sábado, 14 de março de 2020

M14: O fuzil de infantaria principal de vida mais curta da América


Por Tim HarmsenMilitary Arms Channel, 12 de março de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de março de 2020.

Publiquei recentemente um vídeo comparando o fuzil de serviço M14 dos EUA com o FN FAL. Nesse vídeo, discuti por que prefiro o FAL em vez do M14 e por que acredito que o FAL deveria ter sido o fuzil de serviço do nosso país em 1959.

(O Warfare Blog já tratou sobre esse assunto aquiaqui, aqui e aqui.)

Após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos chegaram lentamente à conclusão de que o M1 Garand estava obsoleto. É verdade que, durante a guerra, o M1 Garand estava realmente à frente de seu tempo, mas a tecnologia pode mudar muito rapidamente e o que antes era de vanguarda pode rapidamente se tornar obsoleto.


Durante a Segunda Guerra Mundial, os Aliados viram o desenvolvimento de fuzis como o StG-44 alemão e outras armas de fogo, que os despertaram para o fato de que seus fuzis de infantaria precisavam evoluir e rápido. Os estados da recém-formada OTAN entraram em discussões sobre a padronização de armas e calibres por razões logísticas óbvias. Hoje veríamos isso como uma coisa óbvia, mas durante a Segunda Guerra Mundial houve uma mistura diversificada de armas e calibres em uso comum por nações aliadas, o que tornou a logística complicada na melhor das hipóteses. A OTAN procurou resolver esse problema.

Para encurtar a história, nossos aliados propuseram que os estados da OTAN concordassem com um único fuzil de infantaria e calibre. Os Estados Unidos insistiram na adoção de um calibre que imitava de perto o desempenho do 30-06 usado no M1 Garand. Os britânicos não ficaram muito entusiasmados com esse pedido firme, pois estavam desenvolvendo um calibre .280 para acompanhar seu fuzil bullpup EM2, mas seguiram o plano, assim como outros estados da OTAN.


O EM2 (visto acima) foi submetido à consideração, assim como o fuzil FN FAL (T48) e, é claro, o T44 dos EUA (M14). Desnecessário dizer, houve muita briga envolvendo o fuzil a ser selecionado para uso comum. Aparentemente, para encontrar algum ponto em comum, os Estados Unidos disseram a seus aliados que adotaríamos o mesmo fuzil que nossos aliados caso eles concordassem em adotar o cartucho T65 (agora conhecido como 7,62x51mm OTAN).

Todos concordaram.

Exemplo de pente-guia no modelo C1A1 canadense, com a alimentação seguindo o padrão antigo dos carregadores fixos, que serviam como depósito. (Imagem de um vídeo do Forgotten Weapons)

Em 1955, os Estados Unidos contrataram a Harrington&Richardson para fabricar 500 fuzis FAL (T48) para testes. Estes fuzis tinham uma aparência distinta e foram convertidos do sistema métrico para o sistema Imperial (padrão em polegadas) e calibrado no cartucho T65 7,62x51mm. O T48 tinha uma série de recursos interessantes, como uma tampa aberta e pente-guia para o carregador e um guarda-mato de inverno dobrável.

Acima, um fuzileiro naval americano testa o T48 durante os testes.

No final, os Estados Unidos decidiram adotar o T44 (M14) e T65 (7,62x51mm) e ignorar a promessa que fizemos aos nossos aliados. Os aliados passaram a adotar o FAL de uma forma ou de outra, com o Canadá sendo o primeiro a adotar o FAL como o C1A1. A Alemanha ficou de fora porque a FN se recusou a conceder à HK uma licença para fabricar o FAL na Alemanha*. Eu acho que eles ainda estavam salgados sobre toda aquela coisa de Segunda Guerra Mundial**. Até a Grã-Bretanha, que queria desesperadamente adotar um projeto bullpup, optou pelo FAL como o SL1 L1A1, mantendo assim sua promessa de padronização.

*Nota do Tradutor: A Alemanha adotou o FAL em 1956, quando um lote de fuzis FAL do "modelo canadense", com a coronha e empunhadura de madeira, e quebra-chama em dente de garfo, foi encomendado para a Bundesgrenzschutz (Guarda de Fronteira Federal) alemã no final de 1955, ou início de 1956. A Bundeswehr (Força de Defesa Federal), criada em 12 de novembro de 1955, era armada com fuzis M1 Garand e carabinas M1, encomendou 100 mil fuzis FAL da Bélgica em novembro de 1956; com a designação G1 (de Gewehr, fuzil). O G1 alemão possuía modificações à pedido, sendo o primeiro a utilizar a mira 3mm mais baixa. Este fuzil foi produzido pela FN belga de abril de 1957 a maio de 1958; a Alemanha, apesar de satisfeita com o FAL, acabou decidindo pela adoção do CETME e do G3 pela recusa dos belgas em permitirem a produção sob licença. Muitos fuzis G1 alemães foram repassados para a Turquia, outros chegando nas mãos dos rodesianos.

Soldado do Bundesgrenzschutz com o FAL "canadense". Pode-se notar a coronha de madeira.

**NT: A Bélgica foi ocupada pelos alemães de 28 de maio 1940 a 4 de fevereiro de 1945 (e de 1914 a 1918, também de forma brutal), sofrendo com perseguições e desmandos do regime nazista de Berlim, especialmente racionamento de comida gerador de fome generalizada e a perseguição contra judeus e resistentes. Sob a ocupação alemã, a Fabrique Nationale (FN) foi tomada pela Deutsche Waffen- und Munitionsfabriken (DWM), seus diretores foram presos as linhas de montagem foram operadas por trabalhadores escravos, depois que apenas 10% dos operários belgas apareceram quando ordenados pelo ocupante. Quando pressionados pelos aliados em 1944, os alemães recuaram depenando a fábrica da FN de todo material que pudessem carregar de volta para a Alemanha, destruindo o resto. A FN tentou se levantar no final de 1944, reparando armas aliadas e produzindo peças de reposição simples e baratas, tais como lagartas de tanques. Para piorar a situação, os alemães tentaram destruir a fábrica com mísseis V1, conseguindo dois impactos diretos. Essas memórias eram ainda muito frescas em 1956.

É interessante notar que nossos aliados da OTAN foram essencialmente forçados a adotar um calibre de de potência total 7,62x51mm que eles não queriam enquanto os EUA deram as costas ao FAL e adotaram o que se tornaria o fuzil de infantaria principal de vida mais curta da história dos EUA. Ops.

Um soldado do exército americano disparando o protótipo inicial T44 (M14) em condições de inverno.

O que fez do M14 um fuzil de infantaria tão ruim? Este relatório de 1968 sobre o M14 é um bom ponto de partida.

O M14 foi atormentado por problemas de fabricação. Os canos estavam fora de especificação, as hastes opcionais não estavam alinhadas adequadamente com as guias, as coronhas não eram adequados, a cromagem da alma do cano estava freqüentemente muito espessa ou inconsistente, e a precisão era abismal. Pior, quanto mais você disparasse o M14, pior seria a precisão, e não estamos sequer falando da munição. As coronhas de madeira também tiveram uma tendência desagradável a inchar nas selvas do Vietnã, causando problemas significativos de precisão.

Enquanto o FN FAL conquistou ampla aceitação pela maioria do mundo livre, com cerca de 90 países adotando-o*, os EUA ficaram presos com um limão problemático que logo descartaria em favor de uma arma totalmente nova, mais alinhada com o conceito de "fuzil de assalto" empregado pela Alemanha na Segunda Guerra Mundial. Seis anos após a adoção do M14, o M16 começaria a substituí-lo no serviço militar. O FAL, por outro lado, continuar em serviço militar com um bom número de nossos aliados até os anos 80 e além.

*NT: Foram mais de 90 países, com 15 países o fabricando sob licença. Atualmente, o Brasil, os Estados Unidos e a Índia o produzem em ciclo completo.


Outra história engraçada, se o completo fracasso de um fuzil de infantaria pode ser considerado "engraçado", é que o Exército gastou milhões de dólares e gastou quase duas décadas tentando aperfeiçoar o M14 para ser usado como um fuzil sniper, o M21. O programa M21 também foi um fracasso completo. O Exército finalmente desistiu e adotou um fuzil ferrolhado baseado no Modelo 700 chamado M24, algo que o Corpo de Fuzileiros Navais vinha usando há décadas como o M40.

Hoje, o M14 continua em serviço militar por necessidade. Os Estados Unidos lutam no Oriente Médio há 20 anos e a munição 5,56x45mm mostrou-se inadequada à distância, de modo que os estoques antigos de M14 foram espanados e recolocados em serviço. Muitos foram refinados com estruturas sintéticas ou colocados em um pesado chassi "EBR", em um esforço para transformá-lo em algo que não é - um DMR moderno ou um fuzil sniper*.


*NT: EBR significa Enhanced Battle Rifle (Fuzil de Batalha Melhorado), DMR significa Designated Marksman Rifle (Fuzil de Atirador de Elite Designado) que é uma função de atirador de elite especializada entre os 300m da infantaria e os 800m dos atiradores de longa distância; geralmente com fuzis semi-automáticos e designados para uma fração, como pelotão ou grupo de combate. Os americanos agora decidiram por um fuzil multi-calibres.

O programa SCAR surgiu para encontrar uma solução mais moderna e eficaz para o uso de antigos fuzis de desfile para combater no Oriente Médio. O M110 foi outra alternativa usada pelos Estados Unidos para substituir o obsoleto M14 em campo. Apesar de todos esses esforços e programas, ainda é comum encontrar o M14 sendo usado por forças americanas por necessidade.

Um fuzileiro naval americano disparando o fuzil M110.

Enquanto o M14 ainda desfruta de um culto de seguidores dentre os atiradores civis americanos, a realidade é que o fuzil foi facilmente um dos piores fuzis militares modernos já utilizados por uma grande potência militar no século XX. Você provavelmente não encontrará escassez de postagens em fóruns de discussão e na seção de comentários dos vídeos do YouTube por pessoas que alegam que o M14 é a arma mais precisa e confiável já criada pelo homem, mas as pessoas que realmente os disparam bastante sabem a verdade.

Vou encerrar com algumas citações do Tenente-Coronel Chandler, do USMC, que estava encarregado de vários programas de pontaria e sniping no Corpo de Fuzileiros Navais.

"Lembre-se de que o Exército dos EUA lutou por mais de vinte anos para transformar o M14 em uma arma do tipo sniper. O Exército finalmente abandonou todas as tentativas de salvar o fuzil M14. O uso continuado do M14 como outra coisa que não seja um fuzil de desfile é melhor descrito como um DESASTRE. O M14 é antigo e nunca foi mais do que um M1 Garand modificado."

"Enquanto discutimos os custos de trazer fuzis M14 com luneta para a linha de frente em grandes quantidades, permita-me outra digressão. O M14 é uma droga para se manter em sintonia, e um M14 desafinado, não importa quem fez a precisão, é tão preciso quanto uma pedra arremessada. A menos que o M14 seja continuamente ninado como um bebê, ele não manterá a precisão. Imagine as dificuldades e brutalidades que um M14 com luneta sofrerá como uma arma de Atirador Designado em combate. Nenhum M14 já construído permanecerá zerado com precisão e com tiro em agrupagem próxima, sob condições de campanha."

- Ten-Coronel Chandler, USMC.


Vídeos recomendados:



Bibliografia recomendada:

The FN FAL Battle Rifle.
Bob Cashner.

The M14 Battle Rifle.
Leroy Thompson.

Leitura recomendada:



Um comentário:

  1. Tudo por culpa de uma m... de coronel que queria ser promovido a general. Ordenou que os testes feitos com o FAL (T48) fossem feitos em condições desfavoráveis afim de evidenciar o M-14.

    ResponderExcluir