quinta-feira, 14 de julho de 2016

CLASSE VIRGINIA. O avançado caçador da US Navy

FICHA TÉCNICA
Tipo: Submarino nuclear de ataque
Data de comissionamento: Outubro de 2004
Comprimento: 114,9 m.
Largura: 10,36 m.
Calado: 9,3 m.
Deslocamento: 7800 toneladas.
Velocidade máxima: 25 nos (46 Km/h) submerso
Profundidade: maior que 240 metros
Armamento: 4 Tubos para torpedos 533 mm (13 torpedos MK-48), 12 tubos verticais para lançamento de mísseis BGM-105 Tomahawk.
Tripulação: 134 homens.
Propulsão: Um reator nuclear General Electric S9G e duas turbinas a vapor que produzem 40000 hp de potencia.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S.Junior
Um dos pontos mais importantes de uma marinha séria é sua capacidade de combate fornecida por seus submarinos. Dentro da estratégia de defesa que um país tenha, a quantidade, qualidade e capacidade de seus submarinos vão ditar o sucesso ou o fracasso dessa estratégia de defesa. Os Estados Unidos possuem uma politica internacional altamente intervencionista e por isso, mantem uma força militar, nas suas 4 forças armadas, bastante numerosa. No caso da Marinha (US Navy), em especial, sua força é incontestavelmente a mais poderosa do mundo numericamente e em sofisticação. Só de submarinos nucleares de ataque (sem misseis balísticos), são 54 embarcações! Muitos países não tem esses numero somando todos seus tipos de navios! O submarino nuclear mais numeroso na US Navy é o da classe Los Angeles, com 39 embarcações operacionais na data de hoje. Esta classe, no entanto, já sente o peso de sua idade, afinal de contas, trata-se de um projeto da década de 70 do século passado. Os Estados Unidos pretendiam substituir essa classe ainda no final da guerra fria com seu poderoso submarino classe Sea Wolf que em breve estará sendo descrito neste site também. Porém a soma de fatores como o fima da guerra que levou a uma mudança na ordem mundial, a crise que a assolou a Rússia neste mesmo período, e os elevadíssimos custos envolvidos no programa Sea Wolf, foi decidido que o investimento nessa classe não seria necessário de forma que apenas 3 unidades do Sea Wolf foram concluídas e colocadas em serviço. A US Navy precisava de um submarino mais econômico e que fosse mais versátil que o Sea Wolf e que pudesse ser usado em missões de águas rasas, onde a guerra assimétrica, novo tipo de conflito, passara a ser mais relevante.
Acima: O Virginia em sua fase final de construção antes de ir ao mar. Esta classe manterá a capacidade de combate da marinha dos Estados Unidos entre as três mais poderosas do planeta.
Dentro das necessidades expostas no primeiro paragrafo, a General Dynamics Electric Boat foi contratada em 1991 para desenvolver um submarino nuclear de ataque que preenchesse os requisitos de flexibilidade de emprego e menores custos de aquisição e manutenção que os poderosos submarinos Sea Wolf, para poder assumir o lugar dos numerosos submarinos da classe Los Angeles.
O primeiro submarino da classe,  USS Virginia foi comissionado em outubro de 2004 e desde então, 11 novos submarinos desta classe seguiram, sendo que o planejamento é de incorporar 48 unidades deste moderno submarino.
O sistema de propulsão do nuclear do Virginia usa um reator General Electric S9G que move um subsistema de hidro jato (pump jet) onde uma hélice com várias pás gira dentro de um duto produzindo um sistema muito eficiente de impulsão e mais silencioso que o tradicionais sistema de hélices usadas em submarinos mais antigos. O sistema todo produz  40000 Hp de força e 30000 KW de energia. O reator tem combustível nuclear para operar ininterruptamente por 33 anos (sim, você leu certo. São trinta e três anos sem reabastecimento). na verdade o submarino só vai parar para reabastecer os insumos de sobrevivência da população como alimentos, medicações, etc.
este sistema permite ao Virginia atingir uma velocidade de 25 nós (6 km;h) quando submerso, e seu casco suporta profundidades superiores a 240 metros (o dado exato é classificado).
Acima: O sistema de propulsão nuclear Genreal Electric S9G fornece 40000 Hp e precisam ser reabastecido a cada 33 anos.

Acima: O Virginia usa um sistema de impulsão conhecido como hidro jato (Pump Jet) mostrado neste desenho. este sistema permite maior eficiência além de um funcionamento mais silencioso.
Os submarinos desta classe possui um sistema sofisticado de comunicação via satélite (SATCOM) que é fornecido pela Raytheon. Através deste sistema, que fica montado no mastro do submarino é é operado a profundidade de periscópio, onde apenas a antena do sistema fica exposta fora da água, o Virgina recebe dados de voz, imagens, vídeo conferência através do serviço de transmissão global fornecido pela constelação de satélites Milstar e satélites de comunicação militar. O submarino também tem acesso a internet através de um sistema chamado FORCEnet o que permite o intercambio de dados militares entre os navios da frota norte americana e ainda dá a possibilidade da tripulação poder se conectar com seus familiares amenizado o natural estresse da atividade militar preso dentro de um submarino.
O Virginia possui uma suite de sonares composta pelo sonar AN/BQQ-10(V4) , que é um sensor de nova geração que também foi instalado nos submarinos da classe Sea Wolf e nas modernizações dos velhos submarinos da classe Los Angeles. Além desse sonar, foi instalado um sonar rebocado no estado da arte, TB-29 que fornece detecção, dados da localização e classificação da ameaça. Por ultimo, o sonar TB-34 rebocado, também mas otimizado para ser usado em águas rasas próximo ao litoral, onde existe uma exposição maior a congestionamento de sinais desordenados naturais.
Também foi instalado um radar AN/BPS-16 que é usado para fornecer maior segurança de navegação, além de um aumento da consciência situacional através da detecção de aeronaves voando baixo.
Acima: Internamente, o marinheiro que trabalha nas operações desta moderna maquina de combate, pode se sentir como em uma nave de filmes de ficção cientifica. Sensores no estado da arte, e diversos displays centralizam a maioria das informações criticas para a missão facilitando a tomada de decisões.
A capacidade ofensiva do Virginia vem de seus 4 tubos de torpedos pesados de 533 mm equipados com torpedos MK-48 ADCAP Mod 6 cujop alcance varia de 38 a 50 km dependendo da velocidade configurada. este torpedo possui uma potente ogiva de 292,5 kg de alto explosivo. Seu sistema de guiagem usa um sonar próprio que opera passiva e ativamente. também, pelos mesmos tubos, o Virginia pode empregar os mísseis anti navio UGM-84D Sub Harpoon, com alcance de 140 km e guiado por radar ativo. este míssil transporta uma ogiva de 221 kg de alto explosivo e pode por a pique navios do tamanho de um destróier com um só impacto. Os tubos de torpedos podem, também, lançar minas navais MK-60 Captor.
Porém o armamento que mais chama a atenção no Virginia são os 12 lançadores verticais a frente da vela, onde são lançados mísseis BGM-109 Tomahawk, que são usados para atacar alvos de superfície, principalmente em terra graças a seu alcance que varia de 1700 a 2200 km dependendo da versão do míssil.; O Tomahawk usa um sistema de guiagem complexo composto por INS, GPS, TERCOM (Mapas do terreno previamente gravados na memoria de navegação do míssil) DSMAC (Digital Scene-Mapping Area Correlator) que integra o Tercom com um sistema de guiagem terminal e um radar ativo. A margem de erro do Tomahawk é de apenas 5 metros (o comprimento de um carro de luxo). Ou seja, o alvo será destruído, mesmo que ele o erre, uma vez que sua ogiva pode ser de 450 kg de alto explosivo, Fragmentação, sub munições ou mesmo uma W-80 nuclear com rendimento de até 150 Kt. (A que explodiu Hiroshima tinha 15 Kt apenas).
Acima: O armamento disponível nos submarinos da classe Virginia é composto por 4 tubos de torpedos pesados de 533 mm para torpedos MK-48 ADCAP Mod 6; Mísseis anti-navio Sub Harpoon; Minas navais MK-60 Captor, e 12 tubos verticais para lançamento de mísseis Tomahawk.
O moderno submarino da classe Virginia vai permitir aos Estados Unidos uma grande capacidade de se contrapor aos poderosos submarinos de ataque russos graças a seus sistemas no estado da arte e a grande capacidade de operar de forma silenciosa. Além disso, esta flexível plataforma de ataque, será muito útil em reforçar os grupos de batalha em termos de poder de fogo contra alvos de superfície com seus mísseis Tomahawks. Está previsto que esta classe de submarinos opere até o final dos anos 60, o que dará um tempo de vida operacional de mais de 55 anos quando o ultimo submarino desta classe der baixa do serviço ativo.
Acima: Aqui podemos ver um infográfico com os principais sistemas do submarino da classe Virginia.


ABAIXO TEMOS UM VÍDEO COM O VIRGINIA


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

10 comentários:

  1. Prezado Carlos Emílio, parabéns, pela excelente matéria, como ás demais publicações, que o senhor realiza!!!

    ResponderExcluir
  2. Interessante a possibilidade da tripulação acessar a internet pra se comunicar com familiares ,imagino que deva ser controlado ou monitorado pra evitar que numa conversa por descuido se revele informações sensiveis como a localização,algo crucial pra um submarino ! Aliás acho que perguntei algo do tipo no antigo blog mas não me recordo a resposta: Virgínia x Astute ,qual o melhor? Abrçs !

    ResponderExcluir
  3. Olá Johnwolque.
    Embora o Astute tenha alguns pontos mais avançados como seus sistema de antenas e periscopios que ficam embutidos na vela do submarino, considero o Virgina mais poderoso graças a sua capacidade de operar os isseis tomahawk em lançadores independentes dos tubos de torpedos, que o Astute ainda compartilha para torpedos e misseis,
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Matéria legal. Como sempre bem redigida e de excelente qualidade.

    ResponderExcluir
  5. Matéria legal. Como sempre bem redigida e de excelente qualidade.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Carlos. Se dependesse de você e não de politiqueiros não seríamos obrigados a ver nossas Forças Armadas com um pires nas mãos, marchando na lama infinita do descaso, pairando nos céus do lamúria e navegando nas águas do mar da miséria.

    ResponderExcluir
  7. Brasil. País do futebol (só clichê), não tem mais futebol, mas tem carnaval e no lugar do futebol tem escândalos de desvios de dinheiro público todo dia.
    Perdi orgulho e a fé em nosso país.

    ResponderExcluir
  8. Brasil. País do futebol (só clichê), não tem mais futebol, mas tem carnaval e no lugar do futebol tem escândalos de desvios de dinheiro público todo dia.
    Perdi orgulho e a fé em nosso país.

    ResponderExcluir