terça-feira, 28 de setembro de 2021

Coréia do Norte estabelece pré-requisitos para o fim da Guerra da Coréia; Lança Foguetes no Mar


Por Jakub WozniakOvert Defense (OVD), 28 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de setembro de 2021.

Na terça-feira, 21 de setembro, o presidente sul-coreano (ROK), Moon Jae-In, falou perante as Nações Unidas e pediu o fim oficial da Guerra da Coréia.

“Hoje, mais uma vez exorto a comunidade das nações a mobilizarem suas forças para a declaração do fim da guerra na Península Coreana e propor que três partidos das duas Coreias e os EUA, ou 4 partidos das duas Coréias, os EUA e a China se unam e declarem que a Guerra na Península Coreana acabou.”
O mandato de Moon está definido para terminar em 2022 e, apesar de seus esforços fervorosos, a paz na península parece permanecer apenas um sonho. Apesar das reuniões de alto nível do presidente Trump com os norte-coreanos (RPDC), o progresso aparentemente estagnou com a decisão de 2020 da RPDC de explodir o escritório de ligação conjunta que liga as duas Coréias, servindo como um símbolo adequado. A última iniciativa sul-coreana também foi rejeitada pela liderança norte-coreana, alegando que as pré-condições para a paz não foram cumpridas.

A Coréia do Norte explode escritório de ligação conjunta (16 de janeiro)


Declarações feitas na sexta-feira (24 de setembro) e no sábado pela irmã de Kim Jong Un, Kim Yo Jong, expressaram interesse em restaurar a paz e a estabilidade na península, mas somente depois que uma série de demandas forem atendidas pelos sul-coreanos, incluindo “o restabelecimento dos escritório de ligação conjunta norte-sul e a cúpula norte-sul.” A principal delas é a cessação das atividades militares “hostis”.

Kim Yo Jong.

“Os dois pesos e duas medidas americanas e sul-coreanas em relação à RPDC, pelos quais as ações da RPDC de dimensão auto-defensiva para lidar com as circunstâncias militares e possíveis ameaças militares existentes na Península Coreana são descartadas como ameaçadoras 'provocações' e seu acúmulo de armas são descritos como a 'garantia de um impedimento para a Coréia do Norte' são ilógicas e infantis, e são um desrespeito direto e um desafio à soberania da RPDC.”

Os norte-coreanos lançaram um míssil no oceano a leste na madrugada de segunda-feira, 27 de setembro. O Departamento de Estado dos EUA criticou o lançamento, mas, em um discurso feito cerca de uma hora após o lançamento, o enviado norte-coreano Song Kim lembrou à ONU que a Coréia do Norte tem o “justo direito à auto-defesa”.

Bibliografia recomendada:

A Guerra da Coréia: Nem vencedores, nem vencidos.
Stanley Sadler.

The Armed Forces of North Korea:
On the path of Songun.
Stijn Mitzer e Joost Oliemans.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

FOTO: Exercício de mulheres soldados do antigo Exército Nacional Afegão

Mulheres soldados com capacetes de kevlar sobre véus negros, 22 de outubro de 2014.

A foto mostra soldados do antigo Exército Nacional Afegão (ANA) participando de um exercício de treinamento em Cabul, em 22 de outubro de 2014.

Fotos de treinamento de mulheres no ANA são famosas e eram incluídas na quase totalidade das matérias sobre a guerra no Afeganistão. O Ministério da Defesa afegão chegou a apresentar um plano de expansão para 5 mil soldados femininas afegãs.

As matérias geralmente giravam em torna das conquistas das mulheres afegãs e do orgulho de serviram nas Forças Armadas da República Islâmica do Afeganistão. Havia sempre a narrativa de estarem "ao lado dos homens", apesar das mulheres servirem apenas em funções internas.

Apesar de todo marketing, a eficiência tática real das mulheres soldados afegãs foi insignificante e não teve qualquer peso na ofensiva final do Talibã em sua marcha para Cabul.

O atual Califado Islâmico do Afeganistão não emprega mulheres em suas forças armadas.


Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

FOTO: Marinheira no convés de vôo do HMAS Canberra

Marinheira Indiana Van Arkel do convés de vôo do HMAS Canberra, 2021.

Marinheira Habilitada (Able Seaman) de aviônica Indiana Van Arkel, da Marinha Real Australiana (RAN), posando no convés de vôo do HMAS Canberra, durante o exercício Talisman Sabre 21, em 2021.

Conduzido em julho, o exercício Talisman Sabre (Sabre Talismã) é a maior atividade de treinamento combinado bilateral entre as Forças de Defesa Australianas (ADF) e os militares dos Estados Unidos (EUA). O exercício deste ano envolveu mais de 17.000 militares da Austrália e dos Estados Unidos, e durou três semanas.

Além dos Estados Unidos, forças do Canadá, Japão, Nova Zelândia, República da Coréia e Reino Unido participaram do Talisman Sabre 2021, e funcionários da Índia, Indonésia, França e Alemanha baseados na Austrália observarão o exercício. Esta foi a nona versão do exercício.

Herança de Aço: O StuG tchecoslovaco

Soldado sírio posando com a carcaça de um StuG na Síria.

Por Yuri Pasholok e Peter Samsonov, Tank Archives, 21 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de setembro de 2021.

A indústria tchecoslovaca recebeu uma série de tecnologias militares avançadas após o fim da Segunda Guerra Mundial como resultado das encomendas alemãs, mas sua herança não terminou aqui. Uma grande quantidade de tanques anteriormente alemães foi deixada no país. Embora a Tchecoslováquia preferisse tanques e peças de assalto soviéticos, ninguém recusaria a riqueza dos veículos alemães. Como resultado, o país acabou com um parque de tanques colorido, incluindo LT vz.35 e LT vz.38 domésticos de antes da guerra, Cromwells e Challengers britânicos, T-34-85 e IS-2 soviéticos e muitos veículos alemães, incluindo o StuG 40.

Espalhados pelos Campos

StuGs tchecos incluíam alguns veículos veneráveis, como este Ausf. B nocauteado em Praga.

Inicialmente, os militares tchecoslovacos ignoraram sua herança. A situação mudou no final de 1945, quando o equipamento alemão foi recolhido em bases especiais de reparo, também herdadas dos alemães. Essas bases estavam localizadas em Přelouč, Děčín e Vrchotovy Janovice. O trabalho se arrastou e o primeiro veículo reparado só saiu de Přelouč em setembro de 1946.

Os StuG reparados entraram em serviço sob o índice ShPTK 40/75N (peça de assalto 40 com arma de 75mm, alemão). Novos números de série foram emitidos para os StuGs restaurados, de 67 947 a 67 949. Grandes reparos para outros 20 veículos foram planejados para 1947, mas na realidade apenas mais dois ou três ShPTK 40/75N foram reparados (números de série 71 860 e 71 861 são conhecidos). Embora cerca de 50 StuGs tenham sido preparados para conversão, o trabalho neles foi pausado por enquanto.

Uma das peças de assalto convertidas fazendo o papel dum StuG 40.

É fácil entender o porquê. A Tchecoslováquia era um país industrializado, mas ainda não tinha pressa em desperdiçar recursos na Europa dilacerada pela guerra. Os veículos já concluídos foram enviados para a escola de tanques em Vyškov, a 55km de Brno. Um dos veículos foi julgado por uma comissão do Ministério da Defesa. Com isso, optou-se por deixar a embreagem da caixa de câmbio mecânica, rejeitando a ideia de uma hidráulica, substituir o ventilador do compartimento de combate por um mais potente e usar manteletes fundidos sempre que possível. Após os testes de um veículo convertido, o ShPTK 40/75N recebeu luz verde.

Rumo à ação

Primeiro, as armas de assalto ShPTK 40/75N da escola de tanques foram convertidas para o novo formato, depois o restante dos veículos em Přelouč. Em fevereiro de 1948, cinco StuG 40 foram convertidos e 50 ShPTK 40/75N foram produzidos naquele ano. Cinco deles foram enviados para a escola de tanques, 20 para a 12ª Brigada de Tanques, 20 para a 11ª Brigada de Tanques e 5 para a 14ª Brigada de Tanques. Os veículos reparados receberam números de série de 67 511 a 67 563. O tamanho do intervalo é explicado pelo fato de que os ShPTK 40/75N 67 514, 67 538 e 67 540 foram concluídos em 1949. Dois deles foram enviados para a escola de tanques , um para o 352º Regimento de Canhões Autopropulsados localizado em Pilsen.

Outro ShPTK 40/75N com cruzes alemãs. O número de série 67 533 está visível. Hoje, o veículo pode ser visto no museu Banská Bystrica, na Eslováquia.

Em 1949, o ShPTK 40/75N foi alterado para SD 75/40N (Samohybné dělo, canhão autopropulsado). O exército recebeu 50 SD 75/40Ns incluindo os listados acima. 5 deles foram enviados para a escola de tanques e o restante para o 352º Regimento de Canhões Autopropulsados. Os veículos reparados tinham números de série 67 564-67 580, 79 601-79 628, 79 637 e 79 640. Os últimos 19 SD 75/40N foram convertidos em 1950 e todos foram enviados para o 352º Regimento. Seus números de série variaram de 79 628 a 79 650. No total, 124 StuG 40 foram modernizados.

Ao contrário do PzIV, os StuG não mudaram significativamente no serviço tchecoslovaco. Até os faróis permaneceram os mesmos, pois as lanternas Notek ainda eram produzidas na Tchecoslováquia. Alguns veículos tinham caixas de ferramentas adicionais, mas sua adição não foi generalizada. Nenhum dos veículos convertidos tinha blindagem de saia ou mesmo montagens para ela, mas uma parte dos StuG 40 não tinha originalmente de qualquer maneira.

O canhão Skoda A 19 de 76mm, proposto como substituto do StuK 40 de 7,5cm.

Houve um momento em que os StuG 40 poderia ter recebido um upgrade significativo. Em 1948, a Skoda começou a desenvolver o canhão A 19 de 76mm, que substituiria o Pak 40 e o ZiS-3 no serviço da tchecoslovaco. Em 1949, dois protótipos foram construídos. Um tinha um gatilho elétrico e o outro um mecânico.

O tiro perfurante de blindagem do A 19 tinha uma velocidade de cano de 915m/s e podia penetrar 100mm de blindagem inclinada a 30 graus a um quilômetro de distância, uma estatística respeitável considerando que a arma era muito compacta, embora o cano fosse mais longo do que o do Pak 40 ou StuK 40. O comitê de artilharia do exército tchecoslovaco revisou a idéia de desenvolver uma versão especial do A 19 para o SD 75/40N entre 13 e 14 de dezembro de 1949.

Desenho da aparência do SD 75/40N com o canhão Skoda A 19 de 76mm.

O projeto foi rejeitado e o A 19 logo foi rejeitado por completo. Em vez disso, os engenheiros concentraram seus esforços no canhão 100mm A 20, mais poderoso, que foi aprovado para serviço sob o índice 100mm kanon vz.53.

Em 8 de junho de 1951, outra tentativa de rearmar a arma de assalto foi feita. O VTÚ (Vojenské techniky ústav, Instituto Técnico Militar), propôs a instalação do canhão 85mm mod. 1944 (ZiS-S-53) do T-34-85, já que a Tchecoslováquia iria produzir o tanque. No entanto, essa proposta também nunca foi realizada.

Vz.40 75mm ShPTK N-IV durante as filmagens do filme "Uma Canção sobre o Pombo Cinzento" (1961).

Além do StuG 40, outra peça de assalto alemã foi modernizada na Tchecoslováquia. Um StuG IV foi descoberto durante a conversão dos tanques PzIV para o padrão tchecoslovaco no CKD. Em 24 de junho de 1948, recebeu o número de série 67 488 e índice vz.40 75 mm ShPTK N-IV, e foi enviado para a escola de tanques. Serviu por muito tempo, e até estrelou no filme  "Uma Canção sobre o Pombo Cinzento", lançado em 1961. O plano era deixá-lo em um museu, mas acabou sua existência em um ferro-velho.

Mãos de terceiros

No início de 1951, a maior parte do SD 75/40N (108 veículos) foi coletada nos 351º e 352º regimentos autopropulsados. O restante foi enviado para a base de armazenamento em Martin, onde a principal fábrica de tanques da Tchecoslováquia foi posteriormente construída. Mais tarde, os regimentos foram reformados em baterias.

Os veículos foram usados como tratores e auxiliares de treinamento, 1972.

A vida útil do SD 75/40N era curta. A produção do SD-100 (versão tchecoslovaca do SU-100) começou em 1953. O SD 75/40N foi gradualmente retirado e enviado para Žilina. O processo de substituição foi concluído em março de 1955. Depois disso, o SD 75/40N foi usado apenas como auxiliar de treinamento e em filmes sobre a guerra.

A breve vida útil do SD 75/40N pode fazer pensar que a modernização das peças de assalto foi um erro, mas não foi o caso. Quando o tanque TVP foi adiado, a modernização dos veículos existentes foi a ideia mais razoável, especialmente porque o trabalho em canhões autopropulsados baseados em TVP nunca saiu do estágio de projeto. Ao contrário deles, o SD 75/40N foi uma solução barata e rápida que colocou mais de 100 veículos em serviço.

A história do StuG 40 tchecoslovaco poderia terminar aqui, mas continua. Em 21 de março de 1953, Antonín Zápotocký tornou-se presidente da Tchecoslováquia. Sob ele, a Tchecoslováquia retomou as vendas de armas para outros países. O volume das exportações foi ainda maior do que as exportações de aviões no final dos anos 1940. Em 21 de setembro de 1955, um acordo foi fechado entre a Tchecoslováquia e o Egito sobre uma ampla gama de armamentos e veículos. Costuma-se dizer que apenas armas soviéticas foram enviadas para o Egito e o negócio foi apenas um encobrimento, mas não é o caso. Até os tanques soviéticos vieram de depósitos da Tchecoslováquia. No entanto, a maioria dos tanques embarcados eram tchecoslovacos.

Coluna de carros SD 75/40N desfilando em Damasco.

Depois do Egito, a Síria assinou um acordo de armas que incluía 60 SD 75/40N. O governo tchecoslovaco matou dois coelhos com uma cajadada só. Por um lado, recebiam dinheiro, por outro, se libertavam de veículos obsoletos que deveriam ser desativados e posteriormente sucateados. A primeira remessa de 20 SD 75/40N estava programada para a primavera de 1956, o próximo lote seria enviado em agosto e outro no final do ano.

As remessas reais eram menores e os números variam. Algumas fontes dizem que apenas 12 veículos partiram para a Síria. Outras dizem que pelo menos 20 foram enviados. Em janeiro de 1957, durante a reorganização dos regimentos de artilharia da Síria, 28 desses veículos foram removidos. Finalmente, de acordo com a pesquisa do historiador tcheco Vladimir Franzev, um total de 32 SD 75/40N foram enviados para a Síria.

Tripulação síria na frente de um veículo germano-tchecoslovaco.

Os veículos sírios viram algumas mudanças. Primeiro, os sírios instalaram uma torre enorme no lado esquerdo da casamata, montando uma metralhadora italiana Breda SAFAT de 12,7mm.

Breda SAFAT 12,7mm (.50) síria.

Torre da metralhadora Breda SAFAT. Observe que ainda há Zimmerit neste veículo, portanto, era um StuG 40 que foi produzido antes de setembro de 1944.

A única vez que os SD 75/40N sírios viram combate foi na Guerra dos Seis Dias. Na primavera de 1967, os conflitos nas fronteiras de Israel, Síria e Egito se transformaram em uma guerra completa. Um ataque aéreo israelense contra aeroportos inimigos em 5 de junho de 1967 destruiu quase todas as aeronaves inimigas. Tendo obtido superioridade aérea, Israel começou sua ofensiva.

As forças do General David Elazar atacaram o norte, em direção à Síria. Em 9 e 10 de junho, suas forças atacaram as Colinas de Golã. Foi aqui que os sírios usaram seus SD 75/40N contra os tanques israelenses M50, M51 e AMX 13. Os sírios também tinham vários Jagdpanzer IV. Sua fonte não é conhecida, mas o resultado é: fragmentos de artilharia autopropulsada síria ainda se espalham pelas Colinas de Golã até hoje. Vários veículos foram capturados intactos. Hoje, um SD 75/40N capturado pode ser visto no museu de tanques Yad La-Shiryon em Latrun.


SD 75/40N em Yad La-Shiryon

O carro do museu é pintado de cinza, embora, na realidade, os veículos sírios tenham uma pintura diferente.

O veículo está em ótimo estado de conservação.

O StuG 40 Ausf. G da última série serviu de base para o retrabalho tchecoslovaco.

O último StuG 40 Ausf. G pode ser distinguido pelo design do material rolante.

Os sistemas ópticos e alguns acessórios desapareceram do carro, mas em geral o kit de carroceria foi bem preservado.

Até mesmo os silenciadores sobreviveram, que muitas vezes são perdidos devido à fragilidade.

Antes, o carro ficava na exposição central do museu, e era mais fácil andar por lá.

Visão da direita do mesmo carro.

Os canhões autopropulsados são instalados com cautela nas almofadas para que não rolem acidentalmente.

Como de costume, os tchecos inseriram o farol Notek, mas o carro manteve o suporte do farol Bosch.

Placas de identificação tchecoslovacas apareceram na placa frontal.

Novo número de série.

Este número também é de origem tchecoslovaca.

Como convém a uma máquina da série posterior, esta tem um mantelete de canhão fundido.

Uma das diferenças da máquina base: o escudo que cobre a parte superior do mantelete é de origem síria.

Reserva de cabine adicional.

A mesma aba na parte de trás.

Instalação padrão da metralhadora MG-34 com controle remoto.

Reparo colocado para trás.

Know-how sírio - uma torre blindada para uma metralhadora de aeronaves Breda SAFAT de 12,7mm.

Janela de visualização do motorista.

Não há mudanças do lado direito da cabine.

À esquerda, há um suporte para lagartas sobressalentes.

Um batente do canhão e um farol Notek foram fixados na placa frontal.

Caixa de peças sobressalentes. Ele é tchecoslovaco ou sírio, desconhecido.

Montagem padrão de lagartas sobressalentes.

Suspensão do StuG 40 Ausf. G da série mais recente.

A suspensão de um ângulo diferente.

A esteira da lagarta, ao contrário do material rolante, não mudou em máquinas de diferentes séries.

As calotas estão faltando nas rodas motrizes.

O amortecedor é claramente visível. Um amortecedor foi colocado na frente e atrás.

Rolos transportadores totalmente metálicos introduzidos no final da produção do StuG 40.

O rolo com seu suporte.

Cano do canhão StuK 40 L/48.

Freio de boca.

Visão de cima do freio de boca.

Bibliografia recomendada:

STURMGESCHÜTZ:
Panzer, Panzerjäger, Waffen-SS and Luftwaffe units 1943-45.
Thomas Anderson.