segunda-feira, 4 de novembro de 2019

O FAMAS no mercado de exportação


Por Jean Huon, extrato do livro “Le FAMAS et son histoire”, 2010.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de outubro de 2019.

ESPERANÇAS DESAPONTADAS.
Desde 1984, o FAMAS é oferecido para exportação e vários países adquiriram essa arma, mas em quantidades limitadas:

  • Argentina (Comandos Anfíbios),
  • Brasil (FAMAS F1 Comando, usado pelas Forças Especiais do Exército),
  • Camboja (guarda pessoal do príncipe Sihanouk),
  • Chipre (FAMAS F1 Comando, usado pelas forças especiais da polícia),
  • Djibuti (400 unidades),
  • Emirados Árabes Unidos,
  • Gabão (800 unidades),
  • Indonésia (forças especiais da polícia),
  • Líbano,
  • Filipinas (forças especiais da polícia),
  • Senegal.
GIGN da Gendarmerie do Djibouti em treinamento com o 13th MEU.
Um comando anfíbio argentino com o FAMAS G2 Comando.
Os filhos do coronel Khadafi se gabavam de ter um FAMAS que lhes foi oferecido por ... (não podemos dizer)!
Terrorista do Estado Islâmico com um FAMAS F1. Acredita-se que veio do Líbano.
Força de Ação Especial da polícia filipina.
Operador do KOPASSUS com um FAMAS G2.
Em Angola, o guarda do presidente da UNITA, Jonas Savimbi, estava equipado com o FAMAS, apesar da França nunca vender neste país!
A China comprou algumas cópias do FAMAS (talvez para copiá-lo?).
Militares chinesas com fuzis FAMAS F1.
Apesar das campanhas de apresentação particularmente brilhantes no exterior, o FAMAS não conseguiu penetrar no mercado de exportação, provavelmente devido ao seu alto custo (você pode pagar entre sete e dez fuzis Kalashnikov pelo preço de um FAMAS).

ALGUMAS HISTÓRIAS RELATADAS DURANTE A APRESENTAÇÃO DO FAMAS EM VÁRIOS PAÍSES.
General brasileiro testando o sistema FÉLIN.
No Brasil, as demonstrações de tiro com o Exército foram realizadas em um estádio de futebol em um distrito periférico. No estádio, portanto, são instalados alvos no gramado, mas sem nenhuma proteção de tiro! Ao fundo, atrás dos alvos, a algumas centenas de metros, a favela local com seus barracos de telhados de telhas metálicas enferrujadas.
Os soldados começam a atirar na frente dos olhos surpresos do demonstrador da MAS. A certa altura, os militares começam a disparar várias vezes em rajada. Vimos as telhas voando e as pessoas correndo em todas as direções.
Diplomaticamente, ele pergunta a um dos oficiais presentes: "As casas ali atrás não te incomodam?" Resposta: "Eles não têm permissão para construir ali, eles não estão lá!"
Na Venezuela, os militares instalaram um tambor de 200 litros cheio de água perto do ponto de tiro. O oficial venezuelano pega um FAMAS e dispara o padrão da OTAN (150 tiros em 3 minutos) e, com um gesto amplo, mergulha o FAMAS fumegante no tonel com o chiado que imaginamos. Então ele retira o FAMAS, olha o cano e dispara uma segunda vez, de acordo com o padrão da OTAN. Nenhum problema foi observado.
Mas melhorou. Outro soldado "sangra" um cartucho para reduzir a carga de pólvora, o introduz na câmara e dispara. Como esperado, a bala fica parada no cano.
Em seguida, ele pega um carregador cheio, coloca em rajada contínua e dispara o carregador completo. O cano nem estava com tiras vermelhas!
Operadores da 99ª Brigada de Operações Especiais, Comando de Operaciones Especiales General en Jefe Félix Antonio Velásquez, Exército da Venezuela.
Também na Venezuela, que havia comprado alguns exemplares do FAMAS, um dos chefes do departamento de testes se perguntou sobre a vida útil das armas. As unidades em seu poder dispararam 17.000 cartuchos sem nenhum sinal de desgaste.
Em um pequeno Estado da África austral, o FAMAS é apresentado às autoridades que solicitam tiros em alvos móveis. O alvo em questão consistia em uma placa de metal que um soldado robusto segurava no final de uma vara enquanto corria dentro de uma trincheira. Os demonstradores da MAS conseguiram colocar 23 dos 25 impactos no alvo, disparando em rajadas de três tiros.
Legionário do 2e REI na Arábia Saudita durante a Operação Escudo no Deserto, 1990.
Durante a Guerra do Golfo em 1990, uma competição-avaliação entre materiais diversos foi organizada nos Emirados Árabes Unidos. O FAMAS ficou em segundo lugar e, quando a tempestade de areia começou a soprar, ele se classificou em primeiro lugar, sendo o único a resistir à areia devido à ausência de trancamento da culatra.
- Jean Huon, Le Famas et son histoire, pg. 104-105. Crépin-Leblond Éditions, 2010.

Um comentário:

  1. fuzil feio do cacete da frança só gosto do érick jaquin

    ResponderExcluir