Mostrando postagens com marcador Sistemas de artilharia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Sistemas de artilharia. Mostrar todas as postagens

domingo, 26 de junho de 2022

FOTO: Presente para Hitler

"Presente para Hitler."

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de junho de 2022.

O soldado Joseph Wald, da Brigada Judaica, segurando um obus de artilharia com a inscrição “Presente para Hitler” em hebraico e com uma Estrela de Davi, símbolo judaico), na Itália em 1944-45. Colorização por Refael Ben Zikri de Israel, Grafi Design - גרפי דיזיין.

A inscrição de provocações em obuses (granadas de artilharia) era algo comum e praticado por ambos os lados. Abaixo, um artilheiro italiano carregando um obus com os dizeres "Buon Anno a Stalin", que se traduz como "Feliz Ano Novo a Stalin"; na Frente Oriental em 1942-3.

"Feliz Ano Novo a Stalin."

A mais famosa foto da Força Expedicionária Brasileira (FEB) é aquela do Soldado Francisco de Paula carregando um obus 105mm com os dizeres "A cobra está fumando...".

"A cobra está fumando...".
(Colorização de Marina Amaral)

Bibliografia recomendada:

The Jewish Brigade.
Marvano.

Leitura recomendada:

terça-feira, 24 de maio de 2022

Artilharia: Os CAESAr cedidos pela França às forças ucranianas já teriam entrado em ação

Obus autopropulsado francês CAESAr dispara no vale médio do rio Eufrates, no Iraque, 2 de dezembro de 2018.

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 24 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de maio de 2022.

Já faz pouco mais de um mês que, em entrevista concedida a três jornais europeus, o presidente Macron anunciou a entrega de caminhões equipados com sistema de artilharia de 155mm [CAESAr] às forças ucranianas. Desde então, os termos exatos dessa transferência ainda não foram confirmados pelo executivo. Pelo menos oficialmente.

Assim, não foi especificado o número de peças CAESAr em questão, ainda que se trate de dez ou doze exemplares, a priori retirados dos 76 que o Exército Francês tinha até então em sua posse. Por outro lado, sabemos que pelo menos quarenta artilheiros ucranianos passaram pelo acampamento militar de Canjuers [Var] para aprender a usá-las. Onde estamos desde então?

Em artigo publicado pelo New York Times em 23 de maio, o especialista militar ucraniano Mykhailo Zhirokhov, autor de um livro sobre o uso da artilharia na guerra do Donbass, afirmou que aprender a usar o CAESAr "leva meses" e que "até os franceses pensam que eles são muito complicados"... ao contrário dos obuses americanos M777, já implementados pelas forças ucranianas. Como lembrete, os Estados Unidos anunciaram sua intenção de transferir 118 exemplares para Kiev.

Muito complicado o CAESAr? Não é o que afirma o portal dos sites associativos da artilharia francesa, referência neste campo.

“A simplicidade de implementação do sistema de mira automática desta arma possibilita treinar tripulações de armas com validação de disparo em 114 horas. O motorista recebe informações simples sobre a manutenção do transportador, uma vez que a habilitação do veículo pesado é suficiente para conduzir o CAESAr”, lemos em folha publicada por este site. Por outro lado, para “para reivindicar o serviço em teatro de operações, cada regimento equipado com este sistema terá que passar por um curso de formação de quinze dias, depois realizar uma campanha de tiro”, especifica o mesmo documento.

De qualquer forma, e desde que seja autêntico, um vídeo postado no Twitter pela conta "Ukraine Weapons Tracker" [@UAWeapons] sugere, apesar de sua má qualidade, que os CAESAr prometidos à França chegaram à Ucrânia, onde são usados ​​pela 55ª Brigada de Artilharia. No início da sequência, podemos ver uma placa de sinalização aparentemente ucraniana... que é muito difícil de decifrar. Em um obus manipulado pelos servidores de um CAESAr, pode-se ler "por Mariupol" [conforme comentários postados após essas imagens]. 

De qualquer forma, esta é a primeira vez que os tiros do CAESAr são relatadas na Ucrânia. Presumivelmente, isso ocorreu na região de Severdonetsk, onde as forças russas estão atualmente concentrando seus esforços.

Lembrando que, podendo ser rapidamente colocado em bateria por seus cinco servidores, o CAESAr pode disparar seis projéteis calibre 52 [compatível com o padrão OTAN] por minuto, a uma distância de 40km.


Leitura recomendada:

A Colômbia comprará 12 obuses Caesar fabricados na França20 de maio de 2022.

Há quase 20 anos, 45 tanques Leclerc foram desdobrados na Ucrânia para um grande exercício13 de fevereiro de 2022.

A Legião Estrangeira Francesa autoriza os legionários afetados pela guerra na Ucrânia a recolherem seus parentes2 de março de 2022.

sexta-feira, 20 de maio de 2022

A Colômbia comprará 12 obuses Caesar fabricados na França

Soldados franceses realizam um exercício de tiro real com um obus autopropulsado Caesar fora do aeródromo de Bagram, Afeganistão, em 2009.
(Staff Sgt. Teddy Wade/Exército dos EUA)

Por José Higuera, Defense News, 19 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de maio de 2022.

SANTIAGO, Chile - A Colômbia selecionou o obus Caesar da Nexter como parte de um esforço para modernizar as capacidades de artilharia de campanha de seu Exército, com negociações começando para um primeiro lote de quatro, no valor de cerca de US$ 35 milhões, disseram fontes militares em Bogotá ao Defense News sob condição de anonimato por motivos de segurança.

O obus de 155mm com tração nas seis rodas, fabricado na França, foi selecionado no final de 2021, com o Exército selecionando-o no início deste mês, seguido pelo governo aceitando a decisão e autorizando o início das negociações. O Ministério da Defesa se recusou a comentar esta história.

A arma de calibre 155mm/52 pode disparar uma ampla gama de munições, incluindo LU, BONUS, ERFB NR e KATANA; a munição LU oferece um alcance de 4,5 a 40 quilômetros (2,796 a 24,85 milhas).

O Caesar passou por uma manifestação na Colômbia em 2011. Com isso, a Nexter foi convidada pelo Exército a apresentar propostas para a venda de até 12 obuses, com a encomenda do primeiro lote de seis prevista para 2014.

No entanto, problemas políticos e fiscais causaram o adiamento dos planos de compras. Os esforços de aquisição foram revividos em 2019 e, segundo fontes, devem incluir a aquisição de até 12 obuses Caesar, mas distribuídos em três lotes de quatro cada.

A aquisição faz parte do esforço do país para modernizar e aumentar suas capacidades militares convencionais para combater insurgências e tráfico de drogas. Como parte desse esforço, sete dos 13 obuses rebocados da General Dynamics European Land Systems 155/52 APU SBT no inventário da Colômbia foram recentemente reformados e modernizados.

O programa de modernização também incluiu a integração do sistema de posicionamento e direcionamento NELI da Star Defense Logistics and Engineering da Espanha. Uma versão do NELI, adaptada às necessidades e condições da Colômbia, foi desenvolvida em conjunto com a empresa local Dynamic Trading Solutions. O NELI é usado com os canhões de 105mm e morteiros de 120mm da Colômbia e será integrado ao Caesar.

O Exército também adquiriu sofisticados simuladores de artilharia móvel para apoiar o treinamento de campo. A empresa americana Force Improvement forneceu quatro unidades desde 2020 e uma quinta foi encomendada no final de 2021, embora o custo não tenha sido revelado.

Instalado dentro de contêineres de caminhão com 120 metros de comprimento, a tecnologia móvel permite o controle total dos treinos e exercícios, simulando diversos ambientes e condições climáticas, além de uma ampla gama de munições, resultando em treinamentos mais intensos e de maior qualidade por uma fração do custo dos exercícios de munição real.

Leitura recomendada:


Soldados Colombianos na Coréia, 12 de outubro de 2021.


quinta-feira, 10 de março de 2022

Uma coluna russa foi emboscada e destruída, o comandante regimental morreu

Explosão na vanguarda da coluna.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 10 de março de 2022.

Hoje cedo, 10 de março, foi liberado um vídeo gravado por drone mostrando uma coluna blindada russa sendo engarrafada e destruída por uma combinação de artilharia e disparos diretos de tanques aguardando em emboscada. A ação foi compartilhada nas redes sociais imediatamente.

"Incrível vídeo de drone de uma emboscada de uma coluna de tanques russos supostamente do 6º regimento perto da região de Brovary, oblast de Kiev. O áudio parece ser uma interceptação de um oficial russo chamando superiores para relatar a emboscada e morte do comandante do regimento."
O vídeo tem a marca d'água Азов (Azov) e mostra os arredores da emboscada, incluindo tanques em diferentes locais. A perda do comandante regimental foi mais uma ocasião embaraçosa para o Exército Russo, que já perdeu 3 generais desde o início da invasão.

A identidade do comandante foi confirmada como sendo o Coronel Andrei Zakharov.

"Coronel Andrei Zakharov, comandante de um regimento de tanques russo, foi eliminado pelas AFU no distrito de Brovary, na região de Kiev.
Ele recebeu a Ordem da Coragem das mãos de Vladimir Putin em 2016, conforme noticiado pela mídia ucraniana."

Esse vídeo com melhor qualidade permite uma melhor identificação dos veículos.

Os veículos vão sendo alvejados durante a ação enquanto a comunicação russa via rádio é interceptada.

  • Soldado 1: Nitro, aqui é Udar. Câmbio.
  • Soldado 2: Udar, aqui é Nitro. 6º Regimento perdido.
  • Soldado 1: O quê?
  • Soldado 2: Não posso informar sobre o 6º Regimento. Estou coletando dados. Muitas perdas. Eles esperaram por nós. O chefe do comboio entrou na emboscada. Comandante do regimento morto em ação. Classificando sobre o resto.
  • Soldado 1: Assim que você resolver as coisas, informe-me. Entendido?
  • Soldado 2: ...Tanques e artilharia estavam bombardeando de lá. Drones, de Bayraktar, pelo que entendi. Estou resolvendo as outras perdas.

As imagens dão uma vista aérea perfeita da ação, com a vanguarda da coluna sendo atacada primeiro, parando os veículos. Então uma explosão na retaguarda engarrafa os blindados. Alguns tiros ocorrem e um certo número de veículos consegue recuar da emboscada.

Um tanque na beirada da rua.

Explosão na retaguarda da coluna.

Dois homens são visíveis segundos antes no local da explosão.

O equipamento usado pela coluna é notavelmente antigo, com as fotos mostrando carros de combate T-72A da era soviética sendo empregados. O material arcaico vem chocando os observadores, com muitos se perguntando por onde andam as "armas fantásticas" noticiadas à exaustão pela mídia russa nos últimos 20 anos.

T-72A destruído na emboscada.

Inicialmente identificado como um T-72AV, por si só bem antigo, a inspeção subsequente mostrou trata-se de um modelo A, ainda mais antigo, equipado com um pacote DIY Kontakt-1 de blindagem reativa explosiva (Explosive Reactive ArmourERA).

Aos 27 segundos, um lançador russo no meio do comboio faz um disparo.

Momento do disparo.

Trata-se de um lançador múltiplo de foguetes BM-1 armados com foguetes TOS-1A termobáricos.

Os ucranianos também filmaram os resultados da emboscada depois que os russos recuaram.

O local da emboscada foi confirmado por satélite como ocorrido em Bovary, com os pontos de referência marcados.


Os pontos de referência foram examinados pelo Google Earth.

As imagens foram analisadas e notou-se que é a primeira vez que um Grupo Tático de Batalhão russo (Battlegroup, BTG / Батальонная тактическая группа, batal'onnaya takticheskaya gruppa) operando como deveria em nível tático; embora a execução deixe muito à desejar. A unidade russa foi estimada como sendo do 36º ou 41º Exército de Armas Combinadas (Combined Arms ArmyCAA).

A área vermelha mostra o ataque de artilharia.
Material listado indica companhias de BMP-1, T-72 e BTR-82.
O TOS-1 Buratino é visível no canto inferior direito.

A presença dos lançadores TOS-1A é uma novidade, e um tanto preocupante. Os russos atravessaram pela Bielo-Rússia e pretendem posicionar a artilharia no perímetro de Kiev para achatar a cidade com bombardeios indiscriminados. Nos últimos dias, os russos passaram a mirar civis de forma proposital.

BM-1 TOS-1A com a marcação do círculo, designação a procedência como a Bielo-Rússia.

"Os russos nem se preocuparam em desligar as câmeras no posto de fronteira ucraniano, para que o mundo inteiro possa assistir seus tanques entrarem na Ucrânia pelo lado da Bielorrússia."

Os russos têm um sistema de letras - com a letra "Z" tornando-se um símbolo nacional - e estes estão indicados na tabela abaixo.


  • Distrito Militar Oriental: Z
  • Forças da Criméia: Z (dentro de um quadrado)
  • Forças da Bielo-Rússia: O
  • Infantaria Naval: V
  • Chechenos de Kadyrov: X
  • Grupo Alfa de forças especiais: A
Conforme os russos tentam fechar o cerco a Kiev, suas linhas de suprimentos continuam sobre-extendidas. Os ucranianos e os voluntários estrangeiros continuam escaramuçando as linhas desprotegidas do Exército Russo e impedindo que o poder de fogo russo seja desdobrado em força. Resta saber até quando isso vai durar.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2021

O tanque principal Black Panther chegou à Noruega

Um tanque principal K2 Black Panther sendo desembarcado na Noruega.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de dezembro de 2021.

O carro de combate principal K2 Black Panther, o MBT sul-coreano, chegou à Noruega para testes visando a sua possível adoção. Ele participará de testes de avaliação nos próximos dias conforme requisição do governo de Oslo.

Em novembro deste ano, o Ministério da Defesa norueguês anunciou um plano para adquirir novos tanques de batalha principais (Main Battle Tank, MBT) para substituir o Leopard 2A4NO atualmente em serviço com o exército nacional. Os atuais candidatos são o Leopard 2A7 alemão e o K2 Black Panther coreano.

Um K2 Black Panther sul-coreano em ação em uma pista de treinamento sendo filmado por drone


O Ministério da Defesa norueguês há muito tempo conduz análises relacionadas com a manutenção e o desenvolvimento das capacidades fornecidas hoje pelos MBT Leopard 2A4NO. No início, foram consideradas até nove variantes, mas na última etapa da avaliação, duas opções permaneceram: a modernização dos tanques existentes no âmbito do chamado projeto 5050 e a aquisição de novas máquinas.

Conforme anunciado em um comunicado oficia, o Ministério da Defesa norueguês avaliou que a modernização dos Leopards existentes, obtidos de segunda-mão do excedente da Holanda, não fornecerá um nível adequado de capacidades quando se trata de proteger o interior dos tanques contra munição de nova geração, e nem possuem capacidade de operar em um sistema de comunicação centrado em rede, que atualmente está sendo introduzido nas forças terrestres do país.

Desta feita, foi decidido que dois tipos de novos tanques poderiam ser considerados como soluções: adquirir o novo modelo do Leopard 2, a versão A7, ou adquirir o coreano K2 Black Panther da Hyundai Rotem.

O inventário norueguês é limitado, com cerca de cerca de 50 Leopard 2A4NO, e um plano de substituição detalhado, incluindo propostas sobre números e custos, será apresentado ao Parlamento no próximo ano. Presume-se que os novos tanques possam entrar em serviço a partir de 2025. Os alemães estão atualmente renovando seus Leopard 2 para o padrão A7V e os noruegueses poderiam se juntar ao programa; no entanto, a opção coreana também é atraente.

Os coreanos são novos entrantes no mercado de blindados, com o K2 sendo um dos mais novos MBT no mundo. Além disso, as forças armadas norueguesas equiparam sua artilharia auto-propulsada com os obuseiros auto-propulsados K9 de 155/52mm sul-coreanos. Estes foram oficialmente transferidos para o Artilleribataljonen da brigada de infantaria motorizada norueguesa "Nord" (“Norte”) em SetermoenNa Noruega, o obuseiro auto-propulsado K9 é chamado de VIDAR.

Obuseiro auto-propulsado K9 VIDAR norueguês, 2019.

A aproximação com material coreano começou em maio de 2015, a Samsung Techwin juntou-se ao programa de atualização da artilharia norueguesa, competindo contra o KMW Panzerhaubitze 2000 alemão, Nexter CAESAR 8x8 francês e M109 KAWEST americano da RUAG suíça para substituir os obsoletos M109A3GNM por 24 novos sistemas. Um único K9 foi enviado à Noruega para participar da competição. Operado pela equipe de vendas, o veículo passou por testes entre novembro de 2015 a janeiro de 2016; vencendo os seus competidores.

Durante o teste de inverno de janeiro de 2016, o K9 foi o único veículo que conseguiu passar por um campo de neve com um metro de espessura e disparar seu canhão sem nenhum problema, enquanto os veículos concorrentes apresentavam problemas no motor ou peças quebradas. Além disso, o motor K9 foi capaz de manter o calor durante a noite simplesmente cobrindo a área com lona, permitindo assim que o motor iniciasse sem falhas no dia seguinte a -40ºC. Além disso, a suspensão hidropneumática se tornou uma grande vantagem para a mobilidade, pois seu mecanismo derreteu a neve nas partes móveis com muito mais rapidez. O resultado do teste também impactou a Finlândia e a Estônia, que foram convidadas a observarem as apresentações para a sua substituição de sua própria artilharia, o que os levou a também adquirir o K9.

De acordo com o acordo firmado em 2017 entre o Ministério da Defesa norueguês e a empresa sul-coreana Hanwha Land Systems, esta última fornecerá ao exército norueguês 24 obuses AP K9 Thunder com um novo calibre 155/52mm; com uma opção de mais 24 sistemas adicionais. Além dos obuses propriamente ditos, o contrato prevê o fornecimento de seis veículos blindados para o transporte de munições K10 no mesmo chassi, munições, simuladores, equipamentos afins, além de treinamento e suporte técnico completo para os canhões AP durante todo o seu serviço.

O K9 Thunder pesa 47 toneladas, com o potente diesel de 1000cv possibilitando velocidades de até 67 km/h e um alcance de cruzeiro 480km, e contendo uma tripulação de 15 militares. Ele é armado com o canhão KNUMX com um cano de calibre 155; sua a cadência de tiro chega a 52 tiros por minuto. O obuseiro pode atingir alvos com alta precisão a uma distância de mais de 5km e, ao usar projéteis inteligentes Excalibur, a uma distância de mais de 40km.

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Coréia do Sul lança sistema de artilharia avançado para o Exército Britânico


Por Dylan Malyasov, The Defence Blog, 11 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.

A Hanwha Defense, uma das maiores empresas de defesa da Coréia do Sul, está lançando seu pacote de obuseiro autopropulsado de 155mm para o Exército Britânico.

Na sexta-feira, o comunicado de imprensa da empresa disse que a Hanwha Defense está pronta para exibir sua artilharia avançada e sistemas terrestres não-tripulados, incluindo o moderno obuseiro autopropulsado K9 Thunder, na exposição Defense and Security Equipment International (DSEI) a ser realizada na ExCel London, em Londres, de 14 a 17 de setembro.

Conforme observado pela empresa, o K9 Thunder 155mm/calibre 52 é o obuseiro AP mais vendido do mundo, já que cerca de 1.700 variantes do K9 estão em serviço em sete países, incluindo Coréia do Sul, Turquia, Polônia, Finlândia, Noruega, Índia e Estônia. A Austrália seria o oitavo cliente da solução K9 com negociações em andamento.

A Hanwha Defense planeja oferecer a última variante do K9, batizada de K9A2, para o programa Plataforma de Fogos Móveis (Mobile Fires Platform, MFP) do Exército Britânico.

A versão do K9 no Reino Unido deve apresentar letalidade, proteção e mobilidade aprimoradas. Equipado com um sistema de carregamento de munição totalmente automatizado, o K9A2 deve ter uma cadência de tiro aumentada para nove tiros por minuto. A nova variante K9 também será equipada com kits de proteção contra minas e lagartas de borracha compostas.

“O Reino Unido é o primeiro mercado internacional para o qual a mais nova variante do K9 SPH está sendo oferecida e esperamos que a indústria de defesa do Reino Unido sirva como base da cadeia de suprimentos para a família global de veículos K9”, disse Sun Wi, Diretor do Programa MFP, Hanwha Defense.

Dylan Malyasov é um jornalista e comentarista de defesa dos Estados Unidos. Fotógrafo de aviação, Dylan lidera a cobertura do Defence Blog de notícias militares globais, com foco em engenharia e tecnologia em toda a indústria de defesa dos EUA.

domingo, 12 de setembro de 2021

A Artilharia da FEB na rendição da 148ª Divisão de Infantaria alemã

Soldado Francisco de Paula carregando um obus 105mm com os dizeres
"A cobra está fumando...".
(Colorização de Marina Amaral)

Valmiki Erichsen

Capitão de Artilharia

Ex-comandante da 2ª Bateria do 3º Grupo

Estamos quase no fim da Campanha da Primavera. Os alemães, descontrolados e atacados por todos os lados, procuram fugir para o norte. A Infantaria Brasileira, sem dar tréguas, persegue o inimigo na sua carreira desenfreada.

O III Grupo de Artilharia, com suas três Baterias de Tiro acantonadas em um prédio escolar, acha-se em Bibbiano à espera das suas viaturas que foram requisitadas para o transporte dos nossos infantes. É nessa situação que no dia 27 de abril de 1945, à 1h, o Comandante da 2ª Bateria (Capitão Valmiki) foi acordado pelo Capitão Piza (ST), que fazia-se acompanhar do Major Molina da AD/I, para receber a seguinte ordem: "De ordem do Senhor General Comandante da AD [Artilharia Divisionária], o Comandante do Grupo designou a 2ª Bateria para se deslocar imediatamente a fim de apoiar um ataque que iria ser feito em Fornovo di Taro, por um Batalhão do 6º RI; os canhões seriam tracionados pelos tratores do IV Grupo, que para isso seriam requisitados, enquanto a Bateria se preparava para partir."

Às 3h, tudo pronto, partimos tendo o jipe do Major Molina como guia. Este deslocamento foi feito com muita cautela, tendo o guia que bater muitas vezes nas casas para saber o caminho, até chegarmos à estrada principal. Nesta, mesmo no escuro, era fácil a caminhada porque estava toda balizada. Ao chegarmos à Cidade de Parma, encontramos algumas ambulâncias que vinham conduzindo cadáveres alemães. Desta cidade em diante a marcha foi mais vagarosa porque era necessário tomar mais precauções, pois nada se sabia da situação. Às 5h chegamos às proximidades de Collecchio e paramos, pois o inimigo havia se retirado desta localidade há 18 horas. Imediatamente depois de tomar todas as providências de segurança, segui com o Major Molina e o Capitão Piza para receber as ordens do Coronel Nelson de Mello, Comandante do Destacamento, que era o Comandante do Batalhão que ia efetuar o ataque. Como a chegada do Batalhão estava prevista só para às 9h e vendo que não havia perigo iminente, fui buscar a Bateria para dentro da cidade, onde, aproveitando a oportunidade, servi a primeira refeição aos pracinhas.

Às 9h chegou o Major Gross a quem me apresentei como Oficial de Ligação e Comandante da Bateria que veio apoiar o ataque. Quero aqui salientar que foi um prazer apoiar pela primeira nesta guerra o Batalhão do meu antigo companheiro de trabalho na EEFE [Escola de Educação Física do Exército]. Ficou então assentado que o ataque só seria desencadeado depois das 12h e que eu tomaria posição antes do início do movimento para estar em condições de atirar a qualquer momento e, mais ainda, que a Companhia de Obuses do 6º RI, comandada pelo Capitão Ventura, iria à retaguarda e só entraria em posição quando fosse necessário. Desta forma procurei logo, na redondeza, um bom lugar para ocupar posição e verifiquei pela carta que podia, se necessário fosse, bater sem mudar de posição até o objetivo final que era Fornovo.

Como toda a cidade estava situada em uma região plana, escolhi uma posição ao lado da estrada por ser de fácil acesso e por ficar abrigada pelas árvores. Abrindo um parêntesis, direi que, ao percorrer esta localidade para a escolha de posição, entrei no castelo que ali existe e fui encontrar, deitado numa cama de campanha, junto à lareira, o cadáver de um tedesco [alemão] com a cabeça enrolada em gaze e com a fisionomia perfeita, parecendo ter falecido àquela madrugada, evidenciando-se que os tedescos, na sua fuga precipitada, não tiveram nem tempo de levar todos os feridos. Ocupada a posição, como não tínhamos dados topográficos, foi a Bateria apontada pela Bússola, ficando os Tenentes Observadores Avançados encarregados de regular o tiro assim que estivessem em condições. A Bateria não havia trazido muitos tiros porque os tratores não comportavam mais do que 35 granadas.

Antes de começar o desenvolvimento do Batalhão, reuni os dois Observadores Avançados, Tenente Sá Earp, que atuaria com a 2ª Cia, e o Tenente Valença, com a 3ª Cia. Estudamos a carta, que aliás quase nada nos indicava pois era na escala de 1/100.000, e tiramos os alcances para os pontos mais fáceis de serem identificados. Tivemos que assim proceder porque era a única carta que tínhamos, tendo portanto os Observadores que seguirem para suas missões verdadeiramente no escuro. A única coisa que fiz foi dar a seguinte ordem: "Agarrem um italiano da região para identificar os pontos." Cada Observador levava a sua equipe e só nos entendíamos pelo rádio.

Às 13h começou a se movimentar pela estrada o Batalhão. Tive a impressão de estar em uma boa poltrona de um dos nossos cinemas, pois foi uma avançada cinematográfica ao encontro do inimigo. Os nossos pracinhas, alegres e cantarolando, apinharam-se em cima dos tanques americanos [M4 Shermans do 760º Batalhão de Tanques] que estavam à disposição do Batalhão. Talvez nenhum dos nossos pracinhas estivessem pensando que a morte poderia surpreendê-los a 2km à frente. Logo atrás vinham os jipes dos Comandantes Avançados. Dos lados das estradas desenvolvia-se a outra Companhia em coluna por um e a Companhia de Obuses ia após os jipes. Assim, ao lado do Comandante do Batalhão, assisti ao desenvolvimento de todos os elementos do Batalhão.

Segui em seguida com o Major Gross para o seu Posto de Comando (PC) Recuado, situado a 1km à frente do ponto de partida, onde almoçamos rapidamente e seguimos logo após para o PC Avançado, a mais 1km. Este PC que era uma casa e serviu também como meu Observatório, pois dali vi o desenrolar dos acontecimentos. Quando os tanques chegaram um pouco além do PC Avançado, começaram a receber tiros dos tedescos, tendo que desbordar para a margem esquerda da estrada. Os Infantes da 2ª Cia começaram a dar combate e progredir em direção a Talignano. A 3ª Cia se deslocou mais para a esquerda, a fim de procurar envolver o inimigo. A Artilharia continuava silenciosa, pois ainda não havia para os Observadores campo de observação. A chuva que desabou repentinamente muito atrapalhou a progressão dos Observadores, porque, com o terreno escorregadio, o transporte do rádio é bastante difícil. Desta forma, só os tanques e a Companhia dos Morteiros auxiliavam os Infantes. Foram os mesmos progredindo até que se apossaram de Talignano e desta forma, pôde o Tenente Sá Earp pedir os primeiros tiros para regular a Bateria.

Eram já 5h e a chuva tinha passado. Ocupada esta localidade, o Tenente seguiu para Gayano juntamente com o Pelotão que para lá se dirigia, não sendo possível chegar tal a intensidade do fogo inimigo. O Tenente Sá Earp presenciou uma triste ocorrência quando o Tenente Monteiro, Comandante do Pelotão de Minas do 6º RI, que ia a seu lado, foi atingido por diversos estilhaços de uma granada que arrebentou em cima deles. Gravemente ferido, foi o Tenente Monteiro logo transportado para a retaguarda. Mais tarde, vim a saber que, ao voltar a si, mandou este recado para sua progenitora: "Diga à mamãe que nunca tive medo." Hoje, o Tenente Monteiro já é Capitão e acha-se completamente restabelecido.

Do meu Observatório, que era o forro da casa, apreciei os tedescos retirando-se de Segalara. Eles corriam para fora da casa, deitavam-se, e logo depois, levantando-se, atiravam com as bazucas [Panzerschreck] contra os nossos pracinhas. Os Generais Cordeiro e Zenóbio, que estiveram lá toda a tarde, observaram também estas cenas.

Certa ocasião, quando os dois Generais acima citados com mais alguns Oficiais se dirigiam para uma casa mais avançada, os tedescos deram uma rajada de metralhadora na direção do PC, que por pouco não os atingia. Em frente ao PC, atrás de uma casa, os nossos morteiros não paravam um instante de atirar.

O Tenente Valença, que estava com a 3ª Cia, continuava desbordando pela esquerda, até que conseguiu, cerca das 20h, chegar a Segalara. Já estava escurecendo e o Tenente Valença pediu tiro fumígeno a fim de poder chegar a Gayano, que era o local de onde partiam os tiros dos tedescos. O Tenente Valença, por ser achar debaixo do fogo inimigo, custou um pouco a regular e, como a insistência dos pedidos para que a Artilharia atirasse era tão contínua, eu, ao lado do Major Gross, sem nada estar vendo, comandei uma rajada para a linha de fogo a fim de mostrar aos tedescos que possuíamos artilharia e acalmar um pouco os nossos. Mais tarde vim a saber que estes tiros foram bastante eficientes, pois o número de soldados inimigos era tão grande que em qualquer lugar que os mesmos caíssem eram sempre eficazes.

Suportaram os nossos Infantes dois contra-ataques dos tedescos e o Tenente Valença, com sua calma peculiar, satisfez todos os pedidos de tiros solicitados. Assim, ajudamos muito a Infantaria a não recuar um palmo sequer.

Cessada um pouco a violência do combate, apareceram na estrada três Oficiais alemães que vinham em nome do General Picô [Otto Fretter-Pico] propor a rendição da já célebre 148ª.

Estava eu no PC Recuado depois de ter ido à Bateria para me alimentar quando estes Oficiais lá chegaram. Daí foram levados ao Coronel Nelson de Mello em Collecchio e começaram então os entendimentos para a rendição. A Bateria atirou até às 5h da manhã do dia 28, hora em que o Comandante do III Grupo deu ordem ao Tenente Rapozo, Comandante da Linha de Fogo, para suspender os tiros.

Tenente-General Otto Fretter-Pico (à esquerda, com binóculos) rendendo-se formalmente ao General Olímpio Falconière da Cunha em nome da divisão expedicionária, 29 de abril de 1945.

Colunas de prisioneiros alemães da 148ª e da 90ª.

Soldado brasileiro, com a cobra fumando no braço, balizando prisioneiros alemães.

Esta noite dormi no PC Avançado juntamente com o Comandante do Batalhão e, à meio-noite, quando conversávamos com o Tenente Americano, que comandava o Pelotão de Tanques, o Major comunicou que talvez não tivéssemos mais que lutar, ocasião em que o Tenente Americano exclamou: "Fine".

Para os artilheiros foi um prazer saber que um dos primeiros pedidos dos Oficiais tedescos era para que os tiros de artilharia cessassem. Na manhã do dia 28 chegaram ao local do PC Avançado o Comandante da Força Expedicionária Brasileira e o Generais Zenóbio Falconière, que vieram receber a rendição.

Às 17h começou o espetáculo que nunca sairá da memória dos que tiveram a felicidade de apreciá-lo:

ERA A RENDIÇÃO DA 148ª

O Coronel Otto von Kleiber em conversações com o Major Altair Franco Ferreira para a rendição da 148ª Divisão de Infantaria, 29 de abril de 1945.
(Colorizada)

- Capitão Valmiki ErichsenA Artilharia na Rendição da 148ª Divisão de Infantaria Alemã, Revista do Exército Brasileiro, Rio de Janeiro, 122 (3): pg. 56-59, julho-setembro de 1985.

A rendição de Fornovo

(Sala de Guerra)

Bibliografia recomendada:

FEB pelo seu Comandante.
Marechal J.B. Mascarenhas.

A FEB por um soldado.
Joaquim Xavier da Silveira.

Leitura recomendada:



A FEB e os jipes12 de março de 2020.



FOTO: Alemães capturados pela 10ª Divisão de Montanha13 de agosto de 2021.

domingo, 25 de julho de 2021

VÍDEO: A Rússia acaba de lançar a primeira filmagem do S-500 SAM em ação


As imagens foram publicadas pelo Ministério da Defesa russo hoje, depois de 10 anos de especulação midiática russa, e publicadas pelo canal Binkov's Battlegrounds (o mesmo da invasão da Guiana Francesa), um canal de análises militares.

No vídeo é mostrada a primeira filmagem do sistema S-500 SAM em ação, acompanhada dos comentários do personagem Camarada Binkov, além de uma breve análise e comparação com outros mísseis terra-ar (SAM) russos.

O Camarada Binkov.

Leitura recomendada:




quarta-feira, 12 de maio de 2021

SCORPION: Primeiro tiro de um míssil médio transportado por um veículo blindado de reconhecimento e combate Jaguar


Por Larent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 11 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de maio de 2021.

Nos últimos meses, o Míssil de Médio Alcance (Missile Moyenne PortéeMMP), desenvolvido pela MBDA, viu várias “primeiras vezes”. Assim, em dezembro de 2020, essa munição foi disparada com sucesso por um veículo Sabre destinado às forças especiais. Em seguida, este teste foi seguido, no mês seguinte, por um novo disparo realizado por uma torre IMPACT operada remotamente, montada em um Sherpa 4x4. Este míssil foi então combinado com um drone Novadem NX-70 para um tiro "além da visão direta" por soldados de infantaria.

A lista não acabou. De fato, no dia 14 de abril, um MMP foi disparado pela primeira vez pelo Blindado de Reconhecimento e Motor de Combate (Engin blindé de reconnaissance et de combat, EBRC) Jaguar, no âmbito de um teste realizado pela Direção-Geral de Armamentos (Direction générale de l’armement, DGA)".

"Disparado do pod desdobrável da torre do Jaguar em uma configuração de dois mísseis, o MMP atingiu seu alvo", anunciou a Nexter Systems em um comunicado à imprensa em 11 de maio. “Nesta demonstração, o sistema de mísseis estava sendo operado em interface com a mira PASEO da Optrolead. O visor de vigilância de bolhas de contato permite a aquisição optrônica em tempo real, dia ou noite, e dá ao Jaguar excelentes capacidades de observação e identificação de longo alcance", precisou o fabricante.

Este tiro foi feito para a qualificação do Jaguar pela DGA. A entrega das primeiras 20 unidades deste novo veículo blindado, fruto do programa SCORPION (Synergie du contact renforcée par la polyvalence et l’infovalorisation / Sinergia do contato reforçado pela versatilidade e info-valorização), terá início em breve.

Tendo que substituir os tanques AMX-10RC e ERC-90 Sagaie, o Jaguar é equipado com uma cúpula operada remotamente que, desenvolvida pela Arquus, está equipada com um canhão telescópico de 40mm (fornecido pela CTAI) e um POD "Missile moyenne portée" ("Míssil de médio alcance"), o que lhe dará a capacidade de destruir alvos terrestres resistentes, sejam fixos ou móveis, tanto à vista quanto além da vista direta.


“Este tiro marca um importante primeiro passo nas atividades realizadas com a Nexter para o desenvolvimento da torre Jaguar e a integração do MMP em um sistema de armas com as mais modernas soluções tecnológicas. Esta configuração com dois mísseis em uma torre permite aumentar significativamente o poder de fogo do veículo", disse Frédéric Michaud, Gerente de Vendas e Desenvolvimento de Negócios do Setor Terrestre da MBDA.

“Acabamos de dar um grande passo à frente, demonstrando as habilidades técnicas de nossas equipes no projeto e desenvolvimento desta capacidade operacional única”, comentou David Marquette, gerente do projeto Jaguar na Nexter.

Como um lembrete, um chamado míssil de 5ª geração, o MMP é equipado com uma carga militar polivalente e um buscador visível/infravermelho de banda dupla não resfriado que permite "tratar" alvos quentes ou frios (abrigos reforçados, veículos blindados, etc). Usando várias tecnologias, incluindo carregamento de múltiplos efeitos, ligação de dados de fibra óptica de alto desempenho, processamento de imagem, interfaces homem-máquina, este míssil tem um alcance máximo de 5.000 metros. Já está em dotação com o Exército, que o utilizou no Sahel, como parte da Operação Barkhane.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada: