Mostrando postagens com marcador Noticias. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Noticias. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de maio de 2022

Israel tenta derrubar seu próprio drone por engano

Um drone militar israelense em 8 de junho de 2018.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

As sirenes soaram na Alta Galiléia, perto da fronteira libanesa, com moradores correndo para abrigos. Israel lançou seus foguetes de defesa apenas para descobrir que estava atirando em seu próprio drone, conforme revelou o exército israelense dois dias atrás, em 19 de maio desse ano.

"Devido a um erro de identificação, a Matriz de Defesa Aérea das FDI lançou interceptadores que causaram os alarmes ouvidos no norte de Israel", disse o Exército israelense em comunicado. Isso ocorre dias depois que um drone do Hezbollah foi abatido enquanto viajava do Líbano para Israel. A Matriz de Defesa Aérea mencionada é o famoso Domo de Ferro, o sistema de defesa anti-mísseis de Israel.
O Líbano e Israel estão tecnicamente em estado de guerra, e Israel lançou uma guerra devastadora contra seu vizinho do norte em 2006, matando 1.200 pessoas - entre civis e terroristas - durante um período de 34 dias. A confrontação terminou com um cessar-fogo mediado pela ONU. No mês passado, um foguete disparado contra o norte de Israel partindo do Líbano caiu em uma área aberta perto do Kibutz Matzuva, perto da fronteira, sem causar danos ou ferimentos. Em resposta, os militares israelenses bombardearam alvos no Líbano com dezenas de obuses de artilharia, e o porta-voz das FDI, Ran Kochav, disse que facções palestinas no Líbano são consideradas responsáveis.

Houve vários casos de lançamento de foguetes do Líbano para Israel nos últimos anos, com a maioria atribuída a facções palestinas no país, não ao grupo terrorista libanês Hezbollah. No entanto, é improvável que terroristas no sul do Líbano consigam disparar foguetes sem pelo menos a aprovação tácita do grupo terrorista apoiado pelo Irã, que mantém um controle rígido sobre a área.

Um posto militar das FDI na fronteira entre Israel e Líbano, 20 de julho de 2021.

Bibliografia recomendada:

segunda-feira, 14 de março de 2022

Taiwan treina reservistas em meio a preocupações com a Ucrânia

Uma tropa de reservistas do Exército participa de um treinamento de tiro em um acampamento em Nanshipu, Taiwan, em 12 de março de 2022.
(Reuters/Ann Wang)

Pelo Le Parisien com AFP, 14 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de março de 2022.

A China reivindica a ilha democrática autônoma como parte de seu território e prometeu recuperá-la um dia, à força, se necessário. Uma ameaça revivida pela invasão da Ucrânia.

Uma invasão pode esconder outra. Centenas de reservistas do exército taiwanês participaram do treinamento na segunda-feira, após um apelo à "unidade" da ilha lançado pela presidente. Taiwan teme que Pequim retome a ilha à força, temores reacendidos pela invasão russa da Ucrânia. No ano passado, Taiwan intensificou o treinamento de reservistas em meio às crescentes tensões entre Pequim e Taipei. A China reivindica a ilha democrática autônoma como parte de seu território e prometeu recuperá-la um dia, à força, se necessário.

A presidente Tsai Ing-wen discursando às tropas em uniforme no sábado, 12 de março.

Cerca de 400 reservistas participaram de exercícios de tiro na segunda-feira como parte de um programa para prepará-los para o combate. O treinamento, que começou no início de março, simula a defesa de uma praia próxima à capital Taipei. Este treinamento ocorre enquanto Taipei monitora de perto a invasão da Ucrânia pela Rússia.

No sábado (12/03), a presidente Tsai Ing-wen sublinhou a esses reservistas a necessidade da ilha estar unida para garantir sua defesa: "A situação na Ucrânia prova mais uma vez que a proteção do país, além da solidariedade e da assistência internacionais, depende da unidade do povo”, disse ela, vestida com uniforme militar e colete à prova de balas.

O General Chen Chung-chi, chefe do 6º Comando do Exército de Taiwan, destacou a importância das tropas reservistas, além dos militares profissionais: "A segurança de todo o país não depende apenas dos soldados", disse ele na segunda-feira.

 A China de olho em Taiwan

“Na Ucrânia, vemos soldados no campo de batalha e alguns homens (…) que vão para a batalha depois de terem levado suas esposas e filhos em segurança”, continuou ele. "O poder militar é limitado, mas o poder do povo é ilimitado." Um reservista, Shi Hui-bin, explicou que esse treinamento permite que ele fique preparado e atualizado com as táticas militares atuais: "Quando chegar a hora, saberei o que fazer", disse ele a repórteres após uma seção de treinamento de tiro.

O presidente chinês Xi Jinping adotou uma abordagem marcadamente mais agressiva em relação a Taipei desde a eleição de 2016 da presidente Tsai Ing-wen, que vê Taiwan como uma nação já soberana e não parte de "uma única China". Moscou está do lado de Pequim, dizendo que Taiwan é uma "parte integral" da China. No ano passado, aeronaves militares chinesas fizeram um número recorde de incursões na Zona de Identificação de Defesa Aérea de Taiwan (Air Defense Identification ZoneADIZ).

Na segunda-feira, o Ministério da Defesa Nacional de Taiwan informou a incursão de 13 aeronaves militares chinesas, incluindo 12 caças, na zona de defesa aérea, o maior número desde o início do mês. Cinquenta e seis caças chineses entraram na área em 4 de outubro, o número mais alto em um único dia, segundo dados compilados pela Agence France-Presse (AFP).


Leitura recomendada:

GALERIA: Tanques M41A3 de Taiwan em tiro de exercício20 de fevereiro de 2020.

A guerra no Estreito de Taiwan não é impensável2 de junho de 2020.

A era da lei marcial lança uma longa sombra sobre as forças armadas de Taiwan, 6 de fevereiro de 2021.

Taiwan disfarça veículos blindados como guindastes e sucatas durante manobras de guerra urbana3 de novembro de 2020.

Estado-maior taiwanês decimado por um acidente de helicóptero4 de janeiro de 2020.

FOTO: Assalto chinês na Batalha das Ilhas Yijiangshan4 de abril de 2020.

FOTO: Bateria feminina de Taiwan6 de fevereiro de 2020.

O fim da visão de longo prazo da China6 de janeiro de 2020.

O exército chinês se prepara para um combate anfíbio em uma ilha, provavelmente ao sul do Equador4 de março de 2021.

domingo, 13 de março de 2022

Morte do terceiro general russo na Ucrânia

O Major-General Andrei Kolesnikov durante uma cerimônia.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de março de 2022.

O Major-General Andrei Kolesnikov, chefe do 29º Exército do Distrito Militar Oriental do Exército Russo, foi anunciado morto na Ucrânia em 11 de março de 2022; ele tinha 45 anos, servindo no exército desde 1998. Oficiais-generais raramente são mortos em combate direto.

O 29º Exército de Armas Combinadas, uma unidade do tamanho de uma brigada dentro do Distrito Leste que inclui infantaria, elementos de artilharia e baterias antiaéreas. As unidades do Distrito Militar Oriental estão localizadas em torno do Cazaquistão, Mongólia e China, mas sabe-se que elementos do 29º Exército estavam na Bielorrússia antes da invasão.


Andrei Borisovich Kolesnikov (em russo: Андрей Борисович Колесников) nasceu em Oktyabrskoye, Oblast de Voronezh, em 6 de fevereiro de 1977.

Kolesnikov se formou em uma escola de tanques em Kazan (1999), na Academia de Armas Combinadas das Forças Armadas da Federação Russa (2008) e na Academia Militar do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia (2020). Em 2010, Kolesnikov era tenente-coronel e serviu como chefe de gabinete da 4ª Divisão de Tanques de Guardas. Ele foi promovido ao posto de major-general e nomeado, em dezembro de 2021, o comandante do 29º Exército de Armas Combinadas do Distrito Militar do Leste no Zabaykalsky Krai.

O General Kolesnikov participou da invasão russa da Ucrânia e foi morto, segundo as autoridades ucranianas, em 11 de março de 2022. Autoridades da OTAN confirmaram que um comandante russo do Distrito Militar Oriental da Rússia se tornou o terceiro general russo a ser morto nas hostilidades (depois de Andrey Sukhovetsky e Vitaly Gerasimov), mas não especificou seu nome. Fontes ocidentais disseram que cerca de 20 altos generais foram enviados para a frente ucraniana, dos quais três foram mortos.

Gerasimov, Kolesnikov e Sukhovetsky.

O Major-General Andrei Sukhovetsky e o Major-General Vitaly Gerasimov como generais russos mortos em pouco mais de uma semana na Ucrânia. Sukhovetsky e Gerasimov eram ambos membros do comando do 41º Exército de Armas Combinadas do Distrito Militar Central.

Um sniper ucraniano teria matado Sukhovetsky, vice-comandante do 41º, em 3 de março, quando o general chegou a um aeroporto contestado perto de Kiev. O presidente russo, Vladimir Putin, confirmou sua morte em um discurso.

Quatro dias depois, a inteligência ucraniana afirmou que Gerasimov havia sido morto em combates perto de Kharkiv, uma das cidades do país mais próximas da fronteira norte da Rússia e cenário de intensos combates desde os primeiros dias da invasão. O Major-General Vitaly Gerasimov era o chefe de estado-maior e primeiro vice-comandante do 41º Exército do Distrito Militar Central da Rússia. Gerasimov parece ter liderado tropas na invasão da Crimeia em 2014.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Semana crucial para o engajamento francês e europeu no Sahel

A força Takuba (foto), criada para ajudar o Mali na luta contra os jihadistas, inclui tropas de quinze países europeus.
(Thomas/COEX/AFP)

Por David Baché, RFI France, 14 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de fevereiro de 2022.

Uma reunião dos ministros das Relações Exteriores da Europa está agendada para segunda-feira, 14 de fevereiro. Precede outras grandes reuniões diplomáticas agendadas para esta semana. São esperados anúncios sobre uma provável retirada de soldados franceses e europeus engajados no Mali e sobre a evolução do sistema militar.

Os Ministros dos Negócios Estrangeiros europeus reúnem-se por vídeo-conferência na segunda-feira, 14 de fevereiro. As intensas consultas iniciadas há mais de duas semanas sobre o futuro da força Takuba, composta por quinze países voluntários, e a missão de treinamento militar da União Européia EUTM, continuarão. “Há quem queira manter uma presença no Mali para não deixar o campo aberto aos russos”, explica uma fonte diplomática, e quem quer sair por completo.

Anúncios na quarta-feira

Mas a data a recordar é quarta-feira: Emmanuel Macron convida a Paris os chefes de Estado dos países do G5 Sahel: o nigeriano Mohamed Bazoum, o chadiano Mahamat Idriss Déby e o mauritano Mohamed Ould Ghazouani. As autoridades militares de transição de Burkina, resultantes do golpe militar de 24 de janeiro, não foram convidadas. Nem aqueles, podemos especificar, do Mali.

Também são esperados os presidentes da União Africana, o senegalês Macky Sall, da CEDEAO, a ganesa Nana Akufo-Addo, do Conselho Europeu Charles Michel, e o chefe da diplomacia europeia Josep Borrell.

E é no final desta reunião que os anúncios serão feitos. Pelo presidente francês? Junto com líderes europeus e africanos? “Tudo ainda está em discussão, vai depender das decisões”, explica uma fonte diplomática francesa de alto nível, diretamente envolvida.

Partida e reorganização

Se a saída do Mali da força francesa Barkhane parece ter sido registrada, a reorganização do sistema nos países vizinhos do Sahel e sua extensão aos países do Golfo da Guiné levantam muitas questões.

Tal como o destino dos contingentes franceses e europeus integrados na Minusma, a Missão das Nações Unidas no país, ou o dos sistemas de segurança - apoio aéreo em caso de ataque - actualmente disponibilizados aos capacetes azuis mas também às forças malianas , particularmente no norte do Mali.

Finalmente, no dia seguinte, quinta-feira, será aberta em Bruxelas uma cimeira União Africana-União Europeia. Se estiver planejado há muito tempo, sobre vários assuntos, os anúncios que acabaram de ser feitos podem ser especificados lá.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2021

GALERIA: Operação anti-drogas na Venezuela


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de dezembro de 2021.

O General-em-Chefe (General en jefe, 4 estrelas) Domingo Hernández Lárez, Comandante Estratégico Operacional da FANB, postou em sua página do Twitter uma operação anti-drogas contra os chamados traficantes de droga terroristas (TANCOL), que atravessam para a Venezuela vindos da Colômbia. A postagem diz:

"Em seu desdobramento por toda a República em operações de escrutínio para manter a paz social, a FANB apreendeu 250kg de cocaína dos grupos TANCOL que pretendiam entrar em território nacional. A Venezuela é um território livre de drogas!"

 As fotos mostram os uniformes típicos da FANB, desprovidos de camuflagem, apenas com um verde oliva homogêneo, ao lado de uniformes camuflados. Os soldados usam gorros de selva - camuflados ou não - e estão armados com os fuzis AK-103 comprados da Rússia.

Cada um armado com fuzis AK-103, com uniformes camuflados e plenos.

O material capturado.

O pacote com o número 404 e a inscrição
"Da Colômbia para o mundo".

Os confrontos entre a Força Armada Nacional Bolivariana (Fuerza Armada Nacional BolivarianaFANB) e a guerrilha colombiana começaram no dia 21 de março deste ano. O estado de Apure tem sido o campo de batalha, uma área que faz fronteira com o departamento de Arauca, na Colômbia, onde está uma das principais entradas para as rotas do narcotráfico. Este conflito fez com que 5.000 pessoas migrassem da Venezuela para a Colômbia.

Em abril, a Venezuela já havia perdido 16 soldados em confrontos com os TANCOL. A situação anda piorando, com o governo central de Caracas perdendo o controle de facto de regiões de Apure.

Soldados da marinha venezuelana patrulham o rio Arauca, fronteira natural com a Colômbia, visto de Arauquita, Colômbia, sexta-feira, 26 de março de 2021.

Leitura recomendada:

A crise sem fim da Venezuela2 de outubro de 2021.

sábado, 24 de abril de 2021

A busca global de terras raras do Japão traz lições para os EUA e a Europa


Por Mary Hui, Quartz, 23 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de abril de 2021.

Em 2010, o governo japonês teve um grito de alerta: Pequim cortou abruptamente todas as exportações de terras raras para o Japão por causa de uma disputa com uma traineira de pesca. Tóquio era quase totalmente dependente da China para os metais essenciais, e o embargo expôs essa vulnerabilidade aguda.

O lado positivo desse incidente, que fez com que os preços globais das terras raras disparassem antes de despencarem com o estouro da bolha especulativa, foi que isto forçou o Japão a repensar sua política de matérias-primas críticas. Uma década depois, ele reduziu significativamente sua dependência da China para terras raras e continua a diversificar sua cadeia de suprimentos investindo em projetos em todo o mundo. Seu modelo pode ter lições para os EUA, que querem desesperadamente quebrar o monopólio das terras raras da China. As terras raras são um grupo de 17 metais essenciais na fabricação de produtos de alta tecnologia.

“O Japão experimentou o que os EUA enfrentam agora: um conflito político com a China, no qual a China parece estar disposta a explorar seu domínio no mercado [de terras raras]”, escreveu Marc Schmid, que pesquisa terras raras na Universidade Martin Luther Halle- Wittenberg. “Os EUA parecem estar em uma posição vulnerável semelhante à do Japão há cerca de uma década”.

A Tabela Periódica: Metais de terras raras.

Uma busca global liderada pelo Estado

No centro da estratégia de aquisição de terras raras do Japão está a Japan Oil, Gas and Metals National Corporation, ou Jogmec, uma empresa estatal governada pelo ministério da economia, comércio e indústria. Embora a Jogmec tenha sido criada em 2004 por meio da fusão de duas décadas de entidades de mineração de petróleo e metais, foi somente após o embargo da China que ela voltou sua atenção para as terras raras, disse Nabeel Mancheri, secretário-geral da Associação da Indústria de Terras Raras com sede em Bruxelas: “O foco partiu da crise de 2010”.

Uma das frentes-chave da estratégia da Jogmec era diversificar os suprimentos do Japão. Isso significava investir e fazer parceria com empresas de terras raras em todo o mundo, começando logo após o embargo chinês, incluindo resgatar Lynas da Austrália do colapso, a fim de construir um portfólio mais amplo de fornecedores. Também apóia esforços para reciclar terras raras, bem como pesquisas para desenvolver substitutos de terras raras. Essa estratégia foi amplamente bem-sucedida: o Japão cortou o fornecimento de terras raras da China de mais de 90% das importações para 58% em uma década, de acordo com dados da Comtrade da ONU. O objetivo é reduzir esse valor para menos de 50% até 2025.

Como a mudança global para veículos elétricos e energia renovável deve impulsionar um aumento na demanda de terras raras, o Japão deve aumentar ainda mais o financiamento para a exploração e mineração de terras raras, de acordo com o jornal de economia Nikkei. Uma consideração é levantar o limite atual de 50% no financiamento do Estado para projetos de exploração de recursos, o que poderia aliviar a carga financeira do setor privado em projetos de mineração inerentemente arriscados.

A dependência do Japão das terras raras da China.

Especialistas da indústria dizem que o exemplo do Japão ilustra a importância do investimento dirigido pelo Estado no setor de terras raras. Por meio do Jogmec, o Japão poderia direcionar fundos governamentais substanciais para apoiar diferentes projetos de mineração e garantir os direitos a uma certa quantidade de terras raras no que é conhecido como acordos de offtake (Contrato de Compra Mínima Garantida). Freqüentemente, isso significa que o Japão é capaz de bloquear uma quantidade específica de importações de terras raras durante um período de tempo designado. Isso também estabiliza o volume e o preço dos suprimentos, o que é importante para a sustentabilidade dos fabricantes descendo a cadeia que usam materiais de terras raras para produzir baterias e ímãs que vão para coisas como veículos elétricos e turbinas eólicas.

Por exemplo, a Jogmec e a principal empresa de comércio japonesa Sojitz investiram US$ 250 milhões na Lynas em 2011 em troca de um suprimento constante de terras raras. Os termos do empréstimo foram reestruturados em 2016 para evitar que a doente Lynas quebrasse, e reestruturados novamente em 2019 para garantir que o Japão receba "abastecimento prioritário" de suas terras raras até 2038.

Em outro lugar, a Jogmec recentemente aprofundou seu investimento em uma joint venture com a Namíbia Critical Metals, sediada no Canadá, no projeto de mineração de terras raras Lofdal, na Namíbia. A Jogmec já investiu milhões para financiar a exploração e o desenvolvimento de Lofdal e pode despejar (em pdf) outros US$ 10 milhões. O projeto Lofdal tem um significado especial porque é rico em terras raras pesadas.

Terras raras “leves” e “pesadas” referem-se ao seu número atômico. Lynas está mais focada no primeiro, enquanto a China atualmente domina o fornecimento global do último. O ímã permanente de terras raras mais amplamente usado, neodímio-ferro-boro ou NdFeB, usa o neodímio e paseodímio de terras raras leves. Adicionar uma terra rara pesada como disprósio e às vezes térbio torna o ímã mais estável em temperatura e adequado para uso em turbinas eólicas offshore, onde os custos de manutenção são altos.

Uma razão pela qual os EUA e a Europa não têm sido tão ativos no fornecimento de apoio estatal significativo ao setor de terras raras é que esses governos simplesmente não estão preparados para a tarefa, disse Kotaro Shimizu, analista-chefe da Mitsubishi UFJ Research and Consulting. Embora o US Geological Survey trabalhe em questões de terras raras, é fundamentalmente uma organização de pesquisa e não tem uma função de financiamento, disse ele. Da mesma forma, a Comissão Européia tem um conselho de inovação, mas também está centrado na pesquisa e não no financiamento.

Por enquanto, o financiamento federal americano mais recente para projetos de terras raras veio do departamento de defesa. Enquanto isso, um corpo modelado com base no Jogmec foi realmente proposto pela Comissão Européia em 2015, embora a idéia ainda não tenha tomado forma.

Lições do Japão para os EUA e Europa

Enquanto os EUA e a Europa buscam proteger suas cadeias de abastecimento de terras raras e limitar a dependência da China, o modelo do Japão pode oferecer alguma orientação.

Uma diferença importante é que, embora o Japão seja escasso em recursos minerais, os Estados Unidos e a Europa têm reservas consideráveis de terras raras. O problema, no caso dos EUA, é que eles cederam suas capacidades de mineração e processamento para a China nas últimas décadas e agora devem reconstruir a indústria em um momento em que a China já está profundamente enraizada nas cadeias globais de abastecimento de terras raras.

“O Japão e a Austrália definitivamente lideraram o caminho em termos de como o governo dos EUA deve abordar [garantir o fornecimento de terras raras]”, mas “não é necessariamente um trabalho de cortar e colar” para Washington em termos de emulação de políticas específicas, disse Pini Althaus, CEO da USA Rare Earth, que está desenvolvendo uma mina no Texas e estabelecendo uma unidade de processamento doméstico no Colorado. Espera ir a público em uma listagem de Nova York este ano.

Reserva de terras raras por país.

Por exemplo, os EUA poderiam usar a legislação federal existente para aumentar seu estoque de defesa nacional de terras raras, comprometendo-se a comprar terras raras de produtores domésticos durante um certo número de anos e dentro de uma certa faixa de preço, explicou Dan McGroarty, membro do conselho consultivo dos EUA Rare Earth.

Isso seria, na verdade, um acordo de venda muito parecido com os da Jogmec com vários produtores de terras raras. E o governo americano, ao se comprometer a comprar de um determinado produtor doméstico, enviaria um forte sinal aos mercados de capitais, disse McGroarty. Isso também evitaria “escolher vencedores e perdedores”, o que implicaria em subvenções federais diretas a empresas específicas, possivelmente às custas de afastar o capital privado de outras empresas.

Os especialistas também alertam que as minas de terras raras representam apenas a parte a montante da cadeia de abastecimento preocupada em extrair os minérios do solo. Processar esses minérios em metais de terras raras de alta pureza e, em seguida, usá-los para fabricar ímãs e baterias é igualmente crucial.

“Cem novas minas podem ser abertas ao redor do mundo com generoso apoio público, mas sem investir em processamento e fabricação de valor agregado, o resto do mundo continuará a depender da China para terras raras refinadas e tecnologias de manufatura de terras raras”, disse Julie Klinger, professora assistente de geografia na Universidade de Delaware.

Deixando de lado os detalhes das políticas de aquisição de terras raras, há uma conclusão importante do sucesso relativo do Japão, disse Mancheri da Rare Earth Industry Association: “É que agora, para ter sua própria cadeia de valor, o apoio do governo é necessário. O mercado não pode trazer de volta a indústria que você perdeu.”

Mary Hui é uma repórter que mora em Hong Kong, onde cobre geopolítica, tecnologia e negócios. Anteriormente, ela trabalhou como jornalista freelancer, cobrindo questões políticas, socioeconômicas, culturais e urbanas.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

sábado, 27 de fevereiro de 2021

Mulhouse: dois homens sob custódia por terem incendiado um carro da polícia

Um carro da polícia em chamas, sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021, em Mulhouse. (Captura de tela de vídeo/ Twitter).

Por Guillaume Poingt, Le Figaro, 27 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2021.

Os fatos ocorreram na tarde de sexta-feira (26/02), próximo a uma delegacia. Duas pessoas foram presas e levadas sob custódia.

Sexta-feira à tarde, por volta das 16h, dois indivíduos atearam fogo a um carro da polícia estacionado em frente a uma delegacia de Mulhouse, no distrito de Coteaux, o Le Figaro foi informado por uma fonte policial. A investigação iniciada na delegacia de polícia possibilitou a prisão dos dois homens na noite de sexta-feira, que foram colocados sob custódia policial no sábado, 27 de fevereiro, informou a AFP.

Em um vídeo postado nas redes sociais, duas pessoas, vestidas de preto e com capuz, podem ser vistas se aproximando do veículo. Uma explosão soa e o veículo é envolto literalmente em chamas.

“Os indivíduos provavelmente usaram um coquetel molotov”, indica uma fonte policial. Os dois homens quebraram a janela de um veículo blindado pela polícia e incendiaram-no ao depositar um coquetel molotov na cabine vazia, confirma a AFP, citando fontes da polícia e sindicatos. A motivação para esse ato, que não gerou feridos, era do conhecimento da polícia, segundo fonte próxima ao processo citada pela AFP.

No Twitter, o prefeito de Haut-Rhin Louis Laugier "condenou veementemente esse ato escandaloso" e trouxe "todo o seu apoio à polícia".

 Em nota, o sindicato Alliance Police Nationale Grand Est denunciou "a impunidade de certos bandidos que não hesitam nem um segundo em vir e desafiar a polícia com uma arma classificada por lei como 'material de guerra'". O sindicato pediu "apoio inabalável da instituição judicial, que deve fornecer uma resposta penal firme em face a tais atos".

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

França: A longa sombra dos ataques terroristas de Saint-Michel2 de setembro de 2020.

Guerras e terrorismo: não se deve errar o alvo22 de novembro de 2020.

Terrorismo: Ataque ao prédio antigo do Charlie Hebdo28 de setembro de 2020.

Um professor francês foi decapitado por um terrorista muçulmano em plena rua16 de outubro de 2020.

FOTO: Polícia austríaca na rua após o ataque terrorista em Viena5 de novembro de 2020.

Ataque com faca na Suíça - não se descarta motivações terroristas24 de novembro de 2020.

Normandia: O GIGN formaliza sua chegada em Caen5 de fevereiro de 2021.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Motins em prisões no Equador matam dezenas de presidiários

Fuzileiros Navais equatoriannos guardam a prisão de Guayaquil, no Equador. Motins em três prisões deixaram dezenas de presos mostos no dia 23 de fevereiro de 2021. (Marcos Pin Mendez / AFP)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de fevereiro de 2021.

Motins em três prisões no Equador deixaram pelo menos 62 presos mortos e vários feridos nesta terça-feira, 23 de fevereiro, conforme informaram autoridades equatorianas, em razão da violência entre gangues rivais. A polícia nacional disse no Twitter que o número de mortos chega a "mais de 50" prisioneiros após distúrbios em instalações nas cidades de Guayaquil, Cuenca e Latacunga; nas províncias de Guayas, Azuay e Cotopaxi, respectivamente.

A mídia local informou que prisioneiros foram mortos em ataques com armas e facas. “Esses eram dois grupos que disputavam a liderança criminosa dentro dos centros de detenção”, disse Edmundo Moncayo, diretor da agência penitenciária do Equador. Moncayo disse que pelo menos 62 mortes foram registradas até agora.

As autoridades conseguiram “controlar e restaurar a ordem nos centros de detenção” com a ajuda de mais 800 policiais, acrescentou. No início da terça-feira, o comandante-geral da polícia Patricio Carrillo disse no Twitter que os distúrbios envolveram prisioneiros de alta segurança. “Todas as prisões no momento têm restrições e controles em vigor”, escreveu Carrillo.

 O presidente do Equador, Lenin Moreno, também no Twitter, atribuiu os distúrbios a "organizações criminosas" envolvidas em "atos simultâneos de violência em várias prisões". As autoridades, disse ele, "estão agindo para retomar o controle". Os distúrbios irromperam na segunda-feira à noite (22/02), depois que prisioneiros fizeram os guardas da prisão de reféns. A mídia local informou que várias ambulâncias foram vistas deixando as prisões.

Exterior da Zona 8 do Centro de Privação de Liberdade em Guayaquil, Equador. (Marcos Pin Mendez / AFP)

Ele disse que a polícia, em coordenação com o ministro do Governo Patricio Pazmino Castillo, está trabalhando para retomar o controle das prisões. O governo disse que alguns policiais ficaram feridos, sem dar mais detalhes. Funcionários da prisão conseguiram evacuar durante os distúrbios. Motins e disputas nas prisões entre gangues rivais ocorrem com frequência no Equador. Cinco presidiários foram mortos em uma briga em uma prisão em Latacunga em dezembro. Outros tumultos no mesmo mês elevaram esse número para 11 prisioneiros mortos e sete feridos.

Quando a notícia dos distúrbios foi tornada pública, dezenas de parentes de prisioneiros se reuniram fora das instalações para obter mais informações sobre o que estava acontecendo, disse a mídia local. Imagens e vídeos que circulam nas redes sociais mostram presidiários reunidos no telhado de uma prisão com policiais em motocicletas e carros-patrulha ao redor do prédio.

O comandante da polícia Patricio Carrillo relatou agitação em várias prisões no país sul-americano e disse que "a situação é crítica". O ministro do Interior, Patricio Pazmino, por sua vez, twittou que um posto de comando centralizado foi criado para responder ao que ele disse ser "uma ação concertada de organizações criminosas para gerar violência em centros penitenciários".

O estado de emergência de 90 dias nas prisões do país, ordenado por Moreno para controlar grupos da "máfia" em uma tentativa de reduzir a violência, fora suspenso em novembro. A fim de reduzir o número de prisioneiros em meio à epidemia de coronavírus, o governo comutou as sentenças de pessoas condenadas por delitos menores, reduzindo a superlotação de 42% para 30%. Existem cerca de 38.000 presidiários no Equador, um país de 17 milhões de habitantes. As disputas entre presidiários deixaram 51 mortos em 2020, de acordo com a polícia.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

terça-feira, 22 de dezembro de 2020

Mais de 70 cadetes de West Point foram acusados de trapacear em exame


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 22 de dezembro de 2020.

Segundo noticiado pela Associated Press, mais de 70 cadetes em treinamento na Academia Militar de West Point, formadora dos futuros oficiais do exército americano, foram acusados de trapacear em um exame de matemática feito online quando estudavam remotamente por causa da pandemia do coronavírus.

O Tenente-Coronel Christopher Ophardt, porta-voz da academia, afirmou hoje (22/12) que 73 cadetes foram acusados de trapacear no exame de cálculo em maio de 2020, depois que os instrutores notaram irregularidades nas respostas. Todos, exceto um, eram calouros, ou "plebes" (plebeus), em uma classe de 1.200 alunos. O outro era um estudante do segundo ano.

“O código de honra de West Point e o programa de desenvolvimento de caráter permanecem fortes, apesar do aprendizado remoto e dos desafios trazidos pela pandemia”, disse Ophardt. “Os cadetes estão sendo responsabilizados por quebrarem o código.”

Depois de uma investigação por um comitê de honra formado por cadetes treinados, dois casos foram arquivados por falta de provas e quatro foram arquivados porque os cadetes renunciaram, disse Ophardt. Dos 67 casos restantes, 55 cadetes admitiram trapacear e foram matriculados em um programa de reabilitação de seis meses com foco na ética. Eles ficarão em liberdade condicional pelo resto do tempo na academia. Mais três cadetes admitiram trapacear, mas não foram elegíveis para o programa de reabilitação.

Os cadetes restantes acusados de trapacear enfrentam audiências administrativas para determinar se violaram o código de honra e recomendar penalidades, que podem incluir expulsão.


O escândalo de trapaça é o maior em West Point desde 1976, quando 153 cadetes renunciaram ou foram expulsos por trapacearem em um exame de engenharia elétrica. O caso de 1976 é considerado mais sério, disse Ophardt, porque foram os veteranos que planejaram, colaboraram e executaram a trapaça. “Todo o sistema quebrou”, disse Ophardt.

No escândalo de trapaça de 1976, o secretário do Exército nomeou uma comissão seleta chefiada pelo ex-astronauta Frank Borman para revisar o caso e mais de 90 dos pegos trapaceando foram reintegrados e autorizados a se formarem, disse Ophardt.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Caça F-35A faz o primeiro lançamento de uma bomba nuclear de teste B-61-12

Por Carlos Junior
Em 25 de agosto de 2020, um caça de 5º geração F-35A Lightining II da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) fez o primeiro lançamento da nova bomba nuclear B-61-12 durante uma demonstração de lançamento em voo supersônico. A arma foi lançada de dentro do compartimento interno do avião em um local de testes no Estado de Nevada e demonstrando a capacidade de ataque nuclear em configuração stealth e em velocidade supersônica do F-35A. A bomba B-61-12 possui uma ogiva de 50 quilotons (a bomba que explodiu em Hiroshima tinha 15 quilotons) e uma margem de erro de 30 metros, o que representa uma melhoria muito importante sobre as bombas de queda livre anteriores cuja margem de erro circular estava em trono de 150 metros.

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

"CÃES ROBÔS" vão incrementar a segurança da base aérea de Tyndall

Ghost Robotics V-60
Por Carlos Junior.
A empresa Ghost Robotics, em conjunto com os responsáveis pela segurança do 325º esquadrão, da base aérea de Tyndall, Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) trabalharam para o desenvolvimento de um robô sobre 4 pernas que operará de forma semi autônoma para apoiar as missões de patrulhamento e reconhecimento da base. Os modelos V-60 já demonstrados dos robôs serviram de base para este desenvolvimento.
É importante esclarecer que estes robos não substituirão os soldados e cães empregados nessa atividade de segurança. Esta tecnologia irá apenas incrementar a capacidade de vigilância da base.
Caça F-22A raptor do 325º esquadrão operado na base aérea de Tyndall, Estado da Florida.