Mostrando postagens com marcador Foto. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Foto. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 24 de junho de 2022

FOTO: Soldado chinesa disparando um fuzil sniper pesado


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de junho de 2022.

Soldado chinesa do Exército de Libertação Popular, o pedante nome das forças armadas da China comunista, disparando o fuzil sniper pesado QBU-10 durante uma demonstração. O fuzil sniper QBU-10 ou Tipo 10 é um fuzil anti-material (calibre pesado), semi-automático, projetado e fabricado pela Norinco chinesa. O fui introduzido em serviço pela primeira vez em 2010, e equipa todas as forças chinesas. Foi relatado que o QBU-10 tem uma precisão ligeiramente melhor do que Barrett M82 americano.


O QBU-10 possui um mecanismo de ferrolho giratório operado a gás com um cano de recuo, com o recuo sendo mitigado ainda mais através de um freio de boca e almofada de recuo de borracha. O fuzil é alimentado com um carregador tipo cofre destacável de 5 tiros, e apoiado por um monopé traseiro pode fornecer uma plataforma de disparo estável. O QBU-10 pode ser desmontado em vários componentes principais, incluindo cano, receptor, coronha e punho com unidade de gatilho.

Cada QBU-10 é equipado com uma luneta de mira telescópica YMA09 (ampliação de 8x) com computador balístico integrado e telêmetro a laser. Uma unidade IR noturna adicional pode ser anexada ao osciloscópio para fornecer capacidade térmica. A unidade de mira é à prova d'água com um botão de telêmetro estendido até o guarda-mato.


Dois tipos de munições de atiradores dedicados são desenvolvidos para o QBU-10. O cartucho sniper DBT-10 de 12,7×108mm (chinês: DBT10狙击弹) apresenta um desenho de redução de resistência ao ar. A munição inteira pesa 130g, a ponta do projétil pesa 46g, com uma velocidade inicial de cerca de 820m/s. A munição multiuso DBJ-10 12,7×108mm (chinês: DBJ10多功能弹) é um tipo de munição incendiária PELE perfurante. Ou seja, a munição utiliza "penetrador com efeito lateral aprimorado" (Penetrator with enhanced lateral effectPELE), que contém substância inerte dentro do cartucho em vez de explosivos incendiários, e a substância inerte desencadeará uma onda de choque pressurizada, enviando estilhaços após a munição ter penetrado através da blindagem.

Bibliografia recomendada:

Sniper Rifles:
From the 19th to the 21st century.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

sábado, 18 de junho de 2022

FOTO: O gigante Fiat 2000 italiano

Carros de combate Fiat 3000, Renault FT-17, Schneider e Fiat 2000 no Forte Tiburtino, Roma, 1927.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 18 de junho de 2022.

Foto de propaganda mostrando os primeiros tanques italianos alinhados ao lado do gigante Fiat 2000, um projeto efêmero da indústria italiana. Os Renault FT-17 e Schneider foram carros de assalto comprados dos franceses, enquanto o Fiat 3000 foi uma evolução italiana do FT-17 com um motor mais potente e armamento italiano.

O FIAT 2000 era um veículo substancial, de dimensões comparáveis aos tanques britânicos Mark V e pesando 40 toneladas em comparação com as 28 toneladas do Mark V. O motorista estava sentado na frente, com uma visão geral muito boa consistindo de uma grande janela para a frente e pequenas brechas laterais. O gigante de aço ficou pronto apenas depois do armistício de novembro de 1918, que encerrou a Grande Guerra, e apenas dois protótipos foram feitos.


Após a guerra o FIAT 2000 foi exibido como uma das armas usadas 'para derrotar o inimigo' e os dois protótipos concluídos foram enviados para a Líbia para combater as forças de guerrilha, juntamente com outros tanques comprados da França, em uma unidade especial, a 1° Batteria autonoma carri d'assalto (1ª Bateria Autônoma de Carros de Assalto).

Na Líbia, o tanque FIAT mostrou-se capaz de atingir uma velocidade média de 4km/h, e assim, após dois meses sua carreira terminou, sendo incapaz de acompanhar a rápida movimentação do inimigo. Um permaneceu em Trípoli e o outro foi enviado para a Itália na primavera de 1919, onde se apresentou diante do Rei no Estádio de Roma. O tanque fez uma exibição convincente: subiu uma parede de 1,1m, depois enfrentou outra parede de 3,5m, que derrubou com seu peso. Em seguida, uma vala de 3m de largura foi atravessada com sucesso e várias árvores foram derrubadas. Este desempenho impressionante não reavivou o interesse no tanque pesado, no entanto, e por isso o Fiat 2000 foi abandonado.

O FIAT 2000 sobrevivente em Roma foi deixado em um depósito por vários anos, até ser enviado por ordem do Coronel Maltese ao Forte Tiburtino, arriscando-se a pegar fogo durante a viagem. Em 1934 foi novamente visto num desfile do Campo Dux, tendo sido repintado e até rearmado, com duas metralhadoras 37/40mm em vez das metralhadoras dianteiras. Mais tarde, teria sido transformado em monumento em Bolonha; depois disso seu destino é desconhecido, tal como o outro tanque que fora deixado em Trípoli.


Vídeo recomendada: A indústria de tanques italiana

quarta-feira, 8 de junho de 2022

Snipers canadenses em trajes ghillie

Dois snipers do do 1º Batalhão de Paraquedistas Canadense, 1944.
(Colorização por David Stroodle / EUA)

Por Filipe do A.Monteiro, Warfare Blog, 8 de junho de 2022.

Dois atiradores não-identificados do 1º Batalhão de Paraquedistas Canadense durante uma inspeção real em Salisbury Plain, no condado de Wiltshire na Inglaterra, em 17 de maio de 1944. Atendendo à inspeção estavam o Rei George VI, a Rainha Elizabeth e a Princesa Elizabeth (a atual monarca). Os franco-atiradores usam trajes “ghillie” e camuflaram seus fuzis Lee-Enfield No. 4 Mk. I (T); o "T" indica fuzis de sniper.

Em 1939, quando a guerra eclodiu, os britânicos ainda eram equipados com os fuzis sniper P1914 Mk. I (T) da Primeira Guerra Mundial. Afortunadamente, por conta de veteranos e militares com visão, os britânicos rapidamente estabeleceram uma escola de atiradores de elite em Bisley, seguida de outras escolas no País de Gales e na Escócia. Em 1942, um novo fuzil foi introduzido para substituir o veterano P14, o Lee-Enfield No. 4 Mk. I (T)Este era um padrão No. 4 selecionado da linha de produção e enviado para a Holland & Holland em Londres, onde foi cuidadosamente reconstruído à mão, garantindo que o cano fosse devidamente assentado e a mira e a alma do cano estivessem perfeitamente alinhadas.

Foi-lhe fornecido um conjunto de blocos de montagem de aço usinado aos quais foi montado um suporte de ferro fundido e uma mira telescópica No. 32 Mk I de 3x potência. Embora criticado pela fragilidade de seu sistema de ajuste de elevação e vento, o No. 32 mostrou-se um escopo muito durável e, em forma modificada, permaneceria em serviço até 1970. Os atiradores de elite britânicos (Reino Unido e Commonwealth) também se destacaram pelo uso de um telescópio de ampliação de 20x, que era excelente para plotar alvos, e fornecido em uma escala de 14 telescópios por batalhão de infantaria.

Sniper britânico em ação na Normandia, França, em 1944.
O esquema de camuflagem e o retículo da luneta são bem ilustrados.
(Ilustração de Peter Dennis / Sniper Rifles, Osprey Publishing)

Leitura recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Sniper Rifles:
From the 19th to the21st century.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

Tireurs d'élite na Frente Ocidental31 de março de 2022.

terça-feira, 7 de junho de 2022

FOTO: Fuzil-metralhador C2, o FAP canadense

Soldado canadense com o fuzil-metralhador C2, a versão canadense do FAP; a versão de cano pesado do FN FAL, 20 de maio de 1983.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de junho de 2022.

O Canadá foi primeiro país a adotar o FAL, antes mesmo da própria Bélgica, em 1956. Dois anos antes, o Canadá fizera com uma encomenda de 2.000 fuzis para testes. O FAL canadense seguiu o padrão imperial ("Inch pattern") e recebeu a designação C1. Sua versão mais utilizada foi o fuzil C1A1. Como todos os fuzis FAL imperiais, o C1 era apenas semiautomático, a única exceção sendo o fuzil C1D da Marinha Real Canadense. Ele tinha a opção totalmente automática para dar mais poder de fogo às equipes de abordagem, que operavam em pequenos grupos, sem a necessidade de uma arma mais pesada. 

A versão fuzil-metralhador, designada C2, usava um sistema sem guarda-mão fixo onde o bipé de ferro incorporava o guarda-mão de madeira. Neste sistema, quando o soldado fosse mudar de lugar, ele dobraria o bipé que então se tornaria o guarda-mão. Uma ideia muito boa dentro de um laboratório, mas que não levava em consideração o estresse do soldado sob fogo durante um tiroteio, e o ato de colocar a mão no cano quente em um momento de distração causaria queimaduras graves no operador do FM. Além disso, o bipé tinha o péssimo hábito de abrir sozinho durante o transporte. Outras modificações no C2 foram o cano, as miras e o carregador de 30 tiros (que causava sobreaquecimento e engripagens). Esse novo modelo FM foi considerado inferior ao equipamento que substituiu, o fuzil-metralhador Bren. Sua segunda versão foi o C2A1.

O C2A1 canadense


O FAL canadense também foi vendido à Austrália antes que a produção local fosse assumida pela Fábrica de Armas Portáteis em Lithgow, na Nova Gales do Sul. Os australianos também produziram a versão fuzil-metralhador C2 canadense sob a designação L2A1. Esse FM foi considerado insatisfatório pelos australianos e eles iniciaram o desenvolvimento duma arma melhorada chamada X2F2A2 foi iniciada usando exemplares L2A1 existentes.

As melhorias incluíram uma nova coronha com uma alavanca de transporte para a mão que não  está atirando e uma soleira de borracha. A combinação de bipé dobrando como guarda-mão foi abandonada e substituída por um bipé ajustável; o carregador de 30 tiros, responsável pela maioria das engripagens, foi abandonado em favor do carregador de 20 tiros. O novo guarda-mão tinha estojos metálicos internos e externos perfurados para resfriamento, com a manga externa protegida por uma empunhadura de liga de borracha. Um retém do conjunto do ferrolho também foi adicionado. A arma se tornou muito precisa, até mesmo podendo ser usada na função sniper com a luneta Leitz do C1 canadense. Mais melhorias levaram à versão final X3F2A2.

O FAP australiano foi cancelado abruptamente quando a Austrália entrou na Guerra do Vietnã ao lado dos Estados Unidos e o seu exército foi totalmente suprido com metralhadoras M60 americanas, tornando desnecessária a produção indígena de uma arma nova.

Bibliografia recomendada:

The FN FAL Battle Rifle.
Bob Cashner.

Leitura recomendada:


O FAL DMR neo-zelandês28 de dezembro de 2021.

sábado, 4 de junho de 2022

FOTO: Teste de resistência de ponte à moda antiga

Carros de combate T-34/85 na cidade de Kola, na URSS, em 1952.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de junho de 2022.

Teste de uma ponte velha na cidade de Kola, na região de Murmansk, no norte da da União Soviética, 1952.

O teste visava testar a resistência da ponte. Segundo a lenda, o engenheiro-chefe aguardava em um barco... embaixo da ponte.

Bibliografia recomendada:

Designing the T-34:
Genesis of the revolutionary Soviet tanl.
Peter Samsonov.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 26 de maio de 2022

FOTO: Elefantes de guerra no Vietnã

Elefantes de guerra do exército sul-vietnamita em patrulha nas Terras Altas Centrais, Vietnã do Sul, 1962.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de maio de 2022.

Esta foto, tirada por Howard Sochurek, aparece na edição de 16 de março de 1962 da revista LIFE. Essa foto aparece no livro War Elephants (2007), por John M. Kistler.

Legenda original:

"Nas costas suavemente levantadas de quatro elefantes, uma patrulha do exército vietnamita parte para as selvas montanhosas do centro do Vietnã do Sul, com suas armas prontas. Por gerações, os guerreiros da região cavalgaram para a batalha dessa maneira, e tanto o governo quanto seu inimigo ainda usam as enormes feras. Um homem a pé não pode percorrer muito mais do que cinco quilômetros por dia através da densa vegetação rasteira e um elefante pode fazer quatro vezes isso. Mas a cena arcaica desmente a verdadeira natureza da guerra selvagem do Vietnã. Em algum lugar à frente da patrulha de elefantes, as chances são fortes de que guerrilheiros inimigos com mortais armas modernas esperem emboscados."

Soldados do Exército Popular Vietnamita usando elefantes na Trilha Ho Chi Minh.

Bibliografia recomendada:

War Elephants,
John M. Kistler.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 23 de maio de 2022

O Escudo da Sardenha da 90ª Divisão Panzergrenadier

Sardinienschild da 90ª Divisão Panzergrenadier (90 PzGrenDiv)
ao lado da caderneta registo.

Por Filipe do A.Monteiro, Warfare Blog, 23 de maio de 2022.

O Escudo da Sardenha (Sardinienshild) foi adotado pela 90ª Divisão após a sua reconstrução na ilha da Sardenha, criando assim o primeiro distintivo da 90ª Afrika. Ela era usada no quepe, no gorro com pala e no casquete. O distintivo era feito no formato da Sardenha, uma ilha italiana no Mediterrâneo, em alto relevo com uma espada cruzado por cima e a localização dos portos de Olbia e Cagliari. O reverso da insígnia era oco com um broche de fixação.

A 90ª Divisão Alemã teve muitas designações, começando como Divisão Africana de "Serviços Especiais" (Division z.b.V. Afrika, a abreviatura z.b.V. significa zur besonderen Verwendung, que se traduz como "para uso especial"), sendo imediatamente renomeada 90ª Divisão Leve África (90 .leichte Afrika Division) e lutando com o Afrikakorps até a rendição da Tunísia.

Um Kubelwagen com a insígnia da divisão.

Reverso do distintivo com grampo de fixação.

Durante sua existência na África, a 90ª teve algumas unidades exóticas como a Sonderverband 88 de infiltração de longa distância no deserto e um regimento formado por alemães da Legião Estrangeira Francesa. Os alemães vasculharam a Legião Estrangeira no norte da África francesa e recrutaram à força cerca de 2.000 legionários alemães para a Wehrmacht. A maior parte desses legionários seria arregimentada no Infanterie-Regiment Afrika (mot) 361, também conhecido como Verstärktes Afrika-Regiment 361 (361º Regimento Reforçado da África), como parte da 90ª Divisão Afrika.

Destruída na Tunísia, com a maioria dos seus veteranos feitos prisioneiros na rendição de Túnis, os quadros remanescentes da divisão foram reformados na Sardenha com a incorporação dos homens da recém-criada Divisão Sardenha (Division SardinienGeneralleutnant Carl Hans Lungershausen). Esta fora criada em 12 de maio de 1943 na Sardenha a partir do estado-maior da XI Brigada de Assalto (Sturmbrigade XI). Com a ordem de 6 de julho de 1943 do chefe do OKH H Rüst e BdE AHA Ia(I) No. 3273/43 g.Kdos, a divisão foi incorporada à 90ª Divisão Panzergrenadier em 6 de julho de 1943. No entanto, o estado-maior continuou a usar o nome "Comando da Sardenha" (Kommando Sardinien) até 16 de setembro de 1943. A ordem de criação da nova divisão diz:

"Para preservar a tradição da 90ª Divisão de Infantaria, que permaneceu na África após uma luta corajosa, a Divisão da Sardenha será renomeada para 90ª Divisão Panzergrenadier".

Ordem de batalha da Divisão Sardenha:
  • Panzergrenadier-Regiment 1 Sardinien
  • Panzergrenadier-Regiment 2 Sardinien
  • Panzer-Abteilung Sardinien
  • Panzerjäger-Kompanie Sardinien
  • Artillerie-Regiment Sardinien
  • Nachrichten-Regiment Sardinien
  • Pionier-Bataillon Sardinien

Para evitar confusão ao lidar com unidades da 90ª Divisão de Infantaria Leve que ainda existiam até sua dissolução, as unidades da 90ª Divisão Panzergrenadier carregavam a designação "neu" ("nova") após a designação de tropa até 31 de dezembro de 1943. Os convalescentes da 90ª Divisão de Infantaria Leve, que ainda estavam com as tropas de substituição, seriam transferidos para a nova divisão depois de recuperarem a capacidade de serem usados ​em campanha.

Em 3 de setembro de 1943, os alemães foram pegos de surpresa pelo armistício italiano de Cassibile, e as tropas alemãs na Sardenha de súbito se viram superadas em número pelas unidades do Exército Real Italiano; então foi decidido retirar o contingente alemão. Um acordo entre o comandante divisional Generalleutnant Lungershausen e o general italiano Antonio Basso possibilitou a retirada quase sem luta entre 8 e 16 de setembro de 1943.

Panzer IV da 90ª Divisão Panzergrenadier na marina de Palau em sua retirada da Sardenha, setembro de 1943.

O escudo sobre a caderneta registro.

A 90ª Divisão Panzergrenadier foi enviada de Palau, no nordeste da Sardenha, para Bonifácio, na Córsega; e então absorveu a organização terrestre do comando da Luftwaffe na Córsega e acrescentou regulares vindos de recrutas Volksdeutsche (alemães não-cidadãos). Depois que a revolta contra os ocupantes italianos e alemães foi declarada em 9 de setembro de 1943 na Córsega, a divisão foi retirada ao longo da estrada costeira oriental de Bonifácio a Bastia. A divisão fez parte das 12.000 tropas alemãs enviadas para a ilha após o armistício italiano de 1943, lutando junto com a Sturmbrigade Reichsführer SS e 12º Batalhão de Paraquedistas do 184º Regimento FallschirmjägerA divisão foi evacuada para o continente italiano com perdas no início de outubro através da contestada cabeça-de-ponte de Bastia, enfrentando guerrilheiros do Maquis francês e tropas francesas livres desembarcadas, além de soldados italianos leais ao Reino da Itália (44ª Divisão de Infantaria Cremona e 20ª Divisão de Infantaria Friuli).

Aqui a divisão foi reorganizada para se tornar uma Divisão Panzergrenadier 43, ou seja, segundo a nova reorganização de 1943 que previa menos mão-de-obra e aumento do poder de fogo. Tendo sido transferida para o continente italiano da cabeça-de-ponte de Bastia em 3 de outubro de 1943, a divisão foi atribuída ao LXXXVII Corpo do Grupo de Exércitos C, sob o General der Infanterie Gustav-Adolf von Zangen.

Escudo da Sardenha visível no gorro de campanha do soldado à direita.
(Coleção de Antonio Scapini)


O Sardinienschild com a caixa.

A divisão foi então estacionada primeiro na Toscana perto de Pisa e depois na costa do Adriático em Gatteo a Mare. Em meados de novembro de 1943 foi transferido para a região de Abruzzo atrás da Linha Gustav. No início de dezembro, ela estava envolvida em pesados ​​combates defensivos ao sul de Ortona contra a 1ª Divisão de Infantaria Canadense do 8º Exército Britânico. Após a luta em Ortona, "Stalingrado da Itália", a 90ª foi recuada ao sul de Roma para descansar. Em janeiro de 1944, a divisão estava novamente na Linha Gustav entre Cassino e a costa do Tirreno. Desde o início de fevereiro ela lutou na Primeira e Segunda Batalhas de Monte Cassino em Monte Maiola e Monte Castellone. Após o fim da batalha, a 90ª foi transferida para a área de Roma-Ostia como reserva do grupo de exército no início de março. Em meados de maio, ela estava ao sul de Cassino, no Vale do Liri, perto de Pignataro-Pontecorvo, e participou da Quarta Batalha do Monte Cassino. Após o avanço dos Aliados, a divisão retirou-se para a Umbria antes de ser transferida para a área de Grosseto, na Toscana. Na Toscana, unidades da divisão foram usadas para combater guerrilheiros e estiveram envolvidas em batalhas defensivas contra o avanço das tropas do 5º Exército americano em Monte Amiata e perto de Volterra, entre outros lugares, antes da divisão se retirar para o Vale do Arno entre Pisa e Florença.

No final de julho de 1944, a divisão foi primeiro transferida para o Vale do Pó entre Módena e Parma e depois para a Ligúria ao norte de Gênova para descanso. Em meados de agosto, depois que os Aliados desembarcaram no sul da França, foi transferida para o Piemonte para garantir as travessias dos Alpes. A partir do final de setembro de 1944, ela estava novamente na Emilia-Romagna.

Oficial altamente condecorado da 90ª.
O Escudo da Sardenha é visível no lado esquerdo do quepe.

Outro oficial da divisão, um portador da Cruz de Cavaleiro, com o escudo claramente visível na lateral esquerda do quepe.

Em meados de dezembro de 1944, a divisão, inicialmente retida como reserva do exército, defendeu Faenza do ataque V britânico e II Corpo polonês, sofrendo pesadas perdas, mas finalmente teve que evacuar a cidade. Durante a ofensiva de primavera dos Aliados em abril de 1945, a 90ª Divisão Panzergrenadier foi novamente desdobrada como unidade de reserva. Unidades da divisão foram usadas para afastar as formações americanas da costa do Tirreno, perto de Massa, até os Apeninos Toscano-Emilianos. Após o colapso da frente alemã, os remanescentes da divisão capitularam aos Aliados ao sul do Lago de Garda no final de abril de 1945.

A divisão fora destruída próximo a Bolonha, mas alguns remanescentes dela se uniram à a 148. Infanterie-Division do Generalleutnant Otto-Fretter Pico. Blindados da 90ª em missão de reconhecimento trocaram tiros com tropas avançadas de reconhecimento da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na região de Collecchio-Fornovo di Taro, sendo capturados pela divisão brasileira na rendição de 29 de abril de 1945.

O Generalmajor Ernst-Günther Baade (esquerda), então comandante da 90ª, com um capitão em Rimini-Ancona, na Itália.
O capitão mostra o Sardinienchild no seu quepe.

Generalmajor Ernst-Günther Baade era popular entre as tropas, sendo notoriamente corajoso sob fogo e trabalhar com um estado-maior pequeno, focando os esforços na linha de frente. Ele era portador da Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho e Espadas, e também foi premiado com um Distintivo de Destruição de Tanques (Panzervernichtungsabzeichen) pela destruição de um tanque inimigo com uma arma de infantaria (incomum para um oficial-general). Baade foi ferido em 24 de abril de 1945, quando seu carro da equipe foi metralhado por um caça britânico perto de Neverstaven, em Holstein. Ele morreu de gangrena em um hospital em Bad Segeberg em 8 de maio de 1945, o dia da rendição incondicional alemã.

O comandante da 90ª (de dezembro de 1943 a dezembro de 1944) ter o Panzervernichtungsabzeichen é bastante revelador do tipo de liderança e ethos da unidade. Ele era conhecido por sua bravura e era apreciado pelos soldados. Ele ganhou sua Cruz de Cavaleiro em Bir Hakeim (1942) contra a 1ª Brigada Francesa Livre na África. O general Sir William Jackson, o historiador governamental  responsável por documentar a história oficial britânica da guerra na Itália e autor do livro The Battle for Italy (1967), considerou a 90ª Divisão Panzergrenadier um "adversário digno".

Bibliografia recomendada:

Orders, Decorations and Badges of the Third Reich
(Including the Free City of Danzig).
David Littlejohn e Coronel C. M. Dodkins.

Leitura recomendada:

sábado, 21 de maio de 2022

Spitfire sobrevoando a Córsega

Spitfire da Força Aérea Francesa Livre sobrevoando a Córsega, setembro-outubro de 1943. (ECPAD)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

Um caça Spitfire Mk. V, do grupo de caças II/7 "Nice", sobrevoa a costa da Córsega (provavelmente é a aeronave pilotada pelo tenente Jeandet) durante a libertação da Córsega, realizada de 9 de setembro a 4 de outubro de 1943.

A partir de 21 de setembro de 1943, aeronaves dos grupos de caça I/3 "Corsica" e II/7 "Nice" foram estacionadas no aeródromo Campo dell'Oro, perto de Ajaccio. Os caças ficaram responsáveis ​​por protegerem o porto de Ajaccio e a cabeça-de-praia francesa contra ataques de bombardeiros alemães.

"La Corse enfin libérée!"
Matéria de capa do jornal Le Patriote anunciando o desembarque na Córsega em 9 de setembro de 1943.

Imagens da libertação da Córsega

Franceses com a Medalha Militar no Somme

Soldados franceses após receberem a Medalha Militar no Somme, 1916.
O homem no centro tem os porta-carregadores do FM Chauchat.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

Soldados franceses ostentando a Medalha Militar (Military Medal, MM) após uma cerimônia na retaguarda durante a Batalha do Somme (21 de junho - 28 de setembro de 1916).

Os militares são de várias unidades diferentes, como se evidencia pelas numerações nos colarinhos e pelos símbolos nos capacetes, com um engenheiro usando o distintivo da armadura e um soldado colonial com a âncora junto à granada flamejante da República Francesa; do lado esquerdo, um dos soldados porta as cornetas dos Chasseurs (caçadores) no colarinho. Muitos militares já possuem condecorações francesas como a Croix de Guerre (Cruz de Guerra), todas com palma, e a Médaille Militaire (Medalha Militar).

Original em preto-e-branco do Imperial War Museum britânico.

O homem em evidência no centro é um municiador de Grupo de Combate (GC) e carrega o porta-carregador especial para o fuzil-metralhador (fusil-mitrailleur, FM) CSRG Chauchat, que usava carregadores em meia-lua semi-abertos. Estes carregadores foram motivo de muita controvérsia e, por serem uma novidade, devem ser o motivo da atenção na foto.

Atiradores de Chauchat e seus municiadores representaram uma inovação no combate de infantaria, com o moderno sistema de armas combinadas e inter-depentes, e sofreram baixas exponenciais assim como foram condecorações desproporcionalmente aos demais integrantes da infantaria.

Anverso e reverso do primeiro tipo da Military Medal (1916–1930).

A Medalha Militar foi uma condecoração militar concedida aos militares do Exército Britânico e outros ramos das forças armadas, estendida aos outros países da Commonwealth (Comunidade Britânica), abaixo do posto de oficial comissionado, por bravura em batalha em terra. O anverso possuía a efígie do Rei George V no uniforme de Marechal-de-Campo (1º tipo de 1916-1930) e o reverso a coroa com a inscrição "Por bravura em campanha". O prêmio foi estabelecido em 25 de março de 1916, com aplicação retroativa a 1914, e foi concedido aos praças por "atos de bravura e devoção ao dever sob fogo"; e foi classificado abaixo da Medalha de Conduta Distinta (Distinguished Conduct MedalDCM).

Prêmios para as forças britânicas e da Commonwealth eram anunciados no London Gazette (Gazeta de Londres), mas não prêmios honorários para as forças aliadas; listas de prêmios para forças aliadas foram publicadas pelos Arquivos Nacionais em 2018 e são mantidas em arquivos específicos do país dentro da WO 388/6. Desde 1918, os destinatários da Medalha Militar têm direito às letras pós-nominais "MM". A elegibilidade foi estendida aos soldados do Exército Indiano em 1944.

O prêmio foi descontinuado em 1993, quando foi substituído pela Cruz Militar (Military Cross), que foi estendida a todos os escalões, enquanto outras nações da Commonwealth instituíram seus próprios sistemas de premiação no período pós-guerra.

Bibliografia recomendada:

British Military Medals:
A Guide for the Collector and Family Historian.
Peter Duckers.

Leitura recomendada:


O Chauchat na Iugoslávia26 de outubro de 2020.

domingo, 15 de maio de 2022

Desfile do Exército de Defesa Nacional do Vietnã em Hanói

Exército de Defesa Nacional do Vietnã marchando na Rua República Democrática, em Hanói, em 29 de março de 1946.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de maio de 2022.

A unidade do Exército de Defesa Nacional do Vietnã desfila pela Rua República Democrática, também conhecida como Rua Cot Co e atualmente como Rua Dien Bien Phu. Esse exército paramilitar era bem treinado e defenderia Hanói contra os franceses em dezembro de 1946, sendo expelidos da cidade em fevereiro do ano seguinte.

Essa força paramilitar era melhor equipada e mais marcial que certas unidades regulares. Os oficiais carregam pistolas, os sargentos carregam submetralhadoras Sten e Thompson, os atirados de GC carregam metralhadoras Bren e os demais soldados carregam fuzis com baionetas. O comandante-em-chefe do Exército de Defesa Nacional do Vietnã desfilou de jipe com guarda-costas armados com carabinas. Os oficiais usam as divisas na gola, seguindo o sistema japonês, pois esta e outras unidades indígenas foram criadas pelos japoneses para contestarem a autoridade francesa. Dois meses depois, Ho Chi Minh regulamentou os uniformes da nova força Viet Minh, e as divisas passaram para os ombros tal qual no sistema francês.

Jovens voluntários logo antes da batalha.

Tropas coloniais do Regimento Thang-long, guarda nacional, prestes a entrar em combate, dezembro de 1946.
Um deles tem um capacete japonês, Tetsubo.

Essas forças de defesa vietnamitas 
(Tu Ve), regulares e irregulares, usaram todo tipo de equipamento à sua disposição. O jogo de tiro em primeira pessoa vietnamita 7554 ambientou a batalha de Hanói de 1946 como sua primeira fase, e o jogador é parte dos defensores vietnamitas enfrentando os franceses. Tanto os uniformes quanto as armas de ambos os lados corretamente representadas e, em dado momento, o jogador atrai um atirador francês expondo um Tetsubo numa janela.




Leitura recomendada: