quinta-feira, 19 de junho de 2014

SAAB JAS -39 GRIPEN E. O guerreiro viking para a Força Aérea Brasileira

FICHA TÉCNICA
Velocidade máxima: Mach 2.
Velocidade de cruzeiro: Mach 1,2.
Razão de subida: *15240 m/min
Potência: 0,84.
Carga de asa: 71 lb/ft²
Fator de carga: 9 Gs
Taxa de giro instantânea: 30º/s
Razão de rolamento: 220º/s
Teto de serviço: 15240 m
Raio de ação/ alcance: 1300 km/ 4070km
Alcance do radar: Selex Galileo ES-05 Raven: 120 Km
Empuxo: Um motor General Eléctric F-414G com 9800 kgf de empuxo máximo.
DIMENSÕES
Comprimento: 15,2 m
Envergadura: 8,6 m
Altura: 4,5 m
Peso: 8000 kg (vazio).
Combustível Interno: 7495 lb
ARMAMENTO
capacidade total: 7200 kg de carga externa divididos por 10 pontos fixos entre asas e fuselagem.
Ar Ar: Míssil AIM-120 Amraam, Meteor, AIM-9 Sidewinder, Iris-T, Python 4, Python V, A-Darter, AIM-132 Asraam, Míssil Derby, MICA.
Interno: Canhão Mauser BK-27 de 27 mm com 120 munições.
Ar Terra: Míssil AGM-65 Maverick, RBS-15F antinavio, Bombas guiadas a laser da família Paveway (GBU-10, 12 e 16), Bomba dispensadora de submunições DWS-39 planadora, Bombas da família JDAM, guiadas por GPS (GBU-31, 32, 38), míssil antinavio RBS-15, míssil Taurus KEPD 350, Bomba guiada por GPS Spice, Bombas de queda livre da série MK-80.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S. Junior
O avião de combate sueco Saab JAS-39 Gripen é chamado em diversos fóruns de discussão sobre assuntos militares de “pulga alada”, uma forma pejorativa que denigre a imagem deste bom caça. Mesmo sendo uma aeronave pequena, ele apresenta um desempenho bastante respeitável sob qualquer ponto de vista. Sua limitação, amplamente apontada pelos protagonistas das intermináveis discussões pela internet e mesmo entre amigos entusiastas em um botequim, é sua autonomia mais baixa que seus concorrentes. De fato, temos que o JAS-39C Gripen tem um raio de combate de 800 km, pouco menor que o do F-16 que chega a 925 km sem os tanques de combustível externos.

Acima: O caça JAS-39C Gripen ainda representa uma aeronave de credibilidade na arena de combate aéreo, porém para enfrentar os futuros desafios, uma aeronave ainda mais capaz se tornou fundamental. O Gripen E é a resposta a essa demanda.
A Saab, baseada nos pontos fracos apontados no seu produto, resolveu investir no desenvolvimento de uma versão de nova geração de seu moderno caça. O novo modelo foi chamado, inicialmente, de Gripen NG (New Generation). O principal ponto a ser melhorado era a autonomia e para isso, foi necessário modificar a estrutura do Gripen e mudar o posicionamento do trem de pouso traseiro do JAS-39C, liberando um espaço para um novo tanque de combustível com 1132 kg, aumentando a capacidade de combustível do Gripen NG em 40% e chegando à capacidade de 3400 kg de combustível interno. A partir de agora, o raio de combate do Gripen NG passou a ser de 1300 km, quando armado com 6 mísseis ar ar e um tanque externo sob a fuselagem. O alcance de translado passou de 3200 km para 4070 km com 3 tanques externos. As modificações estruturais levaram a um aumento de peso da aeronave vazia, de aproximadamente 1378 kg, porém a capacidade de transporte de carga aumentou em uma tonelada.  Uma vez que o modelo foi encomendado pela força aérea sueca com um pedido de 60 unidades, e com a aquisição pela Força Aérea Brasileira (FAB) de 36 aeronaves, a Saab passou a chamar oficialmente o NG de Gripen E. Deve-se observar que a Saab modificou um dos JAS-39D Gripen, para incorporar muitas das mudanças projetadas para os Gripen E e F (versão biplace, que somente o Brasil vai adquirir). Esse Gripen modificado é chamado de Gripen DEMO. O primeiro Gripen E novo deverá ser apresentado no final de 2015.

Acima: O protótipo Gripen DEMO é uma modificação do caça Gripen D (biplace) com diversas soluções projetadas para o modelo E. Esse protótipo foi usado para validar essas modificações e se mostrou uma aeronave mais capaz que seu antecessor.
Para lidar com o aumento de peso decorrente do aumento da capacidade do Gripen E, o motor teve que ser substituído. A escolha do novo motor recaiu sobre o modelo General Electric F-414-400 usado no caça norte americano F/A-18E/F Super Hornet. O motor precisou passar por algumas pequenas modificações para adapta-lo ao uso como único motor, dando origem a versão F-414G. Este motor tem empuxo máximo de 9800 kg, um acréscimo de 35% de potencia sobre o motor RM-12 (GE F404) do JAS-39C Gripen.
Este novo motor permite ao Gripen E voar em regime de supercruzeiro de mach 1,2 (1350 km/h) armado com mísseis ar ar, o que foi demonstrado pelo protótipo Gripen DEMO em 21 de janeiro de 2009. Para quem não conhece o que é supercruzeiro, é a capacidade de voar em velocidade supersônica (mach 1 ou 1234 km/h) ou mais, sem uso do pós-combustor, o que permite uma maior autonomia e ainda coloca o avião em vantagem quando estiver atacando, pois pode chegar mais rápido no ponto de lançamento das suas armas e sair rapidamente da área de combate. Hoje, apenas o super caça F-22 Raptor, Typhoon e o novo caça  SukhoiT-50 Pak Fa da Rússia conseguem voar em supercruzeiro.
Acima: O novo motor F-414G fornece 35% mais empuxo que o motor RM-12 do Gripen antigo. Esse aumento tem o objetivo de compensar o aumento de peso do caça.
O radar que será usado no Gripen E será fornecido pela empresa italiana Selex Galileo, sob a forma do modelo ES-05 Raven. Trata-se de um novo radar de varredura eletrônica ativa (AESA), cujo alcance está estimado em 120 km contra um alvo do tamanho de um caça (RCS 5m2). Esse alcance representa um aumento de 30% frente ao alcance do radar PS-05 usado no caça JAS-39C Gripen de geração anterior. O radar Raven, graças a tecnologia “swashplate” permite que a base da antena gire, produzindo um ângulo de varredura de 100º e ele é capaz de fazer a varredura ar ar  e ar terra simultaneamente. Outro recurso interessante do Raven é o de poder interferir nos radares inimigos.
Especificamente, no modo ar terra, o radar Raven será capaz de mapear o solo, criando uma imagem sintética do relevo e de eventuais alvos. Já no modo ar ar, o Raven, permitirá engajar até 4 alvos simultaneamente com o uso de mísseis de médio e longo alcance guiados por radar ativo.
Além do radar, o Gripen E terá um sensor passivo de busca infravermelha IRST Skyward-G, também desenvolvido pela Selex Galileo, equivalente aos sistemas IRST instalados nos caças russos MIG-29 Fulcrum e Su-27 Flanker, sendo capaz de rastrear alvos sem emissões, através do calor das aeronaves inimigas, o que dá uma alternativa para o Gripen E caso esteja operando em silencio radar, para maximizar sua discrição operacional.

Acima: O radar Selex Galileo ES-05 Raven é um radar de varredura eletrônica ativa AESA de segunda geração. Ele tem desempenho bastante melhorado em alcance e capacidade de processamento em relação ao radar de varredura mecânica PS-05 usado no Gripen C.
A suíte de guerra eletrônica do Gripen E é composta pelo sistema Saab Avionics EWS-39. Este sistema emprega diversos recursos que alertam sobre emissões de radares inimigos (RWR) e sobre a atividade de guerra eletrônica como interferência (jammer) feita por forças opositoras. O sistema EWS-39 pode fornecer parâmetros para que o radar Raven seja usado para interferir nas emissões hostis, mostrando um elevado índice de integração dos sistemas do Gripen E. O EWS-39 tem um sistema de detecção de aproximação de mísseis (MAWS) de nova geração, aumentando a consciência situacional e, conseqüentemente, a capacidade do piloto de se evadir em caso de ataque.  O sistema ativa, automaticamente, os lançadores de chaffs e de flares para despistar os sensores buscadores dos mísseis inimigos.
Mesmo com o moderno sistema de guerra eletrônica do Gripen E, a grande estrela dos sistemas eletrônicos instalados nele é seu sistema de datalink. A Suécia é líder mundial em termos de sistemas de intercambio de dados de uso militar sendo que o Gripen é a 3º geração de caças suecos a ser equipado com um sistema desse tipo que permite à aeronave receber e mandar informações fornecidas pelos sensores dele e de outros elementos, como caças aliados, tropas em terra ou navios. A novidade do datalink instalado no Gripen E, frente ao datalink instalado no Gripen C é que no E, o sistema poderá se comunicar com o link 16, padrão das aeronaves de combate da OTAN. Chamado de TIDLS (Tactical Information Datalink System), este sistema é o mais avançado datalink já desenvolvido no mundo. É interessante observar aqui, que a versão brasileira do Gripen E deverá fazer uso do sistema de datalink brasileiro desenvolvido sob o nome de link BR2, que está sendo instalado em aeronave Super Tucano e F-5EM.

Acima: O cockpit do Gripen E que o Brasil usará será de uma nova geração WAD onde uma tela única de grande dimensão e com recurso touch screen (toque na tela) ocupa toda todo o painel. Esse padrão é seguido pelo F-35, o caça tático de 5º geração dos Estados Unidos descrito neste blog e pelo novíssimo super caça russo Sukhoi T-50 Pak Fa. Os suecos optaram pou um cockpit mais convencional com 3 telas MFDs como o Gripen C.
O uso de data bus MIL-STD 1553B, escolhido pela SAAB para seus caças, facilita a integração de novos aviônicos e de armamentos de diversas procedências. Assim, pode-se de dizer, que o Gripen E é um dos aviões de combate com maior flexibilidade de opção de armas do mercado. Na arena ar ar, ele poderá ser armado com mísseis de curto alcance da família AIM-9 Sidewinder, o A-Darter que está sendo desenvolvido pela África do Sul, com aporte financeiro brasileiro, Python IV e Python V de Israel, AIM-132 Asraam da Inglaterra e o ótimo míssil IRIS-T, desenvolvido pela Alemanha. Os mísseis de médio alcance que estão disponíveis para o Gripen E são o AIM-120 Amraam, o míssil Derby, já em uso no Brasil,  o novo míssil Meteor, cujo alcance excede os 110 km e o míssil MICA, francês, cujo alcance chega a 60 km e seu guiamento pode ser feito por radar ativo, como os outros mísseis de médio e longo alcance mencionados aqui, ou por um buscador infravermelho (IR). Já,  o arsenal ar terra, é composto por um igualmente variado leque de armas, que vão das bombas guiadas a laser da família Paveway (GBU-10, 12, 16), bombas guiadas por GPS da família JDAM (GBU-31, 32, 38), a bomba de planeio AGM-154 JSOW, também guiada por GPS, a bomba dispensadora de submunições DWS-39, mísseis ar superfície como o Taurus KEPD-350, RBS-15, usado para destruir navios de guerra e o míssil AGM-65 Maverik.
Ao todo, existem 10 pontos duros sob as asas e fuselagem do Gripen E, para transporte de cargas de combate, tanques de combustível e casulos de sensores, totalizando até 7200 kg de carga externa. O armamento interno do NG é representado por um potente canhão Mauser BK-27 de 27 mm carregado com 120 munições e capaz de uma cadência de 1700 tiros por minuto.

Acima: Neste desenho podemos ver as diferenças entre o Gripen E (de cima) e o seu antecessor, Gripen C. O novo Gripen tem dois pontos fixos a mais de armamentos o que lhe garante maior flexibilidade de emprego em combate.
A Saab desenvolveu o Gripen E para ter um produto mais agressivo no mercado de defesa internacional. A Suécia deverá adquirir 70 unidades deste modelo, porém, é claro que o foco do Gripen E era o mercado de exportação, situação, esta que mudou devido aos últimos acontecimentos no leste europeu, que acabou aumentando a tensão na Europa, e fazendo com que a Suécia se interessasse mais ainda em ter um caça superior a seus Gripens C. Até mesmo uma nova versão navalisada, projetada para operar a partir de navios aeródromos foi oferecida ao Brasil e a Índia que dispõe de porta-aviões.
O aumento significativo do alcance e a instalação de um sistema de datalink compatível com os sistemas similares ocidentais mostram que o foco da Saab é agradar os países membros da OTAN, notadamente aqueles que não dispõem de uma indústria aeronáutica e que os orçamentos militares não são tão generosos, como a Holanda, Dinamarca e Noruega. 
O Brasil escolheu o caça Gripen E no dia 18 de dezembro de 2013, dando fim numa interminável novela chamada FX-2 que se arrastava a mais de 15 anos, se contarmos o programa FX 1 de 1998 que foi cancelado quando o ex-presidente Lula assumiu a presidência. Em 2006 foi criado o FX-2 e ai começou a guerra dos lobbys que se acirrou agressivamente depois da escolha dos 3 finalistas do programa FX-2: JAS-39 Gripen NG (modelo E), caça norte americano F/A-18E Super Hornet e o modelo francês, Dassault Rafale.

Acima: Nesta foto temos uma maquete de um Gripen E com uma proposta de cor que a FAB poderia adotar, porém ainda não é oficial.
O Gripén E é um bom caça, com boas capacidades de combate e de desempenho, porém, sua escolha no programa FX se deu, principalmente por uma questão de custo de aquisição e de manutenção menores, uma vez que a Força Aérea Brasileira (FAB), não pode sempre contar com a generosidade do governo com relação a seu orçamento, além isso, há também falhas na gestão do dinheiro disponibilizado aos comandos das três forças armadas brasileiras que complica ainda mais a situação. Outro ponto que contou a favor do Gripen E foi a proposta de transferência de tecnologia, exigida pelo governo brasileiro, onde a Saab foi, particularmente agressiva. Em termos puramente de desempenho, o Gripen era inferior ao caça francês Rafale, um caro bimotor que nem pode ser considerado da mesma categoria do Gripen.
De qualquer forma, o Gripen E  trará  a FAB uma capacidade de combate que ela nunca a teve,  e isso é o que deve ser levado em conta quando se avalia se o Gripen E foi a melhor escolha ou não para o programa FX-2.

Acima: A empresa brasileira AKAER Engenharia, será responsável pela fabricação das partes destacadas em verde neste desenho do Gripen E. A transferência de tecnologia foi um dos pontos fundamentais para a vitória do Gripen E no programa FX-2.

Acima:  O míssil MBDA Meteor é o mais avançado e capaz míssil ocidental. O Gripen foi o primeiro caça a ter este armamento integrado a seus sistemas de armas. Com o Meteor, o Gripen E terá condições de tomar a iniciativa do ataque a distancias que excedem os 100 km.



ABAIXO TEMOS UM VÍDEO COM UMA DEMONSTRAÇÃO DE UM GRIPEN C.  

Curtiu o blog WARFARE? Assine a lista de atualizações através da ferramenta de alertas na barra lateral do blog, ou pelo e-mail editorwarfare@gmail.com e siga a fanpage WARFARE no facebook pelo endereço: https://www.facebook.com/warfareblog

31 comentários:

  1. Excelente caça, pena que vai demorar tanto para atuar no Brasil. Espero também que a Embraer possa ter sucesso nesse projeto.

    ResponderExcluir
  2. Caça muito bom.

    Carlos,

    O que me preocupa é fato do Gripen usar motor da General Electric. Qualquer embargo dos EUA ou qualquer discordância política eles podem cortar o fornecimento do motor. Isso é uma grande ameaça para a soberania de qualquer nação.

    ResponderExcluir
  3. A Embraer bem poderia desenvolver o projeto dele para ser propulsado pela turbina do europeu Typhoon...

    ResponderExcluir
  4. Olá Bob Sap. O risco existe com qualquer fornecedor, incluindo russos. Na guerra das malvinas, os franceses, deixaram de entregar misseis Exocet aos hermanos pois eram aliados dos ingleses....
    A questão é que já usamos muita coisa americana. Não acho que teremos esse tipo de problema com eles.

    ResponderExcluir
  5. Dos três finalistas do FX-2 não vejo opção melhor do que o GRIPEN, Rafale, Ótimo caça, mas Caroo!!, F-18, bom caça, mas se tratando do fornecedor, e dados a idade do seu projeto? Se bem que essa tal transferência não convence a maioria dos leitores dessa areia, pois há muitas duvidas se isso é mesmo real. Sendo assim o GRIPEN foi à melhor opção dos três finalistas, mas fica evidente que quantidade inicial de 36 SCANIA para voar os céus do Brasil é insuficiente precisaríamos de no mínimo 120 para negar o espaço aéreo e com certeza precisamos de um interceptador que seja bem, mas capaz, seria muito bom ter pelo menos 26 SU-35 visto que essa caça espalhados em pontos diferentes do país teria um raio de ação em todo o continente sul americano. Carlos sabe informa como está a situação da Venezuela com seus SU-30?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://militarypower.com.br/frame4-Gripen.htm raio de açao do gripen

      Excluir
  6. Olá Rafael. Soube que a Venezuela está inadimplente com os russos e por isso seus sistemas de armas dessa procedência estavam sem manutenção. Não só os Flankers mas outros veículos também. Os russos assinaram um novo acordo de financiamento militar e acredito que esteja coberto, peças que estavam faltando. Observe que o governo bolivariano da Venezuela é de extrema incompetência administrativa e por isso, o país, rico produtor de petróleo, está numa merda de dar dó.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. o facto de ser monomotor deixa-me reticente....
    depois, ficar agarrado aos amerdicanos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Super Tucano Tem uma grande quantidade de aparatos amercanos, assim como o KC390.

      Excluir
  8. Olá Luis Santos.
    Pode-se ter restrições sobre o Gripen, claro. Mas eu não considero o fato dele ser monomotor um problema e nem o fato do motor ser americano. os Estados Unidos são aliados nossos hoje e procuram manter boas relações conosco. Muitos bons caças são monomotores, vide o F-16, Mirage 2000, F-35, etc O motor do Gripen tem uma vantagem e uma pequena desvantagem técnica. A vantagem é que esse motor é muito.... mas muito confiável. Dificilmente dá algum pau. Por outro lado, mesmo com quase 10000 kgf de empuxo, ele é, ainda, incapaz de dar uma relação empuxo peso de uma unidade ou maior ao Gripen. Isso se reflete em uma menor capacidade de recuperar velocidade e energia, depois de manobras bruscas. Nossos caças F-5, os turbo propulsores Super Tucanos usam motores e sistemas americanos sem o menor problema e estamos adquirindo helicópteros e outras coisas deles. O caso de perigo de boicote, ou embargo é inerente a, absolutamente, todos os fornecedores de armas do mundo, sejam russos, sejam franceses ou mesmo americanos. Mas como disse, nossas relações são muito boas.

    ResponderExcluir
  9. Olá Carlos, excelente post como sempre !!! Com relação ao cockpit do Gripen E aqui está dizendo que terá um só display multifuncional do tipo touch screen mas eu vi outros post em outros sites inclusive um com fotos de um mock-up do Gripen E exposto pela própria SAAB no Farborough International Airshow onde o cockpit tinha três displays grandes multifuncionais, você chegou a ver isso?

    ResponderExcluir
  10. Olá Topol! Obrigado!
    Sim eu vi. Porém a versão com o cockpit em touch screen é uma opção para o modelo, porém, claro, é mais caro... rsrsrs O Brasil deve optar pela versão mais barata, no caso, a apresentada em Farborough.
    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Quando serão entregues os primeiros modelos? Carlos para cobrir todo o nosso território, de quantos Gripen E precisaríamos? Por que o Brasil ainda adquire aviões em pequenas quantidades?

    ResponderExcluir
  12. Olá Junculus.
    O recebimento dos primeiros Gripens E, devem ser recebidos por volta de 2018 se tudo der certo. reio que o numero ideal de aeronaves para cobrir o território nacional, seria de, pelo menos 84 unidades divididas em 17 esquadrões de 12 aeronaves. O Brasil compra pequenas unidades justamente pelos altos valores envolvidos nesse tipo de aquisição, e ainda, com a transferência de tecnologia que se exige, o que, faz aumentar muito os valores envolvidos.
    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Olá pessoal !!
    Tem um erro gritante na ficha técnica do Gripen E.
    Sua potência não é 0.94 somente com combustível.
    Só calcular...
    Empuxo / pesovazio + combustível
    9.800 / 8.000 + 3.400
    9.800 / 11.400
    = 0.86

    Muito baixo, se formos comparar com o F-16 (1.10) e Rafale (1.10) tbm somente com combustível. Significa que este Gripen mais pesado terá pouca energia (aceleração) pra manobras agressivas e subidas rápidas, e isso é determinante num combate WVR.
    O Gripen C é de 0.80, portanto, pouca melhoria na performance.
    E se houver um Sea Gripen, terá aumento do peso vazio pra mais de 9.000kgs, e tbm terá 0.80...pouca agilidade !!

    ResponderExcluir
  14. Complementando...

    O Gripen Demo NG (aeronave biplace) possui potência de 0.92 pois seu peso vazio é menor 7.200 kgs com o empuxo de 9.800 kg do GE F414.

    ResponderExcluir
  15. Olá Ralb.
    Obrigado pela correção. Já consertei a informação. De fato o F-16 e Rafale tem desempenho de aceleração superior graças a seu melhore coeficiente a relação empuxo peso. Por outro lado, seu baixo coeficie3nte aérodinamico diminuirá essa fraqueza seu empuxo, assim como que as armas modernas como o A- darter e mísseis de médio alcance Meteor, também darão uma boa letalidade ao modelo. Seria muito interessante se fosse incorporado o programa EPE (Enhanced Performance Engine) previsto para ser implantado nos motores F-414 do caça norte americano F/A-18E Super Hornet que aumentará a potência em 17%, levando um empuxo máximo de 11700 kgf por motor o que deverá melhorar o desempenho de voo de uma forma geral. No Gripen E, faria uma diferença descomunal, em desempenho de aceleração e de voo de super cruzeiro.
    Abraços

    ResponderExcluir
  16. Alguém pode me explicar uma coisa, Na ficha do F22, estava escrito que o raio de ação d era de 700 Km.
    NA ficha do Gripen, o Raio de ação é 1300 km, no texto porém, é dito que é apenas 800 km. Hum digamos que 800 km seja com o set completo de armas, mesmo assim é uma rao de ação maior que o F22, e ainda tem gente reclamando???

    ResponderExcluir
  17. Olá José Luiz Barudi.
    Excelente pergunta e uma ótima oportunidade de explicar isso. O F-22 opera furtivo sem tanques externos e por isso seu raio de ação é limitado a 700 km. Caso a situação permita segurança de voo, e o F-22 não necessite mais ficar furtivo, poderá usar seus tanques externos, que, por um lado aumentam, e muito, sua autonomia, de outro, degradam seu desempenho manobrado e velocidade máxima. O Gripen não é furtivo e o dado de seus 1300 km é dado já considerando dois tanques externos. Sem esses tanques. o desempenho do Gripen cairia muito.
    Abraços

    ResponderExcluir
  18. Carlos o Radar do Gripen F tem o alcance apenas de 120 Km? não é pouco para um caça de 4 geração?

    ResponderExcluir
  19. Olá Richardson.
    Eu concordo que é pouco. Porém, o dado é uma estimativa. O dado de desempenho ainda é classificado.
    Abraços

    ResponderExcluir
  20. Grande Carlos.

    O que você acha dessa relação peso-potência de 0,86 do Gripen E?

    ResponderExcluir
  21. Olá Lywistone. Eu acho ela baixa. Porém, o avião tem baixa resistência aerodinâmica o que facilita sua aceleração. Mas é, sem duvida, o avião menos potente dentre os caças modernos.
    Abraços

    ResponderExcluir
  22. Desejo saber qual é o peso dese motor do Gripen para O Brasil, este tal Ge 414, alguem pode dizer...

    ResponderExcluir
  23. Olá Wagner. O peso do motor é de 1110 kg.
    Abraços

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Vi hoje em varios sites que a US Navy vai encomendar mais 80 caças F18 E/F Super Hornet.
    Seria uma boa opção para o Brasil comprar 18 unidades desse caça?
    É um caça com maior alcance 3500 kilometros.
    No caso a Block III, que vem com tanques conformais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá geudice!
      O Super Hornet é uma aeronave muito capaz. Mas só a compraria, caso não tivéssemos comprado o Gripen. Já que fomos de Gripen, então que se comprem pelo menos 72 aeronaves para defesa do país.
      Abraços

      Excluir
    2. Esse F18 E/F com tanques conformais deve ser uma jaca. Tipo lança os mísseis que yem e volta correndo para casa ��

      Excluir