sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

FOTO: Monstros da floresta

Soldados suecos em camuflagem florestal M90.

FOTO: Shermans soviéticos do 6º de Guardas

Um par de carros de combate Sherman M4A2(76) e uma peça de assalto SU-100 do 6º Exército de Tanques de Guardas, em Viena, março de 1945.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de janeiro de 2020.

O 6º Exército de Tanques de Guardas (6-ya Gvardeyskaya Tankovaya Armiya, chamado 6º de Guardas) foi uma unidade de elite soviética formada após a invasão do Eixo, e era uma unidade de elite (como denota o título Guardas) equipada com material soviético, britânico e americano: T-34, Matilda e M4 Sherman. Seu comandante foi o Tenente-General do Corpo de Tanques (depois Coronel-General) Andrei Kravchenko, um especialista em guerra blindada, veterano de Moscou e Stalingrado, e duas vezes Herói da União Soviética.

Inicialmente comandando o 5º Corpo Mecanizado e o 5º Corpo de Tanques de Guardas, o 6º Exército de Tanques teve a sua primeira grande operação na supressão do Bolsão de Korsun-Cherkassy, na região do Dnieper e Cárpatos, em janeiro e fevereiro de 1944. Foi então engajado na Ofensiva de Iassy-Kishinev em agosto de 1944, conquistando o título de Guardas em setembro de 1944.

Sob este novo título, o 6º de Guardas foi engajado na Batalha de Debrechen, como parte da 2ª Frente Ucraniana sob o comando do Marechal Rodion Yakovlevich Malinovsky, que, de 6 a 29 de outubro de 1944, se opôs ao 6º Exército Alemão (2ª formação) comandado pelo General Maximilian Fretter-Pico e ao 3º Exército Húngaro do General József Heszlényi (condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro em 28 de outubro de 1944); formados no Grupo de Exércitos Sul da Hungria Oriental, chamado Armeegruppe Fretter-Pico. O General Maximilian era o irmão mais velho do General Otto Fretter-Pico, que se rendeu à Força Expedicionária Brasileira na Itália.

M4 Sherman do 6º de Guardas na Áustria.

Após encarniçados combates, Budapeste caiu sob cerco em 29 de dezembro de 1944, resistindo até 13 de fevereiro de 1945. O 6ª de Guardas foi então empenhada na Operação Despertar de Primavera (Unternehmen Frühlingserwachen) no Lago Balaton, manobrando em abril de 1945 e isolando Viena do resto do Reich. Uma de suas unidades subordinadas, o 2º Corpo Mecanizado de Guardas, terminou suas operações em Benešov, na Tchecoslováquia, em 9 de maio de 1945.

O 6º de Guardas foi então transportado para o Distrito Militar Transbaikal, na fronteira com a China, para tomar parte na Operação de Ofensiva Estratégica da Manchúria. O agora Coronel-General Andrei Kravchenko comandou o seu 6º Exército de Tanques de Guardas como a ponta-de-lança da Frente Transbaikal contra o Exército Japonês de Kwantung em 9 de agosto de 1945.

O 6º Exército de Tanques de Guardas consistia no 5º Corpo de Tanques de Guardas e nos 7º e 9º Corpos Mecanizado de Guardas, apoiados por muitas formações menores, ao todo, num total de 1.019 tanques e canhões autopropulsados. Para esta operação, o exército de tanques foi reestruturado de modo que a infantaria, artilharia e componentes blindados estivessem muito mais equilibrados do que tinham sido durante a guerra contra os alemães. Este foi o primeiro exemplo do que provou ser a organização militar mecanizada soviética padrão durante a Guerra Fria.


Participando da Operação Khingano-Mukden, o 6º de Guardas teve a missão de avançar impressionantes 800km.

Passando 15 anos na Mongólia, o 6º de Guardas foi transferido para o Distrito Militar de Kiev, o mais importante distrito militar soviético, onde permaneceu como unidade de elite até o fim da União Soviética em 1991; quando foi transferido para o exército ucraniano. O agora 6º Corpo de Exércitos ucraniano serviu de 1993 até 2013, quando foi dissolvido e seus elementos colocados sob o atual Comando de Operações Sul.

Leitura recomendada:

Os Fuzileiros Navais na Revolução de 1924

Manobra do Batalhão Naval, 1928.

Pelo Tenente FN Artilheiro (AT) Manoel Caetano da Silva, 1961.
Transcrição Filipe do A. Monteiro, 14 de outubro de 2015.

A revolução de 1924 no Estado de São Paulo, foi um acontecimento de muita gravidade, que preocupou sèriamente a Nação, e levou o Brasil a temer pela sorte do grande Estado. O que mais depôs contra os paulistas naquela eventualidade, e que contribuiu para que a revolução fôsse debelada mais depressa, foi a notícia que se espalhou por todo o País, que, o que eles queriam, era separarem-se do Brasil.

São Paulo, que todos dizem e reconhecem ser uma nação, pela pujança do seu progresso admirável e pelo idealismo e valor dos seus filhos, desejaria ser, realmente, independente? Não cremos que fôsse êsse o pensamento que norteava as idéias do seu povo, e que levava-o à luta. Os paulistas não eram ingênuos, sabiam da impossibilidade de realizarem tão incomum quão impatriótico propósito, e mesmo que alimentassem essa aspiração para a sua terra, o Brasil não permitiria que a levassem a efeito.

Artilharia do Batalhão Naval durante manobras na então longínqua Barra da Tijuca, 1928.

A Fôrça Pública de São Paulo, numerosa, bem treinada e bem armada, que Ruy Barbosa dissera, ao vê-la em manobras, ser um exército, encarnava a esperança de vitória daquele povo que recorria às armas não por suas ambições de grandeza, mas buscava nas trincheiras soluções para problemas de ordem social, econômico e político, que, conforme admitiam os seus líderes, o govêrno da República descurava ou não tinha pressa em resolvê-los.

Artilharia do Batalhão Naval durante manobras na então longínqua Barra da Tijuca, 1928.

Foi uma luta fratricida que durou poucos dias. A Fôrça Pública, coadjuvada por fracos elementos militares, bateu-se valentemente com fôrças regulares que tinham a apoiá-las o resto da Nação.

A derrota chegou depressa e era inevitável, porque São Paulo não lutava por nenhum ideal conspícuo que merecesse a ajuda dos seus irmãos. A Fôrça Pública batia-se por uma causa que significava agredir o Brasil e não defender São Paulo que não estava sendo acometido por nenhum inimigo.

Artilharia do Batalhão Naval durante manobras na então longínqua Barra da Tijuca, 1928.

Um contingente de fuzileiros navais, pequeno mas capaz, seguiu para São Paulo a fim de ajudar as fôrças legalistas na sua ação contra os revoltosos em armas. Era uma fôrça mista, que compreendia as armas de artilharia e infantaria, e não ultrapassava uma companhia.

O Encouraçado Minas Gerais transportou os fuzileiros até o pôrto de Santos onde desembarcaram incorporados a grande número de marinheiros do navio. Era Comandante da Fôrça da Marinha o Capitão-de-Fragata Anatoqles, Imediato do Minas Gerais.

Os fuzileiros seguiram de trem para o teatro da luta onde iriam demonstrar as superiores qualidades militares que foram apanágios dos seus antepassados, e fariam dêles os modernos representantes de uma estirpe de bravos que se confirmaria e haveria de multiplicar-se através dos tempos.


Renault FT-17 e tanquistas da Companhia de Carros de Assalto do Exército Brasileiro em uma avenida paulista durante os combates, 1924.

- (Não poderemos narrar convenientemente o que foi aquela epopéia porque não dispomos de elementos suficientes. Alguns fuzileiros dos que tomaram parte na mesma, junto aos quais buscamos informes, pouco nos adiantaram. Alegaram êles que já haviam se esquecido de quase tudo. Não tiveram a preocupação de tomar notas porque jamais pensariam que os seus apontamentos poderiam ser publicados).

Os Oficiais da Armada que auxiliaram o Comandante Anatoqles na direção da Fôrça da Marinha, são hoje, todos, altos dignatários da Armada. Foram êles: (salvo êrro ou omissão) Capitão-Tenente Nelson Noronha de Carvalho, Comandante da artilharia dos fuzileiros, e Sub-Chefe Tenente Suzano. Já no fim da campanha o Capitão Noronha foi substituído pelo Capitão-Tenente Helvécio Coelho Rodrigues. Porta-Bandeira da Fôrça da Marinha, Tenente Paraguaçu. Comandante do contingente de marinheiros, Tenente Lauro de Araújo.


Rebelde paulista com fuzil-metralhador Madsen no bairro do Cambuci, 1924.

Partindo de Santos, o comboio chegou a São Bernardo à noite, onde fez uma pequena parada. Desta estação continuou viagem para o Ipiranga alcançando esta cidade pela madrugada. Os fuzileiros desembarcaram a sua artilharia. Patrulhas avançadas de reconhecimento constituídas de marinheiros entraram em ação, e tomaram contato com o inimigo. Seguiu-se um tiroteio terrível no qual diversos marinheiros foram feridos. Depois dêste choque inicial, encetou a Fôrça da Marinha uma marcha penosa em demanda do centro da capital paulista. Os canhões dos fuzileiros dificultavam a marcha, porque rodavam em terreno desconhecido, à noite, e eram importunados pelos revoltosos. Ao ralar do dia, haviam atingido um ponto perto dos Campos Elíseos; dirigiram-se para lá e ocuparam um prédio próximo ao palácio do govêrno. No referido prédio estabeleceram o Q.G. da Fôrça da Marinha. O Capitão Nascimento dispôs a artilharia ao sopé de um morro que havia nas proximidades e abriu fogo contra objetivos considerados importantes, como entroncamentos e estações ferroviárias, quartéis e pontos de concentração de revoltosos. Um pouco distante do local onde estava colocada a artilharia dos fuzileiros, havia um quartel que parecia abandonado; dêste quartel abriram fogo com metralhadoras pesadas contra os fuzileiros; êles viraram as bôcas dos seus canhões para lá, e em poucos minutos silenciaram as metralhadoras e arrasaram o quartel. Alguns fuzileiros saíram feridos da refrega.

Os canhões de campanha dos fuzileiros, os formidáveis 75 m/m Armstrong, em 1924 eram dos melhores que existiam. Os shrapnell, granadas que usavam carregadas com balins, eram próprias para serem atiradas contra pessoal, e o efeito era devastador.


General Isidoro Dias Lopes, comandante dos rebelados, 1924.

Depois da luta que se travou nas proximidades do palácio do govêrno, o Capitão Noronha foi substituído no comando da artilharia dos fuzileiros pelo Capitão Helvécio Coelho.

Os canhões dos fuzileiros atiraram muito, atiraram talvez demais, tanto que alguns deles dêles ficaram pràticamente imprestáveis.

Durante todo o desenrolar das operações militares, os fuzileiros ao lado dos marinheiros demonstraram espírito de luta, coragem e desprendimento. Morreram marinheiros e fuzileiros.

Os Oficiais da Armada, que comandaram a Fôrça da Marinha o fizeram com precisão admirável e acêrto absoluto.

Nos combates que travaram com os revolucionários, foram feridos gravemente os soldados José Benício Alves, Heliodoro José dos Santos e José Bezerra Sobrinho, que obtiveram promoção a Cabo. O primeiro é hoje Vice-Almirante (CFN) da R. Rm., o segundo morreu como 1º Tenente da R. Rm. e o terceiro deu baixa. Todos pertenciam à Sexta Companhia, de Artilharia.

Dois soldados morreram; dois outros desapareceram sem que jamais se soubesse que fim tiveram e um dêstes era corneteiro, tinha o apelido de "Porão".

- Tenente Fuzileiro Naval AT Manoel Caetano da SilvaHistórias de Fuzileiros Navais Brasileirospg. 87-89, 1961.

A linguagem da época foi mantida.




Imagem do antigo CR na contra-capa do livro.

O jovem Góes Monteiro em Catanduvas

Tropas legalistas frente à Coluna Miguel Costa em Catanduvas, no Paraná, 1924-25.

Extrato do livro "O General Góes depõe", transcrito por Filipe do A. Monteiro em 9 de julho de 2020. Mantive a linguagem da época:

Afinal, as tropas do destacamento Mariante se internaram na densa floresta, abrindo picadas a facão. A alimentação era das piores, e os soldados baianos, por exemplo, comiam rapadura com farinha. Ao amanhecer do dia seguinte, as tropas destinadas a fazer o esfôrço principal tinham alcançado a estrada de Foz do Iguaçu, interceptando as comunicações entre os defensores de Catanduva e o núcleo rebelde de Salto, comandado por Miguel Costa. Na frente do destacamento Almada, depois do primeiro arranco sôbre Catanduva, as tropas legais se detivera e chegaram a recuar, o que causou grande desapontamento ao General Azeredo Coutinho. Fez êste, então, um apêlo ao Coronel Mariante para impulsionar suas tropas no sentido de remover o “impasse”. Atendendo-o, o Coronel Mariante ordenou que eu fôsse, pessoalmente, dirigir o ataque das quatro principais unidades encarregadas de assaltar a posição de Catanduva pelas costas. Segui imediatamente com uma pequena escolta, através de uma picada de 18 quilômetros, atravessando mato muito espesso, e, ao chegar à estrada, sem perda de tempo, tomei as providências que a situação exigia, incumbindo um dos batalhões de atacar Catanduva pela retaguarda, enquanto outro enfrentaria as fôrças de Miguel Costas, diante de Salto, e um terceiro faria a cobertura dêsses ataques, vigiando as principais picadas dentro da floresta. Um quarto batalhão estava marchando ainda dentro de uma das picadas e iria ficar como reserva. Não havia comunicações telefônicas, substituidas por ligações de estafetas. E assim findou o terceiro dia das operações, sem que eu tivesse qualquer notícia do resultado dos ataques. Caiu a noite e eu alojei-me junto às tropas de reserva, dentro de um pequeno bosque, onde, com surprêsa, começaram a descer balas de fuzil, de metralhadora e alguns tiros de canhão. Tôda a tropa se abrigou nas trincheiras de proteção, porém eu estava redigindo um comunicado para remeter, na manhã do dia seguinte, ao Coronel Mariante, e não quís abrigar-me. Lembro-me que tive de interromper o que estava escrevendo para intercalar uma frase jactanciosa, mais ou menos nos seguintes têrmos: “Neste momento, estão atirando sôbre o meu pôsto de comando; todos no buraco, menos eu...” Mal acabava de escrever êsse quixotismo, dois  soldados negros, corpulentos, de fôrça hercúlea, me agarraram e me conduziram para dentro de uma trincheira. Não opús qualquer resistência e alí fiquei no meio dos soldados, refletindo mais uma vez sôbre a fragilidade das coisas humanas...

- Góes Monteiro e Lourival CoutinhoO General Góes Depõem..., 1955, pg. 20-21.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

FOTO: Bravo Six, going dark.

Alunos do curso de operações especiais do USMC. (Lance Cpl. Jacob Bertram, U.S. Marine Corps)

Alunos do Comando de Operações Especiais dos Fuzileiros Navais (Marine Special Operation Command, MARSOC) conduzindo uma incursão (raid) helitransportada em Outlying Field Atlantic, North Carolina, em 31 de outubro de 2019.

A missão do MARSOC é recrutar, treinar, manter, e desdobrar forças expedicionárias ao redor do globo para cumprir missões de operações especiais designadas pelo Comando de Operações Especiais do Estado Unidos (U.S. Special Operations Command, SOCOM).

FOTO: Fuzis dourados

Guardas Reais tailandeses durante a coração do Rei Rama X, armados com fuzis bullpup TAR-21 banhados em ouro, 4 de maio de 2019.

Por uma longa tradição, os guardas reais são armados com armas douradas. O Depósito de Munições do Exército Real Tailandês desmontou completamente as armas, até o nível de peças individuais, e as cromou com ouro - uma a uma.

HUMOR: Arqueólogos descobrem AR-15 usado por Caim para matar Abel


Do site The Babylon Bee, 4 de novembro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de janeiro de 2020.

IRAQUE - Arqueólogos que trabalham perto do antigo Crescente Fértil fizeram uma descoberta impressionante na manhã de sexta-feira: o AR-15 que Caim usou para matar Abel, conforme registrado na Bíblia.

Os estudiosos suspeitam que Caim não poderia ter cometido o primeiro assassinato da história sem acesso a algum tipo de arma de assalto, já que as armas de fogo são a raiz de toda a violência. Agora, há provas, na forma do AR-15 pessoal e altamente personalizado de Caim.

"Caim estava planejando usar uma pedra, mas a área foi designada como uma zona livre de pedras", disse um importante acadêmico da escavação. "Então, é claro, ele teve que usar a próxima melhor opção: um AR-15".

"Se apenas houvessem leis sensatas de controle de armas, o primeiro homicídio da humanidade poderia ter sido evitado." Os pesquisadores acreditam que Caim comprou a arma ilegalmente, no entanto, utilizando uma brecha pouco conhecida na exposição de armas.

Vários cartuchos usados foram descobertos nas proximidades. A arma tinha características assustadoras, como uma alavanca de manejo, uma coronha, um cano e uma "coisa bem bonitinha", de acordo com especialistas em armas de fogo da mídia no local. Todas essas características tornavam o assassinato "triplo ruim", pois, se parecesse apenas uma espingarda de caça de madeira, não seria tão assustador.

No momento da publicação, os estudiosos também descobriram um ingresso para o filme do Coringa nas proximidades, sugerindo que Caim era um homem branco, influenciado pelo desempenho perturbador de Joaquin Phoenix.

Original: https://babylonbee.com/news/archaeologists-discover-ar-15-cain-used-to-kill-abel?fbclid=IwAR3DuNAGUYYIiEvZHyYXj0jDQDR1HCvYiiNGpZwPPPlsqqfubuvavaxL-nA

Nota do Tradutor: É uma piada recorrente nos Estados Unidos que o fuzil AR-15 é a fonte de todos os males, por conta do alarmismo da narrativa desarmamentista americana, que é marcada pelo completo desconhecimento técnico sobre o tema que deseja debater.

FOTO: As cobiçada asas paraquedistas

Rangers colocando o brevê americano nos indianos. (Staff Sgt. Ryan Hohman, 1st SFG)

Os soldados do 1º Grupo de Forças Especiais (Aerotransportado), do 2º Batalhão, do 75º Regimento Ranger e do 3º Batalhão de Forças Especiais Paramilitares do Exército Indiano trocam asas de paraquedismo durante as cerimônias de encerramento do exercício Vajra Prahar, na Base Conjunta Lewis-McCord, Washington, no dia 11 de janeiro de 2020. 

O Vajra Prahar é um exercício de treinamento conjunto combinado bilateral de intercâmbio que aprimora a capacidade das forças envolvidas para responder a uma ampla gama de contingências, incluindo planejamento de missão, assalto aéreo, táticas de pequenas unidades e incursão contra alvos.

FOTO: Óculos de Visão Noturna (OVN), anos 80

Soldado francês com um FAMAS, uniforme Mle 64 Satin 300, capacete F1, e o novo infra-vermelho LBE, década de 1980.

FOTO: Operações conjuntas do GIGN, BOPE e CORE, 2015.

Operador francês do GIGN durante treinamento conjunto com operadores do BOPE e CORE, durante a simulação de uma operação de resgate de reféns no Rio de Janeiro, como parte do aparato de segurança durante as olimpíadas, 25 de junho de 2015.

Uma avaliação francesa do tanque Panther

Panther "Bretagne" na Tankfest 2019.


Por Mark SingerEscotilha do Chieftain11 de julho de 2012.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 05 de agosto de 2019.


Historiadores profissionais e entusiastas da história militar frequentemente descrevem o tanque Panther como o melhor tanque alemão, e talvez o melhor tanque em geral, da Segunda Guerra Mundial. Ele tinha um canhão de 75mm de alta velocidade poderoso e preciso, sua blindagem frontal era quase invulnerável para a maioria das armas antitanque aliadas, e tinha um motor potente, lagartas largas e um sistema de suspensão que lhe dava alta velocidade, excelente capacidade cross-country* e uma montaria suave. O que mais poderia um tanquista querer?

*Nota do Tradutor: capacidade todo terreno, fora de estradas.

Na verdade, um tanquista poderia pedir muito mais. A história do Panther está repleta de exemplos de problemas automotivos. A estréia em combate do Panther, durante a grande ofensiva alemã em Kursk em 1943 (Operação Cidadela), não foi particularmente auspiciosa. Dois tanques do destacamento inicial pegaram fogo devido a incêndios de motores simplesmente desembarcando dos trens! Isso trouxe um significado totalmente novo para a frase “batismo de fogo”.

Soldados americanos e britânicos que enfrentaram o Panther em combate tinham muito elogios para o tanque (se alguém pudesse usar a palavra "elogio" para um adversário temido). Apesar de nunca ter atingido as proporções de "bicho papão" do tanque Tiger, o Panther era muito mais frequente em combate e era de fato a ruína dos tanquistas aliados. Os oficiais alemães que comandavam unidades de tanques pareciam um pouco mais reservados em seus comentários.

E, no entanto, o Panther foi um beco sem saída em termos de desenvolvimento. Muitos veículos e armas da Segunda Guerra Mundial continuaram em serviço por anos ou mesmo décadas no pós-guerra. E muitos tiveram seus principais componentes de projeto "emprestados" para uso posterior em projetos do pós-guerra. Isso se aplica às armas dos EUA, soviéticas e britânicas, mas também das armas alemãs. O caça alemão Me-109 foi produzido e desenvolvido pela Espanha e pela Tchecoslováquia, e permaneceu em serviço de forma modificada até o início dos anos 1960. Assim também o bombardeiro He-111. Os fuzis Mauser eram a espinha dorsal de vários exércitos do pós-guerra. Algumas versões de veículos blindados alemães, como meia-lagartas e caçadores de tanques (Jagdpanzers) continuaram em produção e viram mudanças em seu desenvolvimento no pós-guerra. Mas o Panther era um beco sem saída.

Quase. Mas não é bem assim.

Os britânicos conseguiram construir um pequeno número de Panthers imediatamente após a guerra, usando técnicos e componentes alemães que haviam sido entregues à fábrica de montagem antes que ela fosse invadida. Algumas nações da Europa Oriental operavam unidades equipadas com Panthers capturados até que as peças de reposição fossem consumidas. Mas essas nações estavam sob a mão pesada dos soviéticos e tinham pesadas restrições em suas forças armadas no período imediato do pós-guerra. Assim, as unidades Panther no Leste eram em sua maioria cerimoniais ou de reserva em sua natureza, e viam pouco em termos de desenvolvimento doutrinário ou manobras. E aquelas nações da Europa Oriental que construíram tanques adotaram projetos soviéticos para nova produção, de modo que nenhuma engenharia foi levada adiante com conceitos de projeto vindos do Panther

No entanto, no Ocidente, os franceses também operaram unidades Panther no pós-guerra. Aqui, quando os franceses reconstruíram sua própria indústria de armas domésticas, houve uma maior disposição para emprestar conceitos do Panther ou qualquer outro desenho alemão disponível. De fato, vários desenhos franceses do pós-guerra mostraram considerável influência dos veículos blindados alemães do tempo de guerra. Mas para determinar quais aspectos do Panther usar, que aspectos copiar e refinar, ou que aspectos abandonar, os franceses deveriam primeiro examinar a verdadeira utilidade operacional do tanque Panther. Isso faz com que as observações francesas do Panther no pós-guerra sejam particularmente interessantes.

Um Panther no jogo World of Tanks.

Antecedentes: Visões mistas dos anos de guerra.

Soldados americanos que enfrentaram o Panther em combate foram quase universais nas altas notas que deram às características do Panther.

Em 1945, o clamor dos tanquistas norte-americanos havia chegado aos ouvidos do General Eisenhower muitas vezes. Em março de 1945, ele escreveu para os generais comandantes das 2ª e 3ª Divisões Blindadas dos norte-americanas sobre o tema do Panther, declarando:

De tempos em tempos, encontro histórias curtas em que algum repórter supostamente está citando oficiais não-comissionados em nossas formações de tanques, no sentido de que nossos homens, em geral, consideram nossos tanques muito inferiores em qualidade àqueles dos alemães. …

Nossos homens, em geral, percebem que o Sherman não é capaz de se manter em uma luta direta, frente-a-frente, com um Panther. Nem na potência do canhão, nem na blindagem o presente Sherman é justificado em empreender tal competição. Por outro lado, a maioria deles percebe que nós… não queremos monstros difíceis de manejar; que nosso tanque tem grande confiabilidade, boa mobilidade e que o canhão foi amplamente melhorado. A maioria deles também sente que desenvolveu táticas que lhes permitem empregar seu número superior para derrotar o tanque Panther, desde que não sejam surpreendidos e possam descobrir o Panther antes que ele tenha conseguido três ou quatro tiros bons. …

O acima, no entanto, são meras impressões que obtive através de conversas casuais. Estou escrevendo para você ... com o pedido de que, o mais cedo possível, você me escreva uma carta informal que me dê ... um resumo das opiniões de seus comandantes de tanques, motoristas, artilheiros, e assim por diante, sobre esses assuntos gerais.

O General White, comandante da 2ª Divisão Blindada, sentiu necessidade de apresentar sua resposta ao General Eisenhower, pedindo-lhe que fizesse concessões “pelo entusiasmo tradicional demonstrado pelo soldado americano quando lhe é dado (ou ele toma!) a oportunidade de se expressar no que diz respeito a possíveis falhas em seu… equipamento.” Isto, porque o comentário sobre o Panther pintou um quadro comparativo bastante sombrio.

Mas não foi apenas "o soldado americano" que ofereceu uma avaliação tão sombria. O General Collier, comandante do Combat Command A (Comando de Combate A) da 2ª Divisão Blindada de White, ofereceu essa avaliação:

O consenso de opinião de todo o pessoal do 66º Regimento Blindado é que o tanque alemão e as armas antitanque são muito superiores às americanas nas seguintes categorias:

• Flotação superior.
• Maior mobilidade Isso é diretamente contrário à opinião popular de que o tanque pesado é lento e desajeitado.
• Os canhões alemães têm uma velocidade inicial muito maior e nenhum brilho luminoso revelador. A trajetória plana resultante dá grande penetração e é muito precisa.
• O 90mm, embora seja uma melhoria, não é tão bom quanto os 75 ou 88. …
• Os sistemas de mira dos tanques alemães são definitivamente superiores aos sistemas de mira americanos. Estes, combinados com a trajetória plana dos canhões, dão grande precisão.
• Tanques alemães têm melhor blindagem inclinada e uma silhueta melhor que os tanques americanos.

Não é uma comparação feliz.

Os oficiais alemães não eram tão universais em seus elogios ao Panther. O General Fritz Bayerlein, comandante da Panzer-Lehr-Division (Divisão Escola de Blindados), ofereceu este resumo do Panther após a campanha na Normandia.:

Enquanto o PzKpfw IV ainda podia ser usado com vantagem, o PzKpfw V [Panther] mostrou-se mal adaptado ao terreno. O Sherman por causa de sua capacidade de manobra e altura era bom ... [o Panther era] pouco adequado para terrenos de sebes por causa de sua largura. O canhão de cano longo e a largura do tanque reduzem a capacidade de manobra em combates em aldeias e florestas. Ele é muito pesado na frente e, portanto, rapidamente desgasta os comandos finais dianteiros, feitos de aço de baixa qualidade. Alta silhueta. Trem de força muito sensível que exige motoristas bem treinados. Blindagem lateral fraca; blindagem superior vulnerável a caças-bombardeiros. Linhas de combustível de material poroso que permitem o escapamento de gases da gasolina escapem para o interior do tanque, causando um grave risco de incêndio. Ausência de fendas de visão que impossibilita a defesa contra um ataque aproximado.

Parece que talvez um pouco do “entusiasmo tradicional” que o General White havia predito tenha existido, porventura, em ambos os lados.

Essa perspectiva de antecedentes, vinda de oficiais-generais comandando as formações de tanques americanas e alemãs, aumenta o interesse em uma perspectiva equilibrada e imparcial.

Esta é uma perspectiva que os franceses podem fornecer.

A experiência francesa no pós-guerra

Os franceses fizeram um esforço concertado para reconstruir seu poderio militar nacional após a Segunda Guerra Mundial. Além das legítimas preocupações com a defesa nacional na florescente Guerra Fria, a França também tinha interesses coloniais em várias partes do mundo e buscava recuperar sua posição como potência política no cenário mundial.

As unidades do exército francês foram reequipadas com equipamento americano e treinadas na doutrina americana, a partir de 1943. Várias unidades francesas lutaram com considerável élan* e foram altamente elogiadas por oficiais americanos e britânicos durante as campanhas na Itália e na França em 1944 e 45.

*Nota do Tradutor: Vontade, energia, coragem.

Um dos primeiros Panthers examinado pelos aliados ocidentais foi este Panther Ausf. A, capturado em condição de funcionamento pelas forças francesas na Itália, 25 de março de 1944.

Mas no período pós-guerra, a França buscou um caminho independente para suas armas. A produção foi reiniciada em uma variedade de produtos militares, incluindo armas de pequeno porte e artilharia. Mas a tecnologia de veículos blindados avançou rapidamente durante os anos de guerra. A França não possuía projetos de tanques domésticos dignos de produção no pós-guerra.

Assim, além dos equipamentos norte-americanos fornecidos pelos programas de ajuda militar de empréstimo-e-arrendamento e os do pós-guerra, os franceses coletaram as muitas centenas de tanques Panther abandonados em todo o país e se empenharam em reabilitar aqueles que poderiam se tornar operacionais. Eles colocaram estes em serviço no 501º e 503º Regimentos Blindados.

O 503º Regimento francês de manobras com tanques Panther em 1947.

O 503º operou um batalhão completo de 50 Panthers, junto com um batalhão de tanques Sherman fabricados nos Estados Unidos, até 1947. O 501º também operou os Panthers até 1949 - com quase o dobro do tempo em Panthers do que qualquer formação alemã.

Em 1947, um relatório sobre o Panther foi publicado pelo Ministério da Guerra, Seção Técnica do Exército, Grupamento Auto-Carro (Ministère de la Guerre, Section Technique de L’Armée, Groupement Auto-Char). Este relatório, intitulado "Le Panther, 1947" capturou as observações francesas e recomendações para operar o tanque Panther.

A seguir, trechos deste relatório:

O acionamento da rotação da torre não é forte o suficiente para girar a torre ou segurá-la no lugar quando o Panther estiver em uma inclinação de mais de 20 graus. Portanto, o Panther não é capaz de disparar quando dirigindo em cross-country.

Relatórios de combate da Segunda Guerra Mundial indicaram que os tanques Sherman frequentemente conseguiam obter o primeiro tiro em combate com os tanques Panther. Essa limitação na ação da torre pode muito bem ser um dos fatores contribuintes.

Elevar o canhão é normalmente simples, mas é difícil se o estabilizador operado por nitrogênio comprimido tiver perdido a pressão.

Aqui os franceses estão descrevendo uma elevação pneumática para ajudar a manter o grande peso do canhão KwK 42. Ele não tinha "estabilizador" no sentido da unidade de estabilização de giro do tanque Sherman.

A cúpula do comandante, com seus 7 periscópios, proporciona uma visibilidade quase perfeita em todas as direções. Periscópios danificados por granadas de artilharia podem ser substituídos muito rapidamente.

Um periscópio de tesoura com grande poder de ampliação foi fixado a um reparo na cúpula do comandante.

Nota do Tradutor: Sf.14Z Scherenfernrohr (Periscópio de tesoura) de ampliação 6x30.

Modelos posteriores dos tanques Sherman também tinham cúpulas dos comandantes com visibilidade de 360 graus. Mas esse recurso não apareceu comumente nos tanques norte-americanos até a produção de 1944. Vários relatórios aliados dão grande crédito à visibilidade das cúpulas dos tanques alemães desde 1940.

Além do seu de periscópio de mira do canhão (que é excelente), o artilheiro não tem outro tipo de dispositivo de observação. Ele é, portanto, praticamente cego, uma das maiores deficiências do Panther.

A mira do canhão com dois estágios de ampliação é notavelmente clara e tem seu campo de visão claro no centro. A mira do canhão permite a observação de um alvo e granadas até mais de 3000 metros.

Nota do Tradutor: Dois tanques Panther da Divisão Wiking vistos através das lentes de um periscópio de tesoura SF14Z de outro Panther no verão de 1944. A Divisão lutava desesperadamente para preservar a frente destruída e conter o Exército Vermelho quando da ofensiva de verão soviética, codinome Bagration , rebentou como um trovão.

Uma vez que o comandante tenha localizado um alvo, demora entre 20 e 30 segundos até que o atirador possa abrir fogo. Este dado, que é significativamente maior que o do Sherman, deriva da ausência de um periscópio para o artilheiro.

Os franceses identificaram um aspecto-chave que está faltando nas comparações e críticas norte-americanas sobre as miras do canhão nos tanques Sherman em comparação com os tanques Panther (e outros alemães). Sim, a óptica alemã era boa. A clareza era excelente e os retículos eram mais eficazes. No entanto, foi observado em relatórios de combate que os artilheiros norte-americanos conseguiram encontrar e mirar no alvo mais rapidamente. [Nota do Chieftain: Para ser claro, isso faz parte do processo de transferência do comandante para o artilheiro. Com um zoom fixo na mira, seu campo de visão é limitado. Como resultado, o comandante que direciona o artilheiro para o alvo deve colocar o artilheiro em um grau mais alto de precisão antes que o artilheiro possa até mesmo ver o alvo em seu campo de visão para identificá-lo ou mirar nele. Os tanques americanos têm um campo de visão (não ampliado) para dar ao artilheiro a consciência situacional de onde ele precisa ficar para ver o alvo na mira de alta potência. No M1A1 Abrams, o interruptor x3/x10 executa o mesmo papel com uma mira]

Nenhum tipo de munição de carga oca é planejada para o Panther.

A granada HE (alto explosivo) pode ser acionada com um retardo de 0,15 segundos.

A PzGr 40 (Panzergranate 40) teve melhor penetração até 1500 metros do que a PzGr 39, mas sua trajetória cai consideravelmente.

O retardo descrito para o projétil HE seria um retardo na operação da espoleta. A configuração retardada seria usada para que o projétil pudesse penetrar na cobertura leve antes de explodir. Uma configuração como essa seria usada para disparar contra infantaria ou armas antitanque em prédios ou atrás de sacos de areia.

Nota do Tradutor: Desenho em corte da PzGr. 39 7,5cm. 1: Espoleta; 2: Traçante; 3: Banda de Condução; 4: Preenchimento Explosivo; 5: Penetrador; 6: Coifa Descoberta; 7: Coifa Balística.

A PzGr 40 era projétil leve com um penetrador de tungstênio, equivalente à granada APCR (Armour Piercing Composite Rigid/Perfurante de Blindagem, Composta e Rígida) para os britânicos, Ponta-de-Flecha ou Núcleo-Duro na terminologia russa, e HVAP (High-Velocity Armor-Piercing/Perfurante de Blindagem de Alta Velocidade) na linguagem de Material Bélico dos EUA. A PzGr 39 foi a granada perfurante mais comum. O canhão KwK 42 do Panther na verdade disparou uma versão revisada deste projétil, chamada PzGr 39/42.

Durante uma cadência de tiro rápida, não é incomum ser forçado a interromper o disparo quando o recuo da arma atingiu seu limite permissível (cessar-fogo).

Uma cadência de tiro de 20 tiros por minuto só é permitida em casos excepcionais, quando as circunstâncias assim o exigirem.

Estes referem-se a uma limitação no canhão do Panther. O mecanismo de recuo exigia tempo para se recuperar das forças aos disparar repetidamente o canhão. Depois de alguns tiros, o canhão precisava de um período de cessar-fogo. Isso não é incomum para canhões de alta velocidade.

Ao disparar uma granada, o chassis não demonstra nenhuma reação desfavorável, independentemente da posição da torre.

O Panther era um veículo grande. A suspensão proporcionava uma estabilidade muito boa. Alguns tanques demonstram efeitos adversos por conta de disparos, principalmente quando disparando de lado. Mas não o Panther.

A vida útil das peças mecânicas foi projetada para 5000km. O desgaste em muitas peças é maior que o esperado. As lagartas e as peças de rolamento têm uma vida de 2000 a 3000km. As lagartas quebram muito raramente, mesmo em terrenos rochosos. As rodas bogie, no entanto, podem se deformar quando acionadas com força.

As partes do trem de força (com exceção do acionamento final) atendem à vida útil planejada. A substituição de uma transmissão requer menos de um dia.

Esses comentários, partindo de experiência operacional, destacam que muitos aspectos do Panther eram de fato realmente comparáveis em confiabilidade aos contemporâneos americanos ou britânicos. [Nota do Chieftain: Como um aparte, quando no telefone com Tom Jentz, ele foi bastante inflexível sobre o fato de que, embora o M4 tinha uma enorme reputação de confiabilidade, não havia provas documentais para provar isso. Com toda a justiça, eu também não vi nenhuma: estaríamos à procura de uma cifra de 'tempo médio entre falhas'. As taxas de prontidão operacional, por exemplo (digamos, o Xº Batalhão Blindado tinha 99 tanques em funcionamento dentre 100 em qualquer dia específico) podem simplesmente refletir a eficiência da cadeia de suprimento ou facilidade do trabalho de reparo para componentes que falham normalmente, e não a chance do tanque quebrar para início de conversa. Não tendo visto tal estudo, não tomo posição firme.]

Por outro lado, o motor não estava operável a mais de 1500km. A média da vida útil do motor era de 1000km. A reposição do motor era realizada em 8 horas por um Unteroffizier (mecânico por ocupação) e 8 homens com o auxílio de um guindaste de tripé ou um Bergepanther [tanque de recuperação baseado no Panther]. O canhão principal podia ser substituída usando o mesmo equipamento dentro de algumas horas. As unidades de manutenção alemãs realizaram seu trabalho notavelmente bem.

Como resultado, o Panther não é de forma alguma um tanque estratégico. Os alemães não hesitaram em aumentar economicamente a vida útil do motor carregando o tanque em vagões de trem, mesmo para distâncias muito curtas (25km).

A referência a um “tanque estratégico” é reveladora. Os tanques da metade para o fim da guerra norte-americanos e britânicos, tais como o Sherman, Cromwell e Comet, eram esperados que cobrissem longas distâncias sob sua própria potência, como e quando necessário. O Panther não poderia ser contado para fazer isso.

O verdadeiro ponto fraco do Panther é seu acionamento final, que é um projeto muito frágil e tem uma vida útil média de apenas 150 km.

[Nota do Chieftain: Isto é e o comentário do motor é, não obstante a afirmação acima pelo Sr. Jentz. Será que 'confiável' significa 'sempre funcionará' ou 'sempre funcionará quando você espera?' E essas deficiências foram rebatidas por vantagens comparativas de confiabilidade em outros lugares? Vale a pena notar que, na opinião de Hilary Doyle, havia pouco que era inaceitável sobre a qualidade do Panther do final da guerra: ver a discussão Operação Think Tank]

Metade dos Panthers abandonados encontrados na Normandia, em 1944, mostrou evidências de quebras no acionamento final.

É preciso apenas um único elo fraco para quebrar uma corrente. O Panther tinha muitas qualidades excelentes. Mas aqui encontramos uma fraqueza severa.

Para evitar essas quebras, recomenda-se que os seguintes pontos sejam observados de perto: ao descer uma encosta e de ré, bem como em terrenos irregulares, tenha cuidado especial ao mudar para uma marcha mais baixa. Além disso, um Panther nunca deve ser rebocado sem desacoplar a unidade de acionamento final. Finalmente, sob nenhuma circunstância as duas alavancas de direção devem ser operadas simultaneamente, independentemente da situação.

Os tanquistas americanos frequentemente observavam que o Panther podia “dirigir neutro” - ele podia girar no mesmo lugar movendo uma lagarta para a frente e a outra para trás. O Sherman não tinha essa capacidade.

Mas parece que a experiência disse aos franceses para nunca USAREM essa capacidade. É uma vantagem poder girar um tanque em combate. Mas não se o resultado for um tanque imobilizado.

Uma granada de fumaça lançada no convés traseiro ou nas aberturas de ventilação do motor iniciarão um incêndio.

A couraça do Panther foi projetada para ser à prova d'água, para permitir travessias profundas. Isso teve o infeliz efeito colateral de incentivar a gasolina e óleo a se acumularem no compartimento do motor. Os relatórios alemães frequentemente condenam a tendência do Panther em relação a incêndios nos motores. Os franceses observaram o mesmo.

O equipamento de rolamento é sensível a granadas HE. Calibres 105mm e maiores podem tornar o veículo imóvel (Rammersmatt, 8 de dezembro de 1944).

Isso não é uma grande surpresa. Granadas 105mm HE danificariam o equipamento de rolamento da maioria dos tanques contemporâneos!

Granadas de fragmentação ou projéteis de 75 mm que atinjam no mesmo ponto na placa frontal podem penetrá-lo ou fazer com que as costuras de solda se quebrem (Miinsingen, 1946).

O fenômeno da rachadura das soldas foi observado em disparos de testes americanos no verão de 1944 e também em testes soviéticos durante a guerra.

Em todos os casos, o grande alcance do canhão deve ser explorado ao máximo. O tiro pode começar a uma distância de 2000 metros com uma precisão considerável. A maioria dos acertos foi realizada a uma distância de 1400 a 2000 metros. O gasto de munição foi relativamente baixo; em média, o quarto ou quinto tiro encontrou sua marca, mesmo quando usando granadas HE.

Essa observação descreve o aspecto que os tanquistas americanos (e soviéticos) mais temiam no Panther. Seu canhão era preciso e poderoso a longas distâncias, e sua blindagem o protegia do fogo de resposta. De perto, o Panther muitas vezes podia ser manobrado e superado, apesar da potência e velocidade do motor. Mas, se enfrentado através de campos abertos, o Panther era um feroz adversário.

Talvez a observação mais reveladora das experiências francesas com o Panther seja sua resposta às preocupações com relação a blindados chineses na Indochina. Quando o governo francês tomou conhecimento de que os comunistas chineses haviam recebido tanques IS de fabricação soviética, concluíram que suas próprias forças na Indochina francesa (hoje Vietnã, Camboja e Laos) precisavam de poderosas forças móveis para repelir qualquer intervenção chinesa. Eles consideraram o envio de tanques Panther, mas determinaram que não seria possível fornecer o apoio que os Panthers exigiam no cenário de uma colônia distante com uma infra-estrutura ferroviária inadequada.

Como resultado, eles enviaram unidades equipadas com os destruidores de tanques M36 fornecidos pelos EUA. O Panther, apesar de todo o seu talento, não era "um tanque estratégico".

Sumário

Muitos entusiastas da história militar parecem imbuir blindados alemães da segunda guerra mundial com qualidades quase místicas. Mas, na verdade, qualquer tanque tem pontos fortes e pontos fracos.

Os franceses conseguiram operar o Panther por vários anos. Sua avaliação do Panther, extraída de sua considerável experiência com ele, fornece uma visão prática e equilibrada deste tanque fascinante.

Ele era poderoso. O canhão era excepcional. A blindagem frontal era excelente. Essas características, juntamente com excelentes materiais ópticos, fizeram do Panther um poderoso matador de tanques de longo alcance.

Mas as características automotivas do Panther foram além da tecnologia automotiva da época. Era simplesmente impraticável criar um tanque “médio” de 45 toneladas com um motor de 600cv e direção neutra usando tecnologias automotivas alemãs de meados da década de 1940. O resultado foi um tanque que era muito temido quando conseguia chegar ao campo de batalha, mas foi encontrado com a mesma frequência abandonado ao longo da ribanceira da estrada fora do campo de batalha.

GALERIA: Manobras com o Sherman no Brasil, 1957

Carros de Combate M4 Sherman (Couraça Composta) em manobras no Campo de Gericinó, Rio de Janeiro, próximos à escola de blindados, em abril de 1957.

LIFE Magazine, fotografias de Dmitri Kessel, originais em preto e branco e coloridas; Brazilian Essay, 1957.









Comandante de Companhia José Nardi. 







FOTO: Sniper belga da SIE/ESI, anos 90

Sniper da SIE/ESI.

Atualmente DSU (Holandês: Directie van de speciale eenheden; Francês: Direction des unités spéciales), é uma unidade de operações especiais da polícia belga, contando com 540 operadores (50 na unidade de intervenção).

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

FOTO: Operador CQB da Heckler & Koch USA


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de janeiro de 2020.

Foto famosíssima de um operador em uniforme CQB, trata-se, na verdade, de John T. Meyer Jr., o então vice-presidente de vendas e treinamento da Heckler & Koch USA, posando para uma foto promocional em 1992. A foto foi usada para promover o lançamento do HK USP no mercado americano em 1993, e mais tarde usada como arte da caixa do primeiro jogo Rainbow Six lançado em 21 de agosto de 1998.



Rainbow Six foi um sucesso internacional e a imagem como capa do jogo ficou muito mais famosa que a imagem promocional da HK. Segundo John Meyer, eles até enviaram instrutores para a Califórnia para captura de movimento quando o videogame foi desenvolvido, tendo seus movimentos sido usados para nos personagens no jogo.



O jogo, acompanhado de um romance, tem missões no Brasil e um dos comandos da Rainbow é brasileiro - apesar do nome hispânico e biografia imprecisa. Ele é o único latino-americano no primeiro jogo.


Vários outros jogos da saga Rainbow Six foram produzidos, com o título atual Rainbow Six: Siege contando com mais de 50 milhões de jogadores em 2020. No jogo atual, a operadora brasileira Caveira é um dos personagens mais queridos pelos fãs.



Quando da contribuição de Meyer, o CQB (Close Quarters Battle/ Combate Aproximado em Compartimento) era pouco conhecido do público. Hoje é uma febre, e o Brasil possui tropas treinadas nessa especialização, como o GERR da Marinha.