Mostrando postagens com marcador Legião Indiana. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Legião Indiana. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 26 de agosto de 2021

FOTO: Homens da Legião Indiana da Wehrmacht

Legionários indianos da Wehrmacht sendo inspecionados por generais alemães.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de agosto de 2021.

Homens da Legião Índia Livre, 2 SS-Hauptsturmführers, 3 SS-Obersturmführers e 9 SS-Untersturmführers sendo inspecionados por generais alemães da Luftwaffe. Eles apresentam uniformes alemães com turbantes sikhs e, como os postos indicam, eles já eram parte da Waffen-SS. A Legião Indiana, assim como a Legião Árabe, era uma unidade simbólica para propaganda, sem grandes efetivos e com baixa capacidade de combate. Ela foi usada primariamente em missões contra-guerrilha, cometendo crimes contra partisans e a população civil na Holanda e na França; sendo desprezados pela população local.

A Legião Indiana (Indische Legion), oficialmente a Legião da Índia Livre (Legion Freies Indien) ou 950º Regimento de Infantaria (Indiano) (Infanterie-Regiment 950 (indisches)), foi uma unidade militar criada durante a Segunda Guerra Mundial inicialmente como parte do Exército Alemão e mais tarde da Waffen-SS a partir de agosto de 1944.

Com o objetivo de servir como força de libertação para a Índia governada pelos britânicos, era composta de prisioneiros de guerra indianos e expatriados na Europa. Devido às suas origens no movimento de independência indiana, era também conhecida como "Legião Tigre" e "Azad Hind Fauj" (Exército Nacional Indiano, tal qual o exército pró-japonês). Como parte da Waffen-SS, era conhecida como Legião Voluntária Indiana da Waffen-SS (Indische Freiwilligen Legion der Waffen-SS).

Escudo da Legião Indiana usado no braço.

O líder da independentista indiano, Subhas Chandra Bose, iniciou a formação da legião, como parte de seus esforços para conquistar a independência da Índia travando uma guerra contra a Grã-Bretanha, quando foi a Berlim em 1941 em busca de ajuda alemã. Os recrutas iniciais em 1941 eram voluntários dos estudantes indianos residentes na Alemanha na época, e um punhado de prisioneiros-de-guerra (PG) indianos que haviam sido capturados durante a Campanha do Norte da África. Posteriormente, atrairia um número maior de PG indianos como voluntários.

Embora a legião tenha sido inicialmente criada como um grupo de assalto que formaria o precursor da invasão conjunta alemã-indiana das fronteiras ocidentais da Índia britânica, apenas um pequeno contingente foi colocado em seu propósito original. Outro pequeno contingente, incluindo grande parte do corpo de oficiais indianos e da liderança dos suboficiais, foi transferido para o Exército Nacional Indiano pró-japonês no Sudeste Asiático. A maioria das tropas da Legião Indiana recebeu apenas tarefas não-combatentes na Holanda e na França até a invasão dos Aliados na Normandia. Eles viram ação na retirada diante do avanço Aliado pela França, lutando principalmente contra a Resistência Francesa.

A 9º companhia do 2º batalhão da Legião foi enviada para a Itália em 1944, onde entrou em ação contra as tropas britânicas e polonesas, sendo depois empregada em operações anti-partisans até 1945, se rendendo aos Aliados junto das demais unidades do Eixo na Itália.

Os primeiros voluntários foram feitos prisioneiros em El Mekili, durante as batalhas por Tobruk, na Líbia. No geral, havia cerca de 15.000 PG indianos na Europa, principalmente mantidos na Alemanha em 1943. Enquanto alguns permaneceram leais ao rei-imperador George VI e trataram Bose e a Legião com desprezo, a maioria foi pelo menos um pouco simpática à causa de Bose. Enquanto cerca de 2.000 se tornaram legionários, alguns outros não concluíram o treinamento devido a vários motivos e circunstâncias. No total, o tamanho máximo da Legião era de 4.500 homens formando um regimento.

O Exército Indiano Britânico organizou regimentos e unidades com base na religião e na identidade regional ou de casta. Bose procurou acabar com essa prática e construir uma identidade indiana unificada entre os homens que lutariam pela independência. Consequentemente, a Legião Indiana foi organizada como unidades mistas para que muçulmanos, hindus e sikhs servissem lado a lado. Na época de sua formação, no final de 1942, 59% dos homens da legião eram hindus, 25% eram muçulmanos, 14% eram sikhs e 2% outras religiões. Em relação ao exército indiano britânico, havia mais hindus e sikhs e menos muçulmanos.

Essa visão nacionalista impediu que a Legião Indiana fosse incorporada na Divisão SS Handschar, composta por bósnios e croatas. O próprio Hitler sugeriu que as armas da legião fossem retiradas e entregues às 18ª Divisão Panzergrenadier de Voluntários SS "Horst Wessel", composta por volksdeutsche húngaros, bradando "a Legião Indiana é uma piada!".

Dois legionários indianos, um com turbante sikh, conversam com um legionário árabe ao fundo.
Ilustração de Kevin Lyles para o livro Foreign Volunteers of the Wehrmacht 1941–45, Osprey Publishing.

A legião estava estacionada em Lacanau (perto de Bordéus) na época dos desembarques na Normandia e permaneceu lá por até dois meses após o Dia D. Em julho de 1944, a legião foi incumbida de suprimir a Resistência Francesa e capturar civis para fins de trabalhos forçados. Enquanto suprimia os partisans franceses em agosto de 1944, 25 legionários desertaram para a Resistência Francesa. Apesar da promessa de que seriam entregues às Forças Aliadas, o grupo de legionários foi executado por elementos anarquistas da Resistência.

Em 8 de agosto de 1944, Himmler autorizou a transferência de seu controle para a Waffen-SS, como o de todas as outras unidades de voluntários estrangeiras do exército alemão. A unidade foi renomeada como Indische Freiwilligen Legion der Waffen-SS.

Em 15 de agosto, a unidade deixou Lacanau para retornar à Alemanha. Foi na segunda etapa desta jornada, de Poitiers a Châteauroux, que ela sofreu sua primeira baixa em combate (Tenente Ali Khan) enquanto enfrentava forças regulares francesas na cidade de Dun. A unidade também se envolveu com blindados Aliados em Nuits-Saint-Georges enquanto recuava através do Loire para Dijon. Foi regularmente assediado pela Resistência Francesa, sofrendo mais duas baixas (Tenente Kalu Ram e Capitão Mela Ram). A unidade moveu-se da Remiremont através da Alsácia para o Campo Heuberg na Alemanha no inverno de 1944, onde permaneceu até março de 1945.

Com a iminente derrota do Terceiro Reich em maio de 1945, o restante da Legião Indiana estacionada na Alemanha buscou refúgio na neutra Suíça. Eles empreenderam uma marcha desesperada de 2,6 quilômetros ao longo das margens do Lago de Constança, tentando entrar na Suíça pelas passagens alpinas. A legião foi capturada pelas forças americanas e francesas, no entanto, e entregue às forças britânicas e indianas na Europa. Há algumas evidências de que algumas dessas tropas indianas foram fuziladas por tropas francesas marroquinas na cidade de Immenstadt após sua captura, antes que pudessem ser entregues às forças britânicas. As tropas capturadas seriam posteriormente enviadas de volta para a Índia, onde alguns seriam julgados por traição.

Depois do alvoroço que os julgamentos de indianos que serviram no Eixo causaram entre civis e militares da Índia britânica, os julgamentos dos membros da legião não foram concluídos; seu status como traidores ou heróis da independência permanecendo ambíguo.

Bibliografia recomendada:

Foreign Volunteers of the Wehrmacht 1941–45.
Carlos Caballero Jurado e Kevin Lyles.

Leitura recomendada:

Jornal saudita chama a Irmandade Muçulmana de "nazistas", 13 de abril de 2020.

GALERIA: O Steyr AUG e os fuzis bullpup na Índia, 28 de julho de 2020.

FOTO: O mais novo voluntário da Legião Francesa de Voluntários contra o Bolchevismo, 18 de dezembro de 2020.

FOTO: Soldado russo da Wehrmacht, 31 de outubro de 2020.

VÍDEO: Nós marchamos em campos largos, o hino do ROA, 4 de novembro de 2020.

VÍDEO: As Osttruppen eram apenas bucha de canhão?, 12 de fevereiro de 2021.