segunda-feira, 8 de março de 2021

FOTO: Operador especial usando shemagh no Afeganistão

Operador francês do GCP usando um shemagh, além de uma boina tradicional afegã (pakol/pakul), no Afeganistão. (Louis-Frédéric Dunal)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de março de 2021.

O lenço tradicional do Oriente Médio, conhecido no Ocidente como "Shemagh", tornou-se um símbolo de status e combatividade por causa da guerra ao terror no Afeganistão, sendo usado inicialmente por operadores especiais e depois como peça de vestuário nas demais unidades - incluindo até mesmo forças paramilitares.

Operador italiano do 9º Regimento de Assalto Paraquedista "Col Moschin" usando shemag no Afeganistão.

Das operações às representações.
Da moda ao vestuário.

O lenço tem muitos nomes, o mais comum Keffiyeh, além de variações regionais e nacionais como Shall, Musar e Dastmaal Yazdi. O lenço tornou-se uma peça de moda, usada por militares e civis, modelos e entusiastas de atividades "táticas" como jogadores de airsoft e atiradores de estande; aparecendo em todos os tipos de mídia como filmes, séries, jogos eletrônicos, passarelas de desfiles de moda e campanhas publicitárias (civis e militares).

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendado:



Leitura recomendada:

sábado, 6 de março de 2021

FOTO: Sentinela do Reno

Uma sentinela do 1º Exército Francês monta guarda nas margens do Reno na vila de Speyer, na Alemanha, 1-15 de abril de 1945. (Louis Viguier / ECPAD)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de março de 2021.

O sentinela monta guarda em frente a uma ponte de metal destruída pelos alemães durante sua retirada. O 1º Exército Francês ocuparia o Palatinado e tomaria Karlsruhe e Stuttgart, relegando o controle de Stuttgart aos americanos em troca do controle de  Mainz e Koblenz, a oeste do Reno.

O soldado está armado com um fuzil de repetição Enfield M1917 americano. Os franceses foram rearmados com uma mistura de material francês pré-1940, material inglês e material americano. O fuzil semi-automático M1 Garand, à princípio, foi negado, com apenas pequenas unidades sendo recebidas à conta gotas; os franceses seriam primordialmente armados com fuzis Springfield M1903 e Enfield M1917.

O Enfield M1917, uma versão americana do fuzil britânico P14 (Pattern 1914 Enfield), era designado no serviço francês como "Fusil à répétition 7 mm 62 (C. 30) M. 17".

"O Sentinela do Reno" é uma canção patriótica alemã. Ela foi cantada em uma famosa cena do filme "Casablanca" (1942) pelos oficiais alemães ocupando o cassino, que logo seria sufocada pela cantoria apaixonada do hino nacional francês, A Marselhesa. A atriz chorando na cena é Madeleine Lebeau (Marie Madeleine Berthe Lebeau) interpretando Yvonne. Ela era uma francesa desterrada na vida real e as lágrimas não estavam no script.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

VÍDEO: Alemanha Ano Zero19 de maio de 2020.

GALERIA: Treinamento de tropas da Alemanha Ocidental em 195928 de fevereiro de 2021.

GALERIA: A revolta anti-comunista na Alemanha Oriental de 1953, 26 de fevereiro de 2020.



sexta-feira, 5 de março de 2021

FOTO: Parada noturna na Caiena

Legionários em parada na praça d'armas do quartel de la Madeleine, do 9e RIMa, durante a visita da ministra da Defesa, 10 de dezembro de 2020. (Lara Priolet / ECPAD)

Parada noturna com legionários do 3e REI no quartel de la Madaleine na Caiena, a capital da Guiana Francesa, para a visita da ministra da Defesa, Florence Parly, 10 de dezembro de 2020.

O quartel pertence ao 9e RIMa, das tropas navais do exército. O 3e REI é baseado em Kouru e tem por missão a  proteção ao programa espacial francês. As duas unidades participam de missões de segurança territorial e ao combate ao garimpo ilegal. As duas unidades possuem treinamento especial de selva e respondem às Forças Armadas Francesas na Guiana.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

VÍDEO: O Brasil poderia tomar a Guiana Francesa?12 de dezembro de 2020.

O Estado-Maior Brasileiro considera a França a principal ameaça militar até 20409 de fevereiro de 2020.

A Viabilidade das Operações na Selva à Noite, 5 de outubro de 2020.

PINTURA: Desembarque anfíbio em Caiena, 18094 de fevereiro de 2020.

FOTO: 14ª Reunião de Estados-Maiores entre o Brasil e a França2 de maio de 2020.

Legionários e gendarmes destruíram um grande acampamento de garimpeiros ilegais na Guiana7 de abril de 2020.

FOTO: Equipe de míssil anti-aéreo Mistral durante o lançamento do foguete Ariane 515 de janeiro de 2020.

Chineses buscam assistência brasileira com treinamento na selva9 de julho de 2020.

VÍDEO: Estágio Jaguar na Guiana Francesa19 de setembro de 2020.

Confrontos no Senegal matam uma pessoa após a prisão do líder da oposição Sonko

A polícia senegalesa rechaça estudantes universitários durante um protesto em apoio ao líder da oposição Ousmane Sonko preso no centro de Chekh Anta Diop, em Dacar, em 4 de março de 2021. (Seyllou / AFP)

Da equipe do France24, 4 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de março de 2021.

A polícia senegalesa entrou em confronto nesta quinta-feira (04/03) com apoiadores do líder da oposição Ousmane Sonko preso, deixando uma pessoa morta no sul do país, disse um policial.

Foi a primeira morte confirmada em confrontos desde que Sonko foi preso na quarta-feira (03/03) por perturbar a ordem pública, enquanto os protestos eclodiram antes de sua audiência no tribunal sob a acusação de estupro. Sonko, líder do partido de oposição Pastef e ex-candidato presidencial, é considerado um dos principais adversários em potencial para o presidente Macky Sall nas eleições que ocorrerão em três anos.

Uma pessoa foi morta nos confrontos desta quinta-feira na cidade de Bignona, na região de Casamance, disse um policial. “Ainda não sabemos a causa, está sob investigação”, disse o responsável que pediu para não ser identificado. Quatro policiais também ficaram feridos no confronto.

A prisão de Sonko desencadeou a pior agitação vista em Dacar em anos, em um país da África Ocidental conhecido por sua estabilidade.

Dezenas de estudantes ainda estavam enfurnados na universidade Cheikh Anta Diop de Dakar na quinta-feira, de onde atiraram blocos de concreto contra a polícia, que respondeu com gás lacrimogêneo e granadas de choque, disse um repórter da AFP no local. Sonko seria transferido na quinta-feira à noite para um tribunal de Dacar, onde seu caso será ouvido por um juiz. Mas seus advogados disseram que a audiência foi adiada para sexta-feira.

"Ousmane Sonko é agora objeto de um mandado. Ele será levado ao juiz de instrução amanhã, de boa vontade ou pela força", disse Abdoulaye Tall, um de seus advogados, à AFP. As autoridades regulatórias senegalesas também suspenderam na quinta-feira o sinal de dois canais de televisão locais, Sen TV e Walf TV, acusando-os de transmitir imagens "in loop" dos protestos após a prisão de Sonko.

Popular entre os jovens

Centenas de pessoas seguiram sua carreata na quarta-feira, tocando buzinas e cantando antes que os confrontos estourassem e Sonko fosse preso antes de chegar ao tribunal. O ministro do Interior, Antoine Félix Abdoulaye Diomé, disse que Sonko foi preso por causa da proibição de reuniões por causa do coronavírus e por violar um plano de trânsito estabelecido. "Todos têm que obedecer. Outros fizeram o mesmo. Eu me pergunto por que haveria uma exceção", disse ele à rádio RFM.

Sonko também nega as acusações de estupro feitas contra ele no mês passado por um funcionário de um salão onde ele recebeu massagens. Muçulmano devoto de 46 anos, Sonko costuma criticar a elite governante do Senegal e é popular entre os jovens. Ele acusa Sall de conspirar para afastá-lo antes das eleições de 2024.

A violência também estourou na quarta-feira em outras áreas, incluindo Casamance, de onde vem o pai de Sonko e onde ele tem muitos seguidores. Sonko concorreu contra o presidente na votação de 2019, mas terminou em terceiro lugar em uma disputa que deu ao titular um segundo mandato.

Os presidentes da ex-colônia francesa estão limitados a dois mandatos consecutivos, mas Sall lançou uma revisão constitucional em 2016, levantando suspeitas de que pretende concorrer novamente.

Leitura recomendada:

Como construir melhores forças armadas na África: as lições do Níger8 de outubro de 2020.

Eleições Não Importam, Instituições Sim8 de janeiro de 2020.

Centenas de mortos em massacre ocorrido em Tigré, na Etiópia, afirma um órgão de direitos humanos24 de novembro de 2020.

Islâmicos ligados ao Estado Islâmico decapitaram mais de 50 pessoas em campo de futebol em Moçambique11 de novembro de 2020.

Níger: medo do terror - e dos militares16 de setembro de 2020.

SFAB do Exército enfrentará condições difíceis durante a missão na África27 de fevereiro de 2020.

A China está preenchendo a lacuna do tamanho da África na estratégia dos EUA14 de março de 2020.

A União Africana planeja enviar 3.000 soldados para o Sahel27 de fevereiro de 2020.

Operação Quartzo - Rodésia 198028 de janeiro de 2020.

Por que Moçambique está terceirizando a contra-insurgência para a Rússia25 de março de 2020.

quinta-feira, 4 de março de 2021

O exército chinês se prepara para um combate anfíbio em uma ilha, provavelmente ao sul do Equador


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 4 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de março de 2021.

Em 2019, um relatório apresentado ao Congresso pelo Pentágono estimou que o Exército de Libertação do Povo (PLA) ainda não tinha os meios para lançar uma operação anfíbia em grande escala, especialmente contra Taiwan. Assim, o documento apontava que faltavam embarcações do tipo Landing Ship Tank (LST, embarcação de desembarque de carros de combate), mas que, no entanto, possuíam meios suficientes para "apreender e controlar" pequenas ilhas.

No entanto, a ênfase principal de Pequim na época era a construção de navios de assalto anfíbios Tipo 071, com oito unidades planejadas, a fim de fornecer ao PLA uma capacidade expedicionária no exterior. O que parecia lógico em vista do projeto "novas estradas da seda".


Mas, além desses navios, a marinha chinesa também será equipada com tantos navios de assalto anfíbio Tipo 075, bem maiores que os anteriores, com um deslocamento de 37 mil toneladas e capacidade para transportar cerca de 30 helicópteros. Uma unidade está atualmente realizando testes de mar, enquanto outras duas estão em construção.

Enquanto isso, as capacidades de combate anfíbio do PLA são, portanto, baseadas exclusivamente em navios do Tipo 071, o último dos quais a entrar em serviço em janeiro de 2019 é o "Wuzhi Shan".

Precisamente, este edifício faz parte de um "grupo expedicionário", composto pelo contratorpedeiro Yinchuan Tipo 052D, o petroleiro-abastecedor Chaganhu Tipo 901, uma fragata Hengyang Tipo 054A e o navio espião Tipo 815 "Tian Shuxing", especializado na coleta de informações de origem eletromagnética.


No entanto, este grupo "expedicionário" acaba de realizar uma série de exercícios "conjuntos", incluindo um desembarque em local não-especificado pelo PLA.

As embarcações de desembarque pneumáticas Tipo 726 (que são equivalentes às LCAC americanas - Landing Craft Air Cushioned embarcações de desembarque pneumáticas) transportaram para uma praia não-identificada tanques Tipo 96, bem como unidades de infantaria da Marinha. Esse movimento foi apoiado por bombardeiros H6K, que podem ser reabastecidos em vôo, bem como por caças-bombardeiros Su-30.

As manobras foram planejadas para "explorar táticas de combate interarmas muito intensas em águas distantes", relatou a CCTV, emissora de televisão estatal chinesa. Para os analistas militares citados pelo Global Times, jornal afiliado ao Partido Comunista da China (PCC), eles têm, acima de tudo, demonstrado a capacidade do PLA de "defender a soberania e os interesses" da China.


Esses exercícios "melhoraram a capacidade de combate interarmas do PLA em regiões desconhecidas. A China deve se preparar para o combate e operações militares em regiões remotas do continente, a fim de defender sua soberania, segurança e interesses”, comentou Song Zhongping - autor do artigo.

Resta saber onde essas manobras, que duraram cerca de dez dias, aconteceram. De acordo com um vídeo do PLA transmitido na rede social Weibo, esta flotilha formada em torno do navio de assalto anfíbio "Wuzhi Shan", cruzou o Equador em 25 de fevereiro, o que sugere que se dirigiu para a Oceania ou o sul do Oceano Pacífico, regiões onde a China tem algumas “obrigações” financeiras, como na Papua Nova Guiné.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:







quarta-feira, 3 de março de 2021

GALERIA: Pessoal feminino do exército no Tonquim

Dobragem de pára-quedas.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de março de 2021.

Imagens de mulheres do Exército Francês, PFAT (Personnel Féminin de l'Armée de Terre), fotografadas por Camus Daniel para o ECPAD em serviços de apoio no Tonquim, norte da Indochina, em março de 1954.

As mulheres militares ocupavam muitos empregos: secretárias e datilógrafas, operadoras de mesa telefônica, operadores de cinema, gerentes de foyers, assistentes sociais, paramédicas e enfermeiras, bem como em dobragem e conserto de pára-quedas.

Dobragem de pára-quedas.

Datilografia.

Central telefônica.

Telex.

Manutenção de uma ambulância Dodge.

Lavagem da ambulância Dodge.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:



GALERIA: Caçadores à Cavalo em reconhecimento na Indochina

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de março de 2021.

Com o Grupo de Esquadrão de Reconhecimento do 1º Regimento de Caçadores à Cavalo (1er Régiment de Chasseurs à Cheval, 1er RCC) em Hung Yen, no Tonquim, em janeiro de 1954.

A reportagem fotografada por Corcuff Paul para o ECPAD, mostra tanques M24 Chaffee apoiando a ação das companhias de infantaria auxiliares vietnamitas durante uma busca nas aldeias localizadas em ambos os lados do dique norte  do Canal de Bambus.

O 1º Grupo de Esquadrão de Reconhecimento Divisional (1er Groupe d’escadron de Reconnaissance Divisionnaire, 1er GERD) era uma unidade blindada particularmente adequada para o Delta do Tonquim, já que sua infantaria era composta por unidades auxiliares vietnamitas especializadas em buscas em aldeias.

Um tanque M24 Chaffee do 1er RCC que acabara de passar por cima de uma mina, imobilizado devido ao rompimento de sua lagarta esquerda.

Evacuação médica de soldado de infantaria do componente auxiliar vietnamita, a bordo de um avião médico Morane-Saulnier MS-500 (o Fieseler "Storch" Fi-156 de produção francesa) em Hung Yen.

Um tanque M24 Chaffee do 1er RCC entra em uma aldeia em Hung Yen.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

GALERIA: Blindados Anfíbios do 1er REC na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Operação de limpeza com blindados em Tu Vu25 de abril de 2020.

GALERIA: Operação Brochet no Tonquim, 3 de outubro de 2020.

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.

FOTO: Um M24 Chaffee no Tonquim9 de julho de 2020.

Morte do Coronel-Médico Jacques Gindrev: ex-combatente da resistência e de Dien Bien Phu17 de fevereiro de 2021.

Coréia em Guerra: Lições tático-operativas do Batalhão Francês entre 1950 e 1953.

Pelo Ten-Cel Frédéric Jordan, Theatrum-Belli, 11 de outubro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de março de 2021.

Tendo a sorte de poder consultar determinados arquivos desta unidade francesa atípica, mas também ciente de que as notícias internacionais exigem o estudo, pelo prisma da história, deste teatro de operações asiático, quis voltar às lições conhecidas do Batalhão Francês na Coréia. Este último lutou ao lado das tropas da ONU e especialmente daquelas dos Estados Unidos contra combatentes norte-coreanos apoiados por muitos voluntários chineses, em um ambiente geográfico e tático extremo e muito distante do ambiente europeu.

Veremos, portanto, que se o contexto e o armamento foram particulares e específicos de seu tempo, os princípios da guerra como o uso combinado das várias funções operacionais foram implementados para obter sucessos inegáveis ​​tanto sobre o inimigo quanto no terreno e clima inóspitos.

O General Monclar.
O principal idealizador do batalhão.

Em 25 de agosto de 1950, o governo francês, ansioso por apoiar o aliado americano mas também os esforços da ONU na península coreana desde julho, decidiu, apesar de um esforço sustentado realizado na Indochina contra o Viet-Minh, pela formação de um batalhão de voluntários para a Coréia. Auxiliado pelo Major Le Mire, o General Monclar (herói de Narvik), que não hesitou em desistir do seu posto para assumir o comando desta unidade como tenente-coronel, desembarca com seus 1.017 homens em Pusan ​​em 29 de novembro de 1950, quando ingressou no 23º Regimento de Infantaria da 2ª Divisão de Infantaria americana. A estrutura de armas combinadas deste batalhão é herdeira do "combat command" (comando de combate) da Segunda Guerra Mundial e das "regimental teams" (equipes regimentais) empregadas pelo aliado americano. É composta por uma companhia de comando e serviço (que também conta com observadores de artilharia e uma seção de engenheiros), uma companhia chamada de acompanhamento (seções de metralhadoras, canhões sem recuo 75mm e morteiros 81mm) e três companhias de infantaria com 3 seções de infantaria e uma seção de acompanhamento (morteiros de 60mm e canhões sem recuo 57mm) cada. A maioria dos combatentes são veteranos do último conflito mundial ou das colônias. Eles são experientes, às vezes indisciplinados, mas mostrarão coragem e uma força moral extraordinária em face das provações do combate e de um país exigente com relevo de ambiente de montanha (picos escarpados e picos rochosos ou arborizados) com um clima adverso (neve, chuvas torrenciais, temperaturas atingindo -40ºC).

Durante a campanha, ele também será reforçado por uma companhia sul-coreana (ROK) supervisionada por franceses que terão uma nova experiência do que hoje poderíamos chamar de “mentoring” (mentoria). O batalhão terá 269 soldados franceses mortos em combate, 1.350 feridos, 12 prisioneiros e 7 desaparecidos dos 3.421 homens engajados durante os três anos de desdobramento (até 23 de outubro de 1953).

Os soldados franceses, como seus aliados, tiveram que se adaptar aos modos de ação das tropas comunistas usando força de manobra, camuflagem, combate noturno, infiltrações profundas e ataques massivos aproximados de infantaria. As unidades de Pyongyang, como as chinesas, são capazes de rápidos movimentos táticos ou operacionais para surpreender o adversário, atacá-lo e depois recuar e desaparecer do campo de batalha. O batalhão teve então que reaprender a batalha noturna, tanto defensiva quanto ofensiva, beneficiando-se de uma grande rede de comunicações entre unidades elementares (principalmente baseadas em cabos na época), apoio de artilharia (iluminação), holofotes poderosos (para cegar o inimigo), dispositivos de escuta ou de alerta avançado (armadilhas, minas). Nesse contexto, observamos que o morro 951 foi atacado sem sucesso em 16 de setembro de 1951, durante o dia, pelos franceses (14 mortos e 40 feridos), mas tomado à noite, 2 semanas depois (sem perdas). A baioneta reaparece para combate corpo-a-corpo, mas também como um impacto psicológico sobre o outro beligerante.

A massa blindada, inicialmente usada pelos americanos para desbaratar o ataque norte-coreano, rapidamente perdeu sua eficácia no difícil ambiente do país. Na verdade, os tanques são então usados ​​em conjunto com os soldados de infantaria como apoios móveis para criar “tampas” (no fundo dos vales ou nas passagens), mas também como complemento (fogos e proteção) para os contra-ataques.

Soldados franceses experimentam um lança-chamas em um jipe ​​blindado. O "Mapaly" pode ser projetado a 120m. (ECPAD)

Os engenheiros devem fornecer seu know-how para garantir a mobilidade operacional ou tática das forças da ONU, restabelecendo a malha rodoviária, mantendo-a diante do mau tempo e combates, mas também criando-a (caminhos cavados na rocha). A travessia, em um país compartimentado por cursos d'água importantes, é um requisito para garantir a liberdade de ação de unidades como o batalhão francês (ponte Bailey de quase um km construída no rio Soyang em 10 dias em 1952). A artilharia e o apoio aéreo são, por sua vez, essenciais neste conflito porque permitiram o apoio das tropas em contato mas também o tratamento, em profundidade, dos reagrupamentos sino-coreanos antes dos ataques aos pontos de apoio detidos pelos franco-americanos (Batalha de Chipyong-Ni, por exemplo). Como tal, os destacamentos de observação leve integrados às unidades corpo-a-corpo permitiam um curto circuito entre os lançadores e as linhas de frente, muitas vezes surpreendidos por ataques comunistas. Os disparos indiretos complementavam, assim, os tiros de mira dos canhões sem recuo posicionados em pontos altos ou na encosta, mesmo que a eficácia dos tiros pudesse às vezes ser questionada quanto à relação consumo/eficiência (até 300.000 tiros disparados em 24 horas para uma divisão).

No que diz respeito à logística, o helicóptero estreou-se com a evacuação de feridos, proporcionando ligações de comando mas também, ocasionalmente, permitindo o destacamento de unidades de reconhecimento em picos de altitude. Os pára-quedas permitem que as tropas sejam supridas rapidamente, apesar do terreno acidentado, como as 5.000 toneladas de equipamento lançadas para a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais dos EUA em Kotori em 7 de dezembro de 1951.

Mesmo que o próprio General Monclar considere a escala da luta que: "fizemos nossas observações no mais difícil, no mais montanhoso, no mais acidentado teatro de operação. A aviação e a artilharia perdem sua eficácia. O tanque está em uso restrito. A organização do campo facilita a resistência de poucos. Neste teatro adequado, o sonho de basear uma tática em escalas universais está desmoronando", a ação do batalhão francês na Coréia demonstra a relevância de respeitar os princípios da guerra para assegurar a vitória.

A liberdade de ação surge primeiro com a necessidade de se ter reservas para se proteger contra a surpresa de um inimigo móvel e "furtivo". Mas também é necessário enfatizar a tomada dos cumes para dominar o terreno e o meio, superar obstáculos, disparar na medida do possível e constituir pontos de apoio. Isso sem falar nos dispositivos de segurança que são instalados para alertar durante a noite (infiltração inimiga) e garantir o acesso aos vales e passos através do emprego de meios blindados. Por fim, observe a garantia de ter linhas de comunicação e suprimentos adaptadas a um exército moderno.

Equipe francesa de canhão 57 sem recuo no setor de Kumhwa, início de 1952. 
(Appay/ECPAD)

A concentração de esforços é caracterizada pela utilização de recursos substanciais de apoio de fogo o mais próximo possível das tropas, mas também pela mobilidade operacional e logística que permite deslocar o centro de gravidade de um exército ou aproveitar oportunidades. Diante do adversário, trata-se de mostrar onipresença para surpreendê-lo e, assim, ganhar ascendência moral e física sobre ele.

Finalmente, a economia de recursos é ilustrada por uma estrutura de armas combinadas flexível e adaptável composta por unidades modulares, forças regulares ou locais (ROK) equipadas com recursos de apoio adaptados às condições táticas (canhões sem recuo, morteiros, engenheiros). A presença de observadores de artilharia ao lado da infantaria, o uso do tanque em certas circunstâncias, bem como o início do helicóptero, demonstram a força da cooperação entre as funções operacionais.

Para concluir, a pouco conhecida mas notável atuação do Batalhão Francês da Coréia, em um conflito violento e em um ambiente desfavorável ao engajamento de um exército convencional, prova que os princípios táticos, adaptados ao contexto, à ameaça e ao terreno, permitem alcançar o sucesso. Portanto, é necessário antecipar o engajamento e o desdobramento de uma força em um teatro de operações como este, em particular, valendo-se das lições da história militar.

Saint-cyrien e brevetado da Escola de Guerra, o Tenente-Coronel Frédéric Jordan serviu em escolas de treinamento, em estado-maior, bem como em vários teatros de operações e territórios ultramarinos, na ex-Iugoslávia, no Gabão, em Djibouti, Guiana, Afeganistão e na Faixa Sahelo-Saariana.

FOTO: Hora do chá

A capelã militar pausa para a hora do chá com um tripulante de um Challenger 2, 23 de setembro de 2018.

A Capelã Regimental do Royal Wessex Yeomanry participa do chá da tarde com um reservista em cima do seu blindado Challenger 2, durante um intervalo em um exercício de treinamento na Área de Treinamento da Planície de Salisbury, 23 de setembro de 2018.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


FOTO: Furão no Golfo, 26 de setembro de 2020.

terça-feira, 2 de março de 2021

Italianos da Divisão Brescia no Cerco de Tobruk

Ilustração de Steve Noon, Italian Soldier in North Africa 1941-1943. (Osprey Publishing)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de março de 2021.

Em 12 de abril de 1941, quando as forças italianas e alemãs começaram seu Cerco de Tobruk, a Divisão Brescia junto com o 3º Batalhão de Reconhecimento alemão capturaram o porto de Bardia, tomando várias centenas prisioneiros e uma grande quantidade de saque. Mas o ataque parou e Rommel foi forçado a pedir reforços. Na noite de 30 de abril, uma poderosa força ítalo-alemã ataca as defesas de Tobruk novamente, e a Ariete, Brescia, o 8º Regimento Bersaglieri e Guastatori (engenheiros de combate) envolveram e capturaram sete pontos fortes (R2, R3, R4, R5, R6, R7 e R8). Na noite de 3 de maio, os australianos contra-atacaram mas os italianos, na forma das Divisões Trento, Pavia e alguns Panzergrenadiers repeliram o ataque e os atacantes só conseguiram recuperar um ponto forte das tropas italianas defensoras. Na noite de 16 de maio, a Divisão Brescia retalia com a ajuda de dois pelotões do 32º Batalhão de Engenharia de Combate e abre uma brecha no perímetro defensivo dos 2/9º e 2/10º Batalhões. Com os obstáculos removidos, as tropas da Brescia envolvidas, que trazem equipes de lança-chamas e tanques, capturam os pontos fortes S8, S9 e S10.

Os australianos reagem e o Oficial Comandante dos Guastatori, o Coronel Emilio Caizzo, é morto em um ataque de mochilas explosivas (satchel) e ganha uma Medalha de Ouro por valor póstuma (Medalha de Ouro ao Valor Militar, mais alta condecoração italiana). Embora a História Oficial Australiana admita perder três posições, ela afirma que os atacantes eram "alemães". No entanto, uma narrativa italiana registrou:

"Com grande habilidade e velocidade, os Guastatori abrem três pistas nas minas e obstáculos para permitir passagem aos Fucielieri da Brescia. Lado a lado com as tropas de assalto da Brescia, eles infligem grandes perdas ao inimigo e tomam outros pontos fortes com explosivos e lança-chamas."

O historiador militar australiano Mark Johnston afirma que havia uma "relutância em reconhecer os reveses contra os italianos" nos relatos oficiais australianos.

O Major-General Leslie Morshead estava furioso e ordenou que os australianos ficassem mais vigilantes no futuro. Entre os objetivos inicialmente selecionados durante o planejamento da Operação Brevity estava a recaptura dos pontos fortes S8 e S9, mas isso foi abandonado quando descobriu-se que os australianos os recuperaram.

Em 24 de maio, a Divisão Brescia, que assumiu a frente ocidental de Tobruk, repeliu uma força de infantaria atacante, apoiada por tanques. Em 2 de agosto, um outro ataque foi lançado para recuperar os pontos fortes perdidos, mas as forças atacantes dos batalhões australianos 2/43º e 2/28º são repelidos. Este foi o último esforço australiano para recuperar as fortificações perdidas. Como parte das forças assediadoras em torno de Tobruk, a Brescia resistiu contra a ofensiva britânica de 24 de novembro de 1941 até 10 de dezembro de 1941, quando a 70ª Divisão Britânica (Brigada Independente de Fuzileiros dos Cárpatos polonesa capturou a posição de White Knoll) finalmente atravessou a retaguarda da Brescia e levantou o cerco de Tobruk durante a Operação Crusader. Avançando em plena luz do dia em 11 de dezembro, um batalhão da Brescia chegou a 50 jardas do 23º Batalhão da Nova Zelândia, mas foi cortado pelas metralhadoras dos neozelandeses. A retirada inicial foi para o Ayn al-Ghazalah. Em 15 de dezembro, a Divisão Brescia manteve a sua posição no Ayn al-Ghazalah (Gazala) contra a 2ª Divisão Neo-zelandesa e a Brigada Polonesa, permitindo que uma poderosa força blindada ítalo-alemã contra-atacasse e derrotasse o 1º Batalhão Britânico, The Buffs. Em 18 de dezembro, presa às forças britânicas e flanqueado pelo sul, a divisão começou a se retirar para Ajdabiya e chegou às posições planejadas em 22 de dezembro de 1941.

Uma veterana da Guerra da Abissínia, a Divisão Brescia lutaria ainda em Gazala e Mersa Matruh, e depois nas batalhas de El-Alamein. Depois que a Segunda Batalha de El Alamein começou em 24 de outubro de 1942, a Brescia foi capaz de manter suas posições contra as unidades blindadas britânicas até 4 de novembro de 1942. Com a frente já em desordem, recuou pela rota Deir Sha'la - Fukah. A falta de meios de transporte resultou em unidades aliadas alcançando e aniquilando os remanescentes da Divisão Brescia em 7 de novembro de 1942, à vista de Fouka onde outras unidades do Eixo despedaçadas já se reuniram. A divisão foi oficialmente dissolvida em 25 de novembro de 1942.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


segunda-feira, 1 de março de 2021

GALERIA: Fortes da Legião Estrangeira Francesa

Por Richard Jeynes, World Archaeology, 21 de setembro de 2012.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de novembro de 2019. 

Contos da Legião Estrangeira Francesa nos desertos do norte da África despertaram a imaginação de muitos garotos de escola aventureiros. Richard Jeynes era um deles. Agora, como arqueólogo (adulto), sua investigação de um forte abandonado do império colonial francês está dando vida a essas histórias.

O remoto posto avançado do deserto de Fort Zinderneuf, do romance Beau Geste de 1925, de P. C. Wren, guarnecido por legionários rudes e desesperados, e cercado por tribais montados em camelos, inspirou vários filmes de Hollywood e uma série de livros de um gênero semelhante.

A equipe do projeto, 2012.

Embora as alegações de Wren de terem servido na Legião Estrangeira Francesa sejam praticamente sem fundamento, os pequenos detalhes da vida na Legião são razoavelmente precisos. A Legião Estrangeira Francesa foi usada em campanhas no norte da África. Eles construíram fortes isolados que se tornaram o foco de ações militares muito além da imaginação de escritores, e postos avançados eram frequentemente defendidos até o último homem durante o início do século XX. Nossas investigações nos levaram a dois desses locais, no sudeste do Marrocos, perto da fronteira com a Argélia: um grande forte em Tazzougerte e uma fortaleza em Boudenib.

O blocausse

Plano do blocausse, diagramas da Revista de Engenharia francesa, fevereiro de 1909.

Os restos do blocausse (bastião) permanecem claramente visíveis do forte. Mantendo uma posição-chave, cobrindo as abordagens ao sul de Boudenib, foi construído em antecipação a um ataque ao forte, ocorrido na noite de 1º de setembro de 1909. Os 40 defensores seguraram cerca de 400 atacantes por quase dois dias antes de finalmente conseguirem repeli-los. Mas foi uma luta desesperada - quase o equivalente da Legião à Rorke's Drift. Pouco resta agora do blocausse. Mas e as evidências arqueológicas?

Embora haja poucos restos do blocausse hoje, fotografias contemporâneas e desenhos detalhados fornecem uma imagem clara de como era a estrutura em 1909.

O projeto foi limitado pelo espaço disponível no cume da gara. O prédio de dois andares era ladeado a leste e oeste por cercas muradas que davam espaço para posições de artilharia - duas a oeste e uma a leste - aumentando assim o poder de fogo disponível.

Restos do blocausse.

Seções do muro ocidental são claramente definidas, mas ficam a uma altura muito reduzida. Uma pequena sala com brechas sobrevive intacta no extremo sul da parede oeste - essas brechas podem ser vistas nas fotografias antigas; e o que parece ser uma chaminé sobrevive no extremo norte - também visível nas fotografias contemporâneas.

A leste das muralhas sobreviventes, vestígios das paredes baixas dos recintos exteriores podem ser encontrados em alguns lugares, mas é claro que grande parte do edifício foi desmontada. Os locais dos posicionamentos dos canhões foram localizados e pretendemos continuar nossa pesquisa em uma estação futura.

Curiosamente, uma sala no canto sudoeste do edifício não é mostrada no plano de 1909 para o blocausse, sugerindo que aqueles que construíram o forte se desviaram do projeto original durante a construção.

Caminhada ao redor do blocausse.

Estudantes de Worcester.

Cicatrizes de batalha

Sabemos por evidências documentais que o forte foi atacado pelo sul - e por boas razões: os lados da colina ao norte e leste são muito íngremes, com uma visão clara do principal reduto de Boudenib, enquanto ao sul há um pequeno platô a cerca de 100m do cume da colina, logo abaixo do canto sudoeste do blocausse.

Aproximação pelo sul.

Foram encontrados estilhaços aqui em quantidades significativas, confirmando o uso de artilharia defensiva, e o uso do platô como uma possível posição de reunião e tiro pelos marroquinos que assaltaram o cume. Imagens contemporâneas mostram arame farpado amarrado em estacas de metal para rastrear o local, uma prática defensiva padrão, e nossa pesquisa localizou uma estaca de metal no lado sul do prédio. As falésias dos lados norte e leste formavam uma defesa natural, por isso o arame farpado era desnecessário aqui.

As aproximações íngremes de todas as direções proporcionavam pouca cobertura aos atacantes, tanto para se esconder quanto para garantir posições eficazes de tiro. No entanto, também foi difícil para os defensores atirarem em alvos ladeira abaixo em um ângulo tão agudo, o que pode explicar como os atacantes conseguiram chegar tão perto dos muros - e até quebrá-los. Os legionários retaliaram lançando cargas explosivas diretamente em seus atacantes logo do lado de fora dos muros.

Encontrando sombra em Boudenib, com o blocausse ao fundo.

Embora saibamos, pelos registros contemporâneos, que o ataque ao blocausse foi intenso, as evidências de combate na forma de balas, cartuchos, balas de mosquete e estilhaços de artilharia foram decepcionantes. O local permaneceu em uso por muitos anos após o ataque, e muitas das evidências teriam sido removidas após o ataque. No entanto, pretendemos realizar pesquisas mais extensas na área mais ampla no futuro, o que, esperamos, revelará mais evidências dessa noite fatídica.

Forte Tazzougerte

Interior do forte.

Construído em 1926 pela Legião Estrangeira Francesa, o forte de Tazzougerte fica em um planalto no extremo sul do vale do rio Oued Guir, a 6km ao sul da vila de Tazzougert e a 24km a oeste de Boudenib, que naquela época, tornou-se uma importante base militar francesa.

O deserto do Saara é um ambiente desafiador, tanto para a Legião Estrangeira Francesa do início do século XX quanto para os arqueólogos de hoje. No entanto, é graças ao clima seco e à localização remota que a estrutura do forte está em uma condição relativamente completa. As pesquisas de campo por caminhada e de construção produziram evidências claras da vida da guarnição, incluindo latas de ração, botões de túnica e fivelas de cinto, enquanto estojos de cartuchos usados, balas e fragmentos de granada eram lembranças sombrias da atividade militar do forte. A maioria das descobertas estava localizada nos dois lados do forte, que podiam ser facilmente alcançados a pé.

As paredes externas e a torre ainda estão de pé, enquanto os restos dos prédios internos são claramente visíveis, faltando apenas os telhados. A oeste do local, há um pequeno oásis nas margens do rio; ao sul está o deserto aberto da Hammada de Guir que continua, ininterruptamente, em direção a uma fronteira indefinida com a Argélia.

Pesquisa no solo com detector de metais.

Procurando cartuchos de munição.

Marrocos Francês

Torre de vigia.

A expansão colonial pelas principais potências européias deixou o Marrocos praticamente intocado ao longo do século XIX, embora a Grã-Bretanha, a França, a Alemanha e a Espanha tivessem interesses financeiros no país. No entanto, os franceses, procurando igualar a influência colonial britânica em outras partes da África, começaram a se estabelecer no norte da África e se mudaram para o oeste, no Marrocos, como uma extensão natural desse programa. Em 1907, sob o pretexto de proteger seus cidadãos após tumultos e distúrbios locais, a França enviou forças para Oujda e Casablanca. Após novas revoltas, a França e o sultão marroquino Abdel Hafid assinaram o Tratado de Fez em 1912, que estabeleceu o Marrocos como "protetorado" francês. Como tal, o sultão permaneceu no seu posto, mas não governou, efetivamente colocando o Marrocos sob o controle francês. O país não recuperaria a independência até 1956.

Na década de 1920, a conquista e a pacificação francesas do Marrocos foram amplamente possibilitadas pelos esforços e atividades anteriores da Legião Estrangeira Francesa. Sob o comando do Marechal Lyautey, o papel da Legião era construir e guarnecer fortes que ligavam áreas estratégicas, e reprimir rebeliões onde quer que elas eclodissem. Foi uma tarefa formidável: o Marrocos é um país de terreno desafiador, com altas cadeias de montanhas, planícies ensolaradas e florestas densas e desertas habitadas por tribos ferozmente independentes que envolveram os franceses em alguns dos combates mais exigentes que já haviam enfrentado.

Após a independência, os fortes e postos avançados da Legião - vistos como símbolos da conquista colonial - foram abandonados. Muitos foram destruídos pelos franceses quando foram abandonados. Alguns continuaram em uso como delegacias da polícia e do exército marroquinos, outros passaram a ser usados como prédios agrícolas e muitos foram usados como pedreiras pelos construtores de vilarejos e cidades em expansão. Alguns, nas áreas mais inacessíveis, foram simplesmente esquecidos. A situação foi prevista com uma precisão extraordinária pelo famoso oficial da Legião, o Major Zinovi Pechkoff, que escreveu:

"Depois de alguns anos, iremos mais longe. Mas esses postos avançados permanecerão na retaguarda. Eles serão desmontados. Eles servirão de abrigo para as caravanas que passam. Ao redor deles, mercados serão estabelecidos e as pessoas esquecerão que houve um tempo em que as torres carregavam armas.”

Por que os fortes foram construídos?


Os problemas enfrentados pelos franceses durante a ocupação do Marrocos eram imensos: clima, terreno e uma população ferozmente independente estavam todos contra eles.

As montanhas altas, densamente arborizadas no norte, eram difíceis de penetrar, exceto por passagens estreitas e íngremes, que se tornaram armadilhas mortais para muitas colunas francesas emboscadas que passavam por elas. A água preciosa era escassa e os oásis muito disputados.

Jez Dix com camelos - e um meio mais moderno de transporte no deserto.

Os franceses, portanto, estabeleceram uma rede de grandes bases de guarnição em locais como Fez, Meknès e Marraquexe, a partir das quais unidades foram desdobradas para dominar o terreno circundante e permitir movimento seguro para forças militares e colunas de suprimento. O papel secundário delas era "mostrar a bandeira", reforçando o controle francês sobre a população local.

O Major Pechkoff descreveu este papel desta maneira:

“As tribos da montanha acreditavam no direito e no poder dos mais fortes e uma demonstração de armas tinha que ser mostrada a eles.”

A vida de um Legionário

Sem artilharia ou métodos eficazes para forçar a entrada nos fortes, as guarnições teriam se sentido relativamente seguras contra ataques, seu maior perigo sendo o cerco prolongado e a diminuição gradual do suprimento de água. No entanto, evidências literárias sugerem que ataques diretos e infiltração nos fortes eram uma ameaça muito real:

"Eu pulei de pé ao ouvir os oficiais subalternos gritando “Aux armes! Aux armes! Prenez la garde, légionnaires.” [Às armas! Às armas! Assumam a guarda, legionários!] Então ouvi um grito de gelar o sangue e soube que as sentinelas haviam sido baleadas... Eu podia ver uma onda crescente de rostos negros enquanto os árabes escalavam o muro e os bastiões." (Ex-Legionário 75464, 1938)

Aproximação da entrada principal.

"Muitas vezes, eles (os bérberes) vêm e ficam quietos nas proximidades do posto, esperando conseguir algo ao amanhecer, se não à noite. Uma sentinela fica sonolenta depois de uma hora em observação. Então o 'brigand' que está assistindo lança uma corda e houve ocasiões em que homens foram puxados do bastião com suas armas, às vezes mortos, às vezes não, mas sempre roubados de tudo o que tinham." (Oficial da Legião Major Zinovi Pechkoff, 1926)

Os legionários em serviço de sentinela eram obrigados a ter seu fuzil preso ao corpo com um comprimento de corrente, para evitar tais roubos.

Enquanto a munição, a comida e a água durassem, um forte poderia sobreviver por um longo período de tempo e até reforços chegarem. Embora isolados, eles tinham comunicações efetivas que poderiam ser usadas para pedir assistência, do telefone e do rádio à heliografia mais primitiva, pombo-correio e chamadas de corneta. Após a Primeira Guerra Mundial, vôos regulares de aeronaves da Força Aérea Francesa forneceram cobertura adicional.

"O reconhecimento da aviação havia tirado fotografias dessa região e pudemos ver delas que as trincheiras haviam sido escavadas pelos rifenhos na montanha." (Z Pechkoff, 1926)

Ele também registrou o uso de aeronaves para ajudar no alívio de um forte sitiado:

"Eles não tinham comida e principalmente água. Aviões haviam sido enviados para fornecer água jogando blocos de gelo... A área do posto avançado é pequena e os aviões, voando alto e rapidamente, tiveram dificuldade em lançar o gelo no posto."

Interior do forte.

Combate à insurreição

A revolta nas montanhas do Rif, liderada por um líder inteligente e inspirador chamado Abd-el-Krim, viu alguns dos ataques mais dramáticos em fortes isolados. Em 1925, inspirado por seu sucesso contra os espanhóis no norte do Marrocos, ele voltou sua atenção para os franceses.

A Legião sofreu várias derrotas nas mãos dos membros da tribo de Abd-el-Krim. Aqueles fortes que foram perdidos, foram despidos de armas e ítens de valor, e demolidos para impedir que caíssem nas mãos do inimigo: o oficial comandante de um posto avançado, que agüentou quase oito semanas, explodiu o posto, matando a si mesmo e a seus homens restantes, em vez de deixá-lo caírem nas mãos do inimigo.

Tais medidas desesperadas revelam quão grande a ameaça se tornou - por que tão poucos fortes permanecem hoje.

Richard Jeynes, arqueologista e fundador da Trailquest.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada: