Mostrando postagens com marcador Comandos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Comandos. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 10 de maio de 2022

O fuzil M1 Garand em Dieppe


Do American Rifleman, 21 de março de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de maio de 2022.

Embora as forças armadas dos Estados Unidos tenham sido as primeiras a adotar e padronizar um fuzil de batalha semiautomático em 1936, o “U.S. Rifle, Caliber .30, M1” não dispararia um tiro com raiva até seu uso na defesa das Filipinas, a partir de dezembro de 1941.

Quando os fuzis M1 Garand silenciaram em Bataan em abril de 1942, a criação lendária de John Garand esperaria quatro meses antes de enfrentar o Eixo novamente. Desta vez seria no Teatro de Operações Europeu — nas mãos dos Rangers do Exército dos EUA.

O nascimento dos Rangers do Exército dos EUA

Os primeiros soldados americanos a usarem fuzis M1 Garand contra os nazistas na Segunda Guerra Mundial foram 50 homens do 1º Batalhão Ranger dos EUA durante o malfadado ataque de Dieppe, na França, em 19 de agosto de 1942.

Sob a direção do Major-General Lucian Truscott, o Exército dos EUA se esforçou para criar sua própria versão dos famosos Comandos britânicos. Mais e mais tropas americanas estavam chegando ao Reino Unido durante a primeira metade de 1942, e, no final de junho, o 1º Batalhão Ranger havia sido organizado, com a maior quantidade de homens recrutados da 34ª Divisão de Infantaria. O treinamento começou em Carrickfergus, na Irlanda do Norte, com o apoio de comandos britânicos endurecidos pelo combate.

Os Rangers estavam equipados com muitos dos mais recentes equipamentos de combate americanos, exceto por seus M1917A1 “Kelly Helmets”, que lhes davam a aparência de tropas britânicas, pelo menos à distância. De perto, suas armas foram instantaneamente reconhecidas como algo distintamente diferente. Os fuzis padrão eram os M1, e os Fuzis Automáticos Browning foram usados como fuzis-metralhadores do grupo de combate. Oficiais americanos carregavam a pistola M1911.

O M1 em Ulster: Homens do 168º Regimento de Infantaria em treinamento em março de 1942.
O 1º Batalhão Ranger foi composto por elementos dos primeiros americanos a chegarem ao Reino Unido, incluindo homens do 168º Regimento de Infantaria.

Seus aliados britânicos foram rápidos em notar o grande fuzil semiautomático, e os Comandos ficaram quase instantaneamente com ciúmes do poder de fogo que o M1 oferecia. Em seu livro, Rangers At Dieppe, o autor Jim DeFelice observou que: “Além de ficar impressionado com a pontaria dos americanos, o comando britânico Major Mills-Roberts gostou de sua arma, que era superior em muitos aspectos aos fuzis Enfield que os Comandos estavam usando. Na verdade, o M1 era tão popular entre os britânicos que no 3 Commando, (American Ranger) o capitão Murray deu um ao coronel Durnford-Slater como presente - e então achou educado arranajr mais [fuzis] para outros oficiais comandos”.

Os Comandos não foram os únicos britânicos que ficaram impressionados com o fuzil americano. Durante o treinamento em Carrickfergus, os Rangers foram visitados pela família real britânica. A própria rainha fez várias perguntas inteligentes a um Ranger sobre seu M1, antes de examiná-lo “como uma especialista” enquanto expressava sua admiração pelo fuzil. O fuzil M1 ainda não havia disparado um único tiro contra os alemães e já estava recebendo elogios e fazendo amigos em lugares altos.

Os M1 usados pelos Rangers em treinamento e em Dieppe em 1942 tinham características iniciais, como a alça de mira com  barra de trancamento.

A incursão de Dieppe

Instrutor britânico com alunos americanos.
Os comandos britânicos e os rangers americanos compartilhavam um amor comum pela metralhadora Thompson.

A partir de fevereiro de 1941, os comandos britânicos atacaram os ocupantes alemães e italianos da Noruega ao norte da África. Alguns raides foram altamente ambiciosos, como a Operação Flipper em novembro de 1941, a tentativa mal-sucedida de matar o general alemão Rommel no norte da África. Outros ataques, como a Operação Archery, realizada na Noruega no final de dezembro de 1941, causaram danos significativos e forçaram os alemães a enviar mais 30.000 homens para defender suas bases norueguesas. As incursões de comandos abalaram os nazistas e os lembraram de que a retribuição viria um dia.

Durante março de 1942, o Comando No. 2 encenou um ataque audacioso, a Operação Chariot, contra o porto fortemente defendido de St. Nazaire, na França. O ataque foi um sucesso, e a estrategicamente importante eclusa Normandie, capaz de abrigar o encouraçado alemão Tirpitz, foi destruída. No entanto, o custo foi alto: dos 241 Comandos enviados na missão, 173 foram mortos ou capturados.

Homens do 1º Batalhão Ranger, armados com fuzis M1, treinados com Comandos Britânicos e com a Marinha Real em operações anfíbias. Na frente do barco está uma metralhadora americana M1919 Browning.

A razão para o ataque maciço ao porto francês de Dieppe em agosto de 1942 é difícil de descrever. Os britânicos se comprometeram a abrir uma segunda frente para tirar a pressão da União Soviética no Leste. Mais especificamente, foi assumido o compromisso de abrir uma nova frente na Europa Ocidental. Em retrospectiva, pode parecer que a operação de Dieppe arriscou demais para conseguir muito pouco. Mas lembre-se, também, que naquele momento da história, os Aliados queriam e precisavam desesperadamente contra-atacar os alemães na Europa Ocidental ocupada o mais ferozmente possível.

A Incursão de Dieppe foi originalmente planejada para abril de 1942 e recebeu o codinome de Operação Rutter. Era para ser um grande raide, incluindo uma largagem significativa de paraquedistas em um porto do Canal controlado pelos alemães, culminando em uma ocupação de curto prazo e uma destruição total das instalações portuárias e defesas alemãs. Cabeças mais frias prevaleceram e a Operação Rutter foi considerada impossível de ser apoiada e, consequentemente, foi abandonada. Mas a ideia não foi esquecida.

Rangers treinando no Reino Unido em julho de 1942.
Observe o Fuzil Automático Browning e o M1 Garand.

Em agosto, Rutter voltou à vida, transformado na Operação Jubileu. Os objetivos eram semelhantes e igualmente nebulosos. Um importante porto francês na costa do Canal deveria ser tomado e mantido por um curto período de tempo, prisioneiros seriam feitos, informações coletadas e as defesas alemãs destruídas antes de uma retirada ordenada.

Para esse fim, mais de 6.000 soldados de infantaria, a maioria deles canadenses, foram encarregados de conduzir essa invasão de curto prazo. O Regimento de Calgary da 1ª Brigada de Tanques canadense, equipado com tanques pesados Churchill, forneceria apoio no terreno. Juntando-se a eles estariam 50 Rangers americanos, recém-treinados e prontos para ver sua primeira ação. Esses Rangers levariam fuzis M1 para a praia na França.

Os desembarques iniciais começariam alguns minutos antes das 5h da manhã de 19 de agosto de 1942. Problemas significativos começaram quase imediatamente. A coordenação era mínima, a confusão era abundante e as perdas conseqüentes eram altas. Em menos de 10 horas, o ataque maciço acabou. Todas as tropas aliadas foram evacuadas ou mortas, com 1.946 deixados para trás para serem feitas prisioneiras pelos alemães.

Armas dos Rangers americanos em exibição, incluindo morteiros, um fuzil antitanque 0,55" Boys, um fuzil M1, uma M1919 Browning, um '03 Springfield com uma granada de fuzil, um M1918A2 BAR, uma M1928A1 Thompson e uma pistola M1911.

Dos quase 6.100 homens que desembarcaram em Dieppe, 3.623 foram mortos, feridos ou capturados. Ninguém dentro do comando aliado estava preparado para perder mais de 60% da força de desembarque. A Marinha Real também sofreu, com 33 embarcações de desembarque perdidas junto com o destróier H.M.S. Berkeley. No alto, a Royal Air Force perdeu 106 aeronaves. Foi um dia amargo e miserável.

O autor Ian Fleming, o homem por trás de James Bond, trabalhou para a Inteligência Naval Britânica durante a Segunda Guerra Mundial. No início de 1942, Fleming criou a 30ª Unidade de Assalto (30 Assault Unit), uma equipe de combate única composta por especialistas em inteligência. Os membros da unidade participaram secretamente da Incursão de Dieppe em um esforço para obter uma máquina de codificação alemã Enigma e seus livros de códigos relacionados. Este foi mais um objetivo do raide que não deu certo.

First Blood at Bloody Dieppe

Tanques destruídos, barcos em chamas e mortos na praia.

O 1º Batalhão Ranger existia há apenas dois meses antes da Incursão de Dieppe. Embora as contribuições de combate dos Rangers fossem pequenas, suas baixas eram proporcionalmente tão altas quanto o resto dos incursores. Cinquenta Rangers viajaram para a França, intercalados entre os comandos britânicos e a infantaria canadense. Três americanos foram mortos, três foram feitos prisioneiros e cinco ficaram feridos. Considerando que vários Rangers não conseguiram chegar à praia devido a problemas com suas embarcações de desembarque, sua taxa real de baixas foi superior a 70%. Os Rangers trocaram tiros com os alemães, atirando com seus fuzis M1, e dando o melhor que podiam.

Apesar das pesadas perdas da Incursão de Dieppe, a imprensa aliada transformou a operação em ouro de relações públicas. Rangers tornaram-se celebridades na Inglaterra, e os americanos ganharam confiança de que suas tropas poderiam levar a luta aos alemães. O mau planejamento e as conseqüentes perdas na praia de Dieppe forneceram um poderoso alerta para os comandantes aliados. Sua capacidade de abrir uma segunda frente na Europa Ocidental estava longe de ser atingida, mas houve muito aprendizado sobre os ingredientes de um assalto anfíbio bem-sucedido. Os sacrifícios feitos pelos canadenses em Dieppe não foram em vão.

Prisioneiros canadenses conduzidos por um soldado alemão.

Desembarques bem-sucedidos logo se seguiriam no norte da África (Operação Tocha) em novembro de 1942, na Sicília (Operação Husky) em julho de 1943 e na Itália (Operação Avalanche) em setembro de 1943.

Quando as tropas americanas e o fuzil M1 retornassem à França, eles o fariam em grande estilo e com grande sucesso. As lições aprendidas com a Operação Jubileu ajudaram a criar a Overlord. A segunda frente estava finalmente aberta, junto com o longo caminho para Berlim.

Nesta foto dramática e encenada, um cabo Ranger mostra a forma (com um fuzil M1 descarregado) que rendeu aos Rangers que serviam com os comandos britânicos elogios por sua pontaria.

Bibliografia recomendada:

The M1 Garand.
Leroy Thompson.

quarta-feira, 20 de abril de 2022

Operação Amherst: O SAS francês prensa o inimigo no solo


Theatrum Belli, 8 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de abril de 2022.

Em 8, 9 e 10 de abril de 1945, como parte da Operação Amherst, o SAS francês, lançado de pára-quedas na Holanda, criou confusão entre os alemães, à beira da derrota.

Nessa noite de 7 a 8 de abril de 1945, o tempo não estava bom. O grupo de aviões, cerca de 60 aeronaves quadrimotores Stirling e Halifax do campo de aviação Riven Hall, na Inglaterra, sobrevoam a Bélgica, invisíveis sob uma espessa camada de nuvens.

Esta armada rugindo parecem com aqueles que, todas as noites, esmagar o Reich moribundo.

O mau tempo abala as aeronaves e torna o vôo difícil e perigoso. As tripulações do 38º Grupo da RAF temem o tanto a artilharia antiaérea aliada tanto quanto o FLAK alemão, mas naquela noite, estranhamente, os canhões antiaéreos de ambos os campos silenciaram. Por segurança, um pouco antes da vertical em Bruxelas, apagaram-se as luzes de pintainho que iluminam o interior das cabines geladas.

Esses aviões não carregam bombas destinadas às cidades alemãs, mas aos dois regimentos franceses de caçadores paraquedistas da brigada SAS. Eles devem saltar na Holanda mais tarde, por volta da meia-noite.

No final de março de 1945, a guerra se arrastava na Europa, apesar do início da primavera. No oeste, enfrenta-se o inimigo. O General Belchem, do  estado-maior do 21º Corpo, que constitui a ala esquerda dos exércitos aliados, recebe diretrizes imperativas: “O 1º Exército canadense sob o comando do General Crerar abrirá e protegerá a estrada Arnhem-Zutphen. Ele limpará o nordeste da Holanda e o noroeste da Alemanha até o Weser."

Devemos atacar. Tanto mais que os soviéticos, por sua vez, avançam bem.

Em 28 de março, o general pediu aos paraquedistas que facilitassem a ofensiva blindada operando na retaguarda inimiga.

Paraquedistas franceses dos 2e RCP (3SAS) e 3e RCP (4SAS) antes de partir para Drenthe, província da Holanda, para a operação Amherst.
Provavelmente 7 de abril de 1945.

O General J.M. Calvert, conhecido como Mike le Fou pelos veteranos, ex-adjunto de Wingate na Birmânia, comanda a Brigada SAS. Ele não havia esquecido a lição de Arnhem seis meses antes, com a Operação Aerotransportada Market Garden. Os veículos blindados do XXX Corpo nunca haviam conseguido alcançar as pontes conquistadas pelos paraquedistas britânicos e poloneses.

O SAS fez grandes sacrifícios. Portanto, após a tragédia de Arnhem, eles expressam sérias reservas sobre a forma como as tropas aerotransportadas serão empregadas. Sobre este assunto, o General Calvert escreve: “As tropas do SAS não foram projetadas para um combate massivo. Não considero esse o melhor método para usá-los."

Desta vez, os carros blindados dos canadenses e poloneses do II Corpo de Exército devem conseguir chegar ao SAS em três dias, no máximo quatro.

Lançados de pára-quedas a cerca de cinquenta quilômetros das posições inimigas, os 676 homens que compõem a força operacional dos dois regimentos lutarão na província de Drenthe, em um triângulo formado pelas cidades de Coevorden, Zwoll e Groningen.

O 2e RCP, ex 4e BIA, está sob o comando do Comandante Puech-Samsom desde 20 de dezembro de 1944, quando o Coronel Bourgoin, le Manchot, cedeu seu comando. A unidade, após a dura luta na Bretanha em junho, teve um desempenho brilhante nas Ardenas durante a ofensiva de von Rundstedt.

No 3e RCP, ex-3e BIA, o Tenente-Coronel de Bollardière ocupou o lugar do comandante de batalhão Chateau-Jobert, codinome Conan, em outubro, cujas esquadras alcançaram sucesso espetacular no leste e centro da França durante o verão.

Os dois regimentos, que na realidade são um pequeno batalhão em força, são compostos cada um por um esquadrão (ou companhia) de comando e três esquadrões de combate. Eles têm uma estrutura muito forte de oficiais e suboficiais de alta qualidade. Depois de curar suas feridas e aumentar seu número, as duas unidades do SAS francês foram reagrupadas na Inglaterra desde janeiro e retomaram o treinamento.

O General Calvert não teve mais do que uma semana para organizar a operação aerotransportada porque a ofensiva geral, marcada para 14 de abril, foi repentinamente avançada para o dia 8. O salto, inicialmente previsto para a noite de 6 a 7 de abril, é adiado para a noite seguinte por razões atmosféricas.

Diante dos participantes, remetidos aos seus acantonamentos por vários dias, o general comandante da brigada, empoleirado em uma plataforma improvisada, concordou em fornecer algumas explicações:

“Um esquadrão inglês do 2º Regimento SAS participará da operação atacando do noroeste como parte da Operação Keystone. O batalhão paraquedista belga, com cerca de 300 homens, será infiltrado no oeste, por via terrestre, com seus jipes armados: é a Operação Larkswood. Vocês, franceses, serão lançados em Amherst, o objetivo principal. Sua missão é criar confusão máxima entre o inimigo e evitar destruições, especialmente das pontes sobre os canais. Vocês terão que transmitir informações sobre o inimigo. Elas serão imediatamente exploradas pela aviação e por veículos blindados. Vocês também tentarão aumentar a resistência local que, aparentemente, não é insignificante. Boa sorte e boa caça!"

Este tipo de aventura, que deixa muita iniciativa e espírito combativo, só pode deliciar o SAS francês, já muito feliz por estar envolvido numa grande operação aerotransportada. As semelhanças entre Market Garden e Amherst não incomodam ninguém. É verdade que a situação geral mudou muito desde setembro. No entanto, as dificuldades são óbvias.

O 2e RCP será lançado a leste da linha ferroviária Groningen-Assen-Bielen, o 3e RCP a oeste. Dependendo da multiplicidade de objetivos a serem alcançados, dezenove zonas de salto foram selecionadas. A largada deve ocorrer à noite, sem avistar ou pousar no solo.

Os técnicos da RAF, confiantes em seus equipamentos de radar, prometem margens de erro muito baixas, apenas algumas centenas de metros, tão cuidadosos em seus cálculos. Céticos, mas felizes demais de saltar para combater, todos os paraquedistas acham que se darão bem no solo. Dezoito Halifaxes decolarão uma hora depois dos paraquedistas para lançar à reboque dezoito jipes armados, nove por regimento.

As forças alemãs são estimadas em 12.000 e, de acordo com as informações de que se dispõe, não devem ser muito formidáveis. Como disse o general: "Isso lhes dará a oportunidade de se renderem!" Se os canadenses estão progredindo conforme o planejado, e ninguém duvida, o estado-maior vê a Operação Amherst como uma espécie de passeio no parque...

Os paraquedistas SAS franceses estarão por conta própria, sozinhos atrás das linhas inimigas

No avião nº 12, enrolados e amontoados, os 15 homens estão tremendo. A todo momento, o teste das armas de bordo pela metralhadora traseira levantou preocupações que foram rapidamente suprimidas. Alguns estão sonolentos ou fingindo. O Ajudante Bouard está realmente dormindo. Um velho soldado da França Livre, um herói da Líbia e de outros lugares, ele viu outros, e nada o preocupa. O Capitão Betbeze não dorme, é um perfeccionista, um meticuloso, sempre ansioso. Oficial de carreira, feito prisioneiro em 1940, escapou dez vezes e foi recapturado, finalmente conseguiu retomar à luta pela Suíça, Espanha, Norte da África e Inglaterra. Ele não cederia seu lugar por um império.

 Vocês saltarão à 1.500 pés.

A ordem foi transmitida antes do embarque. Devido ao mau tempo e principalmente às nuvens, a largagem ocorrerá a uma altitude de 500m em vez dos 150m inicialmente planejados.

 Twenty minutes to go... (Só mais vinte minutos)

Os homens se sacodem, verificam as mochilas e os arneses. O Ajudante Bouard não está mais dormindo.

— Five minutes to go. Hurry up, boys! (Só mais cinco minutos. Apressem-se, rapazes!)

A escotilha é aberta. Abaixo, a noite é um cinza ardósia. Sem dúvida, este é o efeito do luar refletindo na camada de nuvens.

Luz vermelha: "Action station!" (Em posição!)

Luz verde: "Go!" (Já!)

Em uma breve pisada, os 15 paras da esquadra desaparecem no vazio, um após o outro. O solo e o céu são invisíveis, como se estivessem confundidos. O casulo úmido de nuvens envolve tudo. Ele até abafa o barulho dos motores indo para o norte.

Após um período de oscilações desagradáveis, a terra vagamente parece encontrar os homens. Longas linhas retas, estradas ou canais, idênticos no crepúsculo, são visíveis. Surgem telhados de fazendas e o contorno mais escuro de bosques ou plantações.

“Queremos deixar o inimigo em pânico. Vamos lançar de pára-quedas manequins, a BBC vai falar sobre uma grande operação aerotransportada. Assim, os alemães imaginam que estão lidando com uma grande ofensiva liderada pelos paraquedistas. Deixe seus pára-quedas bem visíveis no chão. Eles devem pensar que vocês são muito numerosos..."

Esse tipo de instrução é fácil de seguir. As operações de reagrupamento de pessoal e equipamentos, por outro lado, serão extremamente difíceis.

O nordeste da Holanda está longe de ser uma região ideal para uma largagem em massa. Se a cobertura é limitada na superfície, é numerosa e amplamente dispersa neste país plano, entremeada por rios, canais e estradas, pontilhada de aldeias, fazendas isoladas e matas densas.

Os erros de largagem da RAF são muito maiores do que o esperado e poucas esquadras pousam em sua zona de lançamento. É uma dispersão, no meio da noite, em uma terra desconhecida dominada pelo inimigo. Os SAS são fisicamente bem treinados e há poucos acidentes de aterrisagem. Mas para o 3e RCP, o Tenente de Sablet afogou-se em um canal e o Capitão Sicaud, caído em uma floresta de pinheiros, permaneceu momentaneamente cego. Para o 2e RCP, o comandante Puech-Samsom feriu-se no ombro.

Em cada esquadra, o reagrupamento se mostra difícil. Juntar várias esquadras é um verdadeiro desafio. Homens perdidos vagam pela noite, grupos se misturam. As poucas horas que faltam para o amanhecer não são suficientes para restaurar a consistência das duas unidades.

Além disso, a maioria dos contêineres não pode ser encontrada. Independentemente disso, os paraquedistas franceses lutarão com suas armas individuais. Eles terão que enfrentar ainda mais do que imaginaram antes de deixar a Inglaterra. Felizmente, parte da população é favorável a eles. Sua ajuda será inestimável e certos elementos da Resistência serão particularmente eficazes. Durante a noite, o Capitão Alexis Betbeze tenta em vão encontrar o seu caminho. Pelo que ele observou antes de pousar, nada parecia com o que os mapas e fotos aéreas prometiam.

O grande canal de Elp, o Orange Kanal, que deveria estar ao sul da zona de salto, não está lá. Nem a fábrica de linho. Por outro lado, existem outros canais menores e uma fazenda que não deveria estar ali. Resta apenas uma solução para o Capitão Betbeze: bater na porta da casa e perguntar aos moradores onde ele está, quebrando as mais básicas instruções de segurança. Primeiro, a porta se fechou teimosamente. Os habitantes estão com medo. Em alemão (sua estada em Oflag não terá sido inútil), o oficial ameaça incendiar a fazenda.

Esse estratagema parece surtir efeito, pois a porta se abre imediatamente sobre um homem que parece apavorado. O holandês não coopera. A presença de soldados aliados não o entusiasma, mas ele concorda em indicar a posição de sua fazenda no mapa de Betbeze. A esquadra está em grande parte ao sul do canal, em vez de ao norte. Ele está a vários quilômetros de sua zona de salto teórico, onde também deveriam estar os grupos do Major Puech-Samsom e do 2º Tenente Taylor. Com pressa para se livrar de seus visitantes incômodos, o fazendeiro os aconselha a entrar em contato com o mestre da escola em Witteween, o povoado vizinho.

O acolhimento na casa do professor é muito mais amigável, o homem conhece muito bem a sua região e dá informações interessantes sem ser questionado.

Desde o dia anterior, os alemães estabeleceram posições defensivas ao longo do Orange Kanal, voltado para o sul. As vanguardas canadenses ameaçam Coevorden, a cerca de quinze quilômetros de distância. O General Bottger, comandante da Feldgendarmerie (polícia militar da Wehrmacht) da Holanda, está instalado com cerca de trinta homens, 3km a noroeste. Aparentemente, ele deve se retirar dentro de horas.

Jacques Pâris de Bollardière.

Após o efeito surpresa, os alemães contra-atacam

De madrugada, o alerta é geral, pois o inimigo não é surdo nem cego. Os alemães estacionados na região relatam pára-quedas em Assen, Orvelte, Zwolle, Schonlo e Groningen. Quanto aos colaboradores holandeses, eles sabem tanto quanto os combatentes da resistência sobre a Operação Amherst. Com chutes, o formigueiro acordou.

Ao amanhecer, o Capitão Betbeze estabelece sua base nos matagais da Floresta Witteween. Lá ele encontra pela primeira vez um cabo e um médico que pertencem à esquadra de Puech-Samsom. Pouco depois, o resto desta esquadra, junto com o próprio comandante, entra na cutelaria, guiado por um membro civil da Resistência, Hildebrand Lohr.

Os rádios não foram encontrados e, como resultado, as ligações entre o 2e RCP, a Inglaterra e as forças canadenses eram impossíveis. Lohr tentará cruzar as linhas alemãs para alertar os Aliados, e um posto holandês clandestino será mais tarde disponibilizado para o SAS.

Teimosamente, Betbeze parte com quatro homens em busca de seu precioso material. Com o dia, tudo fica mais fácil, mas também mais perigoso. As bainhas foram encontradas a 4km da zona de salto, nas mãos de civis que já começaram a compartilhar o conteúdo!

Às 14h, as duas esquadras estão agrupadas na floresta. Torna-se urgente tomar as ações ofensivas desejadas pelo alto comando.

Uma esquadra do 2º Esquadrão sob o comando do Aspirante Edme também pousou ao sul de Orange Kandi, a 7km do ponto planejado. O aspirante liderou seus homens para o norte e colidiu com posições alemãs enquanto, atraído pelo som de tiros, ele se aproximava da ponte-eclusa do Elp.

É o Tenente de Camaret lutando do outro lado da água. Às 7h, reforçado por homens isolados comandados pelo Aspirante Richard, os SAS do Tenente de Camaret surpreenderam os defensores da ponte. Três alemães foram mortos, outros seis se renderam. Mas o corpo principal, estacionado em uma fazenda vizinha, reagiu violentamente. Enquanto toma seus prisioneiros, o destacamento é forçado a recuar a uma fábrica de linho com dois feridos, incluindo o Aspirante Richard. Um outro paraquedista, o Cabo Treis, leva um tiro na garganta. Pertencia à esquadra do Tenente Cochin, que ele não encontrara durante a noite. A intervenção do Aspirante Edme, da margem oposta, não muda a situação, e ele também tem que recuar com um ferido.

Na mesma área, perto da aldeia de Elp, o Tenente Cochin esperou em vão pelos Jipes que deveriam ter sido lançados de pára-quedas. Ele também não colocou as mãos nos recipientes e perdeu metade de sua equipe. Por duas horas, ele emitiu sinais luminosos, sem resultado. Tal como os outros chefes de esquadra preocupados nos dois regimentos, o oficial não foi informado do cancelamento da largagem das viaturas... Quando sai de novo, ao final da noite, encontra por acaso a esquadra do 2º Tenente Makie.

O Tenente Apriou, do 1º Esquadrão, 2e RCP, pousou milagrosamente no local pretendido. Isso não significa que ele foi capaz de reunir toda a sua esquadra. A caminho da estrada Rolde-Gieten, pouco antes do amanhecer, ele encontrou um grupo de homens armados. Ele pede a senha, Épernay, à qual deve ser respondido Montmirail. O enxame de insultos que recebe permite-lhe identificar o grupo do 2º Tenente Stephan, com quem decide continuar o seu avanço e atacar Gieten.

Após a surpresa, a guarnição alemã, que sofreu graves perdas, contra-atacou rapidamente e forçou Stephan e Apriou a recuarem. Por volta do meio-dia, a pequena tropa encontra as esquadras do Tenente Legrand e do Capitão Grammond. Juntos, eles agora vão operar no triângulo Borger-Gieten-Rolde. No final do dia, um reconhecimento para localizar locais de emboscada dá errado e um suboficial é morto.

No dia seguinte, em Gasselte, o SAS atacou com sucesso o estado-maior de um grupo do NSKK (Nationalsozialistische Kraftfahrkorps / Corpo de Transporte Automóvel Nacional Socialista). Um paraquedista é morto, outro ferido, mas vários oficiais alemães são mortos e muitos soldados capturados. A inteligência, transmitida imediatamente a Londres, permitiu a destruição por uma esquadrilha de Mosquitos de um comboio motorizado em formação no pátio da escola de Gieten.

O sargento holandês Van der Veer, saltado de pára-quedas seis meses antes para supervisionar um maquis local, encontra-se ao amanhecer com os paraquedistas do 3º RCP, lançamento a oeste da linha ferroviária Meppel-Assen. Pelas esquadras do Capitão Sicaud e dos Tenentes Hubler e Boyé, caídos na região de Appelcha, soube da chegada iminente dos canadenses a Coeverden. Subindo em sua bicicleta, ele segue naquela direção e, por volta do meio-dia, encontra o Major Puech-Samsom. Este último o encarregou de guiar a ação do Capitão Betbeze contra o QG alemão da Feldgendarmerie em Wester Bork. Às 14h30, os 20 homens partiram. Pouco depois de sua partida de Witteween, o boato de um pesado tiroteio os atingiu do nordeste. Ninguém sabe ainda que, neste breve confronto, o segundo-tenente Taylor, o oficial mais jovem do regimento, acaba de ser morto.

O capitão dá suas ordens: Haverá apenas um prisioneiro, o general

Às 15h30 a vila está à vista e tudo parece calmo sob o sol da primavera. As informações sobre as instalações inimigas são precisas. Os SAS de Betbeze avançam sem hesitação.

O capitão deu suas ordens: a luta não durará mais de vinte minutos; apenas um prisioneiro será feito, o general.

Os civis avistam os paraquedistas. Eles se protegem sem dar o alarme, mas um soldado alemão andando de bicicleta cuida disso. Os atacantes ainda têm quase 200m de terreno aberto para atravessar. O dispositivo de ataque cuidadosamente elaborado se transforma em uma corrida.

Duas sentinelas foram imediatamente abatidas, mas assim que o SAS entrou na aldeia, o confronto começou. O rádio FM do cabo Bongrand trava; no meio da rua principal, um atirador cai, uma bala na cabeça; perto dele, o capitão é ferido por estilhaços de uma granada. O segundo-tenente Le Bobinec e o subtenente Bouard chegam ao PC e lançam suas bombas gammon pelas janelas.

Submetralhadora na mão, o general tenta uma fuga: uma rajada no peito o derruba no chão. Atrás dele, outro oficial é morto. Um Kulbelwagen carregando três oficiais da Luftwaffe é pego no tiroteio. Os ocupantes morrem sem entender o porquê. Indo para o resgate de Bongrand, o chasseur Marche é morto imediatamente. Em seguida, o segundo-tenente Le Bobinec também foi atingido.

Os alemães lutam bem. Eles são numerosos e fazem frente com determinação. O subtenente Bouard é ferido por uma bala no estômago, então é o segundo-tenente Lorang que cai. Betbeze tenta retirar seus homens. Os paraquedistas continuam tombando, o cabo Cognet é morto. Chegam reforços alemães, devem desaparecer.

Escondido em um porão na companhia do proprietário que mantinha sob a ameaça de sua pistola, Le Bobinec esperava ajuda. Com ele, feridos, estão Bouard e Bongrand. Este último morre, o segundo tenente desmaia. Os holandeses aproveitaram para avisar os alemães, os dois homens foram capturados.

Os sobreviventes conseguem chegar à Floresta de Witteween. Assim que os tanques canadenses chegaram, eles se juntaram às tropas do II Corpo, que acompanharam até Groningen. O tenente Lasserre deve operar na estrada Groningen-Windschoffen. Ele também não conseguiu recuperar seus contêineres. Uma fazenda abriga seus homens durante a noite, mas o fazendeiro os denuncia. Na manhã de 9 de abril, os alemães cercaram os prédios. Os paraquedistas fazem um rompimento, um deles é morto. O aspirante de Bourmont, assistente de Lasserre, será atingido um pouco mais tarde. Em Windschoffen, os alemães discutem se o prisioneiro deve ser fuzilado. Exausto, o aspirante adormece. Os alemães fugirão sem acordá-lo.

Assim, no 2º RCP, a situação pouco se assemelha às previsões feitas na Inglaterra. As batalhas travadas em todos os lugares tornaram-se quase assuntos pessoais: cada um luta de acordo com seu temperamento, com o melhor de seus meios. Nesse tipo de situação, o SAS se virou muito bem.

O General Calvert passa em revista os SAS do 2e e 3e RCP em Tarbes (data desconhecida).

A capitulação alemã destrói o sonho de uma nova operação do SAS francês

No 3º RCP, a maioria dos destacamentos também vive momentos difíceis. Se, no norte, o tenente Thomé toma posse dos arquivos da Gestapo em Groningen por um golpe de sorte, se, no sul, são o estado-maior e o chefe da Gestapo em Haia que caem nas mãos do paraquedistas, no centro do dispositivo, o SAS de Bollardière tem dificuldade em sair da enrascada.

Vários sticks caem perto da estrada Assen-Bielen quando um comboio alemão passa. O primeiro esquadrão sofrerá assim pesadas perdas.

O stick do segundo-tenente Valayer cai bem no meio da aglomeração de Assen. O barulho dos paraquedistas quebrando as telhas acorda a população e a guarnição. O combate é imediato. Durante a noite, os SAS escapam do cerco, depois vão procurar e esperar os jipes, que não chegam e, à noite, refugiam-se num celeiro. O tenente Rouan, confiando nos habitantes, também se instalou ali perto.

Na madrugada de 9 de abril, traído por um camponês, o grupo de Rouan foi cercado. O tenente é ferido por uma bala no pulmão, depois capturado com seus 12 homens. No dia seguinte, o tenente Boulon foi capturado por sua vez. Ele será fuzilado em Assen com dois de seus homens e seis combatentes da resistência holandesa.

O suboficial Valayer é atacado em um celeiro, que os alemães queimam para desalojá-los. Três SAS são mortos durante uma tentativa de saída, outros três perecem no incêndio. Sozinho, o sargento Deal consegue escapar.

O tenente-coronel de Bollardière conseguiu reagrupar vários de seus sticks. Ele operou com eles a oeste de Spier, montando inúmeras emboscadas contra comboios em retirada na estrada Bielen-Assen. O SAS também destrói a ferrovia. Em 10 de abril, com cerca de quarenta paraquedistas, ele perseguiu os alemães de Spier, apesar da falta de apoio aéreo. No dia seguinte, o inimigo contra-ataca com mais de 200 homens. O major Simon é morto, assim como outro caçador, uma dúzia de outros ficam feridos. Apesar das perdas muito pesadas, os alemães venceram, porque o SAS não tinha suas armas pesadas. Os tanques canadenses salvarão a situação e tomarão Spier definitivamente. O SAS irá acompanhá-los até Bielen.

O primeiro stick é recuperada em 10 de abril pelos poloneses, a última será em 14 de abril pelos canadenses. Mas até o dia 16, SAS feridos e isolados vieram à tona.

No final, as perdas dos dois regimentos somaram 29 mortos, 35 feridos e 96 desaparecidos, entre os quais cerca de 70 prisioneiros foram libertados em maio. As perdas inimigas são estimadas em 360 mortos e 187 prisioneiros. Cerca de trinta veículos diversos foram destruídos.

Os dois regimentos trazidos de volta à Inglaterra ainda esperavam novas batalhas. A esperança de uma operação na Noruega habita o SAS por alguns dias, mas a capitulação alemã destrói seus sonhos de glória.

A conclusão da Operação Amherst pode ser extraída do relatório do General Calvert:

“O inimigo foi prensado ao solo… Os franceses o enredaram em uma rede em benefício da divisão canadense que, em muito pouco tempo, alcançou o Mar do Norte…”

Bibliografia recomendada:

Commandos SAS: Qui Ose Gagne 1942-1945.
Ludovic Gobbo e Philippe Zytka.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 17 de março de 2022

GALERIA: Forças especiais chinesas e sauditas no exercício Espada Azul

Comandos fuzileiros navais da China (azul) e Arábia Saudita durante um exercício em 2019.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de março de 2022.

Comandos fuzileiros navais da China, Jiaolong ("Dragões do Mar"), com o famoso uniforme azul, e da Arábia Saudita durante um exercício conjunto em 17 de novembro de 2019, na Arábia Saudita.

O exercício Espada Azul 2019 visou “desenvolver competências na luta contra o terrorismo marítimo e a pirataria”. O exercício marítimo ocorreu na base naval do Rei Faisal, em Jeddah, localizada no Mar Vermelho, durando três semanas.

Os chineses estão portando o novo fuzil QBZ-191, que substituirá o QBZ-95, e abandonará o desenho bullpup em prol de um formato tradicional.

As forças navais sauditas, representadas pelas Forças Especiais da Frota Ocidental com sede em Jeddah, participaram do exercício junto com suas contrapartes das Forças Especiais da Marinha Chinesa.

A Marinha Real Saudita mantém duas brigadas de fuzileiros navais de 1.500 homens, compostas por três batalhões cada. As brigadas são designadas para a Frota Ocidental com sede em Jeddah e a Frota Oriental com sede em Jubail. As brigadas estão levemente equipadas com veículos blindados 200 Pegaso BMR e Humvees. Os fuzileiros sauditas possuem uma unidade especial.




quarta-feira, 2 de março de 2022

Aniversário de 48 anos do GIGN


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de março de 2022.

Este mês de março, no dia primeiro, o Grupo de Intervenção da Gendarmaria Nacional francesa (Groupe d'intervention de la Gendarmerie nationale, GIGN) completou 48 anos. Criada após a crise de Munique em 1972, a unidade de intervenção juntou-se com o grupo paraquedista da Gendarmaria para formar o GIGN, uma das forças especiais policiais mais famosas no mundo. O perfil oficial da Gendarmaria Nacional francesa postou uma homenagem com a foto do grupo inicial comandado por Christian Prouteau e o grupo atual.

Março de 1974 - março de 2022: o #GIGN completa 48 anos este ano!

Força de intervenção, força de segurança e proteção, força de observação e pesquisa, grupo de segurança da Presidência da República: obrigado a todos os nossos #gendarmes de elite pelo seu empenho ao serviço dos franceses.

Leitura recomendada:

ENTREVISTA: Christian Prouteau, fundador do GIGN4 de maio de 2021.


domingo, 6 de fevereiro de 2022

FOTO: ARVN Rangers na Ofensiva do Tet

Os Rangers sul-vietnamitas defendem a ponte de Newport, próxima a Saigon, 1968.
(PFC Matthew J. Roach)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de fevereiro de 2022.

Um grupo de combate de soldados sul-vietnamitas da Companhia C, 30º Batalhão Ranger, luta contra snipers vietcongues (VC) do outro lado da ponte de Newport na rodovia 1, a poucos quilômetros de Saigon, 31 de janeiro de 1968.

A ação ocorreu durante o Ano Novo Lunar (o Tet), quando os vietcongues lançaram ataques contra Saigon e as demais grandes cidades sul-vietnamita durante a trégua das celebrações. Os Rangers portam uma variedade de armamentos, com o Ranger mais próximo armado com um lança-granadas M79. O Ranger sentado ao seu lado tem um M14 com bipé.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022

FOTO: Tigre Negro Sargento-Chefe Tran Dinh Vy

Sargento-chefe Tran Dinh Vy com a boina preta dos Tigres Negros e medalhas, incluindo a Cruz de Guerra com palma, 1950.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de fevereiro de 2022.

O sargento-chefe Tran Dinh Vy foi o assistente do famoso Ajudante-chefe Roger Vandenberghe, comandante do lendário Comando 24 que operou no Tonquim, conhecidos como Tigres Noirs.

Os Tigres Negros pertenciam aos Comandos do Vietnã do Norte. Inicialmente 8 comandos, o número se expandiu para 45 comandos organizados no Vietnã do Norte para travarem a guerra usando os métodos dos guerrilheiros. Assim como os demais comandos, o Comando 24 era uma formação especializada em táticas de pequenas unidades e pseudo-operações, se vestindo com o típico pijama negro usado pelo Viet Minh (VM) e os seus capacetes tropicais, com o objetivo de operarem profundamente atrás das áreas dominadas pelo VM.

A insígnia da boina tem um tigre, o animal apex da selva vietnamita, e o lema:

“Tha Chet Hon La Chiu Nhuc”

(Plutôt la mort que la honte)

(Antes a morte que a desonra)

Insígnia da boina dos tigres negros.

Em uma ocasião, Vandenbergh posou como um prisioneiro francês capturado por seus comandos posando de Viet Minh e a unidade atacou e destruiu um posto de comando (PC) do VM após um deslocamento de quilômetros por território controlado pelos comunistas. Outra das ações célebres foi a infiltração em Ninh-Binh para resgatar o corpo do Tenente Bernard de Lattre, filho do General Jean de Lattre de Tassigny, o comandante-em-chefe de todas as forças francesas na Indochina.

Vandenberghe foi morto em 1952, assassinado pelo Subtenente Nguien Tinh Khoï; o ex-comandante da unidade de assalto do Regimento 36 da Brigada 308 do VM, capturado na Batalha do Rio Day em 1951 e transformado em auxiliar do Comando 24.

O Sargento-chefe Tran Dinh Vy fez o curso de comando paraquedista em Pau, na França, em 1954. Mais tarde, foi oficial do Exército Sul-Vietnamita (ARVN) e depois da queda de Saigon em 1975, ele conseguiu escapar para a França, se alistando na Legião Estrangeira e terminando o seu serviço com a patente de coronel. Ele continuou sendo o guardião da memória do Comando 24.

Suas condecorações incluíram:
  • a Légion d'honneur (Legião de Honra),
  • a Médaille militaire
  • 20 citações francesas, americanas e vietnamitas.

O Sargento-chefe Tran Dinh Vy ao lado do Ajudante-chefe Vandenbergh com seus comandos Tigres Negros, vestidos com pijama negro e capacete tropical do Viet Minh, 1950.

Bibliografia recomendada:

Commandos Nord-Vietnam 1951-1954.
Jean-Pierre Pissardy.


Leitura recomendada:

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

FOTO: Operadores de apoio aéreo aproximado dos EUA

Operadores TacAir (TACP) com um rádio AN/PRC-117F e GPS, 2019.
(US Air Force)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de janeiro de 2022.

Os especialistas do Grupo de Controle Aéreo Tático (Tactical Air Control Party, TACP) fornecem vigilância de forças amigas usando um sistema de posicionamento global PSN-13 e um rádio portátil multi-banda AN/PRC-117F.

Parte da força de Guerra Especial da Força Aérea (Air Force Special Warfare), o TACP é uma pequena equipe de militares que fornecem coordenação entre aeronaves e forças terrestres ao fornecer apoio aéreo aproximado. A Força Aérea americana abriu uma escola de treinamento dedicada apenas em outubro de 2019, localizada em Medina Annex na Base Conjunta San Antonio-Lackland, no Texas. Essa escola visa “sincronizar, padronizar e agilizar o treinamento” dos TACP.

domingo, 16 de janeiro de 2022

FOTO: Operadores paquistaneses com fuzis FN F2000

Homens da Ala de Serviços Especiais da Força Aérea do Paquistão carregando fuzis FN F2000 durante um treinamento no Fort Lewis, em Washington, nos Estados Unidos, em 23 de julho de 2007.

O funcionamento do FN F2000


Leitura relacionada:

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.