terça-feira, 30 de junho de 2020

Fuzileiros navais da China: menos é mais


Por Dennis J. Blasko, The Jamestown Foundation, 3 de dezembro de 2010.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de junho de 2020.

Em 3 de novembro, o Global Times informou que “cerca de 1.800 forças navais e pelo menos 100 navios de guerra, submarinos e aeronaves de combate [sic]” do “Corpo de Fuzileiros Navais” do Exército Popular de Libertação (PLA) realizaram um exercício de fogo real chamado "Jiaolong- 2010”(Dragão-2010) no “disputado Mar da China Meridional” (Global Times, 3 de novembro de 2010). À luz da crescente tensão na região, um exercício de fogo real com 100 navios, submarinos e aviões do "Corpo de Fuzileiros Navais" chinês seria realmente uma grande coisa. Uma grande coisa - se for verdade. Infelizmente, com base em reportagens sobre o mesmo exercício nos jornais militares chineses oficiais e no que pode ser visto na televisão chinesa, o Global Times entendeu errado a história.



O Global Times, associado ao jornal People's Daily, é uma fonte chinesa relativamente nova, conhecida por seus artigos e opiniões estritamente nacionalistas. Não faz parte do sistema oficial de mídia militar chinês. De fato, “Jiaolong-2010” foi um exercício importante, mas não incomum, de desembarque anfíbio de vários batalhões, apoiado pela Marinha do PLA. No entanto, apenas um punhado de "navios de guerra" estava realmente envolvido, junto com alguns helicópteros, mas nenhum submarino - ilustrando que, para os fuzileiros navais do PLA, muitas vezes, menos é mais.

História dos fuzileiros navais chineses

Composto por duas brigadas com uma força total de aproximadamente 12.000 militares, o "Corpo de Fuzileiros Navais" do PLA não é realmente um "Corpo", e certamente não é equivalente ao Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos [1].



A primeira unidade de fuzileiros navais do PLA (uma divisão) foi formada em 9 de dezembro de 1954 e em poucas semanas foi desdobrada para lutar na batalha pela Ilha Yijiangshan durante a Primeira Crise do Estreito de Taiwan. Nos anos seguintes, 110.000 soldados retornando da Coréia foram formados em oito divisões de fuzileiros navais. No entanto, durante as reformas militares do final da década de 1950, as unidades de fuzileiros navais foram dissolvidas e seu pessoal e equipamento foram transferidos para o Exército do PLA. Em 1974, um fraco desempenho do Exército durante a campanha na Ilha Xisha (Paracel) levou a Comissão Militar Central a reavaliar a necessidade de uma força de fuzileiros navais dedicada na Marinha do PLA. Em 5 de maio de 1980, uma brigada de fuzileiros navais foi formada no condado de Ding'an, Hainan, e depois foi realocada para a área de Zhanjiang, na província de Guangdong, no continente (Agência de Notícias Xinhua, 3 de outubro de 2009).



Essa brigada, conhecida como 1ª Brigada de Fuzileiros Navais, está subordinada à Frota do Mar do Sul (SSF) da Marinha do PLA. Por quase 20 anos, foi a única unidade de fuzileiros navais da Marinha. Durante os três anos de redução de 500.000 homens anunciada em setembro de 1997, a 164ª Divisão do Exército, também localizada nas proximidades de Zhanjiang, foi reduzida e convertida na 164ª Brigada de Fuzileiros Navais e re-subordinada à SSF [2].

Organização e equipamento



O Livro Branco Chinês sobre Defesa Nacional de 2008 forneceu um breve resumo da organização dos fuzileiros navais do PLA: "O Corpo de Fuzileiros Navais está organizado em brigadas de fuzileiros navais e consiste principalmente de fuzileiros navais, tropas blindadas anfíbias, tropas de artilharia, engenheiros e tropas de reconhecimento anfíbio". A análise dos relatórios da mídia militar chinesa acrescenta mais detalhes a essa descrição, embora algumas incertezas permaneçam.

Ambas as brigadas de fuzileiros navais parecem ter aproximadamente a mesma estrutura organizacional, diferindo no equipamento específico atribuído. Estima-se que cada brigada consiste em:

1. Um ou dois batalhões blindados anfíbios, cada um composto por 30 a 40 tanques anfíbios ou veículos de assalto.
2. Quatro ou cinco batalhões de infantaria, alguns são mecanizados com 30-40 veículos de combate de infantaria anfíbios (IFV) ou veículos blindados de transporte de pessoal (APC).
3. Uma unidade de reconhecimento anfíbio provavelmente é composta por duas ou mais unidades menores de “homens-rã” e operações especiais (SOF/OpEsp), incluindo uma unidade com aproximadamente 30 batedores femininos.
4. Um batalhão de artilharia autopropulsada.
5. Um batalhão de mísseis com uma companhia de mísseis antitanque e uma companhia de mísseis antiaéreos com mísseis terra-ar portáteis.
6. Um batalhão de engenharia e de defesa química.
7. Um batalhão  de guarda e de comunicações.
8. Um batalhão de manutenção.



Sob o quartel-general de brigada, um quartel-general anfíbio do regimento blindado comanda o batalhão blindado (ou batalhões blindados), um ou dois batalhões de infantaria mecanizada e o batalhão de artilharia autopropulsada. Este regimento é considerado a principal unidade de manobra e unidade da brigada.

O número de pessoas por batalhão depende do tipo de unidade, com batalhões de infantaria provavelmente contando entre 600 e 750 militares, enquanto outros batalhões podem ter apenas metade do tamanho. Estima-se que a mão-de-obra total para cada brigada varie de 5.000 a 6.000 [3].

Ao contrário do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, os fuzileiros navais do PLA não recebem ativos orgânicos de aviação. Em vez disso, o regimento de helicópteros subordinado à Frota do Mar do Sul fornece transporte e apoio de poder de fogo aos fuzileiros navais. Os fuzileiros navais têm uma relação semelhante com o transporte marítimo com a flotilha de navios de desembarque da SSF composta por aproximadamente 30 navios anfíbios grandes e médios, incluindo o Navio de Desembarque Doca Tipo 071 da Marinha [4].



Ao longo de seus 30 anos, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navais foi equipada com quatro tipos de veículos blindados de transporte de pessoal/veículos de combate de infantaria e tanques. O APC Tipo 77 (copiado do BTR-50 soviético) foi seguido pelo APC Tipo 63 (um projeto indígena), o Tipo 86 (BMP soviético) e, finalmente, o IFB ZBD05,  adotado a partir de 2005/6 e visto no desfile militar de 2009. A brigada foi inicialmente equipada com tanques leves não-anfíbios Tipo 62 (baseados no tanque de batalha principal Tipo 59, mas menores) e tanques anfíbios leves Tipo 63 (soviético PT-76 modificado). Por volta de 2000, os tanques anfíbios leves Tipo 63A entraram no PLA, seguidos pelos veículos de assalto anfíbio ZTD05 no meio da década [5].

Novos equipamentos foram introduzidos gradualmente, batalhão por batalhão, de modo que as brigadas geralmente têm uma combinação de vários tipos de tanques e APC/IFV. Quando a 1ª Brigada é atualizada, equipamentos mais antigos parecem ser transferidos para a 164ª Brigada. Atualmente, a 1ª Brigada está equipada com veículos IFV ZBD05 e ZTD05, enquanto a 164ª possui uma mistura de tanques Tipo 63A e APCs Tipo 86 e Tipo 63 [6]. A 1ª Brigada também foi equipada com o novo obus autopropulsado PLZ07 122mm; o antigo obus autopropulsado Tipo 89 122mm é encontrado no 164º.



Os fuzileiros navais, tal qual as unidades em todo o PLA, planejam um período de treinamento de novos equipamentos, com duração de vários meses a anos, culminando em testes de prontidão, antes que as unidades e o armamento sejam considerados capazes de operar. Os fuzileiros navais estão entre as unidades de resposta rápida a emergências do PLA, com as principais missões de combate de operações anfíbias e defesa contra desembarques anfíbios inimigos.

Treinamento

As unidades de fuzileiros navais do PLA recrutam pessoal com base nos padrões das tropas de Operações Especiais. Eles devem estar em boa forma física, no ensino médio ou superior, e com 1,70 metro ou mais (Agência de Notícias Xinhua, 22 de setembro de 2009). O regime de condicionamento físico dos fuzileiros navais é extremamente desafiador, com padrões como nadar cinco quilômetros em equipamento de combate completo em duas horas e meia, percorrer a mesma distância em 23 minutos e realizar 500 flexões, abdominais e agachamentos diariamente [7]. Todos os fuzileiros recebem instruções de combate corpo-a-corpo.



O treinamento para novos recrutas é conduzido pelas próprias brigadas (como é a prática em todo o PLA) por cerca de três meses a partir de dezembro. Posteriormente, começa o treinamento de habilidades profissionais para indivíduos e unidades. O treinamento anfíbio em pequenas unidades começa em abril ou maio, aumentando de tamanho ao longo do verão e outono. As unidades podem passar de dois a três meses em campo em áreas de treinamento anfíbio na Península de Leizhou e em Shanwei, ou em estandes de tiro no norte de Guangdong.

Militares do reconhecimento anfíbio e OpEsp dos fuzileiros navais treinam em várias formas de paraquedismo, helicópteros, terra, superfície do mar e métodos de inserção subaquática, resultando em capacidades “trifíbias”. Eles também treinam em demolições subaquáticas para remover obstáculos das praias.



A maioria dos treinamentos anfíbios dos fuzileiros navais é realizada no Mar da China Meridional com apoio anfíbio e de helicóptero da SSF, mas geralmente não com unidades de outros serviços. Uma exceção importante foi a Missão de Paz 2005, um exercício sino-russo combinado realizado na província de Shandong. Em agosto de 2005, elementos do regimento blindado anfíbio da 1ª Brigada Mde Fuzileiros Navais e uma unidade de infantaria naval russa realizaram um assalto à praia durante a segunda das três fases deste exercício aéreo-marítimo-terrestre de 10.000 pessoas.



Cinco anos depois, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navais realizou seu primeiro exercício no exterior no exercício “Blue Strike 2010” de 28 de outubro a 11 de novembro de 2010 em Sattahip, Tailândia. Ambos os lados contribuíram com 115 fuzileiros navais para este exercício de quatro fases, focado em operações anfíbias de pequenas unidades e missões anti-sequestro e resgate de reféns. Durante o exercício, os fuzileiros navais formaram pequenas unidades sino-tailandesas para conduzir segmentos do treinamento (PLA Daily, 12 de novembro de 2010) [8].

Enquanto o “Blue Strike 2010” estava em andamento, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navasi também desdobrou vários batalhões no exercício “Jiaolong-2010” no Mar da China Meridional. As fontes oficiais de notícias do PLA forneceram informações mais confiáveis e melhores sobre o exercício do que o Global Times. O PLA Daily relatou "mais de 1.800 oficiais e homens de uma brigada de fuzileiros navais", juntamente com "mais de 100 helicópteros armados, embarcações que caça-minas, caçadores de submarinos, navios de desembarque, veículos blindados anfíbios, embarcações de assalto e várias armas de tiro direto" participaram do exercício (PLA Daily, 4 de novembro de 2010). Ao contrário do Global Times, esses relatórios não mencionavam submarinos ou implicam a participação de aeronaves de asa fixa, mas descreviam com mais precisão o conjunto de forças envolvidas.



O CCTV-7, a rede de televisão estatal da China, exibiu uma reportagem em vídeo mostrando duas fragatas de mísseis Jianghu-V fornecendo apoio de fogo, e três navios anfíbios grandes e dois navios anfíbios médios lançando várias pequenas embarcações de 10 homens carregando tropas e mais de uma dúzia de ZBD05s e ZTD05s nadando em direção à praia. Dois helicópteros Zhi-8 desembarcaram tropas e dois helicópteros Zhi-9 forneceram apoio de fogo aéreo [9].

Com base no equipamento observado, um ou mais batalhões do regimento blindado anfíbio da brigada, além de elementos provavelmente de outro batalhão de fuzileiros navais (nas pequenas embarcações), compunham a maior parte das mais de 100 armas, navios e aeronaves envolvidos no exercício. Embora relativamente grande para um exercício de fuzileiros navais, o “Jiaolong-2010” não era incomum e incluía menos da metade da brigada completa.

Estudantes militares estrangeiros que estudam em instituições profissionais de educação militar do PLA observaram o exercício "Jiaolong-2010".

Contatos estrangeiros e missões de segurança não-tradicionais



A 1ª Brigada de Fuzileiros Navais recebe rotineiramente visitantes de forças armadas estrangeiras em sua guarnição em Zhanjiang. O comandante da Frota do Pacífico e o comandante do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA visitaram-na em 2006 e 2008, respectivamente. Os fuzileiros navais do PLA realizaram competições com pequenas unidades de fuzileiros navais dos Estados Unidos, França e Austrália e treinaram com as forças especiais dos fuzileiros navais do Paquistão e da Nigéria durante o exercício “Peace-09” fora do Paquistão. Em um dos primeiros casos do PLA abrindo seus exercícios para estrangeiros, observadores militares da França, Alemanha, Grã-Bretanha e México, juntamente com estudantes militares estrangeiros estudando na China, participaram do exercício anfíbio “Jiaolong-2004” em Shanwei, em setembro de 2004 [10]. Essas visitas fazem parte do programa em expansão do PLA de condução de relações militares estrangeiras.



Enquanto os fuzileiros navais treinam para suas principais missões de combate, eles também se preparam e conduzem uma variedade de missões de segurança não-tradicionais no mundo real. Nos últimos anos, eles foram empregados em vários esforços de socorro de desastres, principalmente em Sichuan em 2008 após o terremoto de Wenchuan. Os homens-rã fuzileiros navais também forneceram segurança subaquática para as Olimpíadas e outros eventos de alto perfil.

Destacamentos OpEsp de fuzileiros navais foram desdobrados com cada uma das forças-tarefa anti-pirataria da Marinha do PLA no Golfo de Áden [11]. Esses desdobramentos proporcionam aos fuzileiros navais uma valiosa experiência em operações de pequenas embarcações e helicópteros durante longos períodos no mar.



Uma missão de segurança não-tradicional a qual os fuzileiros navais chineses não foram designados foi a manutenção da paz da ONU. Unidades de engenharia, de transporte e médicas do PLA, mas nenhuma unidade de combate de todo o país, juntamente com as forças de guarda de fronteira da Polícia Armada do Povo, participaram de cerca de 10 missões de manutenção da paz da ONU na última década (Agência de Notícias Xinhua, 19 de janeiro de 2010). Além de seu status de resposta rápida, os fuzileiros navais têm apenas pequenos elementos desse tipo de forças de apoio, o que provavelmente contribui para o motivo de não terem sido destacados em missões de manutenção da paz.

Algumas companhias de fuzileiros navais estão estacionadas em um punhado de recifes e ilhas no Mar da China Meridional, juntamente com as forças da Marinha, incluindo forças de superfície, defesa costeira e pessoal da aviação naval. Esses postos avançados parecem estar sob o comando da sede da SSF através da guarnição naval de Xisha (Paracel) e do distrito de patrulha de Nansha (Spratly).

Conclusão



As unidades anfíbias e de fuzileiros navais do PLA compreendem apenas uma pequena fração das forças terrestres gerais do PLA [12]. Por outro lado, o pequeno tamanho das unidades anfíbias e de fuzileiros navais permite que elas sejam modernizadas mais rapidamente com novos equipamentos do que muitas outras unidades terrestres. As forças anfíbias também parecem receber prioridade no treinamento e permanecem em campo por longos períodos durante a temporada de treinamento da unidade. Como tal, eles estão entre as unidades mais operacionalmente prontas do PLA. Embora outras unidades do Exército treinem para operações anfíbias, o pequeno número de tropas especializadas anfíbias especializadas permanentes e a capacidade de transporte sugerem que a Comissão Militar Central não está antecipando operações de desembarque em larga escala no curto e médio prazo.

Sem apoio civil maciço, a capacidade de transporte anfíbio da Marinha (e Exército) permite transportar apenas cerca de um terço da força anfíbia total e, em assim, principalmente apenas sobre distâncias limitadas (até algumas centenas de milhas) [13]. Dependendo do inimigo, do tempo, do transporte naval e do apoio aéreo disponíveis, e da quantidade de blindados e forças logísticas a serem transportadas, os fuzileiros navais do PLA provavelmente poderiam lançar uma operação anfíbia de múltiplos batalhões (talvez o dobro do tamanho do “Jiaolong-2010”) no Mar da China Meridional sem preparação prolongada [14].



Os fuzileiros navais do PLA fornecem um modelo de como pode ser uma força chinesa menor, modernizada, altamente treinada e motivada do século XXI. No entanto, para aumentar sua eficácia, eles precisam de apoio logístico e aéreo adicional, e não mais soldados de infantaria. Baseado parcialmente no exemplo da força de fuzileiros navais, na próxima década, a estrutura geral de força do PLA poderia se dar ao luxo de sofrer reduções e reequilíbrios entre as forças e nas armas de cada força. Fazer isso continuaria a tendência de que menos forças chinesas menores agora sejam mais capazes do que o PLA do passado.

Notas:

O autor agradece a Gary Li, do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, por suas idéias generosas sobre esse assunto. Quaisquer erros na análise são do autor.

1. Em setembro de 2010, o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA tinha 202.441 militares em serviço ativo. Ver http://siadapp.dmdc.osd.mil/personnel/MILITARY/ms0.pdf.

2. Ao mesmo tempo, duas outras divisões do Exército, uma na Região Militar de Nanjing e outra na Região Militar de Guangzhou, foram transformadas em divisões de infantaria mecanizada anfíbia, somando à brigada de tanques anfíbios do Exército existente. Ver “PLA Amphibious Capabilities: Structured for Deterrence,” Briefing da China, 19 de agosto de 2010.

3. Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, The Military Balance 2010, p. 402 e Bernard D. Cole, The Great Wall at Sea, Naval Institute Press, 2010, p. 76. Embora possa ser possível que o batalhão de artilharia autopropulsado e o batalhão de mísseis estejam subordinados a um quartel-general do regimento de artilharia, o único quartel-general do regimento de fuzileiros navais identificado em artigos recentes da imprensa chinesa é o quartel-general do regimento blindado anfíbio.

4. Escritório de Inteligência Naval, A Modern Navy with Chinese Characteristics, 13. Fontes da Internet relatam o lançamento do segundo navio de desembarque doca Tipo 071 em meados de novembro de 2010. Ainda não se sabe a qual frota o novo LPD será atribuído. Estima-se que essa classe de LPD seja capaz de transportar um batalhão de fuzileiros navais, 20 a 30 veículos anfíbios e dois helicópteros a vários milhares de quilômetros por um período de semanas ou meses. Esse tipo de navio confere ao PLA uma verdadeira capacidade anfíbia de “água azul”, não encontrada nos mais numerosos navios anfíbios grandes e médios, os quais não têm instalações para as tropas embarcadas. A Marinha dos EUA tem 12 navios dessa classe na força, com mais três em construção. Ver “Amphibious Transport Dock – LPD” em http://www.navy.mil/navydata/fact_display.asp?cid=4200&tid=600&ct=4.

5. Os designadores ZBD05 e ZTD05 foram usados durante o desfile militar de 1º de outubro de 2009 em Pequim. Informações técnicas sobre esses veículos (e outros) podem ser encontradas no site da Sinodefence.com em http://www.sinodefence.com/army/armour/zbd2000.asp.
As unidades anfíbias do exército têm equipamentos semelhantes aos dos fuzileiros navais. Os veículos dos fuzileiros navais são pintados em padrões de camuflagem azul e têm números de torre/lateral começando com um "H"; as unidades do exército têm camuflagem de padrão verde diferente, incluindo alguma camuflagem digital.

6. Alguns tanques e APC/IFV mais antigos podem permanecer nas duas brigadas à medida que o equipamento modernizado é introduzido.

7. “Women Soldiers”, página da web, 22 de agosto de 2008, http://www.goxk.com/shehuixue/200808/22-466528.shtml.

8. Embora esse tenha sido o primeiro exercício de treinamento combinado no exterior para os fuzileiros navais do PLA, as unidades do PLA e OpEsp da Tailândia realizaram três rodadas de treinamento conjunto em 2007, 2008 e 2010. O mais recente da série de exercícios antiterroristas “Strike” acabara de acontecer em outubro [de 2010]. Ver ""Strike 2010": China, Thailand kick off joint drill", em 9 de outubro de 2010, em http://english.cntv.cn/program/newsupdate/20101009/100578.shtml.

9. Vídeo disponível no People's Daily, 3 de novembro de 2010, em http://tv.people.com.cn/GB/166419/13123836.html
Imagens fotográficas mostrando muitas das mesmas cenas estão disponíveis no People's Daily, 3 de novembro de 2010, em http://military.people.com.cn/GB/43331/13120067.html
Os navios anfíbios grandes e médios observados poderiam ter lançado em uma média de 40 veículos blindados anfíbios e, provavelmente, número semelhante de pequenas embarcações de assalto de 10 homens.Estas embarcações de assalto de 10 homens parecem ser o navio de escolha nos últimos anos para desembarcar fuzileiros navais em terra. As forças vistas nas reportagens televisivas e fotográficas provavelmente eram apenas parte de toda a força envolvida no exercício.

10. Shirley Kan, “U.S.-China Military Contacts: Issues for Congress”, Serviço de Pesquisa do Congresso, 6 de agosto de 2009, em http://china.usc.edu/App_Images//crs-china-military-2009.pdf, documenta essas visitas americanas.
Os outros contatos estrangeiros descritos acima podem ser encontrados na Agência de Notícias Xinhua, 2 de setembro de 2004, em http://news.xinhuanet.com/mil/2004-09/02/content_1939064.htm
PLA Daily, 3 de março de 2009, em http://english.chinamil.com.cn/site2/special-reports/2009-03/09/content_1681284.htm
PLA Daily, 7 de junho de 2010, em http://eng.mod.gov.cn/DefenseNews/2010-06/07/content_4163115.htm
People’s Daily, 30 de setembro de 2010, em http://english.peopledaily.com.cn/90001/90783/91300/7155664.html.

11. Militares OpEsp dos fuzileiros navais foram observados em todos os desdobramentos no Golfo de Áden. Fuzileiros navais podem ser vistos em fotos da sexta e sétima rotações no PLA Daily, “China’s sixth naval escort flotilla arrived in Jedda”, 29 de novembro de 2010, em http://eng.chinamil.com.cn/news-channels/photo-reports/2010-11/29/content_4343300_2.htm e PLA Daily, “China’s 7th naval escort flotilla begins escort mission", 26 de novembro de 2010, em http://eng.chinamil.com.cn/news-channels/photo-reports/2010-11/26/content_4342290.htm.

12. O Exército do PLA possui aproximadamente 76 divisões e brigadas de infantaria e blindadas, divididas em aproximadamente 35 divisões e 41 brigadas. A Força Aérea comanda outras três divisões aéreas. Os cerca de 12.000 fuzileiros navais da Marinha representam menos de cinco por cento do número estimado de 290.000 militares das forças.

13. O Relatório Anual do Departamento de Defesa dos EUA ao Congresso "Poder Militar da República Popular da China 2009" declara, "A capacidade de transporte aéreo e anfíbio do PLA não melhorou consideravelmente desde 2000, quando o Departamento de Defesa avaliou o PLA como capaz de transportar pelo mar uma divisão de infantaria". 

14. Essa estimativa é baseada na análise do autor e pode variar de acordo com a composição da força de fuzileiros navais a ser empregada e a quantidade de transporte marítimo disponível.

Original: https://jamestown.org/program/chinas-marines-less-is-more/

Bibliografia recomendada:





Leitura recomendada:

O fim da visão de longo prazo da China6 de janeiro de 2020.

O mesmo de sempre: o oportunismo pandêmico da China em sua periferia20 de abril de 2020.

FOTO: Assalto chinês na Batalha das Ilhas Yijiangshan4 de abril de 2020.

Sim, a China estaria disposta a travar outra Guerra da Coréia caso necessário21 de junho de 2020.

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate26 de janeiro de 2020.

A guerra no Estreito de Taiwan não é impensável2 de junho de 2020.

Manutenção da paz da ONU feita pela China no Mali: estratégias e riscos14 de março de 2020.

Modernização do exército chinês: progresso, retórica e realidade27 de dezembro de 2019.

Fuzileiros navais americanos fecharão todas as unidades de tanques e cortarão batalhões de infantaria em grande reforma25 de março de 2020.

Análise Militar: Os Fuzileiros Navais Russos18 de fevereiro de 2020.

domingo, 28 de junho de 2020

Como identificar um fuzil de assalto fabricado na Rússia e diferenciar de um falso


Por Vladimir Onokoy, Russia Beyond, 27 de junho de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de junho de 2020.

Quando as pessoas pensam na Rússia, muitas vezes poucas imagens vêm à mente: vodka, invernos gelados, mulheres bonitas e um Kalashnikov.

O fuzil Kalashnikov continua sendo um dos símbolos mais reconhecidos da Rússia, conhecido em todos os cantos do mundo.


Mas o Kalashnikov e outras armas russas não são mais apenas armas de guerra. Em muitos países, você pode encontrar versões civis e esportivas de famosos fuzis e pistolas russos. As pessoas as usam para fotografar em competições, para defesa pessoal, para caçar, como armas desativadas para reconstituições históricas e como adereços para filmes.

Enquanto trabalhava em diferentes países, muitas pessoas de todas as nacionalidades me perguntavam: “Como você pode dizer que a arma é realmente russa? O que devo procurar?"

O jeito mais simples


A pergunta é completamente justificada, já que armas russas foram produzidas, algumas ilegalmente, outras sob licença, em dezenas de países em todo o mundo. Por exemplo, diferentes variações do fuzil Kalashnikov agora são fabricadas em 28 países diferentes, e nem todas são feitas no mesmo padrão de qualidade.

Pegue o fuzil AK clássico como um exemplo. Há várias coisas para procurar. O jeito mais simples é observar as marcações do fabricante no lado esquerdo do receptor*. Lá, você verá um carimbo informando onde a arma foi fabricada.

*Nota do Tradutor: Também conhecido como "caixa da culatra".

Nesse caso, seria uma “flecha em triângulo”, o que significa que a arma foi fabricada na fábrica em Izhevsk, ou apenas uma estrela, o que significa que a arma vem de Tula, feita em outro grande fabricante de armas.

Desenho extraído do livro "Fuzis de Assalto e Metralhadoras Kalashnikov da URSS e da Rússia", de Konstantin Podgornov.

Outros "Kalashnikov"

Há outro fabricante que se tornou mais proeminente nos últimos anos, chamado "Molot Factory" (Fábrica Molot), que foi fundado durante a Segunda Guerra Mundial para fornecer ao Exército Vermelho as submetralhadoras tão necessárias. No início dos anos 1960, tornou-se uma das principais instalações de fabricação da metralhadora leve* Kalashnikov, RPK.

*NT: Também conhecido como fuzil-metralhador ou fuzil-metralhadora. Arma portátil de emprego coletivo da fração, usada para supressão e tiro prolongado.

Na década de 1990, a Fábrica Molot usou essa experiência para produzir fuzis esportivos civis chamados "VEPR" (que significa "javali"). Conhecidos por seu projeto reforçado e robustez, esses fuzis são populares entre os atiradores que seguem as palavras de Boris the Blade do filme "Snatch", de Guy Ritchie, que costumava dizer: "Pesado é bom, pesado é confiável. Se não funciona, você sempre pode bater com eles." Como os VEPRs são baseados em uma metralhadora leve, eles são realmente mais pesados em comparação com outras variantes do AK.

Desenho extraído do livro "Fuzis de Assalto e Metralhadoras Kalashnikov da URSS e da Rússia", de Konstantin Podgornov.

Para identificar um VEPR autêntico, procure uma marca de "estrela dentro do escudo" no lado esquerdo do receptor.

Normalmente, o logotipo fica ao lado do número de série, por isso é muito fácil encontrá-lo. Lembre-se de que, se uma arma russa tiver alguma letra no número de série, ela estará em cirílico.

Operador do RAID com a escopeta semi-automática Molot Vepr-12.

Cópias afegãs

Enquanto trabalhava no Afeganistão, vi muitas cópias de baixa qualidade de fuzis Kalashnikov feitas nas Áreas Tribais do Paquistão, e uma das maiores pistas dessas armas eram as letras latinas (em inglês) no número de série.

Nesta região, fabricar armas falsificadas é uma tradição antiga. Os revendedores nas áreas tribais sabem que serão pagos mais por uma arma russa original e farão tudo para que ela pareça o mais próximo possível da coisa autêntica.


O que geralmente os denuncia é uma gramática ruim. Por exemplo, no lado direito de uma arma russa, você pode encontrar marcações com letras cirílicas "ОД" e "АВ", que representam os modos "semi-automático" e "totalmente automático", respectivamente.

Felizmente, a maioria dos armeiros tribais não são entusiastas ávidos da língua russa; portanto, em suas criações essas letras geralmente se parecem mais com "ОА" ou "ДВ". Outra prova de que a gramática adequada é importante.

Outra pista de muitos fuzis falsos é a baixa qualidade. Em Cabul, deparei-me com várias armas que nem sequer podiam ser carregadas - o cano e a câmara estavam tão fora de sincronia que a munição não chegava até o fim. É por isso que, mesmo que as marcações estejam corretas, tente fazer uma verificação simples das funções e, se você não gostar de alguma coisa, talvez deva procurar outra arma.


Outras cópias do Kalashnikov têm suas próprias marcas de identificação - uma arma húngara teria um sinal de infinito e o número "1" como marcações do seletor; um "10" em círculos indica a Bulgária; "11" em outra significa que a arma foi fabricada na Polônia... Pode-se escrever um livro inteiro sobre isso. Cada variante do AK é diferente e representa a história do país, suas afiliações políticas, o progresso da tecnologia e as capacidades de fabricação.

É por isso que todo museu tem suas próprias armas. Desde os tempos antigos, a espada ou uma lança poderiam contar mais sobre a história de uma civilização específica do que muitos manuscritos. E toda arma russa histórica também pode definitivamente lhe contar sua história.

Essa é uma das razões pelas quais os colecionadores de armas amam armas de fogo russas - às vezes podem parecer grosseiras e não refinadas, mas representam perfeitamente o caráter da nação e mostram o quão difícil e notável é a história da Rússia.


Vladimir Onokoy é um especialista russo na indústria de defesa e instrutor de armas de fogo. Ao longo dos anos, trabalhou em 15 países diferentes como prestador de serviços de segurança, armeiro, representante de vendas da indústria de armas de fogo, gerente de produto e consultor.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

sábado, 27 de junho de 2020

Analisando o Ataque Urbano: idéias da doutrina soviética como um 'modelo de lista de verificação'

Soldados soviéticos assaltando uma casa em Stalingrado. (RIA Novosti)

Por Charles Knight, Centro de Pesquisa do Exército Australiano, 4 de março de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de junho de 2020.

As dificuldades agudas das operações urbanas, sintetizadas pela luta em Stalingrado, ocorreram em Mosul, Raqqa e Marawi, mostrando que o requisito fundamental para uma limpeza lenta, sistemática e deliberada, edifício-por-edifício, não é mais fácil 70 anos depois. De fato, a mudança está na outra direção - agora as coisas são mais difíceis. As complicações duradouras impostas pelas estruturas físicas são agora agravadas pela presença de populações e fatores informacionais, tornando a luta urbana moderna verdadeiramente complexa e resistente à compreensão e análise.

Esses novos desafios são articulados dentro da construção de guerra acelerada do Chefe do Exército, os quais um Exército em Movimento procura superar aproveitando a nova tecnologia e o novo pensamento. As tecnologias emergentes oferecem grandes promessas, mas são apenas um começo e exigem novos conceitos adequados para explorar seu potencial. O ponto de partida é que tecnólogos e soldados tenham uma compreensão clara e comum dos problemas.


Embora os fatores humanos e informacionais abrangentes devam ser abordados, suas complexidades inerentes tornam mais eficaz começar com os problemas táticos subjacentes. Como os métodos para limpar uma área urbana mudaram pouco ao longo dos anos, somos capazes de usar com confiança modelos táticos das ações e efeitos que foram comprovados no passado. Eles oferecem entendimento e fornecem informações sobre onde novos métodos podem ser especialmente úteis.

A Doutrina Soviética - o que podemos aprender com ela

A doutrina idiossincrática de operações urbanas da União Soviética, que evoluiu nos últimos estágios da Segunda Guerra Mundial e foi refinada durante a Guerra Fria, oferece um detalhamento de tarefas passo-a-passo particularmente útil para operações ofensivas urbanas.

A doutrina soviética era prescritiva e baseada em normas. Os soldados eram treinados em um conjunto de habilidades muito estreitas - uma arma, uma função. Os grupos táticos eram ensinados sobre o que fazer, quando, onde e como. A posição de um codinome em uma formação não mudou, nem o número de granadas de artilharia disparados contra um tipo específico de alvo. Essa abordagem visou tanto a força de trabalho com pouca escolaridade quanto o impacto cognitivo das operações de combate contínuo. Enquanto outros exércitos desenvolveram táticas semelhantes e genericamente urbanas, sob orientação fraca, a doutrina soviética especificou o que era necessário em detalhes. Crucialmente, eles identificaram tarefas essenciais a serem executadas em um assalto urbano e atribuíram cada tarefa a um elemento rotulado descritivamente. As ações de cada elemento, descendo até mesmo a contra o que eles disparariam e em quais estágios de um plano, foram prescritas. Com efeito, isso forneceu uma "lista de verificação" ou receita em que o comandante tinha o escopo de variar o tamanho e o número dos grupos e tarefas chave. Contra-intuitivamente, essa prescrição também incluiu o uso de agrupamentos cuja tarefa era de natureza focada na manobra.

Conceitos soviéticos focados na manobra

Quando os soviéticos varreram o oeste em 1944, eles tentaram evitar combates nas áreas urbanas porque o terreno reduzia suas vantagens em número e poder de fogo. Uma inovação foi o destacamento avançado - uma força totalmente mecanizada que rompia as linhas e corria adiante para impedir que os alemães se retirassem para as cidades. Caso contrário, cidades e pequenas vilas eram liquidadas por:

1. desvio,
2. sítio ou
3. destruição com níveis maciços de artilharia e poder de fogo aéreo.

Quando cidades maiores precisavam ser capturadas, o método era cercar e isolar, e depois empurrar para dentro em vários eixos para dividir a cidade em segmentos com um regimento (brigada no sistema soviético) em cada rua. O que diferia da prática de guerra aberta baseada em massa era o emprego de quatro elementos para propósitos especiais: os destacamentos avançados mencionados acima, bem como grupos de assalto, destacamentos de assalto e grupos de tomada.

"Grupos de assalto" e os maiores "destacamentos de assalto" eram grupos de armas combinadas equipados com armamento pesado, engenheiros e, às vezes, peças de artilharia individuais ou veículos blindados - com comandantes a quem era dada uma tal liberdade de ação sem precedentes em guerra aberta. Seu papel crucial era desequilibrar, enganar e atrapalhar a defesa, manobrando os eixos principais para envelopar, isolar e - sempre que possível - eliminar pontos fortes do inimigo ou centros de resistência maiores.


Soldados soviéticos progredindo através de destroços. (Bundesarchiv)

Um efeito focado na manobra também era realizado por grupos de tomada "independentes". Estes eram soldados de infantaria e engenheiros desmontados, que se infiltravam à frente do avanço, evitavam resistência e então tomavam edifícios desocupados, mas defensáveis, nas profundezas das posições alemãs. A partir daí, eles poderiam interditar o reabastecimento pelo fogo, isolar psicologicamente defensores e interromper os contra-ataques.

Agrupamentos urbanos soviéticos e suas tarefas: um guia passo-a-passo para a limpeza

A lista abaixo descreve o papel de cada um dos diferentes agrupamentos de combate urbano, bem como breves notas amplificadoras. Leia juntos os itens que explicam o ataque urbano soviético, mas a lista também pode ser usada como uma ferramenta analítica e de desenvolvimento para explorar abordagens alternativas para abordar cada uma das funções identificadas.

Destacamentos avançados e forças desant

Objetivo: Negar o terreno bem à frente das forças principais, a fim de interromper a preparação do inimigo para a defesa urbana.

Durante a Guerra Fria, os soviéticos refinaram seu conceito de destacamento avançado da Segunda Guerra Mundial, enfatizando o uso de equipamentos de engenharia e lança-minas mecânicos para criar obstáculos rápidos e posições defensivas nos arredores das áreas urbanas. À medida que sua capacidade de carga estratégica crescia, essa manobra disruptiva era cada vez mais concebida como um desant - o termo soviético para um "golpe de mão" paraquedista ou anfíbio.

Grupo de tomada

Objetivo: Infiltrar-se no terreno urbano antes do corpo principal, evitando defensores e tomar terrenos-chave desocupados para prejudicar a integridade defensiva do inimigo.

Assim como os destacamentos avançados, um conceito preventivo também foi aplicado no nível tático, usando engenheiros e infantaria desmontados com armas de apoio portáteis.

Destacamento de assalto

Objetivo: Garantir múltiplos objetivos urbanos (quadras/edifícios), a fim de permitir o avanço da força principal.

Um destacamento de assalto era tipicamente baseado em um batalhão de fuzileiros motorizados acompanhado por sua companhia de tanques rotineiramente designada e, além disso, lhe era designada uma companhia de engenheiros e canhões autopropulsadas. O destacamento formava um grupo de apoio de fogo, entre três e seis grupos de assalto e uma reserva.

Grupo de apoio de fogo

Objetivo: Neutralizar os defensores dentro e além do objetivo e abrir brechas em estruturas, a fim de que os elementos de assalto possam alcançar objetivos sem impedimentos e ter uma vantagem de poder de combate durante a limpeza.

O disparo direto efetivo no próximo prédio-objetivo para um elemento que ataca de um lado da rua geralmente só é possível internamente partindo do outro lado da rua ou dos flancos. Por outro lado, a ameaça para elementos atacantes vinda dos edifícios nos flancos que têm visada sobre o próximo objetivo geralmente só pode ser combatida externamente vinda de perto dos elementos de ataque. O grupo de apoio era dividido em pelo menos três subgrupos.

Subgrupos de apoio de fogo

Propósito 1: Aplicar fogo direto para dentro e sobre os edifícios-objetivo, a fim de fornecer várias brechas de entrada nas paredes e o "fogo de acompanhamento" antes e durante o assalto.

Propósito 2: Aplicar fogo direto externo sobre e para dentro dos edifícios, vigiando o caminho e a edifício-objetivo, a fim de proteger qualquer assalto final exposto.

Propósito 3: Aplicar alto-explosivos diretos e fogos indiretos além do objetivo, a fim de isolar a batalha imediata.

Os subgrupos de tiro direto eram baseados em tanques ou canhões auto-propulsados com infantaria e engenheiros para fornecer proteção aproximada e para limpar corredores para posições de tiro; no caso mais simples, um subgrupo seria desdobrado em ambos os lados da rua e outros subgrupos, incluindo morteiros, seriam desdobrados um pouco mais para trás.

Grupo de assalto

Propósito: Tomar e manter, ou destruir (demolir), edifícios-objetivo nomeados.

A base de um grupo de assalto variava entre uma companhia e um pelotão de infantaria, reforçado por até um pelotão de engenheiros e - nessas unidades, quando disponíveis - metralhadoras pesadas e lança-granadas automáticos. O grupo de assalto sempre consistia em um subgrupo de assalto e tanto um subgrupo de consolidação quanto um subgrupo de "cobertura e manutenção do terreno" (veja abaixo) e outros grupos, conforme necessário.

Subgrupo de assalto/ataque

Propósito: Para entrar no edifício-objetivo, localizar e destruir os defensores e assegurar pelo menos o terreno vital (piso inferior e adega, escada principal e piso superior) para tornar a defesa insustentável.

Seguindo de perto um intenso bombardeio de alto-explosivo, este grupo entraria no edifício-objetivo com o apoio de fogo "de acompanhamento" avançando nos andares superiores. Liderado pelo comandante da subunidade, um elemento protegeria a escada e o piso superior e outro o piso inferior e a adega.

Subgrupo de consolidação

Propósito: Seguir o subgrupo de assalto e limpar sistematicamente as partes internas de um edifício, a fim de protegê-lo de contra-ataques.

O subgrupo de consolidação seguia o assalto, movia-se para o comandante e depois - sob sua direção - limpava o restante do edifício.

Subgrupo de "cobertura e manutenção do terreno"

Propósito 1: Providenciar fogo direto para fora e para dentro, a fim de apoiar o assalto.

Propósito 2: Providenciar fogo direto sobre os caminhos para edifícios a serem tomados, a fim de derrotar contra-ataques.

Grupos de assalto podiam formar um subgrupo de "cobertura e manutenção do terreno" que carregava armas mais pesadas e seguia os subgrupos de assalto. Eles disparavam sobre as cabeças do grupo de assalto quando se aproximavam do edifício-objetivo e, ao mesmo tempo, externamente em direção aos edifícios com observação.

Subgrupo(s) de demolição com fumaça/lança-chamas

Propósito 1: Operar geradores de fumaça a fim de ocultar a aproximação ao edifício-objetivo das vistas do inimigo dentro e sobre as posições de observação.

Propósito 2: Destruir edifícios nomeados queimando-os.

O uso de geradores de fumaça e lança-chamas era de responsabilidade das tropas de guerra química as quais eram destacadas para operações urbanas, e a ênfase foi colocada nas chamas para demolir edifícios, queimando-os.

Subgrupo de limpeza de obstáculos

Propósito: Abrir caminhos livres para e dentro de edifícios-objetivo, a fim de garantir que os grupos de assalto não sejam atrasados.

O papel vital de pequenas equipes de engenheiros enfatizava duas técnicas: a remoção furtiva de minas que precede os ataques noturnos e o uso de torpedos Bangalore - tanto acionados manualmente como por blindados nas aproximações para e dentro dos edifícios.


Soldados soviéticos em combate urbano. (RIA Novosti)

Conclusão

A doutrina urbana soviética não é apenas de interesse histórico. Pode ser considerado o produto de um experimento prolongado de laboratório de batalha realizado entre Stalingrado em 1942 e Berlim em 1945. Evoluiu à medida que diferentes formações de várias maneiras aplicavam ou não táticas específicas e diferentes, com os benefícios medidos em perdas relativas entre centenas de milhares de vidas dos soldados. Além de explicar as funções dos elementos dentro do ataque urbano, seu grande valor é como um modelo claro dos efeitos requeridos; que pode ser usado para examinar sistematicamente como as novas tecnologias podem produzir efeitos comparáveis mais rapidamente, mais baratos e - acima de tudo - com menor risco.

Original: https://researchcentre.army.gov.au/library/land-power-forum/analysing-urban-attack-insights-soviet-doctrine-model-checklist


O Dr. Charles Knight, PhD, serviu no Exército Britânico, na RAF e em várias forças estrangeiras e é professor de Terrorismo, Conflito Assimétrico e Operações Urbanas na Universidade Charles Sturt. Ele desenvolveu treinamento no Reino Unido em doutrina urbana soviética, capacidade de reconhecimento subterrâneo e procedimentos de emprego de armas anti-carro guiadas em ambientes urbanos. Ele passou uma década no desenvolvimento de Operações Especiais, comandou o 2/17 Royal New South Wales Regiment (2/17 RNSWR), serviu no 1º Regimento Comando (1st Commando Regiment, 1 Cdo Regt) e desenvolveu a doutrina urbana do Exército Australiano.

Bibliografia recomendada:







Leitura recomendada:

O tanque britânico Streetfighter II tem visão de raios X e tem tudo a ver com a luta urbana14 de maio de 2020.

GALERIA: Aprimoramentos de blindagem na Guarda Republicana Síria26 de junho de 2020.

A Mentalidade da Pontaria de Combate (Atualizado)12 de janeiro de 2020.

Soldados testam tecnologia israelense para impedir fogo-amigo3 de março de 2020.

Retorno à Selva: Um renascimento da guerra em terreno fechado17 de julho de 2019.