segunda-feira, 4 de julho de 2022

Carteira de reservista do Exército Brasileiro no Estado Novo

Carteira de reservista de Manoel do Amaral Monteiro,
outubro de 1941.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de julho de 2022.

Carteira de reservista do meu tio-avó Manoel do Amaral Monteiro, conhecido como "Tio Iô-Iô" por ser filho de fazendeiro. Os escravos chamavam o "sinhozinho" de "iô-iô". O Tio Iô-Iô era, como a maioria dos brasileiros do sexo masculino, um reservista de segunda linha; ou seja, um civil dispensado sem ter servido e mantido na reserva de segunda linha até os 45 anos.

O Tio Iô-Iô nasceu na Velha República, após o Exército Imperial derrubar a monarquia em um golpde-de-estado. Da década de 1890 até a Revolução de 1930, o Exército Brasileiro fez uma ávida busca por consolidação e identidade, conforme estudado pelo agora saudoso professor Frank. D. McCann no livro Soldados da Pátria: História do Exército Brasileiro 1889-1937.

Uniformes do Exército Brasileiro na República Velha,
por José Washt Rodrigues.

Em outubro de 1941, data da dispensa, o Exército Brasileiro já havia se elevado de uma força pequena e ineficiente, numa organização poderosa que sustentava o regime ditatorial então em voga - o Estado Novo. Nascido primeiro da Revolução de 1930 que interrompeu o ciclo do governo de oligarcas da política do Café com Leite, e depois com o golpe-de-estado de 1937, o Estado Novo foi marcado pela propaganda nacionalista e militarizada.

O Exército Brasileiro aumentou de tamanho e adquiriu sofisticação de forma exponencial, enfrentou revoltas regionais, venceu as forças públicas estaduais na luta por poder político, ocorreu a criação da revista A Defesa Nacional. No ano seguinte, de 1942, o Brasil entraria em guerra contra o Eixo e o Exército Brasileiro iria até mesmo cruzar o Oceano Atlântico e lutar na Europa.

Capa de couro verde da carteira de reservista.

Certidão de Nascimento.

Tio Iô-Iô não participaria de nenhum desses marcos históricos, mas como todos os brasileiros do sexo masculino, ele teve de se apresentar à disposição do exército. Isto, por si só, demonstra o imenso trabalho da organização corporativa em se impor como uma força política nacional. Obra de homens como Góis Monteiro, e que seria impensável apenas décadas antes. Em 1910, a mera ideia que o Exército Brasileiro poderia impor o recrutamento obrigatório (conscrição) já seria visto como um sonho absurdo. A transformação e consolidação do Exército Brasileiro na República Velha foi um dos marcos históricos do Brasil.

Como disse Góes Monteiro, tratou-se de pôr fim à política "no" exército e impor a política "do" exército; como de fato ocorreu. O Exército tornou-se o braço fiador do novo regime, encabeçado por Getúlio Vargas, e guiou o Brasil em sua nova fase de desenvolvimento.

Uniforme do Exército Brasileiro em 1941,
ainda com a influência francesa.

Bibliografia recomendada:

Soldados da Pátria: História do Exército Brasileiro 1889-1937.
Frank D. McCann.

Leitura recomendada:


domingo, 3 de julho de 2022

O fundador da Soldier of Fortune, Robert K. Brown, passa a tocha para a nova editora após 47 anos


Por Robert K. Brown, Soldier of Fortune, 6 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de julho de 2022.

Depois de 47 anos cheios de aventuras publicando a revista Soldier of Fortune, decidi que era hora de passar para outros projetos tão esperados, incluindo escrever livros das aventuras da SOF. Depois de pensar bastante, estou passando a tocha para a repórter Susan Katz Keating, que contribui para a SOF e é amiga da revista desde o início dos anos 80.

O Tenente-Coronel Robert K. Brown com a boina verde das Forças Especiais no Vietnã acompanhado de um amigo, por volta de 1969.

Susan se conectou pela primeira vez com a SOF anos atrás, quando ela publicou um anúncio na revista, procurando por mercenários. Ela pode contar a história sobre como foi. Mais tarde, a SKK facilitou a revista PEOPLE para apoiar o coronel aposentado Jack Bailey, USAF (aposentado), em uma missão de resgate na água. Seu esforço foi duplo para ajudar os barcos a escaparem do Vietnã, onde estavam sendo perseguidos, bem como para descobrir mais informações sobre os americanos desaparecidos (MIA) da Guerra do Vietnã. Bailey usou um navio de contrabando reformado, o Akuna III. Outros SOFers e eu fomos em uma de suas missões de resgate.

Desde então, a SKK acompanhou nossa equipe na orla de Washington, D.C., envolvendo encontros com líderes rebeldes estrangeiros e em encontros com algumas das figuras militares mais fascinantes de nossos dias. Ela mesma pode contar essas histórias, sobre Nick Rowe, Charlie Beckwith e outros. Ela também pode contar histórias de intrigas em Dubrovnik e Sarajevo antes da guerra, e de ação em Belfast e South Armagh durante o auge dos problemas na Irlanda do Norte.


Ao longo dos anos, Susan escreveu para a revista Soldier of Fortune, bem como para outras publicações militares e convencionais. Em nossas páginas, ela escreveu sobre guerra e guerreiros. Seu artigo sobre a Batalha do OP Nevada no Afeganistão foi uma das últimas matérias de capa da revista impressa e continua sendo uma das matérias mais populares da revista online. Ao longo dos anos, a SKK escreveu para a SOF sobre prisioneiros de guerra americanos na Coréia e a ascensão do Exército de Libertação Popular da China. Ela também escreveu “Como realizar um golpe-de-estado soviético”, que foi publicado pouco antes de Mikhail Gorbachov ser expulso do poder na URSS.

Aqui está um pouco mais sobre a pessoa para quem estou passando a tocha.

Susan Katz Keating é uma premiada escritora e jornalista investigativa especializada em guerra, terrorismo e segurança internacional. Ela é correspondente-chefe de segurança nacional e editora-gerente assistente da Just the News, e anteriormente foi editora sênior de segurança nacional e relações exteriores no Washington Examiner. Como correspondente militar de longa data da revista PEOPLE, ela publicou histórias lá e na TIME sobre as forças armadas americanas e terrorismo doméstico.

Ex-repórter de segurança do Washington Times, ela é autora de Prisoners of Hope: Exploiting the POW/MIA Myth in America (Random House) e livros sobre a Arábia Saudita, guerra dos índios americanos e outros tópicos para jovens leitores. Seu trabalho apareceu em Readers Digest, New York Times, Air&Space, American Legion, VFW, RealClear Investigations e outras publicações. Ela foi citada no New Yorker, no Wall Street Journal, no Salon e em outras publicações. Ela foi curadora fundadora do Museu Nacional dos Americanos em Tempo de Guerra e é secretária do conselho de Repórteres e Editores Militares. Ela esteve brevemente no Exército dos EUA, onde ganhou sua classificação Expert no fuzil M-16. Ela era editora do jornal Dixon Tribune na Califórnia. Ela foi diretora do Museu Travis AFB e serviu como chefe da equipe de restauração em um B-52.

Estou convencido de que Susan tem a paixão e está bem preparada para continuar o legado dos últimos 47 anos da revista SOF, agora online.

Ela é uma forte defensora dos militares e uma americana patriótica. Ela agora é a editora/proprietária da revista Soldier of Fortune.


Bibliografia recomendada:

I Am Soldier of Fortune:
Dancing with Devils.
Robert K. Brown e Vann Spencer.

Leitura recomendada:

Biden tira o grupo terrorista marxista FARC da lista de terroristas e abre caminho para o Castrochavismo na Colômbia


Da Soldier of Fortune, 15 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de julho de 2022.

A decisão de Joe Biden de legitimar o grupo terrorista marxista FARC abre caminho para o Castrochavismo na Colômbia e é um tapa na cara dos colombianos-americanos.

Ron DeSantis: Desde seu apoio às FARC, até seu fracasso em ajudar aqueles que buscam a liberdade em Cuba, Joe Biden e seu partido democrata se alinharam consistentemente com elementos marxistas em todo o Hemisfério Ocidental.

“As FARC são uma organização de narcoterroristas marxistas-leninistas. Por décadas eles mataram, sequestraram e extorquiram colombianos. Eles assassinaram e seqüestraram cidadãos americanos”, disse o senador Cruz (R-TX).

Administrador interino Dhillon com o Diretor Geral da Polícia Nacional Colombiana (CNP), Oscar Atehortua Duque, investigando dissidentes do Clã del Golfo, ELN e FARC, DEA 2019

Aqui está a declaração completa do senador Ted Cruz, do jornal El American.

“A política externa do presidente Biden há muito se transformou em inconsistência e incoerência, mas ele demonstrou notável compromisso e propósito em desmantelar sanções terroristas contra grupos violentos que ameaçam a segurança nacional nossa e de nossos aliados.

Autoridades de Biden-Harris tornaram prioridade da Semana 1 tirar os houthis controlados pelo Irã da lista de terrorismo, e os houthis responderam aumentando sua agressão e dificultando ainda mais a assistência humanitária.

Agora, o governo está tomando medidas para fazer o mesmo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Os resultados de uma decisão tão imprudente e ideológica também serão os mesmos.

As FARC são uma organização de narcoterroristas marxistas-leninistas. Por décadas eles mataram, sequestraram e extorquiram colombianos. Eles assassinaram e apreenderam cidadãos americanos. Eles continuam a representar uma ameaça aguda à segurança colombiana e aos interesses americanos em toda a região.

Em vez de apoiar nossos aliados colombianos enquanto lutavam contra as FARC e tentar levar os membros das FARC à justiça, o governo Biden está novamente se preparando para abandonar nossos aliados e apaziguar os terroristas. A remoção das FARC da lista de organizações terroristas as encorajará a ampliar sua violência e interferir nas atividades civis.

Já passou da hora de o Congresso agir e restaurar a supervisão da política externa deste governo e sinalizar aos nossos aliados que estamos com eles e aos grupos terroristas que eles serão responsabilizados.”

Da DEA em 2020:

"Nicolás Maduro Moros e 14 atuais e ex-funcionários venezuelanos acusados de narcoterrorismo, corrupção, tráfico de drogas e outras acusações criminais.

Maduro e outras autoridades venezuelanas de alto escalão supostamente fizeram parceria com as FARC para usar cocaína como arma para “inundar” os Estados Unidos."





WASHINGTON – O ex-presidente da Venezuela Nicolás Maduro Moros, o vice-presidente de economia da Venezuela, o ministro da Defesa da Venezuela e o chefe da Suprema Corte da Venezuela estão entre os acusados na cidade de Nova York; Washington DC.; e Miami, juntamente com atuais e ex-funcionários do governo venezuelano e dois líderes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), anunciaram o procurador-geral dos EUA William P. Barr, Procurador dos EUA Geoffrey S. Berman do Distrito Sul de Nova York, Procurador dos EUA Ariana Fajardo Orshan do Distrito Sul da Flórida, Procurador-Geral Adjunto Brian A. Benczkowski da Divisão Criminal do Departamento de Justiça, o Administrador Interino Uttam Dhillon, da Administração Antidrogas dos EUA, e a Diretora Executiva Associada Interina Alysa D. Erichs, das Investigações de Segurança Interna do Departamento de Imigração e Alfândega dos EUA.

“O regime venezuelano, outrora liderado por Nicolás Maduro Moros, continua atormentado pela criminalidade e corrupção”, disse o procurador-geral Barr. “Por mais de 20 anos, Maduro e vários colegas de alto escalão supostamente conspiraram com as FARC, fazendo com que toneladas de cocaína entrassem e devastassem as comunidades americanas. O anúncio de hoje está focado em erradicar a extensa corrupção dentro do governo venezuelano – um sistema construído e controlado para enriquecer aqueles nos níveis mais altos do governo. Os Estados Unidos não permitirão que essas autoridades venezuelanas corruptas usem o sistema bancário dos EUA para transferir seus lucros ilícitos da América do Sul nem promover seus esquemas criminosos”.

T-72 venezuelano.

“Hoje anunciamos acusações criminais contra Nicolás Maduro Moros por conduzir, junto com seus principais tenentes, uma parceria de narcoterrorismo com as FARC nos últimos 20 anos”, disse o procurador dos EUA Berman. “O alcance e a magnitude do suposto narcotráfico só foram possíveis porque Maduro e outros corromperam as instituições da Venezuela e forneceram proteção política e militar para os desenfreados crimes de narcoterrorismo descritos em nossas acusações. Conforme alegado, Maduro e os outros réus pretendiam expressamente inundar os Estados Unidos com cocaína para minar a saúde e o bem-estar de nossa nação. Maduro muito deliberadamente usou cocaína como arma. Embora Maduro e outros membros do cartel detivessem altos títulos na liderança política e militar da Venezuela, a conduta descrita na acusação não era política ou serviço ao povo venezuelano. Conforme alegado, os réus traíram o povo venezuelano e corromperam instituições venezuelanas para encher seus bolsos com dinheiro de drogas”.

“Na última década, funcionários corruptos do governo venezuelano saquearam sistematicamente bilhões de dólares da Venezuela”, disse o procurador dos EUA Fajardo Orshan. “Com muita frequência, esses funcionários corruptos e seus co-conspiradores usaram bancos e imóveis do sul da Flórida para ocultar e perpetuar suas atividades ilegais. Como mostram as acusações recentes, a corrupção venezuelana e a lavagem de dinheiro no sul da Flórida se estendem até mesmo aos níveis mais altos do sistema judicial da Venezuela. Nos últimos dois anos, a Procuradoria dos EUA no sul da Flórida e seus parceiros federais de aplicação da lei se uniram para apresentar dezenas de acusações criminais contra funcionários do regime de alto nível e co-conspiradores, resultando em apreensões de aproximadamente US$ 450 milhões”.

“Essas acusações expõem a corrupção sistêmica devastadora nos níveis mais altos do regime de Nicolás Maduro”, disse o administrador interino Dhillon. “Esses funcionários repetidamente e conscientemente traíram o povo da Venezuela, conspirando, para ganho pessoal, com traficantes de drogas e organizações terroristas estrangeiras designadas como as FARC. As ações de hoje enviam uma mensagem clara aos funcionários corruptos em todos os lugares de que ninguém está acima da lei ou fora do alcance da aplicação da lei dos EUA. O Departamento de Justiça e a Administração de Repressão às Drogas continuarão a proteger o povo americano de traficantes de drogas implacáveis – não importa quem sejam ou onde morem.”

“A natureza colaborativa desta investigação é representativa do trabalho contínuo que a HSI e as agências internacionais de aplicação da lei realizam todos os dias, muitas vezes nos bastidores e desconhecidos do público, para tornar nossas comunidades mais seguras e livres de corrupção”, disse o Diretor Associado Executivo Interino Erichs. “O anúncio de hoje destaca o alcance global e o compromisso da HSI em identificar, direcionar e investigar agressivamente indivíduos que violam as leis dos EUA, exploram sistemas financeiros e se escondem atrás de criptomoedas para promover suas atividades criminosas ilícitas. Que esta acusação seja um lembrete de que ninguém está acima da lei – nem mesmo políticos poderosos”.

Um marinheiro da Guarda Costeira dos EUA guarda mais de 40.000 libras de cocaína latino-americana apreendida em 2007 e avaliada em cerca de US$ 500 milhões.

Uma acusação substitutiva de quatro acusações revelada hoje no Distrito Sul de Nova York acusa Nicolás Maduro Moros, 57; Diosdado Cabello Rondón, 56, chefe da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela; Hugo Armando Carvajal Barrios, também conhecido como “El Pollo”, 59, ex-diretor de inteligência militar; Clíver Antonio Alcalá Cordones, 58, ex-general das Forças Armadas venezuelanas; Luciano Marín Arango, também conhecido como “Ivan Marquez”, 64, membro da Secretaria das FARC, que é o órgão máximo de liderança das FARC; e Seuxis Paucis Hernández Solarte, também conhecido como “Jesús Santrich”, 53, membro do Alto Comando Central das FARC, que é o segundo maior órgão de liderança das FARC. O caso está pendente perante o juiz distrital dos EUA Alvin K. Hellerstein.

O Departamento de Estado dos EUA, por meio de seu Programa de Recompensas de Narcóticos, está oferecendo recompensas de até US$ 15 milhões por informações que levem à prisão e/ou condenação de Maduro Moros, até US$ 10 milhões por informações que levem à prisão e/ou condenação de Cabello Rondón, Carvajal Barrios e Alcalá Cordones, e até US$ 5 milhões por informações que levem à prisão e/ou condenação de Marín Arango.


Maduro Moros, Cabello Rondón, Carvajal Barrios, Alcalá Cordones, Marín Arango e Hernández Solarte foram acusados de:
  1. participação em uma conspiração de narcoterrorismo, que acarreta uma sentença mínima obrigatória de 20 anos e um máximo de prisão perpétua;
  2. conspirar para importar cocaína para os Estados Unidos, que acarreta uma sentença mínima obrigatória de 10 anos e um máximo de prisão perpétua;
  3. usar e portar metralhadoras e dispositivos destrutivos durante e em relação a, e possuir metralhadoras e dispositivos destrutivos em prol das conspirações de narcoterrorismo e de importação de cocaína, que acarreta uma sentença mínima obrigatória de 30 anos e um máximo de prisão perpétua; e
  4. conspirar para usar e portar metralhadoras e dispositivos destrutivos durante e em relação a, e possuir metralhadoras e dispositivos destrutivos para promover as conspirações de narcoterrorismo e importação de cocaína, que acarreta uma sentença máxima de prisão perpétua. As possíveis sentenças mínimas e máximas obrigatórias neste caso são prescritas pelo Congresso e fornecidas aqui apenas para fins informativos, pois qualquer sentença dos réus será determinada pelo juiz.

De acordo com as alegações contidas na acusação substitutiva, outros documentos judiciais e declarações feitas durante os processos judiciais:

Desde pelo menos 1999, Maduro Moros, Cabello Rondón, Carvajal Barrios e Alcalá Cordones, atuavam como líderes e gerentes do Cártel de Los Soles, ou “Cartel dos Sóis”. O nome do Cartel refere-se às insígnias do sol afixadas nos uniformes dos oficiais militares venezuelanos de alto escalão. Maduro Moros e os outros membros acusados do Cartel abusaram do povo venezuelano e corromperam as instituições legítimas da Venezuela – incluindo partes do exército, aparato de inteligência, legislativo e judiciário – para facilitar a importação de toneladas de cocaína para os Estados Unidos. O Cártel de Los Soles procurou não apenas enriquecer seus membros e aumentar seu poder, mas também “inundar” os Estados Unidos com cocaína e infligir os efeitos nocivos e viciantes da droga aos usuários nos Estados Unidos.

Guerrilheiros das FARC.

Marín Arango e Hernández Solarte são líderes das FARC. A partir de aproximadamente 1999, enquanto as FARC pretendiam negociar a paz com o governo colombiano, os líderes das FARC concordaram com os líderes do Cártel de Los Soles para transferir algumas das operações das FARC para a Venezuela sob a proteção do Cartel. A partir de então, as FARC e o Cártel de Los Soles despacharam cocaína processada da Venezuela para os Estados Unidos por meio de pontos de transbordo no Caribe e na América Central, como Honduras. Por volta de 2004, o Departamento de Estado dos EUA estimou que 250 ou mais toneladas de cocaína transitavam pela Venezuela por ano. As remessas marítimas foram enviadas para o norte da costa da Venezuela usando embarcações rápidas, barcos de pesca e navios porta-contêineres. Os embarques aéreos eram muitas vezes despachados de pistas de pouso clandestinas, tipicamente feitas de terra ou grama, concentradas no Estado Apure. De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, aproximadamente 75 voos não autorizados suspeitos de atividades de tráfico de drogas entraram no espaço aéreo hondurenho somente em 2010, usando a rota conhecida como “ponte aérea” da cocaína entre a Venezuela e Honduras.

Em seu papel como líder do Cártel de Los Soles, Maduro Moros negociou carregamentos de várias toneladas de cocaína produzida pelas FARC; ordenou que o Cártel de Los Soles fornecesse armas de nível militar às FARC; coordenou relações exteriores com Honduras e outros países para facilitar o tráfico de drogas em grande escala; e solicitou ajuda da liderança das FARC para treinar um grupo de milícias não sancionadas que funcionava, em essência, como uma unidade das forças armadas do Cártel de Los Soles.

A Unidade de Investigações Bilaterais da Divisão de Operações Especiais da DEA, a Força de Ataque de Nova York e a Divisão de Campo de Miami conduziram a investigação. Este caso está sendo tratado pela Procuradoria dos EUA para a Unidade de Terrorismo e Narcóticos Internacional do Distrito Sul de Nova York. Os promotores adjuntos Amanda L. Houle, Matthew J. Laroche, Jason A. Richman e Kyle A. Wirshba estão encarregados da acusação.


Leitura recomendada:

A geopolítica perpétua da Rússia

Siga o líder: Pedro, o Grande por Hippolyte (Paul) Delaroche, 1838.
(Bridgeman Images)

Por Stephen Kotkin, Foreign Affairs, Maio/Junho de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de julho de 2022.

Putin retorna ao padrão histórico.

Por meio milênio, a política externa russa foi caracterizada por ambições crescentes que excederam as capacidades do país. Começando com o reinado de Ivan, o Terrível, no século XVI, a Rússia conseguiu se expandir a uma taxa média de 50 milhas quadradas (80,4km²) por dia por centenas de anos, cobrindo um sexto da massa terrestre. Em 1900, era a quarta ou quinta maior potência industrial do mundo e o maior produtor agrícola da Europa. Mas seu PIB per capita atingiu apenas 20% do do Reino Unido e 40% do da Alemanha. A expectativa de vida média da Rússia Imperial ao nascer era de apenas 30 anos – superior à da Índia britânica (23), mas igual à da China Qing e muito abaixo da do Reino Unido (52), do Japão (51) e da Alemanha (49). A alfabetização russa no início do século XX permaneceu abaixo de 33% — inferior à da Grã-Bretanha no século XVIII. Essas comparações eram bem conhecidas pelo establishment político russo, porque seus membros viajavam para a Europa com frequência e comparavam seu país com os líderes mundiais (algo que também é verdade hoje).

A história registra três momentos fugazes de notável ascendência russa: a vitória de Pedro, o Grande sobre Carlos XII e uma Suécia em declínio no início de 1700, a qual implantou o poder russo no Mar Báltico e na Europa; a vitória de Alexandre I sobre um Napoleão descontroladamente sobrecarregado na segunda década do século XIX, que trouxe a Rússia a Paris como árbitro dos assuntos das grandes potências; e a vitória de Stalin sobre o apostador maníaco Adolf Hitler na década de 1940, que deu à Rússia Berlim, um império satélite na Europa Oriental e um papel central na formação da ordem global do pós-guerra.

Deixando de lado essas marcas d'água, no entanto, a Rússia quase sempre foi uma grande potência relativamente fraca. Perdeu a Guerra da Crimeia de 1853-56, uma derrota que acabou com o brilho pós-napoleônico e forçou uma emancipação tardia dos servos. Perdeu a Guerra Russo-Japonesa de 1904-5, a primeira derrota de um país europeu por um asiático na era moderna. Perdeu a Primeira Guerra Mundial, derrota que causou o colapso do regime imperial. E perdeu a Guerra Fria, uma derrota que ajudou a causar o colapso do sucessor soviético do regime imperial.

Por toda parte, o país tem sido assombrado por seu relativo atraso, particularmente nas esferas militar e industrial. Isso levou a repetidos frenesis de atividades governamentais destinadas a ajudar o país a recuperar o atraso, com um ciclo familiar de crescimento industrial coercitivo liderado pelo Estado seguido de estagnação. A maioria dos analistas havia assumido que esse padrão havia terminado definitivamente na década de 1990, com o abandono do marxismo-leninismo e a chegada de eleições competitivas e uma economia capitalista bucaneira. Mas o ímpeto por trás da grande estratégia russa não mudou. E, na última década, o presidente russo, Vladimir Putin, voltou à tendência de depender do Estado para administrar o abismo entre a Rússia e o Ocidente mais poderoso.

A política externa russa tem sido caracterizada por ambições crescentes que excederam as capacidades do país.

Com a dissolução da União Soviética em 1991, Moscou perdeu cerca de dois milhões de milhas quadradas (3,7 milhões de km²) de território soberano – mais do que o equivalente de toda a União Européia (1,7 milhão de milhas quadradas / 2,7 milhões de km²)) ou da Índia (1,3 milhão / 2 milhões de km²). A Rússia perdeu a parte da Alemanha que havia conquistado na Segunda Guerra Mundial e seus outros satélites na Europa Oriental – todos agora dentro da aliança militar ocidental, juntamente com algumas antigas regiões avançadas da União Soviética, como os Estados bálticos. Outras antigas possessões soviéticas, como Azerbaijão, Geórgia e Ucrânia, cooperam estreitamente com o Ocidente em questões de segurança. Não obstante a anexação forçada da Crimeia, a guerra no leste da Ucrânia e a ocupação de fato da Abkhazia e da Ossétia do Sul, a Rússia teve que se retirar da maior parte da chamada Nova Rússia de Catarina, a Grande, nas estepes do sul e da Transcaucásia. E além de algumas bases militares, a Rússia também está fora da Ásia Central.

A Rússia ainda é o maior país do mundo, mas é muito menor do que era, e a extensão do território de um país importa menos para o status de grande potência hoje em dia do que o dinamismo econômico e o capital humano – esferas nas quais a Rússia também declinou. O PIB russo denominado em dólares atingiu o pico em 2013 em pouco mais de US$ 2 trilhões e agora caiu para cerca de US$ 1,2 trilhão, graças aos preços do petróleo e às taxas de câmbio do rublo. Certamente, a contração medida na paridade do poder de compra foi muito menos dramática. Mas em termos comparativos denominados em dólares, a economia da Rússia equivale a apenas 1,5% do PIB global e é apenas um décimo do tamanho da economia dos EUA. A Rússia também sofre a dúbia distinção de ser o país desenvolvido mais corrupto do mundo, e seu sistema econômico de extração de recursos e busca de renda chegou a um beco sem saída.

O ambiente geopolítico, enquanto isso, tornou-se apenas mais desafiador ao longo do tempo, com a contínua supremacia global dos EUA e a dramática ascensão da China. E a disseminação do islamismo político radical gera preocupações, já que cerca de 15% dos 142 milhões de cidadãos da Rússia são muçulmanos e algumas das regiões predominantemente muçulmanas do país estão fervilhando de agitação e ilegalidade. Para as elites russas que assumem que o status e até a sobrevivência de seu país dependem de se equiparar ao Ocidente, os limites do curso atual devem ser evidentes.

As necessidades do Urso

Os russos sempre tiveram a sensação permanente de viver em um país providencial com uma missão especial – uma atitude muitas vezes atribuída a Bizâncio, que a Rússia reivindica como herança. Na verdade, a maioria das grandes potências exibiu sentimentos semelhantes. Tanto a China quanto os Estados Unidos reivindicaram um excepcionalismo divino, assim como a Inglaterra e a França ao longo de grande parte de suas histórias. Alemanha e Japão tiveram seu excepcionalismo bombardeado. O da Rússia é notavelmente resiliente. Ele foi expresso de forma diferente ao longo do tempo – a Terceira Roma, o reino pan-eslavo, a sede mundial da Internacional Comunista. A versão de hoje envolve o eurasianismo, um movimento lançado entre os emigrantes russos em 1921 que imaginavam a Rússia como nem europeia nem asiática, mas uma fusão sui generis.

A sensação de ter uma missão especial contribuiu para a escassez de alianças formais da Rússia e a relutância em ingressar em organismos internacionais, exceto como membro excepcional ou dominante. Fornece orgulho ao povo e aos líderes da Rússia, mas também alimenta o ressentimento em relação ao Ocidente por supostamente subestimar a singularidade e a importância da Rússia. Assim, a alienação psicológica se soma à divergência institucional impulsionada pelo relativo atraso econômico. Como resultado, os governos russos geralmente oscilaram entre buscar laços mais estreitos com o Ocidente e recuar em fúria diante de desprezos percebidos, sem que nenhuma dessas tendências prevalecesse permanentemente.

Crianças, usando lenços vermelhos, símbolo da Organização Pioneira, participam de cerimônia de posse de novos membros em escola na região de Stavropol, Rússia, em novembro de 2015.
(Eduard Korniyenko/Reuters)

Ainda outro fator que moldou o papel da Rússia no mundo foi a geografia única do país. Ele não tem fronteiras naturais, exceto o Oceano Pacífico e o Oceano Ártico (o último dos quais também está se tornando um espaço contestado). Atingida ao longo de sua história por desenvolvimentos muitas vezes turbulentos no Leste Asiático, Europa e Oriente Médio, a Rússia se sentiu perenemente vulnerável e muitas vezes exibiu um tipo de agressividade defensiva. Quaisquer que sejam as causas originais por trás do expansionismo russo inicial – muitas das quais não foram planejadas – muitos na classe política do país passaram a acreditar com o tempo que apenas uma maior expansão poderia garantir as aquisições anteriores. A segurança russa, portanto, tem sido tradicionalmente baseada em parte em avançar, em nome da prevenção de ataques externos.

Hoje, também, os países menores nas fronteiras da Rússia são vistos menos como amigos em potencial do que como potenciais cabeças de ponte para inimigos. Na verdade, esse sentimento foi fortalecido pelo colapso soviético. Ao contrário de Stalin, Putin não reconhece a existência de uma nação ucraniana separada da russa. Mas, como Stalin, ele vê todos os Estados fronteiriços nominalmente independentes, agora incluindo a Ucrânia, como armas nas mãos de potências ocidentais que pretendem empunhá-las contra a Rússia.

A Rússia é o país desenvolvido mais corrupto do mundo, e seu sistema econômico de extração de recursos e busca de renda chegou a um beco sem saída.

Um fator final da política externa russa tem sido a busca perene do país por um Estado forte. Em um mundo perigoso com poucas defesas naturais, o pensamento segue, o único garantidor da segurança da Rússia é um Estado poderoso disposto e capaz de agir agressivamente em seus próprios interesses. Um Estado forte também tem sido visto como o garantidor da ordem doméstica, e o resultado foi uma tendência capturada no resumo de uma linha do historiador do século XIX Vasily Klyuchevsky de um milênio de história russa: “O Estado engordou, mas as pessoas emagreceram.”

Paradoxalmente, no entanto, os esforços para construir um Estado forte invariavelmente levaram a instituições subvertidas e regras personalistas. Pedro, o Grande, o construtor original do Estado forte, emasculava a iniciativa individual, exacerbou a desconfiança inata entre as autoridades e fortaleceu as tendências clientelistas. Sua modernização coercitiva trouxe novas indústrias indispensáveis, mas seu projeto de um Estado fortalecido na verdade enraizou os caprichos pessoais. Essa síndrome caracterizou os reinados de sucessivos autocratas Romanov e os de Lenin e, especialmente, Stalin, e persistiu até hoje. O personalismo desenfreado tende a tornar a tomada de decisões sobre a grande estratégia russa opaca e potencialmente caprichosa, pois acaba confundindo os interesses do Estado com a fortuna política de uma pessoa.

O passado deve ser prólogo?

O ressentimento antiocidental e o patriotismo russo aparecem particularmente pronunciados na personalidade e nas experiências de vida de Putin, mas um governo russo diferente, não dirigido por tipos ex-KGB, ainda seria confrontado com o desafio da fraqueza em relação ao Ocidente e o desejo de um papel especial no mundo. A orientação da política externa da Rússia, em outras palavras, é tanto uma condição quanto uma escolha. Mas se as elites russas pudessem de alguma forma redefinir seu senso de excepcionalismo e deixar de lado sua competição impossível de ser vencida com o Ocidente, elas poderiam colocar seu país em um caminho menos dispendioso e mais promissor.

Os governos russos geralmente oscilaram entre buscar laços mais estreitos com o Ocidente e recuar em fúria diante de ofensas percebidas.

Superficialmente, isso parecia ser o que estava acontecendo durante a década de 1990, antes de Putin assumir o comando, e na Rússia uma poderosa história de “punhalada nas costas” tomou forma sobre como foi um Ocidente arrogante que desprezou as propostas russas nas últimas décadas e não o contrário. Mas essa visão minimiza a dinâmica dentro da Rússia. Certamente, Washington explorou o enfraquecimento da Rússia durante o mandato do presidente russo Boris Yeltsin e além. Mas não é necessário ter apoiado todos os aspectos da política ocidental nas últimas décadas para ver a postura evolutiva de Putin menos como uma reação a movimentos externos do que como o exemplo mais recente de um padrão profundo e recorrente impulsionado por fatores internos. O que impediu a Rússia pós-soviética de se juntar à Europa como apenas mais um país ou formar uma parceria (inevitavelmente) desigual com os Estados Unidos foi o orgulho permanente de grande potência e o senso de missão especial do país. Até que a Rússia alinhe suas aspirações com suas capacidades reais, não pode se tornar um país “normal”, não importa qual seja o aumento de seu PIB per capita ou outros indicadores quantitativos.

Um menino senta-se em um balanço perto do seu prédio, que foi danificado durante os combates entre o exército ucraniano e separatistas pró-Rússia, ao lado de um veículo blindado ucraniano, perto do Donetsk, leste da Ucrânia, em junho de 2015.
(Gleb Garanich / Reuters)

Sejamos claros: a Rússia é uma civilização notável de tremenda profundidade. Não é a única antiga monarquia absoluta que teve problemas para alcançar a estabilidade política ou que mantém uma tendência estatista (pense na França, por exemplo). E a Rússia está certa em pensar que o acordo pós-Guerra Fria foi desequilibrado, até mesmo injusto. Mas isso não foi por causa de qualquer humilhação ou traição intencional. Foi o resultado inevitável da vitória decisiva do Ocidente na disputa com a União Soviética. Em uma rivalidade global multidimensional – política, econômica, cultural, tecnológica e militar – a União Soviética perdeu em todos os aspectos. O Kremlin de Mikhail Gorbachev optou por se curvar graciosamente em vez de derrubar o mundo junto com ele, mas esse fim de jogo extraordinariamente benevolente não mudou a natureza do resultado ou suas causas – algo que a Rússia pós-soviética nunca realmente aceitou.

O mundo exterior não pode forçar tal reconhecimento psicológico, o que os alemães chamam de Vergangenheitsbewältigung – “aceitar o passado”. Mas não há razão para que isso não aconteça organicamente, entre os próprios russos. Eventualmente, o país poderia tentar seguir algo como a trajetória da França, que mantém um senso persistente de excepcionalismo, mas fez as pazes com a perda de seu império externo e sua missão especial no mundo, recalibrando sua ideia nacional para se adequar ao seu papel reduzido e juntar-se a potências menores e pequenos países da Europa em termos de igualdade.

Se mesmo uma Rússia transformada seria aceita e se fundiria bem com a Europa é uma questão em aberto. Mas o início do processo precisaria ser uma liderança russa capaz de fazer com que seu público aceitasse a redução permanente e concordasse em embarcar em uma árdua reestruturação doméstica. As pessoas de fora devem ser humildes ao contemplar como esse ajuste seria doloroso, especialmente sem uma derrota na guerra quente e ocupação militar.

A França e o Reino Unido levaram décadas para abrir mão de seus próprios sensos de excepcionalismo e responsabilidade global, e alguns argumentariam que suas elites ainda não o fizeram totalmente. Mas mesmo eles têm PIBs altos, universidades de primeira linha, poder financeiro e idiomas globais. A Rússia não tem nada disso. Ela possui um veto permanente no Conselho de Segurança da ONU, bem como um dos dois principais arsenais apocalípticos do mundo e capacidades de guerra cibernética de classe mundial. Estes, além de sua geografia única, dão-lhe uma espécie de alcance global. E, no entanto, a Rússia é a prova viva de que o poder duro é frágil sem as outras dimensões do status de grande potência. Por mais que a Rússia insista em ser reconhecida como igual aos Estados Unidos, à União Européia ou mesmo à China, ela não é, e não tem perspectiva de se tornar um igual no curto ou médio prazo.

E agora para algo completamente diferente


Quais são as alternativas concretas da Rússia para uma reestruturação e orientação de estilo europeu? Ela tem uma longa história de estar no Pacífico – e de não se tornar uma potência asiática. 
O que pode reivindicar é a predominância em sua região. Não há páreo para suas forças armadas convencionais entre os outros estados sucessores soviéticos, e estes (com exceção dos Estados bálticos) também dependem economicamente da Rússia em vários graus. Mas a supremacia militar regional e a influência econômica na Eurásia não podem garantir o status duradouro de grande potência. Putin falhou em tornar a União Econômica Eurasiática bem-sucedida – mas mesmo que todos os membros em potencial se unissem e trabalhassem juntos, suas capacidades econômicas combinadas ainda seriam relativamente pequenas.

Até que a Rússia alinhe suas aspirações com suas reais capacidades, não pode se tornar um país “normal”.

A Rússia é um grande mercado, e isso pode ser atraente, mas os países vizinhos vêem riscos e recompensas no comércio bilateral com o país. Estônia, Geórgia e Ucrânia, por exemplo, geralmente estão dispostas a fazer negócios com a Rússia apenas se tiverem uma âncora no Ocidente. Outros Estados mais dependentes economicamente da Rússia, como Bielo-Rússia e Cazaquistão, vêem riscos na parceria com um país que não apenas carece de um modelo de desenvolvimento sustentado, mas também, após a anexação da Crimeia, pode ter projetos territoriais sobre eles. Enquanto uma alardeada “parceria estratégica” com a China, previsivelmente, produziu pouco financiamento ou investimento chinês para compensar as sanções ocidentais. E durante todo o tempo, a China vem construindo aberta e vigorosamente sua própria Grande Eurásia, desde o Mar do Sul da China, passando pelo interior da Ásia até a Europa, às custas da Rússia e com sua cooperação.

A Rússia musculosa de hoje está realmente em declínio estrutural, e as ações de Putin involuntariamente produziram uma Ucrânia mais etnicamente homogênea e mais orientada para o Ocidente do que nunca. Moscou tem relações tensas com quase todos os seus vizinhos e até mesmo com seus maiores parceiros comerciais, incluindo mais recentemente a Turquia. Mesmo a Alemanha, a contraparte mais importante da política externa da Rússia e um de seus parceiros econômicos mais importantes, já teve o suficiente, apoiando sanções a um custo para sua própria situação doméstica.

“Parece que os chamados ‘vencedores’ da Guerra Fria estão determinados a ter tudo e remodelar o mundo em um lugar que possa servir melhor apenas a seus interesses”, disse Putin numa palestra no encontro anual do Clube de Discussão Valdai em outubro de 2014, após sua anexação da Crimeia. Mas o que representa uma ameaça existencial para a Rússia não é a OTAN ou o Ocidente, mas o próprio regime da Rússia. Putin ajudou a resgatar o Estado russo, mas o colocou de volta em uma trajetória de estagnação e até de possível fracasso. O presidente e sua camarilha anunciaram repetidamente a terrível necessidade de priorizar o desenvolvimento econômico e humano, mas recuam diante da reestruturação interna de longo alcance necessária para que isso aconteça, em vez de despejar recursos na modernização militar. O que a Rússia realmente precisa para competir de forma eficaz e garantir um lugar estável na ordem internacional é um governo transparente, competente e responsável; um verdadeiro serviço civil; um verdadeiro parlamento; um judiciário profissional e imparcial; mídia livre e profissional; e uma repressão vigorosa e não-política à corrupção.

Como evitar a isca do urso

A atual liderança da Rússia continua a fazer com que o país carregue o fardo de uma política externa truculenta e independente que está além das possibilidades do país e produziu poucos resultados positivos. A alta temporária proporcionada por uma política astuta e implacável na guerra civil da Síria não deve obscurecer a gravidade do recorrente vínculo estratégico da Rússia – um em que fraqueza e grandeza se combinam para produzir um autocrata que tenta avançar concentrando poder, o que resulta em uma piora do dilema estratégico que ele deveria estar resolvendo. Quais são as implicações disso para a política ocidental? Como Washington deve administrar as relações com um país com armas nucleares e cibernéticas cujos governantes buscam restaurar seu domínio perdido, embora em uma versão menor; minar a unidade europeia; e tornar o país “relevante”, aconteça o que acontecer?

Nesse contexto, é útil reconhecer que, na verdade, nunca houve um período de boas relações sustentadas entre a Rússia e os Estados Unidos. (Documentos desclassificados revelam que mesmo a aliança da Segunda Guerra Mundial estava repleta de uma desconfiança mais profunda e de propósitos opostos maiores do que geralmente se entende.) Isso se deve não a mal-entendidos, falta de comunicação ou sentimentos feridos, mas sim a valores fundamentais divergentes e interesses de Estado, como cada país os definiu. Para a Rússia, o valor mais alto é o Estado; para os Estados Unidos, é a liberdade individual, a propriedade privada e os direitos humanos, geralmente estabelecidos em oposição ao Estado. Portanto, as expectativas devem ser mantidas sob controle. Igualmente importante, os Estados Unidos não devem exagerar a ameaça russa nem subestimar suas próprias vantagens.

A Rússia hoje não é uma potência revolucionária que ameaça derrubar a ordem internacional. Moscou opera dentro de uma escola familiar de relações internacionais de grande potência, que prioriza a margem de manobra sobre a moralidade e assume a inevitabilidade do conflito, a supremacia do poder duro e o cinismo dos motivos dos outros. Em certos lugares e em certas questões, a Rússia tem a capacidade de frustrar os interesses dos EUA, mas nem remotamente se aproxima da escala da ameaça representada pela União Soviética, então não há necessidade de responder a ela com uma nova Guerra Fria.

O verdadeiro desafio hoje se resume ao desejo de Moscou pelo reconhecimento ocidental de uma esfera de influência russa no antigo espaço soviético (com exceção dos Estados bálticos). Este é o preço para chegar a um acordo com Putin – algo que os defensores desse tipo de acomodação nem sempre reconhecem com franqueza. Foi o ponto de discórdia que impediu a cooperação duradoura após o 11 de setembro, e continua sendo uma concessão que o Ocidente nunca deveria conceder. Nem, no entanto, o Ocidente é realmente capaz de proteger a integridade territorial dos Estados dentro da desejada esfera de influência de Moscou. E blefar não vai funcionar. Então o que deve ser feito?

Na verdade, nunca houve um período de boas relações sustentadas entre a Rússia e os Estados Unidos.

Alguns invocam George Kennan e pedem um renascimento da contenção, argumentando que a pressão externa manterá a Rússia sob controle até que seu regime autoritário seja liberalizado ou desmorone. E, certamente, muitas das observações de Kennan permanecem pertinentes, como sua ênfase no “Longo Telegrama” que ele despachou de Moscou há 70 anos sobre a profunda insegurança que impulsionava o comportamento soviético. Adotar seu pensamento agora implicaria manter ou intensificar as sanções em resposta às violações russas do direito internacional, fortalecer politicamente as alianças ocidentais e melhorar a prontidão militar da OTAN. Mas uma nova contenção pode se tornar uma armadilha, reelevando a Rússia ao status de superpotência rival, cuja busca pela Rússia ajudou a provocar o atual confronto.

Mais uma vez, a determinação do paciente é a chave. Não está claro por quanto tempo a Rússia pode jogar sua mão fraca na oposição aos Estados Unidos e à UE, assustando seus vizinhos, alienando seus parceiros comerciais mais importantes, devastando seu próprio clima de negócios e sangrando talentos. Em algum momento, antenas serão colocadas para algum tipo de reaproximação, assim como a fadiga das sanções acabará surgindo, criando a possibilidade de algum tipo de acordo. Dito isso, também é possível que o atual impasse não termine tão cedo, já que a busca da Rússia por uma esfera de influência eurasiana é uma questão de identidade nacional que não é facilmente suscetível a cálculos materiais de custo-benefício.

O truque será manter uma linha firme quando necessário – como recusar-se a reconhecer uma esfera russa privilegiada mesmo quando Moscou for capaz de decretar uma militarmente – enquanto oferece negociações apenas a partir de uma posição de força e evitando tropeçar em confrontos desnecessários e confrontos contraproducentes na maioria das outras questões. Algum dia, os líderes da Rússia podem chegar a um acordo com os limites gritantes de enfrentar o Ocidente e tentar dominar a Eurásia. Até lá, a Rússia não será mais uma cruzada necessária a ser vencida, mas um problema a ser administrado.

Stephen Kotkin é professor de História e Assuntos Internacionais da Universidade de Princeton e membro da Hoover Institution da Universidade de Stanford.

Bibliografia recomendada:

Os Russos.
Angelo Segrillo.

Leitura recomendada:

As fontes da conduta soviética, 13 de junho de 2022.

sábado, 2 de julho de 2022

Taiwan adota orçamento militar recorde para evitar invasão chinesa


Por Thomas Romanacce, Capital, 31 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de julho de 2022.

Taipei financiará seu exército no valor de 14 bilhões de euros em 2022. Esses fundos serão usados ​​para fabricar massivamente mísseis e comprar dispositivos americanos de última geração.

Taiwan está fortalecendo cada vez mais sua defesa militar para melhor se proteger de uma possível invasão chinesa. De acordo com o Taipei Times, o governo de Taiwan concedeu 14,2 bilhões de euros ao seu exército para o ano de 2022. Um orçamento recorde que representa 2% do produto interno bruto (PIB) deste Estado insular. Um valor, porém, insuficiente para a presidente da ilha, Tsai Ing-wen, que pretende financiar suas tropas em até 3% do PIB. Este esforço orçamental visa modernizar as forças taiwanesas em inferioridade numérica face ao imenso exército chinês.

Parte desses 14 bilhões de euros será entregue a certas empresas taiwanesas para que possam produzir mísseis em massa. Esses dispositivos serão capazes de atingir alvos no continente chinês com precisão e, portanto, exercerão uma forma potencial de dissuasão contra uma força hostil que gostaria de pousar na ilha, explica o Taipei TimesA marinha do Estado insular também aproveitará este aumento orçamentário para adquirir de Washington, 10 helicópteros Seahawk especializados no rastreamento de submarinos inimigos. As forças navais de Taiwan também planejam comprar mísseis guiados e torpedos.

No lado aéreo, as tropas de Tsai Ing-Wen gastarão 500 milhões de euros para adquirir quatro drones americanos MQ-9B Sea Guardian. A aeronave estará totalmente operacional em 2023. “Esses dispositivos aumentarão a capacidade da ilha de responder a ameaças futuras, fornecendo recursos de inteligência e vigilância, mas também de mira e ataques em terra, no mar e debaixo d'água”, detalha um comunicado de imprensa do departamento. Concretamente, essas máquinas permitirão que a aviação naval taiwanesa possa monitorar com mais eficiência os barcos militares e civis no Estreito de Taiwan. Este canal, com 180 quilômetros de largura, separa a "província renegada" da China continental e, por si só, movimenta cerca de 30% do comércio marítimo mundial.

Finalmente, o exército taiwanês estará em breve equipado com o míssil de cruzeiro AGM-84H especializado na destruição de navios de guerra. Taipei também terá o sistema de foguetes Himars, que já foi comprovado nas guerras no Iraque e no Afeganistão. Os oficiais superiores da ilha priorizam logicamente a defesa costeira do país. Em caso de conflito com o gigante chinês, a marinha taiwanesa deve implantar inúmeras minas anti-submarinas no estreito que separa o Estado insular da República Popular. Um sistema antimísseis será disseminado em todas as praias do território nacional para evitar os bombardeios, que o exército chinês poderia lançar do outro lado do estreito.

Um esforço “fútil” para o Global Times: o veículo de notícias internacional oficial de Pequim. O site lembra que o exército chinês realizou com sucesso exercícios militares onde os soldados treinaram para desembarcar o mais rápido possível nas “praias inimigas”. Uma mensagem clara para Taiwan, pois as relações diplomáticas entre o governo de Xi Jinping e a ilha são extremamente tensas.