quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

LIVRO: Como a Arábia Saudita destruiu sua rica história cultural

Uma vista aérea mostra a Grande Mesquita e a Torre de Meca em 24 de abril de 2020. (AFP)

Por Rosie Bsheer, Middle East Eye, 20 de outubro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de dezembro de 2020.

Novo livro, Archive Wars: The Politics of History in Saudi Arabia (Guerras de Arquivos: a política da história na Arábia Saudita), lança luz sobre como o Estado tem trabalhado para lançar as múltiplas histórias que não se conformam com sua auto-representação nacional.

No final de 2009, comecei a viajar regularmente de Riad para Meca. Eu estava na Arábia Saudita para conduzir pesquisas de arquivo, etnografia e história oral sobre a produção da história da Arábia Saudita e espaços memoriais no século XX.

Paralelamente à minha pesquisa, eu estava documentando visualmente as transformações espaciais que o distrito central de Meca estava experimentando na época. Com a câmera na mão, mudei-me de um bairro para o outro, começando com as áreas imediatamente circundando a Grande Mesquita de Meca (Masjid al-Haram) e, finalmente, alcançando vários quilômetros de lá. Nos três anos seguintes, à medida que eu conhecia melhor a agitada cidade, fiquei encantada com a história de seus diversos bairros, residentes multilíngues e arquitetura distinta.

Soldados do Exército Xarifiano (Exército Árabe) durante a Revolta Árabe de 1916-1918, carregando a bandeira da revolta, ao norte de Yanbu, Reino de Hejaz (atual reino da Arábia Saudita).

Durante uma de minhas primeiras viagens de filmagem, encontrei uma placa de uma escola que havia encontrado anos antes, e apenas de passagem: al-Sawlatiyya. Na época, pouco se escreveu sobre a escola, principalmente na imprensa árabe. Logo descobri que foi fundado pelo proeminente religioso indiano e estudioso anticolonial Rahmatullah Kairanawi. Depois de convocar a luta armada contra o domínio britânico na Índia em 1857, Kairanawi posteriormente buscou refúgio em Meca, onde socializou e politizou uma geração de residentes e transeuntes.

Pesquisas posteriores indexaram histórias esquecidas - ou melhor, silenciadas - que centraram o sul da Ásia, a Indonésia e outros ativistas e intelectuais não árabes no cerne da vida social, cultural, intelectual e urbana no final da era otomana e da era saudita. Os graduados de Sawlatiyya e outras escolas fundadas por intelectuais asiáticos e africanos na cidade contribuíram para a vida intelectual, cultural, social e política na Península Arábica e em outras partes do mundo. Como economistas e críticos literários, alguns graduados se envolveram e debateram estudiosos da Renascença Árabe, ou Nahda, e mais tarde se envolveram no negócio de construção do Estado após a Primeira Guerra Mundial. Vindos de diferentes partes do mundo, eles até moldaram o próprio wahabismo com o qual estamos familiarizados hoje.

Xarife Hussein bin Ali.

Outros fundaram algumas das escolas, jornais e partidos políticos mais renomados da península no início do século XX e participaram da vida sociopolítica nas décadas seguintes. Kairanawi até contou entre seus discípulos Xarife Hussein bin Ali e o mufti Hanafi de Meca, Sheikh Abdullah Siraj, os principais orquestradores da Revolta Árabe de 1916 contra os Otomanos. Embora essas histórias variadas tenham surgido ultimamente, elas estão longe de causar impacto nas narrativas históricas convencionais (nação-cêntricas) da península, muito menos no Oriente Médio moderno.

Futuros possíveis


Meu livro Archive Wars: The Politics of History in Saudi Arabia (Guerras de Arquivos: a política da história na Arábia Saudita) Guerras começa por historicizar um fragmento dessa vida sociopolítica e cultural na Meca otomana tardia, a fim de recontar um dos muitos futuros possíveis que poderiam ter sido, mas nunca foram. Essa história, no entanto, informou muitos aspectos da nossa vida moderna.

Caminhando em Meca no final dos anos 2000, ainda se viam tênues traços desse “passado futuro”. Hoje, eles foram praticamente destruídos. Archive Wars mostra as maneiras sistemáticas em que o estado da Arábia Saudita, formado em 1932, bloqueou histórias não-sancionadas pelo estado em currículos escolares, museus e arquivos.

Em seguida, mostra como, na década de 1990, essa oclusão adquiriu um novo significado político e material. Após a Guerra do Golfo de 1990-91, a história se tornou um campo de batalha para reivindicações culturais, políticas e econômicas, tanto entre as elites governantes quanto entre elas e outros sauditas. Depois da guerra, aqueles nos escalões mais altos do poder, apesar de suas diferenças, fizeram um grande esforço para produzir, arquivar, comemorar e comercializar uma narrativa revisada e mais secular da história dos Al Saud.

Tenente-General Khalid Bin Sultan Bin Abdulaziz Al Saud, comandante das Forças Conjuntas na Arábia Saudita, discute as condições para um cessar-fogo com os generais iraquianos durante a Operação Tempestade do Deserto, em 1991. Atrás do General Khaled está o General H. Norman Schwarzkopf, comandante-em-chefe do Comando Central dos Estados Unidos.

Isso foi mais visível em Riad, onde uma indústria de patrimônio multibilionário que incluía museus, arquivos e locais históricos estava em pleno andamento na primeira década do século XXI.

O plano do pós-guerra também se centrava na destruição ativa, bem como na negligência, de locais e espaços históricos específicos que se opunham à história oficial da Arábia Saudita. A maior parte deles ocorria fora da capital - principalmente, mas não exclusivamente, em Meca. O apagamento de realidades históricas diversas e conectadas na Península Arábica estava intimamente ligada à gestão cultural do espaço urbano; durante minhas visitas, documentei visualmente parte da destruição em massa do distrito central de Meca.

Demolição acelerada

Uma rua que leva à Grande Mesquita é vista na cidade sagrada de Meca durante a peregrinação anual Hajj muçulmana em meio à pandemia de Covid-19, em 30 de julho. (AFP)

O início dos anos 2000 apresentou a demolição acelerada de locais sagrados e históricos no centro de Meca e a substituição de sua topografia milenar por imponentes arranha-céus de aço e vidro. No final da década, o distrito central parecia um canteiro de obras contíguo. Dezenas de empreendimentos de uso misto estavam em construção ao redor da mesquita. O caos urbano e ambiental prevaleceu. Guindastes pontilhavam os céus do local de nascimento do Islã, enquanto a poluição sufocava sua Grande Mesquita e os milhões de peregrinos que visitavam a cada ano.

Canteiros de obras e equipamentos pesados de terraplenagem tornaram-se parte da paisagem da cidade. Eles marcavam o movimento dos peregrinos por estradas densas que mais pareciam quebra-cabeças, apinhadas de pedestres, automóveis e ônibus. O tráfego era uma prova de nervosismo (e boas maneiras), era quase impossível encontrar vagas para estacionar e a poluição do ar e do barulho era insuportável.

Renovação ocorrendo em 2010 em parte de uma estrutura pensada para ser o Palácio de Salwa, adjacente ao distrito de al-Bujairi. (Rosie Bsheer/ MEE)

O projeto multibilionário de Desenvolvimento do Projeto de Dotação do Rei Abdulaziz, ainda em construção na época, dava para a Grande Mesquita. Abrigando uma torre do relógio, o projeto bloqueou o acesso ao sol ao sudoeste da mesquita. No lado norte ficava uma magnífica cratera com quilômetros de profundidade, estendendo-se por três quilômetros quadrados, que se tornaria o projeto de desenvolvimento Al-Shamiyya. É aqui que a escola original de Sawlatiyya foi construída pela primeira vez.

Junto com o projeto de desenvolvimento Jabal Omar, que estava bem encaminhado a oeste da mesquita, os megaprojetos foram nomeados em homenagem aos bairros históricos que substituíram - os quais, desde os tempos otomanos, abrigavam algumas das escolas proeminentes da região e marcos culturais e políticos.

O Desenvolvimento do Projeto de Dotação do Rei Abdul Aziz fotografado em Meca em 2010. (Rosie Bsheer/ MEE)

Deslocamento forçado

Esses bairros com mega-desenvolvimentos também incluíam casas e empresas de pessoas. O desenvolvimento de Meca no pós-guerra forçou dezenas de milhares de residentes de diferentes classes sócio-econômicas a deixarem suas casas. Os ex-residentes receberam uma indenização insuficiente em troca e ficaram sem recursos legais.

Alguns foram realocados para novos assentamentos mais distantes nos limites da cidade, de onde era difícil visitar regularmente o centro de Meca. Muitos acabaram em favelas a pouco mais de um quilômetro da Grande Mesquita, escondidas pelos arranha-céus ao redor. Por trás da fachada e da promessa de brilho estava uma cidade movimentada e diversificada, cujo tecido social e urbano estava sendo desarraigado e desmontado.

Não foi à toa que em 2010 - depois que grande parte dos bairros do distrito central já haviam sido arrasados - o governador de Meca, Príncipe Khalid bin Faisal, submeteu a cidade a um processo de arabização, pelo qual todas as ruas e edifícios perderiam seus nomes não-árabes.

A não-arabidade de Meca (junto com sua não-sauditude) ameaçava seus governantes sauditas. Isso funcionou em conjunto com a destruição da vida material da cidade e a evidência de sua diversidade passada e história cosmopolita, tanto religiosa quanto secular. Juntos, eles se opuseram às reivindicações históricas dos Al Saud, as quais pressupunham a conquista de grandes partes da Arábia pela família governante após o fracasso dos otomanos e das forças locais em modernizarem a península e resgatá-la da "era da ignorância" (jahiliyyah) na qual ela supostamente estava.

Pilares da política moderna

Esses esforços para demolir as múltiplas histórias da Arábia contrastam fortemente com a produção e preservação meticulosa da história e herança dos Al Saud em Riad. No entanto, essas formas burocratizadas e cotidianas de violência são os pilares da política moderna e da soberania, como argumento em meu livro.

Isso nos permite colher as alianças inconstantes e o antagonismo entre os principais membros da elite governante, as inúmeras batalhas que travaram e as maneiras pelas quais os sauditas comuns resistiram ou foram apanhados nessas lutas, com grande custo.

Soldados sauditas lutando para entrar no subterrâneo de Qaboo sob a Grande Mesquita de Meca, durante a crise de 1979.

Como todos os estados modernos, a Arábia Saudita trabalhou para se livrar das múltiplas histórias que não se conformavam com sua auto-representação nacional e para colocar em primeiro plano aquelas que o faziam. Contextualizar essas práticas lança luz sobre a formação do Estado e as múltiplas rivalidades embutidas.

Não podemos compreender totalmente a formação da história e do estado na Arábia Saudita - muito menos a vida social, cultural e política na península - sem atentar para as muitas maneiras pelas quais essas histórias foram apagadas, materializadas e re-embaladas a serviço do estado moderno.

Rosie Bsheer é uma historiadora do Oriente Médio moderno. Os seus interesses de ensino e investigação centram-se nos movimentos intelectuais e sociais árabes, no petro-capitalismo e na formação do Estado, e na produção de conhecimento histórico e espaços comemorativos. Ela é autora do livro Archive Wars: The Politics of History in Saudi Arabia (Stanford University Press, agosto de 2020).

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

FOTO: Um Mirage entre dois paredões

Mirage grego passando pelo Canal de Corinto, novembro de 2020.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

FOTO: Soldado soviético na Praça Vermelha

Soldado soviético durante uma parada militar na Praça Vermelha, 1940.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de dezembro de 2020.

Est soldado do "Exército Vermelho dos Operários e Camponeses" (Raboche-Krest'yanskaya Krasnaya Armiya, RKKA) usa as divisas de um "comandante de pelotão subalterno" (Mladshiy komvzvod), com três triângulos conforme o sistema de 3 de dezembro de 1935, com a palavra "comandante" um legado da Guerra Civil Russa. Este sistema de postos seria substituído em 12 de julho de 1940, com postos mais tradicionais. O posto de Mladshiy komvzvod seria mudado para "sargento-mor" (Starshiy serzhant), com 1 triângulo grande e 2 triângulos pequenos. O NKVD tinha seus próprios postos.

O soldado está usando um capacete de aço M15 Adrian, de fabricação francesa ou soviética, que seria usado em quantidade até ser suplantado pelos modelos soviéticos SSh 36 (Stal'noy shlem 1936/ Capacete de aço 1936), SSh 39 e SSh 40.

Snipers soviéticos com máscaras de gás e capacetes Adrian durante exercícios na década de 1930. O fuzil apresenta o retém da baioneta.

O soldado é parte de um destacamento sniper, como demonstrado pela sua luneta, e os fuzis do destacamento têm baionetas caladas conforme a tradição soviética para desfiles. Todos os fuzis soviéticos tinham reténs de baioneta, mesmo os fuzis de precisão, por conta da tradição de fé no poder de choque da baioneta.

Nas décadas de 1920 e 30, a União Soviética iniciou um massivo rearmamento e os snipers foram um ponto focal dessa evolução. O exército era deixado à míngua e subfinanciado em favor das forças de segurança internas, como o NKVD (e o OGPU, que foi passado para o NKVD em 1934), que investiu pesadamente em equipamentos e treinamento para atiradores de elite nesse período, com lunetas baseadas nos modelos Zeiss. À partir de 1926 os soviéticos produziram lunetas baseadas nos modelos Zeiss-Jena e Emil Busch. À partir de 1932 os soviéticos produziram a luneta PE, uma versão melhorada do modelo Busch, e com as experiências da Guerra Civil Espanhola foi criado o modelo PEM, a melhor luneta dos snipers soviéticos. De 1932 a 1938, cerca de 54 mil lunetas foram produzidas e entregues ao exército e NKVD, e o culto ao sniper - snayperskaya - foi amplamente promovido nas forças soviéticas - todos mantendo uma baioneta.

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere: A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

FOTO: Sniper com baioneta calada9 de dezembro de 2020.

FOTO: Sniper do FORAD no CENZUB23 de janeiro de 2020.

FOTO: Sniper separatista na Ucrânia16 de maio de 2020.

FOTO: Sniper vietnamita durante a Operação Brochet15 de outubro de 2020.

FOTO: Posto sniper na Chechênia15 de outubro de 2020.

GALERIA: Snipers no Forças Comando na República Dominicana, 3 de novembro de 2020.

Curdistão sírio: realidade política ou utopia?

Por Guillaume Fourmont, Areion24, 23 de dezembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de dezembro de 2020.

Marginalizados pelas autoridades em Damasco desde a independência em 1946, os curdos na Síria viram a revolta popular de 2011 contra Bashar al-Assad (desde 2000) como uma virada de jogo. Inspirados na luta armada de seus "irmãos" na Turquia e na autonomia política daqueles no Iraque, eles se engajam em duas frentes, lutando tanto contra o regime baathista quanto contra a organização do Estado Islâmico (ISIS ou Daesh). Objetivo: criar um corpo político autônomo no norte da Síria, que se tornou uma realidade no terreno com a declaração de autonomia de Rojava ("Curdistão Ocidental") em novembro de 2013, depois a declaração da Federação Democrática do Norte da Síria (FDNS) em março de 2016.

Curdos, mas não somente

É difícil acessar dados sobre a presença curda na Síria. Na verdade, a guerra civil que assola o país desde 2011 torna as estatísticas pouco confiáveis. Em 2012, de um total de 35 milhões de pessoas, os curdos estavam assim distribuídos: 18,1 milhões na Turquia, 7,87 milhões no Irã, 7,16 milhões no Iraque e 1,92 milhão na Síria, os mesmos números em circulação desde então sem muita mudança.

No caso da Síria, o conflito e suas consequências humanas, com o fluxo de refugiados, dificultam ainda mais as estimativas populacionais, principalmente porque o último censo oficial data de 2004. Os curdos se instalaram principalmente no norte do país, nas regiões de Afryn no oeste, Kobane e Tal Abyad no norte, e Hassaké, Qamichli e Al-Malikiyah no leste. No entanto, este território é rico em comunidades, em particular os árabes, distribuídas por toda parte: os turcomanos perto de Azaz, Al-Raai e na costa do Mediterrâneo, ao sul de Kessab, e os assírios em Tal Tamer, envolvendo tantas religiões e idiomas diferentes. No total, cerca de 3 milhões de pessoas vivem neste espaço.

A fronteira turco-síria na guerra.

No outono de 2018, os curdos não controlavam totalmente este território, especialmente desde a incursão do exército turco em Afryn em janeiro. Através do Partido da União Democrática (PYD), uma organização irmã do Partido dos Trabalhadores do Curdistão Turco (PKK), criado em 2003, e de seu braço armado, as Unidades de Defesa do Povo (YPG), eles impuseram sua autoridade no norte da Síria em 2012, as forças de Bashar al-Assad preferiram se retirar para lutar contra os rebeldes em áreas mais estratégicas e, ao mesmo tempo, criar uma zona tampão entre a Síria e a Turquia. Estamos falando de Rojava, formada pelos cantões de Afryn, Kobane (Eufrates desde 2014) e Djézireh. Sob a liderança dos curdos iraquianos no poder em Erbil, o Conselho Nacional Curdo da Síria (ENKS) foi criado em outubro de 2011, mas foi rapidamente dominado pelo PYD.

Este último anunciou a autonomia da região em novembro de 2013, bem como uma constituição dois meses depois. O texto desta é revelador das intenções políticas curdas: fiel à ideologia do PKK, que se opõe à criação de um Estado-nação curdo no Oriente Médio, indica que Rojava continua sendo uma "parte integrante da Síria ”(artigo 12) na esperança de formar uma federação pós-conflito. Além disso, reconhece a diversidade étnica, religiosa e linguística do Djézireh (artigos 3 e 9).

Essa visão será a chave para o PYD manter sua autoridade sobre as novas administrações, até o nascimento da FDNS. Na verdade, se os curdos permanecem no topo dos órgãos de gestão e governança, eles clamam pela reconciliação, integrando nas várias organizações todas as comunidades, em particular os árabes, anteriormente privilegiados pelo regime baathista em detrimento dos outros.

Combatentes do PYD e PKK seguram um retrato de Abdullah Öcalan.

Uma ambição política

O PYD obtém essa legitimidade política do seu sacrifício em combate. Já em 2013, grupos armados curdos estavam lutando contra elementos da Al-Qaeda e do ISIS que queriam se estabelecer no norte. Lembraremos a batalha de Kobane: os jihadistas do Daesh marcharam sobre a cidade em outubro de 2014, mas foram repelidos em janeiro de 2015. Localizada no centro geográfico de Rojava, a cidade foi e continua sendo estratégica aos olhos dos curdos para estabelecer seu projeto de autonomia ao longo da fronteira com a Turquia, do outro lado da qual existe, é claro, uma grande população curda, mas onde as forças de Ancara lutam contra o PKK desde 2015. Com essa vitória, o YPG garantiu o apoio do Ocidente, principalmente dos Estados Unidos, e, em outubro de 2015, nasceram as Forças Democráticas da Síria (SDF), que reuniram curdos, árabes e sírios contra um inimigo comum: os jihadistas.

Os atores da guerra na Síria.

Em seguida, eles se impõe gradativamente em todo o nordeste do país, até Deir ez-Zor e na fronteira com o Iraque, passando por Thaoura e Raqqa. A captura da “capital” do EI em outubro de 2017, após onze meses de combates, marca o fim territorial da organização terrorista, tornando a SDF, e portanto a YPG, grandes aliadas dos americanos. Mas sem eles, os curdos sabem que não poderiam resistir às forças leais à Síria apoiadas pela Rússia e pelo Irã. Este apoio à rebelião também é uma questão importante na coalizão anti-Bashar al-Assad, os Estados Unidos tendo que poupar seu aliado turco, que tem uma visão sombria das nascentes administrações autônomas da FDNS.

Ao estabelecer-se no norte da Síria, o PYD coloca em prática a teoria do confederalismo democrático do líder do PKK, Abdullah Öcalan, preso na Turquia desde 1999. Cada cantão tem conselhos populares eleitos por assembleias de comunas. Cada conselho administra recursos agrícolas e energéticos, finanças, educação, etc. Assim, no final de 2018, havia uma certa paz no norte da Síria, em relação ao resto do país, com a retomada de uma vida “normal”, por exemplo com a abertura de escolas e centros de saúde. No entanto, as difíceis relações entre as SDF e o regime de Damasco, a dependência do primeiro do “guarda-chuva americano” bem como o possível retorno das tensões entre as comunidades nos convidam a fazer a pergunta: por quanto tempo?

Guillaume Fourmont é o editor-chefe das revistas Carto et Moyen-Orient. Anteriormente, trabalhou para os jornais espanhóis El País e Público. Graduado pelo Instituto Francês de Geopolítica (Universidade de Paris VIII Vincennes Saint-Denis), ele é o autor de Geopolítica da Arábia Saudita: A Guerra Interna (Géopolitique de l’Arabie saoudite : La guerre intérieure, Editora Ellipses, 2005) e Madri: Regenerações (Madrid: Régénérations, Autrement, 2009). Ele leciona no Instituto de Estudos Políticos de Grenoble sobre as monarquias do Golfo Pérsico.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

O perigo de abandonar nossos parceiros5 de junho de 2020.

Combatentes Femininas Peshmerga: Da Linha de Frente à Linha de Retaguarda16 de outubro de 2019.

FOTO: Guerrilheiras assírias no século XX18 de setembro de 2020.

VÍDEO: Fuzis Anti-Material curdos Zagros 12,7mm e Şer 14,5mm11 de abril de 2020.

GALERIA: Fuzis anti-material Zastava M93 modificados dos curdos peshmerga21 de julho de 2020.

COMENTÁRIO: 36 anos depois, a Guerra Irã-Iraque ainda é relevante24 de maio de 2020.

Mísseis TOW americanos foram cruciais para destruir blindados russos na Síria21 de setembro de 2020.

Ministro da Síria chama Turquia de principal patrocinador do terrorismo na região28 de setembro de 2020.

sábado, 26 de dezembro de 2020

Avaliações do Sherman pelos soviéticos

Sherman M4A2 e T-34/85 soviéticos nos alpes austríacos, maio de 1945.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de dezembro de 2020.

Sob o sistema de Empréstimo-e-Arrendamento (Lend-Lease), 4.102 tanques médios M4A2 foram enviados para a União Soviética. Destes, 2.007 estavam equipados com o canhão principal original de 75 mm, com 2.095 montando o canhão de 76mm, considerado mais capaz. O número total de tanques Sherman enviados para a URSS representou 18,6% de todos os Shermans exportados pelo programa Lend-Lease. Os primeiros M4A2 Shermans armados de 76mm começaram a chegar à União Soviética no final do verão de 1944. Estes Shermans foram usados na marcha para Berlim e na ofensiva da Manchúria contra os japoneses.

O Exército Vermelho considerou o M4A2 muito menos sujeito a pegar fogo devido à detonação de munição do que o T-34/76, mas o M4A2 tinha uma tendência maior de capotar em acidentes e colisões rodoviárias ou devido a terrenos acidentados devido ao seu centro de gravidade mais alto.

Em 1945, algumas unidades blindadas do Exército Vermelho foram equipadas inteiramente com o Sherman. Essas unidades incluíam o 1º Corpo Mecanizado de Guardas, o 3º Corpo Mecanizado de Guardas e o 9º Corpo Mecanizado de Guardas, entre outros. O Sherman foi amplamente tido em boa consideração e visto de forma positiva por muitas tripulações de tanques soviéticos, com elogios dados à sua confiabilidade, facilidade de manutenção, geralmente bom poder de fogo (referindo-se especialmente à versão do canhão de 76mm) e proteção decente da blindagem, bem como uma unidade de alimentação auxiliar (auxiliary power unit, APU) para manter as baterias do tanque carregadas sem ter que ligar o motor principal, como era exigido no T-34.

M4A2 soviético em Viena, capital da Áustria, 1945.

Avaliações do Sherman pelos soviéticos

"19 de junho de 1945

Relatório sobre o uso de tanques em combate pela 8ª Brigada Mecanizada de Guardas Molodecheno da Ordem da Bandeira Vermelha na Guerra Patriótica.

Em combate durante 1943, o 44º Regimento de Tanques de Guardas, parte da 8ª Brigada Mecanizada de Guardas Molodecheno da Ordem da Bandeira Vermelha, estava armado com tanques T-34 com canhão de 76mm e tanques T-70 com canhão de 45mm . Mais tarde não utilizou esses tipos de tanques.

Em combate durante 1944-1945, o regimento usou principalmente tanques M4A2 com o canhão de 75mm e parcialmente com o canhão de 76mm.

Como resultado, o resumo da experiência de combate em 1944-1945 incidirá sobre tanques M4A2 estrangeiros.

As principais conclusões da experiência em batalha são:

  1. Uma das principais desvantagens é que o canhão de 75 mm tem uma penetração baixa devido à baixa velocidade da boca do cano [velocidade inicial].
  2. Um defeito característico do canhão de 75mm que é comumente encontrado é o travamento do projétil no cano durante o disparo. A metralhadora Browning, entretanto, funciona perfeitamente se for bem cuidada.
  3. As metralhadoras AAe nos tanques M4A2 são necessárias como uma arma AAe em marcha, mas na batalha, especialmente nas florestas, se prendem nas árvores, são derrubadas da montaria e impedem a mobilidade da tripulação. É necessário remover a metralhadora nos pontos de partida antes da batalha.
  4. A experiência mostra que é necessário ter 70% de munição HE [alto-explosivo], 20% de munição AP [perfurante] e 10% de munição AP de subcalibre. Esta quantidade é suficiente para combater a infantaria e os tanques inimigos.
  5. As tripulações dos tanques estão equipadas com a pistola TT [TT-33 Tokarev] como arma pessoal. A experiência mostra que o Nagant é inconveniente de carregar e não tem munição suficiente. Das armas estrangeiras, o Walther é bom: carregamento automático, tiro rápido e quantidade suficiente de munição no carregador o tornam conveniente para disparar de um tanque.
  6. Os principais dispositivos de observação usados de dentro do tanque em batalha são dispositivos óticos e fendas de observação, que são inconvenientes de usar quando o tanque está em movimento. Para melhorar a observação em tanques domésticos, é necessário ter uma cúpula do comandante com 6 a 8 fendas de visão (como a cúpula do M4A2).
  7. O principal tipo de indicação de alvo são as balas traçantes e projéteis do canhão, bem como o rádio.
  8. O alcance de tiro contra carros blindados, tanques e fortalezas enquanto estacionário foi de até 1,5km. Os disparos em movimento foram feitos de até 1km contra a infantaria, tanques e carros blindados.
  9. O tempo gasto atirando parado ou em paradas curtas depende do ponto de mira e da localização do tanque em relação ao inimigo. Os tanques em geral não devem parar para atirar por mais de um minuto, durante o qual podem ser feitos 4-5 tiros mirados.
  10. Ao disparar em movimento, a velocidade é normalmente de 6 a 7km/h. A velocidade máxima para disparar em movimento como uma unidade é de 10km/h.
  11. A cadência prática de tiro do canhão de 76mm é de 7 a 8rpm.
  12. O tiro da unidade de tanques é dirigido por: 1) Definir objetivos no terreno. 2) Estudo do sistema defensivo do inimigo e seus pontos-fortes pela tripulação. 3) Estudo da melhor maneira de abordar os pontos-fortes do inimigo. 4) Direções de alvos pela infantaria (foguetes sinalizadores disparados em direção ao alvo). 5) Sinais de rádio predeterminados dados durante o ataque.
  13. Na batalha, o fogo de um pelotão era concentrado. A experiência mostra que isso dá bons resultados. Por exemplo, perto de Zhagare, o pelotão do Tenente da Guarda Mozgovoy, Herói  da União Soviética, atirou contra um grupo de 5 carros blindados, 3 dos quais pegaram fogo.
  14. Para organizar o fogo à noite, é necessário: 1) Estabelecer o alcance possível de tiro. 2) Estudar pontos de referência. 3) Sinalize a direção do tiro com balas traçantes ou sinalizadores.
  15. O tiro indireto de posições fechadas ou semi-fechadas não era feito, embora este tipo de tiro seja necessário.
  16. O principal tipo de ajuste é pela observação das explosões das granadas e mudar o ponto de mira.
  17. Durante a batalha, os tanques dispararam principalmente à queima-roupa (1-2km). Tiros em distâncias adicionais foram executados, mas seus resultados foram insignificantes.
  18. A experiência mostra que as técnicas mais frequentemente usadas e benéficas em batalha eram disparar em paradas curtas e disparar como uma unidade. Essas técnicas foram comprovadas em batalha.
  19. Dependendo da natureza da batalha, o gasto de munição por dia difere. As batalhas anteriores mostraram que um inimigo bem entrincheirado precisa de 1,5 a 2,5 cargas de munição por dia. Um inimigo que se entrincheirou com pressa exigirá 1-1,5 cargas. Durante a perseguição, 0,5-1 cargas de munição por dia são necessárias.
  20. Para melhorar a observação do campo de batalha, é necessário equipar o artilheiro do casco com uma mira óptica ou um periscópio giratório.
Comandante da 8ª Brigada Mecanizada de Guardas Molodecheno da Ordem da Bandeira Vermelha, Coronel de Guardas Gusev.

Chefe do Estado-Maior da 8ª Brigada Mecanizada de Guardas Molodecheno da Ordem da Bandeira Vermelha, Tenente-Coronel Kungurov dos Guardas."

(CAMD RF 3322-1-4 pp.119-123, Tank Archives, 30 de março de 2020)

Parte do relatório de 19 de junho de 1945, original em russo.


Relatório de 19 de setembro de 1944 do 252º Regimento de Tanques.

"Breve relatório sobre a experiência de combate de tanques do 252º Regimento de Tanques da 45ª Brigada Mecanizada Dniester do 5º Corpo Mecanizado de dezembro de 1943 até os dias atuais [19 de setembro de 1944].

O 252º Regimento de Tanques estava equipado com tanques M4A2 americanos e tanques Mk.9 britânicos. As seguintes qualidades positivas e negativas dos tanques e tripulações foram observadas:
  1. Durante longas marchas na lama da primavera, o elo mais fraco do M4A2 era a embreagem principal. Por exemplo: após uma marcha de 200-250km, 3 tanques quebraram devido à queima da embreagem principal e 4 tanques devido à quebra da carcaça da embreagem principal. Durante uma marcha de 130km em estradas asfaltadas, 2 tanques pararam de funcionar por rompimento das juntas da lagarta.
  2. Reclamações sobre visibilidade limitada foram feitas durante a batalha (o comandante pode ver apenas para frente). Não é difícil para o municiador manusear munições. A posição da munição dentro do tanque é boa. O disparo em movimento pode ser executado. Normalmente, o tiro é corrigido pela observação de rajadas.
  3. O fogo mais eficaz é o de paradas curtas a 800 metros ou de emboscada a 100-300 metros. A cadência prática de tiro em um ataque atinge 6-8rpm do canhão e 2-3 RPM do morteiro retro-carregado. Disparar em movimento em tal cadência só tem efeito no moral do inimigo.
  4. Formas típicas de atirar em uma batalha ofensiva são atirar parado, por trás da cobertura ou em movimento a uma velocidade de 15-20km/h. Disparos em paradas curtas são os mais frequentes.
  5. O reconhecimento de alvos é feito principalmente por observação, mas freqüentemente o reconhecimento em força é realizado, quando um ou vários tanques atacam e os demais observam e suprimem pontos-fortes que se revelam. Se houver tempo para se preparar, setores de tiro são atribuídos a companhias ou pelotões. Se houver informações precisas sobre a localização dos alvos, cada pelotão ou mesmo cada tanque pode receber alvos específicos. Durante um ataque, os alvos são designados por rádio ou com balas ou granadas traçantes.
  6. A correção de tiro por rajadas é a mais prática. Um suporte só é possível quando o tanque dispara parado em um alvo estacionário.
  7. Se o alvo estiver claramente visível, 3-4 tiros ou 2-3 rajadas de metralhadora são suficientes para suprimi-lo. Isso depende do alcance e do alvo: por exemplo, 3-4 tiros não são suficientes ao atirar em um alvo blindado (tanque ou peça de assalto) de 800-1000 metros. Durante o combate na Frente Ocidental perto de Strigino, um tiro direto foi feito no mantelete de uma peça de assalto T-4 de 800-1000 metros. Isso não desativou o alvo. Mais de 7 a 8 tiros foram necessárias para finalmente desativá-lo. Ao disparar em movimento, são necessárias duas vezes mais tiros.
  8. Quando os tanques estão esperando em emboscada durante a noite ou em condições de má visibilidade, a designação do alvo é realizada em relação às linhas e pontos de referência. A elevação e o ângulo transversal da torre são registrados durante bom tempo. Por exemplo, o alvo nº 1 significa 15 graus de elevação do canhão e 10 graus de travessia da torre. Se o alvo for grande, por exemplo um assentamento (antes de um ataque noturno), o tiro é corrigido usando traçantes.
  9. Uma desvantagem dos graduados da academia militar é o treinamento insuficiente para atirar em movimento. Soldados e sargentos têm conhecimento insuficiente do seu material.
  10. As condições da tripulação nos tanques M4A2 são normais. Uma desvantagem é que o comandante fica desconfortavelmente colocado na torre para comandar sua tripulação e unidade. O operador de rádio é forçado a carregar a arma, o comandante da torre deve disparar a arma e o comandante deve observar o campo de batalha e comandar sua tripulação e unidade.
Chefe do Estado-Maior do 252º Regimento de Tanques
Capitão de Guardas Klucharev."

(CAMD RF 3443-1-62 pp.253-254, Tank Archives, 4 de maio de 2020)

Parte do relatório de 19 de setembro de 1944.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:








FOTO: Sherman japonês, 6 de outubro de 2020.

VÍDEO: Veterano descreve matar um inimigo com uma baioneta

Visão dramatizada de um combate corpo-a-corpo entre franceses e alemães em uma trincheira.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de dezembro de 2002.

Stefan Westmann, um cabo da 29ª Divisão de Infantaria Alemã na Primeira Guerra Mundial, descreve o ato de matar um soldado francês (também um cabo) com uma baioneta. Ele está se lembrando dos eventos de um ataque em 1915 por sua unidade, o Infanterie Regiment Nr. 113, contra as posições francesas ao sul do Canal d’Aire em La Bassée, França. Filmado em 1963.

Stephen Kurt Westmann, um berlinense nascido em 1893 e que morreu em 1964, escreveu suas memórias com o título "Surgeon with the Kaiser’s Army" (Cirurgião com o Exército do Kaiser), que foram reimpressas em 2015.

Transcrição:

"Um dia, recebemos ordens para assaltar uma posição francesa. Entramos, e meus camaradas caíram à direita e à esquerda de mim. Mas então fui confrontado por um cabo francês. Ele com a baioneta em punho e eu com a minha baioneta em punho. Por um momento, senti o medo da morte. E em uma fração de segundo percebi que ele estava atrás da minha vida exatamente como eu estava atrás da dele. Eu fui mais rápido do que ele. Aparei seu fuzil fora do caminho e trespassei minha baioneta em seu peito. Ele caiu, colocou a mão no lugar onde eu o havia atingido, e então estoquei novamente. O sangue saiu da sua boca e ele morreu.

Eu me senti fisicamente doente. Quase vomitei. Meus joelhos tremiam e eu estava, francamente, com vergonha de mim mesmo. Meus camaradas - eu era cabo naquela época - não se incomodaram absolutamente com o que acontecera. Um deles se gabou de ter matado um poilu [apelido do soldado francês] com a coronha do seu fuzil. Outro estrangulou um capitão, um capitão francês. Um terceiro havia atingido alguém na cabeça com sua pá. E eles eram homens comuns como eu. Um deles era condutor de bonde, outro um viajante comercial, dois eram estudantes, os demais eram trabalhadores agrícolas. Pessoas comuns que nunca pensariam em fazer mal a ninguém. Como é que eles eram tão cruéis?

Lembrei então que nos diziam que o bom soldado mata sem pensar no adversário como ser humano. No momento em que ele vê nele um semelhante, ele não é mais um bom soldado. Mas eu tinha, na minha frente, o... homem morto, o soldado francês morto... e como eu gostaria que ele tivesse levantado a mão. Eu teria apertado a mão dele e seríamos melhores amigos, porque ele não era nada, como eu, mais que um pobre menino que teve que lutar, que teve que avançar com as armas mais cruéis contra um homem que não tinha nada contra ele pessoalmente, que apenas vestia o uniforme de outra nação, que falava outra língua, mas um homem que tinha pai e mãe, e talvez uma família, e assim eu senti.

Acordei de noite às vezes, encharcado de suor, porque via os olhos do meu adversário caído, do inimigo, e eu tentava me convencer, o que teria acontecido comigo se eu não tivesse sido mais rápido que ele? O que teria acontecido comigo se eu não tivesse enfiado minha baioneta primeiro em sua barriga?

O que era isso que nós, soldados, nos apunhalávamos, estrangulávamos uns aos outros, nos atacávamos como cães loucos? O que era isso que nós, que não tínhamos nada contra eles pessoalmente, lutávamos com eles até o fim e a morte? Éramos pessoas civilizadas, afinal. Mas eu senti que a cultura da qual tanto nos gabávamos é apenas um verniz muito fino o qual soltou-se no momento em que entramos em contato com coisas cruéis como a guerra real.

Atirar um no outro à distância, lançar bombas, é algo impessoal. Mas ver o branco nos olhos um do outro e depois correr com uma baioneta contra um homem, era contra a minha concepção e contra o meu sentimento interior.

Mais alguma coisa?"

O entrevistador responde "Isso foi lindo" e diz "corta" para o câmera.

Bibliografia recomendada:

Surgeon with the Kaiser's Army.
Stephan Kurt Westmann.

Leitura recomendada:

PINTURA: Ataque à baioneta, 191523 de fevereiro de 2020.

A Medalha da Carne Congelada

Anverso e reverso da Medalha da Carne Congelada.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de dezembro de 2020.

A Medalha Oriental (Ostmedaille), oficialmente a Medalha da Batalha de Inverno no Leste de 1941–42 (Medaille Winterschlacht im Osten 1941/42), foi uma condecoração militar da Wehrmacht criada por decreto de Adolf Hitler em 26 de maio 1942. Era sardonicamente chamada de Medalha da Carne Congelada ou "Ordem da Carne Congelada" (Gefrierfleischorden).

A Medalha Oriental foi concedida a qualquer membro da Wehrmacht e Waffen-SS "em reconhecimento à experiência na luta contra o inimigo bolchevique e o inverno russo no período de 15 de novembro de 1941 a 15 de abril de 1942." Também foi concedida postumamente a qualquer membro do serviço que morreu no cumprimento do dever dentro da União Soviética.

Soldados do Exército Alemão (Heer) marchando em algum lugar na União Soviética no inverno de 1941-42.

Militares da Wehrmacht eram qualificados para a Medalha Oriental após um mínimo de 14 dias em combate ativo; 30 sortidas de combate aéreo; 60 dias contínuos de serviço em uma zona de combate; ser ferido ou sofrer um "membro congelado", grave o suficiente para justificar a emissão de um Distintivo de Ferido, e poderia ser concedido postumamente.

Em 20 de janeiro de 1943, a qualificação oficial para a Medalha Oriental foi estendida para incluir combatentes e não-combatentes do sexo masculino e feminino na Wehrmacht. Além disso, membros estrangeiros das unidades da Wehrmacht; militares mortos ou desaparecidos em combate e civis trabalhando sob o controle da Wehrmacht, incluindo aqueles envolvidos em construção e na abertura de estradas. Limites geográficos foram colocados na concessão do leste da Ucrânia e Ostland (Báltico e Bielo-Rússia) ou na área da Finlândia, a leste da fronteira russo-finlandesa original de 1940. A Medalha Oriental foi oficialmente desativada pelo Alto Comando das Forças Armadas (Oberkommando der Wehrmacht, OKW) em 4 de setembro de 1944.

Medalha com certificado de condecoração.

A medalha foi desenhado pelo SS-Unterscharführer Ernst Krauit. Medindo 3,6cm de diâmetro, de construção (geralmente) de zinco, a medalha recebeu um revestimento colorido de metal; medindo aproximadamente 44mm por 36mm. O verso côncavo mostra uma águia nacional-socialista segurando uma suástica com um louro atrás. O reverso apresenta o texto em letras maiúsculas "WINTERSCHLACHT IM OSTEN 1941/42" (Medalha da Batalha de Inverno no Leste de 1941–42) apresentando uma espada cruzada e um ramo abaixo do texto. Um capacete e uma granada de cabo abaixo da alça da medalha, bem como o anel externo, tinham acabamento em um efeito de prata polida.

A fita da medalha apresentava uma faixa central branca-preta-branca (branca para neve, preta para os soldados caídos) com vermelha (para sangue) de cada lado. A medalha e a fita eram apresentadas em um pacote de papel com o nome da medalha na frente e o nome do fabricante no verso. Como a Cruz de Ferro de 2ª Classe (Eisernes Kreuz, EK II) 1939–45, a fita da Medalha do Leste era usada na segunda casa de botão da túnica do uniforme ou em uma barreta. Onde as duas fitas eram usadas juntas na casa de botão, a EK II apareceria acima da Medalha Oriental. Mais de três milhões de medalhas foram concedidas e muitas mais fabricadas entre 26 de maio de 1942 e 4 de setembro de 1944.

A fabricação da medalha foi complexa e ocorreu em muitas empresas diferentes que foram contratadas para produzir medalhas durante a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, Steinhauer & Lück em Lüdenscheid.

Generalmajor Gerhard Schmidhuber com a fita da Medalha da Carne Congelada na segunda casa do botão da túnica. Enfermeira Elfriede Wnuk com a fita da Ostmedaille abaixo da fita da Cruz de Ferro 2ª classe.

Uma interpretação sarcástica bem conhecida da coloração foi a seguinte:

"À esquerda e direita do Exército Vermelho, entre a pista de pouso Smolensk-Moscou e a neve."

No jargão dos soldados, a medalha era frequentemente referida como "Rollbahnorden" (Ordem da pista de pouso). Como já citado, em referência ao inverno russo extremo de 1941/42 com seus numerosos casos de queimadura de frio, como "Medalha de Carne Congelada", "Ordem de Carne Congelada" ou "Eisbeinorden" (Ordem do Joelho de Porco Congelado). Em 1943, o Museu do Exército de Munique coletou 32 nomes diferentes para a Medalha Oriental através do seu colega Tenente Coronel Miller, incluindo os nomes Medalha Frost (Frost-Medaille), Boneco de neve com Capacete de Aço (Schneemann mit Stahlhelm), Lembrança da Aurora Boreal (Nordlicht-Erinnerung), Ordem da Tundra (Tundra-Orden), Medalha da Pista (Rollbahn-Medaille) e Medalha da Substituição de Férias (Urlaubs-Ersatzmedaille).

Havia também a seguinte rima para a cor da fita: Schwarz ist die Nacht, weiß ist der Schnee und von beiden Seiten die Rote Armee.

"A noite é negra, a neve é ​​branca e dos dois lados o Exército Vermelho."

Versão desnazificada da Ostmedaille de 1957.

Embora o uso de condecorações da era nazista tenha sido inicialmente banido em 1945, de acordo com a lei de títulos, medalhas e condecorações de 26 de julho de 1957, o uso de condecorações na República Federal da Alemanha (Alemanha Ocidental) só era permitido sem os emblemas nacional-socialistas. A Medalha Oriental estava entre as autorizadas para uso pela República Federal da Alemanha. Com os símbolos nazistas agora proibidos, a medalha foi redesenhada removendo a suástica, com a águia no anverso agora em pé sobre um ramo de louro.

Bibliografia recomendada:

Orders, Decorations, Medals and Badges of the Third Reich
(Including the Free City of Danzig)
David Littlejohn e o Coronel C.M. Dodkins.

Leitura recomendada:

Os mitos do Ostfront, 2 de novembro de 2020.

FOTO: Soldado russo da Wehrmacht31 de outubro de 2020.

FOTO: Tigre na lama22 de fevereiro de 2020.

VÍDEO: Alemanha Ano Zero19 de maio de 2020.

FOTO: Cemitério alemão na Itália8 de abril de 2020.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2020

FOTO: Papai Noel num trenó blindado

 
Papai Noel com seu trenó blindado Leclerc "Indochine" nos Emirados Árabes Unidos, 24 de dezembro de 2020.

O Papai Noel e o Indochine são do 5º Regimento de Couraceiros (5e Régiment de Cuirassiers5e RC) que forma o núcleo da força terrestre de 93 homens da base militar francesa nos Emirados Árabes Unidos (EAU), o Camp de la Paix (Campo da Paz). O Camp de la Paix é também referido como Base de Abu Dhabi e de Implantação Militar Francesa nos Emirados Árabes Unidos (Implantation militaire française aux Émirats arabes unis, IMFEAU); contando com elementos navais, aéreos e terrestres.

O 5e RC forma um grupo tático de armas-combinadas (groupement tactique interarmesGTIA) blindado com base na cidade militar de Zayed, a cerca de 65km da cidade de Abu Dhabi e compreendendo uma companhia de comando e serviços, um esquadrão blindado, uma companhia de infantaria e um companhia de apoio; essas unidades são reforçadas, por sua vez, por unidades vindas da França continental em sistema de rotação.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

Um tanque durão: por que o Leclerc da França é um dos melhores do planeta21 de fevereiro de 2020.

Leclerc operacional com mais blindagem no Exército dos Emirados Árabes Unidos, 11 de junho de 2020.

FOTO: Coluna blindada no deserto emirático19 de agosto de 2020.

FOTO: Somua S 35 na Tunísia26 de março de 2020.

FOTO: Couraceiros modernos14 de outubro de 2020.

A Esparta no Golfo: a crescente influência regional dos Emirados Árabes Unidos2 de fevereiro de 2020.

À Oeste de Suez para os Emirados Árabes Unidos19 de maio de 2020.

Como os Emirados Árabes Unidos exercem poder no Iêmen22 de fevereiro de 2020.

Como os Emirados Árabes Unidos emergiram como uma potência regional24 de setembro de 2020.