Mostrando postagens com marcador Destróieres. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Destróieres. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 5 de julho de 2017

CLASSE SEJONG (KDX III). Reinando sobre o Mar Amarelo.

FICHA TÉCNICA
Tipo: Destróier.
Tripulação: 350 tripulantes.
Data do comissionamento: Dezembro de 2008.
Deslocamento: 11000 toneladas (totalmente carregado).
Comprimento: 165 mts.
Calado: 6.25 mts.
Boca: 21 mts.
Propulsão: 4 turbinas a gás GE LM 2500 de 25000 Hp cada.
Velocidade máxima: 30 nós (56 km/h).
Alcance: 10200 Km.
Sensores: Radar multifuncional SPY-1D  (V) AEGIS, Sistema de controle de fogo AN/SPG-62. Sonar Atlas Elektronik DSQS-21BZ, Sonar rebocado Sagem MTeQ e um sistema de detecção passiva infravermelha Sagem IRST.
Armamento: 2 lançadores verticais MK-41 (um de 48 celulas e outro com 32 celulas) totalizando 80 celulas para mísseis SM-2 Block IIIB/IV Standard,  1 Lançador vertical K-VLS para 16 mísseis K-Asroc Red Shark; 1 Lançador vertical K-VLS para 32 mísseis Hyummoo III C, 4 lançadores quádruplos para 16 mísseis antinavio SSM-700K Hae Sung; 1 lançador para 21 mísseis antiaéreos RIM-116 RAM; 1 canhão MK-45 Mod 4 de 127 mm; 1 canhão Goalkeeper  CIWS de 30 mm; 2 lançadores triplos para torpedos leves K-745 Blue Shark.
Aeronaves: 2 helicópteros Agusta/ Westland Super Linx MK-99.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior
A Coreia do Sul tem sua defesa intimamente ligada a influencia militar e industrial dos Estados Unidos. Todos os meios de combate, das três forças principais de defesa da Coreia do Sul são fabricados sob licença ou tem importante participação da indústria bélica norte americana.
O navio de guerra que é foco deste artigo representa um exemplo claro dessa influência. O destróier KDX III ou, classe Sejong, como é conhecido, é o mais poderoso navio de guerra no mar amarelo e mar do Japão, onde, pode-se dizer que esse status é dividido com o destróier japonês da classe Atago, que também recebeu pesado suporte norte americano em sua concepção e construção.
Acima: O projeto da classe Sejong é baseado no destróier norte americano da classe Arleigh Burke. O navio sul coreano, no entanto, é maior e mais pesadamente armado.
O Sejong começou a ser idealizado no ano 2000 e depois de escolhido o projeto, o navio foi construído durante os anos seguintes vindo a ser lançado em maio de 2007 pela Hyundai Heavy Industries. Seu desenho é baseado no destróier norte-americano classe Arleigh Burke, na sua versão conhecida como Flight II A, cujo principal diferencial é a existência de um hangar para operar dois helicópteros de tamanho médio.  O Sejong, porém, é mais de 11 metros mais comprido, chegando aos 165 metros além e tem uma boca de 21 m. Naturalmente seu deslocamento é maior que o navio norte americano, chegando a  11000 toneladas quando totalmente carregado. Mesmo com essas dimensões maiores, o desempenho do navio no mar é ligeiramente melhor que o seu "pai ocidental".
Sua propulsão é configurada como COGAG (Combinação gás com gás), contando com 4 turbinas General Eléctric LM-2500 que produzem 25000 Hp cada permitindo ao Sejong navega a velocidade máxima de 30 nós (56 km/h), a mesma do Arleigh Burke, porém, sua autonomia é maior, chegando a 10200 km, o que lhe dá capacidade de escoltar grupos de batalha por qualquer lugar do mundo.
Acima: Embora os navios da classe Sejong sejam maiores que os seus primos da classe Arleigh Burke, seu desempenho de velocidade é o mesmo, e o navio sul coreano ainda tem maior alcance.
Sendo um navio com forte ênfase na guerra antiaérea, sua capacidade de detecção e controle do espaço aéreo é dada pelo mais capaz sistema de radar atual, o sistema AEGIS , desenvolvido nos Estados Unidos, composto pelo moderno radar SPY-1D (V). Este radar possui 4 antenas cuja disposição cobrem 360º em volta do navio permanentemente permitindo rastrear mais de 100 alvos a 450 Km de distancia de forma ininterrupta, além de ser muito mais resistente a contramedidas eletrônicas impostas pelos sistemas de guerra eletrônica inimigos. 
O radar de controle de fogo para alvos aéreos é o Mk 99 Missile Fire Control System (MFCS) que trabalha integrado com o radar AN/SPG-62 que faz a iluminação dos alvos aéreos detectados pelo radar SPY-1D para que os mísseis de defesa anti-aérea SM-2 atinjam seu alvo. Desta forma, pode-se ver que os sistemas operam de forma integrada otimizando a capacidade de resposta do navio a ameaças aéreas.
Para guerra anti-submarina, o Sejong faz uso de um sonar de casco DSQS-21BZ fornecido pela Atlas Elektronik que tem capacidade de detectar um submarino inimigo a 29,7 km. Um segundo modelo de sonar chamado MteQ, do tipo rebocado, também é empregado nesta classe.
A suíte de guerra eletrônica foi privilegiada também com o sistema SLQ-200(V) 1K conhecido, também como “Sonata” que faz a identificação de sinais de radio, radares e mísseis, identificando a ameaça e gerando uma contramedidas ativa que interfira nos equipamentos inimigos.
Acima: O sistema AEGIS composto pelas 4 antenas fixas SPY-1D (V) caracterizam o desenho do destróier da classe Sejong. Este sistema está entre os 3 mais modernos sistemas do mundo para defesa antiaérea.
O armamento da Sejong é mais pesado do que a média dos navios de guerra de sua categoria. Mesmo sendo um destróier, suas capacidades se igualam ao do cruzador classe Ticonderoga, da marinha dos Estados Unidos.
A capacidade antiaérea é garantida por 2 lançadores verticais MK-41 para mísseis Raytheon SM-2 Block IIIB/IV Standard. Um dos lançadores tem 48 células e o outro tem 32 células. O míssil SM-2 Block IIIB possui um alcance máximo de 74 km e e seu sistema de guiagem é do tipo dual, ou seja, usa dois tipos distintos de guiagem, sendo uma por radar semi ativo e a fase terminal usa um sensor infravermelho. A grande vantagem desse sistema de guiagem é a capacidade de superar eventuais contramedidas evasivas que venham a ser usadas pelo alvo. Esta versão é particularmente eficaz contra alvos em voo em baixa altitude e com RCS pequeno (alvos furtivos).
Ainda, para defesa antiaérea, há um pequeno lançador de mísseis RIM-116 RAM, com 21 mísseis. Estes pequenos mísseis são usados para defesa aproximada contra mísseis anti-navio, e projeteis guiados que penetrem na defesa externa do navio.
Acima: Os destróieres da classe Sejong são pesadamente armados e contam com a capacidade de pronto emprego de nada mais, nada menos, que 128 mísseis divididos entre mísseis antiaéreos SM-2 Block IIIB/IV Standard, mísseis anti submarino K-Asroc Red Shark e mísseis de cruzeiro Hyummoo III C. Caso colocarmos nessa conta os outros 16 mísseis anti-navio SSM-700K Hae Sung, a conta vai parar nos incríveis 144 mísseis para pronto emprego!
Um sistema de lançamento vertical para mísseis projetado na própria Coreia do Sul foi instalado e está equipado com 48 celulas divididas em 16 células para mísseis anti-submarino K-ASROC Red Shark. Este míssil tem um alcance de 19 km e está equipado com um torpedo K-745 Blue Shark que é lançado na água, na área onde o contato submarino inimigo tiver sido detectado pelos sistemas de sonares do Sejong. A partir deste momento o torpedo inicia o ataque ao submarino detectado. O alcance do torpedo K-745 Blue Shark  é de 12 km e seu sistema de guiagem se dá por sonar ativo/ passivo com alcance de 1,9 km e é equipado com uma espoleta de detonação por contato que detona sua ogiva permitindo penetrar 1,5 metros de aço.
As outras 32 células deste lançador, estão armadas com 32 mísseis de ataque terrestre Hyummoo III C, similar ao Tomahawk. Este poderoso míssil de cruzeiro é guiado por GPS e possui um alcance de 1500 km, sendo, portanto, capaz de infringir sérios danos contra alvos estratégicos inimigos bem dentro de seu território.
Voltando a tratar da capacidade de ataque anti-submarino do Segong, foram instalados dois lançadores triplos de torpedos K-745 Blue Shark, mesmo modelo usado no míssil K-ASROC.
Para guerra anti-navio, o Sejong está armado com 4 lançadores quádruplos para mísseis SSM-700K Hae Sung, cujo alcance é de 250 km e guiados por INS/GPS com radar ativo na fase terminal.
Acima: Operando de forma similar ao famoso míssil de cruzeiro norte americano BGM-109 Tomahawk, o míssil de cruzeiro Hyummoo III C, possui um alcance de 1500 km.
O armamento de tubo é composto por um canhão norte americano MK-45 Mod-4 de 127 mm instalado a frente do navio e pode ser usado tanto contra alvos de superfície, como contra alvos aéreos e seu alcance é de 24 Km. Um sistema antiaéreo tipo CIWS Goalkeeper, contendo com um canhão em calibre 30 mm é usado para defesa antiaérea de ponto.  O canhão usado no sistema é o poderoso GAU-8 da General Electric, famoso por ser usado no avião de combate A-10 Thunderbolt II contra veículos blindados. Sua cadencia é de 4200 tiros por minuto e seu alcance efetivo é de 2000 metros. O destróier Sejong opera dois helicópteros anti-submarino Agusta/ Westland Super Linx MK-99, porém pode-se operar outros modelos de dimensões similares como o Sikorsky SH-60 Seahawk.
Acima: O sistema de defesa de ponto CIWS Goalkeeper é armado com um potentíssimo canhão de 7 canos rotativos GAU-8/A Avenger em calibre 30 mm,  o mesmo usado no jato de apoio aéreo aproximado A-10C Thunderbolt II da força aérea dos Estados Unidos. São 4200 tiros por minuto capazes de destruir aeronaves e mísseis anti-navio que se aproximem do navio a uma distancia de até 2000 metros.
Os dados apresentados aqui deixam claro que a classe Sejong representa um dos mais poderosos destróieres no mundo. É certo que a estratégia de defesa da Coreia do Sul recebe influencia pesada do governo dos Estados Unidos e muito provavelmente os norte americanos até tem poder de decisão sobre o que vai ou não ser adquirido pelas forças armadas sul coreanas. Por isso, é interessante observar que o Sejong é mais bem armado que os navios da classe Arleigh Burke da marinha dos Estados Unidos e isso evidencia a importância que a capacidade antiaérea e de ataque contra alvos terrestres tem na marinha sul-coreana e na estratégia norte americana de atuação naquela região do globo. A Coreia do Norte, o inimigo numero um da Coreia do Sul, não tem, absolutamente, nada equivalente em tecnologia, poder de fogo e desempenho ao que o destróier da classe Sejong é capaz de prover e a marinha sul coreana possui, atualmente, 3 navios desta classe, com mais 3 encomendados e a serem integrados a moderna marinha da Coreia do Sul até 2022.
Acima: Na popa do Sejong podemos ver os dois hangares para operações de dois helicópteros médios, normalmente do modelo Westland Mk.99A Super Lynx. Porém o modelo norte americano SH-60 Seahawk também pode ser empregado.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

CLASSE UDALOY/ PROJECT 1155 FREGAT. O predador anti-submarino


FICHA TÉCNICA
Tipo: Destróier anti-submarino/ anti-superfície.
Tripulação:  Udaloy I: 249 homens; Udaloy II: 290 homens
Data de comissionamento: Dezembro de 1980
Deslocamento: 6700 Toneladas (carregado).
Comprimento: 163 mts.
Calado: 6,2 mts.
Boca: 19,03 mts.
Propulsão: 2 turbinas a gás M-62 que produzem 15000 hp cada, usada para manter a velocidade de cruzeiro, mas 2 turbinas M-8KF com 45000 hp cada, usada para acelerações.
Velocidade máxima: 35 nós (64 km/h).
Alcance: 19400 Km  em velocidade de cruzeiro baixa (14 nós, 26 km/h).
Sensores: UDALOY I:  Radar de busca aérea MR-700 Fregat MA Top Plate 3D com alcance máximo de 300 km; Radar de busca de superfície e aérea: MR-320M Topaz V Strut Pair com alcance de 50 km contra alvos de superfície e 267 km contra alvos aéreos; radar de controle de fogo MR-360 Podkat; Sonares: Sonar de baixa frequência Horse Jaw Bow, Sonar Horse tail VDS.
UDALOY II: Radar de busca aérea: MR-700 Fregat A Top Plate 3D com alcance máximo de 300 km; Radar de busca de superfície e aérea: MR-320M Topaz V Strut Pair com alcance de 50 km contra alvos de superfície e 267 km contra alvos aéreos; radar de controle de fogo MR-360 Podkat; radar de controle de fogo 3P37/Hot Flash; Sonares: suíte de sonar Zvezda-2 com sonar de casco MGK-345 Yake Bow, Sonar de baixa frequência Ox Tail LF
Armamento: UDALOY I:  2 canhões calibre 100 mm/ 70DP; 4 canhões AK-630 calibre 30 mm; 8 lançadores verticais para mísseis antiaéreos SA-N-9 Gauntlet (64 mísseis), 2 lançadores quádruplos de mísseis SS-N-14 Silex anti-submarino, 2 lançadores de foguetes RBU-6000 anti-submarinos, 2 lançadores quádruplos para torpedos de 533 mm SET-65 ME. UDALOY II: 2 lançadores quádruplos para mísseis anti-navio SS-N-22 Sunburn; 8 lançadores verticais para mísseis antiaéreos SA-N-9 Gauntlet (64 mísseis); 2 sistemas anti aéreos de ponto Kashtan; 1 Canhão duplo AK-130 em calibre 130 mm; 4 lançadores quadruplos de torpedos de 533 mm que podem ser armados com mísseis anti-submarinos 2  RPK-2 Viyuga/SS-N-15; 2 lançadores de foguetes RBU-6000 anti-submarinos, 2 lançadores de foguetes UDAV-1 anti-submarino.
Aeronaves: 2 helicópteros anti-submarino Kamov Ka-27PL Helix.

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S. Junior
A marinha russa possui muitos navios que são herança do período da guerra fria. Isso é mais perceptível quanto tratamos dos navios de maior porte como cruzadores e destróieres. Logo após a dissolução da União Soviética, a economia russa estava em frangalhos e a manutenção de todas as suas forças armadas foi muito dificultada com a queda do orçamento de defesa naquele momento. Assim, o desenvolvimento de novos sistemas de armas acabou sendo deixado para um momento posterior a recuperação econômica do país. O foco deste artigo trata de um dos navios que marcam uma época da marinha soviética e que hoje, depois de atualizações, continua em serviço na marinha russa. O projeto 1155 Fregat, mais conhecido no ocidente como Classe Udaloy,  teve seu desenvolvimento iniciado em 1972 e tinha objetivo de construir uma classe de destróier especializado na guerra anti-submarino. Estes poderosos navios de guerra, projetados pelo estaleiro Severnoye Design Bureau, começaram a ser construídos em 1978 pelo estaleiro Zavod 820 Yantar com o objetivo de prover proteção anti-submarino contra as forças navais da Otan que estavam em franca expansão e cuja esquadra de submarinos já preocupavam o comando da marinha russa. O primeiro navio desta classe foi batizado de Udaloy e foi comissionado em 1980 sendo seguido por mais 12 embarcações da mesma classe.
Acima: Um navio da classe Udaloy aparece ao lado de um dos novos submarinos nucleares da classe Yasen
A marca registrada dessa classe é seu forte armamento para guerra anti-submarino composto por dois lançadores quádruplos de mísseis anti-submarino SS-N-14 Silex. Este enorme míssil montado dos dois lados do passadiço do navio tem um alcance de 90 km e podem transportar uma variedade de três cargas de combate como o torpedo AT-2UM, cargas de profundidade nucleares de 5 kilotons (kt), capazes de destruir um submarino a grande distancia, ou uma ogiva moldada de alto explosivo convencional que pode ser usada contra um navio. O Udaloy está equipado com dois lançadores de foguetes não guiados RBU-6000 Smerch 2 anti-submarino. Estes foguetes tem alcance de 6000 metros e transportam cargas de profundidade de 25 kg. Há, ainda, dois lançadores com quatro tubos para torpedos pesados de 533 mm SET-65ME cujo alcance é de 15 km. Mesmo sendo um navio projetado com forte ênfase na capacidade anti-submarino, o Udaloy tem 8 lançadores verticais para mísseis de defesa antiaérea de ponto SA-N-9 Gaultlet guiados por comando de radio e com alcance de 12 km. Estes excelentes mísseis possuem uma probabilidade de acerto (KP) de 95% contra aeronaves de asas fixas e uma eficiência similar contra mísseis de cruzeiro ou bombas planadoras que ataquem o navio.
O principal armamento de tubo instalado nos destróieres da classe Udaloy é composto por dois reparos com 2 canhões calibre 100 mm/ 70DP em calibre 100 mm capaz de disparar até 50 tiros por minuto e atingir um alvo a 20 km de distancia. O Udaloy possui dois hangares para operação de dois helicópteros anti-submarino Kamov Ka-27PL Helix que prestam um grande apoio na luta anti-submarino, com seus sistemas embarcados.
Acima: Nesta foto podemos ver com clareza os lançadores quádruplos de mísseis SS-N-14 Silex usados para destruir submarinos inimigos. Na versão Udaloy II, estes misseis foram substituídos pelo potente SS-N-22 Sunburn (Moskit).
No que diz respeito aos sensores, o Udaloy está equipado com um radar tridimensional de busca aérea MR-700 Fregat MA Top Plate com alcance máximo de 300 km contra alvos aéreos de grandes dimensões (um bombardeiro B-52, por exemplo) e em alta altitude. A busca de superfície fica a cargo de um radar MR-320M Topaz V Strut Pair cujo alcance é de 50 km. Este radar tem capacidade de busca aérea também, porém com alcance de 180 km, contra alvos grandes e em alta altitude. O radar de controle de fogo para os mísseis Gauntlet é o MR-360 Podkat/ Cross Sword.
A sistema de detecção anti-submarina é feita pela suíte de sonar Polinom composto pelos sonares Horse Jaw e o Horse tail que operam em baixa frequência.
Acima: O radar tridimensional MR-700 Fregat MA Top Plate, embora seja um sensor antigo e menos capaz que os equipamentos atuais, ainda é bem comum nos navios de guerra de origem soviética.
Com um deslocamento de 6700 toneladas quando tolamente carregado, o Udaloy consegue uma velocidade máxima de 35 nós (64 km/h) conseguida pela combinação de duas turbinas a gás M-62 mais duas turbinas, também a gás M-8KF, que movem dois eixos e suas respectivas hélices produzindo 120000 Hp de potencia total. Sua autonomia chega 19400 km o que somado ao excelente desempenho marinheiro do navio o coloca como um perigoso inimigo em uma batalha naval. Seu desempenho é superior ao do navio da classe Arleigh Burke, da marinha norte americana.
Acima: O desempenho de navegação dos navios desta classe é excepcional. Além de uma velocidade maior, ele também tem muito maior alcance que seus similares ocidentais.

UDALOY II
O Udaloy possui uma versão mais avançada, modificada para otimizar sua capacidade anti-navio. Esta versão, batizada de Project 1155.1 Fregat II e é conhecido na OTAN por Classe Udaloy II
As modificações nesta versão em relação ao Udaloy I são visíveis nos sistemas de armas e de sensores, sendo que a propulsão se manteve inalterada.  Assim, no que se refere ao armamento, o Udaloy II teve os mísseis SS-N-14 Silex, substituídos pelo potentíssimo míssil anti-navio SS-N-22 Sunburn (Moskit) lançados pelos mesmos lançadores quádruplos. Este míssil tem como característica sua elevadíssima velocidade de cruzeiro que atinge 2300 km/h em perfil de voo sea skimming (rasante ao mar) e possui um alcance de 250 km. Com uma ogiva de 320 kg de alto explosivo ou uma ogiva nuclear de 120 kt, este míssil é quase impossível de ser abatido pelas defesas antimíssil do inimigo. Outro míssil anti-submarino transportado pelo navio Udaloy II é o SS-N-15 Starfish (RPK-2 Viyuga) lançado de dois lançadores quádruplos de torpedos de 533 mm. Este míssil tem alcance de 45 km e usa um torpedo Type 40 próximo a área onde o alvo for detectado para que ele possa iniciar a busca pelo seu próprio sonar. 
O míssil SA-N-9, também usado na versão Udaloy II,  está apoiado por dois sistemas antiaéreo Kashtan que é composto por dois lançadores de míssil SA-N-11 Grisom com alcance de 8 km e 2 canhões GSH- 30K de 6 canos rotativos de 30 mm que são usados contra mísseis e outros projéteis de precisão que sejam lançados contra o navio. O alcance dos canhões do sistema Kashtan é de 3,5 km. O navio Udaloy II teve os dois canhões  calibre 100 mm/ 70DP substituídos por um único reparo com 2 canhões AK-130 DP cujo alcance aumentou para 23 km, porém com o sacrifício da cadencia de tiro que caiu para 40 tiros por minuto. Outro novo armamento anti-submarino  incorporado ao Udaloy II foram  dois lançadores de foguetes UDAV-1 anti-submarino que pode ser usado contra submarinos, torpedos que se aproximem e mergulhadores inimigos.
Acima: O Udaloy II teve apenas um exemplar construído. Externamente a maior diferença está na ausência de um dos canhões de 100 mm e nos lançadores quádruplos para mísseis antinavio SS-N-22 Sunburn.
Como mencionado antes, além do armamento, os sistemas eletrônicos também tem algumas diferenças entre a versão Udaloy I e Udaloy II. O Udaloy II usa um radar de busca aérea MR-700 Fregat A Top Plate 3D, cujo alcance máximo é o mesmo do modelo MA usado no navio mais antigo.
O radar de busca de superfície continuou sendo o MR-320M Topaz V Strut Pair, assim como os radares de controle de fogo MR-360 Podkat/ Cross Sword. Porém, com o sistema Kashtan, um outro tipo de radar de controle de fogo precisou ser instalado; o 3P37 Hot Flash  com duas antenas, foi adicionado para gerenciar o controle de tiro deste sistema de armas.
A sistema de detecção anti-submarina é feita pela suíte de sonar Zvezda-2 capaz de detectar um submarino inimigo a 100 km de distancia com os sonares com sonar de casco MGK-345 Yake Bow, Sonar de baixa frequência Ox Tail LF
Acima: Os navios da classe Udaloy possem um heliporto e dois hangares para operar dois helicópteros anti-submarino KA-27PL Helix
Embora seja um navio com desenho antiquado frente aos modernos navios com características furtivas em uso atualmente, o Udaloy, tem em seu forte armamento e seu excelente desempenho uma letalidade válida que deve impor respeito nas marinhas inimigas da Rússia.
Devido a incerta situação da industria naval russa, é provável que estes grandes navios de guerra permaneçam em serviço por muitos anos ainda. O Udaloy II teve apenas um exemplar construído e o sucessor destes velhos navios de guerra ainda não está em um horizonte visível. Novos navios de guerra como fragatas e cruzadores estão nos planos da marinha russa para recuperar sua capacidade e diminuir o gap tecnológico frente as marinhas ocidentais, porém, não está claro se algum deles assumirá a posição dos destróieres da classe Udaloy na marinha russa.

VÍDEO


Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estarão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

terça-feira, 22 de março de 2016

CLASSE TAKANAMI. Uma escolta antiaérea a moda antiga.


FICHA TÉCNICA
Tipo:  Destróier antiaéreo.
Tripulação:  175
Data do comissionamento:  Março de 2003.
Deslocamento:  4650 toneladas (totalmente carregado).
Comprimento:  151 mts.
Calado:  5,3 mts.
Boca:  17,4 mts.
Propulsão:  2 turbinas a gás Kawasaky Rolls Royce Spey SM-1C e 2 turbinas General Electric/ Ishikawajima Harima LM-2500 que juntas produzem 60000 hp que movem dois eixos.
Velocidade máxima: 30 nós (56 km/h)
Alcance:  8350 Km
Sensores:  Radar de busca aérea:  OPS-24 com 450 km de alcance; radar de busca de superfície OPS-28D; radar de navegação OPS-20; Radar de controle de fogo:  FCS-3; Sonar:  OQS-5 montado no casco, OQR-2 rebocado.
Armamento:  1 canhão Otobreda de127 mm, 2 canhões canhões CIWS Vulcan Phalanx MK-15 de 20 mm, 1 lançador vertical MK-41 para 32 mísseis antiaéreos ESSM ou anti submarino RUM-139 VL ASROC, 2 lançadores quádruplos de mísseis Type 90 anti-navio, 2 lançadores triplos Type 68 para torpedos leves de 324 mm.
Aeronaves:  Heliporto para operar um helicóptero médio SH-60J Seahawk.

DESCRIÇÃO
Por Carlos.E.S.Junior
A marinha do Japão, assim como todas as suas forças armadas são extremamente poderosas graças a seu intenso treinamento e a expressiva quantidade de armas que esta nação possui. Alguns desses armamentos são, realmente, o estado da arte em sua categoria como o moderno destróier classe Kongo e Atago. Porém, embora nem todos os seus sistemas de armas sejam tão modernos, ainda tem tem uma representatividade significativa na estratégia de defesa da nação do sol nascente.
O destróier classe Takanami é um desses sistemas de armas, cuja tecnologia, algo ultrapassada frente aos projetos ocidentais contemporâneos, ainda tem sua validade no campo de batalha naval. O destróier classe Takanami é derivada da classe Murasame, especializada em guerra anti-submarino. Porém o Takanami foi projetado para dar ênfase na capacidade de combate antiaéreo e assim poder participar da escolta do grupo de batalha japonês ou de seu principal aliado, os Estados Unidos.
Acima: O destróier classe Takanami representa um melhoramento em capacidade de combate antiaéreo da classe Murasame, do qual o navio herda casco e outras estruturas.
Para cumprir a missão de combate antiaéreo foi instalado um lançador de mísseis vertical MK-41 de com 32 células e que podem ser equipadas com mísseis ESSM (Envolved Sea Sparrow) ou o míssil anti submarino RUM-139 VL ASROC. O ESSM é um míssil antiaéreo cuja capacidade de interceptar até mesmo, mísseis anti-navio supersônicos é bastante importante, considerando os prováveis adversários do Japão, como China, Rússia ou Coreia do Norte. O alcance do ESSM é de 50 km e seu guiamento se dá por radar semi-ativo. Já, para atacar submarinos, é usado o míssil RUM-139 VL ASROC que tem alcance de 22 km e ele transporta um torpedo leve MK-46 que é lançado na água, próximo do submarino inimigo detectado. Esse torpedo, por sua vez, tem alcance de 11 km e faz a busca pelo alvo através de um sonar que funciona ativo e passivamente. A ogiva do MK-46 pesa 44 kg e é composta por alto explosivo PBXN-103, extremamente destrutivo. Para guerra anti-navio está instalado dois lançadores quádruplos de mísseis Type 90 SSM-1B que começaram a substituir os mísseis norte americanos RGM-84 Harpoon. O novo míssil Type 90 é mais veloz (1150 km/h) e tem maior alcance que o míssil Harpoon que ele substitui (200 km), porém seu sistema de guiamento é o mesmo, ou seja, inercial, durante o início do voo e acionando um radar ativo quando estiver próximo do alvo. O Takanami está armado com um canhão italiano Otobreda de 127 mm que consegue uma cadência de 40 tiros por minuto e cujo alcance com granadas convencionais é de 30 km. Uma nova munição assistida por foguete, chamada Volcano, tem alcance ampliado para 100 km. Para defesa antiaérea de ponto são usados dois sistemas CIWS MK-15 Phalanx. Cada sistema Phalanx é composto por um canhão de 6 canos giratórios M61 Vulcan em calibre 20 mm capaz de impor uma cadência de  4500 tiros por minuto e com um alcance efetivo de 2000 a 3000 metros.
Para guerra anti-submarino, ainda há dois lançadores triplos Type 68 para torpedos leves de 324 mm, além de poder operar um helicóptero anti-submarino Sikorsky SH-60J Seahawk.
Acima: Os navios da classe Takanami possuem, além de seu armamento orgânico, um helicóptero SH-60J Seahawk  que é usado para missões anti-submarino, busca e resgate.
O Takanami possui um deslocamento de 4650 toneladas quando totalmente carregado. Sua propulsão, do tipo COGAG (Combinação gás gás) é fornecida por duas turbinas a gás LM-2500 desenvolvida pela General Eléctric e fabricadas sob licença pela empresa japonesa Ishikawajima Harima. Estas turbonas são apoiadas por mais duas turbinas a gás Kawasaki/ Rolls Royce Spey SM-1C que juntas produzem 60000 Hp de força movendo dois eixos e suas hélices. Essa propulsão é a mesma usada no destróier Murasame, Essa composição leva a Takanami a uma velocidade máxima de 30 nós (56 km/h), perfeitamente adequado a operação em grupos de batalha centrado em porta aviões. Em velocidade de cruzeiro de 18 nós (34 km/h) o Takanami tem uma autonomia de 8350 km.
Acima: A propulsão dos destróieres da classe Takanami tem uma configuração incomum, baseada em dois sistemas a gás. 
O  radar de busca aérea usada no Takanami é o radar bidimensional OPS-24 capaz de detectar um alvo de grande tamanho (100 m2) a 450 km de distancia. Esse radar também é derivado de modelos desenvolvidos nos Estados Unidos durante o período da guerra fria. Um radar da busca de superfície OPS-28D proporciona um alcance de 74 km contra navios.O radar de navegação é um OPS-20. 
Dois radares de controle de fogo FCS-3 fazem a iluminação do alvo para os mísseis antiaéreo ESSM. Para guerra anti-submarina é usado o sonar OQS-5 que fica montado no casco do Takanami além de um radar rebocado OQR-2.
Além desses sensores, há ainda uma suíte de guerra eletrônica composta por interferidores (Jammer) NOLQ-3, iscas MK-137 anti radar (Chaffs) e um sistema de iscas anti-torpedo rebocado SLQ-25 Nixie que emite sinais que atraem o torpedo inimigo para longe do casco do navio.
Acima: A composição da suite de sensores da Takanami, embora não represente o estado da arte nesse segmento, ainda sim tem bom desempenho e é capaz de fornecer proteção para um grupo de batalha.
Embora o Takanami seja uma embarcação nova (foi comissionado em 2003), seu projeto mostra uma concepção obsoleta, porém com um armamento que provê um poder de fogo consistente e uma suíte eletrônica capaz de proporcionar sérios problemas em qualquer navio de guerra. O Takanami é um destróier ainda valido no teatro de operação em que o Japão está participando e os cinco navios dessa classe representam um obstáculo a ser estudado atentamente para uma marinha que tenha como missão atacar um grupo de batalha naval japonês. Ao todo, o Japão possui 5 navios desta classe.
Acima: Com um desing já desatualizado, os navios da classe Takanami são mais novos do que aparentam. Sua capacidade de combate permitirá que esses navios se mantenham como uma opção válida para a marinha japonesa por mais uns 20 anos.

ABAIXO TEMOS UM VÍDEO COM UM NAVIO DA CLASSE TAKANAMI EM EXERCÍCOS.



Você gosta de tecnologia militar? Fique por dentro das atuais e futuras armas que estão em combate no campo de batalha. Siga o WARFARE no TwitterFacebook.

terça-feira, 31 de março de 2015

CLASSE DARING TYPE 45. A escolta antiaérea de sua majestade.

FICHA TÉCNICA
Tipo: Destróier de escolta antiaérea..
Tripulação: 190 tripulantes mas com acomodações para 235 tripulantes.
Data do comissionamento: julho de 2009
Deslocamento: 7500 toneladas.
Comprimento: 152.4 mts.
Calado: 7,4 mts
Boca: 21,2 mts.
Propulsão: 2 turbinas a gás Rolls-Royce/ Northrop Grumman WR-21 e dois motores a diesel Wartsila 12V200 que produzem, juntos 63000 hps de potência.
Velocidade máxima: 30 nós (56 km/h)
Alcance: 13000 Km
Sensores: Radar multifunção de varredura eletrônica ativa AESA BAE SAMPSON, radar de busca de longo alcance radar de varredura eletrônica passiva (PESA) BAE/Thales S-1850. Radar Type 1047 e Type 1048. Sonar de casco MFS-7000.
Armamento: 1 lançador A-50 VLS para 48 mísseis Áster 15/ 30, 2 lançadores de quadruplos para mísseis RGM-84 Harpoon, um canhão MK-8 Mod 1 de 114 mm, 2 canhões Oerlikon de 30mm, dois sistema de defesa antiaérea de ponto CIWS MK-15 Phalanx em calibre 20 mm. Metralhadoras M-134 Minigun e FN MAG em calibre 7,62X51 mm.
Aeronaves: Um helicóptero Merlin HM-1 ou dois Lynx HMA-8  para funções antissubmarino (ASW).

DESCRIÇÃO
Por Carlos E. S. Junior
O novo destróier da classe Type 45 foi desenvolvido para substituir os velhos destróieres da classe Type 42. A principal função desta nova classe de navios de guerra é o de escolta antiaérea de longa distancia, porém, há uma importante capacidade de ataque a superfície, já que esses modernos navios estarão equipados com o míssil Harpoon. A previsão era de que fossem construídas 12 embarcações, porém em 2004, o ministro de defesa britânico reduziu para 8 e em 2008, houve nova redução para apenas 6 unidades desta classe. O projeto Type 45 foi batizado, posteriormente, de Classe Daring, nome do primeiro dos seis navios a entrar em serviço em julho de 2009. O principal contratante do projeto é a BAE, e todas as  seis unidades já foram entregues, sendo a ultima, o destróier Duncan, entregue em setembro de 2013. 
A história do Type 45 começa quando a Inglaterra participava do programa tri-nacional Horizon, onde junto com a França e Itália, desenvolveriam, conjuntamente um novo destróier, mas a Inglaterra se retirou deste programa em meados de 1999 devido a percepção que suas necessidades excediam os requisitos que a Horizon tinha, e seguiu seu rumo sozinha. Mesmo assim a Type 45, tem algumas soluções da Horizon incorporadas, principalmente no que diz respeito ao sistema de mísseis antiaéreo Áster (PAAMS), que na Inglaterra, se chama "Sea Viper".

Acima: Os navios da classe Type 45, agora batizadas de "classe Daring" apresentam um desenho com linhas que diminuem sua assinatura de radar. Este será o principal navio de escolta da Royal Navy nesta primeira metade do século XXI.
A propulsão da classe Daring é feita por duas turbinas a gás Rolld-Royce WR-21 de nova geração que possui um sistema de recuperação de energia térmica que proporciona uma economia de combustível para o navio. Esse motor tem apoio de dois motores a diesel Wartsila 12V200 que alimentam as baterias de motores elétricos. Esse conjunto de propulsão produz 63000 Hps de potência jogados em dois eixos e duas hélices que são capazes de levar as 7500 toneladas de deslocamento deste navio a uma velocidade máxima de 30 nós (56 Km/h), sendo  que sua autonomia pode chegar, se mantiver velocidade de cruzeiro econômica (18 nós ou 33 km/h) a 13000 Km, o que  é suficiente para dar capacidade de operações em qualquer parte do planeta.
Acima: Um super porta aviões dos Estados Unidos da classe Nimitz, mais precisamente o USS Dwight D. Eisenhower (CVN-69), escoltado pelo terceiro navio da classe Daring, no caso o HMS Dimond (D-34).
A suíte de sensores desta classe de navio é composta por dois sistemas de radar. Um deles é o novo radar de busca aérea do tipo escaneamento eletrônico passivo (PESA) BAE/Thales S-1850, que é uma versão modificada do radar SMART-L. Sua função é executar a busca aérea e de superfície até um alcance máximo de 400 Km rastreando até 1000 alvos simultaneamente.  Já, o outro é o moderno radar multifunção de escaneamento eletrônico ativo (AESA) BAE SAMPSON cuja forma esférica é facilmente identificável no alto do mastro do navio. Esse radar, cujo alcance também atinge os 400 km, é parte integrante do sistema de defesa antiaérea Sea Viper, sendo que uma de suas funções é fornecer controle de fogo para os mísseis Aster 15/ 30. Há, ainda dois radares de apoio sendo um operado na banda I, modelo Type 1047 e outro operado nas bandas E/F modelo Type 1048, ambos fornecidos pela empresa norte americana Raytheon.
Para busca de ameaças submarinas há um sonar de média frequência do tipo MFS-7000 montado em um arco no casco. Esse sonar, inicialmente, tinha sido desenvolvido peça EDO para uma encomenda para a marinha do Brasil. Um sistema de alerta e contra medidas de torpedo SSTD providencia uma resposta de alerta automático, para um ataque de torpedo, sugerindo manobras evasivas, e lançando as iscas para se defender da ameaça. A empresa Thales será a fornecedora do sistema de contramedidas eletrônicas RESM system. Esse sistema consiste num processador de identificação de sinais emitidos, onde se pode avaliar e classificar as ameaças. Os navios da classe Type 45 terão um sistema de iscas ativas que inclui a isca”Siren” contra mísseis guiados a radar.
Acima: Aqui podemos ver o radar de busca eletrônica ativa AESA SAMPSON fabricado pela BAE. Este sistema, somado com o radar de busca eletrônica passiva S-1850 mostrado na foto de baixo, dão capacidade superior até contra alvos de baixa assinatura de radar.

O armamento da classe Daring é particularmente poderoso no que diz respeito a sua capacidade antiaérea, que é a missão principal do navio. O armamento principal é o já mencionado sistema de mísseis Sea Viper (PAAMS) armado com mísseis Aster, que consiste de um lançador vertical Silver A-50 com 48 células de lançamento, que pode ser equipado com o míssil Áster 15 cujo alcance chega a 30 km e com,o Aster 30 com 100 km de alcance. Esses mísseis são extremamente ágeis e podem manobrar a 60 Gs. O sistema de guiagem conta com um sistema inercial atualizado por datalink e um radar ativo que é ativado quando o míssil estiver próximo do alvo. Ainda tratando de mísseis, os navios da classe Daring foram armados com dois lançadores quádruplos para mísseis RGM-84 Harpoon usados para afunda navios inimigos. O Harpoon, é um armamento de origem norte americana bem conhecido tendo alcance de 140 km, transportando uma ogiva de 221 kg de alto explosivo e sua guiagem se dá por radar ativo.

Acima: A capacidade de ataque antinavio na classe Daring se dá pelo uso de 8 mísseis RGM-84 Harpoon de fabricação norte americana. Trata-se de um armamento bem conhecido e eficiente.
Já a armamento de tubo é composto por um canhão automático MK-8 Mod 1 de 114 mm está montado na proa deste navio. Esse canhão consegue atingir alvos a distancia de no máximo 22 km com granadas padrão, ou até 27 km com a nova munição ER (extended range). Nada mau para uma munição de médio calibre! A cadência de tiro chega a 25 tiros por minuto. Há ainda dois sistema antiaéreos de ponto CIWS MK-15 Phalanx composto por um canhão M-61A1 com 6 canos rotativos em calibre 20 mm, capaz de despejar 4500 tiros por minuto. Esta arma é usada como ultimo recurso para destruir mísseis que ataquem o navio é seu controle de fogo é feito por um radar que dá os parâmetros de posicionamento do alvo. Também há dois canhões Oerlikon em calibre 30 mm. Para guerra antissubmarino, o Daring não transporta armamento próprio, e depende, exclusivamente de seu elemento aéreo composto por um helicóptero antissubmarino Lynx HMA-8 que pode ser armado com torpedos leves Sting Ray ou o mais moderno helicóptero Merlin HM-1 que também pode ser armado com este mesmo tipo de torpedo. É interessante observar que existem, além destas armas principais, metralhadoras como a M-134 Minigun com 6 canos rotativos e metralhadoras FN MAG, ambas em calibre 7,62X51 mm espalhadas pelo navio.

Acima: O míssil Aster 30, componente do sistema de defesa antiaérea Sea Viper, fornece uma robusta capacidade de combate, incluindo com capacidade multi alvos.
O destróier Daring representa uma grande evolução em capacidade de controle do espaço aéreo e na letalidade em relação a seu predecessor Type-42 classe Sheffield, veterano da guerra das Malvinas, hoje chamadas de Falklands. O Daring agrega ainda capacidade de lidar com ataques de saturação e com capacidade de engajar alvos a mais de 100 km de distancia do navio ou do grupo de batalha que ele esteja escoltando. Falta-lhe, porém, uma capacidade de prestar apoio a operações em terra com o uso de mísseis de cruzeiro como o BGM-109 Tomahawk, já integrado nas forças armadas britânicas e que poderia fazer parte do arsenal deste excelente destróier dando-lhe maior flexibilidade de emprego. Porém, é evidente que, inicialmente, o objetivo que a marinha inglesa (Royal navy) dá a este vaso de superfície é exclusivo a missões de escolta antiaérea.

Acima: Nesta foto podemos ver com facilidade o hangar  da Daring e seu helicóptero Lynx HMA-8. Nop caso deste modelo, pode-se operar até dois helicópteros, ou um Helicóptero Merlin HM-1.



ABAIXO TEMOS UM VÍDEO SOBRE O DESTRÓIER CLASSE DARING TYPE 45.

Curtiu o blog WARFARE? Assine a lista de atualizações através da ferramenta de alertas na barra lateral do blog, ou pelo e-mail editorwarfare@gmail.com e siga a fanpage WARFARE no facebook pelo endereço: https://www.facebook.com/warfareblog

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

CLASSE ZUMWALT. O mais avançado navio de guerra da história.

FICHA TÉCNICA
Tipo: Destróier.
Tripulação: 142 tripulantes, já contando a ala aérea.
Data do comissionamento: Previsto para o primeiro semestre de 2015
Deslocamento: 9033 toneladas (totalmente carregado).
Comprimento: 182,88 mts.
Calado: 8,53 mts.
Boca: 24,69 mts.
Propulsão:  2 turbinas a gás Rolls-Royce MT-30 mais dois geradores  a diesel que juntos produzem 105000 SHP de potência.
Velocidade máxima: 30 nós (56 km/h)
Alcance: 8334 Km
Sensores: Radar SPY-3 DBR, sistema de proteção integrada AN/SQQ-90 composto por sonar AN/ SQR-20, AN/SQS-60 e AN/ SQS-61
Armamento: 20 lançadores verticais MK-57 com capacidade para até 80 mísseis RIM-162 ESSM, 20 mísseis SM-2ER Standard, 20 mísseis RGM-109 Tomahawk. 20 mísseis RUM-139 VL ASROC ; 2 canhões AGS de 155 mm; 2 canhões 
MK-46 Mod 2 de 30X173 mm.
Aeronaves: 2 helicópteros SH-60 Seahawk ou 3 RQ-8A Fire Scout VTUAV

DESCRIÇÃO
Por Carlos E.S Junior
A Marinha dos Estados Unidos é, com uma certa folga, a mais poderosa marinha do planeta. Porém seus principais navios de superfície como o cruzador da classe Ticonderoga e o destróier da classe Arleigh Burke, ambos já descritos neste blog, estão envelhecendo. Embora não haja duvidas sobre o excelente poder de fogo disponível nestas embarcações de combate, a verdade é que se trata de projetos com mais de 30 anos, no caso do Ticonderoga, e 25 anos no caso do Arleigh Burke. Novas tecnologias em armamentos, sensores e de engenharia incorporando característica de baixa reflexão, amplamente conhecida no meio aeronáutico sob o nome de "stealth", estão sendo introduzidos nos projetos dos mais modernos navios de guerra. A US Navy (Marinha dos Estados Unidos) se viu na necessidade e um novo navio de guerra com novas capacidades, sendo algumas dela, revolucionárias, para poder fazer  a manutenção de sua superioridade naval no seculo XXI.
Acima: O projeto DDX deveria ser base de uma família de navios de guerra com tecnologia stealth que englobaria até um cruzador.
O navio da classe Zumwalt é o resultado do projeto que, inicialmente, era chamado de DDX, e era para ser uma nova família de navios de guerra que deveria ser composta de navios de vários tamanhos, incluindo o futuro cruzador CGX. Em dezembro de 2001, a US Navy emitiu um pedido de revisão da proposta pois o projeto havia se mostrado excessivamente caro e complexo levando a uma incerteza para o futuro dessa ideia o que acabou reduzindo a encomenda para apenas 3 unidades desta classe dos inicialmente 32 navios pretendidos. Essa economia levou a aquisição de mais unidades de navios da classe Arleigh Burke para fechar a composição da armada de batalha dos Estados Unidos nesse começo de século.
Acima: Além do desenho revolucionário do Zumwalt, a sofisticação de seus sistemas resultaram numa plataforma de combate muito capaz, porém extremamente cara.
A nova classe foi batizada de Zumwalt, em homenagem ao almirante Elmo Zumwalt, com a numeração de casco DDG-1000 e o primeiro navio da classe foi entregue em maio de 2014. Sua entrada em serviço deve se dar no segundo semestre de 2015.
Quando se olha para o Zumwalt, não tem como deixar de perceber que se trata de uma maquina de guerra naval completamente nova, com um desenho absolutamente diferente do que temos visto em toda a história naval. Seu casco apresenta uma característica peculiar que é o formato da proa diferente de tudo que já vimos antes, em uma configuração "hidrodinâmica"  chamada de wavepiercing. Além disso, é muito interessante a ausência total de mastros com antenas no navio. Todos os sensores e antenas estão embutidos na estrutura do navio, deixando ele com um aspecto limpo, simples. Mesmo seus canhões, permanecem guardados dentro da torre, desenhada seguindo o padrão de baixa reflexão de radar, só sendo expostos no momento do disparo. Tudo em prol de uma agressiva diminuição de sua assinatura de radar, da qual se conseguiu, segundo o site Global Security, redução de 50 vezes a seção cruzada de radar em relação aos destróieres anteriores.
Acima: Nesta foto podemos ver dois modelos em escala do Zumwalt (navio maior) e o atual destróier da classe Arleigh Burke. Notem as diferenças de design e ausência de mastros no Zumwalt.
O sistema de radar usado pelo Zumwalt será um novo e avançadíssimo radar multifuncional AN/ SPY-3 DBR, de varredura eletrônica ativa projetada para preencher todas as exigências de controle de fogo e busca para a frota americana do século 21, tanto que esse moderno radar será instalado no novo porta aviões Gerald R Ford CVN-78. Naturalmente, este radar representa a evolução natural do sistema AEGIS baseado no SPY-1 usado nos cruzadores e destróieres norte americanos atuais. O alcance estimado do SPY- 3 é de 320 km e sua operação se dá na banda X. O Zumwalt está equipado com um sistema integrado de proteção AN/SQQ-90 que tem uma suite de sonares composta por um sonar rebocado AN/ SQR-20 que opera de forma ativa e passiva, um sonar de casco AN/SQS-60 e um sonar AN/ SQS-61 também de casco mas que opera em alta frequência.
Acima: Nesta foto do primeiro navio da classe, o DDG-1000 Zumwalt mostra sua configuração wavepiercing adotada em seu casco. 
A propulsão do Zumwalt será fornecida por duas turbinas a gás Rolls-Royce MT-30 que são integrados a dois geradores diesel de emergência que operam interligados pelo sistema IPS (Integrated Power System). Esse sistema e propulsão produz 105000 hp de potencia que levam o navio a uma velocidade máxima de 30 nós (56 km/h). A autonomia é estimada em 8334 km, o que dá alcance para operar em qualquer ponto do globo com certa tranquilidade.
Uma característica muito interessante do Zumwalt que reflete sua sofisticação é o elevado grau de automação de seus sistemas permitindo uma significativa redução de sua tripulação que é de apenas 142 tripulantes. Para se ter uma ideia do que representa isso, basta olhar para o destróier da classe Arleigh Burke, da geração anterior de navios desta categoria que precisam de 346 tripulantes para operar normalmente. 
Acima: O Zumwalt será o mais avançado navio de guerra de todos os tempos, quando estiver operacional, por volta de meados de 2015.
O armamento usado no Zumwalt é um dos pontos que chamam a atenção por ser bastante pesado e poderoso. O navio tem dois canhões AGS (Advanced Gun System) que emprega munição em calibre 155 mm, que tem disponibilidade de projéteis guiados LRLAP (Long Range Land Attack Projectile) cuja precisão chega a 50 metros do ponto previsto a um alcance que pode chegar a 185 km, o que representa uma grande melhoria na efetividade desse tipo de armamento, considerando que os canhões MK-45 em calibre 127 mm, comuns nos navios anteriores, conseguem atingir alvos a apenas 24 km. Para complementar o armamento de tubo, foram instalados duas torres General Dynamics MK-46 Mod 2, que usa um canhão MK-44 Bushmaster II em calibre 30X173 mm capaz de uma cadência de 200 tiros por minutos e atingir alvos a 3000 metros. Inicialmente estava previsto o uso de canhões MK-110 MOD 0 em calibre 57 mm, mas na revisão do projeto em 2012, eles foram descartados em favor do modelo MK-46 Mod 2.
Acima: Nessa ilustração podemos observar bem como é o sistema de abrigo do canhão AGS. Observarem que o canhão de traz , o cano está exposto (e pronto para uso), enquanto que a torre da frente o canhão está oculto dentro da mesma.
Nas bordas do navio foram instalados 20 lançadores verticais modulares MK-57 capaz de operar vários modelos de mísseis como, por exemplo o míssil antiaéreo RIM-162 ESSM (até 80 mísseis divididos em 4 misseis por cada lançador), capaz de destruir uma aeronave inimiga a 50 km de distancia, usando um sistema de guiagem por radar semi ativo e um sistema inercial. O míssil SM-2ER Standard, para defesa antiaérea de longo alcance, pode ser lançado pelo mesmo lançador (um míssil por lançador). O SM-2ER Standard tem alcance de 185 km e é guiado por radar semi ativo. O RGM-109 Tomahawk, famoso por ter sido pesadamente usado contra o Iraque, também faz parte do arsenal que pode ser operado pelo lançador MK-57 (1 míssil por lançador), que é usado contra alvos de superfície podendo, dependendo da versão, atacar navios inimigos, ou alvos em terra firme, entregando uma ogiva com 450 kg de alto explosivo. O alcance da versão lançada contra alvos terrestres, chega a 1700 km, sendo guiado pelo sistema TERCOM que usa informações sobre o relevo do terreno, previamente carregado em seu computador de voo, para poder voar em baixa altitude, contornando o terreno, evitando os radares inimigos. O sistema de guiagem, conta ainda, com apoio de um sistema inercial e de GPS. Por ultimo, esses lançadores podem lançar mísseis antissubmarinos RUM-139 VL ASROC que transporta um torpedo leve MK-46 ou MK-54 até um ponto próximo do contato sonar onde o alvo foi detectado até um alcance máximo de 22 km, soltando o torpedo na água, que faz a busca pelo submarino inimigo até sua destruição. O navio será equipado com aeronaves pilotadas e não pilotadas sendo configurados para dois helicópteros navais Sikorsky SH-60 Seahawk que operam em missões antissubmarino, esclarecimento marítimo, busca e salvamento ou uma composição mista desse mesmo helicóptero mais dois ou três RQ-8A Fire Scout VTUAV (veículo de decolagem vertical sem piloto). O Fire Scout pode operar missões de reconhecimento e suporte de fogo armado com mísseis Hellfire, guiados a Laser ou bombas de planeio GBU-44 Viper Strike, guiadas por laser e GPS.
Acima: O pequeno helicópteros não tripulado da Northrop, RQ-8A Fire Scout fará parte dos recursos empregado pelo Zumwalt para operações de reconhecimento e mesmo ataque, uma vez que este VTUAV pode ser armado com mísseis Hellfire e foguetes guiados a laser.
A classe Zumwalt vai operar como um navio de suporte de fogo como um legitimo couraçado do século XXI. É claro que o navio foi otimizado para operações litorâneas e em um teatro de operações de média e alta intensidade poderá precisar de apoio de uma escolta, principalmente devido a sua limitada capacidade orgânica antissubmarino. Com apenas 3 navios encomendados, o futuro da capacidade de combate naval norte americana ainda parece nebulosa. Provavelmente, com a recuperação econômica num futuro de médio ou longo prazo, a marinha possa encomendar mais unidades desta nova classe de destróieres e ainda incorporar modificações para tornar o navio mais flexível, porém, só o tempo revelará se isso vai acontecer.



ABAIXO UM VÍDEO DO LANÇAMENTO DO DDG-1000 ZUMWALT

Curtiu o blog WARFARE? Assine a lista de atualizações através da ferramenta de alertas na barra lateral do blog, ou pelo e-mail editorwarfare@gmail.com e siga a fanpage WARFARE no facebook pelo endereço: https://www.facebook.com/warfareblog