terça-feira, 5 de julho de 2016

KAMOV KA-52 ALLIGATOR. O feroz caçador russo.

FICHA TÉCNICA 
Peso: 8000 kg (vazio)
Altura: 4,95 m.
Comprimento: 13,53 m.
Propulsão: Duas turbonas Klimov VK-2500 com 2400 hp cada.
Velocidade máxima: 300 Km/h.
Velocidade de cruzeiro: 260 Km/h.
Alcance: 460 Km (combustível interno); 1150 km (combustível externo)
Razão de subida vertical: 720 m/min.
Fator de carga: +3 Gs
Altitude máxima: 5500 m.
Armamento: Um canhão 2A42 de 30 mm, 12 mísseis AT-16 Vikhr antitanque, 12 mísseis Ataka, 2 casulos B-8V20A com 20 foguetes S-8 de 80 mm, 2 mísseis ar ar R-73 Archer, 4 mísseis Igla V, 2 casulos com um canhão duplo UPK-23 de 23 mm,e  bombas de 500 kg. Um total de 2000 kg de armas e tanques podem ser transportados.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S.Junior
A história deste excelente helicóptero de combate começa perto do final do período conhecido como guerra fria, entre os anos 80 e início dos anos 90, quando os soviéticos estavam testando dois modelos de helicópteros de combate para assumirem o papel de helicóptero de ataque da força aérea soviética. Os concorrentes eram o Mil Mi-28 Havoc e o Kamov Ka-50 Hokun, sendo que este ultimo, um modelo com características incomum como o rotor coaxial onde se tem duas hélices montadas uma sobre a outra girando em sentidos opostos para anular o torque da outra. Embora não seja comum vermos essa tecnologia nos helicópteros do mundo, ela é empregada normalmente nos modelos desenvolvidos pela empresa russa Kamov.
Nessa concorrência vencida pelo modelo Ka-50, houve um interessante fato de que o modelo derrotado, o Mi-28 Havoc, foi desenvolvido e adquirido posteriormente pelas forças armadas russas com a versão Mil- Mi-28N Night Hunter já descrito neste site de forma que os dois modelos acabaram sendo adotados.
Acima: O Kamov Ka-50 Hokun venceu uma concorrência para fornecer um helicóptero de ataque dedicado para a força aérea soviética. A Rússia, necessitava de uma aeronave mais flexível e deram a responsabilidade para a Kamov desenvolver um projeto baseado no Ka-50.
Os russos precisavam de um modelo de helicóptero multifunção para também executar missões de reconhecimento e a partir de 1994 a Kamov foi contratada para desenvolver uma variante do seu Hokum para essa tarefa. Como o helicóptero teria mais sensores e uma maior complexidade de operação, ele deveria ser biplace para dividir as tarefas de pilotar e gerenciar estes sistemas, entre dois tripulantes e a Kamov teve a ideia de colocar este segundo tripulante em uma posição lado a lado com o piloto, pois isso melhoraria a comunicação entre eles e consequentemente facilitaria a execução da missão. O novo modelo biplace passou a se chamar Ka-52 e foi apelidado de Alligator. O modelo possui uma fuselagem blindada capaz de "segurar" impactos de canhões de até 23 mm na área do cockpit. Já no resto da fuselagem, a aeronave suporta impactos de até 12,7 mm, ou seja, a aeronave é bastante sólida, e totalmente imune a armas de assalto como fuzis em calibre 5,56 ou 7,62 mm usados pelo ocidente. Outro ponto importantíssimo é uma característica impar deste modelo de helicóptero de ataque: Ele permite a seus tripulantes ejetarem. Sim, é exatamente isso que você leu, caro leitor. A forma como isso ocorre é o seguinte: Primeiro as hélices são ejetadas com explosivos, e depois os assentos da tripulação podem ser ejetados da aeronave. A família Ka-50 Hokun, do qual o Ka-52 deriva, são os únicos helicópteros do mundo com essa capacidade.
Acima: O Ka-52 é uma versão multifunção do Ka-50 Hokun e que coloca a tripulação em posição lado a lado para melhorar a eficiência da execução da missão. Afinal duas cabeças pensam melhor que uma segundo o velho ditado popular.
O Ka-52 tem um sistema de hélices sobre postas que giram em sentido contrario, chamado rotor coaxial, conforme comentado no início deste artigo.  Isso permite que a aeronave tenha um desenho menor que a de um helicóptero comum, uma vez que não é necessário um rotor de cauda.
Para movimentar essas hélices são usados dois motores Klimov VK-2500 que fornecem 2400 Hp cada um dando uma velocidade máxima de 300 km/h ao Ka-52. Sua razão de subida é de 720 metros por minuto, pouco menos que a de um AH-64D Apache norte americano, mas ainda muito bom para essa categoria de aeronave. O Ka-52 tem um alcance de 460 km com combustível interno, podendo ser ampliado com o uso de tanques externos para 1150 km. O modelo apresenta, também, alta manobrabilidade e agilidade, sendo capaz de manobras de 3 Gs, o colocando em pé de igualdade com os melhores helicópteros de ataque do mundo. Outras particularidades sobre sua capacidade de voo é sua capacidade de voar para trás a 90 km/h e lateralmente a 80 km/h, além de poder mergulhar a velocidade de até 350 km/h.
Acima: O Ka-52 usa duas turbinas Klimov VK-2500 que lhe fornecem 4800 hp de potencia total.
O Ka-52 tem uma suíte eletrônica mais completa que seu seu irmão mais velho Ka-50. No radome do Ka-52 foi instalado um sistema de radar Phazotron-NIIR Arbalet FH-01-52 que opera com ondas milimétricas e possui capacidade de produzir mapas do solo a uma distancia de até 32 km, podendo detectar uma ponte a 25 km e um MBT a 12 km de distancia. Além deste radar, um outro sistema de radar montado no mastro do rotor, como no modelo norte americano AH-64D Longbow Apache, e chamado de L-Arbelet, pode ser instalado no Ka-52. O L- Arbelet tem dimensões bem menores que o radar Longbow norte americano, e opera com ondas decimétricas, sendo que seu alcance é de 15 km contra um alvo do tamanho de um caça convencional (5m2). A função deste sistema é proteger o Ka-52 de forma que ele opera integrado aos sistemas de defesa e contra-medidas da aeronave.
O Ka-52 está equipado com um sistema multi sensor de detecção passiva Samshit 50T que possui um sistema de TV, um FLIR (Forward Looking Infra-Red ou sistema de visão infravermelha), um designador laser que ilumina os alvos para os mísseis anti tanque que ele transporta, e um telêmetro a laser cujo alcance pode chegar a 10 km. Alternativamente o Ka-52 pode ser equipado com o sistema  FLIR GOES-521, que fica abaixo do radome do radar.
O sistema de proteção ativa do Ka-52 está equipado com o lançador UV-26 de iscas infravermelhas flare e iscas eletromagnéticas chaff que ficam montados nas pontas das semi asas do helicóptero. O sistema de interferência eletrônica ativa (jammer) IR L370-5 Vitebsk produz ruido nos sistemas de radares inimigos dificultando a localização exata da aeronave. Além disso, o Ka-52 também possui um sistema de alerta de lançamento de mísseis MAK-UFM que alerta a tripulação quando um míssil estiver a caminho de destruir o helicóptero permitindo ao piloto tentar alguma medida evasiva.
O piloto do Ka-52 usa um capacete equipado com display integrado aos sistemas e armas da aeronave chamado HMD Zh-3YM-1 Schchel-3U que permite engajar alcos sem necessidade e manobrar o helicóptero. esse tipo de equipamento se tornou básico entre as novas aeronaves de asas rotativas e fixas.
Acima: O cockpit do Ka-52 lembra a de uma aeronave de transporte com sua tripulação disposta lado a lado. Isso facilita a comunicação e a agilidade na tomada de decisão em missões de combate.
Vamos falar de garras e dentes agora. A capacidade ofensiva do Ka-52 Alligator é de fazer inveja a muito helicóptero do mercado. O mercado de helicópteros de ataque podem ser divididos por helicópteros de transporte adaptados para combate, helicópteros de ataque leve e helicópteros de ataque pesado. O Ka -52 sem a menor sombra de duvida se posiciona nessa ultima classificação. Seu armamento orgânico é um potente canhão de Shipunov 2A42 em calibre 30 mm carregado com 460 granadas que podem ser do tipo HE Frag (alto explosivo de fragmentação ou a AP (armor piercing ou perfurante de blindagem). Este canhão é o mesmo empregado no Mi-28 Night Hunter e é considerado o mais potente canhão instalado em um helicóptero atualmente. Vale observar que este canhão tem uma pequena mobilidade transversal e em elevação de forma que ele não é fixo como muitos pensam. mesmo assim, o piloto precisa manobrar o helicóptero para poder fazer a visada. Como todos os helicópteros de ataque existente, o Ka-52 também pode ser empregado com lançadores de foguetes não guiados. No caso aqui, o tipo usado é o clássico pod B para 20 foguetes  S-8 calibre 80 mm cujo alcance pode chegar a 4 km dependendo da versão do foguete. Também, ainda nesse tipo de armamento, pode ser transportado o pod BL-13L para 5 foguetes pesados S-13 de 122 mm cujo alcance é de cerca de 3 km. Agora vamos tratar da estrela do armamento do Ka-52: O míssil guiado anti tanque 9K121 Vikhr guiado a laser é transportado em lançadores com 6 tubos totalizando 12 mísseis. Observe que essa configuração não sacrifica os pods de foguetes que são transportados juntos. O 9K121 Vikhr tem alcance de 8 km e é capaz de ser empregado com sucesso mesmo contra alvos usando blindagem extra reativa, graças a sua ogiva dupla em tandem (uma atras da outra) de 12 kg que consiste de uma ogiva de alto explosivo seguida por uma penetradora de blindagem.
Outras armas disponíveis para o Ka-52 são o dispensador de sub-munições KMGU-2 que lança minas anti tanque e anti pessoal, sobre uma grande área; mísseis ar ar Igla V, derivados do míssil anti aéreo lançado do ombro, guiado por infravermelho e com alcance de 5 km, assim como o poderoso míssil ar ar R-73 Archer, com capacidade de engajamento fora da linha de visada (ele pode ser mirado pelo capacete do piloto com meros movimentos da cabeça). Este míssil, comum em aeronaves de combate como o Su-27/30/35 Flanker e o MIG-29 Fulcrum, tem alcance de 30 km aproximativamente.
O Ka-52 possui 6 cabides na sua semi asa para transporte de armamentos cujo peso pode chegar a 2000 kg.
Acima: Manobrável e muito bem armado, o Ka-52 está entre os 3 mais poderosos helicópteros de combate do mundo atualmente.
O Ka-52 Alligator é um dos mais bem equipados e capazes helicópteros de combate do mundo. Ele reúne proteção blindada, sistemas avançados de detecção e guerra eletrônica, armamento pesado e ótimo desempenho. Sem duvidas é uma aeronave do qual o inimigo não vai querer por perto. Os russos vendem esse poderoso helicóptero a um custo de aproximadamente U$ 20 milhões de dólares a unidade já foi exportado para o Egito que adquiriu 46 unidades do modelo para sua força aérea enquanto que a Rússia encomendou 74 unidades do Ka-52 que deve operar ao lado de 81 unidades do Mi-28 Night Hunter.
Acima: Com sua aparência ameaçadora, o Ka-52 é inconfundível com seu sistema de helices coaxiais.


ABAIXO TEMOS UM VÍDEO COM O KA-52 ALLIGATOR


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

12 comentários:

  1. Cade o canhão desse heli? Eu vi que tem pela descrição, mas pelo que parece não está montado da maneira tradicional.

    ResponderExcluir
  2. O canhão fica no canto direito da fuselagem bem no centro da aeronave , isso diminui a dispersão em fogo automático .

    ResponderExcluir
  3. mas assin esse canhão não tem a mobilidade. e o piloto tem q manobrar o helicóptero para mirar

    ResponderExcluir
  4. Exato Jeferson. Por isso, a manobrabilidade deste helicóptero foi levadoo bem a sério em seu projeto.

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Exatamente o mesmo de todos os outros produtos russos.

      Excluir
  6. Artigo muito bom Carlos. Você leva a sério seu trabalho, pois graças a você podemos pelo menos sonhar com o nosso País possuindo esses "brinquedos". Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Samuel! Realmente é um trabalho que tenho mantido uma disciplina para poder levar ao leitor informações com maior nível de credibilidade possível.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compraram o MI35 e ficaram só nisso.
      Não entendo a aversão que as forças armadas brasileiras tem aos produtos militares da Russia.
      O sistema de defesa antiaérea que seria comprado dos Russos, aparentemente não será mais.
      Os produtos Russos são ruins ou é a força dos $$$$$$ dos EUA?

      Excluir
    2. Olá Geudice.
      Os produto russos não são ruins. Porém possuem diferenças fundamentais na forma de manter e linha de suprimentos, de forma a causar alguns problemas para uma força militar com poucos recursos e com uma doutrina ocidental. E claro, os americanos fazem pressão política para não nos enveredarmos demais para os equipamentos russos.
      Abraços

      Excluir