sábado, 22 de setembro de 2018

IL-20M COOT- A. O discreto espião das Forças Aeroespaciais Russas.

FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: 600 km/h.
Velocidade máxima: 675 km/h.
Autonomia: 5 horas.
Teto operacional: 10000 m.
Alcance: 6000 km.
Empuxo: Quatro motores turboélices Progress Ivchenko AI-20M série 4, cada um com 4.250 hp de potência.
Radar: Radar de varredura eletrônica lateral (SLAR) Leninets Igla 1.
DIMENSÕES
Comprimento: 35,09 m.
Envergadura: 37,42 m.
Altura: 12,5 m.
Peso: 33760 kg (vazio); Máximo de Decolagem: 64000kg
INTRODUÇÃO
Por Carlos Junior
No começo desta semana, dia 17 de setembro de 2018, segunda feira, as 23 horas, aproximadamente (horário de Moscou), uma aeronave Ilyushin IL20M Coot-A, usada para missões ELINT (Electronics Intelligence, ou Inteligência eletrônica) da Força Aérea Russa foi derrubada a cerca de 35 km da costa da Síria, sobre o mar Mediterrâneo. O assunto elevou, seriamente, as tensões entre forças armadas ocidentais e israelense com o Kremlin e trouxe os holofotes para uma aeronave muito pouco conhecida pelos entusiastas de aviação militar, notadamente mais apegados a aeronaves de combate aéreo de alto desempenho. O escritor e colaborador do WARFARE Blog, Sérgio Santana, coloca uma luz sobre esta aeronave e suas características.

DESCRIÇÃO
Por Sérgio Santana
Destinado a produzir o que é escrito oficialmente como uma aeronave de inteligência eletrônica e reconhecimento radar para tempos de paz, baseada no quadrimotor turboélice de passageiros Ilyushin Il-18D (com longo alcance e fuselagem espaçosa), o programa que resultou no Il-20M “Coot-A” surgiu de duas resoluções: uma emitida pelo então Comitê Central do Partido da União Soviética em 27 de março de 1965  e outra originada do Conselho de Ministros em 12 de abril do mesmo ano (seguidas de uma ordem correspondente do Ministro da Indústria da Aviação) para o desenvolvimento de uma aeronave de reconhecimento que não atravessasse a fronteira do país a ser espionado. O trabalho foi confiado ao Escritório de Projetos 240 (OKB-240), dirigido pelo Projetista Geral Sergei Ilyushin.
Acima: A aeronave de passageiros Ilyushin Il-18 foi a base de diversas versões militarizadas para missões especiais, dentre elas o Il-20M Coot-A para ELINT.
O protótipo, “9403”, voou em 21 de março de 1968, ainda sem os sistemas de missão e sob o comando de Stanislav Bliznyuk. A primeira aeronave de série foi completada no ano seguinte, seguida por 17 outros exemplares até 1976.
A aeronave entrou em serviço em 1971, sempre distribuída aos Grupos Independentes da Aviação de Reconhecimento (Otdelnyi Razvedyvatelnyi Aviatsionnyi Otryad-ORAO), subordinados ao famoso GRU (Glavnoye Razvyedyvatyelnoye Upravleniye, Diretório Principal de Inteligência, subordinado ao Estado-Maior das Forças Armadas russas). Cada um desses Grupos opera dois Il-20Ms.
Acima: Com poucas unidades em serviço, o Il-30 deverá se manter operacional por muitos anos ainda.
O sensor principal da aeronave é o radar de alta resolução e varredura lateral Leninets Igla (“Agulha”), que opera na banda Ku (12-18 Gigahertz) e cuja antena está instalada em um compartimento de 9 metros de comprimento e 90cm de diâmetro abaixo da fuselagem dianteira do “Coot-A”. Um compartimento em cada um dos lados e abaixo das janelas do cockpit da aeronave aloja câmeras fotográficas A-87P ou câmeras de vídeo T-2, ambas sendo ativadas por uma abertura deslizante. Outras duas câmeras verticais (TAFA-10, AFA-41/20, AFA-42/100 e outros modelos) podem ser instaladas no fundo da fuselagem.
Acima: O radar de varredura lateral Leninets Igla, montado no compartimento sob a fuselagem permite o reconhecimento do território inimigo sem ter que invadir o espaço aéreo dele.
A parte traseira desses compartimentos contém as antenas do sistema de Inteligência Eletrônica (ELINT) “Romb-4”, complementado pelo sistema “Kvadrat-2”, com a mesma função (mas capaz de fornecer informações mais detalhadas sobre os radares detectados), mas com antenas espalhadas sob a fuselagem traseira. O equipamento de missão é completado pelo sistema de Inteligência de Sinais (SIGINT) “Vishnya”, que monitora transmissões de rádio através de antenas na fuselagem dianteira.
Acima: O Il-20 se assemelha a aeronave ocidental Lockheed P-3 Orion sob alguns ângulos.
O Il-20M é tripulado por onze pessoas, das quais cinco (piloto, co-piloto, engenheiro de voo, navegador e operador de comunicações) respondem diretamente pela condução da aeronave. As demais operam os sistemas de missão, instalados nas seções dianteira e central da fuselagem. Todos tem a sua disposição um compartimento de repouso, uma copa e um toalete, instalados no fundo da aeronave.
Acima: Os quatro motores turboélices Progress Ivchenko AI-20M série 4 são "fumacentos" o que é uma característica negativa para qualquer aeronave militar.


Acima: Uma rara foto de um dos consoles de operações SIGINT (Inteligência de Sinais) do Il-20M.




Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Assine nossa newsletter na barra direita do site e nos sigam nas redes sociais também! InstagranFacebook, MeWe e Twiter. Compartilhe nas suas redes sociais e ajude o WARFARE crescer.



5 comentários:

  1. Parabéns pelo artigo Carlos. Sabe quantas unidades os russos operam? Esse avião possui a mesma missão dos P-3 Orion?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Junculus. primeiramente agradeço a congratulação.
      Mas quem merece os parabéns é o Sérgio Santana, que é um renomado escritor sobre assuntos aeronáuticos e que se tornou uma referência de alta credibilidade no país para estes temas. Sobre sua questão, até o dia 17 ultimo haviam 11 aeronaves na força aérea russa. Hoje são 10 devido ao abate ocorrido nesse dia.
      Abraços

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Sim colega, ele tem um perfil de missão parecido com o do EP-3 Aries, que é a versão de Inteligência do Lockheed P-3 Orion.

    ResponderExcluir
  3. Saudações,o nosso E99 tem características semelhantes?digo isso pq em 2003 a FAB fez uma missão de coleta de sinais para localização de um local onde um grupo guerrilheiros mantinham reféns no Peru

    ResponderExcluir