autor cobre a morte de Yamamoto com alguns detalhes e sua reputação no pós-guerra. O volume possui cinco mapas e três cenas de batalha de Adam Hook, além de uma breve bibliografia. No geral, uma avaliação muito convincente do principal comandante naval do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Aposentou-se como tenente-coronel das Reservas do Exército americano, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA, e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC., e já publicou dezenas de livros, incluindo os dois volumes sobre a guerra blindada germano-soviética de 1941-45, sobre as operações Caso Vermelho (invasão da França), Caso Branco (invasão da Polônia), biografias de Walther Model, Erich von Manstein e Georgy Zhukov, e um dos seus best-sellers Where the Iron Crosses Grow: The Crimea 1941-44 (Onde as Cruzes de Ferro Nascem: A Criméia 1941-44).

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

FOTO: Galil Sniper

Soldado do Exército Estoniano armado com um fuzil IWI Galil Sniper em 7,62x51mm OTAN.

O Galil Sniper (também conhecido como Galil Tzalafim ou "Galatz") é um derivado do Galil ARM, usando munição 7,62x51mm OTAN de alta qualidade para uma precisão consistente. O fuzil sniper tem um funcionamento apenas em semi-automático com um sistema operacional semelhante a outras variantes Galil, mas otimizado para o tiro de precisão; sendo alimentado por um carregador tipo cofre de 25 tiros. Ele usa um cano de perfil mais pesado do que o usado em outras variantes, sendo equipado com um dispositivo de boca do cano multifuncional, que atua como quebra-chama e freio de boca. Este pode ser substituído por um silenciador, o que requer o uso de munição subsônica para eficácia máxima.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

FOTO: Sniper com baioneta calada9 de dezembro de 2020.

GALERIA: Snipers no Forças Comando na República Dominicana, 3 de novembro de 2020.

FOTO: Sniper vietnamita durante a Operação Brochet, 15 de outubro de 2020.

GALERIA: Competição Jäger Shot 2020 na Alemanha, 2 de dezembro de 2020.

GALERIA: Fuzis anti-material Zastava M93 modificados dos curdos peshmerga, 21 de julho de 2020.

FOTO: Sniper do FORAD no CENZUB, 23 de janeiro de 2020.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

FOTO: Instrutora israelense com um lança-granadas

Instrutora israelense com um lança-granadas automático Mk 47 Striker.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank1º de março de 2020.

As Forças de Defesa de Israel fazem uma abordagem ampla ao lidar com a ameaça iraniana16 de dezembro de 2020.

FOTO: Soldados israelenses avançando na cidade velha de Jerusalém19 de dezembro de 2020.

IMI Magal: carabina .30M1 de volta ao jogo, 7 de dezembro de 2020.

Bandeira de Israel e sinal de "Obrigado, Mossad" aparece no Irã após a morte de cientista nuclear12 de dezembro de 2020.

FOTO: Macacos de Lotar em arranha-céu15 de dezembro de 2020.

Unidade multidimensional "Ghost" das IDF completa o primeiro exercício, 19 de agosto de 2020.

FOTO: Conselheiro militar soviético em Cuito Cuanavale

Sergei Mishchenko, conselheiro militar soviético, com angolanos das FAPLA em um Land Rover capturado dos sul-africanos em outubro de 1987, durante a Batalha de Cuito Cuanavale.

Ocorrida entre 14 de agosto de 1987 e 23 de março de 1988, a Batalha de Cuito Cuanavale foi a maior batalha ocorrida na África desde a Segunda Guerra Mundial.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

FOTO: Conselheiros soviéticos em Angola24 de fevereiro de 2020.

Operação Quartzo - Rodésia 198028 de janeiro de 2020.

Por que Moçambique está terceirizando a contra-insurgência para a Rússia25 de março de 2020.

Tiro em Cobertura Rodesiano15 de abril de 2020.

FOTO: Carro de Combate T-34/85 cubano modificado com um canhão D-304 de agosto de 2020.

LIVRO: Batalha Histórica de Quifangondo, de Serguei Kolomnin30 de setembro de 2020.

Mercenários dificilmente são máquinas de matar6 de fevereiro de 2020.

domingo, 10 de janeiro de 2021

Descrição da conversão alemã do canhão 75 francês em função anti-carro

Um Pak 97/38 sendo rebocado por um trator Vickers Utility B belga capturado.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 10 de janeiro de 2021.

O seguinte relatório militar americano sobre a conversão alemã foi publicado em Tactical and Technical Trends, Nº 34, 23 de setembro de 1943. O Tactical and Technical Trends (Tendências Táticas e Técnicas) era um periódico do serviço de inteligência americano (U.S. Military Intelligence Service), inicialmente bi-semanal e depois mensal, que foi publicado de junho de 1942 a junho de 1945.

Os canhões franceses de 75mm, os famosos "soixante-quinze" que lutaram das guerras coloniais da era "Beau Geste" às Guerras Mundiais e além, e que até mesmo foram o pivô do Caso Dreyfus. O 75 era uma arma de tiro tenso, ou seja, fogo direto. Após a Batalha do Marne (1914), as armas de tiro direto foram ultrapassadas pela artilharia de fogo indireto para a guerra de trincheiras, com o 75 sendo usado em funções secundárias (como tiro anti-aéreo) e na Segunda Guerra Mundial como arma anti-carro (Canon de 75 Mle 1897/33).

"Honra ao nosso glorioso 75", cartão postal francês do anos 1910.

Canhões 75 Mle 1897/33 capturados em 1940.

Apesar da obsolescência provocada por novos desenvolvimentos nos projetos da artilharia, um grande número de 75 ainda estava em uso em 1939 em vários países, com 4.500 canhões apenas no exército francês e com 1.374 canhões no exército polonês, tornando-se de longe a peça de artilharia mais numerosa em serviço polonês.

A conversão alemã para a função anti-carro recebeu a designação Pak 97/38 (7.5 cm Panzerabwehrkanone 97/38), combinando o 75 com o reparo e escudo do Pak 38 alemão. Ele pesava 1.190kg em ordem de tiro e 1.246kg em ordem de marcha. Em 1942, a Wehrmacht recebeu 2.854 dessas peças.

Um Pak 97/38 exposto no Museu de Artilharia de Hämeenlinna, na Finlândia.

Retaguarda do mesmo canhão, mostrando a culatra.

Segue abaixo o relatório.

sábado, 9 de janeiro de 2021

VÍDEO - CAPITÃ DA USAF PILOTA F-35B DO USMC


Por Carlos Junior
A Capitã Melanie Ziebart, da Força Aérea dos Estados Unidos, piloto de caça F-16C Fighting Falcon, passou a pilotar o caça F-35B dos fuzileiros navais dos Estados Unidos. O F-35B é a versão de decolagem curta e pouso vertical (VSTOL) da família F-35, fruto do programa Joint Strike Fighter (JSF).


quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

FOTO: Assalto em avião no KASOTC

Operadores especiais jordanianos demonstrado o assalto em avião no Centro de Treinamento de Operações Especiais Rei Abdullah II (King Abdullah II Special Operations Training Center, KASOTC), em Amã, 26 de abril de 2010.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de janeiro de 2021.

O KASOTC é um centro de operações especiais localizado em Amã, capital da Jordânia, e tornado operacional em 19 de maio de 2009.

O KASOTC sedia uma competição internacional anual de forças especiais: a Competição Anual de Guerreiros (Annual Warrior Competition). A Warrior é uma competição anual orientada para o combate, baseada na capacidade física, trabalho em equipe, comunicação e precisão individual. Na sua última edição, em 2019, a Warrior contou com 46 equipes de 26 países, com a vitória da equipe 1 de Brunei, seguida pelos jordanianos, e a equipe 2 de Brunei em terceiro lugar.

O 12º Concurso Anual de Guerreiros, agendado entre 29 de março de 2020 e 2 de abril de 2020, foi adiado como medida de precaução para minimizar a propagação do coronavírus e por fim cancelado. A previsão era de 25 equipes estrangeiras, além de três da nação anfitriã, se comprometeriam com o evento deste ano. As nações cujas seleções eram esperadas incluíam: Bahrein, Brunei, Bulgária, Geórgia, Alemanha, Hungria, Iraque, Itália, Cazaquistão, Kuwait, Jordânia, Kosovo, Letônia, Líbano, Omã, Portugal, Catar, Romênia, Arábia Saudita, Eslováquia e Ucrânia.

Forças especiais jordanianas, "boinas vermelhas".

As forças especiais jordanianas, consideradas as melhores no mundo árabe, são agrupadas no Grupo de Operações Especiais Rei Abdullah II.

Em 2018, as forças especiais jordanianas foram reorganizadas pela terceira vez (eram o Grupo de Forças Especiais em 2017-2018).

- Diretório de Forças Especiais e Intervenção Rápida, comando e controle.
- Grupo de Operações Especiais Rei Abdullah II, unidades especiais e contra-terrorismo.
- Brigada de Intervenção Rápida e Alta Prontidão*, unidades de intervenção e aviação.
- Escola de Operações Especiais Príncipe Hashim, coordena o treinamento da força.

* Seu nome completo é Brigada de Intervenção Rápida e Alta Prontidão Mohammed Bin Zayed Al Nahyan.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:



sábado, 2 de janeiro de 2021

FOTO: O fuzil sniper PSL na Nicarágua

Sniper nicaraguenses de operações especiais da polícia armado com o PSL (Puşcă Semiautomată cu Lunetă) em patrulha em Monimbo, bairro da cidade de Masaya, durante manifestações anti-Ortega em 18 de julho de 2018.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de janeiro de 2020.

O fuzil de precisão Puşcă Semiautomată cu Lunetă (P.SA.L./PSL, literalmente "fuzil semi-automático com luneta") é uma arma romena inspirada no SVD Dragunov russo, mas com o mecanismo do fuzil-metralhador RPK (PM md. 1964, versão romena idêntica). Esse fuzil foi visto na Nicarágua durante os protestos contra o ditador-presidente José Daniel Ortega Saavedra. 

Daniel Ortega governa o país direta ou indiretamente por 42 anos, desde a vitória sandinista sobre Somoza em julho de 1979, e as manifestações populares de 2018 foram reprimidas com violência. Em maio de 2018, as estimativas do número de mortos chegavam a 63, muitos deles estudantes manifestantes, e os feridos totalizavam mais de 400. Após uma visita de trabalho de 17 a 21 de maio, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos adotou medidas cautelares destinadas a proteger os integrantes do movimento estudantil e suas famílias, após testemunhos indicarem que a maioria deles havia sofrido atos de violência e ameaças de morte por sua participação. Em 18 de julho de 2018 iniciaram-se manifestações em massa em mais de 2 mil cidades nicaraguenses, sendo reprimidas violentamente. Em 2019, os mortos já se elevavam a 325, a maioria por armas de fogo das forças policiais, mais de 1.400 feridos e mais de 690 detidos.

Ortega expulsou do país o escritório do alto comissário de direitos humanos das Nações Unidas (United Nations High Commissioner for Human Rights, OHCHR) e a comissão interamericana de direitos humanos (Inter-American Commission on Human Rights, IACHR) por denunciarem a mão pesada do governo sandinista.

Operadores especiais da polícia nicaraguense durante as manifestações de 18 de julho de 2018. O operador à esquerda tem um PSL.

Desde a madrugada de 25 de fevereiro de 2020, a Polícia da Nicarágua manteve todas as entradas de Manágua tomadas no mesmo dia em que a oposição ao regime de Daniel Ortega pretendia se manifestar para exigir a libertação de presos políticos. Nos postos de controle, os policiais requisitam veículos particulares, ônibus e detinham pessoas para questioná-las sobre os motivos de sua visita à capital. Em vários lugares, a polícia agrediu cidadãos que protestavam e manifestavam seu desacordo com o governo autoritário de Ortega e nessas ações policiais e grupos civis ou paramilitares vinculados ao sandinismo agrediram e ameaçaram jornalistas. A violência contra jornalistas e membros eclesiásticos continuou em julho de 2020.

O impasse dos protestos ainda continua em 2021.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

FOTO: Soldado tcheco invencível

Soldados da República Tcheca durante um exercício, armados com o novo fuzil padrão CZ Bren 2 com miras ópticas.

Os soldados estão O soldado no centro tem na banda do capacete as letras IDDQD, em alusão ao código de invencibilidade no jogo Doom.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

FOTO: Fuzis SKS capturados

Foyer (cantina) da 1ª companhia do 2e RPC na Argélia, adornado com dois fuzis SKS capturados dos egípcios na crise de Suez de 1956.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de janeiro de 2020.

Os fuzis SKS egípcios capturados na operação de 1956 (Operação Mousquetaire) foram os primeiros exemplares do SKS capturados por forças ocidentais, e fotos mostram os paraquedistas franceses usando esses SKS com as baionetas caladas para controlar prisioneiros egípcios.

A placa tem os dizeres "Souviens toi.." (lembrem-se) com os nomes dos mortos da companhia na Guerra da Argélia. O Sargento Victor Bellon está marcado como morto no Porto Said, no Egito. O Sgt. Bellon saltou na Normandia em 1944 como parte do SAS francês.

Sargento Victor Bellon, morto ao chegar ao solo no salto de 5 de novembro de 1956. Ele usa as asas francesas livres da época do exílio.

Paras franceses do 2e RPC (Régiment de Parachutistes Coloniaux), que saltaram no Porto Fouad, na região do Porto Said, inspecionam um fuzil SKS capturado dos egípcios, 1956.

Prisioneiros egípcios capturados pelo 2e RPC no Porto Fouad, novembro de 1956.


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:



FOTO: IS-3 no Egito de Nasser8 de novembro de 2020.



FOTO: Sniper com baioneta calada, 9 de dezembro de 2020.