sábado, 11 de abril de 2020

A Arábia Saudita tem o melhor equipamento militar que o dinheiro pode comprar - mas ainda não é uma ameaça para o Irã

Soldados das forças especiais sauditas com fuzis de assalto G36C. (Agência de Imprensa Saudita)

Por Ben Brimelow, Business Insider US, 16 de dezembro de 2017.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de abril de 2020.

- A Arábia Saudita tem alguns dos melhores equipamentos militares que o dinheiro pode comprar, mas suas forças armadas ainda não são vistas como uma ameaça ao seu rival de longa data, o Irã.

- As forças armadas da Arábia Saudita não se mostraram capazes de combater efetivamente os rebeldes houthis apoiados pelo Irã no Iêmen.

- Seu arsenal é projetado para uma grande guerra convencional - não para a guerra terceirizada.

Nos últimos anos, a Arábia Saudita liderou uma intervenção na guerra civil do Iêmen, foi a força motriz por trás de uma crise diplomática entre o Catar e seus vizinhos e se envolveu na política do Líbano.

Todas essas coisas parecem ter um objetivo comum: empurrar a influência do Irã.

Mas especialistas dizem que as ambições da Arábia Saudita são limitadas por suas forças armadas, as quais são consideradas uma força ineficaz, embora o reino seja um dos maiores gastadores do mundo em defesa.

"O fato é que o Irã é melhor nesse processo", disse Michael Knights, pesquisador da Lafer no Instituto Washington, especializado em assuntos militares e de segurança no Iraque, Irã e Golfo Pérsico.

"Não há no Estado-Maior iraniano ninguém que tenha medo da Arábia Saudita", disse Knights.

O esforço da Arábia Saudita no Iêmen - onde seu conflito de anos com os rebeldes houthis não tem fim - revela suas deficiências contra um adversário como o Irã.

"O que realmente estamos falando é como eles se comparam em uma guerra terceirizada", disse Knights. "É o que eles estão fazendo na região hoje em dia."

Soldados iranianos marchando em um desfile de 2011 em Teerã para comemorar o aniversário da guerra Irã-Iraque. (Reuters)

Um dos maiores gastadores em defesa

As forças armadas da Arábia Saudita enfrentam dois problemas principais. Elas são muito grandes, tornando-as mais suscetíveis a problemas organizacionais e de qualidade, e seu arsenal é projetado para uma grande guerra convencional e não para as guerras terceirizadas do século XXI.

Por toda a ineficácia militar da Arábia Saudita, é difícil culpar os equipamentos do reino. No ano passado, a Arábia Saudita foi o quarto maior gastador em produtos de defesa do mundo, logo atrás da Rússia.

De acordo com a IHS Jane's, uma editora britânica especializada em tópicos militares, aeroespaciais e de transporte, a Arábia Saudita foi o maior importador mundial de armas em 2014.

Dados do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo mostram que a Arábia Saudita foi o segundo maior importador de armas em 2015 e 2016. As importações de armas para o reino aumentaram mais de 200% desde 2012, segundo o instituto.

O armamento que está sendo comprado também não é de baixa qualidade. A maioria do hardware militar da Arábia Saudita é comprada de empresas americanas. De fato, 13% de todas as exportações de armas dos EUA em 2016 foram destinadas ao reino. As empresas do Reino Unido e da Espanha foram os segundo e terceiro maiores vendedores.

Um Eurofighter Typhoon da Força Aérea Real Saudita. (Wikimedia Commons)

O arsenal da Força Aérea Real Saudita inclui os Eurofighter Typhoon, talvez o jato de caça mais avançado em serviço pelas forças armadas europeias, e os americanos F-15 Eagle, o indiscutível rei dos céus por três décadas e ainda formidável. Os sauditas ainda têm seu próprio modelo do Eagle - o F-15SA (Saudi Advanced), que começou a ser entregue este ano.

As Forças Terrestres Reais da Arábia Saudita, o exército saudita, têm tudo, desde tanques M1A2 Abrams e veículos de combate M2 Bradley até helicópteros AH-64D Apache Longbow e UH-60 Black Hawk.

Praticamente todos os navios da Marinha Real Saudita foram construídos em estaleiros americanos, especificamente para a Arábia Saudita. Suas fragatas mais recentes, a classe Al Riyadh, são versões modificadas da fragata francesa da classe La Fayette.

A Arábia Saudita é uma das nações mais bem equipadas do mundo. No entanto, as forças armadas sauditas não colocam medo no coração de seus adversários, ou potenciais inimigos.

Tropas das forças especiais sauditas durante uma operação de reféns. (Vice / YouTube)

A guerra terceirizada no Iêmen

Evidências das deficiências das forças armadas sauditas podem ser vistas ao sul da fronteira saudita no Iêmen.

Quase três anos depois que a Arábia Saudita, apoiada por outros países árabes e do Golfo, lançou uma intervenção militar para apoiar o presidente deposto do Iêmen, Abdrabbuh Mansur Hadi, rebeldes houthis apoiados pelo Irã ainda estão ativos e continuam a deter a maior cidade e capital do Iêmen, Sana'a .

Além disso, os houthis se mostraram capazes de lançar ataques de alto perfil contra os sauditas. Isso inclui várias incursões transfronteiriças à Arábia Saudita, ataques bem-sucedidos a navios das marinhas emirati e saudita, e o lançamento de mísseis balísticos no coração do reino.

Em uma vergonha mais recente, um relatório do The New York Times sugeriu que um míssil balístico disparado pelos houthis que explodiu em um aeroporto na capital saudita de Riad não foi realmente abatido como anteriormente reivindicado pelas forças armadas sauditas.

O estado da Guerra no Iêmen no início deste mês. O vermelho representa o território do governo iemenita, apoiado pela coalizão liderada pela Arábia Saudita, o branco para os afiliados da Al-Qaeda, o preto para o ISIS e o verde para os rebeldes houthis apoiados pelo Irã. (Wikimedia Commons)

Por que não houve vitória no Iêmen

Os sauditas tiveram uma tarefa difícil no Iêmen. Eles têm que operar no coração do território houthi contra uma força de combate bem treinada, bem financiada e bem suprida.

A Arábia Saudita, no entanto, não enviou forças terrestres significativas para o Iêmen que seriam necessárias para vencer no campo de batalha.

"Não sabemos se as forças armadas sauditas podem ter um impacto significativo na guerra iemenita, porque só vimos o desdobramento do poder aéreo saudita", disse Knights ao Business Insider.

"Geralmente, uma campanha apenas de poder aéreo não terá um grande impacto - particularmente nesse tipo de terreno complexo com um inimigo que é muito hábil em se esconder do poder aéreo e geralmente se parece com civis", disse ele.

Tropas sauditas em sua base na cidade portuária de Aden, no sul do Iêmen, em 2015. (Reuters)

Knights estima que 10.000 a 20.000 soldados seriam necessários para ter o efeito desejado. No entanto, as forças armadas sauditas não mobilizaram suas forças terrestres* - provavelmente porque a liderança saudita sabe que, como diz Knights, eles "sofrem de fraquezas significativas".

*Nota do Tradutor: Os sauditas eventualmente comprometeram 150 mil homens no Iêmen mas sem, no entanto, conseguirem alterar o impasse.

Essas fraquezas incluem a falta de equipamento logístico e a experiência necessária para realizar uma tal campanha.

"Eles não têm experiência em uma operação expedicionária", disse ele, observando que a campanha da Tempestade no Deserto contra o Iraque - para a qual a Arábia Saudita contribuiu - foi em grande parte um esforço americano.

Além disso, as forças terrestres da Arábia Saudita como um todo não são treinadas o suficiente para poderem ter sucesso em operações de larga escala. Como tal, uma força terrestre saudita no Iêmen pode causar mais mal do que bem.

Bilal Saab, membro sênior e diretor do Programa de Defesa e Segurança do Instituto do Oriente Médio, disse ao Business Insider que a Arábia Saudita entendeu o dano potencial para suas forças terrestres. Em um e-mail, a Saab disse que a Arábia Saudita não enviaria grandes contingentes de forças terrestres "porque suas baixas seriam graves e provavelmente causariam tremendos danos colaterais no Iêmen".

Artilharia saudita atirando em direção a posições houthis à partir da fronteira saudita com o Iêmen em 2015. (Reuters)

O que pode ser feito

Na visão de Knights, a Arábia Saudita precisa reduzir o tamanho de suas forças armadas, focar em recrutamento e treinamento de qualidade e criar unidades capazes de lutar ao lado e de treinar aliados locais.

Hoje, milícias locais e grupos tribais formam a maioria da força terrestre que luta contra os houthis, e poucos ou nenhum soldado saudita os ajuda - exceto por algumas unidades das forças especiais.

"Como resultado", diz Knights, "não há pressão militar credível sobre os houthis."

A batalha terceirizada no Iêmen é apenas um exemplo da crescente influência do Irã no Oriente Médio. O Hezbollah, por exemplo, está melhor armado e organizado do que as forças armadas oficiais do Líbano. O Hamas, envolvido em um conflito contínuo com Israel, também é apoiado publicamente pelo Irã e várias milícias nas Unidades de Mobilização Popular do Iraque recebem treinamento, financiamento e equipamento deste seu país vizinho.

O arsenal da Arábia Saudita, apesar de impressionante, também precisa ser construído com as aplicações desejadas em mente. Por enquanto, essas parecem ser guerras terceirizadas contra um inimigo que raramente está de uniforme, em oposição a uma travada contra um exército convencional da era da Guerra Fria.

Original: https://www.businessinsider.sg/saudi-arabia-iran-yemen-military-proxy-war-2017-12

Leitura recomendada:

PERFIL: Khalid Bin Sultan Bin Abdulaziz Al Saud, príncipe Khalid bin Sultan, Arábia Saudita19 de janeiro de 2020.

A Esparta no Golfo: a crescente influência regional dos Emirados Árabes Unidos2 de fevereiro de 2020.

Como os Emirados Árabes Unidos exercem poder no Iêmen22 de fevereiro de 2020.

GALERIA: Exercício "Shamrakh 1"12 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário