quinta-feira, 20 de agosto de 2020

COMENTÁRIO: Por que exoesqueletos militares continuarão sendo ficção científica

Hangzhou, China- 27 de maio de 2020: Uma mulher usa a armadura Scream. (Visual China Group)

Por Vikram Mittal, Forbes, 17 de agosto de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de agosto de 2020.

[Nota do Warfare: As opiniões expressas neste artigo pertencem ao seu autor, não sendo necessariamente as opiniões do Warfare Blog.]

De Tropas Estelares de Robert Heinlein ao Homem de Ferro da Marvel, a ficção científica está repleta de trajes de combate futurísticos que fornecem a um soldado capacidades sobre-humanas. O maior desafio em trazer esses trajes de combate à realidade é o exoesqueleto robótico no qual o traje é construído. Na verdade, o complexo industrial militar possui um enorme cemitério de projetos de exoesqueletos.

O mais recente projeto de traje de combate, o Traje de Operador Leve de Assalto Tático (Tactical Assault Light Operator Suit, TALOS*), pretendia construir um exoesqueleto que pudesse aumentar a quantidade de armadura carregada por um operador das Forças Especiais. Embora o projeto TALOS tenha produzido inúmeras tecnologias derivadas, ele acabou falhando em produzir um traje, citando o conjunto padrão de desafios técnicos associados aos esforços de desenvolvimento de exoesqueleto.

*Nota do Tradutor: Na mitologia grega, Talos, também escrito Talus (Grego: Τάλως, Tálōs) ou Talon (Grego: Τάλων, Tálōn), era um autômato gigante feito de bronze criado para proteger a rainha Europa em Creta de piratas e invasores. Ele circulava as costas da ilha três vezes ao dia.

Um autômato (plural: autômatos), "agindo por vontade própria", é uma máquina relativamente autônoma, ou uma máquina ou mecanismo de controle projetado para seguir automaticamente uma sequência predeterminada de operações ou responder a instruções predeterminadas. Autômatos são projetados para dar a ilusão ao observador casual de que estão operando por conta própria. Desde muito tempo, o termo é comumente associado a fantoches automatizados que se assemelham a humanos ou animais em movimento, construídos para impressionar e/ou entreter as pessoas. Abaixo o gigante Talos no clássico Jasão e os Argonautas (1963):

O primeiro desafio técnico está relacionado ao sensoriamento - como o traje pode saber quando e como se mover. Sem detecção rápida, o intervalo entre o desejo do operador de se mover e o movimento real faz com que o operador sinta que está se movendo através de uma poça de gelatina.

Um segundo desafio está associado à atuação. Embora o acionamento de um joelho seja direto, articulações mais complexas, como quadris e tornozelos, requerem atuadores multidimensionais muito avançados. Mesmo os atuadores mais avançados ainda limitariam a amplitude total de movimento dessas articulações, resultando em uma diminuição da agilidade.

Equipamento de exoesqueleto movido a tecnologia, que pode ajudar entregadores a carregarem objetos pesados, antes do próximo 2019 Global Smart Logistics Summit (GSLS) no Hangzhou International Expo Center em 27 de maio de 2019, em Hangzhou, província de Zhejiang na China. O GSLS 2019 com o tema ‘Impulsionando a digitalização’ abre na terça-feira em Hangzhou.

O desafio técnico final é com a potência. Um exoesqueleto requer potência equivalente a uma pequena motocicleta. Embora várias alternativas de energia estejam disponíveis, os motores seriam muito barulhentos, as células de combustível seriam muito quentes e as baterias seriam muito pesadas. Além disso, a maioria das fontes de energia são muito inflamáveis ou explosivas, resultando em problemas de segurança.

A cada tentativa de exoesqueleto, o complexo industrial militar fica mais perto de resolver esses obstáculos técnicos, especialmente à medida que o setor comercial faz novos desenvolvimentos nos campos associados. Em particular, a comunidade protética fez enormes avanços no sensoriamento biomecânico. Além disso, vários participantes do setor de produtos de consumo estão trabalhando para desenvolver motores mais inteligentes e avançados. Além disso, uma grande parte dos esforços de pesquisa e desenvolvimento do mundo está focada em energia, então opções de energia mais leves e seguras estarão disponíveis em breve.

No entanto, em sua essência, esses desafios técnicos não serão o problema que impede o combate de exoesqueletos. Enquanto a ficção científica pinta uma visão otimista para exoesqueletos, a história pinta um quadro menos róseo. Vejamos, por exemplo, a Batalha de Agincourt, onde um grande contingente de cavaleiros franceses em armaduras perdeu para um pequeno grupo de arqueiros britânicos.

A história indica que há dois fatores críticos que todas as novas tecnologias devem levar em conta - logística e reações do inimigo. Infelizmente, os exoesqueletos têm deficiências em ambas as áreas.

Para que o traje seja eficaz, ele deve ser usado por um grande número de soldados, portanto, a comunidade de defesa precisaria adquirir um grande número desses trajes. No entanto, embora a maioria dos itens de uniformes venha em tamanhos padrão, cada exoesqueleto deve ser ajustado de acordo com o usuário. Além disso, o exoesqueleto deve se adaptar conforme o corpo do usuário muda. Qualquer desalinhamento entre os atuadores e as articulações pode tornar o traje inútil e potencialmente perigoso. Os recursos associados à fabricação e manutenção de um grande número de trajes personalizados seriam astronômicos, ao mesmo tempo que criariam um pesadelo logístico.

Região de Moscou, Rússia, 24 de agosto de 2018: Exoesqueleto desenvolvido pela Rostec em exibição no Fórum Técnico e Militar Internacional do Exército 2018. (Marina Lystseva/ TASS)

Em segundo lugar, os inimigos se adaptarão a qualquer nova tecnologia injetada no campo de batalha. A complexidade de um traje de combate se presta a muitas vulnerabilidades, com a maior fraqueza sendo a pessoa dentro do traje. Nos quadrinhos, o Homem de Ferro pode ser jogado de um lado para outro e sobreviver; entretanto, a física básica ditaria que a aceleração e desaceleração repentinas deveriam esmagar seus órgãos internos, matando-o. Embora o traje possa ser construído para sobreviver a explosões significativas e ser jogado a distâncias tremendas, o usuário dentro dele provavelmente ainda morreria. A abordagem lógica para combater esses problemas é tirar o humano do traje, o que, por sua vez, elimina a necessidade de um exoesqueleto.

Certas tecnologias mudaram a face da guerra e deram a seus usuários uma vantagem sem precedentes. Essas tecnologias variam de espadas de bronze a metralhadoras e submarinos, muitos dos quais têm raízes na ficção científica. No entanto, apesar desses sucessos, é melhor deixar algumas tecnologias no reino da ficção. Um desses conceitos futuristas são os exoesqueletos. Uma ou outra vez, a comunidade de defesa falhou em produzir exoesqueletos funcionais devido a desafios técnicos. Embora esses desafios provavelmente sejam resolvidos pelo setor comercial, o uso de exoesqueletos tem problemas fundamentais que provavelmente impedirão seu uso em combate.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

O Exército Francês está contratando escritores de ficção científica para imaginar ameaças futuras3 de junho de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 1 Os americanos e a Primeira Guerra Interestelar17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 2 O exército do retro-futurismo17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 3 Para a glória da Infantaria Móvel17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 4 Derrotar civilizações extraterrestres17 de fevereiro de 2020.

FOTO: Saddam Hussein e a ficção científica28 de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário