sábado, 29 de fevereiro de 2020

LEONARDO T-346 EM RIAT 2019


Apresentação impressionante do treinado italiano Leonardo T-346 na feira internacional RIAT 2019 onde pode demonstrar toda sua agilidade.
Se você quiser conhecer mais detalhes sobre as especificações e características desta aeronave, clique na foto que abre essa postagem.


FOTO: Soldados turcos na Síria

Soldados turcos em Idlib, na Síria, fevereiro de 2020.

EUA e Talibã assinam acordo que visa acabar com a guerra no Afeganistão


Pela Associated Press, Fox Los Angeles, 29 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 29 de fevereiro de 2020.

Nota do Tradutor: leitura recomendada aqui e aqui.

Doha, Catar - Os Estados Unidos assinaram um acordo de paz com militantes talibãs no sábado, com o objetivo de pôr fim a 18 anos de derramamento de sangue no Afeganistão e permitir que as tropas americanas voltem para casa após a guerra mais longa da América.

Segundo o acordo, os EUA reduziriam suas forças para 8.600, de 13.000 nos próximos 3-4 meses, com as forças americanas restantes se retirando em 14 meses. A retirada completa, no entanto, dependeria no Talibã cumprindo os compromissos para impedir o terrorismo.

O presidente George W. Bush ordenou a invasão liderada pelos EUA no Afeganistão em resposta aos ataques de 11 de setembro de 2001. Algumas tropas dos EUA atualmente servindo lá ainda não haviam nascido quando o World Trade Center entrou em colapso naquela manhã ensolarada que mudou a maneira como os americanos veem o mundo.

Demorou apenas alguns meses para derrubar o Talibã e enviar Osama bin Laden e os principais militantes da Al-Qaeda através da fronteira para o Paquistão, mas a guerra se arrastou por anos enquanto os Estados Unidos tentavam estabelecer um estado estável e funcional em um dos países menos desenvolvidos do mundo. Os talibãs se reagruparam e atualmente dominam mais da metade do país.

Os EUA gastaram mais de US$ 750 bilhões e, por todos os lados, a guerra custou dezenas de milhares de vidas perdidas, permanentemente marcadas e interrompidas indelevelmente. Mas o conflito também foi frequentemente ignorado pelos políticos dos EUA e pelo público americano.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, participou da cerimônia no Qatar, onde o Talibã tem um escritório político, mas não assinou o acordo. Em vez disso, foi assinado pelo enviado de paz dos EUA Zalmay Khalilzad e pelo líder do Talibã, mulá Abdul Ghani Baradar.

O Talibã abrigou Bin Laden e sua rede da Al-Qaeda enquanto eles conspiravam e depois comemoravam os seqüestros de quatro aviões que foram jogados na parte baixa de Manhattan, no Pentágono e em um campo no oeste da Pensilvânia, matando quase 3.000 pessoas.

Pompeo havia dito em particular em uma conferência de embaixadores dos EUA, no Departamento de Estado nesta semana, que ele só iria porque o presidente Donald Trump insistiu em sua participação, segundo duas pessoas presentes.

Dezenas de membros do Talibã já haviam realizado uma pequena marcha da vitória no Catar, na qual eles agitavam bandeiras brancas do grupo militante, de acordo com um vídeo compartilhado nos sites do Talibã. "Hoje é o dia da vitória, que veio com a ajuda de Allah", disse Abbas Stanikzai, um dos principais negociadores do Talibã, que se juntou à marcha.

Trump prometeu repetidamente tirar os EUA de suas "guerras intermináveis" no Oriente Médio, e a retirada de tropas poderia dar um impulso à medida que ele buscar a reeleição em um país cansado de se envolver em conflitos distantes.

Trump abordou o acordo do Talibã com cautela, evitando as críticas em torno de outras grandes ações de política externa, como suas negociações com a Coréia do Norte.

Em setembro passado, em pouco tempo, ele cancelou o que seria uma cerimônia de assinatura com o Talibã em Camp David, após uma série de novos ataques talibãs. Mas desde então ele apoia as negociações lideradas por seu enviado especial, Zalmay Khalilzad.

Sob o acordo, o Talibã promete não permitir que os extremistas usem o país como palco para atacar os EUA ou seus aliados. Mas as autoridades dos EUA relutam em confiar no Talibã para cumprir suas obrigações.

As perspectivas para o futuro do Afeganistão são incertas. O acordo prepara o terreno para negociações de paz envolvendo facções afegãs, as quais provavelmente serão complicadas. Pelo acordo, 5.000 talibãs serão libertados das prisões dirigidas pelos afegãos, mas não se sabe se o governo afegão fará isso. Também há dúvidas sobre se os combatentes talibãs leais a vários senhores da guerra estarão dispostos a se desarmarem.

Não está claro o que acontecerá com os ganhos obtidos sobre os direitos das mulheres desde a derrubada do Talibã, que reprimiu mulheres e meninas sob uma versão estrita da lei da Sharia. Os direitos das mulheres no Afeganistão foram uma das principais preocupações do governo Bush e Obama, mas o Afeganistão continua sendo um país profundamente conservador, com as mulheres ainda lutando por direitos básicos.

Atualmente, existem mais de 16.500 soldados servindo sob a bandeira da OTAN, dos quais 8.000 são americanos. A Alemanha tem o segundo maior contingente, com 1.300 soldados, seguida pela Grã-Bretanha com 1.100.

Ao todo, 38 países da OTAN estão contribuindo com forças para o Afeganistão. A aliança concluiu oficialmente sua missão de combate em 2014 e agora fornece treinamento e apoio às forças afegãs.

Os EUA têm um contingente separado de 5.000 soldados destacados para realizar missões de combate ao terrorismo e fornecer apoio aéreo e terrestre às forças afegãs quando solicitado.

Desde o início das negociações com o Talibã, os EUA intensificaram seus ataques aéreos contra o Talibã, bem como com uma afiliada local do Estado Islâmico. No ano passado, a força aérea dos EUA lançou mais bombas no Afeganistão do que em qualquer ano desde 2013.

Há sete dias, o Talibã iniciou um período de sete dias de "redução da violência", um pré-requisito para a assinatura do acordo de paz.

"Vimos uma redução significativa da violência no Afeganistão nos últimos dias e, portanto, também estamos muito próximos da assinatura de um acordo entre os Estados Unidos e o Talibã", afirmou o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, na sexta-feira em Bruxelas.

Ele esteve em Cabul no sábado para uma cerimônia de assinatura separada com o presidente afegão Ashraf Ghani e o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper. Essa assinatura pretendia mostrar o apoio contínuo da OTAN e dos EUA ao Afeganistão.

"O caminho para a paz será longo e difícil e haverá contratempos, e sempre existe o risco de spoilers", disse Stoltenberg. "Mas o fato é que estamos comprometidos, o povo afegão está comprometido com a paz e continuaremos a fornecer apoio".

Original: https://www.foxla.com/news/us-taliban-sign-deal-aimed-at-ending-war-in-afghanistan?fbclid=IwAR0X-CaIVA2UpgYCdw999Ft2l0w34Bn2MlK4NBJj2tNFj7N4FMIzy5fQC0A

FOTO: Cerimônia de incorporação dos novos operadores do GIGN

Cerimônia de incorporação dos novos operadores do GIGN, noite de 28 de fevereiro de 2020.

A foto foi postada na página oficial do GIGN (Groupe d'intervention de la Gendarmerie nationale) com a seguinte legenda:

CERIMÔNIA TRADICIONAL:

Esta noite, um grande momento intenso e solene para os membros do GIGN. Damos ao novo pessoal que contribui para as missões, o emblema da manga e o cordão fourragère e aos nossos futuros operacionais em estágio, o MR-73, arma tradicional, bem como o emblema da manga e o cordão fourragère.

Felicitações a eles.

O revólver MR-73 Manurhin é tradicional do GIGN pela precisão em tiros individuais, com calma, o que testa os nervos do operador. Além disso, o MR-73 é usado no tradicional "tiro de confiança", quando um operador disparar em um prato de cerâmica balística no peito de outro colega.


FOTO: F-111C sobre o porto de Sydney, na Austrália, 1973.

F-111C sobre o porto de Sydney, na Austrália, 1973.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Sahel: Tendo sofrido perdas significativas contra a Barkhane, os jihadistas procuram adquirir drones

GCP do 2e REP. (Legião Estrangeira)

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 27 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de fevereiro de 2020.

Como nas semanas anteriores, a força Barkhane manteve seu esforço contra as katibas do Estado Islâmico no Grande Saara [État islamique au grand SaharaEIGS], estabelecido na chamada área das "três fronteiras", ou seja, em uma região localizada nas fronteiras do Mali, Níger e Burkina Faso.

Assim, na semana passada, os Mirage 2000D e os drones Reaper MQ-9 Reaper, agora capazes de portar armas, atacaram grupos armados terroristas [Groupes armés terroristesGAT] três vezes [em 19, 22 e 24 de fevereiro, nota]. Esses ataques tornaram possível destruir um plano logístico e seus campos... E "neutralizar" cerca de vinte jihadistas.

"A realização desses ataques foi baseada em um trabalho de inteligência extremamente meticuloso e rigoroso, multiplicando os sensores de inteligência e suas ações a longo prazo, o que permitiu caracterizar com precisão várias zonas de refúgio que abrigam terroristas, em uma região distante de Liptako, conhecida por ser uma zona predatória do Estado Islâmico no grande Saara", explicou o Estado-Maior Geral das Forças Armadas [État-major des arméesEMA].

No terreno, os legionários dos grupos táticos [groupement tactique désertGTD] Altor [2º REP] e Centurion [2º REI / 1º REC] não estavam ociosos...

De fato, operando por um mês no Liptako nigeriano ao lado das forças armadas nigerianas, o GTD 3 "Altor" neutralizou "vários terroristas" e apreendeu "recursos logísticos e material de guerra", disse a EMA. Mas uma dessas capturas tem o suficiente para confirmar os medos expressados há alguns meses pelo General François Lecointre, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas [État-major des arméesCEMA], sobre a disposição dos terroristas de usarem as chamadas tecnologias "nivelantes".

Em 14 de fevereiro, durante uma grande operação de busca, o GTD Altor descobriu vários campos "desocupados" pelos jihadistas. E, de acordo com o EMA, no curso dessa "varredura", material de guerra foi apreendido em grandes quantidades, incluindo munição, elementos que possibilitavam a fabricação de dispositivos explosivos improvisados [Improvised explosive devices, IED], rádios e... drones .

Salvo engano, esta é a primeira vez que o EMA menciona a descoberta de drones em um acampamento jihadista em um de seus "pontos de situação".

No outono passado, o General Lecointre disse que temia o desdobramento de tais dispositivos por jihadistas ativos na faixa sahelo-saariana, como aqueles do Estado Islâmico [IS ou Daesh] que, no Levante, estão acostumados a usá-los em suas operações, tanto para detectar quanto para lançar ataques.


Jihadistas no Sahel.

"As várias ameaças assim desdobradas são meios usando tecnologias cada vez mais" niveladoras". [...] O fato dessas tecnologias serem usadas cada vez mais freqüentemente nos leva a rever nossos meios de defesa e proteção. Além disso, a tecnologia usada hoje em um potencial conflito assimétrico […] certamente poderia ser usada amanhã pelo Daesh, pelo Estado Islâmico no Grande Saara [EIGS] ou pelo Comício para a vitória do Islã e Muçulmanos [Rassemblement pour la victoire de l’islam et des musulmans, RVIM ou GSIM] contra nossas instalações no Sahel. Isso é muito preocupante ", disse o CEMA aos deputados do comitê de Relações Exteriores.

Em uma audiência anterior, o General Lecointre havia estimado que o "fenômeno drone [é] um divisor de águas, não muito contra veículos blindados", mas "muito seriamente contra dispositivos táticos ou móveis".

No entanto, o EMA não diz se os drones encontrados pelos legionários podem carregar munição ou ficar fixos, como aqueles usados pelos jihadistas no Iraque e na Síria.

Quanto ao GTD 2 "Centurion", ele se concentrou no Malta Liptako, realizando ataques blindados, bem como ações de varredura e cordão de área. Este último permitiu a neutralização de "3 jihadistas e a apreensão de armas e recursos, principalmente gasolina e material rotineiro no campo."


Guerreiros tuaregues do povo amazigue, 2012.

Finalmente, no Gourma do Mali, caracterizado por uma terra que contém muitos wadis, maciços rochosos e florestas que podem constituir o maior número possível de esconderijos para GATs, o GTD aerocombat [GTD-A] foi solicitado para uma operação que mobilizou todas as suas capacidades [comandos, helicópteros franceses, CH-47 Chinooks britânicos, Merlin dinamarquês, apoios de transmissão, controladores de tráfego aéreo, etc.]. "Um posto de comando tático completo também foi planejado durante esta operação para direcionar a manobra no solo", disse o EMA.

"A ação permanente e coordenada entre patrulhas de veículos terrestres e patrulhas aéreas de helicópteros, oferecendo uma reatividade muito alta em caso de evolução da situação tática, permitiu controlar uma área muito grande", sublinhou, o relatório sobre esta operação.

Original: http://www.opex360.com/2020/02/27/sahel-ayant-encore-subi-des-pertes-importantes-face-a-barkhane-les-jihadistes-cherchent-a-se-doter-de-drones/?fbclid=IwAR0TwL0UaHHW0iOffHwHctwlCVItD5mUMVTWngfbo3ovmTvMBsLPuvLaxAI

FOTO: Espanhóis em Saragoça

Tropas espanholas em treinamento próximo a Saragoça, anos 1980.

A Espanha adotou o capacete Modelo Z, em estilo alemão, em 1942. Tratava-se de uma cópia inferior do capacete de aço M35 (Stahlhelm M35), com uma espessura de apenas 1mm e borda desenrolada. Ele foi produzido na Espanha até um novo capacete de fibra ser atualizado em 1975, e colocado em uso padrão em 1979 (capacete M42/79). Esse capacete manteve-se em uso na Espanha até a sua incorporação na OTAN, nos ano 80.

FOTO: Tocando a baioneta

Estudante toca a baioneta de um soldado da Guarda Real Sueca, Palácio Real de Estocolmo, 1970.

FOTO: Saddam Hussein e a ficção científica

Fuzileiro naval americana observa a pintura "Shadows out of Hell" (1980), encontrada nos aposentos de Saddam Hussein em Badgá.

Essa pintura, Shadows out of Hell (Sombras saídas do Inferno) de Rowena Morrill, foi encomendada porque Saddam Hussein era um grande apreciador da ficção científica, sendo ele mesmo o autor de um dado número de livros de ficção científica. Entre outras demonstração de gosto pela ficção científica, está a adoção do capacete do Darth Vader, por parte do seu filho Uday, para a milícia paramilitar Fedayeen.


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

SFAB do Exército enfrentará condições difíceis durante a missão na África

Presidente do Estado-Maior Conjunto do Exército dos EUA, General Mark A Milley, durante uma visita ao Pentágono, em Arlington, Virgínia, 31 de outubro de 2019 (Exército dos EUA / Sargento Keisha Brown)

Por Matthew Cox, Military.com, 27 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2020.

O principal general do Pentágono disse recentemente que a 1ª Brigada de Assistência às Forças de Segurança do Exército dos EUA (Security Force Assistance BrigadeSFAB*) enfrentará um ambiente operacional difícil quando for desdobrada na África, um ambiente muito mais austero que no Afeganistão.

*Nota do Tradutor: As Brigadas de Assistência às Forças de Segurança são unidades especializadas do Exército dos Estados Unidos, formadas para treinar, aconselhar, auxiliar, habilitar e acompanhar operações com nações aliadas e parceiras.

O presidente do Estado-Maior Conjunto, Mark Milley, testemunhou sobre os desafios que a SFAB enfrentará na África diante do Comitê de Serviços Armados da Câmara na quarta-feira.

O Pentágono anunciou em meados de fevereiro que a unidade especializada em aconselhamento será enviada à África para treinar forças locais em um esforço para enfrentar a Rússia e a China na região.

O deputado Anthony Brown, representante de Maryland, pediu mais informações sobre o desdobramento desde que o comandante da 1ª SFAB, General-de-Brigada Scott Jackson disse recentemente que a unidade não terá a infra-estrutura militar que estava disponível no Afeganistão, como a rede de bases, cadeias de suprimentos e helicópteros.

Em 2017, uma emboscada terrorista em uma unidade das Forças Especiais do Exército de 12 membros que operava em uma área remota do Níger deixou quatro soldados americanos mortos. A unidade acompanhava 30 homens de uma força nigeriana em uma missão para capturar ou matar um líder de um grupo de alto nível do Estado Islâmico na África Ocidental, quando mais de 100 extremistas lançaram um ataque mortal perto da aldeia de Tongo Tongo.


Cerimônia de ativação da 1ª SFAB, 7 de fevereiro de 2018. 

"O que estamos fazendo para garantir que a SFAB tenha a infra-estrutura necessária para realizar seu trabalho?" Brown perguntou. Atualmente, o Comando Americano da África está avaliando se é necessário fazer alguma alteração na infra-estrutura militar em preparação para a missão da SFAB, disse Milley a Brown.

"Mas, para que fique claro, a SFAB não é uma força de operações especiais; no entanto, eles são treinados e selecionados explicitamente para poder operar de maneira expedicionária em um ambiente muito austero", disse Milley, descrevendo como todos os membros da SFAB se voluntariaram para esse dever de treinar, aconselhar e auxiliar as forças militares locais. "Os SFABs conduzem uma missão estrangeira de defesa local. Eles não realizam todas as outras missões das Forças Especiais, mas são capazes de operar em ambientes muito austeros".



Brown disse que entendeu o argumento de Milley, mas não aceitou a resposta.

"O General Jackson fez esses comentários porque tem preocupações sobre a infra-estrutura de apoio logístico que receberá enquanto estiver no terreno e, diferentemente do que exigimos na Coréia e em outros lugares, não podemos pedir às nações africanas que paguem a conta porque elas estão falidas," disse o legislador.

O secretário de Defesa Mark Esper, que também testemunhou na audiência, disse que a SFAB terá o que precisa para conduzir sua missão de aconselhamento e assistência na África. "Não vamos colocá-los lá sem meios para fazer o trabalho deles," afirmou.


Distintivo de ombro das Brigadas de Assistência às Forças de Segurança.

O desdobramento futuro da SFAB permitirá que o Exército retorne elementos de uma brigada de infantaria da 101ª Divisão Aerotransportada para Fort Campbell, Kentucky, para que possa se concentrar em seu trabalho principal de treinamento para combate.

O elemento do tamanho de uma companhia da 101ª enviado ao Quênia no início de janeiro como parte da Força de Resposta da África Oriental (East African Response ForceEARF) após um ataque do grupo al-Shaaab, afiliada da Al-Qaeda, em uma base no Quênia, matou um soldado americano e dois contratados americanos.

A recente mudança de forças é o resultado de uma revisão que Esper ordenou para avaliar como cada um dos comandos de combate é organizado e equipado para apoiar a Estratégia de Defesa Nacional.

O deputado Trent Kelly, representante do Mississippi, disse a Esper e Milley que ele acabou de voltar de uma viagem à África com o deputado James Inhofe, do Oklahoma, para se encontrar com líderes locais e comandantes militares.

"Não precisamos reduzir o número de soldados que temos lá", disse Kelly. "Acho que temos algumas ameaças reais - terroristas e grande competição de poder - nessa região, e acho que precisamos ser criteriosos para garantir que não reduzamos a quantidade de tropas lá."


Boina bege da 1ª SFAB com distintivo e escudo.

Atualmente, os EUA têm cerca de 6.000 soldados baseados na África.

Em uma declaração de 10 de janeiro, Inhofe disse que a retirada de tropas da África seria "míope" e poderia prejudicar a capacidade do AFRICOM de executar sua missão. Esper disse aos legisladores na audiência que as notícias de uma retirada planejada das forças americanas da África não são precisas.

"Não há planos para retirar completamente todas as forças da África. Isso foi relatado incorretamente e repetido várias vezes," afirmou. "Mas o que pretendo fazer é garantir que eu possa recorrer às missões que são absolutamente necessárias e dimensionar corretamente a força".

Original: https://www.military.com/daily-news/2020/02/27/army-sfab-will-face-tough-conditions-during-africa-mission-milley.html?utm_medium=Social&utm_source=Facebook&fbclid=IwAR01zQmVwatgPmp8mPlvokLIFm9ID6OuwcKVLy1gGyRPGNXQ3oBcmMtdHAo#Echobox=1582838558

Primeira oficial de infantaria feminina dos Fuzileiros Navais deixa o Corpo no momento que o Comandante clama por mais mulheres no Curso de Oficial de Infantaria

Fuzileiros navais participam de um exercício durante o Curso de Oficial de Infantaria em Quântico, Virgínia, em 10 de agosto de 2017. A primeira fuzileira a completar o curso se formou em 25 de setembro de 2017. (Sargento de Pontaria Chad McMeen/ Corpo de Fuzileiros Navais)

Por Philip Athey, Marine Corps Times, 26 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2020.

O Comandante dos Fuzileiros Navais, General David Berger, na sexta-feira foi ao Twitter para anunciar seu objetivo de ter mais mulheres oficiais nos Fuzileiros participando do árduo Curso de Oficial de Infantaria de 13 semanas, conhecido como IOC (Infantry Officer Course). Seu anúncio veio na mesma semana em que a primeira mulher a passar no curso saiu em licença terminal, confirmou um porta-voz do Corpo de Fuzileiros Navais na terça-feira, deixando o Corpo com apenas uma oficial de infantaria qualificada. Embora o Corpo tenha visto um aumento de 60% nas mulheres que desempenham funções de combate no terreno em 2019 em geral, esse crescimento era inexistente quando se tratava de oficiais de infantaria.

Desde que os trabalhos de combate em terra foram abertos para as mulheres em 2016, apenas nove mulheres tentaram o IOC - a escola necessária para oficiais de infantaria - e apenas duas passaram, disse Teresa Ovalle, porta-voz do Comando de Treinamento e Educação do Corpo de Fuzileiros Navais, na terça-feira ao Marine Corps Times. Encontrar oficiais femininas como voluntárias para o curso continua difícil para o Corpo, que tem apenas uma oficial agendada para participar do IOC em 2020, disse Ovalle.


Na sexta-feira, o Comandante escreveu que deseja que o Corpo tome "ações imediatas" na identificação de oficiais do sexo feminino de nível companhia para participar do curso. A Capitã Marina A. Hierl foi a primeira oficial dos Fuzileiros Navais a receber a especialidade ocupacional militar 0302 de oficial de infantaria quando se formou no curso em setembro de 2017.


Fuzileiros navais participam de um exercício durante o Curso de Oficial de Infantaria do Centro de Combate Aéreo e Terrestre do Corpo de Fuzileiros Navais em Twentynine Palms, Califórnia, 18 de setembro de 2017. (Sargento Gregory Boyd/ Corpo de Fuzileiros Navais)

Hierl começou sua carreira na esquadra como comandante de pelotão no 2º Batalhão, 4º Regimento de Fuzileiros Navais e acabou como oficial de operações assistente do 3º Batalhão, 5º Regimento de Fuzileiros Navais, antes de sair em licença terminal em meados de fevereiro, o porta-voz do Corpo de Fuzileiros Navais, 1º Tenente Cameron Edinburgh, disse ao Marine Corps Times na terça-feira.

A segunda mulher a se formar no IOC, em junho de 2018, é uma oficial de inteligência terrestre 0203 que passou no Curso de Liderança de Unidade de Atiradores de Elite Batedores (Scout Sniper Unit Leaders Course) do Corpo de Fuzileiros Navais, colocando-a no caminho para potencialmente liderar um pelotão de snipers. Em junho de 2019, ela estava servindo como oficial assistente de inteligência do 2º Batalhão, 7º Regimento de Fuzileiros Navais, informou o Marine Corps Times anteriormente. O Corpo de Fuzileiros Navais ainda não foi capaz de confirmar ao Marine Corps Times que a oficial de inteligência terrestre ainda está no mesmo cargo.

Original: https://www.marinecorpstimes.com/news/your-marine-corps/2020/02/25/first-female-infantry-marine-officer-leaves-corps-as-commandant-calls-for-more-women-at-infantry-officer-course/?utm_source=clavis

O Corpo de Fuzileiros Navais cortará ainda mais pessoal nos próximos anos, diz o Comandante

Fuzileiros navais americanos designados para a Companhia Charlie, 1º Batalhão, 3º Regimento de Fuzileiros Navais, saem na traseira de um carro lagarta anfíbio coreano com fuzileiros navais da República da Coréia, em 9 de agosto de 2017. (Foto do Corpo de Fuzileiros Navais do Cabo Aaron S. Patterson)

Por Jeef Schogol, Task&Purpose, 27 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2020.

O Corpo de Fuzileiros Navais planeja encolher ainda mais do que o já anunciado, disse o Comandante do Corpo de Fuzileiros Navais David Berger, na quinta-feira. "Este ano, neste orçamento, reduzimos a mão de obra equivalente a alguns milhares de fuzileiros navais", disse Berger durante a audiência do Comitê de Serviços Armados da Câmara na quinta-feira.

"Provavelmente não será o maior, nem o último. Por quê? Acho que todo chefe de serviço adoraria ter uma força melhor. Mas você precisa que sejamos letais. Você precisa que sejamos móveis. Você precisa que sejamos integrados à Marinha. Então, vamos reduzir o tamanho do Corpo de Fuzileiros Navais este ano, mais no próximo ano.”

Berger não disse quanto menor o Corpo de Fuzileiros Navais espera ficar. Seus comentários sobre a redução do tamanho do Corpo de Fuzileiros Navais vieram em resposta ao deputado Mike Rogers (R-Alabama) Sobre quando o Corpo "tirará a faca" e fará cortes para que possa investir em novas tecnologias.

O orçamento proposto pelo Departamento da Marinha para o ano fiscal de 2021 já exige a redução da força de serviço ativo do Corpo de Fuzileiros Navais de 186.200 para 184.100 por atrito.

Os cerca de 2.100 fuzileiros navais que o Corpo planeja cortar virão do quartel-general, não das unidades operacionais, disse o Contra-Almirante da Marinha Randy B. Crites durante uma entrevista coletiva em 10 de fevereiro, no Pentágono.

A redução será alcançada retendo menos fuzileiros navais, em vez de reduzir os objetivos de recrutamento, disse Crites, vice-secretário assistente da Marinha para orçamento. Nenhuma informação sobre outros cortes de pessoal foi disponibilizada imediatamente.

Original: https://taskandpurpose.com/news/marine-corps-shrinking-again

A União Africana planeja enviar 3.000 soldados para o Sahel

A União Africana realizou o Exercício de Treinamento de Campo AMANI II como parte de seus esforços para operacionalizar as Forças Africanas de Prontidão (ASF) em Lohatla, África do Sul, em 7 de novembro de 2015. (Imagem: UNOAU)

Do site The Defense Post, 27 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2020.

Desdobramento de seis meses previsto "durante o curso do ano".

A União Africana disse na quinta-feira, 27 de fevereiro, que espera enviar um destacamento temporário de 3.000 soldados para a região do Sahel na África Ocidental, onde as forças regionais estão lutando com dificuldade para responder a uma insurgência islâmica de quase oito anos.

A decisão foi tomada na cúpula da União Africana no início deste mês, disse Smail Chergui, o Comissário da Comissão de Paz e Segurança da União Africana, mas o anúncio não foi feito até uma conferência de imprensa na quinta-feira.

"Sobre a decisão da cúpula de trabalhar no envio de uma força de 3.000 soldados para ajudar os países do Sahel a degradar grupos terroristas, acho que é uma decisão na qual trabalharemos juntos com o G5 Sahel e a CEDEAO", disse Chergui.

"Acho que essa decisão foi tomada porque, como vemos, como você mesmo pode reconhecer, a ameaça está se expandindo, está se tornando mais complexa", acrescentou Chergui. 

Decisões finais da cúpula da U.A. ainda não foi publicada, mas os diplomatas confirmaram alguns detalhes da proposta de desdobramento no Sahel.

"A cúpula decidiu enviar cerca de 3.000 soldados por um período de seis meses para trabalhar com os países do Sahel para lidar com a ameaça que eles enfrentam", disse à AFP Edward Xolisa Makaya, embaixador da África do Sul na União Européia. "É apenas um sinal ou uma demonstração de solidariedade com o povo do Sahel".

A África do Sul assumiu a presidência da U.A. na cúpula e os planos e para sediar uma cúpula extraordinária da U.A. sobre questões de segurança em maio. Makaya disse esperar que o desdobramento do Sahel ocorra "ao longo do ano". Mas muitos detalhes do possível desdobramento ainda não foram esclarecidos. Makaya disse que nenhum país se apresentou para oferecer tropas, e também não está claro como o envio será financiado.

"É claro que os Estados membros foram convidados a fazer ofertas e contribuições, e fizeram, alguns Estados membros fizeram ofertas durante as discussões", disse ele. "Mas não temos a liberdade de mencionar seus nomes agora."

No entanto, líderes da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Economic Community of West African StatesCEDEAO) na Cúpula Extraordinária sobre Contra-Terrorismo de 14 de setembro decidiram mobilizar "até um bilhão de dólares para a luta contra o terrorismo", disse o presidente do Níger, Mahamadou Issoufou, após a reunião. O dinheiro, depositado em um fundo comum de 2020 a 2024, ajudará a reforçar as operações militares das nações envolvidas e as operações militares conjuntas na região.

A conferência de imprensa de quinta-feira ocorreu como parte de uma reunião entre a U.A. e líderes europeus. O Alto Representante da U.E. para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, disse na entrevista coletiva que um desdobramento no Sahel seria "muito bem-vindo". "Acho que temos capacidade de coordenação logística suficiente para gerenciar todos juntos", disse ele.

Missões militares multilaterais no Sahel

Não está claro como uma potencial missão da U.A. interagiria com as outras missões multilaterais que já operam contra grupos armados na vasta região subsaariana.

A Operação Barkhane, liderada pela França, uma missão de 5.100 soldados com mandato para operações de combate ao terrorismo em toda a região, concentra atividades no Mali, Níger e Burkina Faso, atingidos por insurgentes, trabalhando ao lado de tropas locais e outras operações internacionais, incluindo a Força Conjunta do G5 do Sahel (Force Conjointe du G5 du Sahel, FCG5S), que inclui tropas de Burkina Faso, Mali, Níger, Chade e Mauritânia, e MINUSMA, a missão de estabilização da ONU no Mali.

A Barkhane já está construindo uma coordenação de comando com as forças parceiras da Coalizão do Sahel, estabelecendo mecanismos de coordenação dedicados na capital do Níger, Niamey, e na capital do Chade, N'Djamena, onde fica a sede da Barkhane, enquanto o Mali lança a Operação Maliko, uma nova operação antiterrorista que levará em consideração a cooperação transfronteiriça, regional e internacional.

A França também tem tentado obter apoio para a nova Força-Tarefa de Operações Especiais Takuba, que treinará, aconselhará, auxiliará e acompanhará as forças locais em sua luta contra o Estado Islâmico e as afiliadas da Al-Qaeda na região. Takuba declarará capacidade militar inicial no verão e estará totalmente operacional no outono.

Insurgência no Sahel

A complexa insurgência no Sahel começou no Mali em 2012, quando um levante separatista tuaregue foi explorado por extremistas ligados à Al-Qaeda que tomaram cidades importantes no norte do deserto. No ano seguinte, a França, antiga potência colonial, iniciou a intervenção militar Operação Serval - o antecessor da Barkhane - expulsando os jihadistas das cidades, e a MINUSMA foi estabelecida.

Mas os grupos militantes se transformaram em formações mais ágeis que operam nas áreas rurais, e a insurgência gradualmente se espalhou pelas regiões central e sul do Mali e depois para Burkina Faso e Níger. O derramamento de sangue interétnico é uma ocorrência regular.

Mais de 4.000 pessoas foram relatadas mortas em ataques militantes em Burkina Faso, Mali e Níger no ano passado, segundo a ONU, e o secretário-geral Antonio Guterres alertou que a crescente violência no Sahel se espalhou pelos estados costeiros da África Ocidental.

Muitos grupos armados, incluindo o Estado Islâmico, estão ativos na região do Sahel, mas a maioria dos ataques é atribuída ao JNIM (Jama'at Nasr al-Islam wal Muslimin, Grupo de Apoio ao Islã e Muçulmanos), que se formou em março de 2017 a partir de uma fusão de vários grupos menores. A liderança do JNIM prometeu lealdade ao líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri.

Desde maio de 2019, o ISIS atribui atividades insurgentes na área do Sahel ao ISWAP (Estado Islâmico na Nigéria), sua afiliada na Província da África Ocidental que se separou do Boko Haram em 2016, em vez do Estado Islâmico no Grande Saara (ISGS). A principal área de operações do ISWAP é a área do Lago Chade na Nigéria, Níger, Chade e Camarões.

No domingo, a ONU adicionou o ISWAP e o ISGS à sua lista de sanções do ISIS e Al-Qaeda.

Original: https://thedefensepost.com/2020/02/27/african-union-troops-sahel/

O Tigre em combate - A experiência do Exército Francês


Os Tigres do Exército Francês têm extensa história operacional no norte da África. (Airbus)

Por Nigel Pittaway, Australian Defence Magazine, 18 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2020.

Enquanto os helicópteros Tigre de reconhecimento armado (Armed Reconnaissance Helicopter/ Helicóptero de Reconhecimento Armado, ARH) da Austrália foram desdobrados no exterior apenas duas vezes em seus 15 anos de história operacional, seus equivalentes do Exército Francês têm sido continuamente desdobrados em operações de combate há mais de 10 anos agora.

Os dois desdobramentos do ARH foram para exercícios, primeiro na Papua Nova Guiné em agosto de 2015 para trabalhar com a Força de Defesa PNG, e mais recentemente, na Malásia a bordo do RAAF C-17, onde embarcaram no ano passado à bordo LHD HMAS Canberra para o Pacific Endeavor (IPE) 2019.

O Tigre é a ponta-de-lança da aviação do Exército Francês (ALAT - Aviation Légère de l'Armée de Terre, Aviação Leve do Exército) e desdobrado pela primeira vez no Afeganistão em meados de 2009. Hoje ele está voando em missões diárias de combate sobre os desertos do Mali.

Para aprender mais sobre a experiência de combate francesa com o Tigre na última década, a ADM visitou Phalsbourg, oeste de Estrasburgo e lar do 1º Regimento de Helicópteros da ALAT (1e RHC - Régiment d'Hélicoptères de Combat).

Visão Geral do Tigre

O Exército francês atualmente opera duas versões do Tigre, mas um programa de atualização em andamento resultará em comunalidade em toda a frota.

A versão de base é o Tigre HAP (Hélicoptère d'Appui Protection, Helicóptero de Apoio e Proteção), capaz de empregar foguetes de 68mm e o míssil Mistral ar-ar, bem como o canhão automático de corrente de 30mm no nariz. O ARH da Austrália foi desenvolvido a partir desta aeronave de linha de base, mas com uma capacidade de designação a laser adicionada à mira Safran Strix, que permite o uso de mísseis Hellfire II.

A segunda variante francesa é o Tigre HAD (Hélicoptère d'Appui Destruction, Helicóptero de Apoio e Destruição), que é semelhante ao ARH, pois possui capacidade de designação a laser e mísseis Hellfire II, mas também possui uma versão aprimorada do motor Turbomeca Rolls-Royce MTR390, que confere cerca de 14% a mais de energia.

Atualmente, 36 Tigres HAP sobreviventes estão sendo trazidos para o padrão HAD pela Airbus Helicopters em Marignane, perto de Marselha, e o trabalho deverá ser concluído em 2024. Toda a frota também está sendo atualizada para a configuração Padrão 2 (também conhecida como Mk .2, mais sobre isso à seguir) e uma atualização do Padrão 3 (Mk.3) agora estão na fase de redução de riscos.

Dois regimentos ALAT 'padrão' operam o Tigre: o 1e RHC em Phalsbourg e o 5e RHC em Pau, no sudoeste do país, além de ser operado pelo 4e Régiment d'Hélicoptères des Forces Spéciales (Regimento de Helicópteros das Forças Especiais), também baseado em Pau*.

*Nota do Tradutor: A cidade de Pau também é lar da escola paraquedista francesa (Écoles des troupes aéroportées, ETAP). 



Afeganistão


Um helicóptero de ataque Tigre do Exército Francês participando de um exercício conjunto de helicópteros de ataque franceses e americanos na Base Operacional Avançada Morales-Frazier, no Afeganistão, em 22 de janeiro de 2011.

O Tigre foi desdobrado pela primeira vez no Afeganistão e iniciou suas operações em julho de 2009, operando em Cabul em apoio às forças francesas e da coalizão na região. Nas operações, os helicópteros franceses também operavam de perto com as unidades Apache do Exército dos EUA.

Como o ALAT é uma organização relativamente pequena, o pessoal é frequentemente destacado no exterior e os dois oficiais com quem a ADM conversou em Phalsbourg, o Capitão Teddy, líder da patrulha, e o Chefe de Operações Tenente-Coronel Brice (seus sobrenomes foram retidos por razões de segurança), têm vasta experiência em todos os desdobramentos de combate.

"Prestamos exatamente o mesmo serviço às tropas em terra."

O Tigre é um helicóptero mais leve que o Apache (6 toneladas contra 10 toneladas) e foi criticado por não fornecer o mesmo nível de capacidade, mas o Capitão Teddy disse que a experiência operacional mostrou que os dois helicópteros são equivalentes.

“No Afeganistão, estávamos integrados a uma patrulha Apache (Exército dos EUA), onde poderíamos voar nas primeiras duas horas e eles nos renderam e depois voltaríamos, então era bastante simples para nós julgar o desempenho dos dois helicópteros ," ele disse. “No início de cada missão, tivemos que fazer o check-in com o JTAC (Joint Terminal Attack Controller/ Controlador de Ataque de Terminal Conjunto) em terra e tivemos que declarar nossa carga útil e tempo de vôo (resistência na missão) na área - e não podíamos mentir, porque eram dados da tarefa operacional.

“Ouvimos os pilotos do Apache fornecendo todas essas informações também e eram exatamente iguais às nossas - exatamente a mesma carga útil, exatamente o mesmo tempo de vôo -, portanto, não éramos inferiores à patrulha do Apache, prestamos exatamente o mesmo serviço às tropas no solo."

O Tigre foi retirado do Afeganistão em 2013, mas quase ao mesmo tempo, o governo francês anunciou que desdobraria o helicóptero no Mali. Entretanto, entre 2009 e 2013, os Tigres da ALAT foram desdobrados em operações de combate na Líbia e na República Centro-Africana, bem como em Djibuti, no Chifre da África, para teste operacional e avaliação da versão HAD.

Opération Harmattan e a República Centro-Africana


Harmattan era o codinome francês para operações militares na Líbia em 2011 e dois Tigres HAP foram embarcados a bordo do navio de assalto anfíbio da Marinha FNS Tonnerre da classe Mistral, por quase cinco meses.

O Tigres se adaptaram facilmente ao ambiente marítimo e às operações no convés foram simplificadas pelo fato do diâmetro do rotor principal ser de tal forma que ele poderia usar os elevadores do navio. Os helicópteros da ALAT voaram missões ao lado de helicópteros Apache AH.1 do Exército Britânico, com considerável sucesso.

“Foi durante o verão na Líbia, então experimentamos altas temperaturas, mas o Tigre foi projetado para decolar com uma carga útil total”, lembrou o Tenente-Coronel Brice. “Tivemos que calcular a resistência, porque o navio não estava muito perto da praia e tivemos um longo trânsito sobre o mar. Meus pilotos de Tigre fizeram os cálculos e relataram uma carga útil de 450 projéteis de 30mm, foguetes de 68mm, dois mísseis (Mistral) e três horas de vôo.”

No final de 2013, o Exército Francês também foi destacado para a República Centro-Africana na Opération Sangaris - operações de manutenção da paz que incluíram ataques aéreos do Tigre contra bandidos armados.

Opération Barkhanne


Tigre francês equipado com HAD. (Airbus)

A operação atual está no Mali, na África Subsaariana, onde o Exército Francês opera o Tigre desde o início de 2013. As operações iniciais foram conduzidas com a versão HAP, mas todos os desdobramentos agora são baseados no HAD, e os três regimentos (incluindo a unidade das Forças Especiais) contribuem com aeronaves e pessoal.

"Eu estava voando e tomei 15 tiros de munições PKM (7,62 mm) e não foi um problema."

Os helicópteros estiveram envolvidos em pesados tiroteios, apoiando tropas no terreno sob ataque dos rebeldes da Frente de Libertação Islâmica Macina (ou Katibat). Dois Tigres e cinco especialistas de manutenção desdobram de sua base operacional principal em Gao para o deserto a qualquer momento e operam remotamente por até duas semanas, usando apenas o equipamento transportado pela equipe de manutenção a bordo do helicóptero do transporte aéreo inicial e o que pode ser armazenado a bordo do Tigre.

A capacidade do Tigre de sofrer danos de batalha foi comprovada em várias ocasiões e em uma dessas missões, o Capitão Teddy lembrou como uma emboscada de metralhadora havia sido preparada para abater os Tigres, um dos quais ele estava voando.

“A aeronave é muito, muito resistente a danos de batalha (e) eu sou a prova disso. Foi uma emboscada para helicóptero, um dia antes lutáramos contra uma companhia pesada de Katibat e eles sabiam que os helicópteros franceses voltariam, então foi uma missão suicida para eles, eles colocaram alguns feridos em um ponto quente com metralhadoras pesadas e disseram para eles concentrarem o fogo nos helicópteros”, lembrou.

"Eu estava voando e tomei 15 tiros de munição de PKM (7,62mm) e não foi um problema para mim ou para o helicóptero. Uma caixa (aviônica) foi atingida, mas o helicóptero apenas me informou que havia mudado para uma caixa alternativa. Não foi um grande problema e eu voei por 20 minutos de volta à posição francesa mais próxima e segura.

“O segundo Tigre também foi atingido, mas continuamos lutando depois que voltei. Em outro momento, também tivemos um RPG atingindo um Tigre e ele foi consertado em Gao em cerca de dois dias”, disse o Capitão Teddy.

O Tigre Futuro

O Tigre deve permanecer em serviço por muitos anos e a frota do Exército Francês está sendo atualizada para a configuração Padrão 2 (Mk.2), que inclui um GPS com um Módulo Anti-Falsificação de Disponibilidade Seletiva (Selective Availability Anti-Spoofing ModuleSAASM), inclusão do SIT de enlace de dados da ALAT e novas armas, incluindo os mísseis Mistral 2 ou 3.

"Usamos o Tigre em condições marginais."

Como mencionado anteriormente, as variantes HAP estão sendo atualizadas para a configuração padrão 2 em conjunto com sua conversão para HAD e todas serão concluídas até o final de 2024. A frota existente HAD terá sido submetida a atualização até o final de 2023.

Além do Mk.2, o trabalho de definição também está em andamento para uma variante Padrão 3 (Mk.3) e, embora sua configuração final ainda não tenha sido decidida, a atualização provavelmente incluirá sistemas de navegação aprimorados (Strix NG), GPS e Galileo, capacidade de equipes tripuladas e não-tripuladas (MUM-T), aviônicos modernizados, um novo SATCOM criptografado de datalink, foguetes de 68mm guiados com precisão, um canhão aprimorado de 30mm com uma maior travessa (Extension Butée) e um substituto para os mísseis Hellfire (provavelmente MAST-F - Míssil Tático Futuro Ar-Superfície).

"Usamos o Tigre em condições marginais no exército francês", concluiu o Capitão Teddy. "Se você encontrar o pior lugar do mundo, pode ter certeza de que em cinco anos estaremos operando lá".

Aviso legal: O escritor viajou para Phalsbourg como convidado da Airbus Helicopters.

Original: https://www.australiandefence.com.au/news/tiger-in-combat-the-french-army-experience