quinta-feira, 21 de outubro de 2021

COMENTÁRIO: A tentação da Doutrina Powell


Por Michael Shurkin, Shurbros Global Strategy LLC, 21 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de outubro de 2021.


Entre os aspectos mais decepcionantes da carreira do falecido Colin Powell está a extensão em que, ao apoiar a invasão do Iraque em 2003, ele contradisse sua própria Doutrina Powell, batizada com o mesmo nome. Essa doutrina é da década de 1980 e reflete as próprias experiências das forças armadas americanas e de Powell no Vietnã. A essência da Doutrina Powell é que só se deve ir à guerra se todas as outras alternativas tiverem sido esgotadas, se houver um objetivo claro e alcançável e se houver uma estratégia de saída plausível. Um corolário é que devemos nos ater às missões que estão claramente dentro do conjunto de habilidades dos militares - ou seja, explodir coisas e matar pessoas - e evitar a "expansão da missão" a todo custo. Além disso, a guerra deve contar com um claro apoio doméstico e internacional.

Depois de nossa derrota no Afeganistão e de suportar todos os caprichos da "Guerra Global contra o Terror", na qual o Departamento de Defesa comumente confundiu meios com fins e estabeleceu objetivos nebulosos, a Doutrina Powell nunca pareceu mais atraente. O problema é que se refere a uma visão simplista dos conflitos, na qual se pode alcançar o resultado desejado por meio de uma aplicação discreta e limitada de força. Entramos, fazemos o que precisamos fazer e saímos. "Missão cumprida", como o chefe de Powell, o presidente George W. Bush, notoriamente colocou. Oxalá este fosse sempre o caso. Alguns conflitos requerem simplesmente a aplicação sustentada da força e podem nunca ser resolvidos por meio de qualquer tipo de "decisão" militar. Uma analogia grosseira seria lidar com uma doença crônica em oposição a uma intervenção cirúrgica para lidar com um problema agudo. Uma aplicação estrita da Doutrina Powell simplesmente é muito limitada.

A parte da Doutrina Powell que absolutamente deve ser adotada é sua insistência em que os custos, benefícios e riscos de um conflito sejam total e francamente avaliados. Implícito neste requisito está a necessidade de articular precisa e honestamente o que uma intervenção militar implicaria, e se uma decisão rápida é ou não possível, muito menos provável. Por exemplo, o cenário de "guerra para sempre" que muitos presumem ser categoricamente ruim não é. Conflitos de longa duração podem, de fato, ser a melhor opção. Alguns conflitos podem simplesmente exigir muito tempo. O que importa é que todos os envolvidos tenham clareza sobre a natureza do conflito e os riscos associados. Então os debates podem ser debates informados.

Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: O mito da decisão na guerra5 de setembro de 2021.

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Lançamento do novo submarino japonês Hakugei


A Kawasaki Heavy Industries bateu a quilha do submarino Hakugei S514, no Estaleiro de Kobe, em 14 de outubro de 2021. O S514 trata-se da segunda unidade da classe Taigei de submarinos diesel-elétricos (SSK) de ponta destinados à Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF).

O submarino Hakugei tem um comprimento de 84,0 m, uma quilha de 9,1m e um calado de 10,4m; com um deslocamento de 3.000 toneladas. Este novo submarino é movido por propulsão diesel-elétrica usando baterias de íon-lítio, como é o caso com o décimo primeiro e o décimo segundo submarinos da classe Sōryū (Ōryū e Tōryū). O armamento consiste em seis tubos de torpedo HU-606 de 21 pol. (533mm) capazes de lançar torpedos Tipo 89 e mísseis anti-navio Harpoon.

A classe Taigei (29SS) é a sucessora dos submarinos da classe Sōryū. O projeto do submarino da classe Taigei é muito semelhante ao do submarino da classe Sōryū, mas será 100 toneladas mais pesado do que seu antecessor.

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Basra: O "Momento de humilhação final" da Grã-Bretanha no Iraque

Militares do Exército Britânico, um deles dobrando a Union Jack, transferiram o comando da província de Basra, rica em petróleo, no sul, para os Estados Unidos em março de 2009.
(Jehad Nga / The New York Times / Redux)

Extrato do livro The Changing of the Guard (A Troca da Guarda), de Simon Akam.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de outubro de 2021.

Esta é uma história sobre o nadir, o fim dos dias. Segunda-feira, 24 de março de 2008, marcou cinco anos após o mês depois da chegada do Exército Britânico no Iraque, pregando aos americanos sua aparente perícia em operações de contra-insurgência e compreensão, no vernáculo histórico da classe alta britânica, das múltiplas formas "do Árabe." Esta é a história de como essa complacência - o legado reivindicado do policiamento imperial e de Belfast; da Grécia-a-sua-Roma e o desprezo anglo-americano mal-disfarçado - tornou-se aparente.

O Exército Britânico cometeu aquela falha espantosamente comum do século XXI: exalava superioridade em relação a uma entidade exterior, e então sentiu uma surpresa genuína quando aquela mesquinhez não gerou admiração e sentimento de companheirismo em troca.

E quando o Exército Britânico em Basra, sul do Iraque, experimentou o que alguns observadores descreveriam mais tarde como o maior desastre militar britânico desde Suez em 1956, ou a queda de Cingapura em 1942 - embora outros contestem o drama dessas comparações - a própria instituição iria, em um nível mais amplo, começar a se envolver em um programa de reforma por atacado (e muito necessária).

Em 2008, para o Exército Britânico, os caminhos do fracasso e da melhoria se cruzaram.

Esta semana de março era para ser o descanso e recuperação do Brigadeiro Julian Free, uma oportunidade no meio da viagem para voltar à Europa para o comandante de 45 anos da 4ª Brigada Mecanizada do Exército Britânico. No entanto, o Major General Barney White-Spunner, responsável pela divisão e chefe de Free, pediu para trocar com ele e, bem, White-Spunner superou Free. Portanto, em 24 de março, com o primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki vindo de Bagdá para Basra com metade de seu governo a reboque, era Free quem estava esperando por ele, enquanto White-Spunner estava na estação de esqui austríaca de Zürs.

Maliki não era fã do Exército Britânico. Ele o culpou publicamente a terrível situação no sudeste do Iraque, e em Basra em particular. Mas, naquele momento, ele esperava salvar uma operação de limpeza na cidade, lançada impulsivamente para finalmente resolver a ferida purulenta em que Basra havia se tornado. O primeiro-ministro desejava ir do aeroporto ao Palácio de Basra, o antigo edifício de Saddam no centro da cidade, às margens do Shatt al-Arab. Mas sua operação estava começando a sair dos trilhos e o caos na cidade significava que a única maneira viável era por meio de helicópteros da base britânica no aeroporto.

Free encontrou Maliki no edifício do terminal e o primeiro-ministro apertou sua mão, aparentemente sem saber quem era o oficial. Free, no entanto, apertou a mão de Maliki com as duas mãos, no estilo iraquiano - proporcionando assim um melhor agarramento porque o primeiro-ministro não conseguiria se afastar, permitindo que Free transmitisse uma mensagem a ele. “Faríamos o que fosse necessário para apoiar as forças iraquianas entrando em Basra”, disse Free.

Um dia antes, as tropas iraquianas começaram a aumentar em quantidade no enorme acantonamento britânico no aeroporto de Basra. No total, 28.000 soldados iraquianos e americanos (700 deles iraquianos) chegariam em uma semana. Lá fora, a 14ª Divisão do Exército Iraquiano - treinada pelos britânicos - foi desdobrada em Basra para reprimir a insurreição na cidade, mas uma das três brigadas constituintes da divisão simplesmente se dissolveria, deixando de existir como uma entidade militar. Na primeira semana da operação, 50 mortos e mais 650 feridos passariam pelo hospital britânico no campo de aviação.

Dentro do terminal, o Tenente-General Mohan al-Furayji, chefe do Comando de Operações de Basra, um quartel-general iraquiano que comandava todas as forças de segurança iraquianas na província de Basra, incluindo exército, polícia e forças de fronteira, estava em um canto. Furayji era para ser o homem que ajudaria a colocar Basra sob controle, mas naquele momento, ele pensou que seria demitido por Maliki e implorou a Free para intervir. Free não teve a chance de defender Furayji: Maliki, assim que teve sua mão de volta, não queria contato com a liderança britânica. Sua intenção era simplesmente transferir seu grupo em helicópteros para chegar ao palácio.

O primeiro-ministro permaneceu em um canto do terminal com Furayji. Free estava com Ben Ryan, um major dos Royal Dragoon Guards. Maliki levantou-se apenas quando os helicópteros estavam prontos e partiu com Furayji. Free e Ryan foram deixados no aeroporto. O primeiro-ministro iraquiano acaba de esnobar publicamente o alto oficial britânico no sul do Iraque.

"E agora?" Ryan perguntou.

"Não tenho bem certeza, Ben", respondeu Free.

Uma banda dos Royal Marines espera a chegada dos VIPs para a cerimônia do dia em uma cerimônia de transferência do comando da coalizão do aeroporto de Basra em março de 2009.
(Jehad Nga / The New York Times / Redux)

Esta operação iraquiana deveria acontecer meses depois e com preparação cuidadosa, mas a pedido de Maliki foi precipitada para uma ação imediata e caótica. Os americanos decidiram que, por mais desorganizado que fosse, a vida política de Maliki estava investida nisso, e Maliki era o homem deles. Para manter o empreendimento de trilhões de dólares da guerra no Iraque, a operação do primeiro-ministro não podia falhar. Como resultado, o Tenente-General Lloyd Austin - comandante do Corpo Multinacional - Iraque, a organização responsável pelo comando e controle das operações da coalizão no país, e segundo em antiguidade apenas para o General David Petraeus - desceu a Basra. Austin, agora secretário de defesa de Joe Biden, era um conceito estranho nos círculos militares britânicos em 2008: um general negro.

Free viajou com Austin para o palácio de helicóptero. “Olha, Julian, não acho que você pode entrar”, lembrou Free de Austin dizendo quando eles chegaram. Free disse que entendia; Maliki não queria ver nenhum britânico. (Austin não respondeu a um pedido de entrevista para este livro.)

A cena no palácio era caótica, com xeiques locais vindo para ver Maliki e todo o governo iraquiano residindo efetivamente. Soldados iraquianos perambulavam, mas o local também sofria ataques periódicos de foguetes. Se um [foguete] atingisse Austin, Free lembrou-se de ter pensado, deixe-me ficar bem ao lado dele. O resultado de tal situação seria impossível.

Maliki deixou Austin esperando por horas, mas eles eventualmente realizaram sua reunião. Levar Austin de volta ao campo de aviação foi difícil, no entanto: os pilotos americanos pegaram Austin e Free do campo de aviação, mas um helicóptero americano se recusou a pousar para recolhê-los, citando os ataques, então Free convocou um helicóptero Merlin britânico. O Palácio de Basra é na verdade uma série de estruturas em um vasto complexo fechado com um perímetro total de 8km e, em meio a alguma confusão, Austin, Free e sua comitiva foram levados para o local de pouso errado, de modo que o helicóptero britânico decolou inicialmente sem eles. Free teve que chamar a aeronave de volta, e Austin foi incluído.

O helicóptero também carregava iraquianos feridos de volta ao campo de aviação, então Austin acabou segurando um soro intravenoso durante o vôo. De acordo com a prática britânica para evitar o fogo antiaéreo, o Merlin saltou por toda parte, em um ponto passando por baixo de uma linha de energia. Depois que pousaram no campo de aviação, Free disse que Austin recorreu a um soldado antigo que o acompanhava na viagem e pediu-lhe que classificasse a viagem em termos de experiências de vida de todos os tempos, em uma escala de um a dez.

"Isso foi um 10, senhor."

“Não, foi um 11.”


O interlúdio mais leve foi breve. De volta ao escritório de Free, o oficial britânico disse que Austin perguntou a ele como ele iria resolver a situação na cidade. De acordo com Free, ele disse a Austin que faria o que foi proibido até agora: enviar tropas britânicas para a cidade e se associar a unidades iraquianas. Free disse que Austin perguntou se ele tinha autoridade para fazê-lo e que ele respondeu que, embora não tivesse, o faria de qualquer maneira.

Nesse estágio de sua turnê, Free sabia que, para os americanos, “sua palavra” e “dizer a verdade” eram absolutamente vitais. Em troca, ele listou seus requisitos, dizendo a Austin que precisava do Blue Force Tracker, a tecnologia americana para monitorar a localização de unidades amigas, bem como faróis localizadores pessoais, para que, se as forças que operavam com os iraquianos fossem sequestradas, elas pudessem ser rastreadas.

Austin vôou de volta para Bagdá, mas não foi o único americano a visitar Basra. Os Estados Unidos precisavam fazer esse trabalho e, de repente, pela primeira vez neste empreendimento de meia década, Basra era o foco dos eventos no Iraque: o "principal esforço do 'corpo'".

Em 28 de março, o Major-General George Flynn, vice de Austin no Corpo Multinacional - Iraque e um nova-iorquino baixo e enérgico, vôou com o Coronel Chuck Otterstedt, um oficial de planejamento do estado-maior do 18º Corpo Aerotransportado (XVIII Airborne Corps) dos EUA, outro assessor, a equipe de segurança de campanha de Flynn e um intérprete.


Flynn mais tarde participou de uma reunião de altos comandantes britânicos e americanos, sentados na cadeira de White-Spunner, que ainda estava de férias. Free o apresentou e presidiu a reunião. Exatamente o que Flynn disse nesta fase é contestado - as lembranças de Free e Flynn diferem - mas ele se referiu à capacidade da Grã-Bretanha para "overwatch" (vigiar), onde uma força militar é mantida fora da área de combate, mas pode intervir em apoio a outra, se necessário.

“Fui enviado aqui para garantir que a overwatch (vigilância) não volte a falhar”, é a versão que Free lembrou, e que mais tarde se tornou uma apresentação oficial do evento. “Overwatch tem tudo a ver com consciência situacional, o que você não tem.”

“Foi”, lembrou o Tenente-Coronel Paul Harkness, um oficial britânico que estava presente, “o momento de humilhação e constrangimento definitivos”.

O que quer que Flynn tenha dito com precisão, o grafite americano escrito na parede azul de um banheiro portátil que Eric Whyne, um capitão fuzileiro naval americano, viu naquela época era totalmente inequívoco.

P: Quantos britânicos são necessários para limpar Basra?

R: NENHUM. ELES NÃO PUDERAM MANTÊ-LA, ENTÃO MANDARAM OS FUZILEIROS NAVAIS.

MORRE O GENERAL COLIN POWELL.


Por Carlos Junior
Colin Powell morreu na manhã de segunda-feira, de acordo com um comunicado de sua família na página oficial de Powell no Facebook. A família de Powell afirmou que a causa da morte foi devido a complicações do vírus COVID-19, embora Powell estivesse totalmente vacinado.

O General Powell é uma das maios importantes figuras da extremamente bem sucedida campanha da guerra do Golfo Pérsico nos anos 90 do século passado, através da operação Desert Shield e Desert Storm em que os Estados Unidos, liderando uma coalizão de 35 nações, pôs para correr as forças armadas iraquianas invasoras do pequeno país Kuwait.

Posteriormente, bem mais recentemente, o General Powell teve grande protagonismo a frente da política internacional dos Estados Unidos no cargo de Secretário de Estado da gestão do presidente George W. Bush, entre 2001 e 2005. Cabe observar que, o General Powell foi o primeiro homem negro a opcupar este importantíssimo caro na politica dos Estados Unidos.



domingo, 17 de outubro de 2021

FOTO: Desfile do 5e REI em Hanói

Desfile do 5e REI no Dia da Bastilha em Hanói, 14 de julho de 1954.

Ao longo do Pétit lac (Lago Pequeno), os soldados do 5e Régiment Étrangèr d'Infanterie (5e REI), vestindo o quepe branco dos legionários, desfilaram no Dia da Bastilha, em Hanói, Vietnã, em 14 de julho de 1954.

sábado, 16 de outubro de 2021

Os militares alemães podem comemorar sua história?


Por Katja Hoyer, Spectator, 16 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de outubro de 2021.

Imagine as tropas alemãs marchando em frente ao Reichstag em Berlim. Suas botas pretas polidas batem no chão no ritmo dos tambores. A noite caiu e os soldados carregam tochas acesas que lançam um brilho assustador sobre o espetáculo.

Mas esses não são nazistas. Esta cerimônia foi realizada na última quarta-feira em homenagem à campanha da Alemanha no Afeganistão. O furor inevitável ofuscou o propósito do evento - lembrar os 59 alemães caídos - expondo o dilema das forças armadas alemãs: eles podem ter um senso de história e tradição, apesar de seu papel imperdoável nos crimes nazistas?

Os políticos alemães têm estado ocupados debatendo o propósito da campanha afegã desde a marcha do Reichstag. O ministro da defesa cessante disse que as expectativas "eram maiores do que o Bundeswehr estava em posição de alcançar". Enquanto isso, o presidente falou de "questões difíceis e amargas", mas acrescentou que "elas devem ser dirigidas ao parlamento e ao governo que enviou o Bundeswehr ao Afeganistão", e não aos próprios militares.
Os comentários do presidente Steinmeier foram lidos como uma republicação de um dos argumentos contra a cerimônia. Este não foi um evento para o país se elogiar, mas para os soldados homenagearem seus veteranos e seus camaradas caídos. Independentemente dos erros e acertos da campanha, eles e suas famílias merecem uma cerimônia digna.

No entanto, o debate em torno da procissão da tocha vai além do Afeganistão. É uma questão de história alemã e do lugar dos militares nela. Na realidade, a chamada cerimônia "Zapfenstreich" tem suas raízes nas Guerras Napoleônicas. O rei prussiano, Friedrich Wilhelm III, amava tanto um ritual noturno russo que queria um para seu próprio exército. A cerimônia tem sido realizada desde pelo menos 1838 pelos exércitos da Prússia, o Império Alemão, a República de Weimar, o Terceiro Reich e as Alemanhas Ocidental e Oriental em sucessão. É uma tradição alemã, não nazista.

O Bundeswehr protestou contra a 
comparação anacrônica com o nazismo

Mas aí está o problema do Bundeswehr. Durante os 12 anos do reinado de Hitler, o predecessor do exército, a Wehrmacht, cometeu crimes indescritíveis. Mas também usou a história da Alemanha para legitimar o regime. Esses símbolos e tradições pré-nazistas foram cooptados por Hitler, manchando-os de uma forma que deixa muitos alemães desconfortáveis, independentemente de suas verdadeiras origens.

Esse desconforto tem implicações políticas reais. Quando Horst Köhler, o então presidente da Alemanha, voltou de uma visita às tropas no Afeganistão em 2010, ele se atreveu a sugerir que "um país do nosso tamanho e dependente das exportações... precisa entender que, em alguns casos, se necessário, vai ter que se envolver militarmente”. Ele foi chamado de "extremista" pela imprensa e condenado por grande parte do público alemão. Köhler ficou chocado com a hostilidade, que contribuiu para sua repentina renúncia apenas nove dias depois.

Cruz de Ferro da Guerra Franco-Prussiana de 1870.

Críticas semelhantes foram feitas contra as propostas para restaurar a Cruz de Ferro (Eisernes Kreuz, EK). O parlamento alemão debateu o retorno da medalha em 2007, acabando por passar a decisão ao próprio ministério da defesa. O emblema já é usado em aviões militares, navios e veículos em qualquer caso e os proponentes argumentaram que há muito havia perdido sua associação com o nazismo. Mas eles estavam errados. O presidente cedeu à pressão pública e disse ao Bundeswehr para criar uma nova medalha em vez disso, para evitar a associação com o Terceiro Reich. Na realidade, os nazistas estavam apenas continuando a usar uma honra alemã que existia por bem mais de cem anos antes de Hitler chegar ao poder.

O Bundeswehr protestou contra as comparações anacrônicas com o nazismo. Ele divulgou um comunicado reiterando que os militares alemães são uma "força parlamentar" que serve ao povo. Como tal, "temos um lugar na sociedade - e em ocasiões especiais também em frente ao edifício do Reichstag".

A tradição sempre foi um elemento central da vida militar. Une soldados e inspira lealdade coletiva. Por que outro motivo os Guardas Coldstream - vestidos com peles de urso arcaicas e túnicas vermelhas - são encontrados espalhados pelos palácios e edifícios estatais de Londres? Mas a Alemanha continua pouco à vontade com sua história militar. Talvez, à medida que a memória do nazismo se desvanece na história profunda, esses sentimentos de inquietação e vergonha também desapareçam. Mas há poucos sinais de que esse desconforto vai desaparecer em breve.

Desfile completo


Sobre a autora:

Katja Hoyer é uma historiadora anglo-alemã, seu último livro é Sangue e Ferro: A Ascensão e Queda do Império Alemão 1871-1918.

Bibliografia recomendada:

Blood and Iron: The Rise and Fall of the German Empire 1871–1918
(Sangue e Ferro: A Ascensão e Queda do Império Alemão 1871-1918).

Nos caminhos da influência: pontos fortes e fracos do soft power chinês


Por 
Nashidil Rouiaï, Geoconfluences, 14 de setembro de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de outubro de 2021.

Dossiê: China, modernização emoldurada de um território global.

É aceito que a China é uma grande potência mundial. No entanto, as autoridades chinesas ainda têm uma batalha a vencer: a da sedução no cenário internacional, especialmente porque suas tentativas são contraproducentes a partir do momento em que são percebidas pela opinião mundial como propaganda. A partir de vários exemplos, o artigo mostra que o desafio do soft power (poder brando) não pode ser dissociado dos elementos tradicionais de poder.

Sumário
  1. Ambições multiescalares
  2. Os becos sem saída do soft power "tradicional" chinês
  3. Cultura chinesa: a espinha dorsal do soft power?
Enigmática, até mesmo assustadora, para um Ocidente que a vê pelo prisma de seus próprios valores, a China ainda é percebida como "um país poderoso, rico em um imenso mercado, reinvestindo a Ásia com todo o seu peso geopolítico, irrigando a economia global de seus produtos exóticos e/ou baratos”(Sanjuan, 2001, p. 21). Como a China é vista como uma potência econômica que perturba o equilíbrio geopolítico herdado do fim da Guerra Fria, sua ascensão em força é acompanhada no Ocidente por um duplo sentimento paradoxal e contraditório de preocupação e admiração (Shuo, Yé e Delattre, 2007). Freqüentemente condenada pela opinião pública ocidental pelo tratamento das minorias étnicas, por questões relacionadas aos direitos humanos, trabalho infantil e liberdade de expressão, a China tem recursos suficientes para transformar essas representações? Por sua vez, “o dragão chinês, com sua aparência às vezes ameaçadora, agora quer se afirmar como um dragão benevolente”, ao mesmo tempo competitivo e amistoso (Courmont, 2009, p. 9).

Como essa vontade de se afirmar no cenário internacional como parceiro competitivo, mas não agressivo, coincide com as novas ambições do lado chinês? Neste artigo, propomos mostrar como, para mostrar uma face aceitável, até mesmo acolhedora e até atraente, a política chinesa deixou de usar exclusivamente elementos tradicionais do poder do Estado e se apoiar nas ferramentas do soft power. A ambição da China de assumir o papel de liderança nas potências mundiais só é alcançável em virtude da produção e disseminação de uma representação simbólica e imaginária aceitável e desejável em escala global.

1. Ambições multi-escalares

O soft power - em mandarim, ruan shili (軟 實力) - foi oficialmente adotado pelo governo chinês como princípio político em 2007 durante o 17º Congresso do Partido Comunista Chinês, por razões plurais e multi-escalares.

Quadro 1: Soft power, elementos definidores

Definido pelo geopolitólogo americano Joseph Nye em 1990 como “a capacidade de seduzir e atrair” (Nye, 1990), o conceito de soft power coloca a noção de poder em perspectiva em uma estrutura não-convencional. Nas relações interestatais, a tradição geopolítica distingue dois tipos de relações entre as nações. Os primeiros assentam no poder tradicional, ou seja, numa relação simétrica de rivalidade e negociação (hard power). Na economia geopolítica tradicional, a guerra mede as forças, enquanto a diplomacia busca compromissos e acordos. Finalmente, a economia e o comércio entre as nações, por sua vez, pressupõem trocas. As segundas relações interestaduais são baseadas na influência (soft power).

Portanto, surgem de uma relação assimétrica entre um influenciado e um influenciador, que, por seu prestígio, pelos vínculos que criou fora de suas fronteiras com elites e populações estrangeiras, pela atração de seu modelo cultural ou política, pelos preconceitos favoráveis ​​dos quais ele goza, pela capacidade de influenciar outras nações, de obter, por cooptação, resultados estratégicos a seu favor, de definir a agenda política a nível internacional.

Nas relações internacionais, obter em um primeiro nível a neutralidade de governos inicialmente desfavoráveis ​​à própria causa não é desprezível. Desarmar a hostilidade de outros, de outras nações, é de importância estratégica. Em um estágio superior, a estratégia de influência é posta em movimento para obter o controle de áreas e redes para obter um comportamento favorável. Nesse nível, o comércio se torna possível, bem como a obtenção de apoio político em organizações internacionais. Esse tipo de relação privilegiada possibilita a formação de aliados e, portanto, de apoio multilateral às causas defendidas pela nação influente. No último estágio, quando os métodos de persuasão e sedução visam produzir uma mimetização total, uma adesão absoluta, os valores da nação influente e sua visão de mundo são compartilhados pelo Outro, que passa a se comportar de acordo com o seu modelo. O consentimento do "influenciado" não pode ser explicado pela ameaça ou por qualquer recompensa explícita. A estratégia é indireta, embora possa ser deliberada.

Nashidil Rouiaï.

Internacionalmente, o principal objetivo da China é melhorar sua imagem e “lutar contra o que Pequim considera ser uma percepção equivocada da realidade da China pela mídia estrangeira” (Barr, 2010, p. 514). O objetivo é refutar a tese da "ameaça chinesa e convencer o mundo das intenções pacíficas da China" (ibid.).

No escalão regional, a China deseja aumentar a sua influência e construir relações pacíficas com a sua periferia, especialmente o Leste e Sudeste Asiático, a fim de, por um lado, desenvolver a sua economia e, por outro, garantir o seu abastecimento energético (Yu, 2010). Apesar das tensões ainda fortes entre a China e seus vizinhos, em particular por causa dos conflitos relacionados com a água (conflitos fluviais em torno do Ganges, o Bramapoutre e o Mekong, e conflitos marítimos no Mar do Sul da China), é nesta perspectiva que ela desenvolve bilateralmente ações e multiplica iniciativas de cooperação, através de processos de integração regional e organizações intergovernamentais (ASEAN+3, Organização de Cooperação de Xangai em particular). O outro objetivo, geopolítico desta vez, é convencer os países estrangeiros a seguirem a política de uma única China e isolar Taiwan.

No escalão nacional, a esperança parece ser que uma melhor imagem do regime chinês possa estabelecer a legitimidade do Partido e, ao mesmo tempo, limitar a atração das ideologias ocidentais para o país.

Para tal, o regime investe no seu soft power: a defesa do multilateralismo, a ajuda humanitária, o desenvolvimento de infraestruturas internacionais, o estabelecimento de uma vasta rede de promoção da língua e da cultura chinesas, o investimento no cinema ou mesmo a organização dos grandes eventos internacionais são todos elementos constitutivos da operação de sedução montada por Pequim.

1.1. Os Institutos Confúcio

Os Institutos Confúcio estão entre os elementos mais visíveis do soft power chinês. Seu objetivo é transmitir a língua, cultura, história e filosofia chinesas além das fronteiras da China. O cálculo dos dirigentes é simples: quanto mais as populações do mundo dominarem a língua chinesa e se interessarem pela cultura do país, melhor será compreendido o surgimento da China, bem como as políticas e ideias veiculadas pelo Império do Central no cenário internacional. Daí o rápido desenvolvimento desses institutos em todo o mundo desde meados dos anos 2000. De acordo com o último censo do Hanban, o Escritório Nacional para o Ensino de Chinês como Língua Estrangeira (sob a supervisão do Ministério da Educação chinês), em 2017 não havia menos de 516 Institutos Confúcio e 1.076 Turmas Confúcio em escolas primárias e secundárias, espalhados por 142 países.

Quadro 2. Os Institutos Confúcio em números

Os Institutos Confúcio estão presentes em 142 países ao redor do mundo, com um total de 516 Institutos Confúcio e 1076 Turmas Confúcio. Os 46.000 professores chineses e estrangeiros, profissionais ou em meio período, ensinam mandarim para 2,1 milhões de alunos registrados, incluindo 550.000 online.

Entre 2012 e 2017, o Instituto Confúcio se expandiu para 34 novos países, com 116 novos Institutos Confúcio e 541 novas Turmas Confúcio nas escolas primárias e secundárias.

Tabela 1: Os Institutos Confúcio ao redor do mundo (2019).
A divisão continental adotada é a do documento original em chinês. Fonte: documentos dos diversos agrupamentos regionais de institutos. Atualizado: 13 de maio de 2019.

O programa Confúcio também é apoiado pelo projeto estratégico da Nova Rota da Seda. 135 Institutos Confúcio e 130 Turmas Confúcio estão presentes em 51 países ao longo da Nova Rota da Seda (Programa OBOR, para “One Belt One Road”). Em 2016, o número de alunos inscritos nestes países atingiu 460.000 pessoas, um aumento de 37,3% ano a ano, enquanto 2,7 milhões de pessoas participaram nas diversas atividades culturais, um aumento de 14% em relação ao ano anterior. Em termos de taxa de crescimento, esta região constitui uma das regiões mais importantes do mundo para os Institutos Confúcio.

Tabela 2. Organizações de promoção da língua e cultura em todo o mundo (2019).
Fonte da tabela: Baseado em infográfico do site do Instituto Confúcio. Tradução: Nashidil Rouiaï. Adaptação: Jean-Benoît Bouron. Atualizado: 13 de maio de 2019.

1.2. As operações de manutenção da paz

A par do desenvolvimento, pelas autoridades chinesas, da atratividade da China através da multiplicação de infra-estruturas e programas de promoção da língua e da cultura, o governo estabeleceu uma linha estratégica centrada na influência internacional. Isso assume a forma de um aumento gradual em seu envolvimento em operações de manutenção da paz e uma busca por visibilidade dentro das organizações internacionais. Esta estratégia “é para o benefício de importantes interesses reputacionais e geoestratégicos” (Struye de Swielande, 2009, p. 11). Embora até hoje seja o maior contribuinte de tropas para os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança e o sexto maior contribuinte financeiro para operações de manutenção da paz, tem como alvo, geograficamente, o continente africano.

Nos últimos anos, a China participou em doze operações de manutenção da paz, incluindo no Sudão (UNMIS), Saara Ocidental (MINURSO), Costa do Marfim (UNOCI), Etiópia-Eritréia (UNMEE), na Libéria (UNMIL), na República Democrática do Congo (MONUC, figura 1) e, desde 2013, no Mali (MINUSMA). O ano de 2015 marca o auge do envolvimento da China em dez operações na África, mobilizando 2.838 soldados. Entende-se que esta estratégia visa principalmente consolidar e aumentar a presença e influência chinesa na África.

Este “realismo” político não é apenas importante do ponto de vista dos interesses geoeconômicos da China na África[1], mas ela também tem um interesse particularmente pronunciado em termos de imagem. Organizar seu exército em operações de manutenção da paz permite que o governo chinês o torne um ator diplomático. O Exército Popular de Libertação (nome oficial do exército chinês), do qual o mundo preserva as imagens da repressão da Praça Tiananmen em 4 de junho de 1989, torna-se uma ferramenta para transformar a imagem da China: de poder autoritário àquele de país responsável, ator essencial na manutenção da paz[2]. Deve-se notar que este esforço para transformar as representações do exército é regularmente minado - com cada tensão renovada no Mar da China Meridional em particular.

Figura 1. Presença chinesa nas forças da ONU na República Democrática do Congo.
Cerimônia de entrega da medalha do 19º contingente de mantenedores da paz chineses com base em Bukavu, Kivu do Sul (República Democrática do Congo), na presença do chefe da MONUSCO e do embaixador chinês na RDC. (Foto MONUSCO / Alain Likota)

1.3. Organizações regionais e internacionais

A estatura geopolítica da China no cenário internacional também se reflete em seu maior envolvimento em várias organizações regionais e internacionais. O recurso a essas organizações permite-lhe reequilibrar o sistema em fóruns que conferem poder formal. Ele atua como uma força de consenso. Essa via de consenso aparece em particular no Conselho de Segurança, onde a China sempre fez uso limitado do veto (10 vetos entre 1946 e março de 2018), ao contrário dos Estados Unidos (80 vetos no mesmo período) ou da Rússia (105 vetos).

É desde o final da década de 1990, sob o impulso do tandem Jiang Zemin-Zhu Rongji, que a China vem acentuando seu papel e sua presença nos diversos organismos internacionais e regionais para se tornar um ator que conta do ponto de vista geopolítico. Em 2001, a integração da República Popular na Organização Mundial do Comércio (OMC) confirma essa orientação. Hoje, ela participa de muitos fóruns internacionais, incluindo a Associação para Cooperação Econômica para a Ásia-Pacífico (APEC), o Diálogo Ásia-Europa (ASEM), a Associação de Nações do Sudeste Asiático mais três - Japão, China, Coreia do Sul (ASEAN+3) e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO) (figura 2). A isso pode ser adicionado o lançamento no outono de 2014 do Banco Asiático de Desenvolvimento para Infraestrutura (AIBI).

Essa nova estrutura financeira, posta em prática pela própria China, tem um impacto geopolítico e geoestratégico de primeira ordem, pois redesenha a ordem financeira global a seu favor. Por fim, por meio do projeto “Novas Rotas da Seda”, a China está implementando um programa extraordinário que abrange mais de 68 países com 4,4 bilhões de habitantes e que representam cerca de 40% do Produto Interno Bruto (PIB) do planeta (figura 3). Apelidado de "projeto do século" por Xi Jinping, o programa OBOR, para "One Belt, One Road" ("Um Cinturão, Uma Rota"), visa criar uma nova geração de entrepostos comerciais transnacionais.

De fato, para além dos riscos econômicos, energéticos e políticos, a importância simbólica do projeto suplanta sua utilidade comercial (na Ásia Central, estimam-se perdas da ordem de 20 a 40% em relação ao investimento inicial chinês e esse percentual chega a 80% para o Paquistão). Para a República Popular, trata-se sobretudo de aumentar a sua influência nos países que são os seus mercados de exportação, impor a sua visão da globalização face à retórica protecionista da administração Trump e desenvolver o seu soft power visando a Eurásia. Por meio de todos esses exemplos, podemos entender como a República Popular da China usa as ferramentas tradicionais do hard power para estabelecer seu soft power em diferentes escalas.

Figura 2. Organização de Cooperação de Xangai.
Fontes: site da OCS; “Organização de Cooperação de Xangai” na Wikipedia (fr). Geoconfluências, 2018.

Figura 3. As Novas Rotas da Seda.
Fonte principal: Baseado em um mapa de Dennis Wong no The Slovenia Times. Geoconfluências, 2018.

2. Os becos sem saída do soft power "tradicional" chinês

Embora o lugar da China nas relações de poder geoestratégicas e na governança econômica mundial tenha se afirmado amplamente desde o início dos anos 2000, essa estratégia se mostrou insuficiente para estabelecer a legitimidade do poder chinês aos olhos da opinião pública. Isso foi notado durante os protestos contra a política da China em relação aos tibetanos em 2008 nas principais metrópoles internacionais, pouco antes da abertura das Olimpíadas de Pequim.

A passagem da chama olímpica foi vista como uma humilhação e uma afronta à China. "Este é o naufrágio da ideia chinesa de soft power", explicou Renaud de Spens, ex-diplomata postado na China e sinologista (de Spens citado por Le Belzic, 2012). Muitos intelectuais e políticos chineses perceberam então que a China ainda era assustadora e que tinha um sério déficit de imagem. “A opinião pública descobriu que seu país era odiado por todo o mundo, mas não entendia o porquê. Para o regime, esta é uma verdadeira crise de comunicação”(ibid.). A partir deste evento, as estratégias de comunicação chinesas foram transformadas e a mídia foi amplamente patrocinada pelo governo.

Figura 4. Demonstrações pró-tibetanas durante a passagem da chama olímpica em Paris em 2008. Detenção de um homem pela polícia francesa durante manifestação denunciando a ocupação chinesa do Tibete, por ocasião da passagem da chama olímpica em Paris em 7 de abril de 2008. (Foto de Christophe Marcheux)

Para reforçar a importância do discurso chinês no exterior e promover a imagem da China no cenário internacional, a doutrina de qiao shili (桥 势力) tomou forma. Definido por Fu Ying, embaixador chinês na Grã-Bretanha de 2007 a 2009, como “comunicar cedo, comunicar muito, comunicar de forma inteligível” (Fu citado por Bandurski, 2009), coloca a imagem e o fortalecimento de sua mídia e peso diplomático sobre o cenário internacional. Nesse contexto, o governo decidiu investir pesado em uma vasta ofensiva de charme. Para o governo, a promoção da imagem da China passa por vários canais, nomeadamente o de informação. Por meio da mídia, as autoridades chinesas desejam melhorar a imagem do país e fortalecer seu peso midiático e diplomático no cenário internacional.

2.1. Uma estratégia cara

Figura 5. A sede da Agência de Notícias Xinhua em Pequim.
(Foto: Snowyowls, 15 de maio de 2005)

Para fazer isso, o regime supostamente destinou cerca de US$ 6,6 bilhões no final dos anos 2000 para a expansão no exterior de suas principais organizações de mídia (Barr, 2010, p. 513). Se nenhum número oficial fosse divulgado pelas autoridades de Pequim, na televisão CCTV de 2010, a agência de notícias Xinhua e o Diário do Povo (People's Daily) teriam, por sua vez, arrecadado mais de três bilhões de dólares para aumentar a influência da China. No mundo, bem como para melhorar a imagem da China na opinião pública internacional (Jiao, 2010).

Em 2009, uma edição em inglês, incluindo uma versão online do Global Times, editada pelo Diário do Povo oficial, foi lançada. No mesmo ano, foi a vez do surgimento de uma emissora de notícias 24 horas (CNC) e de um canal nacional de televisão pela Internet (CNTV). Ao mesmo tempo, a Rádio China Internacional (CRI) transmite, em quarenta e três idiomas, quase 300 horas de programas diários em todo o mundo. Ao mesmo tempo, a agência de notícias Xinhua decidiu aumentar seus escritórios - que já somavam 117 - para fornecer serviços em oito idiomas (em janeiro de 2018, havia 180 escritórios da Xinhua estabelecidos no exterior e 32 escritórios locais).

2.2. Uma estratégia ineficaz ou mesmo contraproducente

Mas o risco que o governo chinês assume ao financiar e apoiar a esfera da mídia de maneira tão aberta e massiva é mudar todo o seu poder brando (soft power) para um caminho puramente propagandista. Embora a atração dependa em grande parte da forma como a imagem ou mensagem é transmitida, também decorre da credibilidade da mensagem transmitida.

A diferença entre soft power e propaganda está, portanto, na imparcialidade da divulgação de informações. Quando a suspeita pesa sobre a credibilidade de uma mensagem, o soft power é enfraquecido. Quando a suspeita paira sobre sua imparcialidade, a sombra da propaganda ressurge.

Hoje, a multiplicidade de mídias e meios de comunicação, principalmente dentro das redes digitais, transforma estruturalmente a relação entre os Estados e a opinião pública. Internamente, eles enfraquecem o controle das nações. As críticas, sejam de fora ou de dentro, por meio das mídias sociais ou blogs, estão crescendo. (veja o quadro abaixo).

Quadro 3. O controle impossível da Internet chinesa

Mesmo na China, classificada em 2018 pela Repórteres Sem Fronteiras em 176º lugar no mundo entre 180 países em liberdade de imprensa, apesar do controle de sites, mensagens instantâneas, fóruns de discussão, blogs e mídias sociais, as pressões cidadãs conseguem regularmente quebrar a censura. O governo chinês intensificou, desde 1º de junho de 2017 e sua nova lei de segurança cibernética, seus controles sobre conteúdo “impróprio” na plataforma de microblog Sina Weibo, um híbrido chinês de Twitter e Facebook.

Em abril de 2018, a plataforma anunciou a retirada de conteúdo relacionado à homossexualidade como parte de uma “campanha de limpeza” que visa garantir uma Internet “clara e harmoniosa” de acordo com a vontade do Estado. Depois de várias centenas de milhares de usuários do Weibo protestarem usando a hashtag #Jesuisgay, a plataforma e o governo recuaram, cientes da má publicidade nacional e internacional que o movimento estava gerando.

Em março de 2018, as redes sociais chinesas se ocuparam de outro caso, o do jornalista Liang Xiangyi, filmado revirando os olhos enquanto um de seus colegas fazia uma pergunta obsequiosa ao Ministro do Comércio chinês durante uma entrevista coletiva. Múltiplas paródias, desenhos e até camisetas e capas de smartphones com a imagem do jornalista rebelde surgiram nas horas seguintes à transmissão da coletiva de imprensa, apesar de um drástico controle sobre a Internet sob a presidência de Xi Jinping.

Nashidil Rouiaï.

Para saber mais sobre o incidente de "revirar os olhos" que se tornou viral:

No caso das democracias, o discurso oficial é sistematicamente desmentido por “jornalismo cidadão”, vazamentos ou denunciantes. Tanto que um vasto empreendimento de sedução ou influência por parte de um governo será rapidamente percebido como propaganda. No caso de países onde os meios de comunicação não gozam de liberdade de expressão ou tom, a credibilidade do discurso oficial, por falta de opositores, se pode ter algum valor internamente, fica sistematicamente prejudicada.

Hoje, se a estratégia de mídia do governo chinês tem algum impacto na imagem da China nos países emergentes, especialmente no sudeste da Ásia, África e América do Sul, sua influência no Ocidente é muito mais controversa e sujeita a controvérsia; a imagem de um propagandista vai apagar os avanços em termos de soft power. Parece que o soft power só é realmente eficaz quando consegue se livrar da lógica política, quando consegue escapar de seus beneficiários.

O discurso partidário tem pouco valor se não houver um discurso crítico ao lado dele. “Na era da informação, uma das chaves para o sucesso de uma política de diplomacia pública é evitar qualquer semelhança com a lógica da propaganda. A mensagem não deve mais passar pelo governo, mas pela sociedade civil, o que garante a credibilidade” (Nye, 2010).

Figura 6. A percepção de respeito às liberdades na China e na Rússia por outros países.
Fonte: Dorothy Manevich “People in less democratic countries are more likely to say China and Russia respect personal freedoms”, Pew Research Center, 12 de março de 2018.

3. A cultura chinesa: a espinha dorsal do soft power?

A China possui um ativo considerável que pode contrabalançar essa visão altamente politizada duma influência forçada: sua cultura.

3.1. A cultura histórica

Em 2007, para marcar o 600º aniversário das viagens do explorador Zhang He, tendo durante a dinastia Ming (no início do século XV) promovido as trocas comerciais, mas também as relações políticas e diplomáticas entre a China, Ceilão, Arábia e Oriente África, Hu Jin Tao, então secretário-geral do Partido Comunista Chinês, disse durante um discurso na Universidade de Pretória:

“Há 600 anos, Zheng He, um famoso navegador chinês da Dinastia Ming, liderou um grande comboio que cruzou o oceano e alcançou a costa da África Oriental quatro vezes. Eles trouxeram ao povo africano uma mensagem de paz e boa vontade, não espadas, armas, pilhagem ou escravidão. Por mais de cem anos na história da China moderna, o povo chinês foi submetido à agressão de colonos, bem como à opressão de potências estrangeiras, e passou pelo sofrimento e pela agonia que a maioria dos países africanos também suportou."
- Hu Jintao, 2007. "Aprimorar a Unidade e Cooperação China-África para Construir um Mundo Harmonioso", palestra na Universidade de Pretória, 7 de fevereiro.

Jogando tanto no campo da emoção como no da memória (aquela do "século da humilhação" que, entre a metade do século XIX e meados do século XX, viu a China colocada nas mãos de potências estrangeiras), esta declaração baseia-se em dois argumentos principais.

Se ela tenta estabelecer uma relação clara entre a memória da Guerra do Ópio do século XIX e as raízes históricas da política chinesa atual, não é apenas para estabelecer "experiências comuns de colonização ocidental com outros Estados" (e particularmente com Estados africanos), mas também para “reforçar a ideia de que o poder chinês é 'diferente' das grandes potências anteriores (ocidentais)” (Barr, 2010, p. 511). Assim, a harmonia confucionista defendida pela China seria uma solução cultural - e comercial - alternativa ao Ocidente.

O "consenso de Pequim", ou seja, a estratégia diplomática e de desenvolvimento proposta pela República Popular da China, opõe-se, portanto, ao "consenso de Washington". À defesa dos direitos humanos e civis, ao combate à corrupção, à transparência e à democratização preconizada por um, o outro responde com não ingerência e desenvolvimento estrutural (caminhos de ferro, estradas, portos, barragens, etc.) e econômicos (indústria, petróleo, minas, gás, etc.)[3].

Ao basear-se em certos aspectos da cultura política maoísta (defesa do Terceiro Mundo e condenação do colonialismo), a China consegue desenvolver os seus próprios interesses, tanto geopolíticos como econômicos. Porque aqui, ao lado dos interesses em termos de imagem, ressurgem as questões do hard power chinês. O desenvolvimento de suas relações com os Estados da Ásia Central e da África, em particular, permite diversificar suas fontes de abastecimento de energia, por um lado, e oferecer às suas indústrias novas saídas em um período de desaceleração econômica.[4]

3.2. As produções culturais

Mas, para convencer o Ocidente, essa ênfase na oposição ao modelo ocidental não se sustenta. Se o cenário histórico é uma forma interessante de mostrar sua riqueza cultural, de se apresentar como atraente em escala internacional, a China deve oferecer algo mais consensual. As produções culturais chinesas, herdadas de uma história milenar, de tradições ricas e seculares, símbolos e documentos textuais e iconográficos parecem situar-se precisamente nesta área.

“Todos estão interessados ​​na cultura chinesa e valorizar essa riqueza histórica da China é extremamente inteligente. Por outro lado, deve-se notar que não são os valores comunistas que se apresentam neste soft power, mas sim as imagens da China imperial”.
- Sébastien Le Belzic, 2012. “A China é gentil com o resto do mundo”, Slate.

Enquanto durante a Revolução Cultural, a cultura tradicional chinesa foi amplamente reprimida em favor da ideologia comunista maoísta, agora é exportada maciçamente para fora das fronteiras chinesas, mais ou menos fielmente, para se casar com outras culturas. Alimentos, medicina tradicional, gravuras, caligrafia, artes marciais são, como tais, elementos de atração cultural tradicional. Como pivôs na disseminação da cultura, os membros da diáspora chinesa ajudam a promover esses atrativos tradicionais para o mundo. Os “chineses ultramarinos” (ou Huaqiao 华侨) são estimados em cerca de 50 milhões em todo o mundo (Wang 2012), principalmente no sudeste da Ásia (Indonésia, Tailândia e Malásia), nos Estados Unidos e no Canadá.

Beijing 2002


Finalmente, grandes eventos internacionais são uma oportunidade para os líderes chineses mostrarem ao mundo a face de um país culturalmente rico e aberto, tendo como pano de fundo a valorização de uma China imperial mítica e mitificada. O exemplo da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Verão em Pequim em 8 de agosto de 2008 coincide com essa estratégia.Unanimemente descrita por comentaristas internacionais como um sucesso estético (Thomas 2008, France 24 2008, Boisseau 2014, Speed 2014, Yiu 2018), exigiu um investimento do governo estimado em cem milhões de dólares (o que a torna a cerimônia mais cara da história dos Jogos Olímpicos)[5]. Este investimento foi feito para que mais de dois bilhões de telespectadores em todo o mundo pudessem testemunhar a encenação de uma “sociedade harmoniosa” (hexie shehui 和谐 社会), aberta ao mundo, mas forte em suas tradições. Como gerente de projeto, o cineasta Zhang Yimou assumiu como missão representar cinco mil anos da história chinesa em cinquenta minutos. Os cortes feitos nesta história secular não são por acaso: nem a tradição pós-imperial, nem o período socialista, nem a fase pós-colonial foram apresentados. Apenas os elementos históricos e culturais mais difundidos da cultura chinesa foram encenados: a unificação dos Três Reinos, as grandes invenções, artes marciais, Confúcio, etc.

A exemplo dos Jogos Olímpicos, a Expo Mundial 2010 em Xangai também foi uma oportunidade de mostrar a força cultural da China, começando com o logotipo da exposição que combina a imagem de uma China forte em sua cultura e a de um país aberto à mundo. Inspirado no caractere “shì”, “世”, que significa “o mundo”, o logotipo é caligrafado de tal forma que pode representar três pessoas unidas e que ao mesmo tempo lembra a pincelada da caligrafia tradicional chinesa ( figura 7).

Figura 7: O logotipo oficial da Expo Mundial 2010, simbolizando a abertura para o mundo
Fonte: Expo 2010 Shanghai China.

Já o pavilhão da China - estimado em US$ 220 milhões, é o maior e mais caro da Exposição - com 70 metros de altura, sua estrutura lembra um templo tradicional. Tradição, história, modernidade, abertura ao mundo, mão estendida, não faltam símbolos para fazer do evento um espelho das ambições da China para os 180 países representados, os 73 milhões de visitantes presentes e para os próprios chineses.

Esse investimento em grandes eventos continua. Durante o 19º Congresso do Partido Comunista Chinês em outubro de 2017, o presidente Xi Jinping falou sobre a necessidade de se preparar para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim. Afirmando a importância para a China de fortalecer suas capacidades de comunicação internacional, evocou então a missão que fez sua: a de "falar da China, isto é, de apresentar de forma exaustiva uma China real e multidimensional para ajudar a fortalecer o soft power cultural do país” (Xi, 2017).

Por fim, na busca pela encenação de uma China ideal, o cinema desempenha um papel estruturante. O governo de Pequim agora reconhece a indústria cinematográfica como uma das ferramentas indispensáveis ​​do soft power chinês (Su, 2010, p. 317). Desde o início dos anos 2000 vem surgindo uma “Chinawood”, uma das características da qual é a mistura, nos filmes produzidos, de elementos herdados dos filmes de kung fu de Hong Kong, por um lado, e da cultura chinesa, por outro. Enquanto a bilheteria chinesa está alcançando a dos Estados Unidos (figura 8), a China também atrai cada vez mais produtores e cineastas estrangeiros ansiosos por acessar este mercado enorme, mas fechado (apenas 34 filmes estrangeiros podem entrar no mercado chinês a cada ano), causando uma profunda transformação das representações vinculadas ao território (Rouiaï, 2016; ver quadro 4).

Figura 8: Evolução das receitas de bilheteria na China e nos Estados Unidos de 2003 a 2017.
Produção: N. Rouiaï 2018 (dados da SARFT, EntGroup e Motion Picture Association of America)

Quadro 4. Cinema, uma chance para o soft power chinês

Enquanto para os Estados Unidos a indústria cinematográfica se estabeleceu "como um ator real nas relações internacionais, tanto a personificação quanto a defensora dos valores de Washington" (Benezet e Courmont, 2007, p. 188), os líderes chineses avaliaram o potencialidades da indústria e imagens cinematográficas como ferramentas de poder. Em fevereiro de 2015, a bilheteria da China ultrapassou a dos Estados Unidos pela primeira vez, com quase US$ 650 milhões em receita (EntGroup, 2016). Como quase quinze novas telas multiplex abrem na China todos os dias e o país agora tem mais cinemas do que os Estados Unidos, não está apenas se tornando atraente para os estúdios de produção internacionais, mas sua indústria cinematográfica também está se beneficiando, em grande parte, desse rápido desenvolvimento.

A popularidade do cinema chinês cresceu desde o sucesso do filme O Tigre e o Dragão (Wo hu cang long), do diretor taiwanês Ang Lee (2000). Este trabalho é até hoje o filme que não-anglófono que mais lucrou na história do cinema nos Estados Unidos: 130 milhões de dólares nas bilheterias americanas, 214 milhões de dólares no mundo todo. Desde o boom de bilheteria chinês, alguns filmes ultrapassaram em muito as receitas d'O Tigre e o Dragão, como As Travessuras de Uma Sereia (Mei ren yu, Chow 2016), com US$ 554 milhões, ou Lobo Guerreiro 2 (Zhan lang II, Wu 2017), que atingiu 874 milhões de dólares em receita.

Mas esses números são produzidos quase exclusivamente na China continental e a distribuição internacional desses sucessos de bilheteria ainda é baixa. Hoje, com base no exemplo dos EUA, a China está apostando no cinema para consolidar seu soft power: o fortalecimento da indústria cinematográfica permite-lhe desempenhar um papel importante na cena cultural internacional e promover imagens muito orientadas do seu território e da sua história.

Trailer d'O Clã das Adagas Voadoras


Entre os filmes chineses mais lucrativos internacionalmente, os épicos históricos do tipo O Tigre e o Dragão, tipos de wu xia pian (um gênero que mistura artes marciais e lutas de espadas com um pano de fundo de épico histórico) modernizados e revisitados, dominam o mercado. Herói (Ying xiong, 2002), O Clã das Adagas Voadoras (Shi mian mai fu, 2003) ou A Maldição da Flor Dourada (Man cheng jin dai huang jin jia, 2006) de Zhang Yimou, são alguns desses filmes amplamente exibidos nos cinemas de todo o mundo. Todos eles mostram uma China histórica, uma China de grandes espaços ao ar livre, uma China de tradições com estética ampliada.

Os líderes chineses agora apostam em um país cada vez mais competitivo no cenário cinematográfico internacional. Enquanto na China continental o cinema é um monopólio estatal, controlado no momento da produção, distribuição e exploração pelo Bureau de Cinema, sob a supervisão da Administração Estatal de Rádio, do Cinema e da Televisão (SARFT para State Administration of Radio Film and Television), o desenvolvimento de estruturas cinematográficas é de fato uma vontade muito política. É notável, por exemplo, que os grandes estúdios de produção que compartilham a bilheteria são em grande parte empresas públicas: este é o caso da China Film Group e Huaxia Films em particular (respectivamente o primeiro e o segundo maior distribuidor de filmes na China com 32,8% e 22,89% do mercado em 2014).

Tabela 3. Os dois principais mercados de filmes do mundo em 2019.
Produção: N. Rouiaï 2018 (dados Motion Picture Association of America / EntGroup / SARFT). Atualizado: maio de 2019.

O rápido desenvolvimento da indústria cinematográfica chinesa está associado a uma abordagem expansionista por parte dos grandes estúdios de produção. Em janeiro de 2016, o conglomerado chinês Wanda anunciou a aquisição de uma participação majoritária no estúdio Legendary Entertainment, conhecido por seus sucessos de bilheteria (produtora de Jurassic World ou das sagas Pacific Rim em particular). Ao investir 3,5 bilhões de dólares, Wanda conseguiu a maior aquisição de uma empresa de entretenimento por um grupo chinês. Este investimento reflete o espírito de zou chuqu (走出 去), literalmente "ir para fora", estratégia proposta pelo governo chinês a particulares com o objetivo de se exportarem para conquistar novos mercados. É nessa perspectiva que a China iniciou as negociações para aderir à OMC (da qual é membro desde 2001). Hoje, essa política não se aplica mais apenas às atividades comerciais, mas se torna um elemento estratégico de uma política de soft power ao estilo chinês.

Embora essa estratégia atenda amplamente aos interesses chineses, ela também beneficia as empresas americanas. Assim, o acordo alcançado entre Wanda e Legendary coloca a produtora californiana em uma posição de escolha para a bilheteria chinesa. Enquanto a China protege sua indústria cinematográfica limitando o número de filmes estrangeiros distribuídos em seu território, as co-produções com a China passam por essas limitações. Podemos, portanto, compreender o interesse dos grandes estúdios americanos diante de investimentos e alianças com produtores chineses: acessar um mercado enorme com desenvolvimento quase exponencial (figura 8).

Para a China, esse cálculo também é extremamente interessante em termos de imagem. Se entre 2002 e 2012 foram 37 filmes coproduzidos pela China e pelos Estados Unidos, só em 2015 foram assinadas dez co-produções sino-americanas. Mas para alcançar o status de co-produção, os filmes são todos revisados ​​pela China Films Co-production Corporation (CFCC), sob a égide direta da SARFT. Os principais critérios são os seguintes:
  • filme pelo menos uma parte em solo chinês,
  • tenha pelo menos um ator e personagem chineses,
  • seja produzido por uma ou mais empresas chinesas com um mínimo de um terço dos investimentos.
Tanto que as coproduções com a China não conseguem mostrar uma cara do país que desagrada as autoridades. Quer sejam coproduções ou sucessos de bilheteria estrangeiros que conseguem entrar no mercado chinês, a imagem da China veiculada por esses filmes de grande orçamento com vocação exportadora é muito positiva.

Em Battleship: A Batalha dos Mares (Battleship, Berg 2012) do Universal Studios, a Terra é sitiada por alienígenas, e Washington dá às autoridades de Hong Kong o crédito por descobrirem que os invasores vieram de outro planeta. Na comédia romântica Amor Impossível (Salmon Fishing in the Yemen, Hallström 2011), narrando a construção de uma barragem no Iêmen, engenheiros chineses - personagens que não existem no romance que deu origem a este longa-metragem - demonstram suas habilidades. No filme de desastre de 2012 (Emmerich 2009), o secretário-geral da Casa Branca elogia a China e chama seus cientistas de "visionários" por terem feito a arca que salva a civilização. Em Perdido em Marte de Ridley Scott (The Martian, 2015), a agência espacial chinesa CNSA sugere que a NASA use um foguete, cujo desenvolvimento não havia sido divulgado, para realizar uma missão de reabastecimento ao planeta Marte. É esta ajuda chinesa que salvará o astronauta Mark Watney (Matt Damon) e o trará de volta à Terra. Em Transformers: A Era da Extinção (Transformers: Age of Extinction, Bay 2014), é a China que vem em auxílio da humanidade em perigo, lutando contra os Decepticons. Em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past, Singer 2014), a muito popular atriz chinesa Fan Bingbing interpreta Blink, um dos super-heróis. É ela quem, graças a seus poderes de teletransporte, permite que os X-Men lutem contra os Sentinelas criando portais para que eles possam escapar, indo até o sacrifício para salvá-los. Em Homem de Ferro 3 (Iron Man 3, 2013), o personagem do “Mandarim”, um supervilão chinês pertencente ao universo dos quadrinhos da Marvel, foi completamente transformado para o filme: ele não é mais chinês, mas é descrito como um terrorista inglês apaixonado pela cultura chinesa e acaba se revelando um ator chamado Trevor Slattery contratado pela sociedade secreta AIM para encobrir suas atividades terroristas. Retratado pelo ator britânico Ben Kingsley, o “Mandarim” de Homem de Ferro 3 não é, portanto, nem chinês e nem vilão.

Cenas de Fan Bingbing como Blink em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido


Estes são apenas alguns exemplos que mostram a transformação das representações cinematográficas associadas à China. Em meados do século XIX, a sinofobia instalou-se no Ocidente e em particular nos Estados Unidos após a imigração maciça de trabalhadores chineses durante a década de 1850 (encontramos em 1852 nos Estados Unidos uma "lei de exclusão dos chineses"). Posteriormente, ganha corpo na literatura e no cinema através da figura do chinês enganador e calculista que tenta conquistar o mundo. O Doutor Fu Manchu, gênio do mal, criado em 1913 por Sax Rohmer, desde então se tornou uma figura arquetípica do "vilão" absoluto, cujas características já são encontradas em Jack London em O Perigo Amarelo (The Yellow Peril) publicado em 1904 e Uma Invasão Sem Precedentes (The Unparalleled Invasion) publicada em 1910 (cuja solução final é a erradicação dos chineses graças à arma bacteriológica). Essa representação perdurou por muito tempo no Ocidente: é encontrada em muitos episódios da saga de James Bond, por exemplo.

Assim, agora é bastante interessante para a China colaborar com uma indústria que domina o mercado cinematográfico tanto em termos financeiros quanto em termos de sua influência sobre o imaginário[6]: as co-produções em particular e todos os filmes que visam penetrar no mercado chinês em geral contribuem para "desenvolver a presença da China na cena cultural internacional" de um ângulo favorável e, portanto, são ferramentas importantes do soft power chinês (Peng 2015, p. ii). Essas representações são ainda mais benéficas para a China, pois esta é menos propensa a ser acusada de propaganda do que quando se trata de representações veiculadas por filmes chineses, uma vez que não controla, ou finge não controlar a retórica que Hollywood tem sobre ela. Esta é, em última análise, a última etapa do sucesso do soft power: aquele momento decisivo em que as outras nações, aquelas que você deseja seduzir, começam a produzir para si um discurso em seu benefício que, por sua vez, provocará a adesão de outras nações.

Nashidil Rouiaï.

Conclusão

O soft power é uma questão política importante para a China hoje. As autoridades chinesas estão bem cientes disso e estão investindo fortemente para maximizar a capacidade de atração do país. No entanto, a influência das operações de manutenção da paz ou ofensivas da mídia lideradas por Pequim sobre o soft power chinês é regularmente questionada. As ações diretas das autoridades em favor da estratégia de influência da China são vistas logo de cara mais como esforços de propaganda do que como ações do soft power do país. Se “a melhor propaganda é a ausência de propaganda” (Nye, 2013), o soft power é tanto mais decisivo quanto se abstrai, ou parece abstrair-se, da lógica partidária ou mesmo do discurso claro. É por isso que a cultura parece ser um elemento estruturante da ofensiva de charme chinesa: aparentemente menos política, está menos sujeita à suspeita propagandística. A cultura chinesa contemporânea brilha em particular na cena internacional durante a organização de grandes eventos desportivos ou culturais, mas também graças ao cinema.

Porém, mesmo dentro das produções culturais, o envolvimento do governo muitas vezes é muito real, de modo que podemos falar, no caso chinês, de uma "estratégia de soft power" (Courmont, 2016). Se a ideia de “estratégia” se afasta do modelo inicial proposto por Joseph S. Nye, não é, no entanto, nova e o modelo francês de “exceção cultural” que implica um grande financiamento do cinema pelo Estado através de uma política de cotas e subsídios, faz lembrar - guardadas todas as proporções - da lógica protecionista chinesa. Se o envolvimento financeiro do Estado nas produções culturais não é, portanto, necessariamente um contra-argumento ao soft power, menos a sua presença será sentida no conteúdo da obra e mais esta será julgada credível pelos espectadores.

Bibliografia:
  • Bandurski, David, 2009. “Is China’s new communications worldview coming of age?”, Hong Kong, China Media Project, Universidade de Hong Kong.
  • Barr, Michael, 2010. « Mythe et réalité du soft power de la Chine », Études internationales, vol. 41, n° 4, pp. 503-520.
  • Benezet, Erwan, Courmont, Barthélémy, 2007. Hollywood -Washington: Comment l'Amérique fait son cinéma, Paris, Armand Colin, 240 p.
  • Boisseau, Rosita, 2014. « Les cérémonies des JO, un art chorégraphique » , Le Monde.
  • Courmont, Barthélémy, 2009. Chine, la grande séduction. Essai sur le soft power chinois, Paris, Choiseul, 196 p.
  • Courmont, Barthélémy, 2016. « L’assaut des investisseurs chinois sur Hollywood réussira-t-il à nous faire désirer un jour la "chinese way of life" ? », Atlantico.
  • EntGroup, 2016. “2014-2015 China Film Industry Report”, 47 p.
  • France 24, 2008. « Les Jeux de Pékin, une réussite sportive ».
  • Hu, Jintao, 2007. “Enhance China-Africa Unity and Cooperation to Build a Harmonious World”, conferência na Universidade de Pretoria, 7 de fevereiro.
  • Jiao, Priscilla, 2010. “Soft Power Receives Funding Injection”, Hong Kong, South China Morning Post, 25 de maio.
  • La Documentation Française, 2008. « Le coût des Jeux olympiques de Pékin ».
  • Le Belzic, Sébastien, 2012. « La Chine fait les yeux doux au reste du monde », Slate.
  • Lincot, Emmanuel, Courmont, Barthélémy, 2012. La Chine au défi, Paris, Éric Bonnier, 240 p.
  • Nye, Joseph-Samuel. Jr., 1990. Bound to lead : the changing nature of American power, New York, Basic Books, 336 p.
  • Nye, Joseph-Samuel. Jr., 2010. « Sur la valeur stratégique du soft power », France Culture.
  • Nye, Joseph-Samuel., Jr., 2013. “What China and Russia Don’t Get About Soft Power”, Foreign Policy.
  • Peng, Weiying, 2015. China, Film Coproduction and Soft Power Competition, tese de doutorado, Universidade de Tecnologia de Queensland [pdf].
  • Rouiaï, Nashidil, 2016. « Ciné-Géographie hongkongaise. Le Hong Kong cinématographique, outil du soft power chinois », tese de doutorado, Universidade de Paris-Sorbonne, 443 p.
  • Sanjuan, Thierry, 2001. « Le monde chinois en redéfinition. D’un empire autocentré à une identité culturelle multipolarisée », Lorot, Pascal, dir., « Géoéconomie du monde chinois », Géoéconomie, n° 18, Paris, Éditions Choiseul, pp. 21-35.
  • Shuo, Yu, Yé, Huang, Delattre, Jean-Paul, 2007. L'Europe, c'est pas du chinois ! La construction européenne racontée aux Chinois, Paris, Charles Léopold Maye, 334 p.
  • Speed, Barbara, 2014. “What makes a successful Olympic legacy?”, Londres, Citymetric.
  • Struye de Swielande, Tanguy, 2009. « La Chine et le Soft power : une manière douce de défendre l’intérêt national ? », Universidade Católica de Louvain, Chaire InBec Baillet-Latour Union Européenne-Chine, Nota de análise 2, março de 2009.
  • Thomas, Katie, 2008. “I.O.C. Issues Glowing Review of Pékin Games”, New York, New York Times.
  • Wang, Huiyao, 2012. China’s Competition For Global Talents: Strategy, Policy And Recommendations, Relatório de Pesquisa, Fondation Asie Pacifique du Canada, 19p.
  • Xi, Jinping, 2017. “Full text of Xi Jinping's report at 19th CPC National Congress” », China Daily.
  • Yao, Xu, 2007. “Communication Methods of Public Relations and China’s Soft Power Building” (Gonggong Guanxi de Chuanbo Shouduan yu Zhongguo Ruan Shili Jiangou), Xinwen qianshao, n° 7, pp. 93-94.
  • Yiu, Karson, 2018. “With Pyeongchang Games over, Pékin gears up to host Winter Olympics in 2022”, ABC News.
  • Yu, Xintian, 2010. Culture, Soft Power and China’s Foreign Strategy (Wenhua, ruanshili yu Zhongguo duiwai zhanlue), Shanghai Renmin Chubanshe.
Notas:
  1. Emmanuel Lincot e Barthélémy Courmont em La Chine en Défi (2012), destacam essa relação geoeconômica cada vez mais forte entre a China e os Estados africanos (fortalecimento da estratégia de desenvolvimento dos países africanos através da cooperação sino-africana). A nova cooperação entre os dois parceiros concretizou-se em Outubro de 2000, durante um primeiro fórum que reuniu 80 chanceleres de 45 países africanos. Então, em novembro de 2003, durante um segundo fórum, as grandes linhas de cooperação foram traçadas. Estes dois fóruns marcaram assim o nascimento da "Chinafrique", uma cooperação que se desenvolve devido à convergência de interesses dos dois parceiros.
  2. Isso é reforçado pela imagem irrepreensível das forças de manutenção da paz chinesas entre os funcionários da ONU: enquanto os escândalos de exploração sexual estão aumentando (69 casos de abuso sexual foram supostamente cometidos por suas forças de paz em 2015, 52 foram cometidos em 2014), nenhum oficial ou soldado chinês jamais foi implicado.
  3. Embora carregada como padrão, a não-interferência chinesa é uma fachada. Para proteger os seus interesses, a China interferiu repetidamente nos assuntos políticos de países com recursos minerais e energéticos significativos: foi o caso nas eleições presidenciais na Zâmbia em 2006 e na Serra Leoa em 2018, ou fora das eleições na República Democrático do Congo (RDC) ou no Zimbábue em particular.
  4. Em dois anos (2015 e 2016), a China, com 4,76 bilhões de toneladas de cimento, produziu mais que os Estados Unidos durante todo o século XX (4,5 bilhões). A sobre-capacidade chinesa diz respeito a 19 dos 29 principais setores industriais. A ajuda chinesa para o desenvolvimento de infra-estrutura em seus vizinhos e em países africanos permite reciclar sua produção excedente, abrindo novos mercados para suas empresas nacionais em mercados em rápida expansão.
  5. Um dossiê de Problemas Econômicos, dedicado aos Jogos Olímpicos de 2008, estabeleceu um inventário completo dos custos gerados pelos Jogos para as autoridades chinesas. No total, teriam sido investidos 42 bilhões de dólares. Ver: Coletivo, dossiê "La Chine, l'atelier du monde...et après", Problemas econômicos, La Documentation Française, abril de 2008.
  6. Dos 100 filmes de maior sucesso de bilheteria internacional, 99 são produções ou co-produções norte-americanas envolvendo os Estados Unidos.
Sobre o autor:

Nashidil ROUIAÏ
Doutorado em Geografia, Laboratório Espaços, Natureza e Cultura (ENeC) - UMR 8185, Universidade Paris IV La Sorbonne.