terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Por que eu prefiro ser baleado por um AK-47 do que um M4


Por Dan Pronk, SOFREP Magazine, 19 de dezembro de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de novembro de 2020.

Admito, eu prefiro não levar nenhum tiro, mas se eu tivesse que escolher, eu tomaria um tiro de AK-47 (7,62x39mm) ao invés do M4 (5,56x45mm) em qualquer dia da semana. Para adicionar uma advertência a essa afirmação, estou falando de um alcance relativamente próximo aqui - digamos até 150-200 metros.

7,62x39mm versus 5,56x45mm.

Para entender o porquê, é importante primeiro dar uma olhada muito básica na física por trás da balística terminal. Neste caso, considere a ciência do que acontece quando um míssil penetrante entra em um corpo humano. O primeiro lugar para começar é a seguinte equação de energia cinética:

KE = ½ M (V1-V2)²

Quebrando essa equação em seus componentes, temos a energia cinética (KE) influenciada pela massa (M) do míssil penetrante, bem como pela velocidade (V) do míssil. Isso faz sentido; é lógico que um míssil mais pesado e rápido causará mais danos do que um míssil mais leve e lento. O que é importante entender é a influência relativa que a massa e a velocidade têm sobre a energia cinética, pois esta é a chave para entender por que preferiria levar um tiro AK do que um de M4. Você notará que o componente de massa da equação KE é reduzido à metade, enquanto o componente de velocidade é elevado ao quadrado. Por esse motivo, é a velocidade do projétil que tem muito mais influência sobre a energia que ele entrega ao alvo do que a massa.


O componente V1-V2 da equação leva em consideração que o projétil pode realmente passar direto pelo alvo, ao invés de parar no alvo. Neste caso, a mudança na velocidade do projétil à medida que ele passa pelo alvo (V1 sendo sua velocidade quando entra, e V2 sendo a velocidade na saída) é o fator que é considerado ao calcular quanta energia o míssil entregou no alvo. Naturalmente, se o projétil parar no alvo (ou seja: sem ferimento de saída), então V2 é igual a zero e a velocidade do projétil quando ele entrou (V1) é usada para calcular a KE.

Isso é física suficiente por agora, mas você entendeu que o projétil ideal para atirar em alguém é aquele que tem uma massa decente; é muito, muito rápido; e tem a garantia de parar em seu alvo de modo a dissipar o máximo de energia possível nele e, portanto, causar o máximo de dano.

O próximo conceito a entender é o de cavitação permanente versus cavitação temporária. Cavitação permanente é o buraco deixado em um alvo por um projétil que o perfura. Você pode pensar nisso simplesmente como um bastão afiado sendo empurrado através de um alvo e deixando um buraco do diâmetro do bastão. A cavidade permanente deixada por uma bala é proporcional à área da superfície da bala conforme ela passa pelo tecido. Por exemplo, se um projétil AK-47 de 7,62mm de diâmetro em seu ponto mais largo passar sem problemas por um alvo, ele deixará um projétil redondo de 7,62mm de cavidade permanente.

Se esse buraco passar por uma estrutura vital do corpo, o ferimento pode ser fatal. No entanto, se a bala passar apenas pelos tecidos moles, a cavidade permanente pode ser relativamente benigna. Esta é uma simplificação exagerada do conceito, já que as balas raramente permanecerão inertes ao passarem por corpos humanos; elas têm uma tendência a desestabilizar e para a parte traseira da bala, mais pesada, querer ultrapassar a frente. Este conceito, conhecido como guinada, aumenta a área da superfície frontal da bala conforme ela passa pelo tecido e, portanto, cria uma cavidade permanente maior.


Muito mais prejudicial do que a cavidade permanente deixada por um projétil é a cavidade temporária que ele cria. Qualquer pessoa que tenha assistido ao programa de TV MythBusters terá alguma familiaridade com este conceito, e ele é melhor demonstrado usando imagens de vídeo em câmera lenta de balas sendo disparadas em uma gelatina especial conhecida como gelatina balística, a qual é calibrada para ter a mesma densidade que os tecidos moles humanos. O que pode ser visto nessas imagens de vídeo é a dissipação pulsante de energia que emana de uma bala ao passar pela gelatina. Esta é uma ilustração visual do conceito de cavitação temporária e permite ao observador começar a apreciar o efeito devastador que um míssil de alta velocidade pode ter ao entrar em um corpo humano.

A cavitação temporária é a transferência de energia cinética do projétil para os tecidos do alvo e, como aprendemos acima, é relativa à massa e, mais importante, à velocidade do projétil. Conforme a energia do projétil é dissipada nos tecidos do alvo, a cavitação temporária pulveriza estruturas adjacentes ao caminho da bala, incluindo vasos sanguíneos, nervos, músculos e quaisquer órgãos sólidos que possam estar nas proximidades. Por esse motivo, o projétil de alta velocidade não precisa passar diretamente por uma estrutura do corpo para destruí-lo. Quanto mais alta a energia cinética do projétil, mais longe da cavidade permanente se estende a cavidade temporária.

Abaixo está um vídeo em câmera lenta de Brass Fetcher de um projétil de 5,56x45mm (o mesmo que o M4 dispara) atingindo gelatina balística em câmera lenta. Depois de observar, o médico pode começar a avaliar o dano causado aos tecidos pela onda de pressão da cavitação temporária.


Tendo tido a chance de tratar dezenas de ferimentos de mísseis de alta velocidade ao longo dos meus anos nas forças armadas, eu vi em primeira mão o efeito que vários calibres de fuzil podem ter a várias distâncias, atingindo várias partes do corpo. Naturalmente, há uma infinidade de variáveis que entram em jogo quando alguém leva um tiro, e dois ferimentos por arma de fogo nunca serão iguais. O objetivo deste artigo não é tirar quaisquer conclusões acadêmicas sobre a balística do AK-47 versus o M4, ou discutir os méritos de uma munição sobre a outra, é introduzir os conceitos dos diferentes perfis de ferimento de cavidades permanentes e temporárias usando alguns estudos de caso.

Abaixo estão dois exemplos com os quais estive envolvido que ilustram um pouco de um estudo comparativo de um projétil de AK-47 e outro de M4 atingindo aproximadamente a mesma localização anatômica e aproximadamente do mesmo alcance (nesses casos, 150-200 metros).





Nesta série de fotos você pode ver um ferimento de arma de fogo por M4 particularmente desagradável, com um pequeno ferimento de entrada na nádega direita e um ferimento de saída maciço na parte lateral da coxa direita. A radiografia da última imagem mostra que o projétil atingiu a parte superior do fêmur e demoliu o osso, enviando fragmentos ósseos secundários pelos tecidos e respondendo pela maior parte do ferimento de saída. O dano causado pela onda de pressão da cavidade temporária pode ser apreciado na primeira imagem, com hematomas profundos se estendendo até a nádega e na parte inferior das costas da vítima. Esse hematoma resultou da energia dissipada pelos tecidos pulverizando pequenos vasos sanguíneos em seu caminho (pense no vídeo da gelatina balística para imaginar o que se passou nos tecidos).

O material granular no meio da ferida da coxa visto na radiografia é uma esponja de coagulação avançada (advanced clotting sponge, ACS) QuikClot de geração mais antiga, que foi inserida no ponto da lesão para controle da hemorragia com excelente efeito. Os fragmentos brancos brilhantes no raio-X são pequenos pedaços da bala, que se desintegrou com o impacto no tecido e no osso. Esta é outra característica da munição do M4 que o torna ainda mais desagradável quando se é atingido - a tendência da bala se desintegrar se atingir o tecido a uma velocidade decente.

Apesar de ser uma munição encamisada, por ser menor, mais leve e mais rápida do que um projétil de AK-47, o 5,56 mm tende a guinar mais rápido ao atingir o tecido. As forças de cisalhamento na bala, uma vez que está viajando a 90º através do tecido, muitas vezes dilacera a bala em pedaços, criando vários projéteis menores e aumentando as chances de todas as partes da bala permanecerem no alvo e, portanto, dissipando mais energia. A munição do AK-47, sendo ligeiramente mais pesado e lento do que a munição do M4, tende a permanecer intacta quando atinge o tecido e, embora vá penetrar mais profundamente, tende a permanecer intacta e não guinar até que tenha penetrado muito mais profundamente do aquela do M4.

Aqui está um vídeo do canal The Ammo Channel do projétil de 7,62x39mm do AK-47 sendo disparado em gelatina balística para comparação com o vídeo acima da munição de 5,56x45mm (M4) Embora o vídeo mostre uma munição de ponta macia sendo usada, que teoricamente deveria ser mais destrutiva do que sua contraparte totalmente de metal, o vídeo ainda ilustra muito bem a penetração significativa da munição do AK-47 sem que ele se desvie significativamente ou se desintegre.


Certa vez, vi um bom estudo de caso ilustrando este ponto, em que uma vítima havia sofrido um ferimento de bala de AK-47 na coxa lateral direita e recuperamos a bala intacta de dentro de sua parede abdominal superior esquerda. Ele havia passado por aproximadamente um metro de seus tecidos e rasgado seu intestino delgado, mas o projétil não se fragmentou e a cavitação temporária não causou danos suficientes para ser letal. A vítima exigiu uma laparotomia para remover várias seções do intestino delgado, mas ele teve uma boa recuperação. Essa é uma história para outro dia.

A próxima foto é de um grande amigo meu que foi baleado por um AK-47 de aproximadamente 200 metros enquanto estava bem ao meu lado! Felizmente a bala passou sem problemas e, após uma limpeza cirúrgica da lesão à tarde, ele apareceu pronto para o trabalho no dia seguinte. Eles os criam durões de onde ele vem!



Esta imagem foi tirada alguns dias após o ferimento e o hematoma da cavidade temporária do projétil pode ser visto ao longo do caminho da bala. A ferida de entrada é na parte superior da nádega esquerda, com a saída sendo para baixo na parte superior da coxa esquerda. Apesar de ser uma lesão desagradável, o fato do tiro de AK-47 estava viajando mais devagar do que o de um M4 no mesmo alcance, juntamente com o fato de que o projétil permaneceu intacto e não guinou significativamente ao passar por ele , significava que o ferimento não era nem de longe tão devastador quanto o ferimento de M4 mencionado acima na mesma área. Deve-se notar, entretanto, que a comparação está longe de ser perfeita, visto que a lesão de M4 envolveu o osso, com a imediatamente acima passando apenas pelos tecidos moles.

Então é isso. Todas as coisas sendo iguais, quando tudo estiver dito e feito, eu prefiro levar um tiro de AK-47 do que um de M4 em qualquer dia da semana. Naturalmente, como profissionais de saúde, é sempre importante tratar o ferimento e não o fuzil que o infligiu, e certamente vi alguns ferimentos horrendos de AK-47 ao longo dos anos e alguns relativamente pequenos de M4. Tudo depende. Os principais pontos a levar para casa para socorristas e médicos são: Esteja ciente da magnitude dos danos que podem ser causados pela cavitação temporária resultante de ferimentos de mísseis de alta velocidade, e se você encontrar um ferimento de entrada, não há como dizer onde no corpo o projétil pode ter parado!

O Dr. Dan Pronk concluiu seus estudos de medicina com uma bolsa de estudos do Exército australiano e serviu a maior parte de sua carreira militar em Unidades de Operações Especiais, incluindo quatro turnês no Afeganistão e mais de 100 missões de combate. O Dr. Pronk recebeu a Comenda por Serviços Distintos (Commendation for Distinguished Service) por sua conduta em ação em sua segunda turnê no Afeganistão. Durante o seu serviço militar, o Dr. Pronk serviu como ligação médica australiana para o Comité de Assistência a Baixas Táticas em Combate (Committee on Tactical Combat Casualty Care), bem como como representante das Operações Especiais Australianas no Painel de Peritos Médicos das Forças de Operações Especiais da OTAN. O Dr. Pronk tem uma bolsa de estudos com o Royal Australian College of General Practitioners e é instrutor do Royal Australian College of Surgeon's Early Management of Severe Trauma Course. O Dr. Pronk atualmente trabalha como Oficial Médico Sênior no Departamento de Emergência de um hospital regional e atua como Diretor Médico da TacMed Austrália, fornecendo aconselhamento médico tático e treinamento para vários grupos táticos de polícia e outras agências governamentais.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

Um comentário: