segunda-feira, 6 de abril de 2020

FOTO: Apresentação militar de estudantes universitárias chinesas


Um grupo de estudantes universitárias armadas com fuzis de assalto faz sua estréia diante de espectadores na Universidade de Shandong, em Jinan, província de Shandong, no leste da China, em 26 de setembro de 2013. 

Os calouros da universidade fizeram uma demonstração no final do treinamento militar dos novos estudantes no campus. Fotos de Zheng Tao para a Asian News.





Navio de guerra venezuelano atira e abalroa em navio de cruzeiro alemão antes de afundar

O RCGS RESOLUTE.

Por Benjamin Weinthal, The Jerusalem Post, 3 de abril de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de abril de 2020.

BERLIM - Um navio da Marinha venezuelana disparou contra um navio de cruzeiro de propriedade alemã em 30 de março e abalroou o navio de passageiros, levando ao naufrágio do navio de guerra no Caribe.

O presidente venezuelano, aliado ao regime iraniano, Nicolás Maduro acusou o capitão do navio de cruzeiro RCGS RESOLUTE de "terrorismo e pirataria" e tentou forçar o navio a uma nova direção em alto mar. O navio de cruzeiro, que não tinha passageiros a bordo e estava navegando sob uma bandeira portuguesa, tem um casco reforçado que lhe permite navegar pela água gelada.

A Columbia Cruise Services, empresa com sede em Hamburgo, proprietária do RCGS RESOLUTE, emitiu uma declaração na quarta-feira: “Nas primeiras horas da manhã de 30 de março de 2020 (hora local), o navio de cruzeiro RCGS RESOLUTE foi sujeito a um ato de agressão da Marinha Venezuelana em águas internacionais, a cerca de 13,3 milhas náuticas da Ilha de Tortuga com 32 tripulantes e sem passageiros a bordo.”

A empresa acrescentou que “quando o evento ocorreu, o navio de cruzeiro RCGS RESOLUTE já estava à deriva há um dia na costa da ilha para realizar alguma manutenção de rotina no motor em sua viagem inativa ao seu destino, Willemstad/ Curaçao. Enquanto a manutenção estava sendo realizada no motor principal de estibordo, o motor principal do porto era mantido em espera para manter uma distância segura da ilha a qualquer momento.”

A Columbia Cruise Services continuou, afirmando que “Pouco depois da meia-noite, o navio de cruzeiro foi contatado por um navio armado da Marinha Venezuelana, o qual questionava via rádio as intenções da presença do RCGS RESOLUTE e deu a ordem de seguir para Puerto Moreno na Ilha de Margarita. Como o RCGS RESOLUTE navegava em águas internacionais naquela época, o Comandante queria reconfirmar esse pedido específico, resultando em um desvio grave da rota programada da embarcação com a empresa DPA.”

De acordo com o comunicado, “enquanto o capitão estava em contato com a sede, tiros foram disparados e, logo em seguida, a embarcação da marinha se aproximou do lado de estibordo em velocidade com um ângulo de 135° e colidiu propositalmente com o RCGS RESOLUTE. A embarcação da marinha continuou a abalroar a popa de estibordo em uma aparente tentativa de virar a proa do navio em direção às águas territoriais venezuelanas.”

A empresa de cruzeiros disse que o RCGS RESOLUTE sofreu danos menores, sem afetar a navegabilidade da embarcação. Ocorre que a embarcação da marinha sofreu danos graves ao fazer contato com a popa bulbosa e reforçada do navio de cruzeiro de expedição da classe de gelo RCGS RESOLUTE e começou a inundar.”

Não houve mortes entre os fuzileiros venezuelanos a bordo do navio de guerra. As autoridades venezuelanas devolveram o pessoal da marinha à segurança.

O Departamento de Justiça dos EUA indiciou o presidente socialista Maduro no mês passado por dirigir uma operação de narcóticos criminosos composta por traficantes de drogas e grupos terroristas.

O Departamento de Estado dos EUA anunciou uma recompensa de US$ 15 milhões por informações que levem à prisão ou condenação de Maduro.

Original: https://www.jpost.com/International/Venezuelan-warship-shoots-rams-into-German-cruise-vessel-before-sinking-623422

Leitura recomendada:

Um olhar mais profundo sobre interferência militar dos EUA na Venezuela, 4 de abril de 2020.

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?, 4 de janeiro de 2020.

O DRAGÃO NOS TRÓPICOS. A expansão militar da China no hemisfério ocidental, 3 de agosto de 2019.

Dividendos da Diplomacia: Quem realmente controla o Grupo Wagner?, 22 de março de 2020.

As forças armadas da Alemanha se tornaram uma completa piada14 de janeiro de 2020.

Ex-intérprete do exército alemão acusado de espionagem para a inteligência iranianas, 25 de fevereiro de 2020.

Exército Alemão sugere que seus soldados dirijam carros e finjam que estão dirigindo tanques durante exercícios, 7 de fevereiro de 2020.

Aaron Cohen: Soldado, Ator, Escritor, Espião

Aaron Cohen. 

Por Gerri Miller, Jewish Journal, 11 de setembro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de abril de 2020.

Aaron Cohen viveu muitas vidas em seus 43 anos. Nascido em Montreal, ele se voluntariou para o exército israelense aos 18 anos e serviu por três anos em uma unidade de contraterrorismo de elite das Forças Especiais, sobre a qual escreveu em suas memórias "Brotherhood of Warriors" (Irmandade de Guerreiros, 2008). Então, usando seu treinamento das Forças de Defesa de Israel (FDI), ele abriu sua própria empresa, fornecendo segurança pessoal para celebridades e VIPs.



Agora, com questões de segurança mais importantes do que nunca, ele treina e aconselha agências policiais enquanto segue uma carreira em Hollywood. Sua última missão: interpretar um capitão da polícia em "Rambo: Last Blood" (Rambo: Até o Fim, 2019), ao lado de Sylvester Stallone. Cohen conversou com o Journal sobre sua jornada das missões secretas israelenses aos bastidores de Hollywood.



Jewish Journal: Como você veio para servir nas FDI?

Aaron Cohen: Depois que meus pais se divorciaram, minha mãe se casou com Abby Mann, roteirista de Oscar de Judgement at Nuremberg (Julgamento em Nuremberg, 1961), e nos mudamos para Los Angeles. Ele era um sionista e acreditava muito no estado judeu. Ele incentivou a idéia de eu ir para Israel e servir nas FDI. Então eu comecei a ler sobre Israel. Eu frequentei uma escola militar em uma parte do ensino médio e, quando me formei, eu realmente não sabia o que fazer. Eu não tinha planos para a faculdade. Fui para Israel e me ofereci no Kibutz HaZore'a, onde passei quatro meses aprendendo hebraico. Eu me apaixonei por Israel e entrei para as FDI porque pensei que seria uma grande oportunidade para aprender sobre Israel e fazer algo aventureiro. Após um período de treinamento de 18 meses, entrei para a unidade Duvdevan, na qual o programa “Fauda” (2015) é baseado. Os soldados se disfarçam de árabes com o objetivo de se infiltrar em bairros terroristas e enviar terroristas de volta a Israel para julgamento e interrogatório. Eu também aprendi árabe. Eu estive em mais de 200 missões.


Aaron Cohen no exército.

JJ: Você também trabalhou em operações secretas com o Mossad, certo?

AC: Não reconheço publicamente nenhuma conexão com o serviço de inteligência estrangeira de Israel, mas direi que trabalhei em estreita colaboração com a comunidade de operações especiais em Israel enquanto estava na unidade, e é tudo o que posso dizer sobre isso.



JJ: Você voltou para Israel? 

AC: Algumas vezes. Sou sionista e judeu que realmente acredita na importância do Estado de Israel. Eu sou filho de Israel. Eu nunca tirarei Israel do meu sangue. Eu quero levar minha futura esposa para lá. Eu acabei de ficar noivo.


Treinamento disfarçado em Israel. A túnica chama-se "galabia" e o cachecol xadrez "keffiyeh". O AK47 é chamado em Israel de "Kalatch".

JJ: Como foi sua educação judaica? 

AC: Eu venho de uma família com uma forte identidade judaica, mas não muito observadora. Meus avós são judeus russos do lado de minha mãe e meu pai é russo e romeno. Eles eram caminhoneiros e colecionadores de metais - judeus durões que emigraram para o Canadá pouco antes da [Segunda Guerra Mundial]. Existem alguns sobreviventes do holocausto do lado de meu pai.


Já como instrutor no terceiro ano de serviço.

JJ: Após as FDI, qual era seu plano? 

AC: Eu não sabia. Tive alguma depressão e provavelmente um pouco de PTSD e passei o próximo ano e meio descomprimindo. Então comecei a trabalhar como guarda-costas para Brad Pitt e os Schwarzeneggers. Pouco antes do 11 de setembro de 2001, abri minha própria empresa de segurança, contratando mais de 200 homens da minha unidade ao longo dos anos e devolvendo aos israelenses que queriam uma oportunidade aqui. Eu trabalhei com outras celebridades, fornecendo segurança residencial para a [modelo] Kate Moss, [ator] Jackie Chan e serviços de proteção para Pink, Katy Perry e outros músicos em turnê. Eu vendi a empresa há cinco anos. Foi uma corrida de 15 anos e me levou ao meu primeiro filme.



Em 2011, o [diretor] Steven Soderbergh estava trabalhando em “Haywire” (A Toda Prova, 2011) e me ligou. Ele disse: "Estou trabalhando em um filme com Channing Tatum, Gina Carano e Michael Fassbender, e estou procurando um consultor porque é um tipo de filme de operações especiais. Você estaria interessado?" Me pediram para treinar os atores com todas as armas de fogo e Krav Maga lutando por cerca de três meses antes do filme e ajudei a projetar a ação para torná-la real. Steven me deu um diálogo; eu tive algumas cenas no filme. Foi isso. Eu fiquei vidrado. Lembrei-me do quanto eu adorava atuar no ensino médio.



Depois disso, eu fiz “211” (211: O grande assalto, 2018), um drama policial com Nic Cage para a Netflix. Eu interpretei seu tenente. E fiz um curta-metragem chamado “Overwatch” (2014) como um exercício para construir meu rolo de filme. Um dia talvez ele se torne um recurso.



JJ: Como você se envolveu com "Rambo: Last Blood"?" 

AC: Os produtores de "211" ligaram e disseram que tinham uma ótima cena com Sly* para mim. Filmamos na Bulgária por cerca de um mês. Eu também fiz alguns aconselhamentos sobre o filme. Houve muitos efeitos especiais; era uma cena de chuva. Foi uma seqüência muito cara. Há um pouco de reviravolta que não posso revelar, mas me diverti muito fazendo isso.

*Nota do Tradutor: Sly é o apelido de Silvester Stallone.


Aaron Cohen e o General Danny Yatom, ex-sub-comandante do Sayeret Matkal, ex-comandante do Comando Central e ex-chefe do Mossad. "Quando eu servi, altos oficiais de inteligência estavam em todo lugar; eles gostavam de ter jovens guerreiros ao seu redor."

JJ: O que vem a seguir para você? 

AC: Há outro projeto para a Netflix baseado na vida da estrela pop mexicana Luis Miguel - há um papel nele para um [agente] do Mossad. Vou passar os próximos dois anos focando na transição para atuar em período integral. Enquanto isso, [com] a minha empresa Cherries - Duvdevan é cereja em hebraico - eu manufaturo produtos para aplicação da lei e reuni uma série de treinamento sobre contra-terror digital acessível. Tenho agências de todo o mundo baixando o conteúdo.


Aaron Cohen posando com membros da sua unidade, Sayeret Duvdevan, disfarçados de árabes palestinos. Todos na foto foram trabalhar para a sua companhia militar privada IMS Security Consultants.

JJ: Como especialista, que conselho você daria às sinagogas para se protegerem melhor contra ataques? 

AC: Contrate segurança armada ou monte uma equipe de segurança voluntária e treine-a no combate ao terrorismo baseado no comportamento e na resposta do atirador ativo. Pare de brincar com segurança desarmada. Este sistema falhará e os membros de sua congregação serão mortos. Quero ver sinagogas seguras, e isso significa uma resposta agressiva.


Posando diante da bandeira israelense no quartel em Miktan Adam. A carabina M4 era a grande novidade na época.

Original: https://jewishjournal.com/culture/304298/aaron-cohen-soldier-actor-writer-spy/

Leitura recomendada:

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank, 1º de março de 2020.

GALERIA: O primeiro desfile militar das Forças de Defesa de Israel, 5 de março de 2020.

"Israel é minha família", diz mulher da Polícia de Fronteira após ser esfaqueada, 5 de abril de 2020.

FOTO: Reservista Israelense de 77 anos em Gaza31 de março de 2020.

Micro Tavor VS M4/M16, 5 de março de 2020.




GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.

domingo, 5 de abril de 2020

"Israel é minha família", diz mulher da Polícia de Fronteira após ser esfaqueada

Liza Ruti Nataf, membro da Polícia de Fronteira em frente ao Muro das Lamentações. (Foto da Unidade Porta-Voz da Polícia)

Por Maayan Hoffman, The Jerusalem Post, 24 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de abril de 2020.

Numa quinta-feira de manhã em dezembro de 2018, um agressor esfaqueou dois policiais na Cidade Velha de Jerusalém. Uma delas era uma mulher de 20 anos da Polícia de Fronteira chamada Liza Ruti Nataf.

Imigrante da França, Nataf foi esfaqueada na perna. Em seguida, houve uma luta entre os guardas de fronteira e o terrorista, até que eles atiraram e o mataram na frente da camarada ferida.

Nataf poderia ter deixado o exército depois de ser ferida. Em vez disso, ela passou quase um ano se recuperando e depois voltou para sua unidade e de volta ao campo, protegendo os bairros de uma das áreas mais disputadas do país.

"Jerusalém é a cidade mais santa do país, e precisamos cuidar dela e preservá-la", disse Nataf ao The Jerusalem Post antes do Dia da Família. "Meu trabalho é muito emocional para mim, muito especial."

Nataf fez aliá* há quatro anos. Logo depois, ela ingressou em um programa da IDF para novos imigrantes com o objetivo de fazer parte da Polícia de Fronteira de Jerusalém.

*Nota do Tradutor: Aliá é o termo que designa a imigração judaica para a Terra de Israel (em hebraico, Eretz Israel). Também definido como "o ato de subir" - isto é, em direção a Jerusalém - "fazer aliá" ao se mudar para a Terra de Israel é um dos princípios mais básicos do sionismo. A Lei do Retorno do Estado de Israel concede aos judeus e seus descendentes direitos automáticos em relação à residência e à cidadania israelense. Tais imigrantes judeus são chamados "olim"; os nascidos em Israel são chamados "sabra". Um livro relevante sobre o assunto, "Irmandade de Guerreiros", editado em português pela Larousse, sobre um judeu de nacionalidade israelense-americana, nascido no Canadá, que fez aliá e serviu nas forças especiais israelenses. Uma leitura obrigatória para todos que se interessam pelas operações especiais e pelas Forças de Defesa de Israel.



De acordo com o site oficial do governo gov.il, em seus primeiros anos, a Polícia de Fronteira, criada com a fundação do estado, focou-se principalmente no combate a infiltrações. Mais tarde, operou em torno da "linha urbana" em Jerusalém, ocupando muitos postos. Durante as duas intifadas de Israel, a Polícia de Fronteira desempenhou um papel central no combate ao terrorismo.

Hoje, a Polícia de Fronteira serve como uma força policial versátil que combate o crime e o terrorismo, fornece segurança e ajuda a manter a ordem, diz o site.

A Polícia de Fronteira de Jerusalém está na linha de frente, disse o superintendente da polícia de Israel Micky Rosenfeld, porta-voz para a imprensa estrangeira. Quando há um tumulto, esses policiais são os primeiros a responder. Quando há maior segurança nos feriados religiosos, como o Ramadã ou a Páscoa, é a Polícia de Fronteira que deve proteger os participantes, disse ele.

A Polícia de Fronteira opera nos bairros muçulmano, cristão, armênio e judeu. É coordenada pela Polícia de Israel e pelas FDI. 

"Meu sonho era fazer parte da polícia de fronteira", disse Nataf.

Mas sua luta para se tornar um membro da força não foi fácil. Ela estava sozinha, exceto por sua irmã. Seus pais tentaram fazer aliá, mas retornaram à França.

"Com meus pais não estando aqui, a vida não é tão simples", disse Nataf ao Post. “Mas eu me acostumei. Hoje, vejo a terra como minha família.”

Em 25 de fevereiro, Israel marca o Dia da Família, ou Yom Hamishpacha, em hebraico.

O dia é comemorado no 30º do mês hebraico de Shvat a cada ano. Antes dos anos 90, era comemorado como o dia das mães. Mas foi reconfigurado naqueles anos em reconhecimento às mudanças sociais e culturais em Israel.

"Nos feriados e no Shabat, nem sempre foi fácil", disse Nataf ao Post. "Mas graças a D'us*, estamos realmente nos dando bem agora", disse ela sobre si mesma e sua irmã.

*NT: Prática judaica de não escrever "Deus" por completo.

Nataf disse que, em vez de sua lesão a enfraquecer, fortaleceu seu impulso, e servir a Israel é o que a motiva a ficar aqui, mesmo sem sua família biológica.

Ela será dispensada do exército em alguns meses. Então, ela disse: "Espero ficar aqui em Israel e construir minha própria família".

Original: https://www.jpost.com/Israel-News/Israel-is-my-family-Border-Police-Woman-says-after-being-stabbed-618630?utm_source=jpost&utm_medium=facebook&utm_campaign=boost&utm_content=02-24-20&fbclid=IwAR0fnaOaXCCElhTgN7vYuA5pL33Ob7iSWEuVqjeWi77hVUkfvGnBubQEMgw

Leitura recomendada:

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank, 1º de março de 2020.

GALERIA: O primeiro desfile militar das Forças de Defesa de Israel, 5 de março de 2020.

FOTO: Reservista Israelense de 77 anos em Gaza31 de março de 2020.

IWI TAR-21 TAVOR. Uma solução israelense para o combate urbano, 17 de agosto de 2018.

Soldados testam tecnologia israelense para impedir fogo-amigo, 3 de março de 2020.

Esse fuzil militar dos anos 70 realmente veio com um abridor de garrafas embutido (sério!), 20 de fevereiro de 2020.

Micro Tavor VS M4/M16, 5 de março de 2020.

FOTO: Desfile israelense, 6 de março de 2020.

GALIL ACE. Um dos melhores fuzis baseados no projeto Kalashnikov, 12 de maio de 2019.

59 anos após o último uso em combate, por que os paraquedistas de Israel precisam de novas pára-quedas?, 31 de março de 2020.

GALERIA: Reencenação do salto no Passo de Mitla, 31 de março de 2020.

GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.

Teledyne anuncia que o Estado francês se opõe ao seu desejo de comprar a Photonis

A Teledyne Technologies estava em "negociações avançadas com a Aridan para adquirir a Photonis por aproximadamente 550 milhões de dólares". (Créditos: Photonis)

Por Michel Cabirol, La Tribune, 5 de abril de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de abril de 2020.

Em um documento enviado à SEC americana em 31 de março, a Teledyne revelou que havia sido "verbalmente" informada "de uma opinião negativa" pelo ministro da Economia e Finanças francês Bruno Le Maire sobre a aquisição da Photonis. A Teledyne ofereceu a Ardian 550 milhões de dólares para comprar essa pepita francesa.


A aquisição da Photonis pelo grupo americano Teledyne Technologies está muito perto de cair na água. Em um documento enviado em 31 de março à SEC (Comissão de Segurança e Câmbio), a Teledyne revelou que havia sido "verbalmente" informada no mesmo dia "de uma opinião negativa" do ministro da Economia e Finanças da França, Bruno La Maire. O grupo americano, portanto, não obteve uma autorização de investimento na França. "A Teledyne está atualmente esperando uma resposta por escrito" do Ministro da Economia, disse ele. Nesta nota, a Teledyne Technologies também confirmou que estava em "negociações avançadas (com o fundo francês Ardian, nota do editor) para adquirir a Photonis International SAS e suas subsidiárias por aproximadamente 550 milhões de dólares". Cabe à França confirmar sua recusa por escrito.

Alinhados sobre essa decisão, os Ministérios da Economia e das Forças Armas concordaram em dizer, no início de março, que a Photonis tinha que "permanecer soberana", segundo uma fonte familiarizada com o assunto. Florence Parly pressionou muito para acabar com esse investimento estrangeiro. E, nesse contexto, o Estado "não pode considerar uma opção de venda para uma empresa americana", explica uma fonte do Hotel de Brienne. "Acredita-se que seja soberana demais para ser cedida a um grupo americano". É bem claro que "não houve debate", argumenta o Hotel de Brienne. O grupo americano de engenharia e de eletrônica Teledyne estava em negociações exclusivas desde o início de fevereiro, como revelou a AFP em meados de fevereiro.

Por que o estado vetou

Nesse arquivo, o governo fez "uma análise apoiada e aprofundada do que a Photonis representa para o Estado francês". Esta empresa, com sede em Mérignac, é uma das líderes mundiais no projeto e fabricação de tubos intensificadores de luz nos setores aeronáutico, de pesquisa e defesa, bem como para aplicações em mercado comercial. Possui uma nova tecnologia digital que permitirá a comunicação não mais através do cobre, mas através da luz. Em geral, vendeu notavelmente seus equipamentos militares e de segurança para as forças especiais de todos os países da OTAN.



Além disso, a Photonis, que trabalha na detecção de nêutrons, envia seus equipamentos para o laser Megajoule e a direção das aplicações militares do CEA. Essa PME fabrica pequenos instrumentos que permitem contar nêutrons, medir fluxos de nêutrons que permitem controlar a maneira pela qual as reações nucleares podem ocorrer. "É fácil entender por que é um ator importante", observa-se no Ministério das Forças Armadas.

BOEING/ SAAB T-7A RED HAWK. A futura capacidade de combate aéreo começa aqui.


Boeing/ Saab T-7A Red Hawk
FICHA TÉCNICA 
Velocidade de cruzeiro: Mach 0,90 (1111 km/h).
Velocidade máxima: Mach 1,05 (1300 km/h).
Razão de subida: 10211 m/min.
Potência: 1,42.
Carga de asa: Não informado até a data de publicação deste texto.
Fator de carga: +9 Gs.
Taxa de giro: 19º/s (estimada).
Razão de rolamento: 240º/s.
Teto de Serviço: 15240 m.
Alcance: 1143 km.
Empuxo: Um motor General Electric F-404-GE-400 com pós combustor que produz 7800 Kgf de potência.
DIMENSÕES
Comprimento: 14,15 m.
Envergadura: 10 m.
Altura: 4 m.
Peso: 3250 kg.
Combustível Interno: 2250 kg (estimado)
ARMAMENTO
Inicialmente sem armamentos. Está previsto uma versão leve de combate que deverá ter foco no mercado de exportação.

DESCRIÇÃO
Por John Ironhead.
A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) possui uma enorme quantidade de aeronaves de combate e a missão de treinar pilotos para poderem assumir o cockpit dessas aeronaves é uma responsabilidade enorme. Nos últimos 59 anos, essa importante tarefa tem sido delegada para os 500 jatos supersônicos de treinamento T-38C Talon desenvolvidos pela Northrop, aeronave esta, que nossos vetustos F-5EM Tiger II empregados na Força Aérea Brasileira tem "parentesco".
Com todo esse tempo de uso, é plenamente natural que problemas de fadiga da célula começasse a tornar perigoso manter os T-38 em operação. Além disso, a manutenção dessas aeronaves cujas peças já não mais se encontram em linha de produção já há alguns anos, se tornou mais cara. Somando a isso, o fato de que, os novos aviões de combate de 5º geração e mesmo os caças de 4º geração que receberam extensas melhorias em programas de modernização bastante completos, já estava demandando um jato de treinamento com capacidades de treinar e simular o comportamento de um jato de combate da primeira linha de forma mais adequada, o que o T-38C já não faz.
O Northrop T-38C Talon, tem formado novos pilotos de combate pelos últimos 59 anos. É chegado a hora de dar o merecido descanso para esta excelente aeronave.
Assim, em em 2003, a USAF começou a estudar os requisitos operacionais para um substituto do T-38C dando início a um processo que culminaria com o programa T-X, onde varias empresas apresentaram propostas para cumprir os requisitos pedidos pela USAF.  Participaram desse programa como concorrentes a empresa italiana Leonardo que se juntou com a Honeywell para oferecer o jato T-100, uma variante do M-346 (já descrito aqui no WARFARE) e que se encontra em uso pela Força Aérea Italiana, israelense, polonesa, do Azerbaidjão e Singapura. Outro concorrente foi a KAI que se juntou com sua parceira norte americana de longa data, a Lockheed Martin, e trouxeram o T-50 Golden Eagle (também já apresentado no WARFARE). Esta aeronave, também já empregada por algumas forças aéreas como a sul coreana, Iraquiana entre outras, tem como característica de destaque, o fato de ser supersônica e de já haver uma versão armada empregada para caça leve.
A Northrop, criadora do T-38, entrou na concorrência com uma joint venture com a BAe que trouxe uma moderna versão de seu clássico jato de treinamento Hawk T-2 e posteriormente apresentou um projeto próprio denominado Model 400, que mesmo propulsado pelo potente motor General Electric F400-102D, ainda não era capaz de voos supersônicos. A Northrop acabou desistindo da concorrência antes do final do processo decisório.
Outras empresas com propostas menos viáveis também chegaram a se apresentar, como foi a Textron com seu Scorpion (Já descrito no WARFARE) e a Stavatti com seu projeto Javelin.
A proposta vencedora foi a do moderno jato da joint venture  Boeing/ Saab, sob o nome inicial de "T-X". Posteriormente, batizado de T-7A e apelidado pela força aérea americana de Red Hawk em homenagem aos Tuskegee Airmens, pilotos negros que voaram pelos Estados Unidos na segunda guerra mundial em missões de combate e escolta de bombardeiros.
Aqui podemos ver os 4 principais concorrentes do T-7A que foram apresentados para fornecer uma solução de treinamento avançado parta o programa TX.
O T-7 possui uma configuração aerodinâmica convencional, com asas a frente, tailerons na parte posterior e dupla deriva em uma aeronave monomotor, o que não é, exatamente, algo tão comum, embora o F-35 tenha, justamente essa configuração. Seu tamanho, com comprimento pouco maior que os 14 metros, é comparável ao do T-38 Talon que ele vai substituir. e seu baixíssimo peso, de 5500 kg como máximo na decolagem somado a um potente motor F-404-GE-400 com pós combustor (uma versão do motor empregado nos caças F/A-18 Hornet legacy e nos primeiros caças Saab JAS-39A/C Gripen), permite a este jato de treinamento uma velocidade máxima de 1300 km/h, sendo assim um dos poucos aviões de treinamento do mundo, hoje, que superam a barreira do som em voo nivelado. O empuxo de 7800 kgf , quando empregado o pós combustor, fornece uma relação empuxo peso elevada, o que somado a estabilidade artificial controlada por FBW (fly by wire), garante um alto desempenho de manobra, com capacidade de altos ângulos de ataque, podendo simular com mais fidelidade o comportamento de voo dos caças de linha de frente que os pilotos que se formarem nesta aeronave serão levados a pilotar na USAF. Aqui, é importante informar, que o T-7A possui capacidade de puxar cargas de até 9 Gs em manobras, o que permite ao piloto em treinamento, conhecer a sensação de pilotar aeronaves em manobras apertadas de alta velocidade.
Apresenta~]ao do Boeing/ Saab T-7A Red Hawk. A Boeing foi vbastante ousada em apresentar um projeto inteiramente novo frente as outras empresas que chegaram com produtos já desenvolvidos e bem colocados no mercado.
Dentro do cockpit, os alunos encontrarão um painel de controle com uma grande tela, ao estilo WAD (como encontrada nos caças F-35 e no F-39 Gripen E, que a Força Aérea Brasileira comprou para seu programa FX, estando em consonância com o que há de mais avançado em uma cabine de uma aeronave de combate com o qual o piloto terá em suas mãos depois de formado. É interessante observara que, embora o T-7A não opere armas, seus sistemas, ainda sim, foram projetados para simular o emprego destas, de forma a deixa o aluno com um treinamento ainda mais completo e a um custo mais baixo. Alias, uma das chaves do projeto do T-7A é seu custo de aquisição e manutenção relativamente baixos. Isso poderá se tornar um atrativo importante para eventuais exportações para nações que prefiram o emprego de uma aeronave a reação para preparar seus pilotos de combate.
Os dois protótipos  T-7A Red Hawk receberem a pintura de cauda vermelha em homenagem aos Tuskegee Airmens, pilotos negros que voaram pelos Estados Unidos na segunda guerra mundial.
O T-7A Red Hawk chega em um momento importante pois os pilotos de combate norte americanos (e mesmo dos da OTAN) estão tendo que enfrentar as ameaças de maior complexidade desde a guerra do Vietnam. O gap tecnológico que beneficiou a força aérea dos Estados unidos pelos últimos 40 anos tem declinado ao ponto que, hoje, os adversários norte americanos possuem aeronaves páreas em muitos segmentos e até mesmo, superiores em outros. Assim, além dos caças de 5º geração, os americanos já começam a planejar a próxima geração de aeronaves de combate que deverá substituir os F-15 remanescentes e mesmo, o F-22 em meados de 2030, e para poder preparar a nova geração de pilotos, o T-7A vai dar a qualidade no aprendizado para estes futuros pilotos de combate.
As primeiras aeronaves e simuladores do T-7A estão programados para chegar à Base Conjunta de San Antonio-Randolph, Texas, em 2023. Todas as bases de treinamento de pilotos de graduação acabarão por passar do T-38C para o T-7A. Essas bases incluem a Base da Força Aérea de Columbus, Mississippi; Laughlin AFB e Sheppard AFB, Texas; e Vance AFB, Oklahoma.










ÍNDICE DE AERONAVES MILITARES - WARFARE Blog



sábado, 4 de abril de 2020

FOTO: Assalto chinês na Batalha das Ilhas Yijiangshan

Grupo de assalto chinês comunista atacando com lança-chamas a Cota 203, defendida pelos chineses nacionalistas, em 18 de janeiro de 1955.

A Batalha das Ilhas Yijiangshan foi um assalto anfíbio da China comunista (PLA), com mais de 5 mil homens, que exterminou a guarnição nacionalista (NRA) de pouco mais de mil homens.

Os comunistas desembarcaram em 20 pontos diferentes. Os defensores, porém, fizeram uso das suas fortificações e desorganizaram as formações dos atacantes ainda nas praias.
Os comunistas imediatamente pediram apoio ao fogo após encontrarem fogo inimigo feroz, e as aeronaves do PLA responderam atacando posições inimigas em altitudes extremamente baixas. A primeira linha de defesa foi rapidamente dominada por lança-chamas, bombas e artilharia, e o PLA ganhou terreno rapidamente. 

A maioria das baixas do PLA (cerca de 200 mortos e 400 feridos) resultou de ataques a dois ninhos de metralhadoras. Ataques aéreos e bombardeios maciços de artilharia acabaram por destruir essas duas posições. Quando os defensores desmoralizados recuaram para seus túneis, os atacantes mudaram suas táticas lutando em pequenos grupos e usando canhões sem-recuo e lança-chamas para gradualmente queimar os soldados do NRA até a morte, incluindo o complexo de túneis do 4º Grupo de Assalto - o maior na ilha.

Os comunistas sofreram 393 mortos e 1.024 feridos, a grande maioria no início imediato do desembarque anfíbio. A guarnição nacionalistas foi aniquilada, com 519 mortos, a maioria queimada viva pelos lança-chamas das unidades de assalto, e os remanescentes 519 feitos prisioneiros; segundo Taiwan, 712 soldados e 12 enfermeiras morreram na batalha. O comandante nacionalista, Wang Shen-Ming (chinês: 王生民), se matou com uma granada, cessando a resistência nas ilhas.

A marinha nacionalista perdeu um destroyer, o TaipingO governo de Taiwan informou que todas as 720 tropas nacionalistas morreram na ação e que eles mataram mais de 3.000 soldados inimigos. Esta afirmação foi provada falsa em 2011, quando um prisioneiro de guerra da batalha, Chen Hsiao-pin, visitou Taiwan.

A batalha foi um microcosmos em duas pequenas ilhas, Yijang do sul e do norte, e com o bombardeiro por artilharia no arquipélago Danchen, a mais de 13km. Com a Guerra da Coréia terminada, e o Exército Popular da China tendo à disposição amplos recursos incluindo jatos MiG e navios de guerra, Pequim pôde se concentrar em pressionar Taiwan. 

Mais de 500 bombas e 50.000 granadas de artilharia naval e de campanha foram lançadas sobre as duas ilhotas. O assalto anfíbio contou com 182 aviões, incluindo bombardeiros, e artilharia de longa distância. Mais de 5 mil soldados desembarcaram na praia, com a mobilização de 30 mil civis em funções de apoio. A batalha foi considerada como um exemplo da capacidade de guerra moderna da China comunista.

O efeito da vitória, conseguida em apenas um dia, foi desmoralizar os nacionalista em Taiwan, que não tinham uma marinha forte e não tinham condições de defender ilhas muito distantes (e conseqüentemente próximas do continente). 

As forças nacionalistas na ilha eram Quartel-General Regional de Yijiangshan comandado as subunidades:

- 2º Grupo de Assalto,
- 4º Grupo de Assalto
- 4º Esquadrão de Assalto,

- Um esquadrão de artilharia.

Nove dias depois, os nacionalistas abandonaram o arquipélago de Danchen, e três dias depois da evacuação, a China comunista os ocupou.

Leitura relacionada:

Quer entender a história chinesa? Estes 5 eventos são a chave, 6 de janeiro de 2020.

O fim da visão de longo prazo da China, 6 de janeiro de 2020.

Indonésia desdobra aviões de combate para Natuna em impasse com a China, 9 de janeiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.

A guerra de fronteira com o Vietnã, uma ferida persistente para os soldados esquecidos da China, 7 de janeiro de 2020.

Face à China, o Vietnã busca cooperação, 7 de janeiro de 2020.

VÍDEO: Documentário animado sobre a Guerra da Coréia (4 partes), 4 de março de 2020.

VÍDEO: Documentário animado sobre a Guerra da Coréia (4 partes)

FOTO: Fuzileiros navais sul-coreanos no Vietnã do Sul

Fuzileiros navais sul-coreanos no Vietnã do Sul.

A República da Coréia (chamada ROK pelos aliados) enviou a 2ª Brigada de Fuzileiros Navais "Dragão Azul"(elevada a divisão em 1981), para o Vietnã do Sul como parte da sua contribuição à contenção comunista na Ásia. Os dragões azuis foram desdobrados na Baía de Cam Ranh, e mais tarde em Tuy Hoa, e estavam inicialmente armados com armas da época da Segunda Guerra Mundial: M1918A2 BAR, M1 Garand e M1919A4. Até muito mais tarde em sua missão, esses homens começaram a receber ajuda americana; geralmente usando o Colt XM16E1 e o Colt M16A1 (Modelo 603). Este seria o caso até que o Arsenal de Pusan, na Coréia, pudesse produzir o M16A1 licenciado.

Os fuzileiros navais coreanos usavam um uniforme no padrão de camuflagem baseado no padrão americano M1942 Spot (pintado), também conhecido como "Duck Hunter" (Caçador de Patos). Os fuzileiros navais coreanos eram conhecidos por serem cruéis em combate, a ponto de serem temidos pelos comunistas.



A 2ª Brigada de Fuzileiros Navais foi uma das três unidades enviadas pela ROK a fim de auxiliar nas operações no Vietnã. As outras duas foram a Divisão Tigre (Divisão de Infantaria Mecanizada da Capital) e a 9ª Divisão de Infantaria "Cavalo Branco". A ROK enviou 320 mil homens ao Vietnã de 1964 a 1973, mantendo uma força de 48-50 mil homens no Vietnã, a segunda maior força expedicionária aliada de Saigon.

FOTO: Interrogatório de um oficial português

Um oficial português é interrogado pelo serviço de inteligência alemão, provavelmente após sua captura na Batalha de La Lys, em abril de 1918. À direita da imagem, um soldado de assalto alemão. (Foto Der Prussian via Stosstruppen1918- FB)