quarta-feira, 27 de abril de 2022

Milicianas cubanas com submetralhadoras tchecas

Plaza de la Revolución em Havana, Cuba, maio de 1963.
(Alberto Korda)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de abril de 2022.

Fotos de milicianas cubanas tiradas por Alberto Korda. Elas usam boinas e uniformes azuis claros e escuros, e portam as submetralhadoras tchecas Sa 23, que eram de dotação padrão da nova milícia cubana.

O modelo CZ 25 (corretamente, Sa 25 ou Sa vz. 48b/samopal vz. 48b - samopal vzor 48 výsadkový, "modelo de submetralhadora ano 1948 para") foi talvez o modelo mais conhecido de uma série de submetralhadoras projetadas pela Tchecoslováquia, introduzidas em 1948 Havia quatro submetralhadoras geralmente muito semelhantes nesta série: as Sa 23, Sa 24, Sa 25 e Sa 26. O projetista principal foi Jaroslav Holeček (15 de setembro de 1923 a 12 de outubro de 1997), engenheiro-chefe da fábrica de armas Česká zbrojovka Uherský Brod.

A Sa 23-26 tinha um ferrolho telescópico e foi a base para o projeto da submetralhadora Uzi israelense. Sua emissão foi ampla na milícia e as metralletas foram uma visão comum durante a Batalha da Praia Girón na Baía dos Porcos, em 1961.

"La Miliciana",
foto de Alberto Korda da cubana Idolka Sánchez, 1962
.

Samopal 25 de perfil.

Milicianas cuidando da aparência, 1962.

Capa do manual dos milicianos cubanos
após o recebimento dos fuzis Kalashnikov.

Alberto Korda

Alberto Díaz Gutiérrez, mais conhecido como Alberto Korda ou simplesmente Korda (14 de setembro de 1928 – 25 de maio de 2001), foi um fotógrafo cubano, lembrado por sua famosa imagem Guerrillero Heroico do revolucionário marxista argentino Che Guevara. A imagem tornou-se um símbolo da esquerda socialismo mundialmente e é famosa por estampar camisetas.

Guerrillero Heroico.
O famoso retrato de Che Guevara tirado por Alberto Korda em 1960.

Bibliografia recomendada:

The Bay of Pigs:
Cuba 1961.
Alejandro de Quesada e Stephen Walsh.

Leitura recomendada:


FOTO: Mulheres cubanas em Angola29 de março de 2022.

FOTO: Vespa cubana, 13 de janeiro de 2022.

FOTO: Guardando o Campo de Batalha8 de setembro de 2021.

sábado, 23 de abril de 2022

Relatório alemão põe em dúvida a escala de seu apoio de armas à Ucrânia


Por Philip Oltermann, The Guardian, 21 de abril de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de abril de 2022.

Afirma que apenas três dos 15 tipos de armas solicitados agora na lista oficial provavelmente adicionarão combustível à disputa diplomática.

O gabinete do chanceler da Alemanha riscou várias armas pesadas de uma lista de desejos de equipamentos militares que se ofereceu para comprar de sua indústria de armamentos em nome do governo ucraniano, de acordo com uma reportagem na mídia alemã que põe em dúvida a alegação de Olaf Scholz de ter concordado com o processo de aquisição com Kiev.

Em uma entrevista coletiva na noite de terça-feira, Scholz disse que pediu a fornecedores de armas que apresentassem uma lista de sistemas de armas que poderiam ser entregues rapidamente para impulsionar o esforço defensivo da Ucrânia depois que as forças armadas alemãs esgotaram seus próprios estoques.

“A Ucrânia agora fez uma seleção desta lista e forneceremos o dinheiro necessário para a compra”, disse Scholz.

De acordo com uma reportagem do jornal alemão Bild na quinta-feira, a oferta da indústria em meados de março ainda incluía várias armas pesadas que Kiev diz necessitará para resistir à ofensiva russa no leste do país, incluindo veículos de transporte blindados Boxer, o sistema de artilharia Panzerhaubitze (PzH) 2000, e o tanque de batalha Leopard 2 fabricado pela empresa de defesa Krauss-Maffei Wegmann, com sede em Munique.

Quando a lista, intitulada “Indústria de opções de apoio – consolidada”, foi submetida ao governo ucraniano no final de março, o Bild disse que havia diminuído de 48 para 24 páginas e incluía apenas três dos 15 tipos de armas solicitados por Kiev. Dois pedidos de acompanhamento do governo ucraniano em 9 e 16 de abril teriam sido ignorados pelo lado alemão.

É provável que o relatório acrescente mais combustível a uma disputa diplomática na qual o governo de coalizão de Scholz diz que está fazendo tudo ao seu alcance para ajudar a Ucrânia a resistir ao ataque da Rússia, enquanto diplomatas ucranianos acusam Berlim de protelar remessas de armas por medo de provocar Putin em escalar a guerra.

A lista de produtos da indústria que a Alemanha diz que pagará inclui algumas máquinas modernas, como sistemas de radar, estações de armas de controle remoto que podem ser montadas em tanques ucranianos e veículos de transporte blindados.

A ministra das Relações Exteriores alemã, Annalena Baerbock, disse na quarta-feira que seu governo havia optado no passado por não tornar públicas todas as suas exportações de armas para a Ucrânia.

“Entregamos mísseis antitanque, Stingers e outras coisas sobre as quais nunca falamos publicamente, então essas entregas podem acontecer rapidamente”, disse ela.

Citando fontes governamentais anônimas, a Bloomberg informou que a Alemanha forneceria às tropas ucranianas treinamento e munição para o PzH 2000, um sistema de artilharia autopropulsado de fogo rápido, que a Holanda está enviando para a Ucrânia. Scholz não mencionou o acordo com a Holanda em seu discurso na terça-feira.

Museu da Baía dos Porcos: Playa Girón, Cuba


Por Rob KrottSmall Arms Review, 19 de junho de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de abril de 2022.

“Não, não, los mercenarios eram Yanquis... não cubanos!” Esta foi apenas uma das pequenas propagandas que ouvi na minha primeira visita a Cuba. Comigo (e compartilhando minha incredulidade com tais declarações) estava meu velho amigo Jerry Lee, um paraquedista e reservista da polícia militar. “The Guner”, como é conhecido, trabalha na indústria automobilística e atua como DJ de rádio rock n’ roll. Um usinador talentoso, ele construiu legalmente sua própria metralhadora Browning 1919 e pode ser contado para solucionar qualquer problema mecânico de armas de Classe III.

Morte aos imperialistas Yanquis!

Prisioneiros da Brigada 2506 guardados por fidelistas cubanos.
O homem à direita tem um FN FAL.

Depois de ler nossa história, incluindo o exemplar de Jerry do livro The Bay of Pigs: the Leaders’ Story of Brigade 2506, de Haynes Johnson, queríamos ver o local do desembarque em primeira mão. Deslizando ao motorista e ao guia turístico US$ 10 cada, ficamos felizes em deixar os outros turistas para trás. Enquanto nadavam na Playa Larga, que fica na cabeceira da Bahia de Cochinos, a Baía dos Porcos, demos um mergulho na história da Guerra Fria. Ficava a vinte minutos de carro da Bahia de Cochinos, conhecida pela maioria dos cubanos como Playa Girón, em homenagem a Gilbert Giron, um pirata francês que desembarcou lá no século XVII. Contornamos o Parque Nacional de la Cienega de Zapata (Zapata Marshlands Park), uma região selvagem praticamente intocada que abriga 80% da fauna de Cuba, incluindo um grande número de crocodilos. Playa Larga fica na cabeceira da Baía dos Porcos. Foi aqui que uma força de exilados cubanos apoiada pela CIA, a Brigada 2506, invadiu Cuba em 17 de abril de 1961. Negado apoio aéreo suficiente pelo presidente Kennedy, a invasão falhou. A maioria dos homens da Brigada 2506 foram mortos ou capturados. Muitos foram posteriormente executados. Alguns tentaram atravessar os pântanos de água salgada infestados de crocodilos da Cienega de Zapata e morreram. Após a invasão, uma tentativa subsequente dos soviéticos de instalar mísseis balísticos de médio alcance com capacidade nuclear em Cuba provocou a Crise dos Mísseis Cubanos de 1962.

O governo construiu um museu, o Museo de Girón, para comemorar a vitória cubana sobre os imperialistas americanos e seus “mercenários” cubanos. Os exilados cubanos da Brigada 2506 são identificados nas exposições do museu como pertencentes à “Organizacion de la Brigada de Asalto 2506 (mercenaria)”. Ao longo da estrada a caminho de Playa Girón há um outdoor de propaganda comemorando a invasão da Baía dos Porcos. “Playa Girón, primera gran derrota del imperialismo en America Latina” (Praia Girón, a primeira grande derrota do imperialismo na América Latina). Uma inserção mostra uma cena famosa de Castro pulando de sua peça de assalto autopropulsada soviética - um motivo popular na área. Estacionado em frente ao museu está um avião de combate britânico Sea Fury usado pela força aérea de Castro para atacar a força de invasão de exilados cubanos na praia durante a Baía dos Porcos. Eles também deram o inferno aos B-26 destinados a apoiar a invasão.

Fidel Castro comandando a batalha do seu SU-100.

Fidel Castro descendo de um T-34/85 dutante a batalha.

Passando pelos Sea Furry e uma bandeira cubana tremulando na brisa, compramos um ingresso e entramos. Visitamos o museu junto com um grupo de estudantes cubanos usando lenços vermelhos dos Jovens Pioneiros do Partido Comunista. Mais de um puxou a manga de um colega de escola e sussurrou “Yanquis” ou “Imperialistas”. Aqui, longe das armadilhas turísticas da praia de Varadero e Vedado (Havana), os cubanos levam muito a sério sua história política.

Fotografias dos soldados cubanos (na verdade, milicianos locais) mortos nos combates dominaram as exposições, ocupando uma parede inteira. As vitrines estavam cheias de muitos de seus pertences pessoais; uniformes, armas de porte, boinas e insígnias. Armas capturadas na invasão e usadas pelas forças cubanas, juntamente com vários itens de equipamento de campanha, encheram o resto do museu. Então, como aficionados por armas portáteis que colecionam uniformes e militaria, estávamos no céu. Jerry teve o prazer de confirmar em uma exibição que os cubanos da Brigada 2506 usavam uniformes de camuflagem de 13 botões de estrelas do USMC da década de 1950, enquanto eu cobiçava uma autêntica insígnia 2506 (uma bandeira cubana sobreposta a uma cruz branca) com aba. Estudando as fotos de milicianos recebendo armas ainda cobertas de graxa de embalagem, Jerry e eu determinamos que as Milicias, Nacionales Revolucionarias estavam armadas com uma miscelânea de fuzis M-1 Garand Beretta, Springfield 1903, Krag 1896 (o #31640 está em exibição no museu), os primeiros fuzis FN FAL 7,62mm e até uma pistola automática Remington .45. Os pilares eram fuzis tchecos Modelo 52 7,62mm, submetralhadoras soviéticas PPSh-41 e submetralhadoras tchecas Modelo 23 de 9mm - todos "comprados" às pressas pelo governo de Castro do Pacto de Varsóvia e emitidos às pressas para os milicianos, em sua maioria não treinados, da milícia cubana. Embora não fosse a melhor escolha de armas leves de combate disponíveis na época, elas eram adequadas para uso por camponeses analfabetos. O PPSh-41 é um projeto simples e ainda mais simples de operar, enquanto o Modelo 52 e o modelo 23 são projeto excelentes. A submetralhadora Modelo 23 compartilha muitos recursos únicos de projeto com a Uzi. Com sua seqüência de montagem/desmontagem extremamente simples, poderia ser entregue a milicianos não treinados com apenas um breve período de orientação e instrução. Uma submetralhadora de 9mm também não requer muito em termos de treinamento de pontaria!

Insígnia da Brigada Asalto 2506.

Semelhante ao MKb42(W) alemão, o modelo 52 tcheco (7,62mm tcheco) - os tchecos copiaram o sistema de gás exclusivo do MKb42 projetado por Walther - é semiautomático e, portanto, não é um verdadeiro fuzil de assalto. No entanto, com seu carregador de cofre destacável de 10 tiros e calibre pesado, era um páreo para os soldados da Brigada 2506 equipados com carabinas M-1 de calibre .30 e M1 Garands M-1 de 8 tiros.

É claro que também havia uma série de carabinas M-2, fuzis M-1 e pistolas automáticas Colt .45, cortesia do Exército dos EUA através do arsenal de Fulgencio Batista em uso pelos milicianos cubanos. As pistolas Colt 1911 .45 ACP foram usadas extensivamente em ambos os lados da revolução cubana e foram muito admiradas e cobiçadas. Castro é conhecido por ter carregado uma .45 durante a revolução (junto com um fuzil de caça Modelo 70 Winchester) e supostamente tinha a mesma peça com ele na Baía dos Porcos. Uma foto tirada por Lester Cole em Havana alguns dias após a derrubada triunfante do regime de Batista por Castro mostra Castro usando uma M1911 .45. As pistolas robustas e confiáveis continuaram a ser usadas por muitos soldados cubanos até que a distribuição generalizada de armas soviéticas começou. Vários dos M1911 que eu vi em coleções de museus cubanos ostentavam punhos personalizados e eram bem conservados - não é um trabalho fácil nos trópicos.

Milicianos com uma miscelânea de armamentos celebrando a vitória.

Milicianos e regulares posando com um barco capturado dos brigadistas.

Mas, os exilados invasores estavam armados com mais do que carabinas e pistolas. Como a tarefa da Brigada era garantir uma cabeça de praia e avançar para o interior, eventualmente dirigindo para Havana (como isso foi previsto, dadas as estradas ruins e a distância até a costa norte ainda me intriga), os pelotões de petrechos pesados estavam todos equipados. Armas pesadas capturadas na invasão e agora em exibição incluíam um morteiro M-30 4,2 “Four Deuce”, um canhão sem recuo de 75mm para trabalho antitanque e uma metralhadora Browning calibre .30. Uma pesada arma automática usada pela milícia cubana, uma metralhadora tcheca modelo 37 (ZB53) de 7,92 mm - precursora da metralhadora de tanque Besa de fabricação britânica - me causou problemas com uma das matronas do museu quando destravei a alça do cano de troca rápida/mecanismo de trancamento do cano. “Just czeching”, eu disse a ela.

Não é à toa que o Modelo 37 foi usado pelas forças de Castro na praia da Baía dos Porcos, pois o Modelo 37 foi fabricado em grande número expressamente para exportação. O ZB-37, também conhecido como Modelo 53 (ZB-53), tem uma cadência de tiro lenta (500 rpm) ou mais rápida (700 rpm), dependendo do seletor. Com uma alimentação à direita de 100 ou 200 tiros em correias metálicas, esta metralhadora pesada de 7,92mm provou ser um cavalo de batalha confiável em teatros de combate em todo o mundo. Também em exibição estava uma arma antiaérea de quatro canos (que acredito ser um ZSU-23-4 de modelo inicial) - teria sido um verdadeiro terror no papel de apoio terrestre se fosse usado para varrer a praia. Também pode ter contribuído para a derrubada dos B-26 perdidos durante a invasão, embora isso seja apenas especulação. Os zeladores do museu foram muito prestativos e surpresos ao ver a quantidade de tempo e atenção que demos às exposições. Eu não acho que eles tenham muitos veteranos militares americanos aqui.

Canhão anti-aéreo das FAR na Baía dos Porcos.

No caminho de volta para Varadero, paramos na Austrália, uma cidade batizada com o nome da empresa-mãe de sua usina de açúcar. Saltamos da minivan e começamos a procurar o antigo posto de comando de Castro durante a Baía dos Porcos. Sabíamos que era aqui na Austrália pelos livros de história e porque havia um outdoor ao lado da estrada anunciando isso. “Aqui esta comandancia de las FAR” (FAR: Fuerzas Armadas Revolucionarias - Forças Armadas Revolucionárias). Encontrar o prédio real usado como posto de comando de Fidel exigiu um pouco de perambulação, embora estivesse a apenas um quarteirão da placa. Todos, exceto nosso guia turístico, sabiam onde tinha estado. Lá encontramos uma pequena coleção de fuzis antigos, incluindo dois Winchesters e um Remington Rolling Block. Ambos provavelmente foram usados na Guerra Hispano-Americana.

Gostei muito da minha primeira visita a Playa Giron. Além de visitar o museu e caminhar pela praia, havia uma emoção inerente só de estar lá - no país que é o último, mais próximo e desafiador inimigo da Guerra Fria dos Estados Unidos da América.


Rob fez 3 visitas subsequentes ao Museu Playa Giron. Para leitura adicional sobre a Baía dos Porcos, consulte: The Bay of Pigs; the Leaders Story of Brigade 2506, Haynes Johnson, et al W.W. Norton Co. 1964, 1ª edição.

Este artigo apareceu pela primeira vez na revista Small Arms Review V3N7 (abril de 2000) e foi publicado online em 19 de junho de 2015.

Fotos do Museu

Outdoor de propaganda na Baía dos Porcos: "Playa Girón, a primeira grande derrota do imperialismo na América Latina". A inserção no "O" mostra uma famosa cena de Castro pulando da torre de um T-34/85.

O autor Rob Krott sentado em um antigo bunker e olhando para Playa Largo ao sul da Baía dos Porcos.

Material capturado dos brigadistas, incluindo uma submetralhadora M3 Grease Gun, um camuflado e uma insígnia.

Fuzil FAL com guarda-mão e coronha de madeira e submetralhadora SA 23 tcheca.

Cartão Postal de Cuba: "METRALLETAS", Ciudad Libertad 1960, La Habana, Cuba.

Browning .30 recuperada após o fracasso da invasão.

Exilados cubanos camuflados da Brigada 2506 são levados ao cativeiro ou à execução. Observe os fuzis FN FAL brandidos pelos milicianos.

As armas pesadas dominam o centro do salão do museu.

Pintura a óleo retratando a famosa cena de Castro pulando de um tanque T-34/85. Esta pintura está pendurada no Museu da Revolução em Havana.

quarta-feira, 20 de abril de 2022

Operação Amherst: O SAS francês prensa o inimigo no solo


Theatrum Belli, 8 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de abril de 2022.

Em 8, 9 e 10 de abril de 1945, como parte da Operação Amherst, o SAS francês, lançado de pára-quedas na Holanda, criou confusão entre os alemães, à beira da derrota.

Nessa noite de 7 a 8 de abril de 1945, o tempo não estava bom. O grupo de aviões, cerca de 60 aeronaves quadrimotores Stirling e Halifax do campo de aviação Riven Hall, na Inglaterra, sobrevoam a Bélgica, invisíveis sob uma espessa camada de nuvens.

Esta armada rugindo parecem com aqueles que, todas as noites, esmagar o Reich moribundo.

O mau tempo abala as aeronaves e torna o vôo difícil e perigoso. As tripulações do 38º Grupo da RAF temem o tanto a artilharia antiaérea aliada tanto quanto o FLAK alemão, mas naquela noite, estranhamente, os canhões antiaéreos de ambos os campos silenciaram. Por segurança, um pouco antes da vertical em Bruxelas, apagaram-se as luzes de pintainho que iluminam o interior das cabines geladas.

Esses aviões não carregam bombas destinadas às cidades alemãs, mas aos dois regimentos franceses de caçadores paraquedistas da brigada SAS. Eles devem saltar na Holanda mais tarde, por volta da meia-noite.

No final de março de 1945, a guerra se arrastava na Europa, apesar do início da primavera. No oeste, enfrenta-se o inimigo. O General Belchem, do  estado-maior do 21º Corpo, que constitui a ala esquerda dos exércitos aliados, recebe diretrizes imperativas: “O 1º Exército canadense sob o comando do General Crerar abrirá e protegerá a estrada Arnhem-Zutphen. Ele limpará o nordeste da Holanda e o noroeste da Alemanha até o Weser."

Devemos atacar. Tanto mais que os soviéticos, por sua vez, avançam bem.

Em 28 de março, o general pediu aos paraquedistas que facilitassem a ofensiva blindada operando na retaguarda inimiga.

Paraquedistas franceses dos 2e RCP (3SAS) e 3e RCP (4SAS) antes de partir para Drenthe, província da Holanda, para a operação Amherst.
Provavelmente 7 de abril de 1945.

O General J.M. Calvert, conhecido como Mike le Fou pelos veteranos, ex-adjunto de Wingate na Birmânia, comanda a Brigada SAS. Ele não havia esquecido a lição de Arnhem seis meses antes, com a Operação Aerotransportada Market Garden. Os veículos blindados do XXX Corpo nunca haviam conseguido alcançar as pontes conquistadas pelos paraquedistas britânicos e poloneses.

O SAS fez grandes sacrifícios. Portanto, após a tragédia de Arnhem, eles expressam sérias reservas sobre a forma como as tropas aerotransportadas serão empregadas. Sobre este assunto, o General Calvert escreve: “As tropas do SAS não foram projetadas para um combate massivo. Não considero esse o melhor método para usá-los."

Desta vez, os carros blindados dos canadenses e poloneses do II Corpo de Exército devem conseguir chegar ao SAS em três dias, no máximo quatro.

Lançados de pára-quedas a cerca de cinquenta quilômetros das posições inimigas, os 676 homens que compõem a força operacional dos dois regimentos lutarão na província de Drenthe, em um triângulo formado pelas cidades de Coevorden, Zwoll e Groningen.

O 2e RCP, ex 4e BIA, está sob o comando do Comandante Puech-Samsom desde 20 de dezembro de 1944, quando o Coronel Bourgoin, le Manchot, cedeu seu comando. A unidade, após a dura luta na Bretanha em junho, teve um desempenho brilhante nas Ardenas durante a ofensiva de von Rundstedt.

No 3e RCP, ex-3e BIA, o Tenente-Coronel de Bollardière ocupou o lugar do comandante de batalhão Chateau-Jobert, codinome Conan, em outubro, cujas esquadras alcançaram sucesso espetacular no leste e centro da França durante o verão.

Os dois regimentos, que na realidade são um pequeno batalhão em força, são compostos cada um por um esquadrão (ou companhia) de comando e três esquadrões de combate. Eles têm uma estrutura muito forte de oficiais e suboficiais de alta qualidade. Depois de curar suas feridas e aumentar seu número, as duas unidades do SAS francês foram reagrupadas na Inglaterra desde janeiro e retomaram o treinamento.

O General Calvert não teve mais do que uma semana para organizar a operação aerotransportada porque a ofensiva geral, marcada para 14 de abril, foi repentinamente avançada para o dia 8. O salto, inicialmente previsto para a noite de 6 a 7 de abril, é adiado para a noite seguinte por razões atmosféricas.

Diante dos participantes, remetidos aos seus acantonamentos por vários dias, o general comandante da brigada, empoleirado em uma plataforma improvisada, concordou em fornecer algumas explicações:

“Um esquadrão inglês do 2º Regimento SAS participará da operação atacando do noroeste como parte da Operação Keystone. O batalhão paraquedista belga, com cerca de 300 homens, será infiltrado no oeste, por via terrestre, com seus jipes armados: é a Operação Larkswood. Vocês, franceses, serão lançados em Amherst, o objetivo principal. Sua missão é criar confusão máxima entre o inimigo e evitar destruições, especialmente das pontes sobre os canais. Vocês terão que transmitir informações sobre o inimigo. Elas serão imediatamente exploradas pela aviação e por veículos blindados. Vocês também tentarão aumentar a resistência local que, aparentemente, não é insignificante. Boa sorte e boa caça!"

Este tipo de aventura, que deixa muita iniciativa e espírito combativo, só pode deliciar o SAS francês, já muito feliz por estar envolvido numa grande operação aerotransportada. As semelhanças entre Market Garden e Amherst não incomodam ninguém. É verdade que a situação geral mudou muito desde setembro. No entanto, as dificuldades são óbvias.

O 2e RCP será lançado a leste da linha ferroviária Groningen-Assen-Bielen, o 3e RCP a oeste. Dependendo da multiplicidade de objetivos a serem alcançados, dezenove zonas de salto foram selecionadas. A largada deve ocorrer à noite, sem avistar ou pousar no solo.

Os técnicos da RAF, confiantes em seus equipamentos de radar, prometem margens de erro muito baixas, apenas algumas centenas de metros, tão cuidadosos em seus cálculos. Céticos, mas felizes demais de saltar para combater, todos os paraquedistas acham que se darão bem no solo. Dezoito Halifaxes decolarão uma hora depois dos paraquedistas para lançar à reboque dezoito jipes armados, nove por regimento.

As forças alemãs são estimadas em 12.000 e, de acordo com as informações de que se dispõe, não devem ser muito formidáveis. Como disse o general: "Isso lhes dará a oportunidade de se renderem!" Se os canadenses estão progredindo conforme o planejado, e ninguém duvida, o estado-maior vê a Operação Amherst como uma espécie de passeio no parque...

Os paraquedistas SAS franceses estarão por conta própria, sozinhos atrás das linhas inimigas

No avião nº 12, enrolados e amontoados, os 15 homens estão tremendo. A todo momento, o teste das armas de bordo pela metralhadora traseira levantou preocupações que foram rapidamente suprimidas. Alguns estão sonolentos ou fingindo. O Ajudante Bouard está realmente dormindo. Um velho soldado da França Livre, um herói da Líbia e de outros lugares, ele viu outros, e nada o preocupa. O Capitão Betbeze não dorme, é um perfeccionista, um meticuloso, sempre ansioso. Oficial de carreira, feito prisioneiro em 1940, escapou dez vezes e foi recapturado, finalmente conseguiu retomar à luta pela Suíça, Espanha, Norte da África e Inglaterra. Ele não cederia seu lugar por um império.

 Vocês saltarão à 1.500 pés.

A ordem foi transmitida antes do embarque. Devido ao mau tempo e principalmente às nuvens, a largagem ocorrerá a uma altitude de 500m em vez dos 150m inicialmente planejados.

 Twenty minutes to go... (Só mais vinte minutos)

Os homens se sacodem, verificam as mochilas e os arneses. O Ajudante Bouard não está mais dormindo.

— Five minutes to go. Hurry up, boys! (Só mais cinco minutos. Apressem-se, rapazes!)

A escotilha é aberta. Abaixo, a noite é um cinza ardósia. Sem dúvida, este é o efeito do luar refletindo na camada de nuvens.

Luz vermelha: "Action station!" (Em posição!)

Luz verde: "Go!" (Já!)

Em uma breve pisada, os 15 paras da esquadra desaparecem no vazio, um após o outro. O solo e o céu são invisíveis, como se estivessem confundidos. O casulo úmido de nuvens envolve tudo. Ele até abafa o barulho dos motores indo para o norte.

Após um período de oscilações desagradáveis, a terra vagamente parece encontrar os homens. Longas linhas retas, estradas ou canais, idênticos no crepúsculo, são visíveis. Surgem telhados de fazendas e o contorno mais escuro de bosques ou plantações.

“Queremos deixar o inimigo em pânico. Vamos lançar de pára-quedas manequins, a BBC vai falar sobre uma grande operação aerotransportada. Assim, os alemães imaginam que estão lidando com uma grande ofensiva liderada pelos paraquedistas. Deixe seus pára-quedas bem visíveis no chão. Eles devem pensar que vocês são muito numerosos..."

Esse tipo de instrução é fácil de seguir. As operações de reagrupamento de pessoal e equipamentos, por outro lado, serão extremamente difíceis.

O nordeste da Holanda está longe de ser uma região ideal para uma largagem em massa. Se a cobertura é limitada na superfície, é numerosa e amplamente dispersa neste país plano, entremeada por rios, canais e estradas, pontilhada de aldeias, fazendas isoladas e matas densas.

Os erros de largagem da RAF são muito maiores do que o esperado e poucas esquadras pousam em sua zona de lançamento. É uma dispersão, no meio da noite, em uma terra desconhecida dominada pelo inimigo. Os SAS são fisicamente bem treinados e há poucos acidentes de aterrisagem. Mas para o 3e RCP, o Tenente de Sablet afogou-se em um canal e o Capitão Sicaud, caído em uma floresta de pinheiros, permaneceu momentaneamente cego. Para o 2e RCP, o comandante Puech-Samsom feriu-se no ombro.

Em cada esquadra, o reagrupamento se mostra difícil. Juntar várias esquadras é um verdadeiro desafio. Homens perdidos vagam pela noite, grupos se misturam. As poucas horas que faltam para o amanhecer não são suficientes para restaurar a consistência das duas unidades.

Além disso, a maioria dos contêineres não pode ser encontrada. Independentemente disso, os paraquedistas franceses lutarão com suas armas individuais. Eles terão que enfrentar ainda mais do que imaginaram antes de deixar a Inglaterra. Felizmente, parte da população é favorável a eles. Sua ajuda será inestimável e certos elementos da Resistência serão particularmente eficazes. Durante a noite, o Capitão Alexis Betbeze tenta em vão encontrar o seu caminho. Pelo que ele observou antes de pousar, nada parecia com o que os mapas e fotos aéreas prometiam.

O grande canal de Elp, o Orange Kanal, que deveria estar ao sul da zona de salto, não está lá. Nem a fábrica de linho. Por outro lado, existem outros canais menores e uma fazenda que não deveria estar ali. Resta apenas uma solução para o Capitão Betbeze: bater na porta da casa e perguntar aos moradores onde ele está, quebrando as mais básicas instruções de segurança. Primeiro, a porta se fechou teimosamente. Os habitantes estão com medo. Em alemão (sua estada em Oflag não terá sido inútil), o oficial ameaça incendiar a fazenda.

Esse estratagema parece surtir efeito, pois a porta se abre imediatamente sobre um homem que parece apavorado. O holandês não coopera. A presença de soldados aliados não o entusiasma, mas ele concorda em indicar a posição de sua fazenda no mapa de Betbeze. A esquadra está em grande parte ao sul do canal, em vez de ao norte. Ele está a vários quilômetros de sua zona de salto teórico, onde também deveriam estar os grupos do Major Puech-Samsom e do 2º Tenente Taylor. Com pressa para se livrar de seus visitantes incômodos, o fazendeiro os aconselha a entrar em contato com o mestre da escola em Witteween, o povoado vizinho.

O acolhimento na casa do professor é muito mais amigável, o homem conhece muito bem a sua região e dá informações interessantes sem ser questionado.

Desde o dia anterior, os alemães estabeleceram posições defensivas ao longo do Orange Kanal, voltado para o sul. As vanguardas canadenses ameaçam Coevorden, a cerca de quinze quilômetros de distância. O General Bottger, comandante da Feldgendarmerie (polícia militar da Wehrmacht) da Holanda, está instalado com cerca de trinta homens, 3km a noroeste. Aparentemente, ele deve se retirar dentro de horas.

Jacques Pâris de Bollardière.

Após o efeito surpresa, os alemães contra-atacam

De madrugada, o alerta é geral, pois o inimigo não é surdo nem cego. Os alemães estacionados na região relatam pára-quedas em Assen, Orvelte, Zwolle, Schonlo e Groningen. Quanto aos colaboradores holandeses, eles sabem tanto quanto os combatentes da resistência sobre a Operação Amherst. Com chutes, o formigueiro acordou.

Ao amanhecer, o Capitão Betbeze estabelece sua base nos matagais da Floresta Witteween. Lá ele encontra pela primeira vez um cabo e um médico que pertencem à esquadra de Puech-Samsom. Pouco depois, o resto desta esquadra, junto com o próprio comandante, entra na cutelaria, guiado por um membro civil da Resistência, Hildebrand Lohr.

Os rádios não foram encontrados e, como resultado, as ligações entre o 2e RCP, a Inglaterra e as forças canadenses eram impossíveis. Lohr tentará cruzar as linhas alemãs para alertar os Aliados, e um posto holandês clandestino será mais tarde disponibilizado para o SAS.

Teimosamente, Betbeze parte com quatro homens em busca de seu precioso material. Com o dia, tudo fica mais fácil, mas também mais perigoso. As bainhas foram encontradas a 4km da zona de salto, nas mãos de civis que já começaram a compartilhar o conteúdo!

Às 14h, as duas esquadras estão agrupadas na floresta. Torna-se urgente tomar as ações ofensivas desejadas pelo alto comando.

Uma esquadra do 2º Esquadrão sob o comando do Aspirante Edme também pousou ao sul de Orange Kandi, a 7km do ponto planejado. O aspirante liderou seus homens para o norte e colidiu com posições alemãs enquanto, atraído pelo som de tiros, ele se aproximava da ponte-eclusa do Elp.

É o Tenente de Camaret lutando do outro lado da água. Às 7h, reforçado por homens isolados comandados pelo Aspirante Richard, os SAS do Tenente de Camaret surpreenderam os defensores da ponte. Três alemães foram mortos, outros seis se renderam. Mas o corpo principal, estacionado em uma fazenda vizinha, reagiu violentamente. Enquanto toma seus prisioneiros, o destacamento é forçado a recuar a uma fábrica de linho com dois feridos, incluindo o Aspirante Richard. Um outro paraquedista, o Cabo Treis, leva um tiro na garganta. Pertencia à esquadra do Tenente Cochin, que ele não encontrara durante a noite. A intervenção do Aspirante Edme, da margem oposta, não muda a situação, e ele também tem que recuar com um ferido.

Na mesma área, perto da aldeia de Elp, o Tenente Cochin esperou em vão pelos Jipes que deveriam ter sido lançados de pára-quedas. Ele também não colocou as mãos nos recipientes e perdeu metade de sua equipe. Por duas horas, ele emitiu sinais luminosos, sem resultado. Tal como os outros chefes de esquadra preocupados nos dois regimentos, o oficial não foi informado do cancelamento da largagem das viaturas... Quando sai de novo, ao final da noite, encontra por acaso a esquadra do 2º Tenente Makie.

O Tenente Apriou, do 1º Esquadrão, 2e RCP, pousou milagrosamente no local pretendido. Isso não significa que ele foi capaz de reunir toda a sua esquadra. A caminho da estrada Rolde-Gieten, pouco antes do amanhecer, ele encontrou um grupo de homens armados. Ele pede a senha, Épernay, à qual deve ser respondido Montmirail. O enxame de insultos que recebe permite-lhe identificar o grupo do 2º Tenente Stephan, com quem decide continuar o seu avanço e atacar Gieten.

Após a surpresa, a guarnição alemã, que sofreu graves perdas, contra-atacou rapidamente e forçou Stephan e Apriou a recuarem. Por volta do meio-dia, a pequena tropa encontra as esquadras do Tenente Legrand e do Capitão Grammond. Juntos, eles agora vão operar no triângulo Borger-Gieten-Rolde. No final do dia, um reconhecimento para localizar locais de emboscada dá errado e um suboficial é morto.

No dia seguinte, em Gasselte, o SAS atacou com sucesso o estado-maior de um grupo do NSKK (Nationalsozialistische Kraftfahrkorps / Corpo de Transporte Automóvel Nacional Socialista). Um paraquedista é morto, outro ferido, mas vários oficiais alemães são mortos e muitos soldados capturados. A inteligência, transmitida imediatamente a Londres, permitiu a destruição por uma esquadrilha de Mosquitos de um comboio motorizado em formação no pátio da escola de Gieten.

O sargento holandês Van der Veer, saltado de pára-quedas seis meses antes para supervisionar um maquis local, encontra-se ao amanhecer com os paraquedistas do 3º RCP, lançamento a oeste da linha ferroviária Meppel-Assen. Pelas esquadras do Capitão Sicaud e dos Tenentes Hubler e Boyé, caídos na região de Appelcha, soube da chegada iminente dos canadenses a Coeverden. Subindo em sua bicicleta, ele segue naquela direção e, por volta do meio-dia, encontra o Major Puech-Samsom. Este último o encarregou de guiar a ação do Capitão Betbeze contra o QG alemão da Feldgendarmerie em Wester Bork. Às 14h30, os 20 homens partiram. Pouco depois de sua partida de Witteween, o boato de um pesado tiroteio os atingiu do nordeste. Ninguém sabe ainda que, neste breve confronto, o segundo-tenente Taylor, o oficial mais jovem do regimento, acaba de ser morto.

O capitão dá suas ordens: Haverá apenas um prisioneiro, o general

Às 15h30 a vila está à vista e tudo parece calmo sob o sol da primavera. As informações sobre as instalações inimigas são precisas. Os SAS de Betbeze avançam sem hesitação.

O capitão deu suas ordens: a luta não durará mais de vinte minutos; apenas um prisioneiro será feito, o general.

Os civis avistam os paraquedistas. Eles se protegem sem dar o alarme, mas um soldado alemão andando de bicicleta cuida disso. Os atacantes ainda têm quase 200m de terreno aberto para atravessar. O dispositivo de ataque cuidadosamente elaborado se transforma em uma corrida.

Duas sentinelas foram imediatamente abatidas, mas assim que o SAS entrou na aldeia, o confronto começou. O rádio FM do cabo Bongrand trava; no meio da rua principal, um atirador cai, uma bala na cabeça; perto dele, o capitão é ferido por estilhaços de uma granada. O segundo-tenente Le Bobinec e o subtenente Bouard chegam ao PC e lançam suas bombas gammon pelas janelas.

Submetralhadora na mão, o general tenta uma fuga: uma rajada no peito o derruba no chão. Atrás dele, outro oficial é morto. Um Kulbelwagen carregando três oficiais da Luftwaffe é pego no tiroteio. Os ocupantes morrem sem entender o porquê. Indo para o resgate de Bongrand, o chasseur Marche é morto imediatamente. Em seguida, o segundo-tenente Le Bobinec também foi atingido.

Os alemães lutam bem. Eles são numerosos e fazem frente com determinação. O subtenente Bouard é ferido por uma bala no estômago, então é o segundo-tenente Lorang que cai. Betbeze tenta retirar seus homens. Os paraquedistas continuam tombando, o cabo Cognet é morto. Chegam reforços alemães, devem desaparecer.

Escondido em um porão na companhia do proprietário que mantinha sob a ameaça de sua pistola, Le Bobinec esperava ajuda. Com ele, feridos, estão Bouard e Bongrand. Este último morre, o segundo tenente desmaia. Os holandeses aproveitaram para avisar os alemães, os dois homens foram capturados.

Os sobreviventes conseguem chegar à Floresta de Witteween. Assim que os tanques canadenses chegaram, eles se juntaram às tropas do II Corpo, que acompanharam até Groningen. O tenente Lasserre deve operar na estrada Groningen-Windschoffen. Ele também não conseguiu recuperar seus contêineres. Uma fazenda abriga seus homens durante a noite, mas o fazendeiro os denuncia. Na manhã de 9 de abril, os alemães cercaram os prédios. Os paraquedistas fazem um rompimento, um deles é morto. O aspirante de Bourmont, assistente de Lasserre, será atingido um pouco mais tarde. Em Windschoffen, os alemães discutem se o prisioneiro deve ser fuzilado. Exausto, o aspirante adormece. Os alemães fugirão sem acordá-lo.

Assim, no 2º RCP, a situação pouco se assemelha às previsões feitas na Inglaterra. As batalhas travadas em todos os lugares tornaram-se quase assuntos pessoais: cada um luta de acordo com seu temperamento, com o melhor de seus meios. Nesse tipo de situação, o SAS se virou muito bem.

O General Calvert passa em revista os SAS do 2e e 3e RCP em Tarbes (data desconhecida).

A capitulação alemã destrói o sonho de uma nova operação do SAS francês

No 3º RCP, a maioria dos destacamentos também vive momentos difíceis. Se, no norte, o tenente Thomé toma posse dos arquivos da Gestapo em Groningen por um golpe de sorte, se, no sul, são o estado-maior e o chefe da Gestapo em Haia que caem nas mãos do paraquedistas, no centro do dispositivo, o SAS de Bollardière tem dificuldade em sair da enrascada.

Vários sticks caem perto da estrada Assen-Bielen quando um comboio alemão passa. O primeiro esquadrão sofrerá assim pesadas perdas.

O stick do segundo-tenente Valayer cai bem no meio da aglomeração de Assen. O barulho dos paraquedistas quebrando as telhas acorda a população e a guarnição. O combate é imediato. Durante a noite, os SAS escapam do cerco, depois vão procurar e esperar os jipes, que não chegam e, à noite, refugiam-se num celeiro. O tenente Rouan, confiando nos habitantes, também se instalou ali perto.

Na madrugada de 9 de abril, traído por um camponês, o grupo de Rouan foi cercado. O tenente é ferido por uma bala no pulmão, depois capturado com seus 12 homens. No dia seguinte, o tenente Boulon foi capturado por sua vez. Ele será fuzilado em Assen com dois de seus homens e seis combatentes da resistência holandesa.

O suboficial Valayer é atacado em um celeiro, que os alemães queimam para desalojá-los. Três SAS são mortos durante uma tentativa de saída, outros três perecem no incêndio. Sozinho, o sargento Deal consegue escapar.

O tenente-coronel de Bollardière conseguiu reagrupar vários de seus sticks. Ele operou com eles a oeste de Spier, montando inúmeras emboscadas contra comboios em retirada na estrada Bielen-Assen. O SAS também destrói a ferrovia. Em 10 de abril, com cerca de quarenta paraquedistas, ele perseguiu os alemães de Spier, apesar da falta de apoio aéreo. No dia seguinte, o inimigo contra-ataca com mais de 200 homens. O major Simon é morto, assim como outro caçador, uma dúzia de outros ficam feridos. Apesar das perdas muito pesadas, os alemães venceram, porque o SAS não tinha suas armas pesadas. Os tanques canadenses salvarão a situação e tomarão Spier definitivamente. O SAS irá acompanhá-los até Bielen.

O primeiro stick é recuperada em 10 de abril pelos poloneses, a última será em 14 de abril pelos canadenses. Mas até o dia 16, SAS feridos e isolados vieram à tona.

No final, as perdas dos dois regimentos somaram 29 mortos, 35 feridos e 96 desaparecidos, entre os quais cerca de 70 prisioneiros foram libertados em maio. As perdas inimigas são estimadas em 360 mortos e 187 prisioneiros. Cerca de trinta veículos diversos foram destruídos.

Os dois regimentos trazidos de volta à Inglaterra ainda esperavam novas batalhas. A esperança de uma operação na Noruega habita o SAS por alguns dias, mas a capitulação alemã destrói seus sonhos de glória.

A conclusão da Operação Amherst pode ser extraída do relatório do General Calvert:

“O inimigo foi prensado ao solo… Os franceses o enredaram em uma rede em benefício da divisão canadense que, em muito pouco tempo, alcançou o Mar do Norte…”

Bibliografia recomendada:

Commandos SAS: Qui Ose Gagne 1942-1945.
Ludovic Gobbo e Philippe Zytka.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 18 de abril de 2022

Nicolás Maduro permite que mineradores destruam florestas da Venezuela

Análise da The Economist: The Americas, 5 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de abril de 2022.

Parques e destruição: “Ecossocialismo” aparentemente significa demolir a natureza para construir mansões.

À medida que o voo duas vezes por semana de Caracas desce em direção ao parque nacional de Canaima, os funcionários da cabine pedem aos passageiros que olhem pelas janelas de bombordo para obter a melhor vista. É um bom conselho. Enormes montanhas de topo plano, com pelo menos 500 milhões de anos, emergem da neblina como antigos portais para outro mundo. Tudo parece pristino e intocado pela humanidade.

Mas olhe para o outro lado do avião e uma imagem mais triste aparece. Lá no vale, a floresta é marcada por manchas nuas de lama e areia, evidência da destruição causada pela mineração ilegal de ouro. E o governo da Venezuela, longe de tentar impedir essa pilhagem ambiental, está incentivando-a.


A Venezuela já foi conhecida por sua vegetação. Em 1977, tornou-se o primeiro país latino-americano a criar um ministério do meio ambiente. Vastas extensões de terra foram designadas como parques nacionais. Leis de conservação da vida selvagem foram promulgadas. Canaima, que era um parque protegido desde a década de 1960, tornou-se a flor mais brilhante de uma coroa floral. Naquela época, a PDVSA, a empresa estatal de petróleo, era bem administrada e forneceu tanto dinheiro aos sucessivos governos que eles viram pouca necessidade de derrubar as florestas do país.

Sob Nicolás Maduro, o ditador socialista da Venezuela que favorece Putin, um plano diferente está em andamento. Seu regime é carente de dinheiro e corrupto. Graças à má gestão e sanções, a PDVSA está em frangalhos, então Maduro está desesperado por novas fontes de receita. Da Amazônia ao Caribe, ele permitiu uma corrida desenfreada por minerais.

Essa corrida começou a sério em 2016, quando os preços do petróleo estavam dolorosamente baixos. Maduro anunciou que um território em forma de meia-lua com quase três vezes o tamanho da Suíça no sul da Venezuela estava aberto para os mineradores desenterrarem. Ele o chamou de Arco Minero, ou arco de mineração. O objetivo declarado era atrair investimentos para a extração de ouro, ferro, cobalto, bauxita, tantalita, diamantes e outros minerais.

Em 2019, depois que Maduro roubou uma eleição, os Estados Unidos impuseram sanções à PDVSA. A economia da Venezuela já estava afundando e o regime ficou ainda mais desesperado por dinheiro. “Tivemos que aprender rapidamente a depender menos do ouro negro e buscar ouro-ouro”, diz um executivo de Caracas.

Quando estiver em um buraco, comece a cavar

Alguns acordos legítimos foram assinados, inclusive com empresas de mineração chinesas, canadenses e congolesas. Mas nenhum levou a projetos significativos. Investimentos de longo prazo em um país com um governo tão predatório não são para os fracos de coração. Em vez disso, um vale-tudo começou no Arco Minero, uma corrida do ouro supervisionada por uma obscura aliança de narcotraficantes, generais, gangues e guerrilheiros colombianos, com o regime sugando uma grande parte dos lucros.

Em 2016, a Global Initiative, uma ONG, estimou que 91% do ouro venezuelano foi produzido ilegalmente. Desde que o senhor Maduro criou o arco de mineração, essa proporção provavelmente aumentou ainda mais. Uma investigação realizada em janeiro por Armando Info, um site de notícias independente, com o jornal espanhol El Pais, revelou que os dois principais estados mineiros de Bolívar e Amazonas têm pelo menos 42 pistas de pouso ocultas para contrabandistas de ouro.

Uniformes e braçadeira das FARC capturados pelos venezuelanos.

Narco-guerrilheiro das FARC capturado pelo exército venezuelano.

A mineração ilegal é atraente para muitos venezuelanos, porque as alternativas são terríveis. Sob o governo de Maduro, os salários caíram. Funcionários do governo ganham menos de US$ 10 por mês. Dezenas de milhares de pessoas, a maioria homens, mudaram-se para Canaima para tentar a sorte como escavadores autônomos. Muitos moradores se juntaram a eles. Com os turistas agora com medo de vir para a Venezuela, os guias indígenas pemon do parque, que antes acompanhavam os caminhantes, têm pouco a fazer além de cavar.

Árvores foram derrubadas para dar lugar a covas. De acordo com dados do Global Forest Watch, um grupo ambientalista, entre 2002 e 2020 a Venezuela perdeu 533.000 hectares de floresta primária úmida, ou cerca de 1,4% da área total de floresta úmida. “A mineração enlouqueceu”, diz Alejandro Álvarez Iragorry, ambientalista. A Venezuela é agora a principal mineradora ilegal da Amazônia. Em 2019, a RAISG, um órgão de vigilância, contou 1.899 locais de mineração na parte venezuelana da bacia amazônica. A Amazônia brasileira, um território mais de dez vezes maior, tinha apenas 321.

Os mineiros estão poluindo a água local. Eles usam mercúrio para separar o ouro do minério; os resíduos então são lixiviados invisivelmente em córregos e rios. Níveis perigosamente altos de mercúrio foram encontrados em amostras de cabelo retiradas de povos indígenas que tomam banho e bebem de córregos locais. Mais de um terço dos indígenas pemon testados em Canaima no ano passado tinham níveis acima do que é considerado seguro pela Organização Mundial da Saúde, de acordo com o SOS Orinoco, um grupo ambientalista. O envenenamento por mercúrio aumenta a probabilidade das mães darem à luz bebês com danos cerebrais.


A petrolífera estatal também é ambientalmente imprudente. Sob o antecessor e mentor de Maduro, Hugo Chávez, milhares de funcionários foram demitidos por se opor ao regime e substituídos por lacaios. Desde então, a empresa tornou-se menos competente. As habilidades foram perdidas, a infraestrutura enferrujou. A Venezuela tem uma média de 5,8 derramamentos de óleo por mês, de acordo com o Observatório de Políticas Ecológicas, um órgão de vigilância.

No Lago Maracaibo, onde as primeiras grandes descobertas de petróleo foram feitas na década de 1920, os moradores dizem que os vazamentos se tornaram constantes desde 2015. A poluição do esgoto e da agricultura só piorou a situação; grande parte do vasto lago está agora coberto por um tapete pútrido de algas. O governo acusa ambientalistas de exagerar o problema e de impedir seu trabalho. Após um vazamento em 2020 no parque nacional de Morrocoy, no noroeste do país, os cientistas reclamaram que não conseguiram medir os danos no fundo do mar porque a PDVSA havia fechado o acesso à área.

Em 2011, o governo parou de publicar estatísticas ambientais. Portanto, a verdadeira escala da poluição da água e do desmatamento só pode ser estimada. As estações meteorológicas instaladas a um custo alto na década de 1970 nos picos das montanhas Canaima estão abandonadas. Em 2014, o Ministério do Meio Ambiente passou a se chamar Ministério do Ecossocialismo. “O governo aqui está orgulhoso da beleza deste país, mas parece haver pouco senso do dever de protegê-lo”, diz um diplomata.

Em outubro passado, Maduro anunciou planos para construir uma cidade “comunitária” no parque nacional de Ávila, uma montanha gloriosa com vista para Caracas e protegida da construção desde 1958. O objetivo do projeto não é claro. Uma teoria é que Maduro, que manifestou interesse no misticismo indiano, pode estar esperando construir algo como Auroville, uma cidade na Índia construída na década de 1960 por seguidores de um guru “para realizar a unidade humana”. Como Maduro raramente cumpre seus anúncios grandiosos, os venezuelanos podem nunca saber.


Mas em outra parte intocada do país, as escavadeiras já estão trabalhando. Em Gran Roque, a maior ilha do arquipélago de Los Roques, perto de um recife de coral único, estão sendo erguidos uma série de mansões de concreto e um hotel. Isso parece violar os decretos governamentais de 2004 que proíbem a construção. Especialistas temem que o projeto perturbe o delicado equilíbrio ambiental de uma área famosa por sua vida selvagem, incluindo uma espécie ameaçada de tartaruga.

Os investidores nos edifícios não são conhecidos, mas os moradores dizem que um alto funcionário do governo parece ser o dono de uma das maiores casas. Demolir a natureza para construir mansões é uma definição estranha de ecossocialismo, mas é um mundo louco, louco, louco esse de Maduro na Venezuela.