quinta-feira, 5 de maio de 2022

As ruínas da cidade síria de Homs

Destruição: Esta vista aérea mostra a destruição no bairro de al-Khalidiyah, em Homs, que viu alguns dos combates mais pesados enquanto as forças do governo tentam expulsar os rebeldes.

Nota do Warfare: As atuais cenas horripilantes de destruição vistas nas cidades ucranianas são um lembrete ao confortável ocidente dos resultados destrutivos do combate de alto poder de fogo. O mesmo padrão de destruição ocorrido na Ucrânia foi realizado primeiro na Síria, conforme a doutrina russa de poder de fogo massivo.

As guerras modernas serão travadas em cidades, onde as pessoas vivem e trabalham, e a recente invasão russa à Ucrânia relembrou o público de que este tipo de ocorrência é possível até mesmo na sofisticada Europa. A geração atual do Ocidente está há 3 gerações separada de uma guerra "próxima de casa", desde que os alemães se renderam em 8 de maio de 1945. Guerras de repente tornaram-se ocorrências estranhas, provenientes apenas de sociedades incivilizadas e atrasadas, que carecem da sofisticação da internet e do voto democrático.


Por Matt Blake, Daily Mail, 29 de julho de 2013.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de maio de 2022.

Terra arrasada: imagens aéreas horripilantes mostram a escala total da destruição da cidade síria de Homs.

Forças sírias dizem ter capturado o distrito de Khaldiyeh, em Homs, um reduto rebelde desde o início da guerra, mas o Observatório Sírio para os Direitos Humanos diz que ainda há combates dispersos nas áreas do sul do bairro. A TV síria transmitiu imagens de tropas perambulando por ruas desertas e agitando bandeiras em frente a prédios marcados por bombas.

Destruído: Os sons de tráfego intenso, mercados movimentados e crianças brincando nas ruas foram substituídos pelo rugido de jatos de combate, bombas explodindo e tiros.

Casa após casa, quarteirão após quarteirão, é uma cena da mais terrível devastação. Nenhum edifício escapou do ataque de incontáveis morteiros, bombas e balas na selvagem guerra civil da Síria. Os únicos sinais de vida em Homs são ervas daninhas fora de controle. A terceira maior cidade da Síria – e lar de 650.000 pessoas antes de dezenas de milhares fugirem ou serem mortas – agora parece ter sido lançada de volta à Idade da Pedra.

A imagem mostra o distrito estratégico de Khalidiya, na cidade, que as tropas leais ao presidente Bashar al-Assad acabaram de retomar após semanas de combates ferozes com os rebeldes. A contra-ofensiva, que também viu o governo obter ganhos em torno da capital Damasco, foi apoiada por guerrilheiros libaneses do Hezbollah. Pelo menos 100.000 pessoas foram mortas no conflito sírio, que começou com protestos pacíficos contra o governo de Assad em março de 2011. Quase dois milhões de refugiados fugiram.

Cascas de casas: A Mesquita Khaled bin Walid está marcada e marcada por estilhaços cuspidos na cidade pelas explosões diárias que atingem a cidade. Além da mesquita, as conchas de prédios e casas dão à cidade a aparência de um deserto pós-apocalíptico.

Trágico: A outrora gloriosa Mesquita Khalid Ibn al-Walid, no fortemente disputado bairro norte de Khaldiyeh, Homs, está em ruínas após ser atingida por bombas durante o longo bombardeio da cidade.

Machucada e batida: Do lado de fora, a Mesquita Khalid Ibn al-Walid não parece muito melhor.

Tropas do governo lançaram uma ofensiva abrangente para retomar áreas controladas por rebeldes de Homs, a terceira maior cidade da Síria, há um mês. Mesmo que pequenos bolsões de resistência permaneçam, a queda de Khaldiyeh para as tropas do regime parecia uma conclusão inevitável, e sua captura seria o segundo grande revés para os rebeldes na Síria central em poucos meses.

No início de junho, as forças do regime capturaram a cidade estratégica de Qusair, na província de Homs, perto da fronteira com o Líbano. As tropas também capturaram a cidade de Talkalakh, outra cidade fronteiriça da província. A província de Homs é a maior da Síria e vai da fronteira libanesa no oeste até a fronteira com o Iraque e a Jordânia no leste. A cidade de Homs tem valor estratégico porque serve como uma encruzilhada: a estrada principal de Damasco ao norte, bem como a região costeira, que é um reduto da seita alauíta do presidente Bashar Assad, passa por Homs. Khaldiyeh tinha uma população de cerca de 80.000 habitantes, mas apenas cerca de 2.000 permanecem lá hoje, pois os moradores fugiram da violência, dizem ativistas. Os fortes combates nos últimos dois anos causaram grandes danos, com alguns edifícios reduzidos a escombros.


Em uma reportagem na segunda-feira, a TV estatal síria disse que "o exército sírio restaurou a segurança e a estabilidade em todo o bairro de Khaldiyeh em Homs". Um repórter de TV sírio incorporado com tropas na área deu uma reportagem ao vivo em frente a prédios danificados. Ele entrevistou um oficial do exército que disse que as tropas travaram uma dura batalha contra os rebeldes que mineravam prédios e lutavam em túneis subterrâneos. "A partir desta manhã, nossas forças armadas em cooperação com as Forças de Defesa Nacional (paramilitares pró-governo) assumiram o controle de Khaldiyeh e agora estão limpando o bairro", disse o oficial, cercado por cerca de uma dúzia de soldados e agentes de segurança à paisana.

"O destino dos terroristas estará sob nossos pés", disse ele, afirmando que todos os Homs serão em breve "limpos" de rebeldes. O Observatório disse que as tropas são apoiadas por membros do grupo libanês Hezbollah. O Hezbollah, que não reconheceu se seus membros estão lutando em Khaldiyeh, desempenhou um papel importante em uma batalha no mês passado em Qusair, nos arredores de Homs, e perdeu dezenas de homens lá.

Cidade fantasma: Muitas das estradas em Homs estão completamente vazias, dando a esta cidade outrora grande a aparência de uma cidade fantasma, habitada apenas por milhares de almas que morreram aqui.

Comovente: Uma cadeira vazia entre as conchas dos edifícios é um lembrete assustador da vida que costumava encher as ruas de Homs. Eles agora estão vazios e desolados.

Sem trégua: jovens sírios inspecionam o local da explosão de um carro-bomba em uma rotatória nos arredores de Homs.

O diretor do Observatório, Rami Abdul-Rahman, disse que as tropas do governo capturaram a maior parte do bairro, além de alguns combates em suas áreas ao sul. Outro ativista da oposição, que falou sob condição de anonimato devido à sensibilidade do assunto, disse que a batalha em Khaldiyeh "está quase no fim". Ele reconheceu que as tropas estão quase no controle total da área.

Na cidade de Aleppo, no norte, várias facções rebeldes, incluindo a Jabhat al-Nusra, ou Frente Nusra, ligada à Al Qaeda, atacaram postos do exército em dois bairros em uma ofensiva intitulada "amputação de infiéis", disse o Observatório. Ele disse que os rebeldes capturaram vários prédios nos bairros de Dahret Abed Rabbo e Lairamoun, e que oito soldados do governo foram mortos.

Fogo e fumaça: Fumaça e chamas elevam-se no bairro Khalidiyah de Homs após um ataque das forças sírias.
Ainda lutando: soldados sírios disparam suas armas enquanto os combates continuam a ocorrer em bolsões da cidade.

Rodando pelos escombros:
Um tanque do governo patrulha o bairro sob uma mortalha de fumaça.

Os rebeldes estiveram na ofensiva na província de Aleppo e capturaram na semana passada a cidade estratégica de Khan el-Assal. Ativistas e a mídia estatal disseram que dezenas de soldados foram mortos ali após sua captura. O Conselho Nacional Sírio, apoiado pelo Ocidente, condenou os assassinatos.

Na região sul de Quneitra, à beira das Colinas de Golã ocupadas por Israel, tropas do governo capturaram a cidade de Mashara na noite de domingo após intensos combates, disse o Observatório.

Vitória? Soldados sírios posam para uma foto segurando a bandeira síria no bairro de al-Khalidiya, que eles afirmam ter garantido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário