domingo, 10 de janeiro de 2016

SUKHOI SU-57/ T-50 PAK FA. O caça russo de 5º geração.

FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: 1800 km/h (supercruzeiro)
Velocidade máxima: 2500 km/h.
Razão de subida: 21660 m/min.
Potência: 1,24.
Carga de asa: 91 lb².
Fator de carga: 9 Gs.
Taxa de giro instantâneo: 29º/s.
Razão de rolamento: 200º/s.
Teto de Serviço: 20000 m.
Raio de ação/alcance: 1500 km/ 3600 km (em velocidade subsônica)
Alcance do radar: N036 Byelka: 400 Km contra alvos aéreos de 5m2 de RCS
Empuxo: 2 motores turbofan NPO Saturn AL-41F1 (Izdeliye 117S) com 17500 kgf de empuxo com pós combustor.
DIMENSÕES
Comprimento: 22 m
Envergadura: 14.2 m
Altura: 5,3 m
Peso vazio: 18500 kg (vazio).
Combustível Interno: 22700 lb.
ARMAMENTO
Ar Ar: Míssil R-77M de longo alcance, R-74M2.
Ar terra: Bombas KAB 250 e 500, mísseis táticos Kh-38M, Kh 58UShK, míssil anti navio KH-35 e míssil anti radar KH-31 e sua versão anti navio também.
Interno: 1 canhão 9-A1-4071K de 30 mm.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S.Junior
A força aérea russa passou por sérias dificuldades após o fim da União Soviética, tendo como consequência, a diminuição severa das horas de voo das tripulações assim como a disponibilidade de sua aviação, notadamente a de combate. Hoje, com mais de 20 anos passados dos fatos comentados, a força aérea russa já apresenta o resultado de uma ampla reestruturação que teve por objetivo elevar sua capacidade a níveis que permitam a ela impor uma dissuasão efetiva em defesa de seu território e de seus interesses na política internacional. Recentemente tem sido noticiado com certa regularidade, encontros de aeronaves de combate ocidentais com bombardeiros estratégicos russos sobre águas internacionais do Atlântico norte, evidenciando o renascimento da poderosa força aérea russa.
Acima: Durante a fase de desenvolvimento do Sukhoi T-50 Pak fa, nenhuma imagem oficial foi liberada para o público. Muitos desenhos eram apresentados, porém o que mais se aproximou da configuração real da aeronave foi este desenho publicado no site do fabricante de motores NPO Saturn que fornece os motores do modelo.
A Força Aérea da Ríssia possui, atualmente, uma força de combate aéreo composta por diversas versões do caça Mig-29 Fulcrum e pelos ótimos caças da família Flanker, como o Su-27, Su-30 e  Su-35S. Mesmo com aeronaves de combate cujas capacidades são reconhecidas e até, temidas, a verdade é que a 4º geração de caças europeus e a 5º geração de caças norte americano tem colocado duvidas sobre a capacidade da força aérea russa de superar eventuais inimigos em um conflito hipotético. O Flanker e o Fulcrum foram projetados tendo em vista os caças F-14 , F-15, F-16 e F/A-18 como aeronaves a ser superadas, aeronaves essas, que, ou já foi substituída, como no caso do celebre F-14 Tomcat, que cedeu lugar ao F/A-18E Super Hornet, ou que estão em processo de substituição como no caso do F-15 e do F-16 que cederão lugar aos moderníssimos caças F-22 Raptor e ao inovador F-35 Lightinig II.
Essa necessidade, de um novo avião de combate já tinha sido percebida no fim da era soviética e o governo havia solicitado propostas para um novo caça pesado. A Sukhoi apresentou o Su-47 Berkut, um moderno avião caracterizado por asas de enflechamento negativo enquanto que a Mikoyan apresentou o grande delta canard Mig 1.44, cujo desenho parece ter sido inspirado no modelo Typhoon europeu. Ambos os aviões foram usados como bancada de testes de novas tecnologias a serem empregadas em um futuro caça de 5º geração a ser desenvolvido e produzido. Foi decidido que a Sukhoi lideraria o desenvolvimento definitivo do novo caça cujo programa passou a ser chamado de PAK FA que significa (Futuro Complexo Aéreo para as Forças Aéreas Tácticas). O nome que a Sukhoi dá ao protótipo do Pak Fa é T-50 e o avião conta com soluções técnicas tanto do protótipo Su-47 quanto do Mig-1.44, cuja MAPO participa do projeto, além, é claro, de várias outras inovações.
Acima: O extremamente ágil Su-47 Berkut foi um protótipo desenvolvido pe,la Sukhoi do qual muitas tecnologias foram aproveitadas no projeto do Sukhoi T-50 Pak Fa.
Para fazer frente ao desafio importo pelo novo caça F-22 dos Estados Unidos, assim como os projetos de outros potenciais adversários que seguem a configuração stealth, o primeiro requisito que foi perseguido pela Sukhoi ao projetar o T-50 foi justamente desenvolver um desenho que fosse de baixíssima reflexão de radar. Uma rápida olhada no modelo do avião e fica claro essa característica. O duto de ar do motor segue em uma linha reta, diferente do que vemos nos caças invisíveis americanos e isso foi usado de argumento por muitos críticos do modelo, porém ao se olhar o T-50 de frente, pode-se rapidamente observar que o fan do motor não é completamente visível, de forma que ele está montado em um ponto mais alto que a entrada de ar. Assim, uma pequena parte dele é que se pode ver (e refletir) o radar. Fora isso, os dutos de ar são tratados com
 material RAM (material absorvente de radar). Mesmo assim, analistas e mesmo o próprio fabricante alegam que o T-50 não tem o mesmo nível de discrição que o F-22 tem. Ainda em se tratando da furtividade, o T-50 possui 4 compartimentos de armas internas, sendo dois na linha central sob a fuselagem, entre os dutos de ar do motor, onde são transportados parte de seu armamento e mais um compartimento pequeno sob a raiz de cada asa.
Acima: O T-50 apresenta um desenho delgado como no YF-23 Black Widow II e F-22 Raptor, e os ângulos de suas superfícies de controle são paralelas. essas características som,adas a o uso de materiais radar absorvente RAM, dão ao T-50 a menor seção  cruzada de radar dentre trudo que os russos já colocaram no ar.
Outra capacidade que a Sukhoi trouxe para o T-50 foi a capacidade de voar em velocidade supersônica sem o uso dos pós combustores, no que chamamos de "supercruzeiro". Nesse regime o T-50 consegue chegar a 1800 km/h em alta altitude sem o uso dos pós combustores e em configuração stealth (sem nenhuma carga externa pendurada nas asas ou fuselagem). O avião foi equipado com bocais vetoraveis tridimensional na saída dos motores o que permite muito maior controle em baixas velocidades e altíssima manobrabilidade. Nesse ponto é interessante notar que o excelente caça F-22 Raptor da força aérea dos Estados Unidos tem um sistema de vetoração de empuxo bidimensional que permite ele direcionar o jato do escape do motor para cima e para baixo em 20º o que lhe garante alta capacidade de curva e controle em baixas velocidades. Porém, o T-50 tem vetoração tridimensional em 15º para qualquer direção, o que fornece ainda mais capacidade de manobra. Na pratica o T-50 tem uma capacidade acrobática maior que do F-22. Porém, antes que os amantes dos caças americanos e os apaixonados pela tecnologia russa comecem a se alterar, quero lembrar que essa capacidade a mais é praticamente irrelevante pois no quesito "capacidade de curva", o Raptor é ainda mais rápido e os mísseis de 4º e 5º geração com capacidade de engajamento off boresight simplesmente destroem a aeronave alvo independentemente da manobra que o piloto faça.
Acima: O T-50 tem capacidade de voar em regime s]de supercruzeiro, como no F-22. Sua relação empuxo peso e seu baixo coeficiente aerodinâmico garantiram um excepcional desempenho nesse regime de voo que ainda tem como consequencial uma economia de combustível.
Com o crescente aumento de custos do desenvolvimento de um caça com características tão avançadas, a Rússia começou a consultar outros países para que participassem do projeto, com consequente diluição dos custos de desenvolvimento e produção. O primeiro resultado disso ocorreu em outubro de 2007 quando um acordo entre Rússia e Índia trouxe a sua tradicional aliada para dentro do programa PAK FA. Assim a Índia, além de ajudar a financiar o programa, também receberá a transferência da moderna tecnologia russa na construção de caças. A Índia chama seu programa de Fifth Generation Fighter Aircraft (FGFA), que na verdade é uma versão do T-50 com modificações exigidas pelos indianos. O Brasil, também chegou a ser sondado para ter uma versão do T-50 na época do programa FX, em 2013, mas o país recusou a proposta.
Acima: O Sukhoi T-50 é uma aeronave que consegue fazer frente ao F-22 raptor, uma aeronave que até a pouco tempo não tinha páreo nos céus.
Os motores serão fabricados pela NPO Saturn, e serão do modelo AL-41F com rendimento de cerca de 17500 kg de empuxo com pós-combustão, porém, com os atrasos no desenvolvimento deste motor, os primeiros exemplares do T-50 estão voando com o motor AL-41F1 (117S), versão do motor usado, atualmente, no Su-35S e que desenvolve um empuxo de cerca de 14500 kg, usando a pós-combustão. A velocidade de cruzeiro que se espera que o T-50 deva atingir será de 1800 km/h, enquanto que a máxima, deve ser de 2500 km/h. A relação empuxo peso do T-50 é de 1,21 o colocando como um dos mais potentes aviões de combate da história. Essa característica vai refletir em sua capacidade de aceleração para se recuperar de manobras agressivas em combate aéreo.
Os motores, assim como nos caças da família Flanker, são posicionados bem afastados um do outro, deixando uma "panqueca" que garante uma sustentação aerodinâmica superior aos modelos sem essa característica. As superfícies verticais (cauda do avião), são pequenas e totalmente moveis, como no Lockheed SR-71 Blackbird, e as asas são em formato trapezoidal como no F-22, tendo o bordo de fuga delas em ângulo negativo. Os tailerons são pequenos, porém com um formato que lembra o desenho do usado no F-35. Uma característica que chama a atenção no T-50 são suas superfícies moveis que são montadas a frente das entradas de ar do motor fazendo a função de um canard móvel que vemos em outros tipos de caças como o Rafale, Gripen ou Typhoon. Essas superfícies aerodinâmicas ajudam na criação de vórtices para melhorar as respostas do T-50 em manobras  de altos ângulos de ataque. Embora os dados de desempenho de curva sejam classificados, tenho uma estimativa baseada nos vários vídeos que assisti de demonstrações de voo do T-50. Considero que o T-50 tenha uma taxa de giro instantânea de cerca de 29º/seg. O tonneaux, ou roll de aileron, do T-50 apresenta uma agilidade menor, algo um tanto "preguiçoso", provavelmente devido a sua elevada sustentação e superfícies de manobra mais compactos. De qualquer forma, essas observações são de cunho pessoal, e baseadas em vídeos que assisti, não devendo ser entendida pelo caro leitor como um dado oficial.
Acima: A capacidade de manobra do T-50 é bastante elevada. Porém, seu maior trunfo são seus sensores e sua furtividade.
Diferente dos caças anteriores da Sukhoi, o T-50 apresenta um “nariz” pequeno, devido ao uso de um sistema de radar com varredura eletrônica ativa AESA, conhecido como Byelka N036. O leitor mais atento vai perceber que não mencionei um radar, mas sim, "um sistema de radar". Disse isso porque o sistema Byelka N036 é constituído de várias antenas, ao invés de apenas uma antena montada no cone frontal da aeronave como em, absolutamente todos, os aviões de combate do mundo. No caso do T-50, foi instalado uma antena de radar na frente chamada de N036-01-01 que possui uma pequena inclinação de 15º para cima e que opera na bada X com comprimento de onda de 3 cm. Até ai, tudo bem. A novidade no T-50 que pode ser considerada pioneira nesse conceito é que a Sukhoi projetou o T-50 para usar antenas laterais. Sim, é isso mesmo! Existem mais 4 antenas de radar na aeronave disposta em pontos laterais que lhe garante uma cobertura de radar sem precedentes em um avião de combate aéreo. Assim sendo, de cada lado do cockpit existe uma antena de varredura eletrônica ativa N036B-1-01 que também opera em banda X. As outras duas antenas são chamadas de N036L-1-01L e são instaladas no bordo de ataque das asas. Esse sistema de radar permite o escaneamento de um grande angulo em azimute chegando a 180º segundo uma das fontes pesquisadas. Para se ter uma ideia, um ótimo radar consegue um escaneio de cerca de 120º, como é o caso do radar AN/APG-77 usado no caça F-22A Raptor dos Estados Unidos. Outro ponto importante e´que o radar pode ser usado para interferir nos radares inimigos através do sistema de ECM (contra medidas eletrônicas) L-402 que usa as antenas do próprio radar N036 para emitir os sinais de interferência, sendo um dos elementos de guerra eletrônica do T-50. O sistema Byelka N036 pode rastrear até 60 alvos no ar e em terra, e atacar até 16 simultaneamente. Para outra comparação, o Su-35S Flanker E, aeronave já descrita nesse site, tem um excelente radar N035E que tem capacidade de atacar 8 alvos simultaneamente e isso já é mais do que a maioria dos caças ocidentais! O alcance ainda é um dado classificado, porém estimativa fornecida por alguns sites pesquisados dão conta de 400 km contra alvos aéreos voando alto. Agora você leitor pode entender o quanto a frente o sistema de radar do T-50 está em relação a absolutamente tudo que se tem desse tipo no mundo hoje.
Acima: A antena frontal N036-01-01 do sistema de radar Byelka fornece a capacidade de engajar 16 alvos simultaneamente e alcance de detecção de 400 km.
Seguindo o padrão que encontramos nos caças de 4º geração russos como o MIG-29 e Su-27 Flanker e suas respectivas versões, o Sukhoi T-50 Pak Fa recebeu um sistema  IRST (Infra-Red Search and Track) modelo Atoll composto vários sensores eletro ópticos, entre eles o sensor UOMZ/ Yekateringburg 101KS-V, também chamado de OLS-50, montado a frente do cokpit que é usado para detectar alvos pela sua emissão de calor que ocorre do funcionamento de seus motores o]e pela fricção da fuselagem com o ar em altas velocidades aquecendo toda a fuselagem aeronave. A vantagem desse sistema é que ele não emite nenhum sinal como o radar que poderia alertar o alvo que ele está sendo rastreado. O alcance do sistema 101KS-V é classificado ainda, mas seguindo os dados conhecidos dos seus antecessores pode-se estimar um alcance entre 50 e 90 km contra um alvo vindo de frente ou se afastando respectivamente (o bocal de saída de gases do motor são mais quentes o que aumenta a chance de detecção a distancias maiores). O sistema 101KS-O, instalado na parte de traz do cockpit emite um feixe laser contra um míssil guiado a calor para cegar seu sensor possibilitando que o T-50 escape do míssil. E por ultimo, o sub-sistema 101KS-U alerta o piloto quando um míssil for lançado contra o T-50. Uma versão transportada em um casulo chamada de 101KS-N para designação de alvos em terra está em desenvolvimento para ser empregado para designar alvos em ataques ar superfície.
Acima: Os russos tem conseguido um resultado muito bom em capacidade de detecção passiva através de seus sistemas IRST. O T-50 foi equipado com a ultima palavra em IRST na forma do sistema Atoll que tem em sua composição, o sensor OLS-50 (101KS-V).
O piloto do Sukhoi T-50 vai trabalhar dentro do cockpit mais avançado já desenvolvido para um caça russo. O painel contará com duas grandes telas touchscreen multifuncionais que garantirá a concentração de todos os dados de navegação e de missão a  frente do piloto para que o piloto tenha uma rápida reação frente a  situação tática e possa tomar suas decisões de forma ágil. Além disso o piloto do T-50 contará com um novo modelo de capacete HMD (com a tela de display montada no capacete) baseado no modelo NSTsl-V que dará ao piloto mais informações do que as disponíveis nos atuais HMD russos em uso nos caças da família Flanker e Fulcrum. O assento usado no T-50 é o K-36D-5, versão mais avançada daquele é que considerado o melhor assento ejetável do mundo cuja eficácia foi demonstrada em mais de duas oportunidades durante demonstrações de caças Su-27 e MIG-29 em feiras aéreas internacionais.
Acima: O painel do T-50 contará com comando via touchscreen e informações centralizadas em dois grandes displays que facilitarão a execução da missão.
O armamento do T-50 deverá ser transportado tanto em compartimentos internos, como externamente, assim como no caça F-22 Raptor. Na arena ar ar, o arsenal será composto por mísseis R-77 que possui um alcance na faixa dos 100 km, e é guiado por radar ativo, sendo assim um míssil do tipo dispare e esqueça. Existe em desenvolvimento uma versão aprimorada deste míssil, chamada de R-77M, que ampliará o alcance em 70% chegando à cerca de 175 km através da substituição de seu motor de combustível sólido por um do tipo Ramjet. O R-77 e o R-77M são transportados em dois compartimentos internos dispostos em tandem na parte de baixo da fuselagem, entre os dutos de ar dos motores. Não existe dados exatos sobre a quantidade desses mísseis nesses compartimentos, mas se estima que seriam 3 mísseis R-77 ou 2 mísses R-77M (míssil de maiores dimensões) em cada compartimento. Existe uma protuberância abaixo da raiz de cada asa que se supõe seja um compartimento para um míssil de curto alcance. O míssil de curto alcance usado no T-50 é o moderno R-74M2, versão avançada do modelo R-73 Archer. Este míssil possui um sensor de busca infravermelha com capacidade de engajar alvos com 75º de angulo de visada para qualquer lado. Ou seja, pode atacar alvos voando ao lado do T-50. O míssil conta com vetoração de empuxo o que lhe permite fazer curvas fechadíssimas em alta velocidade e engajar alvos voando por trás (posição 6h).
Acima: O míssil anti-radiação Kh-58UShKE tem suas asas dobraveis para poder ser instalado dentro de um compartimento de armas como no T-50. Esta arma dá a capacidade de destruição de radares inimigos a uma distancia stand off (longe das defesas inimigas).
O T-50 foi projetado desde  o começo para ser multifuncional, diferentemente do caça norte americano F-22 Raptor que tem uma limitada capacidade de ataque a alvos terrestres. Assim, o T-50 foi integrado para usar mísseis da família Kh-38 que foi criado para ser transportado em compartimentos internos como no T-50. O objetivo do míssil KH-38 é destruir alvos reforçados ou blindados. Para isso ele conta com uma potente ogiva com 250 kg de alto explosivo. O sistema de guiagem é o que diferencia cada versão do Kh-38 que pode ser por GPS, radar ativo, laser ou infravermelho. O alcance chega a 40 km. Outro míssil que será operado pelo T-50 assim que ele estiver operacional é o Kh-58UShKE, uma versão do potente míssil anti radar Kh-58, porém, também adaptado para transporte em compartimentos internos de armas. Este míssil usa um sensor que busca de emissão dos radares inimigos e se guia para eles para conseguir destruir suas antenas de forma a inutilizar os sistemas de defesa antiaérea inimigas. Seu alcance é estimado em 245 km transportando uma ogiva de 149 kg de alto explosivo. Com uma ogiva desse porte, essa arma é claramente capaz de destruir a antena mesmo que não atinja ela diretamente, caso erre por poucos metros.

Acima: O capacete do tipo HMD do modelo  NSTsl-V  pode apontar armas com o simples movimento da cabeça. O míssil de curto alcance R-74M2 tem seu sensor integrado ao capacete do piloto assim se pode travar o alvo no míssil apenas olhando para ele.
Externamente pode ser transportados mísseis anti radar Kh-31PD com alcance de 110 km e que usam a mesma forma de guiagem do míssil Kh-58UShKE descrito mais acima. Outra arma usada no T-50 é o míssil anti navio Kh-35UE que é caracterizado por um perfil de ataque sea skimming (voa a baixa altitude rente ao mar) em velocidade subsônica alta para conseguir dificultar ser detectado por radares da defesa anti aérea inimiga. Este míssil tem alcance de 130 km e transporta uma ogiva de 145 kg. Também será transportada as bombas guiadas por satélites do sistema GLONASS KAB-500S, que representa o sistema de posicionamento global russo, equivalente ao GPS norte americano. A moderna bomba KASB-250LG-E guiada por laser semi ativo também faz parte do arsenal do T-50.
O T-50 possui um canhão automático 9-A1-4071K, que deriva do famoso GSh-301 de 30 mm montado no lado direito da aeronave. Este canhão refrigerado a liquido dispara a a uma cadência de 1800 tiros por minuto e é eficaz contra alvos aéreos até  800 metros e alvos terrestres a 1800 metros.
Acima: O T-50 possui 6 pontos fixos de armas externas que podem ser usados quando não haver necessidade de operar de forma furtiva. Nesta foto, o T-50 está armado com dois mísseis anti radiação Kh-31 nos cabides mais centrais e dois mísseis ar ar de médio alcance R-77. nos cabides mais externos.
A Sukhoi é uma competente fabricante de aeronaves de combate e com apoio do governo russo, projetou e está desenvolvendo um legítimo caça de 5º geração com capacidade de supercruise superior a do F-22, altíssima manobrabilidade, uma suíte de sensores impar com elevada capacidade de engajamento multiplo. Com uma seção cruzada de radar RCS estimada em 0,1m², o T-50 não é tão furtivo quanto o F-22, porém seu RCS corresponde a 1/30 do Su-27 Flanker. Certamente o novo caça russo foi ser um páreo duro para a força aérea dos estados Unidos e isso é bastante relevante num momento em que a relação entre as duas potência tem se deteriorado graças a maior defesa dos interesses russos na política internacional. O conflito na Síria que colocou interesses russos e norte americano em rota de colisão, demonstra de forma bem clara isso.
Outra diferença entre o T-50 e seu concorrente F-22 é que o russo esta´disponível para exportação e seu custo será bem menor do que foi pago pelos F-22. Assim provavelmente países sob influencia da Rússia deverão incorporar este poderoso caça bombardeiro em seus arsenais durante os próximos 15 anos levando a muitas forças aéreas menores ingressarem na era da "5º geração".
Acima: Nesta foto pode-se ver bem os bocais de saida do motor apontados para baixo. esses bocais tem movimentação tridimensional com angulo de incidência de 15º o que garante altíssima manobrabilidade ao T-50.

Acima: O T-50 deve entrar em serviço na força aérea russa entre 2018 e 2020. No primeiro lote, foram encomendadas 12 unidades. Depois serão encomendados novos lotes. É esperado que sejam construídos aproximadamente 140 unidades do modelo para a força aérea russa.


ABAIXO TEMOS UM VÍDEO COM UMA APRESENTAÇÃO D SUKHOI T-50 PAK FA.


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

19 comentários:

  1. Ótimo post, muito bom saber sobre os caças russos

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Lipe. Aqui trataremos de caças de todas as procedências. Depois dê uma olhada no índice de matérias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria interessante um comparativo entre este bicho e o bicho das americas.
      meia pagina vertical, lado a lado para cada um.
      facil comparação directa dos valores de cada um :-)

      Excluir
  3. Excelente matéria Carlos.

    Carlos, dizem por ai que F-22 é superior ao T-50, que está em desenvolvimento ainda e F-22 nunca entrou em combate real com inimigos competentes e não bêbados de rebeldes. Essa superioridade toda que se atribuem ao F-22 não acha que é exagerado? |Confiando somente na informação passada pelos militares dos EUA?

    ResponderExcluir
  4. Belo trabalho, Carlos.
    Está de parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Certamente um lindo avião assim como todos os Sukhois - incluindo aí o Su-15

    ResponderExcluir
  6. Obrigado Iliya Ehrenburg. Um elogio vindo de alguém com seu nível de conhecimento é uma honra! Agradeço a todos pela boa receptividade a esse trabalho. Esse texto, em especial, me deu muito trabalho para levantar os dados.

    ResponderExcluir
  7. Olá Henderson. O F-22 é um excelente avião de combate. Hoje, certamente é o melhor caça em operação. Essa classificação vem da soma de boas características que ele traz como alta velocidade de cruzeiro (super cruzeiro), Muito boa manobrabilidade e agilidade excepcional e, claro, alta furtividade. os dados sobre RCS são, obviamente, classificados. Porém, várias analises mostram que o F-22 é, de fato, mais difícil de se detectar que o F-35 e que o T-50. Outros fatores importam para que se chegue a uma vitória no combate aéreo. O suporte que o combatente tem de outras fontes de informações como uma aeronave AEW (alerta aéreo antecipado) passando dados de posicionamento do inimigo. Dados vindos de outros caças pelo sistema de intercambio de dados (Data Link). Tudo isso conta. os americanos tem uma infraestrutura de rede completa para dar apoio a sua aviação de combate. Os russo ainda não estão em pé de igualdade nesse quesito, mas caminham a passos largos para se equivalerem.
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. excelente avião ,mas nas fotos dos protótipos sempre percebo ele "esguio" demais pra carregar armamentos internos,pra falar a verdade ainda não consegui visualizar claramente os compartimentos internos,eles já estão lá ou só serão incluídos no decorrer do desenvolvimento do programa?

    ResponderExcluir
  9. Olá Johnwolke. O compartimento está lá e tem dimensões limitadas mesmo. para defesa área e supressão de defesa aérea ele funcionará bem com o compartimento interno.
    Abraços

    ResponderExcluir
  10. salve, santis eu acompanho seus blogs desde campo de batalha,esta é a primeira vez que eu lembre que estou à perguntar algo para entender um pouco mais de avioes de combate. eu sempre dou mais atençao as fichas tecnicas estou certo? e nessas fichas me parece que tirando a furtividade tanto su 35 quanto o t50 nao ficam a devar em nada ao f22. agradeço a atençao.

    ResponderExcluir
  11. Olá Paulo. Tudo bem? Agradeço a visita ao trabalho que eu os colaboradores do WARFARE / Campo de batalha fazemos. Realmente temos os seguintes fatos. Aerodinamicamente, o Flanker é superior ao F-22 por pequena margem. Essa superioridade se dá especificamente na capacidade de manobras. A diferença é pequena o suficiente para que, não seja suficiente para garantir a vitória do Flanker em um combate, de forma que, o resultado do embate entre as duas aeronaves dependerá de "talento" do piloto, suporte de outras aeronaves como um avião de alerta aéreo e controle (AWACS/ AEW), armamento e oportunidade. O T-50 é tão acrobático quanto o Su-35S, versão mais avançada do Flanker, porém, tem furtividade. Ele é considerado um avião invisivel, embora sua furtividade seja menor que a do F-22.Eu acredito que o T-50 será, quando entrar em serviço, superior ao F-22 de uma forma geral. Se você tiver interesse, e tempo para ler os textos dos artigos , você entenderá o porque disso. O T-50 tem sensores nunca antes usados em caças.... e isso fará a diferença, principalmente porque ele, é furtivo... A combinação desses sensores, sua manobrabilidade, furtividade, fornece um avião com um equilíbrio de capacidades que o coloca em ligeira vantagem frente ao F-22. A capacidade de manobrabilidade não é a mesma coisa que "agilidade". Nisso, o F-22 vence. Quando falo de agilidade, eu falo sobre a velocidade com que uma manobra é executada... um rolamento, por exemplo. Nisso o Su-35 e o F-22 são superiores ao T-50.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Você acha que foi um erro do Brasil, não ter participado do processo de desenvolvimento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Daniel.
      Sim, acho. Porém, existe um importante detalhe. A escolha de uma aeronave de combate russa, ou chinesa implicaria em uma radical mudança de doutrina que além de onerosa, também seria demorada. Além disso, acredito que os oficiais da FAB tenham insegurança com a qualidade dos equipamentos russos.
      Abraços

      Excluir
  13. Parabéns Carlos , seu texto focou em pontos importantes, pontos que a maioria tinha dúvidas, além de que foi bem imparcial e detalhou algumas místicas como a real vantagem da manobrabilidade do mesmo. Porém sou cético quando a capacidade de supercruize do T-50 , principalmente usando um motor aperfeiçoado do Su-35S, e mesmo com o motor definitivo dificilmente alncace um supercruzeiro nível YF-23 e seu motor com ciclo variável.

    ResponderExcluir
  14. Obrigado Ricardo. Procuro ser imparcial, me limitando a informar as características do equipamento, e comparando com algum similar quando conveniente para o melhor entendimento do leitor.
    Abraços

    ResponderExcluir
  15. Boa noite,Carlos.já passamos do meio de 2017 e parece que o Pak Fa T-50 ainda não está operacional na força aérea russa.Teria alguma informação sobre as razões?

    ResponderExcluir
  16. Olá Emmerson.
    O t-50 não vai entrar em serviço este ano. Na época em que escrevi este artigo havia uma previsão do ministério da defesa russo que o modelo entraria em serviço em 2017. Os motivos foram os atrasos no desenvolvimento do radar e dos motores. Vou atualizar a parte do texto que faz referência ao ano de 2017. A previsão da entrada em serviço do T-50 está para 2018 ou 2019, atualmente.
    Abraços

    ResponderExcluir