quarta-feira, 25 de maio de 2022

Conversando com jihadistas: como três líderes comunitários deram um passo ousado em Burkina Faso


Por Sam Mednick, The New Humanitarian, 25 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de maio de 2022.

"Descobrimos que os jihadistas têm alguns valores morais."

Nota do editor: Enquanto os governos do Sahel lutam para conter a disseminação da Al-Qaeda e de grupos jihadistas ligados ao chamado Estado Islâmico, algumas comunidades locais deram um passo radical: conversar com os próprios militantes. Com base em meses de reportagens em Burkina Faso e Mali, esta é a quinta de uma série de reportagens que examinam esses esforços. Leia as quatro primeiras aqui, aqui, aqui e aqui.

Ouagadougou

Os crescentes pedidos de abordagens não militares ao conflito jihadista de Burkina Faso levaram a junta governante do país a oferecer apoio às comunidades locais que dialogam com grupos militantes para evitar o sofrimento e salvar vidas.

Mas quem são os líderes comunitários envolvidos nessas conversas e que tipo de discussões eles estão mantendo? Os diálogos locais são uma medida paliativa ou uma solução de longo prazo que pode conter os ataques jihadistas que deslocaram quase dois milhões de pessoas?

Para tentar responder a essas perguntas, The New Humanitarian realizou raras entrevistas cara a cara com três influentes líderes comunitários burkinabês que organizaram diálogos locais e fizeram pactos com militantes nos últimos dois anos.

Suas histórias envolvem atos de coragem e liderança individual. Mas eles também ressaltam os compromissos desagradáveis a que as comunidades são forçadas à medida que buscam maneiras de sair do conflito.

Grupos jihadistas ligados à Al-Qaeda e ao chamado Estado Islâmico começaram a se espalhar no país da África Ocidental em 2015 – parte de um esforço mais amplo na região do Sahel, que agora abriga uma das piores crises humanitárias do mundo.

A ideia de negociar com jihadistas – geralmente enquadrados como fanáticos e pouco mais – tem sido um tabu global. As nações ocidentais com pegadas militares no Sahel disseram repetidamente aos governos regionais para não se envolverem em tais negociações.

No entanto, os fracassos das operações militares e intervenções estrangeiras forçaram as comunidades a resolver o problema com as próprias mãos. Desde meados de 2020, dezenas de pactos locais foram firmados com militantes em Burkina Faso e no vizinho Mali.

Os resultados das negociações de Burkina Faso são mistos. As comunidades devem aceitar seguir a dura interpretação dos jihadistas da lei sharia, que recai mais fortemente sobre as mulheres e outros grupos marginalizados.

Alguns pactos também foram quebrados, levando a novos combates, enquanto a trajetória geral do conflito aqui só piorou em meio ao aumento dos abusos de militantes e soldados locais.

Ainda assim, os diálogos resultaram em promessas de segurança de jihadistas que ajudaram milhares de deslocados a voltar para casa. Isso permite que eles cultivem e alimentem suas famílias – especialmente crítico em um ano em que os níveis de fome aumentaram mais de 80%.

E embora o governo anterior – deposto por soldados em janeiro – não tenha dado apoio ou reconhecimento aos mediadores, a atual junta está oferecendo ajuda logística. Ele espera que mais diálogos possam eventualmente levar os jihadistas a depor as armas.

Líderes comunitários disseram ao The New Humanitarian que estão satisfeitos que a junta esteja reconhecendo formalmente seus esforços, embora achem que seria melhor se o governo negociasse diretamente com os militantes. Seus depoimentos seguem abaixo.

Pseudônimos são usados por razões de segurança, enquanto alguns nomes de aldeias e comunas, e alguns outros detalhes, também são obscurecidos para proteger identidades.

Uma carta, uma longa espera e um pequeno sucesso: "Ele sentou na areia e desligou o telefone"

O principal jihadista de Burkina Faso manteve seu público esperando por quase quatro horas antes de chegar a um pedaço de deserto nos arredores da cidade de Nassoumbou, no norte. Era julho de 2021 e o militante, Jafar Dicko, concordou em conversar com líderes comunitários cansados.

Portando uma arma e vestido com um lenço na cabeça que cobria tudo, menos a boca, Dicko – cujo irmão fundou o primeiro grupo jihadista nacional – tinha uma presença imponente. No entanto, o líder era tímido e atencioso, de acordo com os participantes da reunião.

“Ele se sentou na areia e desligou o telefone para ouvir o que as pessoas estavam dizendo”, disse Hassan Boly, um líder comunitário que estava na reunião de julho. “Jafar era modesto, não dava ordens, não se exibia”, acrescentou Boly.

A primeira vez que os líderes de Nassoumbou contataram os jihadistas foi em 2018, quando os militantes começaram a intensificar os ataques. Sem saber com quem entrar em contato, os moradores escreveram cartas e as postaram em mesquitas abandonadas no mato, esperando que os combatentes pudessem vê-las.

Pouco depois de fazer isso, os jihadistas ligaram para a comunidade e aceitaram uma reunião. No entanto, essas conversas renderam pouco, pois os militantes recusaram os pedidos para reabrir as escolas fechadas e depois não se comprometeram com os pedidos de conversas de acompanhamento.

As coisas mudaram, no entanto, em julho passado, quando os militantes concordaram em se reunir novamente. Não está claro o que mudou de ideia, embora as discussões tenham coincidido com iniciativas de diálogo semelhantes que começaram em outras partes de Burkina Faso.

Não sabendo com quem entrar em contato, os locais escreveram cartas e postaram-nas em mesquitas abandonadas no mato, na esperança que combatentes de passagem talvez as vissem.

A reunião de julho ocorreu a cerca de quatro quilômetros da principal cidade de Nassoumbou. Boly liderou um grupo de 15 líderes comunitários que foram servidos com iogurte e refrigerante por jihadistas enquanto esperavam a chegada de Dicko e seus guardas.

Durante o encontro, Boly perguntou aos jihadistas se eles aceitariam a abertura de escolas onde as aulas são ministradas em francês. Dicko disse que essas escolas não faziam parte da visão dos jihadistas, mas que quem quisesse ensinar seus filhos em árabe era bem-vindo.

Os líderes comunitários também pediram a Dicko que deixasse as pessoas retornarem à comuna de Nassoumbou para que pudessem reconstruir suas vidas. “A equipe de negociação implorou aos jihadistas que permitissem que as pessoas voltassem a cultivar suas plantações”, disse Boly.

Desta vez, o jihadista aceitou, embora Dicko tenha dito que a principal cidade de Nassoumbou estava fora dos limites porque os moradores de lá já haviam se juntado a milícias pró-governo que lutaram contra os militantes.

Cerca de 70 por cento da comuna acabou voltando para casa após a reunião, de acordo com Boly. Elas foram feitas para seguir a interpretação estrita da sharia pelos jihadistas, mas muitos ainda se sentiram seguros de que os combatentes não queriam matá-los.

“Descobrimos que os jihadistas têm alguns valores morais, como hospitalidade e consideração”, disse Boly, 65 anos, pai de 12 filhos e com experiência na política local.

As conversas com os militantes continuaram após o diálogo inicial, embora os jihadistas insistissem que os pontos de discussão fossem enviados com antecedência e raramente estivessem dispostos a se desviar da agenda planejada.

Por exemplo, em uma ocasião Boly organizou uma reunião para obter permissão para acessar uma área controlada por jihadistas, onde ele precisava entregar remédios a um homem que cuidava de seu gado.

Durante esse encontro, Boly apelou aos jihadistas para que largassem suas armas e voltassem para casa pacificamente. Mas os jihadistas disseram que esse assunto não havia sido agendado e, por isso, não podiam falar sobre ele.

Ainda assim, Boly não acredita que tais assuntos estejam completamente fora da mesa. “Jafar pode mudar um dia”, disse o líder comunitário. “Se algumas pessoas com habilidades de negociação falassem continuamente com ele, [ele] poderia mudar.”

Um encontro amigável e uma trégua frágil: "Como está seu irmão? Como está seu filho?"

O líder comunitário Ali Barry disse que a comunicação ad hoc com os jihadistas começou em sua comuna do norte em 2019. Na época, Barry recebia telefonemas caóticos de combatentes se apresentando como "pessoas do mato".

Às vezes, os militantes lhe perguntavam se a comunidade tinha visto suas vacas perdidas; outras vezes, eles reclamavam que as pessoas estavam derrubando árvores em áreas controladas pelos combatentes. Barry então conectaria os jihadistas com líderes na área relevante.

No entanto, no final de 2019, a situação estava se deteriorando. Os jihadistas estavam roubando as colheitas das pessoas e milhares fugiam para cidades mais seguras. Barry e outros líderes comunitários decidiram, portanto, que precisavam encontrar os jihadistas cara a cara.

No início de 2020, a comuna do norte criou uma equipe de negociação que incluía líderes tradicionais e combatentes que se juntaram às milícias antijihadistas. As autoridades locais, no entanto, ficaram de fora, por medo de interferirem negativamente.

Organizar uma reunião não foi fácil. Várias datas acordadas foram canceladas e os militantes continuaram mudando de ideia sobre onde realizar as negociações. “Talvez eles tenham pensado que queríamos armar uma armadilha contra eles”, refletiu Barry sobre os atrasos.

Finalmente, em junho de 2020, a equipe de negociação se reuniu com cerca de 15 jihadistas. Alguns combatentes pareciam fracos e estavam sofrendo para segurar suas armas, lembrou Barry. “Era como se você estivesse assistindo a um filme”, disse ele.

Barry disse aos jihadistas que sua comunidade queria encontrar uma maneira de salvar vidas e coexistir pacificamente. Ele acrescentou que o contato direto era preferível do que a comunicação por meio de mensageiros de terceiros.

“Temos um ditado em nossa língua: ‘Quando você fala um com o outro estando longe um do outro, é como se estivesse jogando pedras um no outro’”, disse Barry, que tem 47 anos e também está envolvido na política local.

"Os terroristas não acham que o que estão fazendo é errado. Eles acham que estão reivindicando algo que é seu direito."

Os jihadistas falaram pouco durante a reunião, que durou apenas 10 minutos. E, no entanto, de acordo com Barry, as negociações iniciaram vários meses de relativa calma quando os militantes de repente se tornaram “mais prestativos e tolerantes”.

Discussões telefônicas subsequentes também tornaram a vida um pouco mais suportável. Quando uma comuna vizinha foi atacada um dia e escritórios do governo foram saqueados, a comunidade chamou os jihadistas para reclamar. Três dias depois, tudo foi devolvido.

Mais reuniões presenciais também foram realizadas em 2021, com as discussões se tornando mais longas e profundas. Em uma reunião, a comunidade pediu que as restrições de acesso a um mercado local fossem removidas e que os jihadistas parassem de se casar à força com mulheres locais.

Os jihadistas, no entanto, não atenderam a todos os pedidos da comunidade. Líderes de um vilarejo da comuna pediram permissão para retornar às casas de onde haviam fugido anteriormente, mas os jihadistas recusaram-se sem explicar o motivo.

Nem Barry sentiu qualquer remorso dos jihadistas pela dor que infligiram às pessoas. "Os terroristas não acham que o que estão fazendo é errado", disse ele. “Eles acham que estão reivindicando algo que é seu direito.”

Ainda assim, todos apertavam as mãos após as reuniões e parabenizavam uns aos outros por arranjarem tempo para conversar. E os jihadistas até perguntavam sobre pessoas que conheciam em casa. "Como esta seu irmão? Como está seu filho?" Barry se lembrou deles perguntando.

Essa familiaridade foi o que mais impressionou o líder local nas conversas. Quando os militantes se espalharam pela primeira vez em sua comuna em 2015, os moradores presumiram que eram de países vizinhos como Mali – que luta contra a violência extremista desde 2012.

Essa percepção mudou à medida que os moradores recebiam ligações de parentes que se juntaram aos militantes, enquanto os encontros presenciais deixavam as coisas ainda mais claras. Em um diálogo, Barry disse que até reconheceu um adolescente cuja circuncisão ele havia participado.

“Você espera ver estrangeiros, algumas pessoas que você não conhece”, disse o líder comunitário. “[Mas] ver jovens lutando como jihadistas me diz que nossas comunidades são frágeis.”

As negociações também se mostraram frágeis. Em novembro de 2021, jihadistas exigiram que o exército deixasse a principal cidade da comuna de Barry, argumentando que eles assumiriam o controle da segurança. Quando o exército recusou, os combates recomeçaram em toda a comuna e os moradores fugiram.

O The New Humanitarian não conseguiu entrar em contato com Barry nos últimos meses para descobrir exatamente como esses confrontos afetaram as negociações locais. Ainda assim, o líder comunitário sempre duvidou que o cessar-fogo durasse.

Ele disse que as comunas vizinhas não tinham esses pactos, o que tornava difícil manter qualquer tipo de paz na área mais ampla. “Se a casa do seu vizinho estiver pegando fogo, você deve se preparar [para o fogo se espalhar]”, disse Barry.

Sentimentos mistos e um velho conhecido: "Eles nunca declararam claramente o que queriam"

Era de manhã cedo em março de 2020 quando Adama Diallo decidiu que estava cansado de esperar que os jihadistas respondessem ao seu pedido de reunião. Então, o homem de 58 anos subiu em sua moto e dirigiu para o mato na direção de uma base militante.

Diallo esperava encontrar um velho conhecido – Amadou Badini – que havia se tornado o líder de um grupo alinhado à Al-Qaeda com base na fronteira com o Mali. Ele esperava que o líder permitisse que sua comunidade voltasse à comuna do norte da qual fugiram em 2019.

Quase 20 anos mais velho, Diallo cresceu com os pais de Badini. Ele viu seu filho se radicalizar com a pregação de Malam Dicko (irmão de Jafar Dicko), que foi morto em 2017.

Diallo tinha visto Badini pela última vez em 2015 e sentiu uma mudança de personagem. Ele estava castigando muçulmanos que não rezavam e pessoas que fumavam. “Estava preocupado com o país quando conheci Badini e seus amigos [na época]. Eu sabia que mais tarde eles teriam armas”, disse Diallo.

Dirigindo para o mato naquela manhã de março, Diallo, que tem 13 filhos, não sabia o que esperar de seu antigo contato. Depois de garantir uma reunião – depois de uma noite dormindo na base militante – as coisas correram mais tranquilamente do que ele suspeitava.

Sentado sob uma árvore em um remoto pedaço de deserto a vários quilômetros da base, Badini foi receptivo. Ele disse que as soluções são mais bem encontradas através do diálogo. Ambos os homens concordaram em se encontrar novamente, embora com mais pessoas presentes.

"Eles nunca declararam claramente o que queriam."

A próxima discussão foi realizada algumas semanas depois. Desta vez, 30 jihadistas sentaram-se diante de 23 líderes comunitários, de acordo com vídeos da reunião de quatro horas e meia vistos pelo The New Humanitarian.

As piadas eram contadas enquanto os jihadistas serviam chá. “Ouvi dizer que quem tomar seu chá vai se juntar a vocês, mas não quero me juntar e viver no mato”, disse Diallo aos militantes. “Eu quero estar em um carro com ar condicionado.”

Durante as discussões, os jihadistas responderam a perguntas sobre por que não reabririam as escolas públicas e se opunham à democracia. Disseram que democracia é “fazer o que agrada a você, não o que agrada a Deus”, lembrou Diallo.

Todos se revezaram falando, incluindo Badini, que disse aos líderes comunitários que eles poderiam retornar à comuna para cultivar seus campos, pastorear seu gado e administrar seus negócios.

Mas Badini estabeleceu condições: as pessoas tinham que viver de acordo com a estrita lei da sharia, com homens cortando suas calças e mulheres usando véus; e ninguém tinha permissão para retornar à cidade principal da comuna, onde o exército tinha uma base que os jihadistas queriam isolar.

Diallo saiu da reunião com emoções misturadas. Por um lado, ele estava seguro de que os jihadistas não queriam sua comunidade morta. Mas ele e outros ficaram frustrados ao saber que sua cidade principal estava fora dos limites.

Diallo também sentiu que seus interlocutores jihadistas estavam perdidos e inseguros pelo que eles estavam realmente lutando. “Eles nunca declararam claramente o que queriam”, disse ele. “Por exemplo, eles nunca disseram se queriam [ocupar] parte do país.”

Ainda assim, os benefícios do diálogo foram percebidos quando milhares de pessoas retornaram às suas aldeias. E daqui para frente, Diallo pretendia usar os parentes e amigos de Badini para convencer o militante a deixar as pessoas retornarem à sede da cidade principal.

“Estamos planejando enviar mais pessoas importantes da comunidade para implorar a Badini que nos deixe voltar”, disse ele. “Pelo menos, depois de falar com eles, ficamos sabendo que eles não vão nos matar.”

Editado por Philip Kleinfeld.

Ilustrações de Sara Cuevas.

SITREP: Atualização sobre operações na Ucrânia 21 de maio de 2022, A Batalha do Donbass


Pelo Ten-Cel Michel Goya, La Voie de L'Épée, 21 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de maio de 2022.

Lembre-se que o único objetivo operacional apresentado pelos russos no final de março é completar a conquista completa do Donbass, que está associada à captura das áreas das duas províncias de Luhansk e Donetsk ainda sob controle ucraniano.

Os dados do problema

Mapa das operações.

Na verdade, isso equivale a tomar o porto de Mariupol e 250km mais ao norte dos dois pares de cidades Sloviansk-Kramatorsk (SK) e Severodonetsk-Lysystchansk (SL) 80km de distância uma da outra.

A Batalha de Mariupol será analisada separadamente. Lembremo-nos neste ponto que ela fixou cerca de 12 vários grupos táticos (GT) - exército russo, guarda nacional chechena, 1º corpo de exército DNR (República Popular de Donetsk) e uma ou duas brigadas de artilharia - por sete semanas. As forças russas, sem dúvida muito desgastadas, podem ter começado a ser retiradas para lá nos últimos dez dias de abril e re-injetadas em outros lugares após duas ou três semanas de reconstituição.

Vamos nos concentrar na batalha do quadrilátero das quatro cidades de 100.000 habitantes (SK e SL) a serem conquistadas e que constituem o “efeito maior” da “Operação Donbass”. Uma vez assegurada a conquista dessas quatro cidades, com talvez a mais afluente de Propovsk - uma encruzilhada no centro-oeste do oblast de Donetsk, 65.000 habitantes -, será possível dizer que a missão russa está cumprida, pelo menos nesta fase da guerra.

Esta área operacional é abordada por pelo menos 50 grupos táticos russos, apoiados provavelmente por sete brigadas de artilharia e cem surtidas aéreas/dia, ou seja, metade da força expedicionária russa na Ucrânia, enfrentando 12 brigadas de manobra, brigadas territoriais ou da guarda nacional (pelo menos) e vários batalhões de milícias. Podemos estimar a proporção geral de forças para uma ligeira superioridade numérica russa em homens, três contra dois a seu favor para veículos de combate e dois contra um para artilharia e muito mais em apoio aéreo.

Quanto custa isso?


A maioria das unidades de combate de ambos os lados está desgastada por várias semanas de combate e seu nível tático é reduzido. Mesmo que os russos tenham feito algumas adaptações, esse nível permanece, em média, mais alto para as unidades ucranianas nos pontos de contato. Beneficiando-se de uma postura defensiva geral e superioridade de inteligência, as unidades ucranianas geralmente abrem fogo efetivamente primeiro e, portanto, também prevalecem na maioria dos casos.

Isso se traduz em perdas. Se considerarmos as perdas materiais documentadas pelo site Oryx para todo o teatro de operações, os russos teriam perdido 400 tanques e veículos blindados de infantaria no mês passado. Recorde-se que estas são apenas perdas documentadas e, portanto, ambas inferiores à realidade (será adicionado um suplemento de 30%) com talvez um viés a favor dos ucranianos, que a priori fornecem mais documentos que os russos. Podemos, portanto, considerar como provável a perda da dotação de cerca de 10 GT russos em um mês em todo o teatro, incluindo 6 ou 7 no Donbass, ou seja, entre 12 e 15% do potencial. É interessante notar que essas perdas são inferiores às do mês anterior - 700 perdas de veículos de combate documentadas - o que se explica pelos danos consideráveis ​​da batalha de Kiev para os russos (que será lembrado que é apresentado como um desvio na narrativa pró-russa).

Ao mesmo tempo, a proporção de perdas entre russos e ucranianos dificilmente mudou de uma batalha para a outra. Os ucranianos perderam efetivamente 100 veículos de combate durante o último mês, ou seja, 1 por 4 russos, contra 150 no mês anterior e 1 por 4,7, o que atesta, apesar do desgaste, a manutenção da diferença de nível tático. Os ucranianos, por outro lado, atingiram a retaguarda russa - artilharia e logística - três vezes menos do que no mês anterior, o que se explica pela melhor proteção russa desta retaguarda em comparação com a batalha de Kiev onde os longos e finos eixos de penetração russos poderiam ser atacados por forças ucranianas.


Por trás dessas perdas materiais, obviamente há pessoas que estão sofrendo. As perdas humanas são muito difíceis de estimar. Após observar a correlação entre as perdas observadas em veículos e as perdas humanas estimadas por fontes não oficiais, tomaremos como base de cálculo que a perda documentada de um veículo de combate russo está correlacionada (e não a causa) a essas 24 perdas permanentes (mortos, feridos graves, prisioneiros) para 40 do lado ucraniano. A diferença entre os dois campos é explicada pela maior densidade de materiais russos, com uma proporção muito alta de veículos blindados/homens, e uma diferença na fonte de perdas humanas. De fato, é muito provável que a maioria das perdas ucranianas venha de fogo de artilharia e fogo aéreo e não de combate direto, o que é menos o caso do lado russo.

Com estes parâmetros empíricos, podemos estimar que os russos nesta fase perderam definitivamente entre 9 e 10.000 homens na ofensiva do Donbass contra 4 a 5.000 ucranianos, excluindo a batalha de Mariupol que equilibra um pouco este relatório. Essas perdas concentram-se principalmente em ambos os lados nas unidades corpo-a-corpo e mais particularmente nas dos russos, que multiplicam os ataques de 2 a 3 GT em 5km de frente e dos quais aproximadamente três em cada quatro são repelidos com perdas. Mas foi o bem-sucedido 1 em 4 que permitiu que os russos avançassem, assim como as forças aliadas martelando - com muito mais sucesso - a frente alemã de julho a novembro de 1918.

Enquanto o terreno conquistado dificilmente pode ser recuperado pelos ucranianos e o 1 em 4 tende a se tornar 1 em 3, os russos mantêm assim a esperança de vencer.

A martelagem do front


A área de ação pode ser dividida de oeste a leste em quatro zonas de combate que percorrem amplamente o rio Donets e a área florestal que o circunda: Izium, Lyman, Noroeste de Severodonetsk, Leste de Severodonetsk e Popasna.

Com pelo menos uma vintena de GT, o bolsão de Izium foi sem dúvida considerado a principal zona de ação com a vontade russa de empurrar em todas as direções. O primeiro ataque ocorreu primeiro em direção ao oeste, sem dúvida para proteger a principal linha de comunicação para Belgorod e, inversamente, para cortar o eixo P78 entre Kharkiv e Barvinkove e depois Sloviansk. O ataque nessa direção progrediu por vários quilômetros antes de parar diante da boa resistência ucraniana. Continuou para o sul em direção a Barvinkove, enfrentando a 3ª Brigada Blindada sem dúvida a intenção de envolver a área de operação pelo oeste. O ataque teria atingido o pico no final de abril, não atingindo Bervinkove. Os ataques, em vez disso, mudaram para o leste contra a 81ª Brigada de Assalto Aéreo em ataques convergentes para Sloviansk, com pouco sucesso até agora, mas possivelmente com mais sucesso nos próximos dias.

O progresso russo mais significativo ocorreu na área dentro de um raio de 20km ao redor de Lyman, uma cidade de 20.000 habitantes, 20km a nordeste de Sloviansk. Lyman é um ponto-chave ao norte do Parque Natural Sviati Hory e do rio Donets que comanda o eixo norte entre Sloviansk e Severodonetsk. Conquistar toda essa área da 57ª Brigada Motorizada e das 95ª e 79ª Brigadas de Assalto Aéreo levou todo o mês de abril. Os russos alcançaram um sucesso significativo em 30 de abril, avançando em direção a Ozerne no rio Donets e depois tomando Yampi alguns quilômetros a sudeste de Lyman. Desde o início de maio, os esforços russos se concentraram em tomar as aldeias a noroeste de Lyman, que está cada vez mais ameaçada de cerco. Uma vez tomada Lyman, a principal eclusa ao norte de Sloviansk, as forças russas poderão chegar no início de junho até as defesas do norte de Sloviansk, bastante sólidas no rio Donets a leste, a floresta ao norte e a cadeia de localidades de Barvinkove no oeste.

A área noroeste de Severodonetsk é onde os combates foram mais difíceis. Estes começaram no início de março e especialmente da parte do exército da República Popular de Luhansk, LNR (14.000 homens no total) que aproveita a fraqueza do exército ucraniano na região para, com a ajuda do 8º Exército russo, capturar o resto da província de Luhansk. A linha se moveu pouco até abril, quando o esforço da coalizão russa, incluindo chechenos-LNR, concentrou-se na conquista da cidade de Rubizhne (56.000 habitantes, 37 km²) que foi definitivamente conquistada em 13 de maio, após mais de um mês de combates. Foi ao tentar estender o ataque mais a oeste que duas brigadas do 41º Exército cruzaram o rio Donets para se aproximar de Lysychansk, imediatamente a oeste de Severodonetsk, e uma delas perdeu um GT completo em 9 de maio perto de Bilohorivka.


Pouco a dizer sobre a área oriental de Severodonetsk, onde as forças da 127ª Divisão de Infantaria Motorizada russa e 3 brigadas LNR estão fazendo pouco progresso. Há uma forte concentração de artilharia russa ali, com por exemplo a chegada recente de baterias 2S4 Tyulpan de 240mm.

O avanço russo mais espetacular ocorreu em Popasna (22.000 habitantes), 50 km ao sul de Sverodonetsk, em 7 de maio, após seis semanas de combates. Popasna é claramente o novo eixo de esforço após o fracasso em Izium. Uma dúzia de GT estão reunidos lá, incluindo unidades de infantaria naval russa e de assalto aéreo, um sinal de prioridade, mas também a 150ª Divisão de Infantaria Motorizada, presente em Mariupol. A captura da cidade, um ponto alto, permitiu observar e, portanto, atacar com artilharia todos os movimentos ucranianos, em particular entre o entroncamento de Bakhmut (77.000 habitantes) e Lysytchansk-Severodonetsk. As forças russas e LNR conseguiram então continuar em todas as direções a um ritmo sem precedentes desde a batalha de Kiev, de vários quilômetros por dia. O avanço para o norte já ameaça cercar as forças ucranianas nas pequenas cidades de Zolote e Hirske ao longo da linha de frente, antes de chegar a Lysytchansk-Severodonetsk (LS) e a oeste o principal eixo de abastecimento do LS na área de Soledar, mesmo Bakhmut.

Perspectivas


Um mês após o anúncio oficial da fase principal da Batalha do Donbass, e de fato já dois meses de ataques, os russos ainda estão longe da vitória operacional. Depois de considerar o envolvimento total, eles reduziram sua ambição para cercar Lysytchansk-Severodonetsk e capturar Lyman antes de embarcar em Sloviansk, que eles também esperam cercar e tomar.

Isto pressupõe, em primeiro lugar, poder continuar a fazer um esforço sustentado durante várias semanas à custa de perdas significativas. Também será necessário poder abastecer as forças conforme o progresso dentro da zona entre LS e SK, uma missão sempre difícil quando se afasta dos caminhos-de-ferro e que se está exposto aos eixos logísticos ao assédio ucraniano. O problema é o mesmo para as sete brigadas ucranianas no caldeirão, muito desgastadas e difíceis de abastecer.

É difícil imaginar que os ucranianos ficarão sem reação ao cerco de Lysytchansk-Severodonetsk e sem dúvida virão disputar o terreno, talvez tentando retomar Popasna. Resta saber se esse fortalecimento virá à custa do enfraquecimento de outros setores e, sobretudo, qual será o seu efeito.

Admitindo que o cerco de Lysytchansk-Severodonetsk tenha sido alcançado, será então necessário tomar essas duas localidades que se preparam para um cerco há dois meses e têm forças superiores às que defenderam Mariupol. É difícil ver como, à custa de muito esforço e salvo um colapso ucraniano, os russos poderiam tomar as duas cidades antes do final de julho. Serão eles capazes de apoiar uma luta paralela para cercar Sloviansk-Kramatorsk, o que provavelmente não poderá ocorrer antes do final de junho a esse ritmo, então um investimento das duas cidades ainda mais difícil do que em Lysytchansk-Severodonetsk, porque mesmo forças ucranianas melhor defendidas e especialmente próximas?


Tudo isso parece difícil, mas não insuperável se as outras frentes – Kharkiv, Zaprojjia, Kherson – resistirem aos ataques ucranianos. Se alguém rachar, e especialmente do lado de Kherson, toda a economia de forças no teatro de operações será posta em causa. A operação do Donbass será comprometida. Se as outras frentes resistirem e se o exército russo for capaz de fornecer ao teatro de operações uma rotação de unidades reconstituídas em Belgorod ou Rostov com equipamentos suficientes e voluntários relativamente bem treinados, e inovando (por exemplo, modificando a estrutura dos grupos táticos), a conquista do Donbass pode ser uma realidade no final de agosto. Nesse momento, as perdas de ambos os lados serão muito pesadas e mais equilibradas do que atualmente com prisioneiros de cidades capturadas. É provável que a Rússia considere então mudar para uma postura defensiva geral com talvez uma proposta de paz negociada, pelo menos o suficiente para ver se é possível relançar uma ofensiva contra Odessa.

O problema para os russos é que os ucranianos não vão deixar passar e que com sua mobilização humana e ajuda material americana, eles também podem abastecer a frente por alguns meses em uma bagunça parecida com a dos russos, mesmo com uma ruptura de carga além do Dnieper. Acima de tudo, eles podem planejar a formação de novas unidades, batalhões em um primeiro momento e novas brigadas em poucos meses, e assim ter uma forte capacidade ofensiva que não deixarão de usar antes que o Ocidente tenha esgotado suas capacidades militares.

Leitura recomendada:

LIVRO: Uma resenha crítica ao Band of Brothers


Resenha do livro Band of Brothers: E Company, 506th Regiment, 101st Airborne from Normandy to Hitler's Eagle's Nest (Band of Brothers: Companhia E, 506º Regimento, 101ª Divisão Aerotransportada da Normandia ao Ninho da Águia de Hitler), de Stephen E. Ambrose, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Este é o livro que original a aclamada série Band of Brothers. O Dr. Forczyk mostra uma postura muito negativa com relação ao livro e aos métodos usados por Ambrose. Alguns pontos são particularmente interessantes, especialmente o método de entrevistas com veteranos.

Não mencionado mas uma curiosidade histórica, os alunos brasileiros do curso de estado-maior chegaram a participar de jogos de guerra envolvendo o ataque da 101ª "Screaming Eagles" quando estiveram nos Estados Unidos.

Erros, exageros e calúnias cruéis [1 estrela]


Paraquedistas da famosa Easy Company com soldados da 4ª Divisão de Infantaria em Sainte-Marie-du-Mont, 7 de junho de 1944.
(Colorização por Julius Jääskeläinen)

Para leitores sem muita experiência em história em geral ou militares em particular, Band of Brothers provavelmente parecerá uma saga heróica de camaradagem masculina em combate. No entanto, para aqueles leitores com conhecimento do assunto, este livro pouco pesquisado oferece pouco mais do que o episódio padrão da antiga série de TV COMBAT! O autor Stephen Ambrose, que prefere a história oral à pesquisa meticulosa, usou suas entrevistas com veteranos selecionados da Segunda Guerra Mundial da E Company, 506th PIR, 101st Airborne como base para contar as histórias de uma companhia aerotransportada em combate em 1944-1945. A maior parte do livro se concentra em Richard Winters, que comandou a companhia na Normandia e na Holanda. O soldado David Webster, um intelectual autoproclamado e cínico, também escreveu um livro de suas experiências na E Company, do qual Ambrose emprestou liberalmente [...]. Entrevistas com outros membros da unidade preenchem lacunas, mas Winters e Webster são dois dos principais protagonistas da história. Infelizmente, do ponto de vista da precisão histórica, o livro está irremediavelmente repleto de erros, exageros e calúnias cruéis.

Primeiro, deixe-me abordar os erros, que se devem principalmente à falta de pesquisa por parte do autor. Ambrose afirma que o transporte de tropas para a Inglaterra "carregou 5.000 homens do 506º" e como foi uma viagem apertada. No entanto, o competente Ordem de Batalha do Exército dos EUA na Segunda Guerra Mundial (US Army Order of Battle in World War Two), de Shelby Stanton, afirma que o 506º tinha apenas 2.029 homens. Ambrose tem seus problemas habituais com nomenclatura e nomes; Os alemães usavam morteiros de 81mm e não de "80mm". Um oficial britânico resgatado pela E Company é identificado como "Coronel O. Dobey", quando na verdade era o Tenente-Coronel David Dobie. O oficial alemão que se rendeu à unidade em Berchtesgaden em 1945 é descrito como o "General Theodor Tolsdorf, comandante do LXXXII Corps", de 35 anos, quando na verdade era um Coronel Tolsdorf de 36 anos que comandava a 340ª Divisão VG (340. Volksgrenadier-Division).

Para-quedistas da 101ª Divisão Aerotransportada exibem uma bandeira nazista capturada em uma vila perto da Praia de Utah, em Saint-Marcouf, na França, em junho de 1944

Em Berchtesgaden, Winters supostamente encontra um general alemão "Kastner" que cometeu suicídio, mas não há registro de tal oficial na Wehrmacht ou SS. Nem Ambrose faz muito melhor com identificações de unidades e ele afirma que na Batalha do Bulge, a 101ª Divisão Aerotransportada, "ganhou suas batalhas frente a frente com uma dúzia de divisões blindadas e de infantaria alemãs". Na verdade, os alemães apenas comprometeram elementos de cinco divisões na luta de Bastogne e dificilmente eram tropas de elite. A declaração de Ambrose também ignora o fato de que a 101ª estava lutando com a ajuda considerável das 9ª e 10ª Divisões Blindadas dos EUA em Bastogne. Finalmente, os leitores podem ficar chocados ao saber que a 3ª Divisão de Infantaria dos EUA realmente venceu o 506º PIR na corrida para Berchtesgaden por várias horas. Os leitores devem verificar o livro Paraquedistas de Ridgeway (Ridgeway's Paratroopers) bem pesquisados de Clay Blair. Esses erros podem parecer pequenos para alguns, mas demonstram uma falta de pesquisa que significa que toda a narrativa é suspeita.

Quando se trata de exagero, Ambrose libera todos os freios. Todos os tanques inimigos são chamados de "Tigres", mas apenas 5,3% dos tanques alemães na Normandia em junho de 1944 eram Tigres. Todas as tropas inimigas são chamadas de "elite", como SS ou pára-quedistas, embora os registros alemães indiquem que o 506º combateu principalmente unidades comuns da Wehrmacht.

De acordo com Winters, a Companhia E sempre foi melhor que as outras companhias do 506º e Ambrose garante que “não havia companhia de infantaria leve melhor no Exército”. Que tal os Rangers em Point du Hoc? Como Ambrose não faz nenhum esforço para comparar a Companhia E com qualquer outra unidade semelhante (por exemplo, ela matou mais alemães do que outras unidades?), essa afirmação é estúpida. Mas fica ainda pior. Ambrose afirma que Winters "despreza o exagero", mas o seguinte relato da E Company na Normandia expõe categoricamente isso como uma mentira: Assim era Winters [excelente]. Ele tomou uma decisão certa após a outra... ele pessoalmente matou mais alemães e assumiu mais riscos do que qualquer outra pessoa." Então Winters matou mais alemães do que os metralhadores da companhia? Ele assumiu mais riscos do que os homens na ponta? Curiosamente, Winters nunca foi ferido.

O Capitão Dick Winters ao lado do ator Damian Lewis.

O pior aspecto do livro é a campanha viciosa de calúnias, que é puramente feita pelo Winters. Winters ataca seus superiores, começando com o Major-General Taylor, comandante da 101ª, depois o Coronel Sink que era comandante do 506º PIR, depois o Ten-Cel. Strayer seu comandante de batalhão e o Capitão Sobel, o primeiro comandante da Companhia E. Taylor, que foi um dos melhores generais do Exército dos EUA do século XX e mais tarde presidente da Junta dos Chefes do Estado-Maior do presidente Kennedy, é violentamente atacado por estar em "férias de Natal" durante a Batalha do Bulge e por ordenar um ataque que "tinha o sabor de um delírio egocêntrico". Winters diz a Ambrose que "eu não quero ser justo" sobre Taylor. Logo, ele não quer ser honesto. Sink, que comandou o 506º durante toda a guerra, é ridicularizado como "Bourbon Bob". O Tenente-Coronel Strayer é praticamente omitido deste relato, embora tenha comandado da Normandia ao Dia da Vitória na Europa (VE Day). Ambrose engana o leitor quando afirma que Winters se tornou o comandante do batalhão em 8 de março de 1945 - na verdade, a mudança foi apenas temporária e Strayer retornou.

Winters reserva um ódio especial ao Capitão Sobel, o homem que treinou a Companhia E nos Estados Unidos e que é rotulado de tirano mesquinho. Winters relata um encontro casual com Sobel mais tarde na guerra, quando Winters superou seu ex-comandante, e ele começou a humilhá-lo na frente de praças da Companhia E. Que elegante. A campanha de calúnia também é dirigida a outros oficiais que sucederam Winters como comandantes da Companhia E, a maioria dos tenentes, oficiais do estado-maior, "preguiçosos da Força Aérea na Inglaterra" (que estavam morrendo às centenas sobre a Alemanha em bombardeiros em chamas), os britânicos, etc. É muito enojante depois de algum tempo.

Os paraquedistas americanos da Segunda Guerra Mundial merecem um relato muito mais preciso e honesto de suas realizações, com o justo reconhecimento de todos os participantes merecedores, ao invés de um relato enviesado que distorce o registro.

Paraquedistas do 502ª PIR, 101ª Divisão Aerotransportada "Screaming Eagles" em um VW tipo 82 Kübelwagen alemão caputrado no cruzamento da Rua Holgate e a Rota Nacional no.13, em Carentan, na Normandia, 14 de junho de 1944.

terça-feira, 24 de maio de 2022

Poder Brando: A China desiste de briga com fãs de K-Pop

Monumento chinês em frente ao Museu da Guerra para Resistir à Agressão Americana e Ajudar a Coreia em Dandong.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de maio de 2022.

A China sofreu um choque em 2020 quando percebeu que sua propaganda começa e termina dentro das fronteiras da China continental, sendo sobrepujada em basicamente todas as mídias internacionais, lhe faltando empatia e amigos por todos os lados. Ao reclamar sobre a sua versão da Guerra da Coréia não ser aceita na Coréia do Sul, viu impotente como não tinha poder de coerção sobre até mesmo uma banda de celebridades adolescentes. Isso levou a uma catarse na cúpula chinesa e a uma corrida para tentar criar o poder brando (soft power) que tanto lhe falta. A China precisa apresentar uma "cara nova" diante do mundo que Pequim tanto deseja guiar como um hegemon.

O especialista S. Nathan Park, advogado de Washington e membro não residente do Sejong Institute, assim analisou o caso envolvendo a banda BTS de K-Pop. Tudo começou quando a China quis impor a sua versão histórica onde os bravos e abnegados "voluntários" chineses foram salvar a Coréia do Norte da agressão "imperialista" dos Estados Unidos. Inicialmente, a Samsung até mesmo removeu os produtos relacionados ao grupo sul-coreano BTS de suas lojas oficiais nas plataformas de comércio eletrônico chinesas, depois que os comentários da banda sobre a Guerra da Coréia irritaram os internautas chineses, que disseram que a "atitude unilateral" do grupo de K-pop em relação à guerra "nega a história". Apesar do bravado e da reação irritada, Pequim se viu - atônita - no lado perdedor. Isso levou a uma reavaliação do seu poder brando.

A Batalha do Lago Changjin
(
Chang jin hu, 2021).

Em resposta, a China produziu o filme A Batalha do Lago Changjin (Chang jin hu), um blockbuster sobre a Guerra da Coréia (1950-1953) que se tornou o filme de maior bilheteria de 2021 e da história do cinema chinês; batendo a Marvel e James Bond. O filme estrela Wu Jing, uma estrela chinesa em ascensão, como o protagonista comandante da 7ª Companhia do "Exército Voluntário do Povo Chinês". Este sucesso foi seguido pela continuação A Batalha do Lago Changjin II (1º de fevereiro de 2022), e por Snipers (Ju ji shou), este último sobre o atirador de elite chinês Zhang Taofang, que matou 214 soldados inimigos em 32 na Batalha de Triangle Hill. Tal como Simo Häyä, Zhang não usava luneta no seu fuzil, que também era um Mosin-Nagant.

Poder Brando: A China desiste de briga com fãs de K-Pop

Membros do BTS participam do Mnet Asian Music Awards 2019 no Nagoya Dome em Nagoya, Japão, em 4 de dezembro de 2019.
(Jean Chung/Getty Images)

Por S. Nathan ParkForeign Policy, 20 de outubro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de maio de 2022.

O poder brando da Coreia do Sul deve ser um modelo para Pequim.

A República Popular da China (RPC) provou não ser páreo para o ARMY. Quando o grupo de superestrelas do K-pop, BTS, reconheceu o sacrifício compartilhado de americanos e coreanos ao receberem o Prêmio James A. Van Fleet da Korea Society, em homenagem a um general americano durante a Guerra da Coréia, as mídias sociais chinesas ficaram indignadas, percebendo a mensagem do BTS para ser um desrespeito contra os soldados chineses na guerra. O Global Times, o tablóide estatal da China, criticou o grupo por sua “atitude unilateral” que “nega a história”. As lojas online começaram a puxar produtos relacionados ao BTS, antecipando o tipo de frenesi nacionalista que custou a franquias gigantes como a NBA e a loja de supermercados sul-coreana Lotte centenas de milhões de dólares no passado.

Mas a ofensiva da mídia chinesa contra os reis do K-pop durou apenas dois dias. O Global Times deletou discretamente alguns de seus artigos criticando o BTS, e a negatividade contra o grupo nas mídias sociais chinesas também desapareceu rapidamente. O pedido de boicote de alguns fãs chineses pouco afetou o BTS, apoiado por seu fã-clube mundial “ARMY” (que significa Adorable Representative M.C. for Youth, se você está se perguntando). Pouco depois de receberem o Prêmio Van Fleet, o BTS se tornou um dos cinco grupos musicais da história a ocupar os dois primeiros lugares simultaneamente na parada de músicas Hot 100 da Billboard, juntando-se aos Beatles e Bee Gees, entre outros. A oferta pública inicial da Big Hit Entertainment, empresa de produção do BTS, na semana passada, estava entre os IPO mais bem-sucedidos da história do mercado de ações coreano, já que o preço das ações quase dobrou no primeiro dia.

Este episódio recente é mais um exemplo de um fato cada vez mais óbvio: a China é ruim em soft power. Sua recente virada para o nacionalismo intensificado e detestável não está conquistando corações e mentes. Em todo o mundo, a percepção negativa da China está atingindo máximos históricos. Em uma pesquisa recente do Pew Research Center em 14 países, a opinião negativa média da China foi de 74% – acima dos 36,5% em 2002. Isso contrasta fortemente com sua vizinha Coreia do Sul, o qual não fica em segundo plano para muitos países quando, ahem, se trata de nacionalismo expressivo. Em uma pesquisa de 2019 conduzida pelo Serviço de Cultura e Informação Coreano (Korean Culture and Information ServiceKOCIS), a favorabilidade média da Coreia do Sul entre os 15 países pesquisados ​​foi de sólidos 76,7%, com mais de 90% de avaliações de favorabilidade de vários países, incluindo Rússia, Índia, Brasil, e Tailândia. A Coreia do Sul, em outras palavras, é tão popular quanto a China é impopular. A cultura pop da Coreia do Sul desempenhou um papel importante na imagem positiva da nação no mundo: uma pluralidade de entrevistados na mesma pesquisa KOCIS disse que o K-pop foi a primeira coisa que veio à mente sobre a Coreia do Sul (12,5%), seguido por comida coreana (8,5%) e cultura (6,5%).

Grupo de K-Pop Red Velvet na Coreia do Norte


A China seria sensata em seguir a estratégia de poder brando da Coreia do Sul. Para ter certeza, a afirmação da moda de que “o governo coreano criou o K-pop” é um exagero e geralmente é usada para descontar a arte e a criatividade da cultura pop coreana, pintando-a como um projeto de obras públicas monótono. Fundamentalmente, a cultura pop sul-coreana encontrou ressonância global porque os artistas da Coreia criaram produtos culturais que o mundo achou atraentes. Mas o governo coreano desempenhou um papel: queria ganhar soft power (poder brando) por meio da cultura pop, concebeu uma estratégia abrangente para aumentar o alcance de seus próprios artistas e implementou políticas específicas que conduzem ao florescimento da cultura pop.

O ex-presidente sul-coreano e vencedor do Prêmio Nobel da Paz Kim Dae-jung foi o arquiteto da estratégia de poder brando do país. Kim assumiu o cargo no momento certo em 1997, quando a Coreia do Sul estava começando a ver uma explosão da cultura pop após a transição da ditadura militar em 1987. Seo Taiji and Boys, a fonte do K-pop moderno, estreou em 1992. Seopyeonje, um filme de 1993 sobre a música pansori tradicional da Coréia, atraiu quase 3 milhões de espectadores, tornando-se o filme doméstico de maior sucesso até hoje. O megahit de 1991, What Is Love, com uma classificação nacional irreal de 64,9% (a terceira maior audiência de um drama coreano de todos os tempos), também foi o primeiro drama coreano a encontrar popularidade na China quando a CCTV (agora CGTN) transmitiu o programa em 1997. De pé à beira desse Big Bang, Kim Dae-jung formulou uma postura em relação ao desenvolvimento da cultura pop que continua até hoje.

Kim tinha muita confiança na capacidade da cultura coreana de se destacar no cenário mundial. Ele gostava de notar que, embora a Coréia tenha sido influenciada pela cultura chinesa por 2.000 anos, a Coréia nunca foi sinicizada ao contrário, como ele viu, dos mongóis do Império Yuan ou dos manchus do Império Qing - porque os coreanos foram capazes de aceitar a cultura internacional e criar sua própria versão exclusiva. Kim também acreditava que a cultura crescia por meio de trocas; qualquer tentativa de proteger uma cultura da exposição internacional levaria à estagnação. Mais importante ainda, Kim reconheceu que o governo tinha um papel de apoio à cultura, mas que não deveria ultrapassar seus limites. Em uma entrevista de 2007 que revisitou as realizações de seu governo, Kim deixou essa crença clara: “A intervenção mata as artes. A criatividade deve fluir livremente. Mas os artistas são economicamente fracos, então o governo deve apoiá-los financeiramente. Ajude-os com dinheiro, mas não intervenha.”

Esse mantra “apoie, mas não intervenha” ficou conhecido como o “princípio da distância” – a doutrina orientadora da política cultural da Coreia do Sul até hoje. Sob esse princípio, o governo Kim se concentrou em promover a liberdade de criação e troca, estabelecer a infraestrutura legal para proteger o direito dos artistas à propriedade intelectual e fornecer subsídios financeiros sem referência ao conteúdo da arte. A administração aboliu o processo de aprovação de filmes que efetivamente atuavam como censura. A proibição de produtos da cultura pop do Japão foi suspensa, permitindo que filmes, programas de TV, histórias em quadrinhos e música viajassem livremente pelo estreito. Inicialmente, alguns temiam que o produto japonês superior dizimasse o mercado coreano - mas o resultado foi o oposto, pois os dramas coreanos e o K-pop começaram a florescer no mercado japonês.

Inúmeras leis foram aprovadas para proteger os direitos de propriedade intelectual e o fluxo de dinheiro decorrente de tais direitos, especialmente no que diz respeito a filmes e música. As leis também forneceram clareza sobre o status legal de formas emergentes de cultura pop na época, como videogames, clubes de música ao vivo para bandas indie e streaming online. Kim prometeu dedicar pelo menos 1% do orçamento do governo para a promoção das artes, elevando-o da faixa de 0,3% na época. Sua administração alcançou esse marco em 1999; parte do orçamento foi usado para estabelecer o Fundo de Promoção da Indústria Cultural, que forneceu empréstimos a juros baixos para criadores de conteúdo. Um dos beneficiários desse fundo, por exemplo, é a desenvolvedora de jogos Bluehole, mais conhecida por seu jogo online multiplayer PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG), uma das plataformas de e-sports mais populares do mundo. Todas essas políticas formaram a base para o que veio a ser conhecido como hallyu, ou a “onda coreana”, uma onda global de popularidade de produtos da cultura pop coreana, incluindo filmes, programas de TV e música.

PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG).

Tom Clancy's Rainbow Six: Take-Down – Missions in Korea.
Esse jogo foi feito exclusivamente para a Coreia do Sul.

As sucessivas administrações sul-coreanas nem sempre aderiram à regra de distância do governo Kim, pois cederam à tentação de tentar controlar a cultura puxando os cordões da bolsa. O presidente conservador Lee Myung-bak, em uma tentativa de “equilibrar o poder cultural”, compilou uma lista negra de celebridades de esquerda para cortar o apoio público. Na administração seguinte de Park Geun-hye, a lista negra cresceu para incluir quase 10.000 nomes. Felizmente, porém, tais tentativas de subjugar as artes nunca foram normalizadas. Quando a lista negra foi revelada em 2016, tornou-se um dos focos dos protestos à luz de velas que derrubaram a presidência de Park por meio do impeachment. Com o princípio da distância restaurado, a cultura pop da Coréia do Sul teve outro ano de destaque em 2020: além do sucesso do BTS, o filme Parasita (Gisaengchung, 2019) de Bong Joon-ho - que foi um dos primeiros diretores a ser colocado na lista negra pelas administrações de Lee e Park - ganhou quatro prêmios da Academia, incluindo melhor filme.

A China certamente não carece da capacidade de fazer produtos fantásticos da cultura pop; na verdade, não faz muito tempo que Hong Kong era a capital cinematográfica da Ásia, com obras-primas de diretores como Wong Kar-wai e John Woo. O que falta, em vez disso, é uma liderança comprometida em apoiar as artes sem intervenção e a sociedade civil que disciplinaria a liderança se ela se desviasse desse princípio, como foi o caso de Kim Dae-jung e do corpo político da Coreia do Sul. Em vez disso, os controles sobre a cultura pop tornaram-se cada vez mais rígidos nos últimos oito anos sob Xi Jinping. Os líderes chineses que desejam maior poder brando fariam bem em prestar atenção ao diagnóstico simples de Kim: “A China não tem nada como o hallyu porque não é uma democracia”.