terça-feira, 29 de agosto de 2017

Haiti e a criação do Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil


Por Cap José Renato Gama de Mello Serrano

A participação brasileira na Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH) foi uma experiência sem precedentes na história das Forças Armadas brasileiras. O crescimento profissional e a evolução da doutrina militar são pontos a se ressaltar nesse processo de mais de 13 anos vividos intensamente pelo Exército Brasileiro. Nesse contexto, o Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB) participou diretamente do sucesso obtido por nossas tropas em solo caribenho.

Em abril de 2004, quando foi criada a MINUSTAH, o treinamento dos militares que seriam desdobrados era feito com base na experiência de alguns contingentes nacionais em Angola e Moçambique. No entanto, o Haiti representava um desafio ainda maior, uma vez que a missão era nova e cabia ao Brasil liderar o componente militar, tarefa que jamais havia sido atribuída a um militar brasileiro.

Após os três primeiros contingentes, verificou-se a necessidade de implantação de uma sistemática de treinamento, a fim de aproveitar o conhecimento adquirido no terreno para melhorar a preparação da tropa. Dessa forma, o Exército criou o Centro de Instrução de Operações de Paz (CIOPaz), com sede no 57o Batalhão de Infantaria Motorizado (Escola), no Rio de janeiro, Unidade ímpar e que teve papel fundamental no treinamento dos contingentes.

A partir de 2006, o CIOPaz instituiu série de estágios que capacitavam os oficiais integrantes do Batalhão Brasileiro de Força de Paz (BRABAT) e da Companhia de Engenharia de Força de Paz (BRAENGCOY), tanto na sede do preparo, quanto no próprio aquartelamento do Centro. Após essa etapa, os oficiais repassavam o conteúdo aos subordinados, fazendo com que o conhecimento atingisse todos os militares que participariam da MINUSTAH.

Passado esse primeiro período de uso da força no Haiti (2004 a 2007), o CIOPaz teve que adequar sua sistemática de treinamento, adaptando-se às constantes mudanças que a missão trazia para o emprego das tropas brasileiras. Na busca da realização de exercícios com o máximo de realismo possível, alguns militares do Centro faziam reconhecimentos no Haiti, a fim de acompanharem a mudança do ritmo da missão e os novos desafios encontrados.

Em 3 de dezembro de 2008, por meio da Portaria do Comandante do Exército Brasileiro n.º 949, o CIOPaz recebeu sua designação histórica, passando a denominar-se "Centro Sergio Vieira de Mello", em homenagem a esse ilustre brasileiro, que trabalhou na Organização das Nações Unidas (ONU) por mais de 34 anos. A relevância dos serviços desse Alto Comissário em prol da ONU tornou seu nome referência na área internacional, por ser exímio administrador de litígios, o que o credenciou para missões complexas que envolviam, entre outras, a reconstrução de países devastados por conflitos armados.

Em 12 de janeiro de 2010, o Haiti foi arrasado por um terremoto de grandes proporções. Do mesmo modo, a MINUSTAH sofreu um duro golpe. Em um país que já sofria com a grave crise política e econômica, a catástrofe comprometeu ainda mais o desenvolvimento daquela nação. Em consequência, o Brasil enviou outro batalhão para a MINUSTAH. O BRABAT 2, como ficou conhecido, realizou treinamentos no CIOPaz antes de seu desdobramento, para que estivesse pronto a enfrentar o cenário caótico do Haiti pós-terremoto.

Em 15 de junho de 2010, em virtude da necessidade de treinamento integrado entre as três Forças Singulares (Marinha, Exército e Força Aérea), o CIOPaz teve a denominação alterada para Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), mantendo sua subordinação ao Exército, mas passando a ser vinculado ao Ministério da Defesa. Dessa forma, a Organização Militar passou a ter integrantes das três Forças Armadas e ampliou sua atuação junto a outros órgãos e instituições governamentais.

Entre 2010 e 2012, o CCOPAB passou a preparar dois Batalhões de Infantaria e uma Companhia de Engenharia para ser desdobrados no Haiti, no intuito de orientar as Unidades para proverem assistência humanitária àquela população. O trabalho exigiu capacidade intelectual e logística do Centro, levando-se em conta o aumento das atividades e o efetivo reduzido. Do mesmo modo, a evolução do cenário da missão permitiu um enriquecimento doutrinário, garantindo a excelência das atividades no terreno e a consonância com as demandas das Nações Unidas.

Em 2013, a MINUSTAH começou a reduzir seu efetivo. Mais uma vez, o CCOPAB teve que se adaptar às novas demandas, que tinham caráter assistencial, mas sem deixar as técnicas de combate para trás. O contingente brasileiro sofreu a redução de um batalhão, o que permitiu maior flexibilidade ao Centro para fornecer o adequado preparo à tropa. 

A partir de 2014, o Batalhão Brasileiro de Força de Paz no Haiti passou a ocupar uma área de responsabilidade maior, sendo empregado em missões para as quais ele não era comumente designado, como a Força de Reação Rápida (QRF, sigla em inglês). A mudança fez com que o CCOPAB alterasse a sua maneira de conduzir o preparo do contingente militar, adequando-se à nova realidade, a fim de garantir a melhor formação do Soldado da Paz.

Atualmente, o ciclo de preparo dos contingentes brasileiros para missões de paz é composto pelos seguintes estágios: Preparação para Comandantes e Estado-Maior; Preparação para Comandantes de Subunidade e Pelotão; Coordenação Civil-Militar; Logística e Reembolso; Tradutores e Intérpretes Militares; Básico e Avançado para Operações de Paz. Essa estrutura ocorre em um período aproximado de quatro meses e tem se mostrado eficiente, de acordo com os resultados obtidos na MINUSTAH.

Passados 13 anos da entrada do Brasil na MINUSTAH e após mais de uma década da participação do CCOPAB no preparo das tropas brasileiras desdobradas na Missão, percebe-se que houve evolução na mentalidade das Forças Armadas e na capacitação dos militares. Essa transformação tem participação significativa do CCOPAB e dos próprios militares, homens e mulheres que se dispuseram a ajudar na preparação dos contingentes seguintes.

Com a aproximação do término da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti, cultivamos a história vivida, desde 2004, na bem-sucedida Missão de Paz. Os próximos desafios serão ainda mais complexos e com peculiaridades que apenas o tempo será capaz de mostrar. Entretanto, enquanto houver a necessidade de realizar o preparo de tropas com excelência e de mostrar o real valor do soldado brasileiro, o Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil estará presente.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Tropas brasileiras encerram a participação na Missão de Paz no Haiti

Atuação brasileira foi fundamental para gerar estabilidade e segurança à população haitiana, além de projetar o Brasil no cenário internacional.

A Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH) chega ao fim no dia  15  de  outubro,  concluindo,  também,  a  participação  das  Forças Armadas  brasileiras  nesse capítulo da história daquele país. Há treze anos (2004 a 2017), militares brasileiros desempenham missões voltadas para a criação e a manutenção de um ambiente seguro e estável no Haiti, ao longo dos quais foram conquistados significativos avanços para a população haitiana, para o reconhecimento internacional do Brasil e para o aprimoramento da capacidade técnico-profissional de nossas Forças Armadas.
Cerca de 37.500 militares das Forças Armadas brasileiras integraram as tropas da MINUSTAH no decorrer desse período. Além disso, a liderança do componente militar da missão sempre esteve sob a responsabilidade de um general do Exército Brasileiro. A partir da extinção da MINUSTAH e do retraimento das forças de paz, será estabelecida uma nova missão da ONU, com o objetivo de fortalecer instituições do Estado haitiano.
O Contingente Brasileiro no Haiti foi formado, durante a maior parte do tempo, por um Batalhão de Infantaria de Força de Paz (BRABAT) e por uma Companhia de Engenharia de Força de Paz (BRAENGCOY). Na segurança, os militares brasileiros conseguiram pacificar a capital, Porto Príncipe, dominada, anteriormente, por gangues fortemente armadas.
Cotidianamente, as tropas brasileiras realizavam intensivo patrulhamento nas áreas que estavam sob sua responsabilidade, participaram de operações com as demais tropas das Nações Unidas e com a Polícia Nacional do Haiti, escoltaram autoridades e proveram segurança para as ações humanitárias e as eleições. Esse esforço propiciou as condições necessárias de estabilidade para a promoção do desenvolvimento social, econômico e político do país.
Os militares do Brasil estiveram presentes em momentos de grandes catástrofes naturais no Haiti,  como  o  terremoto  de  2010  e,  mais  recentemente,  a  passagem  do  Furacão  Matthew. A Companhia  de  Engenharia  Brasileira  foi  empregada  pelas  Nações  Unidas  em  obras  como construção, asfaltamento e reparação de vias, perfuração de poços, limpeza de valas, distribuição de água e destruição de explosivos.
O bom comportamento dos soldados brasileiros e o relacionamento construído com a população haitiana foram elementos essenciais para os resultados alcançados, que projetaram o Brasil no cenário internacional e trouxeram ganho em experiência para as Forças Armadas brasileiras. Os resultados positivos da participação brasileira na MINUSTAH credenciam o Brasil a uma nova missão das Nações Unidas no futuro.

Etapas da desmobilização

No dia 31 de agosto, será realizado um evento em Porto Príncipe, no Haiti, com a presença de autoridades civis e militares, para marcar o encerramento das atividades operacionais. Para mais informações sobre esse evento, deverá ser feito contato com a Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Defesa, pelo e-mail: ascom@defesa.gov.br ou pelo telefone (61) 3312-4994.
Entre os dias 10 e 17 de setembro, o último contingente brasileiro retornará ao Brasil. No dia
15 de outubro, a base do contingente será entregue, oficialmente, à Organização das Nações Unidas.

Contatos

Outras informações sobre o encerramento das atividades das Forças Armadas brasileiras no Haiti e o legado de 13 anos de atuação podem ser obtidas no Centro de Comunicação Social do Exército, pelo e-mail imprensa@ccomsex.eb.mil.br ou pelo telefone (61) 3415-5711.

Para saber mais, acesse http://www.eb.mil.br/web/haiti/ ou #HaitiEuEstiveLá.


quarta-feira, 23 de agosto de 2017

A FORÇA TERRESTRE E O CONCEITO DE SEGURANÇA INTEGRADA.


O ALARGAMENTO CONCEITUAL DE PROTEÇÃO INTEGRADA PARA A SEGURANÇA INTEGRADA E O PAPEL DA FORÇA TERRESTRE PARA ENFRENTAR AS AMEAÇAS AO ESTADO BRASILEIRO NO CONTEXTO DO SÉCULO XXI1
Mauro Cesar Barbosa CID – Maj
Joel CAJAZEIRA - Maj
     A ordem global contemporânea tem se caracterizado por um ambiente multipolar e assimétrico, no qual prevalecem a incerteza e a possibilidade de inúmeros atores gerarem insegurança. O século XXI apresenta desafios mais complexos do que os enfrentados durante o período de confrontação ideológica bipolar. Assim, à luz de uma agenda global conflitiva e complexa, cujo alcance tem perpassado a esfera doméstica e internacional, observa-se a mudança da percepção costumeira das ameaças à segurança, tanto do Estado quanto dos indivíduos.
     Tal dinâmica é carreada pelo terrorismo catastrófico; por delitos transnacionais (com ênfase para o tráfico de drogas internacional); por conflitos étnicos; por „revoluções coloridas‟; por disputas energéticas e ambientais; e pela atual „crise dos refugiados‟. Fruto desse quadro, constata-se a ascensão de novos atores no „jogo global‟, como o crime organizado transnacional (COT) e as organizações terroristas transnacionais.
     Transpondo para o cenário brasileiro no período pós-Guerra Fria, sabe-se que a Constituição Federal (CF) de 1988, no seu artigo 144, trata do termo „segurança pública‟. Conforme a CF, “A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, (...)” (BRASIL, 1988). Para isso, determina como principais órgãos de segurança pública (OSP): a Polícia Federal; a Polícia Rodoviária Federal; a Polícia Ferroviária Federal; as Polícias Civis; as Polícias Militares e os Corpos de Bombeiros Militares.
     Já no artigo 142, a CF prevê que as Forças Armadas (FA) “destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer um destes, da lei e da ordem”. Logo, o Brasil é uma República Federativa, na qual a segurança pública é responsabilidade direta das polícias federais e estaduais, mas que admite o emprego das FA para garantir a lei e a ordem em casos excepcionais.
     Nas fronteiras brasileiras, os ilícitos transnacionais dividem-se em duas vertentes: a dos crimes contra a pessoa, envolvendo o narcotráfico, o tráfico de armas e munições e o tráfico humano; e a dos crimes financeiros, como a lavagem de dinheiro. Desse modo, a grande extensão da fronteira terrestre, a escassez de recursos, o número insuficiente de postos de fiscalização, o pequeno efetivo de agentes federais e a corrupção fragilizam o controle estatal na faixa de fronteira.
  Nos grandes centros urbanos, as ameaças estão associadas ao crescimento desordenado. Há questões de toda ordem: problemas ambientais e sanitários, poluição, deficiências na mobilidade urbana e um precário mercado de trabalho. Portanto, processos de urbanização indisciplinados produzem cidades frágeis, marcadas por desigualdades sociais e por altas taxas de letalidade, privando determinadas áreas do acesso aos serviços públicos e da proteção estatal.
    Em consequência, as favelas brasileiras são a materialização da desigualdade social e constituem-se em meio fértil para a propagação da violência e de inúmeras ameaças à segurança do Estado e dos indivíduos. Com o avanço dessas organizações criminosas, já na década de 2010, observa-se o surgimento de black spots (pontos negros) nas grandes cidades, fruto da falha na governança por parte das Autoridades Centrais.
    No rol das respostas deflagradas pelo Estado Brasileiro, há uma série de ações com ênfase na Expressão Militar do Poder Nacional, que é a capacidade resultante da integração dos meios da Nação, acionados pela vontade nacional, com o objetivo de manter e de conquistar os objetivos nacionais. Assim, no século XXI, é recorrente o emprego das Forças Armadas em operações, entre as quais se destacam as ações de estabilização de comunidades, a manutenção da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em face de greves de policiais e a garantia do pleito eleitoral.
  No âmbito do Exército Brasileiro (EB), avançando no fomento das operações interagências, a Portaria n.º 192 do Estado-Maior do Exército, de 21 de novembro de 2012, aprovou a Diretriz para a implantação do Projeto Estratégico PROTEGER, com o objetivo de viabilizar ao Exército a capacidade efetiva para a proteção das Estruturas Estratégicas Terrestres nacionais, em complemento aos sistemas de segurança orgânica e de segurança pública.
    Na perspectiva da Proteção Integrada, contida no Manual de Operações do Exército, passou-se a abarcar todas as medidas necessárias para proteger a sociedade, num esforço essencialmente interagências, nas seguintes atividades: garantia dos poderes constitucionais; garantia da lei e da ordem; proteção de estruturas estratégicas; prevenção e combate ao terrorismo; e participação da Força Terrestre em ações na faixa de fronteira.
    Esse repertório de atividades é conduzido pela Força Terrestre nas Operações de Apoio a Órgãos Governamentais, alcançando sete possibilidades de emprego, sendo cinco delas reunidas sob a demanda da Proteção Integrada (garantia dos poderes constitucionais, da lei e da ordem; proteção de estruturas estratégicas; ações na faixa de fronteira; prevenção e combate ao terrorismo; e ações sob a égide de organismos internacionais), e somadas ao emprego no apoio à política externa em tempo de paz ou de crise; e às atribuições subsidiárias.
  Percebe-se que o termo “Proteção Integrada” é de natureza restritiva, pois limita o entendimento a situações concretas quanto ao bem proteger e aos atores intervenientes. O conceito de “Segurança Integrada” é o mais adequado à atuação conjunta em ambiente interagências e, consequentemente, é mais apropriado para os estudos doutrinários.
Como única referência conceitual existente na Doutrina Militar de Defesa, segurança integrada trata da “expressão usada nos planejamentos de garantia da lei e da ordem da Força Terrestre, com o objetivo de estimular e caracterizar maior participação e integração de todos os setores envolvidos.”
    Portanto, há espaço para uma política pública permanente, com a finalidade de otimizar a perspectiva da segurança integrada e da sua gestão, especialmente quando se observa a atual instabilidade da situação da segurança no Brasil, perpassada por ameaças que transitam da esfera da segurança nacional para a da segurança pública

1 - O artigo é um extrato do Projeto Interdisciplinar (PI) sobre SEGURANÇA INTEGRADA dos alunos do 2º ano do Curso de Comando e Estado-Maior do Exército (CCEM) da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME).

terça-feira, 22 de agosto de 2017

DOMINGO AÉREO NO PAMA SP 2017 - Esquadrilha da Fumaça chegando!

O vídeo abaixo mostra as aeronaves A-29 Super Tucano do esquadrão de Demonstrações Aéreas estacionando no Parque de Material Aeronáutico de São Paulo no domingo aéreo no ultimo dia 20 de agosto de 2017. 

Vídeo By Carlos E. S. Junior

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Atualização no FMJ. Submetralhadora Steyr TMP/ Brugger & Tomet MP-9


Para ler sobre a submetralhadora TMP/ MP-9 clique na foto acima para ser direcionado para a matéria no blog FMJ (Full Metal Jacket)

segunda-feira, 17 de julho de 2017

URALTRANSMASH 2S19 MSTA-S.O martelo de batalha da artilharia russa.


FICHA TÉCNICA
Tripulação: 5 homens.
Motor: Um motor V-84A com 840 hp.
Peso: 42 toneladas.
Comprimento: 11,91 m.
Largura: 3,38 m.
Altura: 2,98 m.
Autonomia: 500 km.
Velocidade: 60 Km/h em estrada.
Passagem de vau: 1,2 m
Obstáculo vertical: 0,50 m
Trincheira: 2,8
Inclinação frontal: 65º
Inclinação lateral: 40º
Armamento: Um canhão modelo 2A64  de 152 mm uma metralhadora NSV em calibre .50 (12,7X108 mm).
Alcance das granadas: Convencional: 45 km, Granada RAP: 62 km.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S Junior
A capacidade de artilharia auto propulsada é um dos elementos mais importantes do campo de batalha pois garante poder de fogo contra áreas distantes, não raro a mais de 30 km e mobilidade para não depender de ser rebocado como um obuseiro comum, que acarreta na necessidade de maior tempo para preparo do armamento para ser empregado. A Rússia, desde a época da União Soviética, já dispunha de um arsenal de artilharia que lhe colocava entre os maiores usuários do mundo nessa categoria de armamento. Um dos mais recentes armamentos deste tipo no exército russo é o 2S19 MSTA-S que está em serviço desde 1989 depois de um período relativamente longo de desenvolvimento do projeto que se iniciou em 1980.

Acima: O antigo obuseiro autopropulsado SO-152 (2S3 Akatsiya) foi o sistema de artilharia que deu lugar ao novo 2S19 MSTA-S.
O 2S19 é um veículo particularmente de grandes dimensões e, consequentemente, bem pesado também. São quarenta e duas toneladas que um potente motor V-84A com 840 hp de potência empurram para frente a uma velocidade máxima de 60 km/h quando o veículo estiver em uma estrada. Cabe observar aqui que a potência deste motor representa o dobro de potência que o motor norte americano Detroit Diesel 8V71T, usado no obuseiro auto propulsado M-109A-6 Paladin, é capaz de fornecer. O chassis do veículo é baseado nos carros de combate MBT T-72 e T-80, sendo que a carroceria é mais semelhante ao do T-80. A autonomia em estrada do 2S19 chega a 500 km. Nada mal quando comparamos à autonomia de 335 km do T-80!
Acima: O obuseiro 2S19 representou uma evolução significativa na capacidade da artilharia móvel russa.
As chapas de blindagem do 2S19 são relativamente finas e fornecem proteção contra armas leves (munições até 7,62mm) e estilhaços de granadas. Internamente, porém, o veículo foi projetado com proteção para sua tripulação em ambientes nucleares, biológicos e químicos (NBQ). Além disso, o 2S19 possui um sistema automático de extinto de incêndios caso algum armamento inimigo atingir a viatura. Outro recurso de proteção que está integrado ao 2S19 são três lançadores de fumaça de cada lado da torre que produzem cortinas de fumaça para dificultar o engajamento do veículo pelos sistemas de mira inimigos.
Acima: Aqui podemos ver o lançador de fumaça em operação. este sistema permite dificultar o máximo a visada inimiga contra o veículo criando uma cortina de fumaça.
Embora, inicialmente, o obuseiro autopropulsado 2S19 não estivesse equipado com um sistema de posicionamento global GLONASS (equivalente ao GPS norte americano), as versões modernizadas do veículo, chamada de 2S19M1, receberem computadores de tiro integrados a um sistema deste tipo baseado no GLONASS. O armamento principal é um obus 2A64 em calibre 152 mm que é alimentado por um recarregador automático que permite uma cadência de 8 tiros por minuto e pode operar todos os tipos de granadas do calibre 152 mm que a Rússia produz. O alcance varia conforme a munição usada, de forma que a granada de alto explosivo HE possui alcance de 24,7 km. Com projétil assistido por foguete RAP, o alcance aumenta para 28,9 km. O canhão 2S64 é capaz de disparar o projétil guiado a laser 30F39 Krasnopol , que tem alcance de 20 km, porém, com capacidade de atingir um carro de combate inimigo, mesmo se ele estiver em movimento a velocidade de até 36 km/h
Acima: O canhão 2S64 em calibre 152 mm usado no 2S19M pode empregar todos os tipos de granadas fabricadas na Rússia. O alcance das granadas varia de 24,7 a 28,9 km dependendo do tipo.
O 2S19 tem capacidade de armazenar 50 granadas de 152 mm o que lhe garante uma boa persistência de combate. Para exportação, a Uraltransmash disponibiliza um canhão ocidental L-55 em calibre 155 mm conhecida como 2S19M-155. O armamento secundário é representado por uma metralhadora pesada NSV em calibre .50 (12,7X108 mm) controlada remotamente de dentro do veículo e capaz de uma cadência de 800 tiros por minuto. Esta metralhadora tem alcance de 2000 metros contra alvos de superfície e 1500 metros contra alvos aéreos e a arma está alimentada com 300 munições para pronto emprego.
Acima: O armamento secundário de todas as versões do veículo 2S19M (na foto um 2S19M2) é a metralhadora pesada NSV, controlada remotamente, de dentro do veículo. esta arma dispara munição calbre 12,7X108 mm (.50).
O obuseiro auto propulsado 2S19 substituiu o antigo veículo 2S3 Akatsia  e elevou a capacidade da artilharia russa em alcance, precisão, persistência de combate e cadência de tiro. Embora a Rússia já tenha um veículo mais moderno em desenvolvimento conhecido como 2S35  Koalitsiya-SV, o fato é que o 2S19 continuará a ser um sistema de artilharia com desempenho superior a de muitos sistemas similares. Atualmente, os russos contam com quase 500 unidades desse moderno obuseiro auto-propulsado e a produção ainda continua. Além dos russos, mais sete nações, incluindo a Venezuela, nossa vizinha do norte, opera este veículo.
Acima: Nesta foto podemos ver dois obuseiros 2S19M1 posicionados em uma trincheira, que permite reduzir a exposição em altura do veículo.


VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

CLASSE SEJONG (KDX III). Reinando sobre o Mar Amarelo.

FICHA TÉCNICA
Tipo: Destróier.
Tripulação: 350 tripulantes.
Data do comissionamento: Dezembro de 2008.
Deslocamento: 11000 toneladas (totalmente carregado).
Comprimento: 165 mts.
Calado: 6.25 mts.
Boca: 21 mts.
Propulsão: 4 turbinas a gás GE LM 2500 de 25000 Hp cada.
Velocidade máxima: 30 nós (56 km/h).
Alcance: 10200 Km.
Sensores: Radar multifuncional SPY-1D  (V) AEGIS, Sistema de controle de fogo AN/SPG-62. Sonar Atlas Elektronik DSQS-21BZ, Sonar rebocado Sagem MTeQ e um sistema de detecção passiva infravermelha Sagem IRST.
Armamento: 2 lançadores verticais MK-41 (um de 48 celulas e outro com 32 celulas) totalizando 80 celulas para mísseis SM-2 Block IIIB/IV Standard,  1 Lançador vertical K-VLS para 16 mísseis K-Asroc Red Shark; 1 Lançador vertical K-VLS para 32 mísseis Hyummoo III C, 4 lançadores quádruplos para 16 mísseis antinavio SSM-700K Hae Sung; 1 lançador para 21 mísseis antiaéreos RIM-116 RAM; 1 canhão MK-45 Mod 4 de 127 mm; 1 canhão Goalkeeper  CIWS de 30 mm; 2 lançadores triplos para torpedos leves K-745 Blue Shark.
Aeronaves: 2 helicópteros Agusta/ Westland Super Linx MK-99.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior
A Coreia do Sul tem sua defesa intimamente ligada a influencia militar e industrial dos Estados Unidos. Todos os meios de combate, das três forças principais de defesa da Coreia do Sul são fabricados sob licença ou tem importante participação da indústria bélica norte americana.
O navio de guerra que é foco deste artigo representa um exemplo claro dessa influência. O destróier KDX III ou, classe Sejong, como é conhecido, é o mais poderoso navio de guerra no mar amarelo e mar do Japão, onde, pode-se dizer que esse status é dividido com o destróier japonês da classe Atago, que também recebeu pesado suporte norte americano em sua concepção e construção.
Acima: O projeto da classe Sejong é baseado no destróier norte americano da classe Arleigh Burke. O navio sul coreano, no entanto, é maior e mais pesadamente armado.
O Sejong começou a ser idealizado no ano 2000 e depois de escolhido o projeto, o navio foi construído durante os anos seguintes vindo a ser lançado em maio de 2007 pela Hyundai Heavy Industries. Seu desenho é baseado no destróier norte-americano classe Arleigh Burke, na sua versão conhecida como Flight II A, cujo principal diferencial é a existência de um hangar para operar dois helicópteros de tamanho médio.  O Sejong, porém, é mais de 11 metros mais comprido, chegando aos 165 metros além e tem uma boca de 21 m. Naturalmente seu deslocamento é maior que o navio norte americano, chegando a  11000 toneladas quando totalmente carregado. Mesmo com essas dimensões maiores, o desempenho do navio no mar é ligeiramente melhor que o seu "pai ocidental".
Sua propulsão é configurada como COGAG (Combinação gás com gás), contando com 4 turbinas General Eléctric LM-2500 que produzem 25000 Hp cada permitindo ao Sejong navega a velocidade máxima de 30 nós (56 km/h), a mesma do Arleigh Burke, porém, sua autonomia é maior, chegando a 10200 km, o que lhe dá capacidade de escoltar grupos de batalha por qualquer lugar do mundo.
Acima: Embora os navios da classe Sejong sejam maiores que os seus primos da classe Arleigh Burke, seu desempenho de velocidade é o mesmo, e o navio sul coreano ainda tem maior alcance.
Sendo um navio com forte ênfase na guerra antiaérea, sua capacidade de detecção e controle do espaço aéreo é dada pelo mais capaz sistema de radar atual, o sistema AEGIS , desenvolvido nos Estados Unidos, composto pelo moderno radar SPY-1D (V). Este radar possui 4 antenas cuja disposição cobrem 360º em volta do navio permanentemente permitindo rastrear mais de 100 alvos a 450 Km de distancia de forma ininterrupta, além de ser muito mais resistente a contramedidas eletrônicas impostas pelos sistemas de guerra eletrônica inimigos. 
O radar de controle de fogo para alvos aéreos é o Mk 99 Missile Fire Control System (MFCS) que trabalha integrado com o radar AN/SPG-62 que faz a iluminação dos alvos aéreos detectados pelo radar SPY-1D para que os mísseis de defesa anti-aérea SM-2 atinjam seu alvo. Desta forma, pode-se ver que os sistemas operam de forma integrada otimizando a capacidade de resposta do navio a ameaças aéreas.
Para guerra anti-submarina, o Sejong faz uso de um sonar de casco DSQS-21BZ fornecido pela Atlas Elektronik que tem capacidade de detectar um submarino inimigo a 29,7 km. Um segundo modelo de sonar chamado MteQ, do tipo rebocado, também é empregado nesta classe.
A suíte de guerra eletrônica foi privilegiada também com o sistema SLQ-200(V) 1K conhecido, também como “Sonata” que faz a identificação de sinais de radio, radares e mísseis, identificando a ameaça e gerando uma contramedidas ativa que interfira nos equipamentos inimigos.
Acima: O sistema AEGIS composto pelas 4 antenas fixas SPY-1D (V) caracterizam o desenho do destróier da classe Sejong. Este sistema está entre os 3 mais modernos sistemas do mundo para defesa antiaérea.
O armamento da Sejong é mais pesado do que a média dos navios de guerra de sua categoria. Mesmo sendo um destróier, suas capacidades se igualam ao do cruzador classe Ticonderoga, da marinha dos Estados Unidos.
A capacidade antiaérea é garantida por 2 lançadores verticais MK-41 para mísseis Raytheon SM-2 Block IIIB/IV Standard. Um dos lançadores tem 48 células e o outro tem 32 células. O míssil SM-2 Block IIIB possui um alcance máximo de 74 km e e seu sistema de guiagem é do tipo dual, ou seja, usa dois tipos distintos de guiagem, sendo uma por radar semi ativo e a fase terminal usa um sensor infravermelho. A grande vantagem desse sistema de guiagem é a capacidade de superar eventuais contramedidas evasivas que venham a ser usadas pelo alvo. Esta versão é particularmente eficaz contra alvos em voo em baixa altitude e com RCS pequeno (alvos furtivos).
Ainda, para defesa antiaérea, há um pequeno lançador de mísseis RIM-116 RAM, com 21 mísseis. Estes pequenos mísseis são usados para defesa aproximada contra mísseis anti-navio, e projeteis guiados que penetrem na defesa externa do navio.
Acima: Os destróieres da classe Sejong são pesadamente armados e contam com a capacidade de pronto emprego de nada mais, nada menos, que 128 mísseis divididos entre mísseis antiaéreos SM-2 Block IIIB/IV Standard, mísseis anti submarino K-Asroc Red Shark e mísseis de cruzeiro Hyummoo III C. Caso colocarmos nessa conta os outros 16 mísseis anti-navio SSM-700K Hae Sung, a conta vai parar nos incríveis 144 mísseis para pronto emprego!
Um sistema de lançamento vertical para mísseis projetado na própria Coreia do Sul foi instalado e está equipado com 48 celulas divididas em 16 células para mísseis anti-submarino K-ASROC Red Shark. Este míssil tem um alcance de 19 km e está equipado com um torpedo K-745 Blue Shark que é lançado na água, na área onde o contato submarino inimigo tiver sido detectado pelos sistemas de sonares do Sejong. A partir deste momento o torpedo inicia o ataque ao submarino detectado. O alcance do torpedo K-745 Blue Shark  é de 12 km e seu sistema de guiagem se dá por sonar ativo/ passivo com alcance de 1,9 km e é equipado com uma espoleta de detonação por contato que detona sua ogiva permitindo penetrar 1,5 metros de aço.
As outras 32 células deste lançador, estão armadas com 32 mísseis de ataque terrestre Hyummoo III C, similar ao Tomahawk. Este poderoso míssil de cruzeiro é guiado por GPS e possui um alcance de 1500 km, sendo, portanto, capaz de infringir sérios danos contra alvos estratégicos inimigos bem dentro de seu território.
Voltando a tratar da capacidade de ataque anti-submarino do Segong, foram instalados dois lançadores triplos de torpedos K-745 Blue Shark, mesmo modelo usado no míssil K-ASROC.
Para guerra anti-navio, o Sejong está armado com 4 lançadores quádruplos para mísseis SSM-700K Hae Sung, cujo alcance é de 250 km e guiados por INS/GPS com radar ativo na fase terminal.
Acima: Operando de forma similar ao famoso míssil de cruzeiro norte americano BGM-109 Tomahawk, o míssil de cruzeiro Hyummoo III C, possui um alcance de 1500 km.
O armamento de tubo é composto por um canhão norte americano MK-45 Mod-4 de 127 mm instalado a frente do navio e pode ser usado tanto contra alvos de superfície, como contra alvos aéreos e seu alcance é de 24 Km. Um sistema antiaéreo tipo CIWS Goalkeeper, contendo com um canhão em calibre 30 mm é usado para defesa antiaérea de ponto.  O canhão usado no sistema é o poderoso GAU-8 da General Electric, famoso por ser usado no avião de combate A-10 Thunderbolt II contra veículos blindados. Sua cadencia é de 4200 tiros por minuto e seu alcance efetivo é de 2000 metros. O destróier Sejong opera dois helicópteros anti-submarino Agusta/ Westland Super Linx MK-99, porém pode-se operar outros modelos de dimensões similares como o Sikorsky SH-60 Seahawk.
Acima: O sistema de defesa de ponto CIWS Goalkeeper é armado com um potentíssimo canhão de 7 canos rotativos GAU-8/A Avenger em calibre 30 mm,  o mesmo usado no jato de apoio aéreo aproximado A-10C Thunderbolt II da força aérea dos Estados Unidos. São 4200 tiros por minuto capazes de destruir aeronaves e mísseis anti-navio que se aproximem do navio a uma distancia de até 2000 metros.
Os dados apresentados aqui deixam claro que a classe Sejong representa um dos mais poderosos destróieres no mundo. É certo que a estratégia de defesa da Coreia do Sul recebe influencia pesada do governo dos Estados Unidos e muito provavelmente os norte americanos até tem poder de decisão sobre o que vai ou não ser adquirido pelas forças armadas sul coreanas. Por isso, é interessante observar que o Sejong é mais bem armado que os navios da classe Arleigh Burke da marinha dos Estados Unidos e isso evidencia a importância que a capacidade antiaérea e de ataque contra alvos terrestres tem na marinha sul-coreana e na estratégia norte americana de atuação naquela região do globo. A Coreia do Norte, o inimigo numero um da Coreia do Sul, não tem, absolutamente, nada equivalente em tecnologia, poder de fogo e desempenho ao que o destróier da classe Sejong é capaz de prover e a marinha sul coreana possui, atualmente, 3 navios desta classe, com mais 3 encomendados e a serem integrados a moderna marinha da Coreia do Sul até 2022.
Acima: Na popa do Sejong podemos ver os dois hangares para operações de dois helicópteros médios, normalmente do modelo Westland Mk.99A Super Lynx. Porém o modelo norte americano SH-60 Seahawk também pode ser empregado.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

AS 6 MAIORES AMEAÇAS AOS PORTA AVIÕES DOS ESTADOS UNIDOS.

Esta matéria foi publicada pelo site parceiro PLANO BRASIL (PB) como as "5" maiores ameaças aos porta aviões dos Estados Unidos, baseando-se no artigo National Interest by Robert Farley: Could Hypersonic Weapons Make America’s Aircraft Carriers Obsolete?. Porém, conversando com o editor chefe do site PB, solicitei a permissão de publicar a matéria no WARFARE com item que notei estar faltando na lista de ameaças além da conclusão que traz este artigo. Agradeço publicamente ao Edilson Pinto pela parceria!

Por Konner e Carlos E.S. Junior
1º - VEÍCULOS SUBMARINOS NÃO TRIPULADOS
Durante muitos anos, os submarinos representaram a ameaça mais mortífera para os porta-aviões. A vantagem dos submersíveis não tripulados consiste em que eles podem esperar durante períodos de tempo muito longos debaixo de água e se moverem quando detectem os alvos para os atacar posteriormente.
Equipados com poucas armas e capazes de operar sob condições pré-estabelecidas, os veículos submarinos não tripulados podem se tornar uma séria dor de cabeça para os porta-aviões modernos no futuro, escreve o jornalista Robert Farley na  National Interest.
Acima: O veículo autônomo submarino (UUV) Manta, é um conceito estudado pela marinha dos Estados Unidos, porém, outras nações estão estudando sistemas similares para atacar alvos no mar de forma segura  sem ser detectado como este UUV.

2º - ATAQUES CIBERNÉTICOS

Os ataques cibernéticos podem causar muitos problemas à tripulação de um porta-aviões. No mínimo, os hackers podem “cegar” o porta-aviões, o que impedirá a realização da sua missão. Além disso, os piratas informáticos são capazes de revelar a localização do navio, o que o tornará vulnerável a ataques de mísseis ou a submarinos do inimigo. Um ataque cibernético pode danificar os principais sistemas do navio, que assim ficará desarmado e indefeso.
Acima: A integração dos sistemas eletrônicos pela internet é um dos recursos para um ataque cibernético que poderia comprometer a capacidade de combate e mesmo de sobrevivência de um porta aviões em um ambiente hostil.

3º - VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS
Os veículos aéreos não tripulados podem lançar projéteis a diferentes distâncias. Além disso, estes aparelhos são capazes de se aproximarem do alvo e causar danos fatais aos porta-aviões sem se preocuparem com a vida de seus pilotos. “Não há nada mais perigoso no mundo do que um robô que não tem nada a perder”, escreve o analista.

Acima: Aeronaves de combate sem piloto como o Northrop Grumman X-47B visto nessa foto são outra das ameaças que o futuro a curto prazo aguarda para os porta aviões.


4º - ARMAS HIPERSÔNICAS

A China, a Rússia e os EUA prestam muita atenção ao desenvolvimento de armas hipersônicas, que representam uma séria ameaça para porta-aviões, em muitos aspectos a ameaça é comparável com a dos mísseis balísticos. No entanto, as armas hipersônicas, em comparação com os mísseis balísticos, podem se aproximar de um alvo usando diferentes trajetórias, se tornando difícil neutralizá-las usando armas de defesa. Tal como os mísseis balísticos e de cruzeiro, as armas hipersônicas podem causar danos sérios a um porta-aviões. Isso pode arruinar sua missão, ou mesmo afundar o navio.
Acima: A ilustração acima mostra um míssil hipersônico em desenvolvimento na Rússia chamado 3M22 Zircon que promete voar a velocidades de mach 5. Atualmente, tanto a Rússia quanto a China possuem mísseis anti navio com velocidades supersônicas que praticamente impossibilitam  qualquer medida defensiva por parte do navio alvo. Imagine, então, um míssil com o dobro de velocidade!!!!

5º - BOMBARDEIO ORBITAL

Satélites equipados com barras de volfrâmio (Tungstênio) ou outros tipos de armas cinéticas são capazes de identificar e simultaneamente atacar os porta-aviões sem problemas graças às comunicações em rede.Usando energia cinética, essas armas podem realizar um ataque muito forte a um alvo de superfície e também causar o seu afundamento.
Acima: Um satélite armado com projéteis de Tungstênio poderia, atualmente, lançar estas armas que entrariam em velocidade hipersônica que lhe permitiria causar danos sérios a um porta aviões.

6º - MÍSSIL BALÍSTICO DF-21D

Embora a maioria dos entusiastas por sistemas de armas esteja acostumado a pensar no míssil balístico como um a arma superfície superfície que é empregada contra alvos estáticos, a verdade é que a tecnologia evoluiu muito em relação aos anos 50, quando os primeiros mísseis Scud A soviéticos, simplesmente não tinham precisão maior que a de uma granada de obuseiro (muitas vezes até precisão bem menor até, que tais granadas). Hoje, existem ogivas manobráveis, e justamente uma ogiva deste tipo que equipa o moderno míssil chines DF-21D, um míssil balístico anti navio (ASBM), derivado da família DF-21 de mísseis balísticos de médio alcance  (MRBM), desenvolvido especificamente para ser empregado contra navios de grande porte como um porta aviões. Embora, mesmo estando operacional à alguns anos, os dados deste míssil ainda não inspiram muita confiança devido a forte restrição de liberdade a acesso a este tipo de informação imposta pelo regime chinês, é notório que o departamento de defesa dos Estados Unidos, se preocupa bastante com esta arma. Com um alcance estimado em torno de 1450 a 1550 km, dependendo da fonte pesquisada, o DF-21D é considerado capaz de destruir um porta aviões em um único golpe. Para tanto, é presumível que a ogiva seja nuclear, embora não haja certeza sobre isto. A margem de erro, também conhecida como CEP (Circular Error Probability) é de apenas 20. Embora não seja um desempenho "cirúrgico", temos que considerar que é um míssil balístico que é lançado contra um alvo em movimento.
Acima: Os mísseis balísticos anti navio DF-21D já está operacionais e sua capacidade é levada bastante a sério pelo Pentágono. 

CONCLUSÃO
Este artigo revela como o desenvolvimento tecnológico militar tem transformado uma das mais proeminentes armas de guerra, o porta aviões, em um vulnerável e caro alvo. Algumas das armas mencionadas neste artigo não podem ser anuladas ou interceptadas com os sistemas de defesa atuais e muito provavelmente ainda vai demorar até o desenvolvimento destes sistemas de defesa poderem ser eficazes contra, por exemplo as armas hipersônicas, o bombardeio orbital, ou o míssil chines DF-21D. Assim é fácil chegar a conclusão que em um teatro operacional de alta intensidade, um super porta aviões poderá ser destruído levando a baixas humanas altíssimas e uma perda material estratosférica.

VÍDEO COM O DF-21D EM AÇÃO

Artigo base – National Interest by Robert Farley: Could Hypersonic Weapons Make America’s Aircraft Carriers Obsolete?

Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.


quinta-feira, 15 de junho de 2017

PRIMEIRO VOO DO JAS-39 GRIPEN E. Uma critica a menos.


Hoje, 15 de junho de 2017, a mais moderna versão do caça sueco Saab JAS-39 Gripen fez seu primeiro voo. O Gripen E, como é chamado pelo fabricante, e F-39, como será conhecido no Brasil, o primeiro cliente da nova aeronave, sempre recebe muitas criticas, mas uma que considero particularmente desprezível era a que o modelo não tinha voado ainda e que por isso era um avião de papel. Hoje marca o fim dessa argumentação irrelevante, uma vez que a Saab não tem em seu currículo um histórico de "fracassos". Na verdade a empresa desenvolveu aeronaves muito sofisticadas para seus respectivos momentos. Embora o Gripen E não seja, como alguns canais da imprensa nacional "o caça no estado da arte", ele é, efetivamente uma aeronave moderna e elevará, em muito, a capacidade de combate da Força Aérea Brasileira. e é isso o que, de fato, devemos nos apegar quando formos tratar se é bom ou mau o país ter adquirido este caça.
Para conhecer melhor os detalhes do caça Gripen E que deve ter as suas primeiras entregas para nossa Força Aérea em 2019, cliquem na foto abaixo.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

BOEING 737 AEW&C WEDGETAIL. A visão de águia da Boeing


FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: 759 km/h.
Velocidade máxima: 955 km/h.
Autonomia: 9 horas.
Teto operacional: 12500 m.
Alcance de travessia: 5632 km.
Empuxo: 2 turbofans CFM International CFM56-7B24, gerando unitariamente 912247 kgf de empuxo.
Radar: Northrop Grumman Electronic Systems Multi-role Electronically Scanned Array (MESA) com 350 km de alcance (alvo com 5m² de RCS).
DIMENSÕES
Comprimento: 33,06 m.
Envergadura: 35,08 m.
Altura: 12,5 m.
Peso: 46606 kg (vazio).

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior (Agradeço a Sérgio Santana por ter dado suporte a concepção deste texto) 
Com o despertar sobre a necessidade de aumentar a consciência situacional sobre o campo de batalha para poder ser mais efetivo sendo percebida e valorizada por, cada vez, mais forças aéreas, o nicho de mercado para aeronaves de alerta aéreo antecipado começou a se tornar mais atraente para a industria aeronáutica. Uma vez refletido sobre isso, vamos a mais uma matéria no WARFARE blog. A Austrália, uma nação com laços de amizade (interesse estratégico, na verdade) muito fortes com os Estados Unidos, tem em seu parceiro, o principal fornecedor de suas forças armadas, e na ultima década do século XX decidiu que precisava adquirir para sua força aérea uma aeronave de alerta aéreo antecipado e comando AEW&C (Airborne Early Warning and Control) e lançou uma requisição de propostas para o mercado, onde as empresas qualificadas a fornecer este tipo especializado de aeronave fizessem suas ofertas. Este programa de aquisição passou a ser conhecido pelo nome de Projeto Wedgetail.
Acima: A Boeing teve um senso de oportunidade sensacional em aproveitar como plataforma o seu extremamente bem sucedido modelo 737 como uma aeronave de alerta aéreo avançado e comando.
A empresa norte americana Boeing, projetista de um dos mais bem sucedidos projetos de aeronave AEW do mercado, o E-3 Sentry (AWACS), já descrito no WARFARE (clique no nome da aeronave para ler a matéria) apresentou uma proposta muito interessante de uma plataforma de alerta aéreo antecipado baseada na excelente aeronave de transporte regional Boeing 737-700 Next Generation, que por sua vez acabou sendo selecionada pela Real Força Aérea Australiana (RAAF). A aeronave é chamada pela Boeing como 737 AEW&C e de E-7A Wedgetail, pela RAAF, logo em seguida mais duas forças aéreas alinhadas com os Estados Unidos também encomendaram o modelo: A Coreia do Sul e a Turquia, porém, os exemplares adquiridos por estes países possuem algumas características técnicas especificas para irem de encontro aos requisitos específicos de cada força aérea.
Acima: A Austrália é um leal aliado dos Estados Unidos na Oceania e possui conflito de interesses com potências regionais como a China e Rússia. O E-7A Wedgetail é parte fundamental da capacidade de defesa daquela nação.
Por ser uma versão de uma aeronave de transporte de passageiros Boeing 737-700 ER, da família Next Generation, a propulsão usada também acabou sendo derivada da usada no modelo civil. A propulsão do Wedgtail fica por conta de dois turbofans CFM International CFM56-7B24 que produzem 12247 kgf de empuxo cada, permitindo a esta aeronave voar a uma velocidade máxima de 955 km/h e uma velocidade de cruzeiro de 759 km/h. O alcance máximo do Wedgtail é de 7040 km, porém, quando a aeronave está em missão, fazendo o rastreio do espaço aéreo a sua volta, ela opera em velocidades bem mais baixas. A autonomia do Wedgtail quando em patrulha, é de cerca de 9 horas de voo, graças a seu tamanho que lhe permite uma boa quantidade de combustível e seus eficientes motores. Além disso, a aeronave pode ser reabastecida em voo através do sistema lança e receptáculo (o mesmo usado pelo caça F-16).
Acima: O E-7A Wedgetail é propulsado por dois confiáveis turbofans CFM International CFM56-7B24. A ideia da Boeing de adaptar a plataforma do Boeing 737 para missões AEW&C foi bastante sábia.
O principal sensor do Wedgtail é o moderno radar de varredura eletrônica ativa (AESA), desenvolvido pela Northrop Grumman  batizado de MESA (Multi-role Electronically Scanned Array) que opera de modo multifuncional, rastreando os alvos e já fazendo a identificação se é amigo ou inimigo através de um sistema IFF (identification friend or foe) integrado à antena. Este radar tem alcance de 350 km, e consegue detectar, simultaneamente, 3000 alvos em terra, mar e ar, rastreando 180 deles e guiando 24 interceptações. O alcance para o recurso de IFF chega a 555 km. O sistema de comunicação é composto por 10 rádios VHF/UHF fabricados pela Rockwell Collins  do modelo AN/ARC-210 e 3 rádios que operam em HF modelo AN/ARC-220 do mesmo fabricante. O Wedgtail recebeu 4 equipamentos MAWS (Missile Approach Warning System) Northrop Grumman AN/AAR-54 que alerta a tripulação quando um míssil estiver se aproximando da aeronave. A aeronave está equipada com o sistema de intercambio de dados baseado no sistema de distribuição de dados AN/URC-138 compatível com link 11, JTIDS e link 16 (padrão OTAN) permitindo a operação em rede com as diversas aeronaves aliadas dentro do campo de batalha.
Acima: 10 operadores nos consoles de missão são necessários para operar esta poderosa aeronave de alerta aéreo antecipado.
O Boeing 737 AEW&C Wedgtail não ficou sendo uma exclusividade australiana. Embora a Força Aérea Australiana seja o primeiro cliente, outros países também adquiririam esta moderna plataforma de alerta aéreo avançado. A Turquia e a Coreia do Sul, conforme comentado no início deste artigo, também acabaram comprando o Wedgatial para compor as robustas capacidades das suas respectivas forças aéreas. Porém cada nação solicitou que alguns equipamentos fossem modificados em relação ao modelo australiano. Esta matéria focou, especificamente no modelo australiano E-7A Wedgtail, devido a Austrália ter sido a primeira nação a adquirir o modelo e de certa forma, ter dado um forte apoio ao projeto. O custo de aeronaves desse tipo, naturalmente, é alto devido a tecnologia sofisticada e devido a baixa escala de produção de aeronaves desse tipo. O custo unitário de um Wedgtail  é de cerca de USD$ 200 milhões, porém esse valor pode variar dependendo dos equipamentos que cada cliente possa solicitar para preencher seus requisitos.

Acima: A força Aérea da Coreia do Sul utiliza 4 aeronaves Boeing 737 AEW&C sob o nome Peace Eye. Aqui podemos ver um caça bombardeiro pesado Boeing F-15K escoltando um Peace Eye.

Acima: A Turquia, também opera 4 4 aeronaves desse tipo, sendo que lá, o nome dado ao modelo é de Peace Eagle.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.