sexta-feira, 5 de maio de 2017

NASAMS. Racionalizando a defesa anti aérea.

FICHA TÉCNICA
Motor: Propelente sólido Hercules/Aerojet.
Velocidade: 4300 km/h
Alcance: 33 Km.
Altitude: 15000 metros..
Comprimento: 3,65 m.
Peso: 157 kg.
Ogiva: 23 kg de fragmentação e alto explosivo.
Lançadores: Veículos blindado HMMWV, Lançador universal do sistema HAWK, Contêiner, caminhão Scania 113H 6x6, e outros de varias procedências.
Guiagem: Radar ativo.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S Junior
A origem do sistema de defesa antiaérea de médio alcance conhecido como NASAMS (Norwegian Advanced Surface to Air Missile System) traduzido para Avançado sistema de míssil superfície ar norueguês, remonta do fim dos anos 80 do século passado quando a Real Força Aérea Norueguesa (RNoAF) que estava equipada com sistemas de defesa antiaérea de baixa altitude e curto alcance  como os canhões Bofors L-70  de 40 mm (usado pelo Brasil) e pelos mísseis antiaéreos de curto alcance portáteis (MANPADS) RBS-70, também operado pelo Brasil atualmente, e precisava melhorar a capacidade de sua defesa antiaérea para lidar contra alvos de alto desempenho a medias distancias e média altitude. A empresa norueguesa Kongsberg Defence & Aerospace e a poderosa empresa de defesa norte americana Rayhteon se juntaram para criar um moderno sistema de mísseis antiaéreos baseado em um antigo sistema de defesa antiaérea HAWK com novos hardwares para se conseguir otimizar a eficiência a um custo reduzido. A chave do sistema é o uso de mísseis AIM-120 Amraam, conhecidos pelo seu emprego extremamente bem sucedido na arena de combate ar ar de médio alcance, porém, modificado para ser lançado de um lançador terrestre.
Acima: A grande sacada do sistema NASAMS é usar mísseis projetados para emprego ar ar em caças (aqui um caça F-35A no momento do lançamento de um míssil AIM-120C7 AMRAAM) em um sistema de defesa antiaérea.
O sistema NASAMS tem em seu núcleo operacional um sistema FDC que faz o gerenciamento de integração de todos os componentes do sistema que inclui um radar tridimensional de aquisição de alvo AN/ MPQ-64F1 Sentinel fabricado pela joint venture Thales Raytheon Systems, um sistema de comunicação múltipla por intercambio de dados (data Link) compatível com link 16, JRE (Joint-Range Extension), Link 11, Link 11B, ATDL-1(Advanced Tactical Data Link) e LLAPI com o lançador dos mísseis. O radar MPQ-64F1 Sentinel tem alcance de detecção contra um alvo do tamanho de um caça (5m² de RCS) de 75 km e opera na banda X, podendo rastrear 54 alvos simultaneamente. Esse radar pode ser transportado em um veículo tático leve Mercedes benz classe G 4X4 o que contribui para a excelente mobilidade de todo o sistema. Além do radar, o sistema NASAMS conta com um sensor passivo composto por uma câmera eletro-óptica e um sensor infravermelho (IR) que presta apoio a aquisição do alvo.
Acima: Este é o moderno radar AN/ MPQ-64F1 Sentinel que faz a detecção e fornce dados de posicionamento dos alvos para os mísseis do sistema NASAMS. Este sistema pode rastrear até 54 alvos a uma distancia máxima de 75 km.
A mobilidade é uma vantagem tática de qualquer sistema de armas. O sistema NASAMS tem opções de emprego com grande mobilidade podendo ser instalado em uma enorme variedade de veículos de diferentes tipos. O mais comum é ver um veículo tático leve HMMWV com um lançador para 4 mísseis AIM-120 Amraam. Porém o lançador pode ser fixo como no caso do sistema LCHR composto 6 contêiner fechados, cada um com um míssil AIM-120, e que são abertos somente no momento do lançamento. Esse lançador LCHR pode ser empregado em veículos também como o caminhão Scania 113H 6x6, o Iveco ou o Sisu E13TP usado na Finlândia. Na pratica o sistema permite uma alta facilidade de integração em diversos tipos e modelos de veículos de diversas procedências o que lhe garante um grande apelo comercial de mercado para qualquer nação aliada dos Estados Unidos que tenha interesse em um sistema de defesa antiaérea de médio alcance altamente móvel.
Acima: O caminhão finlandês Sisu E13TP é um dos muitos veículos que pode transportar e operar um lançador tipo contêiner com 6 mísseis que podem ser o AIM-120 AMRAAM, o AIM-9X Sidewinder, ou o RIM-162 ESSM. Este lançador pode ser empregado em uma posição fixa no solo também. Nos veículos mais leves o lançador é do tipo trilho, mais simples.
O armamento principal do sistema NASAMS é o míssil de médio alcance AIM-120 AMRAAM, originalmente usado para combate BVR (além do alcance visual) em combates ar ar. Logicamente que devido ao fato de ele ser  lançado da superfície ele não pode contar com a inércia da velocidade e menor resistência aerodinâmica do ar em altas altitudes, seu alcance não é o mesmo de quando lançado de um caça. Assim, o alcance do AIM-120 AMRAAM laçado do sistema NASAMS é de 33 km contra alvos que podem estar até a altitudes de 15000 metros. Quem já é familiarizado com esta arma, sabe que a  versão mais antiga e de pior desempenho do modelo atinge 60 km fácil quando lançado de um caça. De qualquer forma, os 33 km representa um desempenho de respeito para um armamento de defesa antiaérea que o posiciona dentro da classificação de sistemas de médio alcance. O sistema de guiagem do AIM-120 lançado do sistema NASAMS é por radar ativo, recebendo atualizações de posicionamento do alvo pelo radar de controle de fogo. O sistema NASAMS recebeu melhorias no decorrer do tempo e foi atualizado para poder operar outros mísseis como o AIM-9X Sidewinder, guiado por infravermelho de menor alcance (cerca de 12 km, mas de alta agilidade) ou o míssil RIM-162 Evolved Sea Sparrow Missile (ESSM), usado para defesa antiaérea de navios de guerra, com guiagem semi ativa. Este ultimo míssil, em especial está sendo integrado ao sistema NASAMS de forma que deverá estar operacional em meados de 2019 e elevará bastante o desempenho do sistema pois é um míssil com maior alcance, superando os 50 km e podendo engajar alvos a altitudes maiores e com alta agilidade pois faz uso de vetoração de empuxo (como o AIM-9X Sidewinder). Os NASAMS que receberam essas melhorias são chamados NASAMS 2
Acima: Nesta interessante fotografia podemos ver os 3 mísseis usados pelo sistema NASAMS. Da esquerda para direita temos um AIM-120 AMRAAM, um RIM-162 ESSM e o da direita é um AIM-9X Sidewinder. A recarga dos lançadores tipo contêiner se faz pela parte traseira como nessa foto.
Embora não seja um sistema de defesa antiaéreo tão popular em termos de ser reconhecido pelo público, na verdade, ele é usada por vários países alinhados com os Estados Unidos (até porque os principais componentes do sistema são de origem norte americana). A versão mais usada é a NASAMS 2 que recebeu aperfeiçoamentos em seu sistema de gerenciamento de combate e uma câmera eletro-ótica MSP-500 que possui um telêmetro a laser para aferir a visada e garantir maior precisão nos dados de posicionamento do alvo, além de poder usar outros mísseis como explicado mais acima no texto.
Hoje o sistema é usado pelos Estados Unidos, Noruega, Chile, Holanda, Espanha, Finlândia e Lituânia. A ideia de poder usar os mesmos armamentos usados em caças e navios em um sistema terrestre traz vantagens na economia da escala para seus operadores que podem adquirir unidades para seus sistemas aéreos e terrestres (versão especifica), com custos mais baixos.
Acima: O lançador do antigo sistema HAWK foi adaptado para operar os mísseis AIM-120 AMRAAM como mostrado acima.



VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

sábado, 1 de abril de 2017

MITSUBISHI F-2. Em defesa da nação do sol nascente.

FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: Mach 0,9 (1190 km/h).
Velocidade máxima: Mach 2,0 (2448 km/h).
Razão de subida: 14630 m/min.
Potencia: 0,95 (somente com combustível interno).
Carga de asa: 78,58 lb/ft².
Fator de carga: 9 Gs; -3Gs.
Taxa de giro instantânea: 24º/s.
Razão de rolamento: 270º/s.
Teto de serviço: 18000 m.
Raio de ação/ alcance: 850 km/ 4000 km.
Alcance do Radar: J/APG-2 com 189 km de alcance.
Empuxo: Um motor General Electric F110-IHI-129 com 13335 kgf com pós-combustão.
DIMENSÕES
Comprimento: 15,52 m.
Envergadura: 11,13 m.
Altura: 4,96 m.
Peso vazio: 9527 Kg.
Combustível interno: 8470 lb.
ARMAMENTO
Ar Ar: Míssil AIM-9L Sidewinder, AAM-3,  AAM-4, AIM-7 F/M Sparrow.
Ar Terra: Mísseis ASM-1, ASM-2, Bombas Mk-82/83/84, Bombas CBU-87 de fragmentação e lançadores de foguetes.
Interno: 1 canhão M61 A1 de seis canos calibre 20 mm
Carga externa máxima: 7711 Kg.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S. Junior
A força aérea japonesa é um operador de vários modelos de aeronaves  militares de origem norte americana. Mesmo com uma industria aeroespacial relativamente desenvolvida, a dependência dos Estados Unidos para adquirir aeronaves foi, e ainda é, um fato incontestável. O primeiro avião de combate desenvolvido no Japão, após a segunda grande guerra, foi o Mitsubishi F-1, que se tratava de um avião de ataque supersônico com limitadíssima capacidade de combate ar ar. Porém, os japoneses precisavam de uma aeronave de desempenho superior e que pudesse ser mais útil em missões ar ar, também, mesmo que esse perfil de missão fosse secundário dentro de seus requisitos. Os japoneses decidiram iniciar estudos das opções que tinham em 1982 e poderiam comprar uma aeronave de prateleira, desenvolver um caça do zero (muito mais caro e demorado), ou partir para uma aeronave que já existisse e que fosse modificada para poder suprir as necessidades das forças de auto defesa do Japão.
Acima: O primeiro avião de combate japonês a jato depois da segunda guerra mundial, o Mitsubishi F-1, não tinha  um desempenho satisfatório que permitisse ao modelo operar em missões ar ar com chances boas de vencer. O Japão precisava de uma aeronave com muito mais desempenho e o F-2 trouxe isso às forças de defesa japonesas.
Em 1985 o Japão contatou três fabricante para que respondesse se suas aeronaves poderiam cumprir os requisitos que eles estabeleceram. As empresas que receberam esse documento foram a General Dynamics para seu caça F-16, a McDonnell Douglas com seu caça F/A-18 Hornet, e a Panavia com seu caça bombardeiro pesado Tornado. Nenhum dos três modelos satisfez as expectativas japonesas, e acabou ficando claro que o Japão deveria partir para o desenvolvimento de uma aeronave própria. Nesse ponto dos acontecimentos, os Estados Unidos fizeram muita pressão encima do governo japonês para que ele usasse um modelo de caça americano modificado para suprir os requisitos japoneses, e foi exatamente isso que acabou ocorrendo.

Acima: O F-2 é baseado no extremamente bem sucedido projeto F-16 Fighting Falcon dos Estados Unidos. Porém, os requisitos dos militares japoneses impôs a necessidade de modificações importantes no modelo de forma que o F-2 acabou se tornando uma aeronave maior e mais pesada que o F-16 original.
O Japão escolheu, em 1987, o modelo do caça F-16 para ser base para sua futura aeronave de combate, cujo programa foi chamado de FS-X. A Mitsubishi Heavy Industries foi contratada para levar adiante o projeto e o novo caça passou a se chamar F-2. As diferenças entre os F-16 original e o F-2 são bastante elevadas e mesmo uma pessoa não muito familiarizada com aeronaves de combate conseguiria perceber elas sem muito esforço. As asas tem desenho diferentes, com bordo de fuga com enflechamento negativo, e com maiores dimensões em cerca de 25% quando comparado a um F-16 original levando a um aumento na envergadura de 1,68 m em relação ao modelo norte americano. O F-2 também tem maior comprimento em cerca de 50 cm. Os tailerons tem um bordo de fuga chanfrado lembrando técnicas de desenho de aeronaves stealth, embora o F-2 não seja uma aeronave desse tipo. Nesse aspecto é importante observar que a Mitsubishi faz uso pesado de materiais absorventes de radar RAM na estrutura do F-2 com o objetivo de diminuir sua reflexão do eco radar para as antenas inimigas. Outro ponto de diferença é que o F-2 pesa quase uma tonelada a mais que um F-16, considerando as aeronaves vazias.
Acima: O F-2 possui mais capacidade de combustível e consequentemente maior alcance que os caças F-16 norte americanos..
O F-2 aproveita seu maior tamanho para transportar mais combustível internamente que o F-16 em pouco mais de 1000 lb o que permite um aumento do alcance da aeronave sem tanques externos. A motorização usada pelo F-2 é o potente General Electric F110-IHI-129 que produz de empuxo máximo de 13335 kgf com pós-combustão. A relação empuxo peso é de 0,95 quando a aeronave estiver operando exclusivamente com seu combustível interno e dois mísseis ar ar de curto alcance. Embora esse valor não seja espetacular, a aeronave consegue bom desempenho de aceleração e de velocidade máxima que chega a mach 2 (2448 km/h) em altas altitudes. No que tange a manobrabilidade, o F-2 é ligeiramente menos acrobático que o F-16 e sua taxa de giro instantânea, também é um pouco menor (24º/seg), porém, deve-se reforçar que o F-2 é um avião que se deve respeitar na arena de curto alcance, pois pode ser considerado, ainda uma aeronave ágil de uma forma geral. Como poderia se esperar, a estabilidade aerodinâmica do F-2 é relaxada, o que o obriga a usar um sistema de controle de voo computadorizado FBW (Fly By Wire) desenvolvido localmente, uma vez que os Estados Unidos se recusaram a fornecer os códigos fontes do sistema FBW do F-16 para esse programa. Este sistema FBW é triplamente redundante, o que garante a segurança em caso de falha de um ou mesmo de dois destes sistemas de controle de voo.
Acima: Embora seja um caça ágil sob qualquer ponto de vista, o F-2 ainda tem um desempenho acrobático levemente inferior ao do F-16C.
O F-2 foi equipado, inicialmente com um radar J/APG-1 AESA  (varredura eletrônica ativa), e este foi o primeiro avião de combate fabricado em série a entrar em serviço com um radar desse tipo. O radar, no entanto tinha um alcance relativamente modesto, chegando a apenas 100 km. Recentemente os caças F-2 receberam um radar aperfeiçoado J/APG-2 cujo alcance foi aumentado para cerca de 189 km, o que o torna comparável em capacidade ao de um radar AN/APG-79 usado no caça norte americano F/A-18E Super Hornet.
O sistema de comunicação abrange um radio V/UHF modelo AN/ARC-164 que opera com alta confiabilidade e grande imunidade a interferência e um interrogador IFF (identificação amigo inimigo) da Hazeltine. O sistema Head Up Display (HUD) é fornecido pela Shimadzu. Pode se perceber  que muitos dos equipamentos eletrônicos foram desenvolvidos pelo Japãomesmo, para esta aeronave.
O F-2 recebeu a integração do casulo designador de alvos Lockheed Martin Sniper que fornece coordenadas de localização para as armas guiadas a GPS e iluminação a laser para bombas guiadas por este sistema, produção de imagens da área alvo para reconhecimento, mesmo em baixa visibilidade, além de transmissão por data link em tempo real. O casulo Sniper permite um aumento da eficiência tática do F-2, e consequentemente, seu valor militar sobre o campo de batalha
Acima: Inicialmente, os F-2A foram colocados em serviço com o primeiro radar de varredura eletrônica ativa AESA em um caça. Aqui este radar, J/APG-1 tinha um desempenho de alcance limitado frente aos radares de maior alcance, mas de varredura mecânica dos caças usados pelos adversários japoneses. O novo radar J/APG-2 resolveu essa desvantagem.
Acima: O radio norte americano Raytheon AN/ARC-164 é o principal equipamento de comunicação do caça F-2A.
O armamento transportado pelo F-2 é particularmente variado, e com um forte foco em missões anti-navio. Só nesse segmento de guerra anti-navio são 3 tipos de mísseis. O míssil Type 80, que entrou em serviço em 1980, possuindo um alcance bastante restrito, atingindo alvos a apenas 50 km. Sua guiagem é feita por radar ativo e sua ogiva tem 150 kg de alto explosivo. No fundo, essa arma é pouco inferior ao velho míssil MBDA AM-39 Exocet, que já pode ser considerado um armamento relativamente obsoleto. O segundo míssil anti-navio integrado ao F-2 é o Type 93, um míssil derivado do Type 80, porém com um significativo aumento de desempenho. Seu alcance é de 170 km e sua ogiva foi aumentada para 250 kg. O sistema de guiagem é feito por um sistema inercial e com engajamento final por um sensor infravermelho (IR). O mais moderno míssil anti-navio que o F-2 usa é o avançado XASM-3 que faz uso de propulsão Ramjet que proporciona uma velocidade supersônica alta (3500 km/h) e um alcance de cerca de 200 km, tornando este míssil, praticamente imune a defesas anti-míssil dos navios. O sistema de guiagem é por radar ativo ou passivo, dando alta capacidade de precisão para este armamento.
Acima: O míssil XASM-3 é uma poderosa arma antinavio que possui um regime de voo supersônico o que praticamente inviabiliza qualquer tentativa de interceptar o míssil durante seu ataque.
O F-2 é um caça multifuncional, por tanto é qualificado para operar em missões de combate aéreo, também. Para isto, o seu arsenal é composto por misseis ar ar de fabricação norte americana AIM-9L Sidewinder, de curto alcance e os mísseis de médio alcance  AIM-7M  Sparrow guiados por radar semi ativo (exige que o radar do F-2 mantenha-se iluminando o alvo durante todo o percurso do míssil até o alvo). O míssil Sidewinder, é um armamento praticamente onipresente na guerra moderna. A absoluta maioria dos países do mundo usa alguma versão desta arma, e o modelo L, usado no F-2 já é considerado um míssil com algum nível de obsolescência uma vez que ele é incapaz de manobrar tão bem quanto os mísseis com vetoração de empuxo e capacidade de engajamento off boresight atuais. O Sidewinder "L" tem alcance cinético quando lançado de altas altitudes de até 33 km. Na pratica, porém, esse desempenho nunca é atingido, e a arma é empregada a distancias que variam de 10 a 15 km. Seu sistema de guiagem é por infravermelho e com capacidade all Aspect (podem ser lançados de qualquer angulo, mesmo de frente da aeronave inimiga). Já o AIM-7M Sparrow, é um míssil de médio alcance que tem um histórico relativamente pobre em termos de resultados de combate. A versão em uso, chamada de AIM-7M, com alcance de cerca de 50 km, tem melhores índices de precisão, porém, por se tratar de uma arma semi ativa, ele traz problemas táticos pois obriga o caça lançador a se manter com seu radar apontado para o alvo até ele ser destruído pelo míssil que segue o reflexo da iluminação do radar do lançador.
Acima: Em uma missão de patrulha aérea de combate,o F-2 pode receber até 8 mísseis ar ar, sendo 4 de curto alcance e 4 de médio alcance.
A industria de defesa japonesa desenvolveu, também, mísseis ar ar próprios para armar os seus caças. O míssil de curto alcance desenvolvido pelos japoneses é conhecido como AAM-3 e está substituindo os mísseis AIM-9 Sidewinder remanescentes no inventário japonês. , Também conhecido como Type-90, o AAM-3 tem um sensor de busca infravermelha com capacidade de engajar alvos off boresight (fora da linha de visada), e com alcance de 35 km. Para combates fora do alcance visual, o moderno míssil AAM-4 (Type-99), possui um sistema de guiamento por radar ativo, como o eficiente míssil AIM-120 Amraam, norte americano, porém, com alcance que pode chegar a 100 km.
A Mitsubishi Heavy Industries desenvolveu um moderníssimo míssil de curto alcance de 4º geração conhecido como Type 04 ou AAM-5. Este míssil, cujo desenho lembra levemente o do míssil Iris-T europeu, possui vetoração de empuxo para permitir altíssima agilidade e um sensor de busca infravermelha com elevado angulo de campo de busca para garantir uma capacidade de engajamento off boresight  (cerca de 60º do angulo de visão da aeronave). Seu alcance cinético é de 35 km, o que o torna quase um míssil BVR.
Para bombardeio de alvos em terra, o F-2 recebeu bombas guiadas a GPS GBU-31 JDAM, bombas guiadas por infravermelho bombas de queda libre da série MK-80 e bombas de fragmentação GBU-87. E por ultimo, o F-2 usa um canhão de canos rotativos General Electric M-61A1 Vulcan em calibre 20 mm com uma cadência de 6600 tiros por minuto. Ao todo, o F-2 transporta uma carga de armas de 8085 kg.
Acima: Nessa foto podemos ver com clareza o desenho dos estabilizadores tailerons com a borda de uga chanfrado. No F-16, esta peça tem um essa característica muito menor.
O caça F-2 é um tipico caça de 4º geração, onde temos agilidade e capacidade multifunção presentes no projeto. O Japão conseguiu alguma transferência de tecnologia para sua industria além de um bom incentivo para pesquisar alguns itens que os norte americanos se recusaram a passar, durante o programa de desenvolvimento. Porém, trata-se de um avião de combate que apresenta um desempenho que não permitiria impor superioridade aérea contra as forças aéreas dos países que possuem conflitos pendentes com o Japão. A China e Rússia usam pesadamente aeronaves de combate da extremamente bem sucedida família Flanker, uma aeronave com desempenho muito superior ao F-2. Por isso, o Japão entende e trabalha pelo desenvolvimento de um novo caça de 5º geração que possa permitir uma condição de enfrentamento com seus adversários de forma mais párea. O F-2 deverá se manter em serviço por pelo menos mais 15 anos, porém, focando mais em missões anti superfície e de interdição naval.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

sábado, 18 de março de 2017


O blog FMJ foi atualizado com uma matéria sobre o excelente fuzil CZ 805 Bren. Clique na foto e conheça mais esta excelente arma de assalto.

sábado, 11 de março de 2017

GORKOVSKY AVTOMOBILNY ZAVOD 233114 TIGR -M 4X4. O "jeep" a moda russa!

FICHA TÉCNICA
Velocidade máxima: 140 Km/h.
Alcance Máximo: 900 Km.
Motor:  Um motor YaMZ-534 turbocharged  com 240cv de potência.
Peso: 7,5 toneladas.
Altura: 2,40 m.
Comprimento: 5,7 m.
Largura: 2,3 m.
Tripulação: 1+11 soldados equipados dependendo da versão.
Armamento:  Uma metralhadoras de uso geral PKP 6P41 “Pecheneg” em calibre 7,62 X 54 mm ou uma metralhadora pesada Kord 6P50 em calibre 12,7 X 08 mm, um lança granadas automático AGS-17 Plamya de 30 mm. Armas mais pesadas como sistemas de mísseis Kornet 9M133-1 também podem ser empregados,
Trincheira: 0,50 m
Inclinação frontal: 60º
Inclinação lateral: 40º
Obstáculo vertical: 0,50 m
Passagem de vau: 1,20

DESCRIÇÃO
Por Anderson Barros em parceria com site Plano Brasil.

PREFÁCIO.
Durante a Segunda Guerra Mundial, os veículos 4×4 de 1/4 t — vulgarmente conhecidos como jipes (General Purpose)  tornaram-se uma presença comum e numerosa nas unidades do Exército dos Estados Unidos. A grande quantidade de jipes disponíveis ao final daquele conflito tornou inevitável seu uso por um grande número de exércitos no período do pós-guerra, mormente para missões de reconhecimento e ligação. Apesar de suas conhecidas limitações, a simplicidade, rusticidade e praticidade do veículo acabaram resultando em uma espantosa longevidade. Um dos pontos negativos do jipe era o fato de não oferecer à guarnição praticamente nenhuma proteção contra minas, tiros, ou estilhaços.
As tentativas de blindar o jipe, parcial ou totalmente, não foram muito bem-sucedidas, pois a suspensão do veículo não reagia bem à carga adicional. Eventualmente, os principais exércitos do mundo acabaram por substituí-lo por veículos mais sofisticados e logicamente mais caros e mais pesados.  Mesmo os Humvee, veículos muito mais modernos que o "jeep", usado pelas forças armadas dos Estados Unidos e seus aliados têm se mostrado excessivamente vulnerável nesses ambientes. Isto porque,  a letalidade dos armamentos empregados tem se mostrado mortais contra veículos leves, que embora se mantendo dentro de limites dimensionais aceitáveis e continuando a tradição de versatilidade, apresentam melhor desempenho e maior mobilidade fora de estrada, bem como oferecessem um razoável nível de proteção para seus ocupantes.
Acima: O Tigr-M, é parte de uma linhagem de veículos de transporte que tem trazido boa reputação a industria de defesa russa.

ORIGEM.
O Gaz Tigr foi desenvolvido a pedido do Exército Russo que viu a necessidade de dotar suas unidades motorizadas e mecanizadas com um veículo todo terreno de nova geração que substituiria todos os veículos táticos 4×4. Inicialmente este veículos seriam empregados pelo Exercito Russo e posteriormente pelas outras forças militares e policiais.
As especificações russa previam um excelente desempenho off-road, capacidade de transportar uma grande carga útil, e capacidade sobrevivência para a tripulação.
O primeiro protótipo do Gaz Tigr foi apresentado na feira  IDEX em 2001 tendo a produção do lote piloto se iniciando em 2004 com a produção de 96 veículos. Porém devido as experiências do Exercito Russo nos conflitos da Chechenaia e observando a experiência americana no Afeganistão e no Iraque onde o uso de artefato explosivo improvisado (Improvised Explosive Device, ou IED) se mostrou cada vez mais intenso e os Humvee usados pelas forças armadas dos Estados Unidos e seus aliados se mostraram excessivamente vulneráveis nesses ambientes destacando a necessidade de revisões e atualizações nos seus projetos, e os projetistas russos se viram na necessidade de igualmente rever seus conceitos.
Outro fator importante foi a mudança na doutrina militar aplicada às forças terrestres, visando a mobilidade, acima de tudo e a capacidade de combate em áreas urbanas, o que imperou para que o Ministério da defesa russo solicitasse uma nova viatura para atender aos novos requerimentos impostos pelas forças Russas.
No processo de desenvolvimento do Tigr (Tigre), foram sendo introduzidos e novas versões surgiram até culminar no  GAZ VPK-233114 Tigr-M. Este último sendo apresentado pela primeira vez durante a exposição Interpolitex em 2010 e se tornando o veículo padrão das forças russas no qual oferece grande mobilidade e proteção a tropa.

VARIANTES.
A família de veículos blindados GAZ Tigr representam uma das mais bem sucedidas viaturas de sua categoria no mercado atualmente com mais de 15 países tendo adquirido os veículos desse projeto.  O GAZ Tigr possui um design e tecnologia simples o que reduz os custos de aquisição e manutenção.
O veículo base possui aproximadamente o mesmo tamanho que o HMMWV. Seu conceito originou diversas versões para as mais variadas aplicações recebendo diversos equipamento de acordo com as necessidade de cada cliente ou natureza da missão. Podemos citar algumas dessas variantes:
- GAZ-2330/2975: Versão utilitária não blindada para o mercado civil e militar.

- GAZ-233001 / GAZ-233014 Tigr Scout: Veículos blindados de transporte de pessoal da APC (Armoured Personnel Carrier).

- GAZ Tigr-2 – versão civil do Tigr: Lançado em uma pequena série a partir de 2008. O carro está
disponível em dois níveis de acabamento luxo e regular.

- GAZ SP-46: Versão duas portas não blindada com capota removível.

- GAZ 233034 SPM-1: Versão 2 portas blindado adaptado para as s forças russas do  Ministério do Interior russo.

- GAZ 233036 SPM-2: Versão 2 portas blindado lançado em 2006-2007. Variante melhorada em relação a versão anterior SPM-1.

DA SIBÉRIA PARA O RIO DE JANEIRO.
O Batalhão de Operações Especiais da Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro recebeu no final de 2010 um modelo do veiculo russo GAZ Tigr 233036 SPM-2 no qual recebeu a designação de VTL (Veículo Tático Leve) passou por uma série de análises de balística, de visibilidade e de progressão em área de risco. O veículo também circulou por diversas comunidades do Rio de Janeiro onde foi avaliada (e demonstrada) sua mobilidade.
Os russos realizaram modificações que se mostraram simples e funcionais. Porem ficou pendente a instalação de sistema de ar-condicionado de maior potência (afim de conferir maior conforto aos tripulantes durante as operações com o mesmo sob o calor extremo ao qual estamos acostumados aqui no Rio de Janeiro) requisito não atendido pelos russos. Outras modificações foram :
  • Melhoria da proteção balística para a célula
  • Melhoria da proteção balística dos pneus
  • Melhoria da proteção balística do motor
  • Mais conforto na acomodação dos tripulantes
  • Janelas blindadas basculantes
  • Porta de desembarque modificada
  • Instalação de janelas laterais para pontaria de armas
GAZ Tiger sobre fogo
O  GAZ Tigr, foi submetido a uma bateria de rigorosos testes de balística efetuados pelo próprio BOPE. Na ocasião o veículo foi alvejado por disparos de armas de diversos calibres, dentre estes o 5,56 mm e o 7,62 mm, segundo a avaliação do fabricante, o veículo respondeu satisfatoriamente aos ensaios demonstrando robustez na proteção para a tripulação.
O Tigr competiu com outros veículos, como Sul Africano Paramount Maverick  o Renault Sherpa APC francês dentre outros. No final o veiculo da empresa sul-africana Paramount saiu vencedor sendo adquirido oito unidades do Maverick.
Acima: Testado no Rio de Janeiro, a blindagem do Tigr segurou muito bem impactos de munição 7,62X51 mm.

GAZ 233136 TIGR-6A
A modernização do veículo Tigr-6A foi a maior ocorrida atualmente na família Tigr. Ele foi criado em 2011, desenvolvido para reduzir a ameaça representada pelas minas terrestres e pelos dispositivos explosivos improvisados. Seu projeto deu atenção especial para a proteção da tripulação, de modo que a célula da guarnição recebeu um maior nível de segurança. Os assentos não estão diretamente ligados ao piso, proporcionando uma capacidade de sobrevivência superior aos demais veículos da Família Tigr. Porem o mesmo se encontra em fase de protótipo onde vem realizando diversos testes porem, sem encomendas das forças russas.
Acima: O modelo GAZ 233136 Tigr-6A tem melhor capacidade de proteção contra minas terrestres e IEDs (dispositivos explosivos improvisados).

GAZ Tigr-M
Neste artigo vou apresentar um desses veículos blindados leves 4X4; O Tigr M , atualmente esta sendo fabricado pela Arzamas Engineering Plant (AMZ) sendo a variante mais moderna da família de blindados Tigr atualmente em serviço.
O Tigr M foi desenvolvido pela empresa GAZ (Gorkovsky Avtomobilny Zavod ) uma das mais competentes fabricantes de veículos da Rússia. O veículo foi projetado pela VKP ( Voenno-Promyshlennaya Kompaniya ) que é uma divisão militar do grupo GAZ.
O chassi é do tipo escada com longarinas duplas, com reforço estrutural de alta flexibilidade torsional, apto para qualquer terreno. Projetado para ser um veículo com características modulares tem sua estrutura dividida em chassi, compartimento da tripulação (célula de sobrevivência – Survival cell) e compartimento de motor (Power Pack) que fica alojado na dianteira do veículo separados através de uma parede corta fogo e estrutura com isolamento térmico/acústico.
O Tigr utiliza-se de um sistema de suspensão de barra de torção convencional. Esse sistema é tido pelos russos como além de mais simples, também muito mais confiável do que o caro e complexo sistema hidropneumático. A confiança que os russos possuem sobre esse sistema de suspensão, sua rigidez e robustez são comprovadas nas mais diversas exibições. Todos os braços da suspensão possuem amortecedores hidráulicos montados para limitar o deslocamento excessivo sendo um de cada lado do eixo dianteiro e dois de cada lado no traseiro.
Os freios são a tambor nas quatro rodas, com duplo circuito hidráulico e freio motor de dois estágios, com direção servo assistida hidraulicamente, diferencial autoblocante, tração 4WD (four wheel drive – podem tracionar nas quatro rodas, mas que também operam em 4×2) e sistema de regulação central da pressão dos pneus (CTIS). Alem disso, o Tigr usa alguns componentes automotivos do veiculo 8×8  BTR-80  e  do blindado leve 4x4 GAZ Vodnik.
Acima: Aqui vemos um GAZ Tigr 233036 SPM-2 modelo idêntico ao testado pela policia do Rio de Janeiro.

PROTEÇÃO
A carroceria monobloco é confeccionada em chapas de aço blindado com proteção balística que segue o Padrão OTAN STANAG 4569 nível 3 contra calibre 7.62 x 51 mm AP (Perfurante de blindagem) e Anti-minas Nível 2 para 6 kg de explosivos em qualquer das 4 rodas.
O assoalho possui revestimento interno Spall-Liner anti-estilhaçamento com três camadas para proteger contra detonações de minas e IED (Explosivos improvisados), muito usados em guerra irregular para destruir ou inutilizar os veículos inimigos.
Os vidros são montados em estruturas basculante e dependendo da versão ou gosto do cliente o mesmo pode ter pequenas escotilhas para disparo de armas de dentro do veiculo.
A cabine blindada tem duas portas na dianteira e uma grande porta traseira (existe a opção de quatro portas mais a porta traseira). O perfil padrão do veículo fornece capacidade de transporte nas seguintes configurações: motorista e 11 passageiros. Outras configurações acomodam 1 + 3, 2 + 4 ou 2 + 7 respectivamente.
Existem algumas versões especializadas deste veículo sendo uma excelente plataforma que oferece alta capacidade de carga (1,5 toneladas) e um peso total de 7,200 kg. O compartimento da Tripulação é protegido para condições de guerra nuclear, biológica e química (NBQ). Os pneus do Tigr são do tipo “run flat”, extremamente resistente a tiros podendo trafegar mesmo que perfurado.
Acima: Em recentes ataques no Daguestão  e Chechênia onde um veiculo Gaz-233014 TIGR Scout foi atacado recebendo disparos de fuzis Kalashnikov, lança-granadas e rifle sniper.SVD. Em outra ataque envolvendo um Gaz-233114 Tigr-M o mesmo foi vitima de um artefato explosivo improvisado ( Improvised explosive device, ou IED). Em ambos os casos a blindagem do veiculo resistiu salvando a tripulação

PROPULSÃO
A modularidade deste veículo permite a instalação de diversos tipos de motorização para ir de encontro com as necessidades do cliente. Ao todo, estão disponíveis, hoje, 5 modelos de motores, sendo eles: três modelos Cummins serie B :B-180 5.9 L 6 cilindros turbo diesel com 180 CV, B-205 5.9L 6 cilindros Turbo diesel com 205 CV e o B-215 5.9 L 6 cilindros turbo diesel com 215 cv. Há uma opção com motores russos modelos GAZ-562 3,2L 6 cilindros turbo diesel com 197cv e o YaMZ-534, com 190 hp multicombustível (quando equipado com turbocharged a potencia aumenta para 240 cv). Com qualquer um desses motores podem usar três tipos de transmissão duas automáticas : Allison LCT-1000  de seis velocidades e GM 545RFE de cinco velocidades.
Também existe a opção de transmissão manual fabricada pela GAZ de cinco velocidades. O Tigr M, possui uma velocidade máxima de 140 km/h em estradas. Sua autonomia chega nos 900 km esse desempenho é considerado muito bom para essa categoria de veículo.
A capacidade de operar em terrenos irregulares é elevada, podendo passar por obstáculos verticais de 50 cm de altura e encarar inclinação frontal de 60º. Embora não seja um veículo anfíbio, ele pode transpor um rio com profundidade de até 1,20 metro.
Acima: Compartimento de motor (Power Pack) onde se pode ver o trem de força YAMZ-534 (de fabricação russa). Os tubos de alumínio fazem parte do compressor turbocharger que aumenta a potencia do motor dos originais 190 cv para os 240 cv de potencia.

SISTEMAS DE ARMAS
O armamento básico que pode ser usado no Tigr M é composto por metralhadoras de uso geral PKP 6P41 “Pecheneg” em calibre 7,62X54 mm  ou  com uma metralhadora pesada Kord 6P50 em calibre 12,7 x 108 mm , porém não há problemas para instalar metralhadoras de modelos diferentes caso o cliente assim queira.
No lugar da metralhadora pode ser instalado um lança granadas automático AGS-17 Plamya de 30 mm capaz de lançar 400 granadas por minuto. Alternativamente pode ser instalado equipamentos para as mais variadas missões.
O gaz Tigr pode ser equipado com duas torretas giro estabilizadas armadas com misseis do sistema antitanque Kornet 9M133-1 ( ogiva HEAT – High Explosive Anti Tank, Alto Explosivo Anti Tanque) com 8 km de alcance ou 9M133F-1 (com ogiva termobárica) com 10 km de alcance.
A empresa joint stock company Research-and-production corporation Konstruktorskoye byuro ashynostroyeniya desenvolveu um novo sistema de defesa antiaérea de curto alcance ( Short Range Air Defense) Gibka-S. O sistema é composto por uma torreta, dotada de mísseis termo guiados do tipo 9K333 Verba tendo como opção o uso do Igla-S.  Seu objetivo básico é proporcionar proteção móvel contra mísseis de cruzeiro, veículos aéreos não-tripulados (drones), helicópteros e aviões que operem a uma distância de até 6.500 m, voando a menos de 4.500 m de altitude.
Acima: O Gaz Tigr pode ser equipado com duas torretas giro estabilizadas armadas com misseis do sistema antitanque Kornet 9M133-1 ( ogiva HEAT – High Explosive Anti Tank, Alto Explosivo Anti Tanque) com 8 km de alcance ou 9M133F-1 (com ogiva termobárica) com 10 km de alcance.

EM AÇÃO
Crimeia 
O Veículo foi flagrado pelas câmeras já no inicio da  intervenção militar russa na Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro de 2014 quando as Forças Russas desembarcaram na península da Crimeia, no sul da Ucrânia e tomaram controle da região da mesma. Entre os veículos implantados na região a maioria eram do modelo Gaz Tigr em diversas configurações. Segundo informações a maioria dos veículos implantados no inicio da operação pertenciam a infantaria naval russa (Береговые войска ВМФ России, ou Beregovye Voyska VMF Rossii).
Síria
A intervenção russa na Guerra Civil Síria começou no fim de setembro de 2015. Consistindo de uma série de ataques aéreos e navais feitos pelas forças armadas da Rússia contra o grupo extremista autoproclamado Estado Islâmico (EI) na Síria.
Operações terrestres pontuais feitas por forças especiais russas também foram reportadas. Dentre os veículos usados pelas forças russas em operações em solo esta o Gaz Tigr o mesmo também e operado pelas Forças Sírias.
Acima: Mais recentemente, na anexação da Crimeia pela Rússia, os Tigr novamente se fizeram presentes transportando as tropas russas pelo ex território ucraniano.

CONCLUSÃO
A primeira vista o veículo impressiona pelas suas linhas e tamanho, embora no mundo existam veículos menores e maiores nesta categoria com muitas opções de diversas qualidades, capacidades e, acima de tudo, preço.  Com melhorias em conceitos de modularidade e manutenção, blindagem, motorização, maximizando as capacidades de combate do veículo torna o Tigr um veículo interessante e competitivo no disputado mercado de blindados 4×4 leves.
O Gaz Tigr incorpora tecnologias e soluções que englobam um custo de aquisição e operação bem acessível o que o torna um veículo capaz de operar em ambiente dos mais variados cenários da guerra moderna. Um dos seus pontos negativos e não possuir proteção Modular que possa ser ajustada para se adequar às exigências da missão. Os veículos mais modernos utilizam de pacotes de blindagem modulares  podendo receber um escudo protetor para a proteção contra minas anticarro.
Isso acaba  tornando o Tigr um veículo pesado sem a opção de se reduzir esse peso com a diminuição da blindagem como nos outros veículos de sua categoria. Outro ponto  em relação a segurança que deve ser observado são os assentos, mesmo que não estejam  diretamente ligados ao piso,  apresentam uma baixa capacidade de absorção de explosões e não possuem cintos de segurança adequados o que aumenta os riscos da tripulação. Embora a maioria das deficiências encontradas nos veículos anteriores tenham sido sanadas na versão Gaz 233136 TIGR-6A ultimo membro da família Tigr que atualmente se encontra em fase de teste
Acima: Gaz Tigr-M impossível, não notar o grande ressalvo no capô, necessário por causa do bloco mais alto do motor YaMZ-534 — ele se tornou seu elemento estético mais característico.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

sábado, 4 de março de 2017

CLASSE FORMIDABLE. A moderníssima fragata de Cingapura

FICHA TÉCNICA
Tipo: Fragata multimissão.
Tripulação: 71 tripulantes mais 19 da ala aérea.
Data do comissionamento: Maio de 2007.
Deslocamento: 3200 toneladas.
Comprimento: 114,8 m.
Boca: 16,3 m.
Propulsão: 4 motores a diesel MTU 20V 8000 que produzem 48800 shp e que movem dois eixos com uma hélice cada.
Velocidade máxima: 27 nós (50 km/h).
Alcance: 7880 Km.
Sensores: Radar de busca aérea e de superfície: Thales Herakles com 250 Km de alcance. radar de navegação Scanter 2001, radar de controle de fogo Thales Sting EO MK 2; Sonar EDO M 980 ALOFTS rebocado
Armamento: AAW: 4 lançadores de 8 celulas Sylver A-50 para mísseis Áster 15/ 30; SSM: 2 lançadores  MK-141 quádruplos para mísseis RGM-84 Harpoon, 1 canhão OTO Melara 76 mm/62 Super Rapid; 2 canhões automáticos Rafael ADS Typhoon calibre 25 mm; 2 lançadores triplos para torpedos Eurotorp A-244S
Aeronaves: 1 Helicóptero Sikorsky S-70B Seahawk

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior
Cingapura tem uma marinha tradicionalmente equipada com pequenas embarcações multifunção para poder otimizar ao máximo a capacidade da força como um todo. Porém, faltava um navio com capacidade de "águas azuis" ou para operações oceânicas. Por isso, o ministério da defesa de Cingapura encomendou junto a DCNS da França um projeto para uma nova classe de fragatas que deveriam incorporar as ultimas tecnologias para esse tipo de equipamento disponíveis no mundo. Batizada de classe Formidable, a DCNS construiu 6 navios que foram entregues a marinha da Cingapura a partir de maio de 2007. O projeto é baseado nos navios da classe Lafayette, e por isso, foram projetadas para ter baixo índice de ruído, baixa assinatura infravermelha e de radar. Outro ponto interessante sobre o projeto deste navio é o alto nível de automação de seus sistemas que permitiram uma diminuição  de 50 % no numero de tripulantes, de forma que, enquanto nos navios da classe Lafayette, há 164 tripulantes, nos navios da classe Formidable, há, apenas, 71 tripulantes.
Acima: Com um desenho bastante limpo e com ângulos, a fragata Formidable apresenta uma redução importante de sua área de reflexão de radar (RCS).
Como está se tornando praxe atualmente, houve transferência de tecnologia para a industria de Cingapura nesse projeto e muitas outras empresas do país produzem sistemas e peças para este navio. O sistema de gerenciamento de combate, assim como sua integração, foi desenvolvida pela própria Agência de Ciência e Tecnologia de Cingapura (DSTA). Os mostradores dos consoles, assim como os sistemas de comunicação integrados são desenvolvidos pela Singapore Technology Electronics, uma subsidiária da ST Engineering.
Acima: O programa de aquisição dos navios da classe Formidabel de Cingapura abrangeu um bom espectro de transferência de tecnologia, onde muitas empresas do país foram pesadamente beneficiadas, gerando emprego e know how a industria local
O sistema de propulsão da Formidable é do tipo CODAD (diesel e diesel combinado) e está equipada com 4 motores a diesel em um esquema similar ao usado pelos navios da classe Lafayette originais, dos quais, esta classe deriva, porém o sistema de propulsão dos navios de Cingapura são um pouco menos potentes. O modelo dos motores usados é o MTU 20V 8000 e conseguem mover o navio a uma velocidade de 27 nós ou  50 km/h. A Formidable possui uma boa autonomia sendo que pode chegar a 7880 km quando navegando em velocidade de cruzeiro econômico (algo como 18 nós ou 33 km/h), podendo, assim, ser operada em missões internacionais.
Acima: As Formidable derivam do navio francês classe La Fayette, porém o seu armamento é mais pesado, e seus sistemas bem mais capazes.
O radar do Formidable é o Thales Herakles de abertura sintética, tridimensional, e que faz a buscas primárias e o controle de fogo das armas do navio. O alcance do Herakles é de 250 Km e pode rastrear mais de 400 alvos simultaneamente. Esse radar é usado, também para designar alvos para o sistema de míssil antiaéreo Áster-15/ 30, que é o principal sistema de armas do navio. Além desse sensor, outros sistemas de sensores com objetivo de apoio a navegação como o radar Scanter 2001 ou o  radar de controle de fogo Thales Sting EO MK 2 que orienta a visada do canhão de 76 mm do navio, foram instalados. O Formidable também recebeu um sonar rebocado de baixa frequência EDO M 980 ALOFTS que permite detectar e classificar um submarino inimigo a longa distancia.
Acima: O radar Herakles é o principal sensor da Formidable. este sistema de radar também é usada nas modernas fragatas multimissão da classe Aquitaine, já descritos nesse site.
O principal armamento da Formidable são seus 4 lançadores verticais Sylver A-50 de 8 celulas cada, para mísseis antiaéreos Aster 15 e Aster 30. O primeiro tem alcance de 30 km e o segundo alcança 100 km. O sistema de guiagem destes ótimos mísseis é por radar ativo permitindo a flexibilidade de engajamento de alvos múltiplos. Ainda falando de mísseis, a Formidable recebeu 2 lançadores  MK-141 quádruplos para mísseis RGM-84 Harpoon que são usados para atacar navios. O alcance deste clássico míssil anti-navio chega a 130 km e seu sistema de guiagem se dá por radar ativo.
O armamento de tubo é composto pelo canhão de fogo rápido OTO Melara 76/62 Super Rapid calibre 76 mm, que atinge uma cadência de 120 tiros por minuto e um alcance de 16 km, quando usando munição de alto explosivo (HE). Existe, ainda, a munição Vulcano, já disponível em calibre 76 mm, que permite atingir alvos a 40 km com alta precisão pois a granada é guiada por GPS com um sensor infravermelho IR ou por laser semi ativo na fase terminal do ataque. Há 2 canhões automáticos leves Rafael ADS Typhoon calibre 25 mm, ideal para atacar pequenas embarcações em caso de ameaças assimétricas. Estes canhões podem disparar a cerca de 200 tiros por minuto e tem alcance de 3 km. Existem 4 metralhadoras pesadas CIS-50MG calibre 12,7 X 99 mm (.50). E por ultimo, para guerra anti-submarino, foi instalado 2 lançadores triplos B-515 para torpedos leves de 324 mm Eurotorp A-244S. Esse torpedo, de origem italiana, tem alcance de 13,5 km e possui guiagem por sonar ativo/ passivo.
Acima: O armamento e sistemas de sensores da fragata Formidable permitem que o navio seja usado como escolta de grupos de batalha naval. Nesta foto podemos ver o Formidable escoltando o super porta aviões norte americano USS Nimitz (CVN-68).
As fragatas da classe Formidable foram projetadas para operar um helicóptero médio, e a marinha de Cingapura usa nesse papel o excelente helicóptero Sikorsky S-70B Seahawk para missões de busca, salvamento e guerra anti-submarino. Há um hangar no navio capaz de prestar um bom suporte a operação do helicóptero.
As fragatas Formidable representam um navio de bom custo benefício. Seu preço está em cerca de U$ 350 milhões cada unidade, na época em que foi contratado sua construção e o navio entrega uma boa capacidade de defesa antiaérea de área, permitindo ser usada como um navio de escolta de um grupo de batalha. Embora suas capacidades sejam inferiores a de navios equipados com sistema AEGIS, muito mais caros de comprar e operar, temos que ser honestos e constatar as boas capacidades deste moderno projeto. Seria um navio excelente para a defasada marinha brasileira.
Acima: A Formidable foi projetada para operar um helicóptero médio e a marinha de Singapura usa o Sikorsky S-70B Seahawk em cada um dos seis navios desta classe.


VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.