quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

CAC/ PAC JF-17 Thunder. Um moderno caça para orçamentos apertados.

FICHA TÉCNICA DE DESEMPENHO
Velocidade máxima: Mach 1.6
Velocidade de cruzeiro: Mach 0.90.
Razão de subida: 14000m/min.
Potência: 0,95.
Carga de asa: 74,71 lb/ft².
Fator de carga: +8,5 e -3,5.
Taxa de giro instantânea: 19º/s (instantânea).
Razão de rolamento: 240º/s.
Teto de serviço: 16920 m.
Raio de ação: 1352 km/ 3480 km.
Alcance do radar: NRIET KLJ-7 com 75 km de alcance.

Empuxo: 1 motor RD-93 com 8450kgf de empuxo com pos combustor.
DIMENSÕES
Comprimento: 14,97 m.
Envergadura: 9,46m.
Altura: 4,77m.
Peso: 6586 kg.
Combustível Interno: 5130 lb.
ARMAMENTO
Carga externa: 3629 kg
Ar Ar : Míssil de curto alcance AIM-9L/M Sidewinder, PL-5, PL-7, PL-8, MAA-1 Piranha e  PL-9. Míssil de médio alcance PL-12.
Ar Terra: Míssil AGM-65 Maverick, Míssil anti radar MAR-1, Durandal, Bombas guiadas a laser GBU-10 e GBU-12, LT-2, Bombas  MK-82/83/84, míssil anti navio C-802A, bombas guiadas por GPS LS-6 e bombas eletro-óptica H-2 e H-4.
Interno: 1 canhão GSH 23 de cano duplo e 23 mm.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S.Junior
No início de 2015, algumas notícias veiculadas na imprensa especializada em defesa, davam conta sobre a possibilidade da Argentina adquirir novas aeronaves de combate de fabricação chinesa. As notícias, sem confirmação na época de sua publicação falava na aquisição de caças J-10B ou de modelos mais simples, o JF-17, cuja produção é compartilhada entre China e Paquistão. A notícia em si causou um certo "alvoroço" pois como sabemos a força aérea argentina se encontra sucateada e ainda tem o agravante de que o país reivindica sua soberania sobre as Ilhas Falklands (Malvinas, do ponto de vista argentino)  sob a bandeira Inglesa que manteve sua soberania sobre as ilhas depois de uma breve, mas violenta guerra com os argentinos em 1982.
Voltando ao foco deste artigo, vamos tratar sobre um dos modelos que apareceram nessas notícias, o caça JF-17 (FC-1 na nomenclatura chinesa).
Acima: O J-7F é a aeronave do qual o JF-17 deriva. Assim, de certa forma, o JF-17 é o ultimo membro da extensa família do MIG-21 soviético.
A história sobre o JF-17 começa em um empreendimento da empresa chinesa Chengdu que estava desenvolvendo, em 1986, um caça derivado de seu J-7 (versão local do MIG-21) sob o nome Super 7. Este desenvolvimento tinha apoio da empresa norte americana Grumman (fabricante do super caça F-14 Tomcat) e seria um produto conjunto. A Grumman, porém, se retirou desse projeto devido aos acontecimentos na praça da paz celestial causando um massacre de civis chineses e que tinha colocado a China sob embargo internacional. A Chengdu manteve o programa independentemente nos anos seguintes, quando o Paquistão identificou que esse projeto poderia servir a suas necessidades de uma aeronave de combate cuja produção seria compartilhada com sua industria e que se tornaria isenta de embargos de fornecedores norte americanos que haviam causado problemas sérios aos paquistaneses com embargos  por motivos políticos.
Assim, em 1995, China e Paquistão assinaram uma carta de intenção para o desenvolvimento conjunto do novo caça que passou a ser chamado JF-17 no Paquistão e FC-1 na China. O contrato definitivo para produção do JF-17 se deu em 1999 em que ficou definido que 50% do caça seria desenvolvido por cada um das nações envolvidas.  Mais tarde, em agosto de 2003, o primeiro protótipo fez seu primeiro voo. Durante a fase de testes, algumas modificações aerodinâmicas foram incorporadas ao projeto do JF-17 e o avião se tornou operacional na força aérea paquistanesa em março de 2007. A China optou por não adquirir o modelo, o qual foi considerado abaixo do desempenho que os chineses queriam para caças do mesmo tipo em sua força aérea.
Acima: Com um desenho convencional, aerodinamicamente. o JF-17 é um caça de baixo custo que traz um desempenho superior a de modelos desenvolvidos na década de 50 e 60 do século passado e que ainda estão em serviço em nações com orçamentos militares limitados.
O JF-17 é considerado uma aeronave de 3º geração (sim, você não leu errado. Ele não é de 4º e nem de 5º geração, como os últimos caças ocidentais), dado a sua maior simplicidade. O objetivo do projeto foi fornecer um caça supersônico capaz de executar missões ar ar e ar solo, sem as complexidades dos caças de 4º geração e com isto, conseguir um custo muito mais baixo (cerca da metade de um caça de 4º geração). Assim sendo, o JF-17 tem uma configuração aerodinâmica bem convencional com asas a frente, e tailerons, e uma deriva. A estabilidade, porém, é artificial, proporcionada por um sistema Fly By Wire, o que garante um desempenho de manobra bastante superior ao de uma aeronave naturalmente estável. O resultado dessas características somadas a uma relativamente baixa carga de asa de 106,61 lb/ft² levam a capacidade de curva instantânea de 19º/ seg. Esse valor reflete um desempenho de curva levemente inferior a da primeira versão do Falcon, o F-16A (e bem melhor do que consegue um caça F-5EM Tiger II usado pela força aérea brasileira (FAB) que atinge 14º/seg a baixa altitude. A fuselagem do JF-17 é capaz de suportar cargas de 8,5 Gs positivos ou até 3,5 Gs negativos em manobras, o que o coloca bem próximo da maioria dos caças de 4º geração também.
O motor instalado no JF-17 é de origem russa, o Klimov RD-93 que é uma versão de exportação do motor RD-33 usado no MIG-29, mas com algumas melhorias, como o aumento da potencia, por exemplo. O motor RD-93 atinge 8450 Kg de empuxo máximo com pós-combustão. O JF-17 é um caça com uma relação empuxo-peso de 1,05 quando estiver apenas com o combustível interno. Na pratica, quando se instalar misseis nele, esse valor cairá um pouco para algo em torno de 0,95, o que ainda é muito bom, e proporciona uma boa capacidade de aceleração. As entradas de ar do motor apresentam uma solução moderna, a diverterless Inlets, usada em caças de 5º geração para controlar o fluxo de ar turbulento em seus motores para melhorar o funcionamento do motor, principalmente em velocidades supersônicas O sistema pode ser usado para substituir os métodos convencionais de controle da camada limite de fluxo de ar durante o voo supersônico a velocidades de até Mach 2 e ainda, de quebra, fornece uma diminuição da seção reta de radar o que dificulta sua detecção a maiores distancias pelos radares inimigos. Nesse ponto, vale observar que o RCS do JF-17 é de 3m2, pouco abaixo da média para aeronaves de combate de sua geração. 
Em demonstrações acrobáticas que foram feitas em feiras aéreas internacionais, o JF-17 causou uma boa impressão geral, devido a sua agilidade, tipica de aeronaves de combate leves.
Acima: O JF-17 apresenta estabilidade relaxada, e o uso de um sistema FBW para garantir sua estabilidade. Assim, ele tem um desempenho acrobático particularmente surpreendente para um modelo tão simples.
O JF-17 está equipado com um radar NRIET KLJ-7, com alcance de 105 km contra um alvo do tamanho de um caça convencional (5m2 de RCS) voando alto e 85 km contra o mesmo alvo voando baixo. Este radar pode atacar 2 alvos simultaneamente além de rastrear 10 alvos ao mesmo tempo. A suíte de guerra eletrônica é particularmente completa e conta com um sistema de alerta de iluminação de radar RWR, um sistema de detecção de aproximação de mísseis MAWS que dá cobertura de 360º informando o piloto quando um míssil foi lançado contra a aeronave, a direção de onde vem e o tempo previsto de impacto, dando melhores condições para o piloto tomar medidas evasivas. A aeronave possui um sistema de lançadores de iscas chaffs e flares para desorientar os mísseis guiados a radar e a infravermelho. O avião tem a disposição um HUD (display na altura da cabeça) como quase todos os caças, porém existe a previsão de instalação de um sistema HMS (mira montada no capacete) está sendo instalado para permitir que o piloto engaje alvos fora da linha de visada com mísseis de 4º geração, e ainda mantenha a atenção nos dados de navegação, mesmo quando tiver que movimentar a cabeça. O cockpit é composto por 3 telas multifuncionais, típico de uma aeronave de 4º geração, não sendo, a ultima palavra em painéis de controle, mas ainda sim, muito mais fáceis de operar que os painéis analógicos típicos dos caças de 3º geração. Foi instalado um sistema de barramento de dados MIL-STD-1553B que facilita a integração de armamentos e sistemas ocidentais na aeronave. E por ultimo, o JF-17 pode receber um casulo WMD-7  de designação eletro/ óptico com apontador laser para guiagem de armamentos guiados a laser como bombas planadoras e mísseis.
Acima: O painel de controle do JF-17 segue a configuração de caças de 4º geração e promove uma boa diminuição de carga de trabalho para o piloto, para que ele possa focar nos elementos da missão.
O JF-17 pode transportar até 3629 kg de armas divididos em 7 pontos fixos entre asa e fuselagem. Há um canhão instalado de cano duplo GSH 23-2 de 23 mm que dispara 3600 tiros por minuto e é efetivo contra alvos a 1500 metros. Informações do fabricante dão conta de que este canhão poderia, caso o cliente assim quiser, ser substituído por um canhão GSH-30-2 de 30 mm.
O JF-17, é usado exclusivamente pelo Paquistão, atualmente, e mesmo tendo uma interface de dados para armamentos padrão MIL- STD 1760, que permite a integração de armas ocidentais com facilidade, por enquanto a maioria do armamento já integrado ao caça sino paquistanês é de origem chinesa e paquistanesa mesmo. Assim, para missões ar ar, o JF-17 pode ser armado com mísseis de curto alcance guiados a infravermelho PL-5 (versão chinesa do AA-2 Atoll) cuja eficácia é bastante questionável, tendo efetividade maior apenas nas ultimas versões o qual se aproxima do desempenho do míssil AIM-9L norte americano, também considerado uma arma ultrapassada; Os mísseis PL-7 e PL-8, ambos de curto alcance e derivados de de modelos como o R-550 francês e o Python III israelense, também podem ser usados no JF-17.Míssil de curto alcance PL-9, este mais sofisticado e com capacidade de engajamento off boresight (fora da linha de visada) de cerca de 60º. Para tanto, este míssil precisa ser operado em conjunto a um sistema HMS (mira montada no capacete). O PL-9 tem alcance de 18 km contra alvos se aproximando pelo setor frontal. O Brasil forneceu ao Paquistão o míssil de curto alcance MAA-1 Piranha, com capacidade de atacar uma aeronave inimiga a 10 km de distancia. O modelo, porém tem limitada capacidade de engajamento, sendo capaz de atacar o alvo apenas pelo quadrante traseiro. Para engajamento fora do alcance visual (BVR) o único armamento integrado é o míssil chinês PL-12, com desempenho similar a do norte americano AIM-120 Amraam, sendo guiado por radar ativo e com alcance de 70 km.
Acima: O JF-17 é capaz de transportar uma carga externa de 3629 kg entre armas, casulo de sensores ou tanques de combustível externos.
para missões ar superfície, pode ser usado o míssil anti radar MAR-1, fabricado no Brasil. O míssil segue o sinal do radar inimigo (guiagem passiva por radar) ou pode ser guiado pela fonte de interferência, caso algum sistema tente sabotar a guiagem do míssil (Home on jam). O alcance do MAR-1 é confidencial, porém, estima-se que o modelo de exportação, usado pelos paquistaneses, tenha um alcance de 60 km, entregando uma ogiva de 90 kg de alto explosivo. Embora não seja confirmado que o míssil AGM-65 Maverick esteja integrado ao JF-17, é bem provável que ele ainda venha a ser, pois o Paquistão usa este míssil em seus F-16. O míssil Maverick tem alcance de 27 km e sua guiagem varia de acordo com a versão podendo ser feita por TV , infravermelho e laser.. é uma arma muito usada para destruir alvos blindados como um carro de combate e bunkers reforçados. Para atacar navios, o míssil chinês C-802A está integrado ao JF-17 e permitirá ele afundar navios do porte de destróieres a distancias de 180 km. O míssil é guiado por radar ativo e transporta uma carga explosiva de 165 kg. 
Com relação a bombas, a variedade é ampla e o JF-17 é capaz de operar desde bombas burras da familia MK (todas), bombas guiadas a laser GBU-10 e GBU-12 e LT-2 (chinesa) de 570 kg, bombas guiadas por GPS LS-6 (chinesa) e bombas guiadas por sensor eletro óptico H-2 e H-4.

Acima: O JF-17 desta foto está armado com o míssil PL-12 de médio alcance. Observem como se assemelha ao modelo AIM-120 Amraam norte americano.
O caça JF-17 é uma aeronave de combate leve que tem um desempenho que excede com boa margem o encontrado em caças antigos como o F-5E Tiger II, MIG-21 Fishbed e o Mirage III. Se pensarmos em um custo unitário que pode variar de U$ 25 milhões a U$35 milhões de dólares (fonte: Deagel), temos um caça zero quilometro que custa metade dos caças de 4º geração e que representa uma solução interessante a nações com orçamentos muito reduzidos para sua defesa, mas que não abrem mão de ter uma capacidade de combate atualizada. Hoje só o Paquistão opera a aeronave com 49 unidades entregues e com um total de 110 exemplares encomendados. Para os argentinos, nação que foi protagonistas dos diversos boatos de compra de caças chineses que hora davam conta de ser o modelo JF-17, hora mencionavam o mais capaz J-10B, o modelo deste artigo seria uma solução legitima, pois a força aérea da Argentina está sucateada e necessita, urgentemente, de um caça mais atual para poder executar a defesa de seu espaço aéreo. Porém, duas ultimas observações devem ser feitas: Premeiro é que o JF-17 é incapaz de proporcionar capacidade crível para a Argentina tentar alguma aventura militar nas ilhas Falklands uma vez que a defesa aérea desta ilha está nas mãos de um dos melhores caças do mundo, o Typhoon II, muito superior em absolutamente todos os aspectos ao JF-17. E segundo lugar, a própria China optou por não usar o modelo, investindo seu orçamento em caças J-10, mais capazes e um  verdadeiro caça de 4º geração.
Acima: O JF-17 fornece uma solução cuja relação custo benefício é particularmente favorável, principalmente para países onde o orçamento de defesa for muito limitado.
Acima: Um JF-17 decola com potencia máxima. Seu motor RD-93 é uma versão do motor RD-33 usado no caça MIG-29 de fabricação russa.


ABAIXO PODEMOS VER UM VÍDEO COM A APRESENTAÇÃO DO JF-17.

Curtiu o blog WARFARE? Assine a lista de atualizações através da ferramenta de alertas na barra lateral do blog, ou pelo e-mail editorwarfare@gmail.com e siga a fanpage WARFARE no facebook pelo endereço: https://www.facebook.com/warfareblog

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

FUZIL M-82A1 - Atualização Full Metal jacket


O blog Full Metal Jacket foi atualizado com uma matéria sobre o potente fuzil M-82A1. para acessar o artigo clique na foto.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

PISTOLA HK-45. Atualização Full metal Jacket.


Para conhecer uma das mais modernas pistolas semi automáticas em calibre 45 ACP clique na foto abaixo.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

HECKLER & KOCH HK-45. Uma nova pistola em um calibre clássico.

FICHA TÉCNICA HK-45 (Standard)
Calibre: 45 ACP.
Peso: 770 gramas.
Capacidade: 10 tiros.
Comprimento do cano: 4,53 pol.
Comprimento total: 191 mm.
Gatilho: Ação dupla / Simples ou somente ação dupla (DAO).
Sistema de operação: Recuo curto trancamento do ferrolho.
Mira: Fixa com sistema tridot.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S Junior
A moderna pistola HK-45 é o resultado para um programa militar estabelecido pelo exército dos Estados Unidos chamado Joint Combat Pistol (JCP), que teve o objetivo de substituir a M-9 (Beretta 92F), em calibre 9 mm Parabellum, por uma pistola semiautomática de calibre 45 ACP. O programa foi cancelado em 2006 devido a questões econômicas, e a pistola M-9 continua a ser a arma padrão das Forças Armadas Norte Americanas. Mesmo que o programa JCP estivesse terminado, a Heckler & Koch decidiu fazer a HK-45 disponível no mercado comercial militar, policial e civil. A HK já tem um produto nesse calibre em seu portfólio que responde pelo nome de USP, uma arma que se tornou bastante popular principalmente devido a qualidade intrínseca aos produtos desta companhia.
Acima: A pistola HK-45 traz a uma série de aperfeiçoamentos em relação ao modelo USP que já era uma excelente pistola.
A HK resolveu desenvolver uma pistola nova para o programa JCP ao invés de oferecer um de seus produtos em linha de produção, para aproveitar o inventivo e desenvolver uma arma que estivesse a frente de sua USP. A HK-45, como foi batizada a nova pistola, traz uma significativa melhoria na ergonomia tornando a arma muito mais confortável para ser utilizada. Um dos elementos integrados ao projeto que resulta nessa melhoria é a utilização dos "backstraps" que é uma peça montada na parte anterior da empunhadura e que pode ser facilmente substituída por peças de dimensões diferentes para se adaptar as dimensões das mãos do usuário. Esta solução, já é encontrada na pistola P-2000, um produto anterior ao modelo HK-45, porém de dimensões menores e sem variante em calibre 45 ACP. Além disso, a HK-45 apresenta um sistema de amortecimento de recuo em sua armação de polímero que diminuir a força do recuo e consequentemente o stress de disparos consecutivos.

Acima: A HK-45 é uma arma fácil de desmontar o que ajuda na hora de fazer a limpeza depois de seu uso.
Uma outra solução interessante que podemos ver na HK-45 em termos de ergonomia é o botão liberador do carregador montado na junção do guarda mato e a empunhadura, no melhor estilo das mais recentes pistolas alemãs da marca Walther, o que facilita muito a troca de carregador, principalmente em situações mais tensas como as que podemos ter em combate. Essa tecla é ambidestra podendo ser montada dos dois lados da arma, assim como a tecla de trava e de desarmar o cão. A armação é feita em polímero, como muitas das novas pistolas do mercado, o que lhe garante maior leveza também. Na parte da frente da armação, a HK-45 apresenta trilhos picatinny padrão MIL-STD-1913 para fácil instalação de acessórios como lanternas táticas e apontadores laser. A HK-45 pode disparar, pelo menos, 20000 tiros antes de precisar trocar qualquer peça, segundo a Heckler & Koch.
Acima: A tecla liberadora do carregador é ambidestra e de fácil acesso otimizando seu uso em situações de combate.
A HK-45 opera no sistema de recuo curto usando o sistema browning modificado o que garante alta confiabilidade a arma. Seu carregador permite 10 disparos, que somado com a munição que vai na câmara, dá 11 tiros de capacidade. Embora seja uma vantagem frente a modelos mais clássicos como as consagradas Colt M-1911  e suas clones, ainda fornece menor capacidade de fogo que sua concorrente FNX-45 da belga FN Herstal que tem capacidade para 15 munições no carregador mais um na câmara. O cano da HK-45 tem 4,53 polegadas, pouco menor que o de uma M-1911, arma de referência para pistolas em 45 ACP, porém, a arma apresenta precisão superior graças á qualidade da produção de seu cano com sua alma raiada em forma poligonal.
O sistema modular do gatilho permite versões da HK-45 que operem em dupla ação/ ação simples (como em uma PT-58, por exemplo), ou somente dupla ação (como em uma PT-24/7), cabendo ao cliente escolher o sistema que melhor se encaixe com sua preferência. Eu, pessoalmente, gosto da versão dupla ação/ ação simples, provavelmente por estar muito acostumada com esse padrão de funcionamento nas armas que uso.

Acima: Uma sessão de tiro no estande e o resultado abaixo. Notem a elevada precisão da HK-45, apresentando agrupamentoss com muito tiro sobre tiro.

A HK-45 é fabricada em quatro variantes que são:
HK-45: Modelo padrão, descrito nesse texto.
HK-45 Tactical: Modelo com um alongador no cano que pode ser rosqueado um supressor de ruído (os famosos silenciadores) e miras com sistema tridot de tritiun (tem efeito luminescente para disparos em condições de baixa visibilidade.
HK-45 Compact: Modelo  de dimensões reduzidas cujo cano foi diminuído para 3,93 polegadas e carregador para 8 cartuchos. Arma de objetivo para porte velado e/ ou backup gun.
HK-45 Compact Tactical: Modelo compacto com os mesmo recursos da HK-45 Tactical full size, e alongador de carregador para comportar 10 cartuchos.

Acima: Todas as 4 versões da HK-45 aparecem nessa foto. Notem que a armação em coloração de areia. Além deste acabamento e da negra, a arma pode ser encontrada com a armação em coloração verde.
A HK-45 é uma pistola muito precisa, confiável, e extremamente robusta. essas qualidades somada a sua excelente ergonomia a coloca em um status de produto premium, top de linha. A HK não perdeu o tato comercial e logo lançou um modelo de pistola em calibre 9 mm e .40 sob o nome P-30/ P-30L que é baseada no modelo HK-45. Essas pistolas possuem a mesma ergonomia e soluções de funcionamento, porém nos calibres menores.
tanto a HK-45 quanto a P-30, são pistolas caras, sendo que em 2015, no mercado norte americano, estas armas podem ser adquiridas por cerca de U$ 1100,00 dólares. para se ter uma ideia de quanto caro é isso, vamos usar o preço da pistola Glock 17 em calibre 9 mm, extremamente popular no mercado norte americano e que custa cerca de U$ 600,00 dólares. Assim  embora seja armas espetaculares em termos de qualidade e funcionalidade, não são para qualquer bolso.
Acima: Nesta foto podemos ver a HK-45 Tactical, com seu adaptador na boca do cano para rosquear supressores de ruído.

ABAIXO TEMOS UM VÍDEO APRESENTANDO E EXPLICANDO A FUNCIONAMENTO DA HK-45.


Curtiu o blog Full Metal Jacket? Assine a lista de atualizações através da ferramenta de alertas na barra lateral do blog, ou pelo e-mail editorwarfare@gmail.com e siga a fanpage WARFARE no facebook pelo endereço: www.facebook.com/warfareblog

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

PATRIA AMV. Um moderno conceito com tração 8X8.

FICHA TÉCNICA
Velocidade máxima: 100 Km/h.
Alcance Maximo: 800 Km (em rodovia) 600 km (off road).
Motor: Motor Caterpillar C-9 com 400 hp a diesel.
Peso: 17 toneladas (vazio) 27 Toneladas (máximo).
Altura: 2,4 m.
Comprimento: 7,9 m.
Largura: 2,8 m
Tripulação: 2 +10 soldados equipados.
Armamento: Metralhadora FN Mag cal 7,62X51 mm, um lançador automático de granadas LAG-40 de 40 mm, ou uma metralhadora M-2HB cal .50 (12,7 mm)
Trincheira: 2,1 m
Inclinação frontal: 60º
Inclinação lateral: 30º
Obstáculo vertical: 0,70 m
Passagem de vau: Anfíbio.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S Junior
O exército da Finlândia estava usando um veículo blindado sobre rodas para transporte de tropas e reconhecimento conhecido como Patria XA-180  Pasi, configurado com tração 6X6 e que foi bastante popular na década de 80 do século passado. Com a evolução da dinâmica do campo de batalha, surgiu a necessidade de um veículo mas capaz, protegido e com maior flexibilidade de emprego. Com esse objetivo traçado, o exército finlandês queria um veículo modular, para que não fosse necessário grandes mudanças estruturais para adaptar a missões diferentes e que, acima de tudo, fosse configurado para tração 8X8. Os estudos começaram em 1999 e um primeiro protótipo do veículo que foi chamado de AMV (Armored Modular Vehicle) ou "Veículo Blindado Modular" foi entregue em 2001 pela empresa Patria. As primeiras encomendas ocorreram nos anos subsequentes e as entregas começaram em 2004.
Acima: De conceito ultrapassado e pouco eficiente dentro dos novos desafios do campo de batalha do seculo XXI, o popular XA-180  Pasi precisou ser substituído por um veículo muito mais capaz no final da década de 90 do seculo passado.
Um aspecto que chama a atenção quando tratamos do AMV é sua resistente proteção blindada. Graças a sua elevada modularidade, a blindagem pode ser reforçada até o limite de resistir a granadas de 30 mm perfurante APFSDS no arco frontal do veículo. Sem preparação alguma, o AMV padrão suporta impactos de munição calibre 7,62X51 mm por todos os lados. Sua resistência a minas ou IEDs é considerável também, podendo resistir a explosões equivalente a 10 kg de TNT sob seu assoalho. Para se ter uma ideia da boa proteção do AMV, basta observar que dois AMVs poloneses destacados no Afeganistão foram atingidos por RPG-7 sem que houvesse penetração e sua blindagem. O AMV vem com proteção para ambientes NBQ (Nuclear Biológico e Químico) e sistemas contra incêndio no veículo como padrão de todas as versões.
Acima: O AMV é um dos mais modernos veículos modulares do mundo atualmente. Sua capacidade de proteção, mobilidade e flexibilidade de emprego são admiráveis, mas tem seu custo.
A excelente mobilidade do AMV é fornecida por, alternativamente, dois modelos de motores Scania, podendo ser um DC-12 com 480 Hps ou um DI-12, mais potente, com 530 Hps, ambos movidos a diesel. A escolha do motor varia de acordo com a escolha do cliente e da variante do AMV. Com qualquer uma dessas duas opções de motorização, o AMV atinge 100 km/h em estrada e consegue uma autonomia de 800 km em estradas ou 600 km em terreno irregular. Uma característica do AMV que considero interessante é que, mesmo ele podendo virar as quatro rodas da frente, ele ainda pode travar todas as rodas de um lado para fazer curvas, como um carro de combate sobre lagartas. O veículo é anfíbio e possui duas hélices propulsoras que permitem uma velocidade de navegação de 10 km/h.
Acima: Desenvolvido para operar em qualquer tipo de ambiente e ter alta mobilidade, o AMV pode ser equipado com dois modelos de motores fabricados pela Scania. Sua velocidade, em qualquer um dos tipos pode superar 100km/h.
O armamento básico que pode ser usado no AMV é composto por metralhadoras de uso geral FN MAG em calibre 7,62X51 mm, porém não há problemas para instalar metralhadoras de modelos diferentes caso o cliente assim queira. No lugar da metralhadora pode ser instalado um lança granadas automático LAG-40 de 40 mm capaz de lançar 215 granadas por minuto. Alternativamente pode ser instalado uma metralhadora pesada M-2HB em calibre 12,7 mm (cal .50). Versões especiais como o AMC HWP (Heavy Weapon Plataform) pode ser equipado com sistemas de armas mais pesados como o sistema de lançamento de morteiro automático AMOS (Advanced Mortar System), em calibre 120 mm capaz de disparar 16 morteiros por minuto garantindo um consistente suporte de fogo de campo de batalha a distancia de até 10 km ou até 1550 metros com fogo direto. A Patria desenvolveu, também um lançador de morteiro automático remotamente controlado chamado de Nemo, que também lança morteiros de 120 mm. A empresa CMI Defense disponibiliza a torre Cockerill LCTS 90MP com um canhão calibre 90 mm para o AMV que permitira ele operar em missões de reconhecimento e caça tanques. Pode, ainda, receber torres com canhões de 25 ou 30 mm de diversos modelos e origens assim como lançadores de mísseis antitanque.
Acima: O moderno sistema de morteiros automáticos AMOS instalado no AMV permite alta cadência de tiro e eficiente suporte de fogo até 10 km de distancia.
O AMV é um produto premium em um mercado com muitas opções de diversas qualidades, capacidades e, acima de tudo, preço. Hoje a Suécia, Finlândia, Polônia, Croácia, Eslovênia e África do Sul operam este moderno e capaz veículo. Os Estados Unidos está avaliando o AMV, através de uma joint venture entre a Patria e a poderosa empresa de defesa Lockheed Martin (fabricante do caça F-22 Raptor e do F-35 Lightining II) que está oferecendo o AMV com o nome de "Havoc" para osseu corpo de fuzileiros navais dos (USMC). O Emirados Árabes Unidos também está avaliando o AMV para suas forças armadas. O Brasil chegou a avaliar o modelo que poderia ser construído no Brasil pela Imbel, porém, o modelo foi preterido em favor do modelo Guarani da Iveco. O elevado custo do AMV, cerca de U$ 3 000 000,00 cada um deve ter sido decisivo na desclassificação do modelo no Brasil.
Acima: Outro armamento avançado que pode ser empregado no AMV é o morteiro NEMO, mais leve que o sistema AMOS,, mas com o mesmo calibre, 120 mm, com cadência de 10 tiros por minuto.

Acima: Um protótipo de um AMV armado com uma torre Cockerill LCTS 90MP com canhão de 90 m m que pode ser usado como caça tanques.


ABAIXO TEMOS UM VÍDEO PROMOCIONAL DA PATRIA SOBRE O AMV.

Curtiu o blog WARFARE? Assine a lista de atualizações através da ferramenta de alertas na barra lateral do blog, ou pelo e-mail editorwarfare@gmail.com e siga a fanpage WARFARE no facebook pelo endereço: https://www.facebook.com/warfareblog