domingo, 22 de abril de 2018

EXPOSIÇÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO EM SÃO PAULO


No dia 19 de abril é comemorado o dia do Exército Brasileiro e este ano, o Exército comemorou a data com exposições de seus meios de combate em muitas cidades. Em São Paulo, o Parque do Ibirapuera, logo ao lado do Comando Militar do Sudeste, deu lugar para a exposição do Exército na cidade e o WARFARE blog, novamente, se fez presente para cobrir o evento.



Acima: A esquerda podemos ver um lançador de morteiro ligeiro de 60 mm e a direita um canhão sem recuo Carl Gustav M-2CG usado para destruir carros blindados inimigos. Trata-se de uma arma de origem sueca (Bofors) e usada por muitos países ocidentais. O armamento permite ser recarregado, não sendo, assim, descartável.


Acima: O metralhadora belga FN MAG em calibre 7,62X51 mm, amplamente usada pelas forças armadas brasileiras e que já foi foco de artigo no blog FMJ, vinculado ao WARFARE. para conhecer mais sobre esta arma clique aqui.



Acima: O obuseiro rebocado OTO Melara Mod 56, em calibre 105 mm, é usado pelo Exército em sua brigada aeromóvel se destaca pela sua facilidade de transporte. Além de poder ser rebocado, ele pode ser transportado para a zona de combate por um helicóptero médio sem problemas. Seu alcance, no entanto, é de 10 km, o que pode ser considerado relativamente pouco para essa categoria de armamento.


Acima: O morteiro pesado M2 em calibre 120 mm foi desenvolvido e fabricado pelo Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro. Seu alcance é de 6,5 km, podendo ampliar para 13 km com granadas com propulsão.


Acima: O velho guerreiro! O Obus M-114, projetado na decada de 40 pelos Estados Unidos, é operado pelo Brasil até os dias de hoje. O armamento usa munição em calibre de 155 mm e possui um alcance máximo de 14, 6 km



Acima: Um soldado mostra a crianças na exposição (havia muitas famílias no evento) um lançador de míssil antiaéreo 9K38 Igla, de fabricação russa. O míssil Igla permite atingir alvos aéreos a distancias de 6 km à uma altitude de até 3,5 km.


Acima: O radar de defesa antiaérea Saber 60, desenvolvido pela CETx (Centro de Tecnologia do Exército) permite ser instalado no campo de batalha com facilidade, provendo busca e vigilância tridimensional contra alvos aéreos num alcance de até 60 km voando até 5000 metros de altitude.


Acima: O Exército Brasileiro mantém sua memória viva através de veículos que tiveram destaque operacional como o Ford M-8 Greyhound usado para reconhecimento. Seu armamento principal é um canhão M-6 em calibre 37 mm, do qual tinha 80 munições disponível dentro do veículo.



Acima: Mais um representante da história do Exército Brasileiro. O veículo de transporte de tropas meia lagarta M-3A1 fabricado pela Autocar CO, transportava 12 soldados mais seu motorista.



Acima: O Exército Brasileiro através da 11º Companhia de Engenharia de Combate Leve (Cia E Cmb L) usa o robô Teodor para operações de desarme de explosivos e combate (o modelo possui uma espingarda calibre 12 acoplado em sua parte superior. Outro robô para operações com explosivos é o Telemax, mostrado abaixo, altamente capaz de se mover por qualquer tipo de terreno e ultrapassar obstáculos difíceis. Ambos os robôs são fabricados pela empresa alemã Telerob.



Acima: O caminhão Volkswagen Constelation 31.320 com tração 6X6 desenvolvido pela MAN para o Exército Brasileiro. É usado para transporte de tropas e reboque de obuses  e outros equipamentos pesados.


Acima: Quadriciclo usado pelo 4º batalhão de Infantaria leve.



Acima: O veículo leve Agrale Marruá é equipado com um motor MWM 4.07 TCE que entrega 140 HP de força. Como pode-se observar é uma viatura de apoio e não fornece proteção para sua tripulação.



Acima: O antigo veículo de transporte de tropas EE-11 Urutu estava exposto e aberto para o publico conhecer se interior. Algumas viaturas desse modelo foram fornecidas para a Polícia Militar do Rio de Janeiro devido a guerra civil não declarada que ocorre na capital daquele Estado.





Acima: O novo veiculo de transporte de infantaria do Exército Brasileiro estava exposto pela primeira vez no parque do Ibirapuera. (sim, houve outras exposições do nosso Exército lá há alguns anos atrás). A moderna viatura permite transportar 8 soldados equipados e mais 3 tripulantes.


Acima: Outro "veterano" exposto na exposição do dia do Exército Brasileiro em 2018 foi o veiculo de reconhecimento de combate EE-9 Cascavel, armado com um canhão EC-90 de 90 mm, hoje é uma arma ultrapassada aguardando um sucessor a altura.



Acima: Para prestar apoio ao sistema de lançamento de foguetes Astros 2020, o AV-VCC, Viatura de Comando e Controle fabricado pela Avibras Aerospacial centraliza as informações coletadas de posicionamento do alvo e das estações meteorológicas para ajudar na solução de tiro do sistema.



Acima: O sistema lançador múltiplo de foguetes Astros 2020 pode ser armado com foguetes não guiados de diversos modelos cujos alcances vão desde 4 até 150 km. Mais recentemente o sistema passou a ser integrado a um novo míssil de cruzeiro chamado AV-T-300 matador, cujo alcance será de 300 km.


Acima: A P.E (Polícia do Exército) usa como viatura padrão o Toyota Hilux. Estaa tropa fazia a segurança do evento.

Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Assine nossa newsletter na barra direita do site e nos sigam nas redes sociais também! InstagranFacebookMeWe e TwiterCompartilhe nas suas redes sociais e ajude o WARFARE  crescer. 

6 comentários:

  1. Muito bom.
    Pena que os equipamentos e viaturas das nossas FFAA estao obsoletos.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Samuca! Realmente tem muita coisa obsoleta, mas já há indicios de melhoras. O Guarani é uma viatura moderna (eu entrei nela), o novo fuzil, o canhão m-114 deve dar lugar aos M198 americanos. O próprio Astros 2020 é um sistema bastante aperfeiçoado. Acho que algumas coisas devem melhorar em breve para nosso Exército Brasileiro.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. tinha que fazer por todo o brasil. aqui no Rj nada de contato com o povo

    ResponderExcluir
  4. Em Curitiba teve exposição também.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela matéria. Saudades da caserna. Brasil acima de tudo.

    ResponderExcluir