quinta-feira, 29 de setembro de 2016

NOVO JATO DE TREINAMENTO BOEING T-X

VÍDEO PROMOCIONAL DA BOEING PARA SEU T-X

Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

A-222 BEREG. Fogo pesado contra invasores costeiros.


FICHA TÉCNICA 
Tripulação: 8 homens.
Motor: Um motor D12A-525 Diesel  com 525 hp de força.
Peso: 43,7 toneladas (carregado).
Comprimento: 12,95 m
Largura: 3,01 m.
Altura: 3,93 m.
Autonomia: 650 km.
Velocidade: 60 Km/h em estrada.
Obstáculo vertical: 0,60 m
Trincheira: 1,83
Inclinação frontal: 60º
Inclinação lateral: 30º
Armamento: Um canhão modelo AK-130  de 130 mm. Veiculos de apoio uma metralhadora PKT em calibre 7,62 X 54 mm
Alcance das granadas: 27 km

DESCRIÇÃO
Por Anderson Barros
Quando falamos de sistemas de defesa costeira da Rússia nos vem em mente os sistemas baseados em misseis como o sistema BAL-E que utiliza misseis KH-35 ou o monstruoso Bastion que emprega os misseis  P-800 Oniks mas, poucos sabem que a Rússia utiliza um sistema de defesa costeira baseado em artilharia autopropulsado. Esse sistema se chama A-222 Bereg (Costa).
O sistema de Artilharia de defesa costeira A-222 Bereg de 130 mm foi desenvolvido no final da década de 1980. A missão principal deste sistema de artilharia  é deter embarcações inimigas como navios, lanchas ou hovercraft,  evitando que as mesmas desembarquem tropas inimigas nas praias. O Bereg também pode ser usado como artilharia para destruir alvos em terra. O desenvolvimento do A-222 Bereg foi tido como um complemento de baixo custo aos sistemas de misseis de defesa de costeira. O Bereg foi revelado ao publico pela primeira vez em 1993 e as primeiras unidades entraram em serviço dez anos depois, onde também começou a ser oferecido ao mercado de exportação, sendo que, no entretanto, não obteve, ainda, vendas no mercado externo.

Acima: Projetado para cobrir a lacuna de alcance que os mísseis anti navio de defesa costeira russos não são capazes de cobrir, o A-222 Bereg é um sistema de artilharia sem um concorrente direto.
Seu armamento e composto por um canhão de uso naval AK-130 de 130 mm com carregamento automático o que fornece uma excelente taxa de disparo de 12 tiros por minuto. Graças a essa taxa de disparo o mesmo pode ser utilizado como artilharia atingindo alvos em terra ou no mar mas também podendo ser utilizado na função antiaérea. O AK-130 utiliza munição HE (Alto explosivo), HE FRAG (alto explosivo com fragmentação) ou munição antiaérea 3P (Pre-Fragmented, Programmable, Proximity). Existe a opção de se usar munições inteligentes para garantir uma maior precisão e uma menor margem de erro do ponto de impacto. Cada veiculo  possui um estoque de 40 granadas no seu interior.  O alcance máximo doo canhão e de 27 km.
O canhão e montado em uma torre rotativa capaz de girar 360° onde também estão armazenados o sistemas de carregamento automático e o cofre de munições. Os veículos de artilharia não possuem armamento secundário e os veículos de controle de fogo e apoio são armados com um metralhadora coaxial PKT em calibre 7,62 X 54 mm que dispara a uma cadência de 800 tiros por minuto.
Acima: Utilizando um canhão naval AK-130 com carregamento automático, o A-22 Bereg consegue impor uma cadência de 12 tiros por minuto.
As informações sobre os alvos são fornecidas pelo veiculo de comando e controle no qual pode acompanhar  4 alvos simultaneamente e a bateria pode atacar 2 alvos diferentes ao mesmo tempo. A bateria também pode receber informações via data link de outros vetores tais como navios, aeronaves ou até mesmo satélites. Porem em caso de necessidade cada veiculo de artilharia pode realizar disparos de forma independente selecionando seus próprios alvos. Os  A-222 Bereg pode operar de forma dispersa com uma distancia de um quilômetros  entre cada veiculo o que fornece uma maior proteção em caso de ataque e  uma maior cobertura na área a ser defendida pelo sistema.
Acima: O controle de fogo é executado, normalmente pelo veículo de comando equipado com sistemas que lhe permitem acompanhar quatro alvos simultaneamente.
Todo o sistema  A-222 Bereg e montado sobre um caminhão MAZ-543 8x8 equipado com um motor a diesel D12A-525  que desenvolve uma potencia de 525 Hp, levando o veículo a uma velocidade máxima de 60 km/h em estrada. A autonomia  está em 680 km. Uma bateria opera geralmente entre seis e oito veículos  de artilharia um veículo de comando-controle, um veículo de comunicações, e veículos de apoio e remuniciadores.
Acima: O veículo de serviços de combate fornece energia elétrica para a bateria de artilharia, assim como acomodação para a tripulação que opera todo o sistema.
O A-222 Bereg é um veículo projetado para uma missão da qual ele não encontra um concorrente direto no mercado. A Rússia acertou em cheio produzindo um sistema de artilharia que, embora tenha como missão primária a defesa costeira, pode , sem problemas operar em situações "normais" que outros sistemas de artilharia operam. A possibilidade de emprego de granadas guiadas garante uma precisão que normalmente só é conseguida por mísseis, bem mais caros.
Acima: A opção de uso de um caminhão MAZ-543 configurado com tração 8X8  permite ótimo desempenho de estrada e ainda operar em terrenos irregulares com boa desenvoltura.


VIDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

CLASSE UDALOY/ PROJECT 1155 FREGAT. O predador anti-submarino


FICHA TÉCNICA
Tipo: Destróier anti-submarino/ anti-superfície.
Tripulação:  Udaloy I: 249 homens; Udaloy II: 290 homens
Data de comissionamento: Dezembro de 1980
Deslocamento: 6700 Toneladas (carregado).
Comprimento: 163 mts.
Calado: 6,2 mts.
Boca: 19,03 mts.
Propulsão: 2 turbinas a gás M-62 que produzem 15000 hp cada, usada para manter a velocidade de cruzeiro, mas 2 turbinas M-8KF com 45000 hp cada, usada para acelerações.
Velocidade máxima: 35 nós (64 km/h).
Alcance: 19400 Km  em velocidade de cruzeiro baixa (14 nós, 26 km/h).
Sensores: UDALOY I:  Radar de busca aérea MR-700 Fregat MA Top Plate 3D com alcance máximo de 300 km; Radar de busca de superfície e aérea: MR-320M Topaz V Strut Pair com alcance de 50 km contra alvos de superfície e 267 km contra alvos aéreos; radar de controle de fogo MR-360 Podkat; Sonares: Sonar de baixa frequência Horse Jaw Bow, Sonar Horse tail VDS.
UDALOY II: Radar de busca aérea: MR-700 Fregat A Top Plate 3D com alcance máximo de 300 km; Radar de busca de superfície e aérea: MR-320M Topaz V Strut Pair com alcance de 50 km contra alvos de superfície e 267 km contra alvos aéreos; radar de controle de fogo MR-360 Podkat; radar de controle de fogo 3P37/Hot Flash; Sonares: suíte de sonar Zvezda-2 com sonar de casco MGK-345 Yake Bow, Sonar de baixa frequência Ox Tail LF
Armamento: UDALOY I:  2 canhões calibre 100 mm/ 70DP; 4 canhões AK-630 calibre 30 mm; 8 lançadores verticais para mísseis antiaéreos SA-N-9 Gauntlet (64 mísseis), 2 lançadores quádruplos de mísseis SS-N-14 Silex anti-submarino, 2 lançadores de foguetes RBU-6000 anti-submarinos, 2 lançadores quádruplos para torpedos de 533 mm SET-65 ME. UDALOY II: 2 lançadores quádruplos para mísseis anti-navio SS-N-22 Sunburn; 8 lançadores verticais para mísseis antiaéreos SA-N-9 Gauntlet (64 mísseis); 2 sistemas anti aéreos de ponto Kashtan; 1 Canhão duplo AK-130 em calibre 130 mm; 4 lançadores quadruplos de torpedos de 533 mm que podem ser armados com mísseis anti-submarinos 2  RPK-2 Viyuga/SS-N-15; 2 lançadores de foguetes RBU-6000 anti-submarinos, 2 lançadores de foguetes UDAV-1 anti-submarino.
Aeronaves: 2 helicópteros anti-submarino Kamov Ka-27PL Helix.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S. Junior
A marinha russa possui muitos navios que são herança do período da guerra fria. Isso é mais perceptível quanto tratamos dos navios de maior porte como cruzadores e destróieres. Logo após a dissolução da União Soviética, a economia russa estava em frangalhos e a manutenção de todas as suas forças armadas foi muito dificultada com a queda do orçamento de defesa naquele momento. Assim, o desenvolvimento de novos sistemas de armas acabou sendo deixado para um momento posterior a recuperação econômica do país. O foco deste artigo trata de um dos navios que marcam uma época da marinha soviética e que hoje, depois de atualizações, continua em serviço na marinha russa. O projeto 1155 Fregat, mais conhecido no ocidente como Classe Udaloy,  teve seu desenvolvimento iniciado em 1972 e tinha objetivo de construir uma classe de destróier especializado na guerra anti-submarino. Estes poderosos navios de guerra, projetados pelo estaleiro Severnoye Design Bureau, começaram a ser construídos em 1978 pelo estaleiro Zavod 820 Yantar com o objetivo de prover proteção anti-submarino contra as forças navais da Otan que estavam em franca expansão e cuja esquadra de submarinos já preocupavam o comando da marinha russa. O primeiro navio desta classe foi batizado de Udaloy e foi comissionado em 1980 sendo seguido por mais 12 embarcações da mesma classe.
Acima: Um navio da classe Udaloy aparece ao lado de um dos novos submarinos nucleares da classe Yasen
A marca registrada dessa classe é seu forte armamento para guerra anti-submarino composto por dois lançadores quádruplos de mísseis anti-submarino SS-N-14 Silex. Este enorme míssil montado dos dois lados do passadiço do navio tem um alcance de 90 km e podem transportar uma variedade de três cargas de combate como o torpedo AT-2UM, cargas de profundidade nucleares de 5 kilotons (kt), capazes de destruir um submarino a grande distancia, ou uma ogiva moldada de alto explosivo convencional que pode ser usada contra um navio. O Udaloy está equipado com dois lançadores de foguetes não guiados RBU-6000 Smerch 2 anti-submarino. Estes foguetes tem alcance de 6000 metros e transportam cargas de profundidade de 25 kg. Há, ainda, dois lançadores com quatro tubos para torpedos pesados de 533 mm SET-65ME cujo alcance é de 15 km. Mesmo sendo um navio projetado com forte ênfase na capacidade anti-submarino, o Udaloy tem 8 lançadores verticais para mísseis de defesa antiaérea de ponto SA-N-9 Gaultlet guiados por comando de radio e com alcance de 12 km. Estes excelentes mísseis possuem uma probabilidade de acerto (KP) de 95% contra aeronaves de asas fixas e uma eficiência similar contra mísseis de cruzeiro ou bombas planadoras que ataquem o navio.
O principal armamento de tubo instalado nos destróieres da classe Udaloy é composto por dois reparos com 2 canhões calibre 100 mm/ 70DP em calibre 100 mm capaz de disparar até 50 tiros por minuto e atingir um alvo a 20 km de distancia. O Udaloy possui dois hangares para operação de dois helicópteros anti-submarino Kamov Ka-27PL Helix que prestam um grande apoio na luta anti-submarino, com seus sistemas embarcados.
Acima: Nesta foto podemos ver com clareza os lançadores quádruplos de mísseis SS-N-14 Silex usados para destruir submarinos inimigos. Na versão Udaloy II, estes misseis foram substituídos pelo potente SS-N-22 Sunburn (Moskit).
No que diz respeito aos sensores, o Udaloy está equipado com um radar tridimensional de busca aérea MR-700 Fregat MA Top Plate com alcance máximo de 300 km contra alvos aéreos de grandes dimensões (um bombardeiro B-52, por exemplo) e em alta altitude. A busca de superfície fica a cargo de um radar MR-320M Topaz V Strut Pair cujo alcance é de 50 km. Este radar tem capacidade de busca aérea também, porém com alcance de 180 km, contra alvos grandes e em alta altitude. O radar de controle de fogo para os mísseis Gauntlet é o MR-360 Podkat/ Cross Sword.
A sistema de detecção anti-submarina é feita pela suíte de sonar Polinom composto pelos sonares Horse Jaw e o Horse tail que operam em baixa frequência.
Acima: O radar tridimensional MR-700 Fregat MA Top Plate, embora seja um sensor antigo e menos capaz que os equipamentos atuais, ainda é bem comum nos navios de guerra de origem soviética.
Com um deslocamento de 6700 toneladas quando tolamente carregado, o Udaloy consegue uma velocidade máxima de 35 nós (64 km/h) conseguida pela combinação de duas turbinas a gás M-62 mais duas turbinas, também a gás M-8KF, que movem dois eixos e suas respectivas hélices produzindo 120000 Hp de potencia total. Sua autonomia chega 19400 km o que somado ao excelente desempenho marinheiro do navio o coloca como um perigoso inimigo em uma batalha naval. Seu desempenho é superior ao do navio da classe Arleigh Burke, da marinha norte americana.
Acima: O desempenho de navegação dos navios desta classe é excepcional. Além de uma velocidade maior, ele também tem muito maior alcance que seus similares ocidentais.

UDALOY II
O Udaloy possui uma versão mais avançada, modificada para otimizar sua capacidade anti-navio. Esta versão, batizada de Project 1155.1 Fregat II e é conhecido na OTAN por Classe Udaloy II
As modificações nesta versão em relação ao Udaloy I são visíveis nos sistemas de armas e de sensores, sendo que a propulsão se manteve inalterada.  Assim, no que se refere ao armamento, o Udaloy II teve os mísseis SS-N-14 Silex, substituídos pelo potentíssimo míssil anti-navio SS-N-22 Sunburn (Moskit) lançados pelos mesmos lançadores quádruplos. Este míssil tem como característica sua elevadíssima velocidade de cruzeiro que atinge 2300 km/h em perfil de voo sea skimming (rasante ao mar) e possui um alcance de 250 km. Com uma ogiva de 320 kg de alto explosivo ou uma ogiva nuclear de 120 kt, este míssil é quase impossível de ser abatido pelas defesas antimíssil do inimigo. Outro míssil anti-submarino transportado pelo navio Udaloy II é o SS-N-15 Starfish (RPK-2 Viyuga) lançado de dois lançadores quádruplos de torpedos de 533 mm. Este míssil tem alcance de 45 km e usa um torpedo Type 40 próximo a área onde o alvo for detectado para que ele possa iniciar a busca pelo seu próprio sonar. 
O míssil SA-N-9, também usado na versão Udaloy II,  está apoiado por dois sistemas antiaéreo Kashtan que é composto por dois lançadores de míssil SA-N-11 Grisom com alcance de 8 km e 2 canhões GSH- 30K de 6 canos rotativos de 30 mm que são usados contra mísseis e outros projéteis de precisão que sejam lançados contra o navio. O alcance dos canhões do sistema Kashtan é de 3,5 km. O navio Udaloy II teve os dois canhões  calibre 100 mm/ 70DP substituídos por um único reparo com 2 canhões AK-130 DP cujo alcance aumentou para 23 km, porém com o sacrifício da cadencia de tiro que caiu para 40 tiros por minuto. Outro novo armamento anti-submarino  incorporado ao Udaloy II foram  dois lançadores de foguetes UDAV-1 anti-submarino que pode ser usado contra submarinos, torpedos que se aproximem e mergulhadores inimigos.
Acima: O Udaloy II teve apenas um exemplar construído. Externamente a maior diferença está na ausência de um dos canhões de 100 mm e nos lançadores quádruplos para mísseis antinavio SS-N-22 Sunburn.
Como mencionado antes, além do armamento, os sistemas eletrônicos também tem algumas diferenças entre a versão Udaloy I e Udaloy II. O Udaloy II usa um radar de busca aérea MR-700 Fregat A Top Plate 3D, cujo alcance máximo é o mesmo do modelo MA usado no navio mais antigo.
O radar de busca de superfície continuou sendo o MR-320M Topaz V Strut Pair, assim como os radares de controle de fogo MR-360 Podkat/ Cross Sword. Porém, com o sistema Kashtan, um outro tipo de radar de controle de fogo precisou ser instalado; o 3P37 Hot Flash  com duas antenas, foi adicionado para gerenciar o controle de tiro deste sistema de armas.
A sistema de detecção anti-submarina é feita pela suíte de sonar Zvezda-2 capaz de detectar um submarino inimigo a 100 km de distancia com os sonares com sonar de casco MGK-345 Yake Bow, Sonar de baixa frequência Ox Tail LF
Acima: Os navios da classe Udaloy possem um heliporto e dois hangares para operar dois helicópteros anti-submarino KA-27PL Helix
Embora seja um navio com desenho antiquado frente aos modernos navios com características furtivas em uso atualmente, o Udaloy, tem em seu forte armamento e seu excelente desempenho uma letalidade válida que deve impor respeito nas marinhas inimigas da Rússia.
Devido a incerta situação da industria naval russa, é provável que estes grandes navios de guerra permaneçam em serviço por muitos anos ainda. O Udaloy II teve apenas um exemplar construído e o sucessor destes velhos navios de guerra ainda não está em um horizonte visível. Novos navios de guerra como fragatas e cruzadores estão nos planos da marinha russa para recuperar sua capacidade e diminuir o gap tecnológico frente as marinhas ocidentais, porém, não está claro se algum deles assumirá a posição dos destróieres da classe Udaloy na marinha russa.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

TOP GUN ou ASES INDOMÁVEIS - Um filme que marcou época para muitos

Em 10 de julho de 1986 estreava no cinema o filme Top Gun, que no Brasil se chamou Ases Indomáveis. Para muito de nós, aficionados por aviação militar, foi o filme mais importante do mundo!. Independentemente de clichês clássicos de Hollywood, a verdade incontestável é que as cenas gravadas com aeronaves de verdade, são, até hoje as mais perfeitas já feitas de combates aéreos. O único filme que chegou bem perto em qualidade nesse quesito foi o Le Chavalier Du Ciel ou "cavaleiros do Ar" onde caças Mirage 2000 são gravados em sequencias magníficas. Fiquem com um excelente clipe que mostra a musica tema do filme Top Gun e cenas fantásticas do filme.

domingo, 11 de setembro de 2016

TEXTRON AIRLAND SCORPION. O veneno em doses pequenas.

FICHA TÉCNICA
Velocidade máxima: Mach 0,67 (830 km/h).
Velocidade de cruzeiro: Mach 0,60 (735 km/h).
Razão de subida: 1500 m/min. (estimado)
Potência: 0,44 (só com combustível interno e desarmado).
Carga de asa: 61,18 lb/ft².
Fator de carga: 6,0 G. (estimado)
Taxa de giro instantânea: 13º/s. (estimado)
Razão de rolamento: 190º/s. (estimado)
Teto de serviço: 14000 m.
Raio de ação/ alcance:  1600 km/ 4443 km
Empuxo: 2 motores turbofans sem pos combustão Honeywell TFE731 1830 kgf de empuxo cada.
DIMENSÕES
Comprimento: 13,41 m.
Envergadura: 14,33 m.
Altura: 4,27 m.
Peso: 5352,39 kg.
Combustível Interno: 2721,55 lb.
ARMAMENTO
2800Kg de cargas externas divididas em 6 pontos fixos nas asas. Misseis ar superfície AGM-114 Hellfire, Bombas guiadas a laser GBU-12 Paveway II, Bombas guiadas por GPS GBU-39 SDB, Casulos de foguetes não guiados de 70 mm, casulos com metralhadoras de 7,62 mm e de 12,7 mm (.50) e bombas MK-82 de queda livre.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior
O pequeno e "estranho" jato de ataque leve e treinamento  Scorpion desenvolvido pela AirLand em conjunto com a poderosa empresa Textron, como uma iniciativa privada, tem como objetivo, oferecer uma aeronave de ataque de baixíssimo custo de aquisição e operação para forças aéreas com orçamento muito restrito e para a Guarda Aérea Nacional dos Estados Unidos além de uma solução para treinamento para futuros pilotos de aeronaves de combate de primeira linha.
A AirLand se juntou com a Textron em 2011 para desenvolver e construir o pequeno jato atacante de modo que o primeiro protótipo foi apresentado ao público em setembro de 2013. Um desenho particularmente "exótico, com uma asa alta extremamente estreita, e configurado com deriva dupla e inclinada para fora. O primeiro voo foi feito pouco tempo depois de sua apresentação tendo ocorrido em dezembro de 2013.
Acima: Com um desenho exótico, o pequeno jato Scorpion se assemelha a uma aeronave experimental.
Para ser economicamente competitivo, o Scorpion possui uma grande simplicidade. A aeronave está equipada com dois motores turbofans Honeywell TFE731 que operam exclusivamente com empuxo seco (sem pós combustão) e que produzem 1830 kgf de força cada, permitindo a aeronave atingir uma velocidade máxima de 830 km/h. É um desempenho modesto quando comparamos com os modernos caças de 4º geração, mas temos que ter em mente que o objetivo do Scorpion é fornecer uma plataforma de vigilância e ataque leve a um custo baixo de aquisição (a aeronave custa menos de U$ 20 milhões cada) e com um custo de hora voo muito mais baixo que a de um caça de alto desempenho (U$ 3000,00 a hora de voo contra U$ 6000,00 que custa a hora de voo de um F-16C).
O desempenho de manobra é bastante modesto, tanto que os dados oficiais simplesmente não omitidos na ficha técnica publicada pelo fabricante. Porém, assistindo a uma demonstração de voo e alguns vídeos de testes, eu estimo que a celula da aeronave seja capaz de suportar 6 Gs e  atingir uma taxa de giro instantâneo na ordem de 13º/seg ou pouco menos. Para poder ter uma maior simplicidade possível, a Textron AirLand abriu mão de instalar um sistema FBW (Fly By Wire) de controle de voo o que explica em parte as limitações deste projeto frente a jatos de maior desempenho.
Acima: O Scorpion não faz uso de um sistema de controle de voo computadorizado. Essa opção teve objetivo de simplificar o projeto e baratear o processo de desenvolvimento.
O Scorpion foi projetado com um compartimento interno de carga que pode ser usado para transportar armas ou mesmo, sistemas e sensores. Neste ponto, um protótipo do Scorpion tem sido apresentado em exposições com uma torreta FLIR retrátil posicionada abaixo do cockpít da aeronave, capaz de fornecer imagens infravermelho do alvo. Outro sistema integrado é o radar de abertura sintética I-Master fornecido pela Thales que permite rastrear movimento de infantaria ou veículos em terra a distancias de 20 km em absolutamente qualquer condição de tempo ou de luminosidade. O Scorpion tem um equipamento de GPS integrado a um mapa móvel e o cockpit é compatível com o uso de óculos de visão noturna.
Acima: O sistema de radar I-Mast fornece uma capacidade especial de detecção de alvos em terra que dá ao Scorpion uma capacidade de consciência situacional bastante favorável no campo de batalha.
Acima: O cockpit do Scorpion foi projetado para garantir uma otimização da interface homem/ maquina de forma a reduzir a carga de trabalho do piloto.
O Scorpion tem capacidade de transportar 2800 kg de cargas em suas asas divididas em 6 pontos fixos (3 em cada asa). Como se poder presumir, por se tratar de um jato leve, as armas que podem ser empregadas também são leves. Fazem parte do arsenal que pode ser empregado no Scorpion, mísseis  ar superfície AGM-114 Hellfire, uma arma guiada a laser cujo alcance é de 7 km, por tanto fora do alcance dos canhões antiaéreos e ele é capaz de destruir, simplesmente, todos os tanques de guerra existentes. Outra arma muito eficiente que pode ser empregada pelo Scorpion é a bomba GBU-12 Paveway II de 230 kg guiada a laser. Esta arma tem sido pesadamente empregada em todas as guerras recentes contra pequenas edificações, viaturas inimigas, com muito sucesso. Casulos de foguetes de 70 mm e casulos com metralhadoras também podem ser empregados pelo Scorpion. Não foi mencionado em nenhuma fonte pesquisada a possibilidade de emprego de armas ar ar, deixando a capacidade de abater aeronaves inimigas a cargo de armas de tubo como metralhadoras em casulos. Porém, acredito que seja relativamente fácil integrar um míssil derivado de um MAMPAD (míssil anti aéreo lançado do ombro, como o Stinger ou o Mistral em um lançador sob a asa,. o que melhoraria a letalidade da aeronave para interceptação de aeronaves de baixa performance.
Acima: O Scorpion possui 3 pontos fixos em cada asa que, embora não tenha uma grande capacidade de carga, ainda sim pode operar armas muito eficazes como o potente míssil AGM-114 Hellfire e a bomba laser guiada GBU-12 paveway II.
O Scorpion é uma alternativa para um avião de baixo custo que poderia executar missões, que hoje são desempenhadas por aeronaves turboélices, com desempenho levemente melhor. Quando comparamos o Scorpion com o avião AT-29 Super Tucano, temos que o Scorpion apresenta um desempenho pouco melhor em missões de ataque, mas que, se usado para interceptar aeronaves de baixa performance, tem um desempenho bem melhor que do Super Tucano por conta de sua maior velocidade de cruzeiro e mesmo final. Eu tenho a opinião que seria mais interessante usar um moderno jato de treinamento avançado como o YAK-130 ou o M-346 para a mesma missão do Scorpion,  e o mais interessante é que o YAK-130, em especial, tem um custo de U$ 15 milhões cada (preço de prateleira) e é, efetivamente, uma aeronave superior. Do meu ponto de vista, o potencial de mercado para o Scorpion foi superestimado pela Textron AirLand e minha previsão é que esta aeronave não tenha sucesso comercial justamente por causa da disponibilidade de aeronaves superiores a um preço similar.
Acima: Ainda houve um comprador para o Scorpion, e embora exista um otimismo do fabricante sobre seu potencial de mercado, eu não compartilho do mesmo sentimento. Há aeronaves superiores a um custo equivalente no mercado.

ABAIXO TEMOS UM VÍDEO DE APRESENTAÇÃO DO SCORPION


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

FORÇA DE MBTs RUSSOS EM AÇÃO.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

NOVO R-105 - Um golpe contra o direito do cidadão brasileiro

É inadmissível que o Exército Brasileiro tenha uma postura igual a dos políticos do país e joguem também contra seu povo, nos tratando com humanos de segunda categoria. Muitos civis entendem mais de armas, e sabem manusear melhor que 90% do efetivo do Exército Brasileiro. Todos deveríamos ser do mesmo time.... jogar do mesmo lado. Porém não é isso que a pessoa que teve o azar de nascer no Brasil tem que encarar. Aqui, o povo tem que lutar CONTRA o Estado e contra o EXÉRCITO que nos tratam como se fôssemos idiotas e não TIVÉSSEMOS O DIREITO INALIENÁVEL a defesa e a posse de armas.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

MAIS FOLEGO PARA O F-15 DA USAF.


A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) não conseguiu convencer as autoridades políticas a pagar o preço de ter um numero adequado dos caros caças F-22A Raptor, e agora, enfiada em um programa caríssimo para aquisição do problemático F-35, cujo desenvolvimento apresenta um significativo atraso e aumento de custos, se vê obrigada a investir U$ 12 Bilhões de dólares para modernizar, pesadamente seus velhos F-15 com novos sensores e sistemas, além de ampliar a capacidade de transporte de armas de 8 para 16 mísseis, e assim opera-los até 2040. O problema é que o desenvolvimento dos caças russos e chineses, tem atingido uma grande aproximação das capacidades de combate que a décadas mantém a hegemonia do domínio aéreo norte americano, a colocando em risco de ser perdida em curto ou médio prazo.

PARABÉNS BRASIL.