Mostrando postagens com marcador França. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador França. Mostrar todas as postagens

domingo, 19 de setembro de 2021

A história futura da Jihad, com Wassim Nasr


Por David Coffey, Paris Perspective, 19 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de setembro de 2021.

No mês passado - a queda de Cabul, o 20º aniversário das atrocidades do 11 de setembro e o histórico julgamento dos ataques em Paris - foi um período de profunda turbulência emocional. A Paris Perspective (Perspectiva de Paris) faz um balanço desses eventos analisando a evolução da jihad internacional.

Não foi "nada pessoal". Isso é o que Salah Abdeslam, o principal suspeito dos massacres de 2015 que mataram 130 pessoas em Paris, disse a um tribunal francês esta semana.

Abdeslam fazia parte de uma célula do Estado Islâmico que executou os ataques com armas e bombas contra bares, restaurantes, a sala de concertos Bataclan e o estádio Stade de France em 13 de novembro, seis anos atrás.

Acredita-se que ele seja o único perpetrador sobrevivente.

O julgamento é um momento de ajuste de contas para as famílias das vítimas e milhares de outras vítimas dos horrores daquela noite. Velhas feridas estão sendo reabertas, assim como durante a recente retomada dos julgamentos militares de 11 de setembro na Baía de Guantánamo.

Agora, após a queda espetacular do Afeganistão para militantes talibãs, potências mundiais - rivais e aliadas - estão temendo um aumento na atividade terrorista, enquanto jihadistas de todo o mundo celebram a retirada caótica das forças ocidentais de Cabul.

Bom para a al-Qaeda, ruim para o Estado Islâmico


A al-Qaeda, uma insurgência sunita multinacional, vê o renascimento do Talibã como "um sinal de Deus", disse o especialista em terrorismo da France 24, Wassim Nasr, que monitora estratégias islâmicas radicais.

"Movimentos que pertencem à al-Qaeda ou simpatizantes da al-Qaeda foram encorajados porque vêem isso como uma prova de que com uma jihad paciente e armada - seguida de negociações - eles podem alcançar o que desejam."

O retorno do Emirado Islâmico do Talibã rejuvenesceu o comando central da al-Qaeda e seus afiliados. As coisas eram diferentes, no entanto, para o grupo do Estado Islâmico, que perdeu seu "califado" no Levante e viu seus líderes serem mortos por forças internacionais.

"Desde o primeiro dia da criação deste califado [do Estado Islâmico] em 2014, [a al-Qaeda] considerou-o ilegítimo", explica Nasr.

"Tive que fazer algumas perguntas a um importante líder da al-Qaeda na Península Arábica, e ele foi o primeiro a me dizer que, desde 2014, [o Estado Islâmico] era ilegítimo e [Abu Bakr] al-Baghdadi era um impostor.

"Portanto, a al-Qaeda está feliz, e o Estado Islâmico não."

Juventude desprivilegiada


Como jornalista e locutor, Nasr mantém seus ouvidos atentos, analisando problemas sociais e alcançando jovens vulneráveis nos bairros desfavorecidos da França, ou subúrbios. Pessoas desprivilegiadas nessas áreas são os principais alvos da radicalização por extremistas religiosos que são mestres na manipulação no recrutamento de jovens muitas vezes miseráveis que procuram dar sentido às suas vidas.

Abdeslam tentou usar o julgamento dos ataques em Paris como uma espécie de púlpito, e seu microfone acabou sendo silenciado por um juiz. Então, como suas palavras foram recebidas nos subúrbios, ou nos chamados "quartiers difficiles"?

Nasr diz que eles não estão prestando muita atenção. "Eles não estão seguindo essas provações. Eles não se sentem preocupados. É isso que eu sinto", diz ele. "Por outro lado, desde o primeiro dia, a mídia procurou saber o que Abdeslam iria dizer."

Como a maratona está programada para durar nove meses, as coisas podem mudar, dependendo do que Abdeslam diga ou não, acrescenta Nasr.

O mito do voto muçulmano


Desde os ataques de 2015, a França foi forçada a se olhar no espelho para reconhecer as realidades enfrentadas por sua população muçulmana e a guetização das comunidades muçulmanas. Quando se trata de representação política, no entanto, não mudou muito nos últimos seis anos. Qualquer conversa sobre um voto muçulmano enquanto a França se prepara para as eleições presidenciais de abril de 2022 é um absurdo, diz Nasr. A França não é como os outros países, porque os muçulmanos votam na direita ou na esquerda.

“Se você fala sobre os banlieus, por exemplo - o que pode ser considerado 'o voto muçulmano'? A maioria vota em Jean-Luc Melanchon, que está muito, muito à esquerda”, diz ele. “Mas se você fala sobre a participação [dos eleitores] ou de ir às urnas, ela é muito baixa. Muitas pessoas nem se dão ao trabalho de votar”.

Islamismo francês


Da turbulência dos massacres de 2015 em Paris - e dos subsequentes ataques de "lobo solitário" em todo o país - nasceu o conceito de Islam de France.

A ideia é simples: uma interpretação inclusiva e aprovada pelo Estado da fé islâmica de acordo com as normas da democracia secular da França para prevenir a radicalização e promover a integração. Mas esse roteiro para o futuro do Islã e dos muçulmanos na França alcançou muito no terreno?

Não, diz Nasr - porque o objetivo do Islam de France nunca foi político. Desde o início, foi estabelecido para monitorar opiniões extremistas provenientes de mesquitas ou imãs individuais.

"O Islã francês não deu certo. Ainda é um projeto, mas não sei se vai funcionar. Sempre que um estado se envolve em tais questões, as pessoas geralmente não o seguem", diz Nasr. Ao tentar trazer a fé islâmica para a corrente secular, se algum muçulmano em qualquer lugar do mundo vir "islam.gov", não funcionará.

No entanto, desde que Paris e outras cidades da Europa foram atingidas por ataques terroristas, o jihadismo internacional evoluiu - especialmente em resposta ao investimento global maciço em segurança, vigilância e cooperação internacional.

Todos os acusados no tribunal de Paris foram rastreados por meio da tecnologia. Então, o que mudou da perspectiva dos jihadistas? “À medida que as medidas legais evoluíram, os jihadistas adaptaram sua maneira de fazer as coisas”, explica Nasr.

As greves de 2001 e 2015 nos Estados Unidos e em Paris foram exceções. Eles envolveram reunir equipes, treiná-las, enviá-las aos países-alvo, adquirir armas e fabricar explosivos. Nos anos que se seguiram, acrescenta Nasr, tem sido muito difícil formar esse tipo de equipe e encontrar lutadores experientes dispostos a retornar a seus países de origem e atacar. No entanto, a tendência evoluiu para outra coisa.

“O Estado Islâmico alcançou o que a Al-Qaeda só poderia sonhar: conseguir incitar tantas pessoas a entrarem em ação. Ações terroristas em seus próprios países - seja como cidadãos, residentes ou refugiados”, disse Nasr.

"E esta é a tendência hoje... é menos letal do que grandes ataques como o 11 de setembro, mas o impacto político ainda é o mesmo."

O modelo de negócios da Jihad de baixo custo


Em termos monetários, os caros "espetáculos terroristas" dos últimos 20 anos estão se transformando em operações mais baratas com um "dividendo terrorista" proporcional, à medida que canais de financiamento ilícitos são fechados por meio da vigilância forense internacional das contas.

Na década de 2020, o terrorismo é mais econômico. “Não custa muito. É realmente fácil montar algo como o ataque a Cabul [aeroporto]. É um atacante suicida com um cinto explosivo”, diz Nasr.

"Isso não causa muitos danos em relação ao número de vítimas. Mas vimos o pânico que causou - os disparos do Talibã e das forças americanas - então há o impacto psicológico." Os movimentos jihadistas vivem em uma microeconomia, acumulando pequenas quantias de dinheiro ao longo do tempo para criar um gatinho maior que lhes permite conduzir suas operações de baixo custo e alto ganho, acrescenta Nasr.

O futuro é biológico?


Outro ramo evolutivo potencial para o terrorismo é a composição, vetor e entrega de armas. O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair alertou recentemente que a próxima onda de ataques provavelmente será de natureza biológica, em vez de ataques físicos tradicionais.

É assim que os jihadistas irão subverter as medidas de segurança no futuro?

Nasr acha que Blair tem razão, mas o desenvolvimento de armas químicas ou biológicas dos jihadistas é limitado. Tanto a al-Qaeda no Afeganistão quanto o Estado Islâmico no Iraque tentaram desenvolver armas químicas separadamente.

“Mas eram armas químicas de muito baixa tecnologia. E mesmo quando são usadas, as baixas foram muito baixas”, diz ele. "Mas [Blair] estava falando sobre o impacto psicológico. Eles estão tentando... você pode desenvolver a arma, mas então precisa desenvolver a habilidade de entregá-la".

Para os jihadistas, uma coisa é desenvolver armas bioquímicas em um laboratório provisório, mas outra bem diferente é "colocá-las em um avião e fazê-las funcionar".

Responsabilidade democrática


Assim, uma vez que o tribunal de Paris sobre os ataques de 13 de novembro entregue suas conclusões em nove meses, que resultado podemos esperar e como as decisões afetarão o futuro da radicalização doméstica na França?

Para Nasr, a justiça terá seguido seu curso pelo menos, ao contrário dos Estados Unidos. "Resumindo, a França e os países europeus estão fazendo o que os Estados Unidos não queriam - julgando terroristas em tribunais regulares e não em tribunais militares". Isso torna o processo judicial um processo público, o que é essencial em uma democracia.

A mensagem mais importante dos Estados Unidos - com os julgamentos do xeque Mohammed em Guantánamo - é que se trata de um julgamento militar. "Não são as regras normais. Não é um tribunal normal. Por outro lado [nos últimos 20 anos], as potências ocidentais estão usando drones para matar pessoas. E isso é extrajudicial", disse Nasr.

É aí que reside o paradoxo. "Quando você tem a oportunidade de julgar as pessoas no tribunal - como uma democracia - você deve."


Wassim Nasr é jornalista da France24 e especialista em jihadismo. Nasr é o autor do livro "État islamique, le fait accompli" (Editora Plon, 2016). Ele também é consultor do documentário Terror Studios (2016) indicado ao International Emmy Awards (2017). Siga-o em @SimNasr.

Bibliografia recomendada:

Estado Islâmico:
Desvendando o exército do terror.
Michael Weiss e Hassan Hassan.

Submissão.
Michel Houellebcq.

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Em três meses, a força Barkhane neutralizou todos os líderes do Daesh não-malinenses no Sahel


Por Laurent LagneauZone Militaire Opex360, 16 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de setembro de 2021.

Foi, portanto, no centro da noite passada que o presidente Macron anunciou a neutralização de Adnan Abou Walid al-Sahraoui, chefe do Estado Islâmico no Grande Saara (État islamique au grand Sahara, EIGS), confirmando assim um boato que circulava desde o final de agosto.

Durante uma entrevista coletiva concedida em 16 de setembro, a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, especificou que esta figura do jihadismo saheliano, responsável pela morte de 2.000 a 3.000 civis desde 2015, havia sucumbido aos ferimentos, após ter sido alvo de um ataque francês, levada a cabo no Liptako malinense, isto é, na zona das três fronteiras, mais precisamente nas proximidades de Indelimane.

Se aconteceu que líderes jihadistas foram eliminados durante operações ditas "de oportunidade", foi diferente para o "emir" do EIGS, o ataque realizado em agosto foi a culminação de vários meses de perseguição.

"Graças a uma manobra de inteligência de longo prazo e graças a várias operações para capturar combatentes perto de al-Saharoui, a força Barkhane conseguiu identificar vários locais de interesse onde o último provavelmente estaria escondido", acrescentou Parly. “Em meados de agosto, decidimos lançar uma operação voltada para esses locais. Ataques aéreos foram realizados e um deles atingiu o alvo”, acrescentou.


De fato, durante a operação "Solstice", liderada pelas forças francesas e nigerianas na região das três fronteiras, vários quadros importantes do EIGS foram capturados (como Dadi Ould Chouaïb, também conhecido como "Abou Dardar" e Sidi Ahmed Ould Mohammed, codinome Katab al-Mauritani) ou eliminado. Foi o caso de Almahmoud Al Baye codinome Ikaray), Issa Al Sahraoui, o "coordenador logístico e financeiro" do grupo jihadista e Abu Abderahmane Al Sahraoui, seu líder religioso (cadi) e número três.

A operação para neutralizar Adnan Abou Walid al-Sahraoui foi, portanto, lançada no dia 17 de agosto, em parceria com as forças armadas malinenses, na floresta Dangarous que, localizada ao sul de Indelimane, é de difícil acesso. É por esta razão que, sublinha o EMA, era então conhecido por "acampamentos de quadros e membros do EIGS, bem como nódulos logísticos".

Durante a fase inicial de inteligência (17 a 20 de agosto), um ataque aéreo já havia neutralizado dois integrantes do EIGS que viajavam em uma motocicleta. Em seguida, um grupo comando foi engajado para explorar e vasculhar a área, apoiado por drones MQ-9 Reaper e caças Mirage 2000D. Estes últimos foram chamados em várias ocasiões para visar “objetivos claramente identificados como sendo ocupados” por jihadistas.

“Os ataques foram lançados após seguir um robusto processo de seleção de alvos e com a confirmação de que os alvos pretendidos correspondiam a elementos do EIGS”, sublinhou o EMA. E assim foi no curso de um deles que Adnan Abu Walid al-Sahraoui foi mortalmente ferido.

Cadeia de comando do Daesh no Sahel.

Para a Parly, a morte de Adnan Abou Walid al-Sahraoui é um "golpe decisivo para o comando" do EIGS, bem como para sua "coesão". O Diretor-Geral da Segurança Externa (Directeur général de la sécurité extérieure, DGSE - serviço secreto), Bernard Émié, lembrou ainda que as forças francesas "neutralizaram recentemente, com base em informações consolidadas, mais de dez quadros do EIGS não-malinenses". Ele insistiu: "São seus líderes militares, seus ideólogos, seus logísticos e agora seu líder histórico que foram postos fora de ação."

Observe que o número dois do EIGS, Abdelhakim al-Sahraoui (codinome Salama Mohamed Fadhil), teria morrido em maio passado, em circunstâncias desconhecidas. Isso é de fato o que a Parly disse em julho... O que um relatório das Nações Unidas sobre o movimento jihadista, publicado logo depois, no entanto, não confirmou.

Independentemente disso, Émié advertiu que o EIGS "permaneceria ameaçador". E que, consequentemente, não foi necessário "não baixar a guarda". Segundo ele, o grupo "agora deve se estruturar em torno de seus líderes fulani", o que pode gerar tensões interétnicas na região.

As forças francesas eliminaram Adnan Abou Walid al-Sahraoui, o chefe do Estado Islâmico no Sahel


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 16 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de setembro de 2021.

No final de agosto, um boato circulando nas redes sociais indicava que o chefe do Estado Islâmico no Grande Saara (État islamique au grand Sahara, EIGS), Adnan Abou Walid al-Sahraoui, havia sido morto durante uma operação realizada pela força francesa Barkhane. O que não foi confirmado na época.

No entanto, o EIGS encontrava-se então sob pressão, vários dos seus quadros importantes tendo sido "neutralizados" durante a Operação Solstice (Solstício), liderada por forças francesas e nigerianas na região conhecida como as três fronteiras, por estar localizada na fronteira do Mali, a partir do Níger e do Burkina Faso. Em julho, a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, anunciou a captura de Sidi Ahmed Ould Mohammed (codinome Katab al-Mauritani), bem como a eliminação de Almahmoud Al Baye (codinome Ikaray), dois tenentes próximos de Adnan Abou Walid al -Sahraoui.

Além disso, o nó em torno da cabeça do EIGS estava se apertando gradualmente. Daí, sem dúvida, os rumores a seu respeito... De qualquer forma, na noite de 15 para 16 de setembro, o presidente Macron anunciou, via Twitter, que Adnan Abu Walid al-Sahraoui havia sido "neutralisé" (neutralizado) pelas forças francesas. "Este é outro grande sucesso em nossa luta contra grupos terroristas no Sahel", disse ele.

“A Nação está pensando esta noite em todos os seus heróis que morreram pela França no Sahel nas operações Serval e Barkhane, nas famílias enlutadas, em todos os seus feridos. Seu sacrifício não é em vão. Com os nossos parceiros africanos, europeus e americanos, vamos continuar esta luta”, concluiu o Chefe de Estado.

Por sua vez, Parly disse que o chefe do EIGS "morreu como resultado de um ataque da força Barkhane", sem dar mais detalhes. Ele acrescentou: "Felicito os militares e agentes de inteligência que contribuíram para esta caçada de longo prazo. É um golpe decisivo contra este grupo terrorista”.

A eliminação do chefe do EIGS ocorre pouco mais de um ano depois da de Abdelmalek Droukdel, o "emir" da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (al-Qaïda au Maghreb islamique, AQIM), durante uma operação francesa no Magrebe Islâmico, norte do Mali.

Busca de informação: Abou Walid.

Como um lembrete, Adnan Abou Walid al-Sahraoui jurou lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi, o chefe do Estado Islâmico (EI ou Daesh) em 2015, enquanto ele era membro do grupo jihadista "al-Mourabitoune", nascido de uma fusão entre o Movimento pela Singularidade e a Jihad na África Ocidental (Mouvement pour l’unicité et le jihad en Afrique de l’Ouest, MUJAO), da qual ele era o porta-voz, e os "Signatários por sangue" de Mokthar Belmokthar [que desapareceu de circulação desde então, provavelmente tendo sido morto por um ataque francês na Líbia, nota do editor].

O EI demorou a reconhecer a lealdade de al-Sahrawi, considerando assim seu grupo muito fraco. Mas ele mudou de ideia em setembro de 2016, depois que o EIGS assumiu a responsabilidade por suas primeiras ações em Burkina Faso.

Então, um ano depois, a organização jihadista estava por trás de uma emboscada que tirou a vida de quatro comandos das forças especiais americanas em Tongo Tongo (Níger). Em 2018, al-Sahraoui não foi neutralizado pela força Barkhane, durante uma operação lançada na região de Gao, em torno de Menaka e Ansongo. Nos meses seguintes, o EIGS multiplicou os ataques particularmente mortais na região das três fronteiras, infligindo pesadas perdas aos exércitos locais, bem como abusos contra a população civil.


Assim, desde o início do ano de 2021, ainda atenuado pela ação da força Barkhane, então concentrada na região das três fronteiras, o EIGS lançou uma série de ataques que mataram várias centenas de civis, tendo como pano de fundo a rivalidade com o Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos (GSIM, ligado à al-Qaeda).

“A estratégia do EIGS difere da do GSIM, limitando sua influência política. No início de 2021, o EIGS realizou grandes ataques em Burkina Faso, Mali e Níger, que mataram várias centenas de civis. Em maio, uma longa mensagem de propaganda sobre o EIGS no Níger foi publicada no Al-Naba pela estrutura central do EI para justificar os assassinatos, alegando que as vítimas haviam apoiado as autoridades locais”, explicou um recentemente um relatório das Nações Unidas.

Portanto, resta saber se a eliminação de al-Sahraoui, que, como um lembrete, ordenou pessoalmente o assassinato de seis trabalhadores humanitários franceses no Níger, resultará em uma mudança de estratégia, enquanto a França anunciou uma evolução do seu dispositivo militar no Sahel, a fim de se concentrar em rastrear chefes jihadistas e apoiar as forças armadas locais.

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Paris ameaça Bamako com retirada militar por causa do acordo com a companhia militar privada russa Wagner


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 15 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de setembro de 2021.

Fundada por Dmitri Outkine, um veterano do GRU (inteligência militar russa), com o apoio do empresário Evguéni Prigojine, um amigo próximo do Kremlin, a companhia militar privada (CMP) russa Wagner se estabeleceu na República Centro-Africana em 2018, depois que Moscou obteve autorização do Conselho de Segurança das Nações Unidas para entregar armas às Forças Armadas da África Central (FACa).

Em seguida, a proteção do presidente centro-africano, Faustin-Archange Touadéra, foi confiada a mercenários russos enquanto uma campanha de desinformação contra a França era montada. Além disso, Bangui assinou acordos de cooperação com Moscou.

No entanto, a CMP Wagner, que claramente tem interesse nos recursos minerais do país, faz mais do que treinar soldados das FACa... já que está envolvido na luta contra grupos rebeldes da África Central. Em junho, um relatório das Nações Unidas denunciou os abusos cometidos por estes últimos e seus "instrutores" russos, enquanto, ao mesmo tempo, Jean-Yves Le Drian, o ministro francês das Relações Exteriores denunciava uma "tomada de poder" em Bangui por mercenários russos.

Insígnia não-oficial de caveira do Grupo Wagner.

Este cenário se repetirá no Mali? Em todo caso, é o que sugere a informação da Reuters, confirmada por várias fontes. Assim, Bamako pretende assinar um acordo com a CMP Wagner para formar as Forças Armadas do Mali (FAMa) e para garantir "a proteção de personalidades importantes". Mas tais "serviços" não seriam gratuitos: trata-se de uma remuneração de pouco mais de 9 milhões de euros por mês e de um acesso privilegiado a três jazidas minerais (duas de ouro e uma de magnésio).

“O Mali pretende agora diversificar as suas relações a médio prazo para garantir a segurança do país. Não assinamos nada com [o Grupo] Wagner, mas estamos discutindo com todos”, disse o Ministério da Defesa do Mali, à frente do qual está o Coronel Sadio Camara, que havia completado um estágio na Rússia pouco antes do golpe de Estado de agosto de 2020 , do qual ele foi um dos atores. Mas "até agora nada foi assinado", acrescentou ele, respondendo a um pedido da AFP.

Que a Rússia esteja interessada no Mali, onde, a pedido das autoridades malinenses, a França destacou tropas para combater os grupos jihadistas que aí abundam, no âmbito da Operação Barkhane, alargada a todo o Sahel, não é surpresa. Desde a independência em 1961, Bamako estabeleceu laços estreitos com Moscou... Mas essa relação não sobreviveu à implosão da União Soviética trinta anos depois.

De qualquer forma, a perspectiva de ver mercenários russos desembarcando no Mali não agrada a Paris, que em junho anunciou uma reforma em seu aparato militar no Sahel. De fato, foi isso que Le Drian disse durante uma audiência perante o Comitê de Relações Exteriores da Assembleia Nacional em 14 de setembro.

“É absolutamente irreconciliável com a nossa presença. [...] Uma intervenção de um grupo deste tipo no Mali seria incompatível com a ação dos parceiros sahelianos e internacionais do Mali”, lançou Le Drian. “Eles se distinguiram no passado, particularmente na Síria, na República Centro-Africana, muitos com extorsões, predações, violações de todos os tipos [e] não podem corresponder a nenhuma solução”, lembrou então. Ele insistiu: “Na República Centro-Africana, isso causou uma deterioração da situação de segurança”.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

No mesmo dia, perante os deputados da Comissão de Defesa, a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, avaliou que "se as autoridades do Mali celebrassem um contrato com a companhia Wagner, seria extremamente preocupante e contraditório, incoerente com tudo o que empreendemos há anos e tudo o que pretendemos realizar em prol dos países do Sahel”.

Em seu discurso de abertura, a ministra lembrou que não havia dúvida de que a França se retiraria militarmente do Sahel.

“Não vamos sair do Sahel. Continuamos a luta contra o terrorismo. Estamos mantendo um sistema militar para continuar a apoiar nossos parceiros do Sahel, enquanto nos adaptamos à evolução da ameaça. A transformação ordenada pelo Presidente da República não é de forma alguma uma saída do Mali, mas uma reconfiguração das nossas forças para torná-las ainda mais operativas e eficazes. Recordo-vos que a instalação final das tropas francesas no Sahel continuará a contar com o compromisso permanente e consistente dos soldados franceses em conjunto com os nossos parceiros. Posso dizer que isso representará um esforço real, consistente e constante para nossos exércitos”, explicou Parly.

De qualquer forma, segundo uma fonte da AFP, a chegada da CMP Wagner ao Mali (fala-se de pelo menos mil mercenários) colocaria em causa o apoio americano às operações francesas, ou mesmo da União Europeia, com o Grupo de Forças Especiais Takuba. “Os Estados Unidos parariam tudo” e “alguns países europeus também poderiam decidir se desligar”, enfatizou.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Leitura recomendada:









segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Os Três Mosqueteiros: Prouteau, Barril e Lepouzé


Por Gilbert DeflezGIGN - Vocation: anti-terroristes, 1983.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.

Em 1982, quando o GIGN passou a ser reconhecido como a elite antiterrorista mundial, três figuras se destacaram no comando da unidade: Cpt. Christian Prouteau, Ten. Paul Barril e Ten. Lepouzé.

E não, não são quatro como no famoso romance de Alexandre Dumas, mas são três fenômenos. Cada um o mais diferente possível dos outros dois. Em primeiro lugar, está o mais curioso, o chefe. O homem-chave do G.I.G.N. Seu criador e animador até meados de 82.

Retrato do Capitão Christian Prouteau, líder do grupo de intervenção número 1 da Gendarmaria Nacional, durante uma sessão de tiro com seus homens em Fort Charenton, fevereiro de 1978. (ECPAD)

Christian Prouteau é o homem-chave da unidade: o chefe. Aos 38 anos, ele criou e animou a unidade. É o Michael Caine do filme "A Águia Pousou" (The Eagle Has Landed, 1976). A mesma elegância, a mesma irreverência ligeiramente entediada, a mesma confiança do famoso ator inglês do filme. Aos trinta e oito anos, ele representa o autêntico senhor da guerra. Um capitão ciente de suas responsabilidades e, acima de tudo, respeitoso com os extremos da vida de seus homens. Ele dificilmente entende o tipo de frase "um sacrifício humano é necessário para remover o montículo" proferida por muitos estrategistas da moda durante a guerra de 14-18 [Primeira Guerra Mundial]. Para ele, uma operação é realmente perfeita quando não há quebra e todos os seus homens voltam para casa sãos e salvos.

- “Todos os subordinados devem ter absoluta confiança em seu chefe”, ele repete com freqüência.

Esportista, sabe dar o exemplo tanto da sua bravura como das suas qualidades físicas. Faixa-preta de judô, fanático por asa-delta, pratica todas essas atividades muito variadas para manter sua esguia carcaça de um metro e noventa. Seu forte gosto pelo risco e pela aventura sempre o levaram à ação.

Coronel Kurt Steiner (Michael Caine) no filme A Águia Pousou.

Ex-oficial do Exército, ele já estava envolvido, antes de criar o G.I.G.N., com o treinamento de unidades de comandos paraquedistas da Gendarmaria. Como parte da defesa operacional do território. Ele era então o comandante de um pelotão de um esquadrão de trinta homens.

Corajoso, ele é. Ele provou isso e até pagou caro por isso. Não que ele não conheça o medo... mas ele sabe como dominá-lo perfeitamente no momento certo.

- Quando eu inicio uma operação, ele me disse um dia, fico nervoso. Com medo, se preferir. Porque sou um homem como qualquer outro. Eu apenas tento lidar com isso da melhor maneira que posso.

Psicologicamente, o personagem é tão complexo quanto o trabalho que faz. À primeira vista cortês e um tanto indiferente, muitas vezes dá a impressão de não ouvir o que lhe é dito. Na verdade, ele registra tudo. Ter essa faculdade formidável de se interessar por uma conversa enquanto pensa em outra coisa. Ele tem o ar falsamente sonhador de quem está acostumado a sondar a alma humana.

Treinamento de tiro rápido de precisão com o .357 Magnum pelos homens do GIGN no forte de Charenton, Maisons-Alfort (Val-de-Marne), fevereiro de 1978. Em primeiro plano, o Comandante Prouteau.

Eis como Eric Yung, do Quotidien de Paris, descreve o caso da embaixada do Iraque e o assassinato, por barbouzes ["barbudos", agentes secretos] da embaixada, do inspetor Capella: "Vimos o chefe do G.I.G.N. designar um por um os barbouzes iraquianos que abriram fogo contra os policiais franceses. Seu olho aguçado havia fotografado todos eles. 'Chame aquele, eu o vi atirar da janela do terceiro consulado. E este aqui, o bigodudo com os óculos pequenos. Ele estava atrás da porta da embaixada. Foi ele quem deu a ordem de atirar. Ele, o cara de terno azul, não deixe ele sair...'" Christian Prouteau não conseguiu mais resistir. Ele tinha visto tudo, notado tudo!

Um dos traços dominantes do seu caráter continua sendo seu gosto por problemas "distorcidos" ou "insolúveis". Para ele, qualquer problema, seja ele qual for, deve ter pelo menos uma solução. E ele não pararia até que a encontrasse.

Ele odeia estar errado. Em todas as coisas, ele tem vontade de convencer, usando então, para sustentar suas especulações ou suas opiniões, todos os recursos de uma dialética tão implacável quanto aguda. Quando ele se sente em apuros, às vezes pode, como tantas pessoas "muito boas", ir tão longe quanto a má-fé. Muitas vezes me perdi nas voltas e reviravoltas de seu raciocínio, sem saber muito bem de onde ele vinha.

Sem dúvida sutil e politicamente experiente, ele me deu um apelido: "Le Florentin"! Sensível e refinado como os governantes deste surpreendente principado italiano [Florença], ele mostra uma grande curiosidade pelas coisas da mente e um verdadeiro gosto pela arte e pelas coisas belas. Sua inteligência viva e lúcida está sempre alerta. Seu conhecimento é bastante eclético: ele sabe ser tão apaixonado por um livro de história contemporânea quanto por um tratado de matemática ou astronomia. Todos os grandes mistérios científicos e filosóficos de nosso tempo o interessam. A vida e a morte são parte de suas preocupações, assim como o enigma representado pelo aparecimento de OVNIs. Tendo a possibilidade de ler sobre este assunto, os inúmeros relatórios da Gendarmaria, ele professa teorias tão audaciosas quanto atraentes sobre essas aparições no céu.

Jacques Chirac, então primeiro-ministro, observa a apresentação de Christian Prouteau e da equipe do GIGN depois de Loyada, no Djibouti, 1976. Na mesa, os fuzis sniper FR-F1 com diferentes lunetas.

Técnico em eletrônica talentoso e guitarrista ocasional, ele gosta de relógios, armas e automóveis, desde que sejam velhos e luxuosos. Sem ser mundano, é um companheiro de passeio ou jantar muito agradável. Ele não desdenha o humor de vez em quando, desde que ele não seja o alvo (nem o meu humor, que ele considera muito insolente).

Posso vê-lo daqui lendo estas linhas ficando indignado, familiarmente empurrando os óculos para a ponta do nariz e murmurando: Ele não está exagerando!!

Muitas vezes me perguntei o que fez Prouteau correr. Por que esse demônio de homem continuou ao longo dos anos seu duelo infernal com a morte, sua provocação perpétua à sorte e ao perigo. Certamente não é uma questão de dinheiro, os salários da Gendarmaria, sem serem irrisórios, não são consideráveis. Claro, ele explica as motivações para essa busca contínua por uma certa ética de vida, uma concepção muito precisa de honra e serviço público.

Estas são razões lógicas, sólidas e certamente sinceras. Ainda assim, enquanto eu estudava exaustivamente "Aqueles opostos", eu me perguntei se não havia outra coisa, se o chefe do G.I.G.N. após oito anos de lutas amargas e perigosas contra o crime e a delinquência, não se sentia insatisfeito com a mediocridade dos citados adversários que havia encontrado à sua frente. Se ele não tivesse se tornado uma espécie de jogador de xadrez invicto, encontrando apenas oponentes trapaceiros e ridículos.

Porque quando você enumera seus adversários, você só descobre perdidos como em Brionne, Faverges, iluminados como em Touquet, fanáticos como em Meca, personagens repugnantes como em Clairvaux ou em Lisieux, uma guerra sem soldados como no Djibouti.

O astro Jean Gabin como o Tenente Maréchal no filme A Grande Ilusão, 1937.

Prouteau, como já disse, é um verdadeiro senhor da guerra. E, como tal, ele sem dúvida teria desejado, no fundo de si mesmo, encontrar um adversário à sua medida. Alguém que, por motivos diferentes dos seus, o confronta com sutileza, inteligência, savoir faire e dignidade. Mas, obviamente, tal homem não poderia ter sido antagônico durante nenhuma de suas intervenções.

O chefe do G.I.G.N. combateu indivíduos sem honra, muito distantes dos homens descritos por Jean Renoir em "A Grande Ilusão" (La Grande Illusion, 1937). E uma cena deste filme extraordinário vem à mente. Quando Erich Von Stroheim disse a Pierre Fresnay:

- Este é o fim dos Rauffensteins e do Boeldieu. Você não acha que é uma pena?

Paul Barril, o braço direito de Christian Prouteau.

Paul Barril não é apenas o segundo em comando do Comandante Prouteau, mas também e acima de tudo seu amigo, o companheiro que compartilha tudo. Satisfações como tristezas. Tanto as alegrias quanto os sofrimentos. Ele estava ao lado da cama de seu chefe quando este foi gravemente ferido em Pauillac. Dois anos antes, Christian o ajudara quando ele se viu no hospital. O seu pára-quedas tinha incendiado a mais de quinze metros e a terrível queda que teria matado qualquer outro o deixou acamado com múltiplas fraturas e uma coluna vertebral, para usar a sua expressão "como uma sanfona".

Sua esposa Angélica diz que quando ele teve alta do hospital, ele queria ir com ela em suas corridas diárias. (Ela também é uma atleta talentosa). Quando ela o distanciou, ele não disse nada, mas seus olhos azuis traíram seu terrível desapontamento. E ele nunca parou de progredir e superá-la. Ao recuperar sua forma, chegou facilmente, deu meia-volta e tinha seu sorriso inimitável, carnívoro e brincalhão. Ele ficou satisfeito.

Duro consigo mesmo, é também duro com seus homens, que não hesita em acordar no meio da noite para "um pequeno treino". Como somos cautelosos no G.I.G.N. quando Paul Barril fala sobre “fazer um pequeno treino”! O último pode variar de um cross-country de 50 quilômetros na chuva ou neve a uma sessão de natação de vinte e quatro horas de cada vez.

- Para ser muito bem treinado, acrescenta ele hilariante.

À direita, o Major Christian Prouteau, comandante do GIGN, e seu adjunto, o Capitão Paul Barril, em Fort Charenton, Maisons-Alfort (Val-de-Marne), março de 1982.

Eficiente, ele quer estar ciente das últimas inovações técnicas que testa com paixão. Para ele, quanto mais sofisticado for o equipamento em uma intervenção ou em um treinamento, mais chances ele terá de salvar vidas humanas. Ele disse em uma entrevista recente.

- É infantil atirar na pilha. O motivo pelo qual refinamos tanto sobre equipamentos é que queremos obter o máximo de informações possível, sem ter que derramar sangue. Para nós, esta é uma regra absoluta!

Ele também adora aparelhos eletrônicos e coisas do gênero. Explosivos e armas não guardam segredos para ele. Ele os conserta ou os transforma de vez em quando. Ao contrário do mais teórico Prouteau, ele é capaz de desmontar qualquer arma ou consertá-la.

Na presença do Ministro da Defesa, Charles Hernu, e do Comandante do GIGN, Christian Prouteau, o Capitão Barril coordena uma apresentação dinâmica, março de 1982. Barril tem os brevês paraquedista e comando.

Ele é considerado por todos os homens do grupo como um "faz-tudo genial". Se quisesse, certamente já teria vencido o Concurso Lépine [de invenções] há muito tempo. Entre outras coisas, ele não transformou os endoscópios do médico para fazer a varredura através de um orifício microscópico, dentro de uma sala? Não teve a ideia de usar estetoscópios para detectar a presença humana atrás das paredes... E todo tipo de coisa!!

Ele nunca intervém sem a sua mala Samsonite, famosa em todo o quartel de Maisons-Alfort. Seu conteúdo me deixou sonhando. Eles variam desde o minúsculo Derringer calibre 38 (todos iguais!), às barras explosivas, granadas de gás ou não e aos instrumentos bizarros que são indefiníveis para um leigo.

- Se o helicóptero do G.I.G.N. explode um dia em pleno vôo, não se surpreenda! disse-me um dia um coronel da Gendarmaria zombeteiro, Paul terá cometido um erro!!

Na intervenção, Paul e Christian formam um par surpreendente. O primeiro, intuitivo e instintivo como um animal, auxiliando o outro, mais secundário e calculista.

O Comandante Prouteau apresenta o grupo de intervenção número 1, portando cordas de rapel, após uma demonstração dinâmica em ambiente urbano em Cergy-Pontoise, em outubro de 1974. O veterano Lepouzé, bigodudo, está na extrema direita.

E então há o Tenente Lepouzé. Um fenômeno também, esse aqui. Foi ele quem, quando o G.I.G.N. foi criado, auxiliou Christian Prouteau em sua tarefa difícil e tão diferente do que havia sido tentado até então. Ele era um Adjudant na época. Ele é o veterano do grupo. Ele participou de praticamente todas as intervenções com sua discrição e eficiência usuais.

Segredo, ele não fala muito. Ele age. À primeira vista, ele tem um ar "covarde" desmentido por olhos que brilham com malícia e força silenciosa. Ele tem a cara de um velho aventureiro. Coração de ouro e "cabeça de porco" [cabeça dura, teimoso]. Foi ele quem formou os primeiros "bleusailles" [azulões] que entraram no G.I.G.N.


Extrato do livro GIGN - Vocation: anti-terroristes, 1983, edições Publi-teamde Gilbert Deflez. 

Gilbert Deflez também é o autor dos livros La Brigade des Missions Impossibles (A Brigada de Missões Impossíveis) e Le Gang Des Tractions Avant (A Gangue de Trações Dianteiras).

Bibliografia recomendada:

A História Secreta das Forças Especiais.
Éric Denécé.

Leitura recomendada:




EXCLUSIVO: Acordo que permite mercenários russos no Mali foi fechado

Malinenses seguram uma fotografia com uma imagem do Coronel Assimi Goita, líder da junta militar do Mali, e a bandeira da Rússia durante uma manifestação pró-Forças Armadas Malinenses (FAMA) em Bamako, no Mali, 28 de maio de 2021.
(REUTERS / Amadou Keita / Arquivo de foto )

Por John Irish e David Lewis, Reuters, 13 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.

Sumário
  • Acordo permitindo mercenários russos no Mali - fontes próximas
  • Paris quer evitar que o acordo seja assinado, dizem fontes
  • Pelo menos 1.000 mercenários podem estar envolvidos - duas fontes

PARIS, 13 de setembro (Reuters) - Está fechado um acordo que permitirá que mercenários russos entrem no Mali, estendendo a influência russa sobre os assuntos de segurança na África Ocidental e provocando a oposição da França, ex-potência colonial, disseram sete fontes diplomáticas e de segurança.

Paris deu início a uma campanha diplomática para impedir que a junta militar do Mali promulgasse o acordo, que permitiria que contratados militares privados russos, o Grupo Wagner, operassem na ex-colônia francesa, disseram as fontes.

Uma fonte europeia que rastreia a África Ocidental e uma fonte de segurança na região disse que pelo menos 1.000 mercenários podem estar envolvidos. Duas outras fontes acreditam que o número é menor, mas não forneceram números.

Quatro fontes disseram que o Grupo Wagner receberá cerca de 6 bilhões de francos CFA (US$ 10,8 milhões; US$ 1 = 0,8455 euros) por mês por seus serviços. Uma fonte de segurança que trabalha na região disse que os mercenários treinariam militares malinenses e forneceriam proteção para altos oficiais.

Insígnia não-oficial de caveira do Grupo Wagner.

A Reuters não pôde confirmar independentemente quantos mercenários poderiam estar envolvidos, quanto seriam compensados ou estabelecer o objetivo exato de qualquer acordo envolvendo mercenários russos para a junta militar do Mali.

A Reuters não conseguiu entrar em contato com o Grupo Wagner para comentar. O empresário russo Yevgeny Prigozhin, cujos meios de comunicação, incluindo a Reuters, estão ligados ao Grupo Wagner, nega qualquer conexão com a empresa. Seu serviço de imprensa também diz em seu site de rede social Vkontakte que Prigozhin não tem nada a ver com nenhuma companhia militar privada, não tem interesses comerciais na África e não está envolvido em nenhuma atividade lá.

Seu serviço de imprensa não respondeu imediatamente a um pedido da Reuters para comentar esta história.

Ameaça potencial ao esforço de contra-terrorismo

Mercenários Wagner na Síria.
Notar a insígnia de caveira no braço do homem de pé.

A ofensiva diplomática da França, disseram as fontes diplomáticas, inclui a ajuda de parceiros, incluindo os Estados Unidos, para persuadir a junta do Mali a não levar adiante o acordo, e o envio de diplomatas de alto escalão a Moscou e Mali para conversações.

A França teme que a chegada de mercenários russos prejudique sua operação contra-terrorista de uma década contra a al-Qaeda e os insurgentes ligados ao Estado Islâmico na região do Sahel, na África Ocidental, em um momento em que busca diminuir sua missão Barkhane de 5.000 homens para reformulá-la com mais parceiros europeus, disseram as fontes diplomáticas.

O Ministério das Relações Exteriores da França também não respondeu, mas uma fonte diplomática francesa criticou as intervenções do Grupo Wagner em outros países.

"Uma intervenção deste ator seria, portanto, incompatível com os esforços realizados pelos parceiros sahelianos e internacionais do Mali envolvidos na Coalizão pelo Sahel para a segurança e o desenvolvimento da região", disse a fonte.

Um porta-voz do líder da junta do Mali, que assumiu o poder por meio de um golpe militar em agosto de 2020, disse não ter informações sobre o acordo. "São rumores. As autoridades não comentam rumores", disse o porta-voz, Baba Cisse, que não quis comentar mais.

Um retrato do mercenário russo Maxim Kolganov, morto em combate na Síria, é retratado em um túmulo em sua cidade natal de Togliatti, Rússia, 29 de setembro de 2016.
(REUTERS / Maria Tsvetkova)

O porta-voz do ministério da defesa do Mali disse: "A opinião pública no Mali é a favor de mais cooperação com a Rússia, dada a situação de segurança em curso. Mas nenhuma decisão (sobre a natureza dessa cooperação) foi tomada."

Os ministérios da defesa e do exterior da Rússia não responderam aos pedidos de comentários, nem o Kremlin ou a presidência francesa.

A presença dos mercenários colocaria em risco o financiamento do Mali pelos parceiros internacionais e missões de treinamento aliadas que ajudaram a reconstruir o exército do Mali, disseram quatro fontes diplomáticas e de segurança.

Rivalidade na África

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

Ter mercenários russos no Mali fortaleceria a pressão da Rússia por prestígio e influência globais e seria parte de uma campanha mais ampla para sacudir a dinâmica de poder de longa data na África, disseram as fontes diplomáticas.

Mais de uma dúzia de pessoas com laços com o Grupo Wagner disseram anteriormente à Reuters que o grupo realizou missões de combate clandestinas em nome do Kremlin na Ucrânia, Líbia e Síria. As autoridades russas negam que os contratados da Wagner cumpram suas ordens.

A junta militar do Mali disse que supervisionará uma transição para a democracia que levará às eleições em fevereiro de 2022.

Como as relações com a França pioraram, a junta militar do Mali aumentou os contatos com a Rússia, incluindo o ministro da Defesa, Sadio Camara, visitando Moscou e supervisionando os exercícios com tanques em 4 de setembro.

Uma fonte importante do Ministério da Defesa do Mali disse que a visita foi no "quadro de cooperação e assistência militar" e não deu mais detalhes. O Ministério da Defesa da Rússia disse que o vice-ministro da Defesa, Alexander Fomin, se encontrou com Camara durante um fórum militar internacional e "discutiu projetos de cooperação de defesa em detalhes, bem como questões de segurança regional relacionadas à África Ocidental". Nenhum detalhe adicional foi divulgado.

O principal diplomata africano do Ministério das Relações Exteriores da França, Christophe Bigot, foi enviado a Moscou para conversações em 8 de setembro com Mikhail Bogdanov, representante de Putin no Oriente Médio e na África. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia confirmou a visita.

Bibliografia recomendada:

Bush Wars:
Africa 1960-2010.

Leitura recomendada: