terça-feira, 10 de dezembro de 2019

TEJAS MK-1. O pequeno caça leve indiano.

Caça Tejas MK-1
FICHA TÉCNICA
Velocidade máxima: Mach 1.8 (1920 km/h).
Velocidade de cruzeiro: Mach 0.9 (1100 km/h).
Razão de subida: *13000 m/min.
Potência: 0,94.
Carga de asa: 52,31 lb/ft².
Fator de carga: +8, -3,5 Gs.
Taxa de giro instantânea: 17º/s.
Razão de rolamento: 220º/s.
Teto de serviço: 15000 m.
Alcance: 850 km..Alcance do radar: Elta EL/M-2032 multi-modo: 64 Km (RCS 5m²).
Empuxo: Um motor General Electric F404-IN20 com 9000 kgf de empuxo com pós combustão.
DIMENSÕES
Comprimento: 13,2 m.
Envergadura: 8,2 m.
Altura: 4,4 m.
Peso: 6560 kg (vazio).
Combustível Interno: 5419 lb.
ARMAMENTO
Capacidade total: 3500 kg de carga externa divididos por 8 pontos fixos entre asas e fuselagem.
Ar Ar: Míssil de curto alcance R-73; Míssil de médio alcance Derby; Míssil de médio alcance Astra.
Ar Terra: Bombas guiadas a laser BGL-1000; Bombas de queda livre de 250 kg. Casulo de foguetes não guiados de 68 mm FFAR.
Interno: Canhão de duplo cano GSh 23 mm com 220 munições.

DESCRIÇÃO
Por Carlos Junior
A Índia, é um país que muito tem se preocupado com assuntos de defesa por causa de sua rivalidade com o Paquistão gerada por causa da região da Caxemira. Porá causa disso, a Índia, possui uma industria de defesa, voltada, principalmente para fornecer equipamentos para suas forças armadas.
O primeiro caça da Índia foi o HAL (Hindustan Aeronautics) HF-24 Marut. Porém esse avião, embora manobrável, era pouco potente, e acabou forçando a Índia a ter que comprar muitos caças estrangeiros para guarnecer suas fileiras de defesa aérea. Por isso, os russos, tem na Índia um dos seus maiores clientes. A França é outro país que já lucrou bastante com a Índia, vendendo seus Mirage 2000.
Em 1983, a Força Aérea da Índia lançou o programa para uma aeronave de combate leve LCA (Light Combat Aircraft) com o objetivo de substituir os seus caças MIG-21 e ainda, desenvolver sua industria aeroespacial.
O LCA foi projetado pela HAL como uma aeronave instável, dependendo de um sistema de controle de voo computadorizado FBW (Fly By Wire) para conseguir manter a estabilidade artificialmente. Essa característica, presente em, praticamente quase todos os caças de 4º geração, otimiza a habilidade da aeronave para agilidade em manobras de combate aéreo. Outros pontos importantes do desenvolvimento do LCA foi os seus aviônicos e motores que deveriam ser projetados na própria Índia a fim de garantir o máximo de nacionalização de todo o espectro industrial aeronáutico do país.
Para um país que está dando seus primeiros passos dentro da fabricação de aeronaves de combate de alto desempenho, podemos presumir que o desafio desta grandeza gerou inúmeros percalços e atrasos. Assim, decorridos 20 anos, quando em 2003, o LCA foi batizado de Tejas.
O protótipo do Tejas armado com um míssil R-60 russo, hoje, já substituído pelo muito mais capaz míssil R-73.
O Tejas é o menor caça leve multifuncional do mundo, sendo quase dois metros mais curto que o já compacto F-16. Ele foi projetado para alta agilidade e velocidade máxima de mach 1.8 (1920 km/h), que é atingida com o uso de um motor General Electric F-404-IN20 com 9000 Kg de empuxo máximo (com uso de pós combustor). É interessante observar que este motor é uma versão do motor usado nos caças F/A-18 A/C Hornet que foram usados pela Marinha dos Estados Unidos até sua substituição pelo Super Hornet. O protótipo do Tejas voou pela primeira vez em janeiro de 2001. O uso do motor americano foi necessário na medida em que o motor definitivo planejado, um Kaveri GTX- 35VS com 10000 kg de empuxo com pós combustão, de produção local, ter seu desenvolvimento fracassado com problemas não solucionados apresentados em testes.
Quando o Tejas deixa o chão, pode se notar que é um avião ágil no rolamento e que apresenta uma capacidade de curva comparável ao do Mirage 2000. Isso é, de fato, suficiente para justificar sua missão que é substituir os velhos MIGs 21 da época soviética. Porém, por outro lado, se levarmos em conta o tipo de ameaça mais provável que esse pequeno jato terá que enfrentar, que podem ser elencados os caças Su-30 MKK , J-10 e J-20 pelo lado chinês e JF-17 e F-16C do lado paquistanês, fica evidente que o Tejas estará em desvantagem na maior parte das vezes. Para equilibrar o jogo, a qualidade dos mísseis e do treinamento da tripulação fará a diferença.
Outro aspecto que o Tejas não vai muito bem é a sua autonomia. Seu alcance é de 850 km. Isso é o alcance que ele apresenta de translado, sem os tanques externos. O raio de combate Hi Hi Hi, que se configura com a aeronave voando alto até a zona de combate e que, por um lado otimiza o alcance, do outro, expõe a aeronave aos sistemas de defesa aérea inimigos, é de apenas 500 km. Se ele fizer um perfil de voo Hi Lo Hi, esse numero cai para 350 km.
O Tejas é uma aeronave bastante compacta e ágil. Isso é muito bom para combate aéreo de curto alcance, porém, a capacidade de transporte de combustível interno é comprometida e a aeronave acaba ficando obrigada a transportar os grandes e pesados tanques externos sob as asas. Isso reduz o desempenho de voo, reduz a capacidade de armas, uma vez que compromete dois pontos fixos de transporte de cargas sob as asas, e aumenta o RCS do avião para os radares inimigos.
A suite eletrônica do Tejas é composta pelo radar israelense multi-modo Elta EL/M-2032. este radar pulso doppler com antena mecânica tem alcance de 64 km contra alvos do tamanho de um caça  (5m² de RCS). Este radar, quando comparado com os radares de aeronaves de 4º geração, apresenta um desempenho medíocre.
O sistema de designação de alvos baseado no pod LITENING foi integrado para operar com o Tejas, e isso traz um valor agregado enorme quando se considera a capacidade de precisão em ataques a alvos de superfície, principalmente usando bombas laser guiadas.
O Tejas possui um sistema de contra-medidas eletrônicas desenvolvido pela Advanced Systems Integration and Evaluation Organisation (ASIEO) de Bangalore, que inclui um sistema de alerta radar (RWR),  alerta laser e um sistema de alerta para aproximação de míssil MAWs. O avião é, ainda, equipado com lançadores de iscas chaffs e flares para iludir mísseis lançados contra ele.
O painel do cokpit do Tejas possui a configuração típica que se encontra nas primeiras aeronaves de combate de 4º geração,  com a presença de 4 painéis multifunção e o uso do HUD (Head Up Display).
A capacidade de transporte de carga externa é de 3500 kg. Uma capacidade tímida quando comparada a outros caças de 4º geração. Essa capacidade é dividade por 8 pontos fixos externos, sendo 6 sobre as asas, e dois sob a fuselagem, observando que um desses pontos da fuselagem, identificado  de ponto L, que fica sob a entada de ar esquerda da aeronave, serve, exclusivamente para transporte de pods de reconhecimento, navegação e designação de alvos.
O arsenal para combate ar ar disponível é composto por mísseis de fabricação russa como o míssil de curto alcance R-73, guiado por um sensor infravermelho de grande abertura de varredura projetado para superar qualquer ameaça, com ênfase especial a caças ágeis e manobráveis, devido a sua capacidade de manobrar violentamente em combate aproximado, o míssil tem capacidade de ser lançado contra um alvo fora do ângulo de visada, e girar atrás do alvo para persegui-lo se necessário, podendo atacar alvos manobrando a 12 Gs. Para combate de médio alcance, pode ser empregado o míssil israelense Derby, guiado por radar ativo e com alcance de cerca de 50 km, contra um alvo vindo em curso de colisão.
Está previsto a futura integração do míssil de médio alcance de desenvolvimento local, chamado Astra, também guiado por radar ativo mas com um alcance de 90 km.
Para ataque contra alvos de superfície, o tejas pode empregar bombas francesas guiadas a laser BGL-400 e BGL-1000, bombas de fragmentação e casulos de foguetes não guiados de 68 mm FFAR.
O armamento interno é um canhão de duplo cano GSh 23 mm com 220 munições. Este canhão de fabricação russa  possui uma cadência de 3400 tiros por minuto e um alcance efetivo de 1000 metros.
Nesta foto podemos ver o tejas armado com um míssil ar ar R-73 no cabide externo da direita, duas bombas  guiadas a laser BGL 400 nos cabides centrais das asas e dois tanques externos de combustível.
O Tejas MK1 também possui uma versão naval conhecida como Tejas MK-1 Navy, que emprega o mesmo motor, porém com os reforços estruturais e novo trem de pouso para operação embarcada. Outra versão disponível é a de treinamento, biplace, empregada em conversão operacional.
O Tejas tem o mérito de ser um projeto indiano que permitiu a industria aeroespacial deste país a desenvolver know how para construção de um caça supersônico instável, aerodinamicamente, tecnologia, essa, que pode ser empregada em futuros projetos, como a versão Tejas MK-2, hora em desenvolvimento e que, em 2022, deve apresentar o primeiro protótipo. O Tejas MK-2 terá diversas melhorias como a incorporação de um radar AESA, maior capacidade de combustível, e um motor General Electric F-414 que entregará mais potencia. As diferenças entre a versão MK-1 mostrada nesse artigo e o futuro MK-2 são importantes o suficiente para a produção de um artigo dedicado exclusivamente a esta versão. Por isso não detalharei mais o Tejas MK-2 nesse artigo.
O Tejas MK-1 teve uma grande demora em seu desenvolvimento e agora que se tornou operacional e sua tecnologia não acompanhou  a evolução que a industria aeroespacial mundial teve nesses mais de 20 anos que se passaram. Assim podemos observar que militarmente, o Tejas não representa um incremento na capacidade de combate daquela força aérea, já bastante bem equipada com Sukhois Su-30MKI, Mirage 2000 modernizados, e MIG-29 Fulcrum, também modernizados e que, muito em breve estará equipada com os modernos e capazes Dassault Rafale, sendo todos estes caças, superiores em desempenho ao Tejas MK-1
A força Aérea da Índia adquiriu, por enquanto, 40 unidades desta aeronave, sendo que a as entregas devem terminar até o final de 2020. Possivelmente, a Índia vai adquiri mais unidades para completar a quantidade de 93 unidades entre os modelos monoplace e biblace em um momento posterior. Existe ainda, e faz mais sentido para este editor, que ao invés de se comprar um novo lote do MK-1, todas as próximas encomendas recaiam sobre o modelo MK-2, mais capaz.



Vista em corte do Tejas MK-1




4 comentários:

  1. Realmente, o caça Tejas chegou tarde principalmente se levarmos em conta os programas de aeronaves de 5 geração despontando no horizonte em vários países!

    ResponderExcluir
  2. Demorou muito pra sair mas devesse admirar a persistência Indiana ,conseguiram ,assim como conseguem lançar satélites e sondas a lua ,já um outro gigante ....

    ResponderExcluir
  3. Two Stones Is Top Web Design Company In Coimbatore India Crafting Static And CMS Websites In Html, Wordpress Website Design Coimbatore With User Experience To Generate Website Leads In Coimbatore
    Website Design Coimbatore

    Two Stone Is Leading SEO Companies In Coimbatore India, Providing Best Search Engine Optimization Service In Coimbatore. SEM & SEO Service Provider In Coimbatore
    SEO Company In Coimbatore

    Two Stones, A Leading Digital Marketing Company In Coimbatore, Digital Marketing Agency & Expertised In SEO, Branding, SMO, PPC, SMM (Social Media Marketing), SEM (Search Engine Marketing) In Coimbatore India, Best Digital Marketing Companies In Coimbatore
    Digital Marketing Company In Coimbatore

    Two Stones Is A Leading Web Development Company In Coimbatore. Best Web Development In Coimbatore Indai We Develop Web Apps In ASP.NET, Java, PHP, Django, Python, Node.js, Ruby, C#
    Web Development Company In Coimbatore

    Mobile Application Development In Coimbatore
    Mobile Application Development In Coimbatore

    ResponderExcluir