sábado, 31 de julho de 2021

O Exército Francês empregou o Sistema de Informação de Combate Scorpion em operação pela primeira vez


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 30 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de julho de 2021.

Na semana passada, o Centro de Transportes e Trânsito de Superfície (Centre des transports et transits de surface, CCTS) do Ministério das Forças Armadas anunciou, via redes sociais, que 32 veículos blindados multifuncionais (VBMR) Griffon acabaram de ser embarcados a bordo de um rouler pelo 519º Regimento de Suprimentos (519e Régiment du Train, 519e RT) para então ser desdobrado no Sahel, onde serão empregados pelo Grupo Tático do Deserto (GTD) Korrigan, armado principalmente pelo 3º Regimento de Infantaria de Fuzileiros Navais (3e Régiment d’Infanterie de Marine, 3e RIMa).

Enviar estes Griffons para o Sahel é uma primeira vez... Mas se este veículo, como o VBMR ligeiro Serval e o Veículo Blindado de Reconhecimento e de Combate (Engin blindé de reconnaissance et de combatEBRC) Jaguar, é um “tijolo” do programa SCORPION (Synergie du contact renforcée par la polyvalence et l’infovalorisation / Sinergia do Contato Reforçado pela Versatilidade e Infovalização), o Sistema da Informação do Combate Scorpion (Système d’information du combat Scorpion, SCIS) é o cimento.




Porém, de acordo com o último relatório do Estado-Maior das Forças Armadas (État-major des armées, EMA), e sem esperar a chegada dos Griffons, o SICS foi desdobrado pela primeira vez no Sahel, justamente durante uma missão de controle de zona realizada nas regiões de Bourem e Almoustarat, ao norte de Gao.

“Esta missão foi a oportunidade de desdobrar, pela primeira vez em um teatro de operações externo, o sistema de informação de combate Scorpion (SCIS) entre os diferentes níveis de comando: posto de comando do GTD, comandante de unidade e chefe de seção”, indica a EMA.

O SICS "tem um mapa compartilhado no qual os obstáculos detectados por veículos GTD e ordens aparecem quase que instantaneamente. O compartilhamento gráfico de informações facilitou o estabelecimento de um sistema de controle de área móvel e responsivo, impedindo qualquer ação de grupos armados terroristas (groupes armés terroristes, GAT) na região. O sistema mostrou assim de imediato todas as suas vantagens: fluidez nas trocas, adaptabilidade na condução e clareza dos relatórios”, explica a EMA.

O Exército Francês, portanto, não demorará muito em colocar o SICS em operação. Este sistema, desenvolvido pela Atos, foi de fato aprovado pela Direção-Geral de Armamentos (Direction général de l’armement, DGA) no mês de maio passado. “Seu desdobramento generalizada está planejado antes do verão, após o sucesso das avaliações operacionais do Exército”, ela anunciou na época.

Scorpion: o reforço do grupamento tático interarmas.

“O objetivo deste sistema é garantir a consistência dos sistemas em serviço. É uma ferramenta de apoio à decisão dentro do programa Scorpion. Graças a esse sistema, [é possível] fornecer automaticamente uma situação tática exata continuamente, desde o líder do grupo desembarcado até o comandante do regimento”, explica o Exército.

No entanto, “terminais digitais SICS-Débarqué Lite” [Lite significa “leve”, nota do editor] - ou seja, 80 tablets e 20 smartphones robustos - já foram disponibilizados para a Barkhane para experimentação em novembro de 2019. "As unidades farão experiências no coração da sua missão operacional este conceito inovador de meio digital portátil e participarão ativamente na melhoria das ferramentas”, explicou o EMA na ocasião.

Bibliografia recomendada:

Future War and the Defence of Europe.
John R. Allen, Frederick Hodges e Julian Lindley-French.

Leitura recomendada:



sexta-feira, 30 de julho de 2021

GALERIA: Renovação do posto de Ninh-Binh pela 5ª Companhia do 2e BM/1er RTA

tirailleur de 1ª classe Lakdar, da 5ª Companhia do 2e BM/1er RTA, que participou na retomada dos postos de Ninh-Binh. Ele enfeitou seu chapéu de selva com o emblema de sua unidade, com o lema árabe "sempre o primeiro", pregado em um quadrado de pano vermelho (a cor que designa o 2º Batalhão de Marcha).

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de julho de 2021.

Coleção de fotos da ECPAD, tiradas por Defives Guy, sobre a reforma do posto de Ninh-Binh, recapturado pelos tirailleurs argelinos na Batalha do Rio Day, na Indochina Francesa em junho de 1951.

5ª companhia do 2e BM/1er RTA (2e Bataillon de Marche du 1er Régiment de Tirailleurs Algériens2º Batalhão de Marcha do 1º Regimento de Tirailleurs Argelinos) participou da retomada do rochedo na fase final de contra-ataque francesa e recuperou o corpo do Tenente Bernard de Lattre, filho do General Jean de Lattre de Tassigny, o comandante-em-chefe na Indochina. O lema do 2e BM/1er RTA era "toujours le premier" ("sempre o primeiro").

Do alto de um dos postos Ninh-Binh, apesar de uma grande bandagem na cabeça, o tirailleur Mazeni, da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA monta guarda com uma metralhadora Reibel modelo 1931 calibre 7,5mm.
De sua posição, é visível o trecho de uma das pontes sobre o rio Day, sabotada em 1947 pelo Viet-Minh em plena retirada.

Um tirailleur da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA observa o delta do rio Day de um dos rochedos de Ninh-Binh, rebatizado de rochedo "Bernard de Lattre" durante uma missa em memória do filho do general de Lattre, o tenente do BM/1º RCC (Batalhão de Marcha do 1º Regimento de Chasseurs à Cheval), que ali tombou à frente de seu esquadrão.

A matéria original descreveu a situação nas seguintes palavras:

"Após a reconquista do posto de Ninh-Binh, a 5ª companhia do 2e BM/1er RTA atua no sentido de restaurar o sistema defensivo deste reduto assediado pelo inimigo. O posto está de fato completamente destruído pela luta. O bivaque da unidade é incompleto e as condições de vida visivelmente rústicas, a infraestrutura tendo sido fortemente danificada pelo fogo de morteiro do Viet-Minh, seguido pelos tiros de uma bateria do 64e RAA (Régiment d'Artillerie d'Afrique / Regimento de Artilharia da África), de três embarcações da 3e Dinassaut (Divisão Naval de Assalto) e os passes de “Straffing” dos caças.

Enquanto permanecem vigilantes, os escaramuçadores estão trabalhando para limpar o posto de entulho que se acumulou lá e para restaurar as trincheiras parcialmente entulhadas. Da postagem, você pode ver a fumaça liberada pelo bombardeio de Phong Du (4,5km de Ninh-Binh), com os combates continuando na área."

Tirailleurs da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA inspecionam a igreja de Ninh-Binh, destruída por morteiros e canhões sem recuo dos sitiantes Viet-Minh que assediaram 73 homens do comando naval "François" entrincheirados no edifício. Submergidos por 3.000 Bô Doï (soldados regulares) da 308ª Divisão que varreram a posição e engajaram os comandos fuzileiros navais em uma furiosa luta corpo-a-corpo, os sobreviventes tentando uma saída forçada.

Bivaque improvisado da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA erguido nos escombros do posto de Ninh-Binh, devastado pelo ataque Viet-Minh e depois pelo contra-ataque vitorioso das tropas francesas. O rochedo "Bernard de Lattre" foi arrasado e substituído por um monumento à glória do APV (Exército Popular Vietnamita).

Um tirailleur da 5ª compahia instalou-se provisoriamente nas ruínas do posto de Ninh-Binh após a sua reconquista por esta unidade, pertencente ao GMNA (Groupement Mobile Nord-Africain / Grupamento Móvel Norte-Africano).

Tirailleurs limpando o entulho do posto, resultado do pesado bombardeiro de morteiros e canhões sem recuo do Viet-Minh, e depois pela própria artilharia francesa na sua retomada.

Os tirailleurs da 5ª Companhia comprometeram-se a limpar o posto de Ninh-Binh dos destroços que aí se acumulavam, atestando a dureza do combate mas sobretudo a densidade do fogo dos morteiros Viet-Minh, além dos tiros diretos dos canhões sem recuo "SKZ" (Sung Khong Zat: canhão sem recuo chinês); e depois dos tiros de saturação realizados para apoiar o assalto dos "Turcos" (apelido herdado pelos tirailleurs argelinos após a campanha da Crimeia de 1854) que o tomaram.

A unidade manteve, assim, o posto por um mês e meio, repelindo vários encontros ofensivos noturnos das tropas Viet-Minh regulares (Bô Doï), e realizando várias incursões nos territórios controlados pelo inimigo.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

PERFIL: O filho do general,  27 de julho de 2021.

GALERIA: Retomada do rochedo de Ninh-Binh pelos Tirailleurs Argelinos16 de outubro de 2020.

GALERIA: Ratissage dos Tirailleurs Argelinos na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Com os Tirailleurs Marroquinos na Operação Aspic na região de Phu My14 de outubro de 2020.

GALERIA: Chegada de reforços ao posto de Yen Cu Ha, 5 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Uma missão da Marinha Francesa na Indochina9 de outubro de 2020.

GALERIA: Manobra dos comandos navais no Tonquim9 de outubro de 2020.

GALERIA: Largagem paraquedista em Quang-Tri durante a Operação Camargue2 de outubro de 2020.

O Reino Unido busca o novo "Fuzil da Brigada de Operações Especiais do Exército"

Comando do Exército Britânico com uma Carabina L119A1.
(MoD do Reino Unido)

Por Mathew Moss, The Firearms Blog, 30 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de julho de 2021.

A Brigada de Operações Especiais do Reino Unido está em busca de uma nova arma pessoal. Atualmente, elementos das forças especiais do Reino Unido estão equipados com uma mistura de carabinas L119A1/A2 e fuzis L85A2. O novo fuzil provavelmente equipará algumas unidades existentes, mas será predominantemente entregue à nova Brigada de Operações Especiais com quatro batalhões que está sendo criada.

A Brigada de Operações Especiais de Nível 2 consistirá de batalhões menores e será encarregada com funções  de treinamento e aconselhamento em pontos críticos. A brigada será conhecida como The Rangers e contará com tropas de batalhões de infantaria especializados já estabelecidos. Você pode ler mais sobre os Rangers em nosso site irmão Overt Defense.

Em 26 de julho de 2021, o Ministério da Defesa do Reino Unido publicou um concurso para um novo “Sistema de Armamento Individual Alternativo (Alternative Individual Weapon, AIW) duma plataforma do Fuzil Armalite (Armalite Rifle, AR) da Brigada de Operações Especiais do Exército”.

O concurso prevê um "sistema de fuzil que compreende um fuzil e um" sistema de redução de assinatura" - um silenciador, bem como uma óptica adequada. O Sistema de Arma Individual Alternativa (AIW) provavelmente será uma arma padrão AR-15, o termo "Fuzil Armalite" é usado. Este é um termo remanescente para se referir a armas padrão AR-15 que têm sido usadas desde que o Exército Britânico adquiriu seus primeiros fuzis padrão AR-15 e M16 no início dos anos 1960. O termo também abrange os C7 e C8 adquiridos da Diemaco/Colt Canada. O concurso continua explicando que "uma plataforma AR é definida como sendo operada a gás com um ferrolho rotativo e de trancamento". O que, no geral, não é muito específico.

Soldado do pelotão Pathfinder (Precursor) com o fuzil L119A1 equipado com uma armação CQB de 10,5 polegadas, 2018.
(Cabo Jamie Hart /
MoD do Reino Unido)

O fuzil será "otimizado para uso com L15A2, uma munição comum de 62gr em 5,56×45 OTAN, equivalente à munição SS109". Ele não deve ter uma alavanca de manejo recíproca e os controles do fuzil devem incluir: “um retém do carregador, retém  de peças de operação e uma alavanca seletora rotativa que incorpora uma configuração de segurança”. O MoD também deixa claro que o fuzil terá configurações padrão "não-bullpup, com o dispositivo do carregador na frente do guarda-mato do gatilho", enquanto as partes "superior e inferior da arma devem ser combinadas usando pinos de pivô/desmontagem padrão da indústria localizados na frente e traseira da armação inferior”. Não há menção ao comprimento do cano, o inventário atual tem a carabina L119 em dois comprimentos - 15,7" e uma configuração CQB (Close Quarter Battle / Combate Aproximado em Compartimento) de 10,5".

As especificações do concurso concluem dizendo "Como um sistema completo, o sistema AIW deve funcionar de forma consistente, independentemente de sua configuração, ou seja, com ou sem um Dispositivo de Redução de Assinatura (Signature Reduction Device) instalado, em todos os cenários operacionais."

As licitações desse tipo no Reino Unido são especialmente interessantes porque oferecem um vislumbre da doutrina e do pensamento sobre as armas portáteis, já que a substituição do sistema de armas SA80 não está planejada para pelo menos uma década. Será interessante ver o que é enviado e selecionado. As armas que se enquadram nos critérios gerais que podem ser apresentados incluem o HK416, o C8 da Colt Canada, o LWRC IC, o MCX da SIG Sauer ou o LMT MARS, entre outros - incluindo algumas armas de padrão estritamente não AR-15, como o BREN 2 ou o HK433.

Os fornecedores interessados terão até 18 de agosto para manifestar o seu interesse, com o Ministério da Defesa a lançar os editais de licitação ou participação até 10 de setembro. O valor da proposta é colocado em “entre £ 500.000 e £ 90.000.000”, o que pode representar uma categoria arbitrária para os valores da proposta, em vez do valor planejado do contrato AIW final. O MoD espera que entre 3 a 6 fornecedores apresentem propostas. A licitação prevê entre 88 e 528 armas para a fase de trilhas e avaliação e a entrega final de um mínimo de “3.000 sistemas com opções para a Necessidade Total da Frota em torno de 10.000 Sistemas”.

Bibliografia recomendada:

The M16.
Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.







FOTO: Brigada Franco-Alemã, 22 de janeiro de 2020.

FOTO: Hora do chá, 3 de março de 2021.

FOTO: Operador especial ugandense, 10 de julho de 2021.

Dois mortos após o ataque a um petroleiro ao largo do Sultanato de Omã


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 30 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de julho de 2021.

Em 30 de julho, o UKMTO, órgão da Marinha Real responsável pela segurança marítima, relatou um incidente envolvendo um "navio mercante" navegando a aproximadamente 152 milhas náuticas [280 km] ao largo do Sultanato de Omã. Mais tarde, o proprietário Zodiac Maritime levantou "suspeitas de pirataria" a bordo do M/T Mercer Streest, um navio-tanque japonês que opera sob a bandeira da Libéria.

O navio estava em uma rota vazia entre Dar es Salaam [Tanzânia] e Fujairah [Emirados Árabes Unidos] quando foi atacado. Na época dos fatos, ele estava localizado precisamente no nordeste da ilha de Masirah em Omã.

No momento, ainda não está claro se este petroleiro foi ou não vítima de um ato de pirataria. Em qualquer caso, em uma declaração feita posteriormente pela Zodiac Maritime, o ataque a ela resultou na morte de dois de seus tripulantes, um segurança britânico e um cidadão romeno.

Atualmente, o M/T Mercer Street está navegando sob o controle de sua tripulação para um "local de segurança" com escolta fornecida pela Marinha dos Estados Unidos.

O armador Zodiac Maritime é propriedade do empresário israelense Eyal Ofer... o que explicaria o motivo do ataque. Na verdade, desde o início deste ano, houve pelo menos quatro ataques confirmados a navios ligados a Israel na região, o primeiro tendo como alvo o MV Helios Ray, um navio operado pela Ray Shipping Ltd, uma empresa com sede em Tel Aviv, em Israel. Israel então acusou o Irã de ser o responsável.

“O incidente envolvendo o M/T Mercer Street segue-se a um ataque de 3 de julho de 2021 ao CSAV Tyndall, que teria sido alvo de forças iranianas. Este pertenceu à Zodiac Maritime antes de ser vendido recentemente", lembra a britânica Dryad Global, especialista em segurança marítima.

Enquanto isso, alega-se que pelo menos um drone foi usado para realizar o ataque na M/T Mercer Street. Isso só pode reforçar a pista iraniana... Além disso, conforme revelado pelo Wall Street Journal, Israel e o Irã estão engajados em uma "guerra naval clandestina" há alguns meses, vários navios iranianos foram atacados, incluindo navios de contêineres fazendo a conexão com a Síria, bem como navios usados ​​pela Guarda Revolucionária. Além do mais, o recente naufrágio de um navio de abastecimento da marinha iraniana levantou a questão do possível envolvimento israelense.

Recorde-se que foram lançadas duas missões navais, nomeadamente a Sentinel [sob comando americano] e Agenor, apoiadas pela França num quadro europeu, para garantir a segurança marítima nas proximidades do muito estratégico Estreito de Ormuz, não muito longe da posição onde ocorreu o ataque ao M/T Mercer Street.

Bibliografia recomendada:

O Mundo Muçulmano.
Peter Demant.

Leitura recomendada:









terça-feira, 27 de julho de 2021

PERFIL: O filho do general

General de Lattre condecorando o Tenente de Lattre, seu filho, com a Croix de Guerre no dia 11 de maio de 1951, por suas ações na Batalha de Dien Mai, na Indochina. O Tenente de Lattre morreria na Batalha do Rio Day apenas 19 dias depois dessa foto.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de julho de 2021.

Bernard de Lattre de Tassigny (11 de fevereiro de 1928 - 30 de maio de 1951) foi um oficial do exército francês que lutou na Segunda Guerra Mundial e na Guerra da Indochina, recebendo várias medalhas durante sua carreira militar, incluindo a Médaille Militaire e a Croix de Guerre 1939-45 e dos Teatros Exteriores. Ele foi morto em ação aos 23 anos, lutando perto de Ninh Binh. Na época de sua morte, seu pai, o General Jean de Lattre de Tassigny, era o comandante geral das forças da União Francesa na Indochina.

Ainda com apenas 16 anos, Bernard recebeu permissão especial do General Charles de Gaulle para se juntar ao exército que estava sendo montado para invadir a França e, posteriormente, lutou na libertação do sul da França após a Operação Dragoon e também na Alemanha. Ele foi gravemente ferido em 8 de setembro de 1944, em Autun, retornando mais tarde para lutar novamente na Alemanha. Foi por suas ações nessas campanhas que ele recebeu a sua primeira Croix de Guerra e a Médaille Militaire - o mais jovem a receber essa medalha.

O jovem Cabo Bernard com seu pai, o General d'Armée Jean de Lattre de Tassigny, em 1945.
Bernard usa o distintivo do 2º Regimento de Dragões no peito.

O Pós-Guerra e a Indochina

Bernard entrou na Escola Militar Interarmas em 1º de agosto de 1945 (promoção "Victoire" - Vitória), escolhendo a arma blindada e de cavalaria (arme blindée et cavalerie, ABC). Em 26 de novembro de 1945, ele era um aspirante. Estagiário na Escola de Cavalaria de Saumur, foi nomeado segundo tenente em 26 de novembro de 1946. Depois foi designado para o 4º Regimento de Couraçados, em Mourmelon-le-Grand. Foi promovido a tenente em 26 de novembro de 1947.

Ele deixou a metrópole para a Indochina em 1º de julho de 1949. Chefe de um pelotão blindado do 1º regimento de caçadores, era comandante do posto de Yen My, que controlava quinze vilarejos e uma população de cerca de 20.000 habitantes. Ele foi citado pela ordem da brigada em 21 de abril de 1950.

Em 6 de dezembro de 1950 o seu pai, o General de Lattre, tornou-se Alto Comissário, Comandante-em-Chefe na Indochina e Comandante-em-Chefe da Força Expedicionária Francesa no Extremo Oriente. Bernard de Lattre assumiu o comando de um esquadrão formado em grande parte por voluntários vietnamitas em 1º de março de 1951.

Após os combates em Maï Dien, ele foi citado na ordem do corpo de exército em 11 de maio e recebeu sua segunda Croix de Guerre das mãos do pai em 11 de maio de 1951.


Ele foi morto em ação 19 dias depois, perto de Ninh Binh, durante a Batalha do Rio Day. Ele morrera obedecendo às ordens de seu pai de manter a cidade a todo custo, enfrentando três divisões regulares do Viet Minh; essa batalha travada teimosamente é creditada com a interrupção do avanço do Viet Minh na ofensiva do General Giap no Delta do Rio Vermelho. A ofensiva, que visava tomar Hanói, duraria ainda três semanas até perder força e ser repelida completamente. A citação das ações de Bernard na batalha concluiu:

"Ele caiu heroicamente, dando um exemplo das melhores virtudes militares".

Após a morte de seu filho, o General de Lattre organizou uma missa católica na catedral Saint-Joseph de Hanói, a catedral dos Mártires de Hanói. Dois dias após a batalha, o corpo de Bernard de Lattre foi transladado de volta para a França, acompanhado por seu pai, e o jovem soldado foi enterrado com honras militares. Os túmulos de todos os três de Lattre estão agora localizados lado a lado no cemitério de Mouilleron-en-Pareds, o local de nascimento de Jean de Lattre. A morte de Bernard de Lattre recebeu ampla cobertura da imprensa na época, incluindo artigos nos jornais Le Figaro, Le Monde, The New York Times e na revista Time. Seu funeral foi apresentado na revista Life como "Picture of the Week" (Imagem da Semana).

"Beijo para um filho soldado".
Imagem da Semana da LIFE Magazine.

Bernard Fall, em seu clássico Street Without Joy, faz um ode aos vários soldados - do general ao soldado raso - combatendo na Indochina, lutando e morrendo ao lado de seus camaradas nas selvas sufocantes do Sudeste Asiático.

"Em uma tal guerra sem frentes, ninguém estava seguro e ninguém era poupado. Tenentes morriam pelas centenas, e era calculado que para manter linhas de comunicação principais ao longo do Viet-Nã do Norte custa em média três ou quatro homens por dia para cada centena de quilômetro de estrada. Oficiais superiores morriam também. O General Chanson foi assassinado por um terrorista no Viet-Nã do Sul. O General da Força Aérea Hartman foi derrubado sobre Langson; os Coronéis Blankaert, Edon e Érulin foram mortos por minas enquanto lideravam seus grupos móveis através dos pântanos e arrozais. E a guerra não poupou os filhos dos generais, também. O Tenente Bernard de Lattre de Tassigny foi morto na defesa do ponto rochoso que era a chave para o forte de Ninh-Binh. Ele era o único filho do Marechal de Lattre e a sua morte partiu o coração do homem. O Tenente Leclerc, filho do Marechal Leclerc, morreu em um campo de PG comunista; e o Tenente Gambiez, filho do chefe de estado-maior do General Navarre, foi morto em Dien Bien Phu.

Estes homens, e milhares de outros, da Martinica ao Taiti e de Dunquerque ao Congo, de todas as partes da península indochinesa, e legionários estrangeiros de Kiev na Ucrânia a Rochester, Nova Iorque, compuseram as Forces de l'Union Française - sem dúvida o maior, e último, exército francês a lutar na Ásia."

- Bernard Fall, Street Without Joy, pg. 252.

A Batalha de Ninh Binh

Durante a noite de 28 a 29 de maio de 1951, o General Von Ngyuen Giap lançou sua terceira ofensiva contra o Delta do Rio Vermelho desde o início do ano, iniciando a Batalha do Rio Day, pela posse do delta do rio de mesmo nome que flui a sudoeste de Hanói.

A batalha foi a primeira campanha convencional de Giap, e viu suas forças do Exército Popular do Vietnã (Armée Populaire Vietnamienne, APVN) de Viet Minh atacarem a região dominada pelos católicos do Delta para quebrar sua resistência à infiltração de Viet Minh. Depois de duas derrotas em empreendimentos semelhantes durante março e abril daquele ano, Giap liderou três divisões em um padrão de ataques de guerrilha e dissimulação em Ninh Bình, Nam Dịnh, Phu Ly e Phat Diem começando em 28 de maio, que viu a destruição do Comando François, um comando naval, enquanto atrasavam os regulares Viet Minh.

Comandos navais do Comando François, aniquilado na igreja de Ninh Binh.

As rochas de Ninh-Binh (hoje Cuc Phûong), que se projetam sobre o rio, constituem um bloqueio estratégico. Para o General Giap, é uma questão de destruir a linha de defesa protegendo o delta criada pelo General de Lattre de Tassigny (comandante em chefe da Indochina) e, assim, alcançar o celeiro de arroz que representa a planície fértil do baixo rio Vermelho.

A área é mantida pelo Comando François sob as ordens do Tenente Labbens. As tropas francesas não têm outro refúgio que uma igreja e a formação rochosa com vista para o rio. O ataque de milhares de Bô Doï da Daï Doan (divisão) é particularmente violento e os pitons de Ninh Binh são tomados pelos combatentes Viet Minh. Os soldados resistiram a noite toda até o fim de munição. A unidade foi aniquilada, com relatos de prisioneiros franceses sendo mortos a tiros pelos captores Viet Minh. Entre os reforços está um esquadrão do 1er Chasseur, composto por tropas indochinesas comandadas pelo Tenente Bernard de Lattre de Tassigny.

A situação foi assim descrita por Bernard Fall:

"O ataque inicial Viet-Minh, que começou em 29 de maio, se beneficiou, como quase sempre acontecia, de uma surpresa completa. Ao amanhecer, a maior parte da 308ª Divisão de Infantaria tomou de assalto as posições francesas em e ao redor de Ninh-Binh, penetrando na cidade e prendendo os sobreviventes franceses restantes na igreja. Durante aquela primeira noite caótica da batalha, um batalhão de reforços vietnamitas reunidos às pressas da vizinha Nam-Dinh foi lançado na batalha. Uma de suas companhias, chefiada pelo único filho do comandante-em-chefe francês, o Tenente Bernard de Lattre, foi obrigado a manter a todo custo um forte francês situado em um penhasco com vista para Ninh-Binh. Apesar do intenso bombardeio de morteiros, a companhia de de Lattre resistiu, mas quando amanheceu , o jovem de Lattre e dois de seus mais graduados suboficiais jaziam mortos na falésia. (Antes do fim da guerra da Indochina, mais vinte filhos de marechais e generais franceses morreriam como oficiais; outros vinte e dois morreram na Argélia mais tarde.)"

 - Bernard Fall, Street Without Joy, pg. 45.

Tomado de surpresa, o Comando francês rapidamente reagiu e em 48 horas mobilizou três grupos móveis (grupamentos mecanizados de armas combinadas semelhantes a equipes de combate regimentais), quatro grupos de artilharia, um grupamento blindado e o 7º Batalhão de Paraquedistas Coloniais (7e Bataillon de Parachutistes Coloniaux, 7e BPC), bem como uma dinassaut. O fluxo e refluxo de posições capturadas e retomadas continuaria até que as linhas de suprimento de Giap foram cortadas por volta de 6 de junho. O ponto culminante da batalha ocorreu na noite de 4 para 5 de junho com o posto-chave de Yen Cu Ha mudando de mãos várias vezes. Giap com suas forças, movendo-se em grandes números e durante o dia, eram vulneráveis ao poder de fogo francês e às forças terrestres francesas apoiadas por uma milícia católica local amigável. Com a artilharia, embarcações ribeirinhas e aviões que massacravam as centenas de pequenos juncos e sampanas que constituíam a linha de suprimentos Viet Minh cruzando o rio Day, as unidades do exército Viet Minh foram forçadas a se retirar entre 10 e 18 de junho, deixando 1.000 prisioneiros nas mãos dos franceses e 9.000 baixas para trás.

Os últimos defensores Viêt-Minh no rochedo de Ninh-Binh são capturados pelos tirailleurs do 2e BM/1er RTA.

O corpo do Tenente de Lattre foi recuperado por um contra-ataque dos tirailleurs argelinos do 2e BM/1er RTA.

La Noblesse Oblige

O Major Médico Grauwin em seu livro J’étais médecin à Dien Bien Phu (Eu fui médico em Dien Bien Phu) faz um ode aos filhos de oficiais-generais que, ao invés de aceitarem postos confortáveis em unidades administrativas, decidiram que la noblesse oblige (a nobreza tem obrigações) e voluntariam-se para lutar e morrer na defesa do império francês na Ásia.

No sistema francês, o comandante da unidade é chamado pela tropa como "Le Patron", o patrão ou patrono. O culto aos patronos tão enraizado no Exército Brasileiro deriva desse costume por influência direta da Missão Militar Francesa vinda em 1920. Grauwin menciona os comentários de "Ó, o filho do patrão...", quando estes jovens oficiais de "dinastias" militares eram avistados nos quartéis.
 
"O que todos esses tenentes tinham?

Conheço dezenas e dezenas de todas as armas e todas as unidades. Em uma primeira estadia na Indochina é chefe de pelotão, em uma segunda estadia, comandante de companhia, mas a terceira estadia geralmente terminava com um membro a menos ou em um cemitério militar perdido no mato.

Da antiga equipe de tenentes do terceiro estrangeiro, quantos ainda restam até hoje? Onde estão enterrados Benoistel, Hamacek, Guillemin, Palissère, Fontaine?...

Na primavera de 1947, ainda em Nam Dinh; havia três oficiais de cavalaria que mantinham a comida, eu os via todas as noites, eles se chamavam: de Lassus, Mercier e Monroe. Eles foram enterrados todos os três em intervalos de um ano não muito distantes um do outro.

Os filhos dos generais pagam a grande honra de ostentarem um nome glorioso: o Tenente Leclerc, o Tenente de Lattre ou o Tenente Preau...

Por que eles recusam um cargo tranqüilo depois de terem cumprido grandemente seu tempo como chefe de pelotão ou comandante de companhia? O medo que se diz: "Ó, o filho do patrão..." Não! O amor simplesmente, como os camaradas de nomes desconhecidos; o amor de sua profissão de soldado e pelo país."

- Major Médico Grauwin, J’étais médecin à Dien Bien Phu.

J’étais médecin à Dien Bien Phu.
Major Médico Grauwin.

A morte de Bernard de Lattre teve um grande impacto em seu pai e sua mãe. Seu pai, em particular, fora profundamente afetado e ele morreu de câncer menos de oito meses depois. Sua mãe, agora com o direito de se chamar Madame la Maréchale após a promoção póstuma de seu marido, foi descrita em um obituário publicado em 2003 como tendo "se dedicado à memória de seu filho e à história de seu marido e dos exércitos que ele havia comandado".

Em 1952, foi publicado um livro de 308 páginas intitulado Un destin héroïque: Bernard de Lattre (Um destino heróico: Bernard de Lattre). O livro é uma coleção de histórias da vida de Bernard, junto com cartas que ele escreveu. O livro foi escrito e editado pelo professor francês de filosofia Robert Garric. Outra resposta escrita à morte de Bernard de Lattre foi fornecida por sua mãe em sua obra em dois volumes sobre o marido: Jean de Lattre: mon mari (Jean de Lattre: meu marido, Paris, 1972). Nesta obra, Madame de Lattre escreve sobre a reação de seu marido à morte de seu filho, mas também escreve sobre seus próprios sentimentos e o idealismo de uma geração de soldados franceses morrendo tal como seu filho.

Um dos memoriais duradouros a Bernard de Lattre é uma pequena capela ao ar livre na comuna de Wildenstein, no departamento do Haut-Rhin, na Alsácia, no nordeste da França. Hoje conhecida como Capela de São Bernardo, essa estrutura foi inaugurada em 1955. É constituída por um altar e um pequeno abrigo ao lado de uma trilha de caminhada. A construção do local começou em 1954, usando plantas aprovadas por Madame de Lattre. O material de construção usado foi arenito rosa da vizinha Rouffach. O site é dedicado à memória de Bernard de Lattre, de seu pai Jean de Lattre e das forças francesas que lutaram na área em 1944 para libertar a Alsácia dos alemães na Segunda Guerra Mundial. Posteriormente, a capela ficou em mau estado, mas foi renovada e reinaugurada durante uma missa de 20 de agosto de 2004, dia dedicado a São Bernardo de Claraval. Há um serviço anual realizado lá em homenagem a Bernard de Lattre de Tassigny, com a presença de associações de veteranos, dignitários locais e parentes dos de Lattre.

Também localizado em Wildenstein está o Centre Bernard de Lattre, que inclui um memorial a Jean de Lattre. Este memorial estava originalmente localizado na Argélia, mas foi transferido para Wildenstein em 1962 após a Argélia se tornar independente da França. Uma comemoração adicional do nome de Bernard de Lattre veio quando a turma de 1984-1985 da École Militaire Interarmes, a escola militar em que ele estudou, foi nomeada "Promoção Tenente Bernard de Lattre de Tassigny" em sua homenagem. Um serviço anual também ocorre nos túmulos dos de Lattre em Mouilleron-en-Pareds.

Historiadores e outros autores que escreveram sobre a Primeira Guerra da Indochina comentaram sobre o simbolismo da morte de Bernard de Lattre. Em Soldats perdus: de l'Indochine à l'Algérie, dans la tourmente des guerres (Soldados perdidos: da Indochina à Argélia, 2007), a jornalista e autora francesa Hélène Erlingsen diz que a morte de Bernard de Lattre foi um símbolo "do mundo moderno devastado pela guerra" e que sua vida foi “representativa do nosso tempo”. A morte de Bernard de Lattre foi contextualizada em relação a outras mortes nesta guerra, com Brian Moynahan, na sua obra The French century: an illustrated history of modern France (O século francês: uma história ilustrada da França moderna, 2007), observando que "ao todo 21 filhos de marechais e generais franceses morreram na Indochina", conforme registrado por Bernard Fall em 1961.

Post-script: Suspense militar

O título deste artigo é uma paráfrase do filme A Filha do General (The General's Daughter, 1999), um filme de investigação militar onde o investigador Paul Brenner (John Travolta) ao lado de sua parceira Sara Sunhill (Madeleine Stowe) investigam a misteriosa morte da oficial de guerra psicológica Capitã Elisabeth Campbell (Leslie Stefanson), filha do comandante da base: o General Joe Campbell (James Cromwell).

Outros personagens marcantes sendo o Coronel Bob Moore (James Woods), o oficial comandante e mentor da Capitã Elisabeth Campbell, e o Coronel George Fowler (Clarence Williams III), o leal segundo em comando do General Campbell. Além da investigação e da discussão sobre mulheres no exército em uma época onde este era um conceito novo, o filme ainda apresenta a estética esverdeada dos antigos uniformes BDU americanos.

Recomendação do Warfare.


A Filha do General ainda gerou um filme de suspense e investigações militares, Violação de Conduta (Basic, 2003), dessa vez com John Travolta contracenando com a futura rainha Hipólita, Connie Nielsen, como a investigadora Capitão Júlia Osborne e com o titã Samuel L. Jackson interpretando o implacável Sargento Nathan West.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard Fall.

Leitura recomendada:












Armas vietnamitas para a Argélia, 14 de dezembro de 2020.

FOTO: T-62 iraquiano atolado

Um T-62 iraquiano atolado num pântano durante a guerra contra o Irã, anos 1980.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de julho de 2021.

A Guerra Irã-Iraque, que durou de 1980 a 1988, viu incontáveis batalhas em terreno pantanoso nas regiões de Abadan, próxima à península de al-Faw, de Bostan, nos pântanos de Hawizeh e nas ilhas Majnoon.

O T-62, já ultrapassado pelo T-72, enfrentou carros de combate ocidentais iranianos comprados na época do Xá. Em algumas ocasiões até conseguiram alguns disparos de sorte, mas ambos os lados operavam seus equipamentos com baixíssima capacidade por falta de treinamento.

Chieftain Mk3/5 iraniano nocauteado por um disparo de 115mm de um tanque T-62 iraquiano (munição 3UBM5 ou 3UBM9 APFSDS/Flecha). Disparo de sorte, atravessou o mantelet, o ponto menos blindado possível.

Cena de combate entre iranianos e carros T-72 iraquianos


Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewicz.

Leitura recomendada:




FOTO: T-62M no Passo de Salang, 28 de janeiro de 2020.


segunda-feira, 26 de julho de 2021

GALERIA: Snipers do 35º Regimento de Infantaria de Belfort


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de julho de 2021.

Demonstração de snipers (tiréurs d'élite) do 35e RI de Belfort, armados com o fuzil FR F2; um fuzil de precisão FR F2 (Fusil à Répétition modèle F2 / Fuzil de Repetição modelo F2) que é uma evolução do FR F1 com novo cano, nova luneta e novo bipé. Uma das principais melhorias do FR F2 é que o cano do fuzil é protegido termicamente por uma cobertura de polímero. Seu cano é de flutuação livre (para evitar vibrações) e está equipado com um quebra-chama.

O sistema do FR F1 e F2 foi projetado em torno de um grupo de ferrolho e ação aprimorados do venerável MAS M1936, reforçados e redesenhados para garantirem melhor precisão. O FR F2 (assim como o predecessor FR F1) é um fuzil sniper muito preciso, devido à sua qualidade, alças helicoidais de trancamento traseiro que movem o ferrolho para frente durante o fechamento para obter um assento ideal do cartucho, cano flutuante e freio de boca/estabilizador eficiente combinado que amortece as vibrações do cano.


O 35º Regimento de Infantaria (35e régiment d'Infanterie, 35e RI) é um regimento de infantaria do Exército francês. Suas origens remontam à formação do régiment de Némond em 1604 por um membro da pequena nobreza da Lorena cujo sobrenome era Némond. Durante a Primeira Guerra Mundial, foi apelidado de As de Trèfle (Ás de Paus). Estabelecido em Belfort desde 1873, é o regimento com guarnição mais antigo da França.

Figuras notáveis que serviram com o regimento ou seus antecessores incluem os irmãos Louis e Auguste de Keralio (de 1734 a 1749), o guerrilheiro franco-alemão Jean Chrétien Fischer líder dos Chasseurs de Fischer (criados em 1743), Étienne-Charles de Damas-Crux (segundo no comando do régiment d'Aquitaine em 3 de outubro de 1779), o cantor Maurice Chevalier (em 1913) e o General René Imbot, veterano de Bir Hakeim e da Indochina, e comandante do 35e RI de 1969 a 1971.
















História dos fuzis de precisão FR-F1 e FR-F2:
Entrevista com Henri Canaple


Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada: