Mostrando postagens com marcador FAL. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador FAL. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

A Venezuela acusou a Colômbia de intrusão em seu espaço aéreo com um drone Hermes


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 22 de setembro de 2021.

Hoje, 22 de setembro, as forças armadas da Venezuela (oficialmente Fuerza Armada Nacional Bolivariana, FANB) afirmaram que ontem (21/09) um drone Hermes da Colômbia violou o espaço aéreo venezuelano na província de Zula. 



Comunicado oficial da Força Armada Nacional Bolivariana

A Força Armada Nacional Bolivariana denuncia a flagrante violação do espaço aéreo venezuelano por uma aeronave remotamente tripulada (drone), tipo Hermes, pertencente à Força Aérea Colombiana, fato ocorrido ontem, segunda-feira, 20 de setembro, às 16:48 horário legal da Venezuela.

A referida aeronave foi detectada pelos sistemas de exploração do nosso Comando Integral de Defesa Aeroespacial, sobrevoando o território do município de Jesús María Semprúm, estado de Zulia, na Região de Informação de Vôo Maiquetía (FIR) nas coordenadas 09º04'50″N - 72º53'52″O, 64 milhas náuticas a noroeste do aeroporto “Francisco García de Hevia” localizado em La Fría, estado de Táchira, a 8 mil pés de altitude, velocidade de 90 nós e rumo 318, vindo da FIR de Bogotá sem a devida autorização de sobrevôo ou apresentar o plano correspondente para entrar na República Bolivariana da Venezuela.

Este acontecimento constitui uma gritante ameaça à segurança do país por se tratar de um sistema militar utilizado para missões de reconhecimento aéreo, que com toda certeza não foi involuntário ou acidental, já que coincide com a presença na Colômbia do Almirante Crayg Faller, chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, em sua segunda visita este ano ao território neo-granadino, supostamente para discutir assuntos de "cooperação em questões de segurança".

Sem dúvida, estamos dando claros indícios de um estratagema do império norte-americano e do governo colombiano, seu indigno e incondicional aliado na região, para construir alguns de seus conhecidos falsos positivos ou qualquer tipo de incidente que permita continuar gerando instabilidade , e de maneira particular, torpedear o processo de diálogo que está ocorrendo atualmente no México, em busca de soluções para os problemas do país, da paz e da unidade de todo o povo venezuelano.

Não cairemos nas repetidas e grosseiras provocações de uma oligarquia criminosa e do decadente império que a patrocina, que se tornaram um anacronismo sem a mínima credibilidade no contexto das nações. Mas em estrito cumprimento das diretrizes estratégicas ensinadas pelo cidadão Nicolás Maduro Moros, Presidente Constitucional da República Bolivariana da Venezuela, nosso Comandante-em-Chefe, permaneceremos vigilantes, monitorando constantemente todo o espaço geográfico venezuelano, a fim de garantir sua integridade , bem como nossa liberdade, soberania e independência.

Chávez vive... a Pátria continua!

Independência e Pátria Socialista... Vamos viver e vencer!

Independência ou nada!

Sempre leais... Nunca traidores!

Nasce o Sol da Venezuela no Essequibo!

Caracas, 21 de setembro de 2021

VLADIMIR PADRINO LÓPEZ

General-em-Chefe

Comando Sul dos Estados Unidos (United States Southern Command, US SOUTHCOM) referido pelo comunicado venezuelano é o comando americano responsável pela América Latina. Seu quartel-general está localizado em Doral, na Flórida. O governo venezuelano frequentemente usa o fantasma do "imperialismo estadunidense" como ferramenta de união popular ao redor do regime. A Colômbia, além de um adversário tradicional de Caracas, é também o maior aliado americano no continente sul-americano, o que mata dois coelhos com uma cajadada só. Um dos exemplos dessa amizade é justamente que o governo colombiano condecorou o Comando Sul dos EUA com a Ordem de San Carlos, uma alta comenda por serviço excepcional à Colômbia.

 Almirante Crayg Faller e o distintivo do Comando Sul dos Estados Unidos.

Com uma tal amizade aberta, o governo bolivariano pode simplesmente ocupar a mídia nacional (controlada pelo governo) com ataques aos colombianos, alegando que o governo de Bogotá está iniciando uma agressão imperialista retrógrada contra o progresso da revolução socialista bolivariana da Venezuela. Dessa forma, o governo bolivariano justifica a escassez de bens, o fracasso econômico do país, a violência e criminalidade etc.

O diálogo no México mencionado pelo comunicado é uma sessão de reuniões na Cidade do México incluindo a oposição venezuelana. Em agosto, o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, libertou Freddy Guevara, um líder da oposição que estava preso há mais de um mês, para que ele possa atuar como um negociador nas negociações políticas programadas para começar em setembro desse ano na capital mexicana. Um importante aliado de Juan Guaido, Guevara foi libertado na noite de domingo da sede da unidade de inteligência policial conhecida como Sebin em Caracas. Ele deve representar Guaido quando delegados do governo e da oposição se reunirem na Cidade do México.

Freddy Guevara fala durante uma sessão da Assembleia Nacional em Caracas, em 19 de novembro de 2020.

Os militares colombianos, por sua vez, lançaram uma nota dizendo que estavam operando na área, mas que seu drone operava dentro do espaço aéreo colombiano. Esse último incidente na fronteira entre os dois países aumenta a suspeita de que há uma base das FARC em Zula, e tanto a operação quanto a acusação venezuelana podem indicar que realmente há uma base narco-guerrilheira ali. Assim como no comunicado venezuelano, os colombianos também providenciaram as coordenadas da ação, dado que a região selvática é de difícil navegação de outra forma.

Comunicado da Força Aérea Colombiana.

Comunicado Nº 007

Em referência à declaração hoje emitida pelo Ministro da Defesa da Venezuela, a Força Aérea Colombiana está autorizada a informar ao público que, no exercício legítimo de suas funções, na segunda-feira, 20 de setembro de 2021, às 16:48 horas, realizou missão de reconhecimento aéreo com aeronave não-tripulada, sobrevoando o espaço aéreo colombiano na área do município de Tibú, Norte de Santander.

De fato, as coordenadas 09º04'50”N - 72º53'52”O referidas no comunicado venezuelano, correspondem ao território colombiano.

Autor

Imprensa da Força Aérea Colombiana

O recente incidente vem na rabeira de mais um outro escândalo venezuelano, com uma lista de oficiais da inteligência naval da Armada Bolivariana sendo vazada na internet dez dias atrás (12/09). Foram 262 arquivos pessoais da marinha e, conforme foi noticiado, era pessoal de contra-inteligência visando a Colômbia - o que novamente levou às acusações de costume. 

Em 17 de agosto desse ano, Jorge Nobrega, um empresário americano foi acusado de violações de sanções e lavagem de dinheiro por ajudar em reparos de aeronaves militares da Venezuela, de acordo com uma queixa apresentada ao Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Sul da Flórida. Nobrega, presidente-executivo da Achabal Technologies Inc, com sede em Miami, foi então preso e compareceu ao tribunal de Miami na semana seguinte. O regime adquiriu um vasto arsenal comprado da Rússia e da China, e vem tendo problemas em manter a frota funcionando. O Irã vem fornecendo petróleo, mas a China está tomando caminhos contrários aos interesses da indústria petrolífera da Venezuela.

Recentemente, o governo da Espanha repotencializou a frota de carros de combate AMX-30B2, de procedência francesa, apesar das sanções impostas a Caracas. Os tanques desfilaram na celebração da Batalha de Carabobo em 5 de julho desse ano.

Um caça à jato Sukhoi Su-30MKV, de fabricação russa da Força Aérea da Venezuela, voa sobre uma bandeira venezuelana amarrada a lançadores de mísseis, durante o exercício militar "Escudo Soberano 2015" em San Carlos del Meta, no estado de Apure, em 15 de abril de 2015.

A morte de um mito: O General en jefe Jacinto Perez Arcay

O General-em-chefe Jacinto Perez Arcay sendo cumprimentado pelo presidente Nicolás Maduro.

Entre os vários tropeços do regime, há também a ação do mero acaso: nesta segunda-feira, dia 20 de setembro de 2021, faleceu o General en jefe Jacinto Perez Arcay, um conselheiro de longa data do presidente Maduro. Este último repetiu o grito de Che Guevara na sua mensagem de despedida ao Gal. Perez Arcay - ¡Hasta la Victoria Siempre!

Com 86 anos, o velho general era o militar da ativa com maior antiguidade na FANB, e sua convalescência foi um evento nacional na Venezuela. Outros generais famosos também morreram de COVID-19, como o General Pacepa, famoso por seus escritos sobre a espionagem soviética e romena, e o General Lam Quang Thi, famoso por seus escritos sobre a Guerra da Indochina e sobre o Exército da República do Vietnã (Vietnã do Sul).

No sistema venezuelano, os oficiais-generais do exército são General en jefe (G/J, 4 estrelas), Mayor general (M/G, 3 estrelas), General de division (G/D, 2 estrelas) e General de brigada (G/B, 1 estrela). O General-em-Chefe Jacinto Perez Arcay foi velado em uma procissão fúnebre, carregado por cadetes em uniformes tradicionais, incluindo o famoso Pickelhaube prussiano.



A morte do general é um verdadeiro caso de luto nacional, pois a militarização da Venezuela segue o típico padrão de engajamento total dos governos socialistas. O Gal. Jacinto Perez Arcay era basicamente onipresente nas várias manifestações públicas cívico-militares e era visto como um símbolo nacional e revolucionário. Em 2016, ele foi entrevistado pela jornalista Érika Ortega Sanoja para o jornal Actualidad RT.

Na entrevista, o velho general defende o socialismo cristão e menciona as figuras históricas venezuelanas Simón Bolívar e General Marcos Pérez Jiménez, além de elogiar o ex-ditador Coronel Hugo Chavez - de quem o General Arcay também foi mentor: “Amei Hugo Chávez como um filho e sinto que, em termos geopolíticos, sou o primeiro responsável por sua vida e sua morte” (5:32).


Arcay se formou na Academia Militar em 1956, com especialização na arma de artilharia. Formou-se em história e geografia pela Universidade Católica Andrés Bello. Ele participou do levante do Coronel Enrique Hugo Trejo em 1º de janeiro de 1958 contra o presidente-ditador General Pérez Jiménez. Ficou conhecido por dar aulas ao ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez, na Academia Militar, onde lhe incutiu os pensamentos de Ezequiel Zamora e Simón Bolívar. Arcay foi reconvocado ao serviço ativo em 2007.

Em 15 de fevereiro de 2012, foi promovido por Chávez de General de Divisão do Exército a Major-General da FANB. Ele foi considerado um assessor de Chávez em questões históricas, políticas e militares. Em 2016 foi premiado com a distinção "El Gran Cordón de Caracas", e foi Chefe do Estado-Maior Geral do Comandante-em-Chefe da FANB, o mais alto general venezuelano, designado como tal pelo Presidente Nicolás Maduro em 11 de julho de 2019.

Exemplar do livro "La Guerra Federal" com dedicatória do G/J Arcay a José Sant Roz, autor do livro "Bolívar y Santander - dos visiones contrapuestas".

O General Jacinto Perez Arcay escreveu os livros El Fuego Sagrado, Bolívar hoy (O Fogo Sagrado, Bolívar hoje, 1974), La Guerra Federal: Consecuencias (A Guerra Federal: Consequências, 1974) e Hugo Chávez, alma de la revolución en Cristo y en Bolívar (Hugo Chávez, alma da revolução em Cristo e em Bolívar, 2013).

Funeral na Academia Militar.

Os ritos fúnebres foram televisionados para todo o país em sua integralidade pelos canais estatais venezuelanos, ocorridos na Academia Militar em meio aos cadetes e ao presidente Maduro.


A perda de um tal símbolo revolucionário, ainda mais mediante tamanhos óbices e fracassos da revolução bolivariana, acabaria por levar o governo de Caracas a tentar mostrar firmeza e começar a criar pretextos para demonstrações de força. A ideia de uma Venezuela progressista, permanecendo unida sob o cerco "imperialista ianque", já é uma situação normal na rotina política da república bolivariana. A desastrada aventura de forças especiais americanas e mercenários em agosto do ano passado já deram voz à propaganda (além de legitimidade aos olhos da população comum). Agora, diante de negociações no México com a presença da oposição e sob pesado escrutínio internacional, a tendência é uma vocalização cada vez mais alta da Venezuela.

Milicianos bolivarianos com o fuzil FAL.
O grande número de paramilitares é uma forma de engajar a população na luta ideológica.

Leitura recomendada:


quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

GALERIA: Armas do golpe militar na Venezuela em 1958

Tanques do exército durante o golpe militar em 23 de janeiro de 1958.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 9 de fevereiro de 2021.

O golpe de estado venezuelano de 1958 ocorreu em 23 de janeiro de 1958, quando o ditador General Marcos Pérez Jiménez foi derrubado, reestabelecendo a democracia no país. Um governo de transição primeiro sob o Almirante Wolfgang Larrazábal e depois Edgar Sanabria foi estabelecido até as eleições de dezembro de 1958, onde o candidato da Ação Democrática, Rómulo Betancourt, foi eleito e assumiu o cargo em 13 de fevereiro de 1959.

Na madrugada do dia 23 de janeiro, apesar de contar com o apoio de um importante setor das Forças Armadas, Pérez Jiménez decidiu abandonar o Palácio de Miraflores e se deslocar para o aeroporto La Carlota, localizado na cidade de Caracas, para embarcar em um avião para o República Dominicana. Com a notícia da derrubada, a população saiu às ruas, saqueando as casas dos partidários do regime, atacando a sede da Segurança Nacional e linchando funcionários.

Também foi destruída a sede do jornal governamental El Heraldo. Além disso, em poucas horas o Palácio de Miraflores tornou-se o ponto de encontro dos rebeldes e de muitos líderes políticos, que procederam à nomeação de uma Junta de Governo Provisório que substituiu o regime deposto. O Conselho constituiu o Almirante Wolfgang Larrazábal, Comandante-Geral da Marinha, como presidente junto com os coronéis Luis Carlos Araque, Pedro José Quevedo, Roberto Casanova e Abel Romero Villate. Na madrugada de 23 de janeiro, os venezuelanos celebraram a queda de Pérez Jiménez, protestando contra a presença de membros do perejimenismo do Conselho de Administração, incluindo Romero Casanova Villate, que acabou sendo forçado a renunciar e posteriormente substituído em 24 de janeiro pelos empresários Eugenio Mendoza e Blas Lamberti.

Jipes e blindados nas ruas de Caracas em 23 de janeiro de 1958.

O General Pérez Jiménez fora o 6º ditador latino-americano deposto ou assassinado em menos de seis anos em 1958.

Um dos bairros de Caracas, Barrio 23 de Enero (Bairro 23 de Janeiro), é nomeado em homenagem ao evento.

Para facilitar o trabalho do Conselho Diretor e o restabelecimento da democracia na Venezuela, foi criado um gabinete provisório, composto por advogados, empresários e executivos e pelo Coronel Jesús María Castro León, do Ministério da Defesa. Posteriormente, o Conselho Diretor convocou eleições para dezembro daquele ano, libertou presos políticos em todo o país, ampliou o Conselho Patriótico com representantes de setores independentes, nomeando o jornalista Fabrício Ojeda como presidente.

Também deu início ao processo de punição dos exilados jimenistas que retornavam.

Um exército bem armado

General Marcos Evangelista Pérez Jiménez.
Entre outras coisas, Jiménez usou o petróleo da Venezuela para financiar um exército muito bem equipado, e o país foi um dos primeiros a adotar os fuzis FN49 e FAL.

A Venezuela fez uma encomenda de 5.000 fuzis FAL fabricados pela FN em 1954, no calibre 7x49,15mm Optimum 2; este 7x49mm, também conhecido como 7mm Liviano ou 7mm venezuelano, é essencialmente um cartucho 7x57mm encurtado para comprimento intermediário e mais perto de ser uma verdadeira munição intermediária do que o 7,62x51mm OTAN.

Este calibre incomum foi desenvolvido em conjunto por engenheiros venezuelanos e belgas motivados por um movimento global em direção aos calibres intermediários. Os venezuelanos, que usavam exclusivamente a munição 7x57mm em suas armas leves e médias desde a virada do século XX, sentiram que era uma plataforma perfeita para basear um calibre feito sob medida para os rigores particulares do terreno venezuelano. Eventualmente, o plano foi abandonado, apesar de ter encomendado milhões de munições e milhares de armas deste calibre. Com a escalada da Guerra Fria, o comando militar sentiu que era necessário alinhar-se com a OTAN por motivos geopolíticos, apesar de não ser um membro, resultando na adoção do cartucho 7,62x51mm OTAN. Os 5.000 fuzis do primeiro lote foram recalibrados em 7,62x51mm.

O FAL e FAP venezuelanos do modelo 7mm Liviano.

Pacote de munição 7mm Liviano.

Silhueta de um soldado venezuelano com o FAL 7mm. (Forgotten Weapons)

O mesmo soldado mais visível enquanto pega uma carona em um blindado. (Forgotten Weapons)

Soldados venezuelanos em posição com o FAL 7mm e o FN BAR Modelo D.
O quebra-chama distinto do FAL venezuelano é visível próximo ao carregador do BAR.
(Forgotten Weapons)

Esse primeiro modelo de FAL venezuelano em 7mm também era equipado com um quebra-chama de três pontas distinto. Em 1961, um segundo lote de fuzis FAL foi encomendado no calibre 7,62mm OTAN, e as armas existentes também foram convertidas para esse calibre, com o FAL de 7mm existindo apenas brevemente, de 1954 a 1961, com a sua única ação real na Venezuela no golpe de 1958.

Um outro exemplo foi na Revolução Cubana. Ao marchar vitoriosamente em Havana em 1959, Fidel Castro carregava um FN FAL venezuelano em 7mm Liviano.

A Venezuela foi o primeiro país a encomendar o FN49, com um lote de 4.000 fuzis em 1948 e outro de 4.000 em 1951. Estes foram calibrados no cartucho 7x57mm Mauser, que fora a munição padrão na Venezuela por muitos anos. Essas armas serviram ao lado de fuzis de ferrolho FN 24/30 Mauser de mesmo calibre 7mm Mauser.

Soldados venezuelanos com fuzis FN 24/30 Mauser e FN49 em 7mm Mauser.
(Forgotten Weapons)

Tropas armadas com fuzis FN 24/30 Mauser em 7mm Mauser em meio à população.
(Forgotten Weapons)

Soldados com a baioneta longa do fuzil FN 24/30 Mauser.

Outra arma rara que tomou parte no golpe foi a submetralhadora francesa Hotchkiss Universal, que é dobrável. A Venezuela é um dos poucos países que comprou essa arma. Dois militares são vistos com a Hotchkiss Universal atrás de um oficial empunhando um microfone.

A coronha distinta de um Hotchkiss Universal aparece na extrema esquerda. O oficial atrás do homem com o microfone também está segurando uma Universal pelo cano. Um guarda-costas com uma submetralhadora M1A1 Thompson está em pé no fundo. (Forgotten Weapons)

Os mesmos homens tomando posições na varando pouco depois. As submetralhadoras Hotchkiss Universal e M1A1 Thompson estão claramente visíveis. (Forgotten Weapons)

Dobragem da Hotckiss Universal

O canal Forgotten Weapons fez um vídeo demonstrando esse sistema de dobragem da submetralhadora Hotchkiss Universal.

Legado

Pérez Jiménez se recusou a resistir o golpe. Quando incitado a bombardear com artilharia a academia militar sublevada, Pérez respondeu "eu não mato cadetes". O ex-ditador se exilou na República Dominicana de Trujillo e depois em Miami, nos Estados Unidos. Ele depois se mudaria para a Espanha de Franco, morrendo em Alcobendas, no distrito de Madri, aos 87 anos em 20 de setembro de 2001. 

Pérez Jiménez (mais conhecido como "P.J.") é considerado um dos melhores presidentes que a Venezuela já teve. Seu sucessor, Rómulo Betancourt, continuou seus projetos nacionais e crescimento do poder de compra dos venezuelanos. Betancourt permaneceu alinhado aos Estados Unidos e foi alvo de um atentado à bomba por terroristas comunistas em 1960.

Soldado armado com o primeiro modelo do FAL venezuelano vigiando a limusine do presidente Rómulo Ernesto Betancourt Bello, danificada por uma bomba em 1960.
(Daniel/ Forgotten Weapons)

O General Pérez Jiménez iniciou sua carreira militar em 1931, quando ingressou no Colégio Militar da Venezuela, graduando-se como Segundo Tenente em 1933, com as melhores notas de sua turma, sem ter ultrapassado sua média na história da Academia Militar da Venezuela. Em 1941 fez cursos de especialização na Escola Militar de Chorrillos, em Lima, Peru, junto com o ex-Ministro do Desenvolvimento e Obras Públicas, General de Brigada José del Carmen Cabrejo Mejía durante o governo militar do General Manuel A. Odria, sendo promovido a capitão ao retornar à Venezuela.

Pérez Jiménez fez uso do aumento do preço do petróleo para iniciar e concluir muitos projetos de obras públicas, incluindo estradas, pontes, prédios governamentais e moradias públicas, bem como o rápido desenvolvimento de indústrias como hidroeletricidade, mineração e aço. A economia da Venezuela desenvolveu-se rapidamente enquanto Jiménez estava no poder, com a inflação controlada entre 0,84% a 1,67%.

Um dos mais ousados projetos de Jiménez foi o Plano Ferroviário Nacional, que uniria quase todo o território nacional venezuelano pela malha ferroviária, solucionando assim um dos principais problemas dos países subdesenvolvidos: a integração territorial. Apenas a primeira etapa foi realizada - a união de Puerto Cabello com Barquisimeto - e a segunda foi cancelada por Betancourt.

Outra frente foi a criação de grandes blocos urbanos, com enormes conjuntos habitacionais públicos e o simbólico Humboldt Hotel & Tramway com vista para Caracas. A Venezuela, nessa época, era chamada de "A Jóia da América do Sul", e os venezuelanos tiveram a maior renda per capita sul-americana até a década de 1980.

O esforço modernizante de Jiménez também incentivou a imigração européia à Venezuela, fazendo uso do nível de instrução e cultural dos novos imigrantes para o desenvolvimento imediato da sociedade venezuelana.

A década de 50 é considerada a época em que começa a institucionalização da ciência e o desenvolvimento de uma verdadeira política científica na Venezuela que deu lugar à produção de conhecimento científico sistemático, financiado, com reconhecimento social e com apoio direto. estatal ou da empresa privada. Durante esses anos iniciais, a política científica na Venezuela deu maior peso às ciências básicas do que as ciências aplicadas e o desenvolvimento tecnológico.

Em 29 de abril de 1954, o Instituto Venezuelano de Neurologia e Pesquisa do Cérebro (IVNIC) foi fundado nas terras dos Altos de Pipe sob a direção de Humberto Fernández-Morán. Vários pesquisadores estrangeiros especializados principalmente em pesquisa biomédica foram contratados, bem como bem como a compra e instalação de um Reator Nuclear do Centro de Física, o primeiro do gênero na América Latina.

A origem do golpe de 1948 que acabaria levando PJ ao poder em 1952 ocorreu pelo temor de cortes nos salários dos soldados e pela falta de equipamento militar modernizado. A Venezuela adquiriu considerável quantidade de material militar e suas forças eram notadamente bem instruídas, sempre notadas pela precisão de marcha durante desfiles.


Em sua edição de 28 de fevereiro de 1955, a revista americana Time homenageou Marcos Pérez Jiménez com sua capa. Junto com o retrato na capa, você pode ler a frase "From buried riches, a golden rule" ("Das riquezas enterradas, um governo de ouro"). O artigo nesta publicação dedicado ao governante foi intitulado "VENEZUELA: Skipper of the Dreamboat" (Venezuela: Capitão do Barco dos Sonhos).

Pérez Jiménez ainda mudou o nome do país, que desde 1864 era "Estados Unidos da Venezuela", para "República da Venezuela". Esse nome permaneceu até 1999, quando foi alterado para República Bolivariana da Venezuela por um referendo constitucional.

Embora as coisas tenham terminado mal para Jiménez entre prisões e exilados, sua imagem para alguns cidadãos passou por uma espécie de reabilitação em ambos os lados do espectro político hoje, de acordo com alguns meios de comunicação e colunas de opinião. O período de Pérez Jiménez no poder é historicamente lembrado como um governo de raízes nacionalistas. Seu governo baseava-se em um pragmatismo ideológico caracterizado pela Doutrina do Bem Nacional (Doctrina del Pozo Nacional), que para o regime se expressava em que o Novo Ideal Nacional (Nuevo Ideal Nacional) seria o farol filosófico que orientaria as ações do governo.

Seu legado político conhecido como Perezjimenismo foi sustentado pelo partido político Cruzada Cívica Nacionalista (CCN), que ocupou cadeiras no Congresso de 1968 a 1978. Nos últimos anos, houve um renascimento do Perezjimenismo e do Nuevo Ideal Nacional, com vários grupos revisando e mantendo o legado de Marcos Pérez Jiménez.


Em 25 de abril de 2010, o presidente Hugo Chávez comentou em uma das edições do seu programa semanal Aló Presidente

“Acredito que o General Pérez Jiménez foi o melhor presidente que a Venezuela teve em muito tempo. (...) Foi melhor que Rómulo Betancourt, ele era melhor do que todos eles. Não vou citar. (...) Eles o odiavam porque ele era militar”. (...) “Veja, se não fosse pelo General Pérez Jiménez, você acha que teríamos o Forte Tiuna, a Academia, o Efofac, o Círculo Militar, Los Próceres, a rodovia Caracas-La Guaira, as superquadras de '23 de enero'?, Rodovia Centro, Teleférico, Siderúrgica, Guri?"


Bibliografia recomendada:

Latin America's Wars:
The Age of the Professional Soldier, 1900-2001.
Robert L. Scheina.

Leitura recomendada:

O Fuzil FN49 - Uma Breve Visão Geral30 de março de 2020.

GALERIA: FN49 do contrato egípcio9 de maio de 2020.

VÍDEO: Instrutora de fitness filmou um treino ao vivo durante o golpe de Mianmar3 de fevereiro de 2021.

Eleições Não Importam, Instituições Sim8 de janeiro de 2020.

Os Processos Políticos nos Partidos Militares do Brasil, 21 de janeiro de 2020.

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?4 de janeiro de 2020.

PERFIL: General Germán Busch Becerra - Herói do Chaco e presidente da Bolívia (1937-1939)22 de outubro de 2020.

FOTO: Soldados caribenhos, 21 de abril de 2020.

FOTO: Forças de Defesa do Caribe Oriental em Granada21 de fevereiro de 2020.

FN FAL: “O Braço Direito do Mundo Livre”14 de janeiro de 2020.

GALERIA: Snipers no Forças Comando na República Dominicana3 de novembro de 2020.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

Resultados dos testes do MAS 62


Por Ian McCollum, Forgotten Weapons, 8 de julho de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de fevereiro de 2021.

Obrigado ao leitor Thibaud, temos uma tradução de alguns dos resultados dos testes do julgamento militar francês do FN FAL e do MAS Modelo 62. Obrigado, Thibaud!

Nos anos 1950 e no início dos anos 1960, o arsenal francês MAS produziu várias dúzias de protótipos de fuzis em 7.62x51 OTAN. Este artigo descreve um dos últimos, o Type 62 (Tipo 62). Ele mostra uma notável semelhança com o FAL belga e quase foi adotado pelas forças armadas francesas até que o novo cartucho da OTAN de 5,56mm começou a se tornar popular.

Os documentos informam que o FA MAS 62 foi testado junto com o FN FAL, que foi considerado um padrão de referência. Aqui está o resultado dos testes:
  • Miras: O equipamento de mira do FAL foi preferido pelos soldados franceses durante os testes devido à sua semelhança com aquele do FSA 49-56, mais familiar aos soldados franceses.
  • Ajuste de mira: Satisfatório em ambas as armas. Algumas massas de mira do FAL não eram apertadas o suficiente para permanecer no lugar durante o tiro automático.
  • Gatilho e seletor de tiro: O gatilho foi satisfatório em ambas as armas. Todos os testadores preferiram o seletor de tiro no FAL.
  • Precisão: A precisão do FAL era superior. Dispersão vertical estranha com o 62.
  • Manuseio durante o disparo: Satisfatório com ambas as armas. O manejo do FAL foi considerado melhor. A coronha ajustável no 62 foi apreciada.
  • Manuseio durante o tiro com luneta: Satisfatório com ambas as armas. O adaptador para montar a luneta no 62, que não é necessário para montar uma luneta no FAL, foi considerado muito frágil e complexo. A possibilidade de usar miras de ferro mesmo quando a luneta foi montada no 62 foi apreciada em oposição ao FAL, o qual não pode ser disparado usando as miras de ferro quando a luneta está instalada.
  • Manuseio e transporte: ambas as armas foram consideradas leves, fáceis de manusear e nem pesadas ou incômodas. O FAL foi preferido por seu peso mais leve (cerca de 400 gramas/0,9 libras a menos).
  • Robustez e funcionamento: Satisfatório em ambas as armas.
  • Notas durante o teste: Vantagem para o FAL pela facilidade de desmontagem e limpeza. O 62 foi considerado muito complicado, com várias peças, algumas das quais eram fáceis de perder.
4 unidades (de soldados em teste) em 5 preferiram o FAL pela sua “maturidade técnica, suas soluções práticas e seus melhores resultados durante os testes de tiro”. O FA MAS 62 foi, no entanto, melhor quando disparou granadas, mesmo que sua construção mecânica seja menos robusta.

Os resultados dos testes não culminaram na adoção de nenhum dos dois fuzis, o FA MAS 62 retornou ao fabricante e o FAL também não foi adotado. Algumas unidades francesas foram supridas com o FN FAL em pequenos números, pois parece que havia um “lobby FAL” no exército francês da época. Quando o ministro da Defesa da época, Michel Debré, foi informado disso, disse com raiva que “a arma do soldado francês será uma arma francesa!” (Por que isso não me surpreende?). Os fuzis FAL do exército francês foram eliminados e nunca mais voltaram.

Bibliografia recomendada:

Fusils d'Assaut Français de 1916 à nous jours.
Jean Huon.

Leitura recomendada:



quinta-feira, 12 de novembro de 2020

A arma excepcional da ação: O FAL em Long Tan no Vietnã

Batalha de Long Tan, 1966. O relatório oficial pós-ação do exército australiano chamou o FAL de "a arma excepcional da ação". Ilustração de Steve Noon.

Por Bob Cashner, The FN FAL Battle Rifle, 2013.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de julho de 2019.

As unidades australianas e neozelandesas que lutando ao lado de forças dos EUA, do Vietnã do Sul e outras no Vietnã durante as décadas de 1960 e 1970 foram armadas com o fuzil SLR L1A1 semi-automático feito pela Lithgow; eles o consideraram uma arma confiável para a luta na selva. Apesar da mão-de-obra e artilharia e apoio aéreo muito limitados quando comparados com seus aliados americanos, os australianos e neozelandeses, recebendo treinamento especial na selva, derivado das lições aprendidas nas selvas da Malásia e Bornéu, operaram de uma maneira que o Viet Cong e o NVA chegaram a temer. Pequenas patrulhas australianas e neo-zelandesas movimentavam-se como fantasmas e muitas vezes provavam ser superiores ao inimigo quando se tratava de furtividade e habilidades de campanha. Apesar do desprezo geral dos australianos pela “contagem de corpos” como uma medida de sucesso, as estatísticas fornecem uma considerável defesa dos métodos não convencionais que eles usaram.

SLR L1A1, o FAL australiano e neo-zelandês.

Comando SASR com um FAL encurtado conhecido como "The Bitch".
(Kevin Lyles/ Vietnam ANZACs Elite 103 da Osprey Publishing).

Algumas estimativas afirmam que as tropas americanas gastaram cerca de 200.000 cartuchos de munição de armas portáteis por baixa inimiga; para os australianos e neozelandeses armados com o L1A1, 275 tiros foram gastos por baixa inimiga (Hall & Ross 2009). As razões para isso foram muitas. Primeiro, os soldados australianos e neozelandeses foram treinados em um padrão de pontaria muito acima e além daquele do soldado de infantaria americano. Em segundo lugar, muitos veteranos da 1ª Força-Tarefa Australiana eram veteranos de Bornéu e da Malásia, reforçando o treinamento na selva que as forças australianas e neozelandesas receberam antes de serem desdobradas para o Vietnã. Em terceiro lugar, os australianos e neozelandeses freqüentemente operavam em patrulhas pequenas, silenciosas e furtivas, em vez de em enormes varreduras do tamanho de um batalhão (ou maiores).

SASR com fuzis FAL modificados.
(Vietnam ANZACs)

O método australiano foi recompensado ao infligir baixas inimigas sem a necessidade de dezenas de aeronaves e milhares de granadas de artilharia por engajamento. Por exemplo, mais de um terço dos contatos inimigos dos australianos foram emboscadas. Em 34% dos casos, os Aussies e os Kiwis emboscaram o Viet Cong/Exército Norte-Vietnamita (VC/NVA), enquanto que em apenas 2% dos contatos o inimigo conseguiu surpreender os ANZACs em suas próprias emboscadas. Um estudo do SAS sobre as ações australianas no Vietnã afirmou que, apesar dos ataques aéreos e de artilharia normalmente bastante oportunos e relativamente pesados que a infantaria ocidental desfrutou na guerra, cerca de 70% das baixas inimigas foram infligidas com armas portáteis de infantaria. Os métodos táticos dos ANZAC também mantiveram o inimigo respondendo a eles em vez de vice-versa, um elemento crítico na guerra de contra-insurgência.

Soldados do 7 RAR, armados de SLR/FAL, aguardam transporte para Phuoc Hai, em 26 de agosto de 1967.

Apesar de seu comprimento de 1.143 mm (45 polegadas) dificilmente ser ideal na selva, o SLR obteve notas muito altas por sua robustez e confiabilidade. A batalha de Long Tan em agosto de 1966 ocorreu sob uma forte chuva de monções e lama viscosa, condições que causaram mais do que alguns problemas para as metralhadoras M60 e suas cintas de munição expostas, bem como o punhado dos novos fuzis americanos Armalite M16 usados pelos australianos. O L1A1 resistiu ao teste com notação perfeita; o relatório oficial pós-ação do exército australiano chamou-lhe "a arma excepcional da ação". (Australian Army 1967: 26)

- Bob Cashner, The FN FAL Battle Rifle, pg. 52-53.

The FN FAL Battle Rifle,
Bob Cashner.

Bibliografia recomendada:

Vietnam ANZACs: Australian & New Zealand Troops in Vietnam 1962-72.

Leitura recomendada: