sábado, 30 de novembro de 2019

Encantada com a frota, marinha indiana limpa convés para mais 6 P-8Is

Boeing P-8I 
Foto: Daniel Gorun
Shiv Aroor Nov 28 2019 7:17 pm.
Tradução Sérgio Santana.

Dada a profundidade da satisfação da Marinha indiana com a frota, era apenas uma questão de tempo. O argumento da Marinha Indiana para mais dessas aeronaves tem sido forte demais para atrasar ainda mais. E é por isso que o Ministério da Defesa indiano hoje liberou decks para a Marinha indiana adquirir seis aeronaves Boeing P-8I adicionais de vigilância marítima e anti-submarino. Com oito já em serviço e quatro encomendados em 2016, a nova aquisição iminente dará à Marinha da Índia uma frota de 18 aeronaves. As quatro aeronaves adicionais já encomendadas serão entregues em 2020-21.

O P-8I, armado com Harpoon, habilmente se encaixou nas vastas responsabilidades da Marinha Indiana na região, encontrando-se distribuído em missões, desde o rastreamento de submarinos chineses no Oceano Índico até a assistência na caça ao avião desaparecido MH370 , resposta a desastres e, crucialmente, a busca por aviões militares perdidos no nordeste da Índia, notoriamente difícil. Um par dessas aeronaves foi particularmente útil para acompanhar os movimentos chineses durante o impasse militar de Doklam entre a Índia e a China em 2017 e ficou de olho no Dakota DC-3 da Força Aérea Indiana, quando foi pilotado no ano passado. O rastreamento de submarinos nucleares chineses no sul do Oceano Índico (teremos um relatório mais detalhado sobre isso em breve) é uma das principais razões pelas quais a Marinha indiana insistiu em uma frota maior de P-8Is. Diz-se que a aeronave teve um bom desempenho em missões de rastreamento em 2017-18.

Os P-8Is indianos também tem regularmente praticado exercícios. Recentemente, voou para o Catar para o exercício Roar Of The Seas, o primeiro exercício naval entre os dois países:

No momento, a Marinha indiana procurar expandir as operações do P-8I além da atual base da frota em Arakkonam, em Tamil Nadu.

"O próximo passo é desenvolver instalações de manutenção para a frota nas Ilhas Andaman e Goa, para dar à Marinha da Índia flexibilidade para implantar essas aeronaves onde são mais necessárias", diz o capitão da reserva Dalip Kumar Sharma, ex-porta-voz da Marinha indiana e que liderou os assuntos públicos do serviço durante grande parte da entrada dos P-8Is no serviço indiano. Ele indica que as entregas escalonadas do P-8I foram solicitadas pela Marinha da Índia para permitir uma infraestrutura de suporte adicional para o P-8I nas estações aéreas além de Arakkonam.

As instalações de manutenção primária e secundária surgirão na estação aérea de Port Blair, seguidas por uma infraestrutura de suporte limitada na estação aérea INS Hansa em Goa, onde a Marinha da Índia opera sua frota de aeronaves de vigilância marítima Il-38SD. Os P-8 substituíram os antigos Tu-142 soviéticos da Marinha Indiana, que foram aposentados no ano passado. Entende-se que a infraestrutura do P-8I em Goa terá uma provável instalação de manutenção limitada.

A Boeing começou a entregar P-8Is para a Marinha da Índia em maio de 2013. O contrato de aeronaves foi assinado muito antes da Índia e dos Estados Unidos terem assinado o COMCASA, uma versão específica para a Índia do CISMOA (Memorando de Acordo de Interoperabilidade e Segurança das Comunicações) que facilitou o exportação de tecnologias avançadas / sensíveis. Como resultado, o P-8I da Marinha Indiana veio sem o kit certo na versão da Marinha dos EUA. Eles foram compensados com sistemas desenvolvidos na Índia, provenientes de empresas de defesa indianas, um excelente exemplo inicial do setor privado indiano que atende a necessidades específicas de alta tecnologia no espaço de defesa e algo que abriria caminho para muitos trabalhos atuais.

Como a versão da Marinha dos EUA, o P-8I da Marinha da Índia ostenta o Raytheon AN / APY-10 como seu principal radar marítimo. A versão indiana, no entanto, também vem equipada com um radar de popa, o Telephonics APS-143 OceanEye e o detector de anomalia magnética CAE AN / ASQ 508A (MAD). A Livefist descobriu que a Marinha da Índia está pesando com a Boeing um plano de logística e manutenção vinculado ao desempenho com a Boeing para a frota de P-8I, como o que a Força Aérea Indiana possui com sua frota de 11 Globemasters C-17.

Não está claro se a Marinha indiana procurará mais de 18 P-8Is. A marinha contemplou uma capacidade de vigilância marítima de médio alcance (MRMR) e até lançou uma concorrência convidando licitações para aeronaves mais modestas para reconhecimento tático / costeiro. A concorrência anterior viu a Boeing propor um P-8I 'Lite', desprovido de certos sensores e tecnologia avançados. As coisas mudaram desde então, com a Marinha Indiana colocando essas missões principalmente em sua frota de Dornier Do-228, com uma porta provisoriamente aberta para a proposta de aeronaves marítimas multi-missão baseada em C295, sendo desenvolvida pela DRDO da Índia.


quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Estaleiro Admiralty JSC entregou para a marinha russa o submarino Kilo II

Submarino Petropavlovsk-Kamchatsky,
O estaleiro Admiralty JSC transferiu o submarino convencional Petropavlovsk-Kamchatsky (B-274), da classe Kilo II, para a marinha russa em 25 de novembro de 2019. Os submarinos da classe Kilo  são considerados como um dos mais silenciosos submarinos do mundo.

“Hoje é um dia especial, porque hasteamos a bandeira de St. Andrew (bandeira da marinha russa) no submarino Petropavlovsk-Kamchatsky, o primeiro de uma série criada para a frota do Pacífico. O navio passou em todos os testes e confirmou totalmente as características táticas e técnicas nele incorporadas ”, disse Alexander Buzakov, diretor geral do Estaleiro Admiralty JSC. "Quero observar que todos os navios subsequentes da série estão sendo construídos de acordo com o contrato e em 2022 a construção da série estará concluída."

Uma contribuição real para a implementação do programa de construção naval, aprovada pelo Comandante Supremo da Federação Russa, foi lembrada ao levantar a bandeira pelo chefe do Estado Maior - Primeiro Vice-Comandante Chefe da Marinha da Rússia, Vice-Almirante Andrei Volozhinsky.

O submarino Petropavlovsk-Kamchatsky do Projeto 636.3 (Kilo II) é o primeiro de uma série de seis embarcações que estão sendo construídos nos Estaleiros Admiralty JSC  para a Frota do Pacífico; Ele foi lançado em março de 2019. Sua construção foi um evento significativo na implementação do plano de longo prazo do Ministério da Defesa da Rússia para equipar a Marinha com submarinos de nova geração e implementar o programa estadual de construção naval.

Sob a direção do Ministério da Defesa da Federação Russa, o TsKB MT Rubin JSC modernizou os sistemas básicos do submarino 636 do projeto original, incluindo o sistema de controle de informações, sistemas de radar e sonar. Várias melhorias foram feitas nos sistemas gerais de bordo, a fim de aumentar a furtividade do submarino e melhorar as condições de vida da tripulação.

Comparado com os modelos anteriores, os submarinos do Projeto 636.3 modificado têm maior eficácia no combate. Sua combinação ideal de furtividade acústica e alcance de detecção de alvos, o mais recente sistema de navegação inercial, sistema de informações e controle automatizado moderno e poderosas armas como o torpedos de alta velocidade e mísseis fornecem uma capacidade de classe mundial real para navios desta classe no campo de construção naval convencional.

Fonte: Estaleiro Admiralty JSC.

terça-feira, 26 de novembro de 2019

Turquia vai testar o seu sistema S-400 contra seus caças F-16.

Veiculo de lançamento do sistema S-400
A Turquia testará , em Ancara, os sistemas de defesa antimísseis S-400 que comprou da Rússia, informou um relatório na segunda-feira.
Os militares turcos vão pilotar seus caças perto da Base Aérea de Mürted nesta segunda e terça-feira para testar os sistemas de radar do S-400, informou o jornal Milliyet.
"No âmbito de alguns projetos realizados em coordenação com a Presidência das Indústrias de Defesa, aeronaves F-16 e outras aeronaves pertencentes à Força Aérea da Turquia realizarão vôos de teste de baixa e alta altitude", disse o governador.
A Rússia entregou duas baterias do sistema S-400 à Turquia entre julho e setembro deste ano.
A compra do sistema de mísseis russo tem sido um ponto de discórdia entre a Turquia e os EUA há algum tempo, já que Washington argumentou que o sistema S-400 seria incompatível com os sistemas da OTAN. A Turquia, no entanto, enfatizou que o S-400 não seria integrado aos sistemas da OTAN e não representaria uma ameaça à aliança e rejeitou o desistir do acordo.
Fontes de segurança sugeriram anteriormente que os sistemas russos serão implantados em Ancara e estarão em pleno funcionamento em abril de 2020.

Fonte:Daily Sabah.

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Mais caças F-35 da USAF são enviados para o Oriente Médio.

A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) enviou , novamente, um esquadrão equipado com os avançados caças F-35, para uma missão de treinamento de combate no Oriente Médio, de acordo com um recente comunicado de imprensa. "Pela segunda vez este ano, os aviadores das alas de caça 388th e 419th  levaram seus F-35A Lighting IIs para um treinamento de combate", afirma a mensagem da Força Aérea.


Fonte: Defense Blog

sábado, 23 de novembro de 2019

CLASSE ADA - Uma equilibrada corveta turca para as necessidades de sua marinha.


Corveta classe Ada
FICHA TÉCNICA
Tipo: Corveta.
Tripulação: 93 tripulantes.
Data do comissionamento: Setembro de 2011.
Deslocamento: 2400 toneladas.
Comprimento: 99,56 m.
Boca: 14,4 m.
Propulsão:  CODAG - Uma turbina a gás General Electric LM-2500 com 26000 KW de potencia e dois motores a diesel MTU-16V595TE90 com 9600 Hp juntos
Velocidade máxima: 30 nós (55,5 km/h).
Alcance: 6500 Km.
Sensores:  Radar Thales SMART-S MK-2 com 250 km de alcance. Radar STING EO Mk2 para controle de fogo com alcance de 72 km na banda X e 17 km na banda K; A partir da terceira embarcação, o radar de controle de fogo passou a ser o Aselsan AKR-D; Radar de navegação Sperry marine Vision Master;  Sistema de vigilância e designação de alvos Aselsan ASELFLIR-300T (a partir do terceiro navio este sistema foi substituído pelo mais avançado Aselsan SeaEye AHTAPOT; Um sonar TBT-01 Yakamoz de curto alcance.
Armamento: Um canhão OtoMelara 76 mm Super Rapid, Duas estações  de combate remotas STAMP armadas com uma metralhadora pesada M2HB, calibre 12,7 mm (.50),  Dois lançadores quádruplos para mísseis Boeing RGM-84L Harpoon Bock II anti-navio, um lançador MK-31 para 21 mísseis RAM (Rolling Airframe Missile) RIM-116, dois lançadores triplos MK-32 para torpedos leves MK-46 ou MK-54.
Aeronaves: Um helicóptero médio SH-60 Seahawk.

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

ÍNDICE DE NAVIOS DE GUERRA - WARFARE BLOG



A ministra das Forças Armadas, Florence Parly, lança o programa ARCHANGE

Dassault Aviation Archange

No comitê de investimento ministerial, em 18 de novembro de 2019, a ministra das Forças Armadas, Florence Parly, decidiu lançar a produção do programa ARCHANGE  que equipará aeronaves de inteligência estratégica com uma capacidade de guerra eletrônica universal (CUGE em francês).

Liderada pela Direção Geral de Armamento (DGA), o ARCHANGE visa fortalecer as capacidades de inteligência eletromagnética, incluindo a interceptação de emissões de rádio e radar.

A lei de programação militar 2019-2025 (LPM) prevê a entrega à Força Aérea do primeiro sistema ARCHANGE a partir de 2025.

Como resultado de uma década de estudos sobre tecnologias avançadas, o sistema de sensores que compõe a carga útil de missão será desenvolvido pela Thales. Baseado em tecnologias inovadoras, como antenas multipolarização e inteligência artificial para melhorar o processamento automático, este pacote de missão detectará e analisará sinais de radar e comunicação com sensores integrados instalados em um avião comercial Falcon 8X, construído pela Dassault Aviation.

Esses Falcon 8Xs modificados com seu sistema de missão a bordo e em terra serão chamados ARCHANGE. De acordo com a lei do programa militar 2019-2025, três aeronaves substituirão os dois Transall C-160 Gabriel responsaveis pela missãi de inteligencia eletrônica daquela força aérea. Uma plataforma de treinamento em solo planejada para implantação na base aérea de Evreux completará o sistema.

Os sistemas ARCHANGE aumentarão significativamente as capacidades de coleta de dados de inteligência eletromagnética da força aérea francesa e contribuirão para o esforço particular na função estratégica "conhecimento e antecipação", que permitirá garantir a autonomia da França na tomada de decisões e sua superioridade na operação.

O programa ARCHANGE contribuirá, assim, para a recuperação das capacidades militares solicitadas pelo Presidente da República.


Fonte: Ministério das Forças Armadas da França

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

CONTRATO PARA PROTÓTIPO DO FUTURO CAÇA FRANCO ALEMÃO DEVE SER ASSINADO ATÉ O FINAL DE JANEIRO PRÓXIMO.


DUBAI - A França e a Alemanha chegaram a um acordo sobre seu programa conjunto de caças e devem assinar um contrato para demonstrar a validade da tecnologia planejada até janeiro, disse o executivo-chefe da Dassault Aviation na segunda-feira.

Inicialmente, esperava-se que o contrato fosse concedido este ano e o atraso provocou a Dassault e a Airbus, os principais parceiros industriais do projeto, a pressionar a França e a Alemanha a fazer progressos.

"No momento, não há mais problemas entre os governos francês e alemão no que diz respeito ao FCAS (Future Combat Air System)", disse Eric Trappier, CEO da Dassault, à Reuters no Dubai Airshow.

"Existe um acordo de alto nível entre as partes e o próximo passo deve ser o primeiro contrato para um demonstrador antes do final de janeiro de 2020".

Ele também disse que as negociações entre a Safran da França e a MTU Aero Engines da Alemanha, que estão produzindo os motores, estão progredindo e que ele espera que um acordo seja alcançado este ano.

O projeto para construir uma nova geração de aviões de guerra tripulados e não tripulados sob o nome de FCAS foi anunciado pelos líderes da França e da Alemanha há dois anos e expandido no início deste ano para incluir a Espanha.

Fonte: Reuters


domingo, 17 de novembro de 2019

EUROFIGHTER TYPHOON. O feroz defensor dos céus europeus.

FICHA TÉCNICA DE DESEMPENHO
Velocidade de cruzeiro: * Mach 1 (1234 km/h).
Velocidade máxima: Mach 2 (2469 km/h).
Razão de subida: 18900 m/min.
Potencia: 1.12.

Carga de asa: 64 lb/ pé².
Fator de carga: 9 Gs.
Taxa de giro 
instantânea: 31º/s.
Razão de rolamento: 240º/s.
Teto de Serviço: 20000 m.
Raio de ação/ alcance: 1390km/ 2780km
Alcance do radar: Euroradar CAPTOR 185 km.
Empuxo: 2 motores EJ-200 com 9200kgf (pós combustor) cada e 6073 kg de empuxo seco.
DIMENSÕES
Comprimento: 15,96m.
Envergadura: 10,95m.
Altura: 5,28m.
Peso: 11000 kg.

Combustível Interno: 11020 lb.
ARMAMENTO
13 pontos fixos de armamentos podendo transportar até 7500 kg de armas, tanques de combustivel e casulos de reconhecimento e designação de alvos.

Ar Ar: Mísseis AIM-120 Amraam, Meteor, AIM-9 Sidewinder, AIM-132 Asraam, IRIS-T.
Ar terra: Mísseis Storm Shadow, Taurus MAW, Brimstone; mísseis AGM-65 Maverick; mísseis AGM-88E HARM; Bombas Guiadas a laser da família Paveway III e IV; bombas guiadas por GPS como as SDB e JDAM.

Interno: Um canhão Mauser MK 27 de 27 mm.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

BOEING F/A-18E/ F SUPER HORNET. O ferrão da marinha dos Estados Unidos

FICHA TÉCNICA DE DESEMPENHO 
Velocidade de cruzeiro: mach 1
Velocidade máxima: mach 1,9
Razão de subida: 13680 m/min.
Potência: 0,92.
Carga de asa: 92,96 lb/pé².
Fator de carga: 7,5 Gs, podendo atingir 10 Gs por pequenos espaço de tempo.
Taxa de giro instantânea: 18º/s. 
Razão de rolamento: 240º/s.
Teto de Serviço: 15000 m. 
Raio de ação/ alcance: 1750 km (Missão ar ar)/ 3300 km. 
Alcance do radar: Raytheon AN/ APG-79 com 160 km (RCS 5m2).
Empuxo: 2 motores F-414 GE-400 com 10000kgf de potencia com pós combustor.
DIMENSÕES
Comprimento: 18,31 m.
Envergadura: 13,62 m.
Altura: 4,88 m.
Peso: 14552 Kg.
Combustível interno: 14400 lb.
ARMAMENTO
Ao todo o Super Hornet é capaz de transportar até 8050 kg de cargas externas que podem ser tanques de combustível, casulos de sensores e armas.
Ar Ar: Míssil AIM 120 Amraam, AIM 9L/M/X Sidewinder, AIM 7 Sparrow.

Ar Terra: Míssil AGM65 Maverick, AGM88 Harm, AGM84H Slam ER, AGM154 JSOW GBU31/32 JDAM, GBU24.
Interno: Canhão M61A2 Vulcan 20mm.

(obs: A marca * significa que o valor está estimado).


terça-feira, 12 de novembro de 2019

CLASSE VISBY. A sombra viking do Báltico.


FICHA TÉCNICA
Tipo: Corveta.
Tripulação: 43 tripulantes.
Data do comissionamento: Dezembro de 2009
Deslocamento: 640 toneladas.
Comprimento: 72,7 m.
Boca: 10,4 m.
Propulsão: CODAG com 4 turbinas a gás Honeywell TF-50A, 2 motores a diesel MTU-16V 2000 N90 que movem dois propulsores jatos de água Kamewa.
Velocidade máxima: 35 nós (65 km/h).
Alcance: 4630 Km.
Sensores: 1 radar Ericsson Sea GIRAFFE AMB 3D com 180 km de alcance, Radar de busca Condor CS-3701, 1 sonar de casco GDC, 1 sonar rebocado Hydra 135, e um sonar de profundidade variável VDS.
Armamento: Um canhão Bofors 57 mm MK3, dois lançadores quádruplos para de mísseis antinavio RBS-15F. 4 tubos de torpedos de 400 mm (2 de cada lado do navio) para torpedos Type 45, e cargas de profundidade.
Aeronaves: Um helicóptero A-109M pode ser operado, mas sem hangar de manutenção.

terça-feira, 5 de novembro de 2019

SUKHOI SU-57 FELON. O caça russo de 5º geração.

SU-57 Falon em demonstração na feira aeroespacial russa MAKS 2019
FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: 1800 km/h (supercruzeiro)
Velocidade máxima: 2500 km/h.
Razão de subida: 21660 m/min.
Potência: 1,24.
Carga de asa: 91 lb².
Fator de carga: 9 Gs.
Taxa de giro instantâneo: 29º/s.
Razão de rolamento: 200º/s.
Teto de Serviço: 20000 m.
Raio de ação/alcance: 1500 km/ 3600 km (em velocidade subsônica)
Alcance do radar: N036 Byelka: 400 Km contra alvos aéreos de 5m2 de RCS
Empuxo: 2 motores turbofan NPO Saturn AL-41F1 (Izdeliye 117S) com 17500 kgf de empuxo com pós combustor.
DIMENSÕES
Comprimento: 22 m
Envergadura: 14.2 m
Altura: 5,3 m
Peso vazio: 18500 kg (vazio).
Combustível Interno: 22700 lb.
ARMAMENTO
Ar Ar: Míssil R-77M de longo alcance, R-74M2.
Ar terra: Bombas KAB 250 e 500, mísseis táticos Kh-38M, Kh 58UShK, míssil anti navio KH-35 e míssil anti radar KH-31 e sua versão anti navio também.
Interno: 1 canhão 9-A1-4071K de 30 mm.

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

O FAMAS no mercado de exportação


Por Jean Huon, extrato do livro “Le FAMAS et son histoire”, 2010.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de outubro de 2019.

ESPERANÇAS DESAPONTADAS.
Desde 1984, o FAMAS é oferecido para exportação e vários países adquiriram essa arma, mas em quantidades limitadas:

  • Argentina (Comandos Anfíbios),
  • Brasil (FAMAS F1 Comando, usado pelas Forças Especiais do Exército),
  • Camboja (guarda pessoal do príncipe Sihanouk),
  • Chipre (FAMAS F1 Comando, usado pelas forças especiais da polícia),
  • Djibuti (400 unidades),
  • Emirados Árabes Unidos,
  • Gabão (800 unidades),
  • Indonésia (forças especiais da polícia),
  • Líbano,
  • Filipinas (forças especiais da polícia),
  • Senegal.
GIGN da Gendarmerie do Djibouti em treinamento com o 13th MEU.
Um comando anfíbio argentino com o FAMAS G2 Comando.
Os filhos do coronel Khadafi se gabavam de ter um FAMAS que lhes foi oferecido por ... (não podemos dizer)!
Terrorista do Estado Islâmico com um FAMAS F1. Acredita-se que veio do Líbano.
Força de Ação Especial da polícia filipina.
Operador do KOPASSUS com um FAMAS G2.
Em Angola, o guarda do presidente da UNITA, Jonas Savimbi, estava equipado com o FAMAS, apesar da França nunca vender neste país!
A China comprou algumas cópias do FAMAS (talvez para copiá-lo?).
Militares chinesas com fuzis FAMAS F1.
Apesar das campanhas de apresentação particularmente brilhantes no exterior, o FAMAS não conseguiu penetrar no mercado de exportação, provavelmente devido ao seu alto custo (você pode pagar entre sete e dez fuzis Kalashnikov pelo preço de um FAMAS).

ALGUMAS HISTÓRIAS RELATADAS DURANTE A APRESENTAÇÃO DO FAMAS EM VÁRIOS PAÍSES.
General brasileiro testando o sistema FÉLIN.
No Brasil, as demonstrações de tiro com o Exército foram realizadas em um estádio de futebol em um distrito periférico. No estádio, portanto, são instalados alvos no gramado, mas sem nenhuma proteção de tiro! Ao fundo, atrás dos alvos, a algumas centenas de metros, a favela local com seus barracos de telhados de telhas metálicas enferrujadas.
Os soldados começam a atirar na frente dos olhos surpresos do demonstrador da MAS. A certa altura, os militares começam a disparar várias vezes em rajada. Vimos as telhas voando e as pessoas correndo em todas as direções.
Diplomaticamente, ele pergunta a um dos oficiais presentes: "As casas ali atrás não te incomodam?" Resposta: "Eles não têm permissão para construir ali, eles não estão lá!"
Na Venezuela, os militares instalaram um tambor de 200 litros cheio de água perto do ponto de tiro. O oficial venezuelano pega um FAMAS e dispara o padrão da OTAN (150 tiros em 3 minutos) e, com um gesto amplo, mergulha o FAMAS fumegante no tonel com o chiado que imaginamos. Então ele retira o FAMAS, olha o cano e dispara uma segunda vez, de acordo com o padrão da OTAN. Nenhum problema foi observado.
Mas melhorou. Outro soldado "sangra" um cartucho para reduzir a carga de pólvora, o introduz na câmara e dispara. Como esperado, a bala fica parada no cano.
Em seguida, ele pega um carregador cheio, coloca em rajada contínua e dispara o carregador completo. O cano nem estava com tiras vermelhas!
Operadores da 99ª Brigada de Operações Especiais, Comando de Operaciones Especiales General en Jefe Félix Antonio Velásquez, Exército da Venezuela.
Também na Venezuela, que havia comprado alguns exemplares do FAMAS, um dos chefes do departamento de testes se perguntou sobre a vida útil das armas. As unidades em seu poder dispararam 17.000 cartuchos sem nenhum sinal de desgaste.
Em um pequeno Estado da África austral, o FAMAS é apresentado às autoridades que solicitam tiros em alvos móveis. O alvo em questão consistia em uma placa de metal que um soldado robusto segurava no final de uma vara enquanto corria dentro de uma trincheira. Os demonstradores da MAS conseguiram colocar 23 dos 25 impactos no alvo, disparando em rajadas de três tiros.
Legionário do 2e REI na Arábia Saudita durante a Operação Escudo no Deserto, 1990.
Durante a Guerra do Golfo em 1990, uma competição-avaliação entre materiais diversos foi organizada nos Emirados Árabes Unidos. O FAMAS ficou em segundo lugar e, quando a tempestade de areia começou a soprar, ele se classificou em primeiro lugar, sendo o único a resistir à areia devido à ausência de trancamento da culatra.
- Jean Huon, Le Famas et son histoire, pg. 104-105. Crépin-Leblond Éditions, 2010.