segunda-feira, 23 de maio de 2022

O Escudo da Sardenha da 90ª Divisão Panzergrenadier

Sardinienschild da 90ª Divisão Panzergrenadier (90 PzGrenDiv)
ao lado da caderneta registo.

Por Filipe do A.Monteiro, Warfare Blog, 23 de maio de 2022.

O Escudo da Sardenha (Sardinienshild) foi adotado pela 90ª Divisão após a sua reconstrução na ilha da Sardenha, criando assim o primeiro distintivo da 90ª Afrika. Ela era usada no quepe, no gorro com pala e no casquete. O distintivo era feito no formato da Sardenha, uma ilha italiana no Mediterrâneo, em alto relevo com uma espada cruzado por cima e a localização dos portos de Olbia e Cagliari. O reverso da insígnia era oco com um broche de fixação.

A 90ª Divisão Alemã teve muitas designações, começando como Divisão Africana de "Serviços Especiais" (Division z.b.V. Afrika, a abreviatura z.b.V. significa zur besonderen Verwendung, que se traduz como "para uso especial"), sendo imediatamente renomeada 90ª Divisão Leve África (90 .leichte Afrika Division) e lutando com o Afrikakorps até a rendição da Tunísia.

Um Kubelwagen com a insígnia da divisão.

Reverso do distintivo com grampo de fixação.

Durante sua existência na África, a 90ª teve algumas unidades exóticas como a Sonderverband 88 de infiltração de longa distância no deserto e um regimento formado por alemães da Legião Estrangeira Francesa. Os alemães vasculharam a Legião Estrangeira no norte da África francesa e recrutaram à força cerca de 2.000 legionários alemães para a Wehrmacht. A maior parte desses legionários seria arregimentada no Infanterie-Regiment Afrika (mot) 361, também conhecido como Verstärktes Afrika-Regiment 361 (361º Regimento Reforçado da África), como parte da 90ª Divisão Afrika.

Destruída na Tunísia, com a maioria dos seus veteranos feitos prisioneiros na rendição de Túnis, os quadros remanescentes da divisão foram reformados na Sardenha com a incorporação dos homens da recém-criada Divisão Sardenha (Division SardinienGeneralleutnant Carl Hans Lungershausen). Esta fora criada em 12 de maio de 1943 na Sardenha a partir do estado-maior da XI Brigada de Assalto (Sturmbrigade XI). Com a ordem de 6 de julho de 1943 do chefe do OKH H Rüst e BdE AHA Ia(I) No. 3273/43 g.Kdos, a divisão foi incorporada à 90ª Divisão Panzergrenadier em 6 de julho de 1943. No entanto, o estado-maior continuou a usar o nome "Comando da Sardenha" (Kommando Sardinien) até 16 de setembro de 1943. A ordem de criação da nova divisão diz:

"Para preservar a tradição da 90ª Divisão de Infantaria, que permaneceu na África após uma luta corajosa, a Divisão da Sardenha será renomeada para 90ª Divisão Panzergrenadier".

Ordem de batalha da Divisão Sardenha:
  • Panzergrenadier-Regiment 1 Sardinien
  • Panzergrenadier-Regiment 2 Sardinien
  • Panzer-Abteilung Sardinien
  • Panzerjäger-Kompanie Sardinien
  • Artillerie-Regiment Sardinien
  • Nachrichten-Regiment Sardinien
  • Pionier-Bataillon Sardinien

Para evitar confusão ao lidar com unidades da 90ª Divisão de Infantaria Leve que ainda existiam até sua dissolução, as unidades da 90ª Divisão Panzergrenadier carregavam a designação "neu" ("nova") após a designação de tropa até 31 de dezembro de 1943. Os convalescentes da 90ª Divisão de Infantaria Leve, que ainda estavam com as tropas de substituição, seriam transferidos para a nova divisão depois de recuperarem a capacidade de serem usados ​em campanha.

Em 3 de setembro de 1943, os alemães foram pegos de surpresa pelo armistício italiano de Cassibile, e as tropas alemãs na Sardenha de súbito se viram superadas em número pelas unidades do Exército Real Italiano; então foi decidido retirar o contingente alemão. Um acordo entre o comandante divisional Generalleutnant Lungershausen e o general italiano Antonio Basso possibilitou a retirada quase sem luta entre 8 e 16 de setembro de 1943.

Panzer IV da 90ª Divisão Panzergrenadier na marina de Palau em sua retirada da Sardenha, setembro de 1943.

O escudo sobre a caderneta registro.

A 90ª Divisão Panzergrenadier foi enviada de Palau, no nordeste da Sardenha, para Bonifácio, na Córsega; e então absorveu a organização terrestre do comando da Luftwaffe na Córsega e acrescentou regulares vindos de recrutas Volksdeutsche (alemães não-cidadãos). Depois que a revolta contra os ocupantes italianos e alemães foi declarada em 9 de setembro de 1943 na Córsega, a divisão foi retirada ao longo da estrada costeira oriental de Bonifácio a Bastia. A divisão fez parte das 12.000 tropas alemãs enviadas para a ilha após o armistício italiano de 1943, lutando junto com a Sturmbrigade Reichsführer SS e 12º Batalhão de Paraquedistas do 184º Regimento FallschirmjägerA divisão foi evacuada para o continente italiano com perdas no início de outubro através da contestada cabeça-de-ponte de Bastia, enfrentando guerrilheiros do Maquis francês e tropas francesas livres desembarcadas, além de soldados italianos leais ao Reino da Itália (44ª Divisão de Infantaria Cremona e 20ª Divisão de Infantaria Friuli).

Aqui a divisão foi reorganizada para se tornar uma Divisão Panzergrenadier 43, ou seja, segundo a nova reorganização de 1943 que previa menos mão-de-obra e aumento do poder de fogo. Tendo sido transferida para o continente italiano da cabeça-de-ponte de Bastia em 3 de outubro de 1943, a divisão foi atribuída ao LXXXVII Corpo do Grupo de Exércitos C, sob o General der Infanterie Gustav-Adolf von Zangen.

Escudo da Sardenha visível no gorro de campanha do soldado à direita.
(Coleção de Antonio Scapini)


O Sardinienschild com a caixa.

A divisão foi então estacionada primeiro na Toscana perto de Pisa e depois na costa do Adriático em Gatteo a Mare. Em meados de novembro de 1943 foi transferido para a região de Abruzzo atrás da Linha Gustav. No início de dezembro, ela estava envolvida em pesados ​​combates defensivos ao sul de Ortona contra a 1ª Divisão de Infantaria Canadense do 8º Exército Britânico. Após a luta em Ortona, "Stalingrado da Itália", a 90ª foi recuada ao sul de Roma para descansar. Em janeiro de 1944, a divisão estava novamente na Linha Gustav entre Cassino e a costa do Tirreno. Desde o início de fevereiro ela lutou na Primeira e Segunda Batalhas de Monte Cassino em Monte Maiola e Monte Castellone. Após o fim da batalha, a 90ª foi transferida para a área de Roma-Ostia como reserva do grupo de exército no início de março. Em meados de maio, ela estava ao sul de Cassino, no Vale do Liri, perto de Pignataro-Pontecorvo, e participou da Quarta Batalha do Monte Cassino. Após o avanço dos Aliados, a divisão retirou-se para a Umbria antes de ser transferida para a área de Grosseto, na Toscana. Na Toscana, unidades da divisão foram usadas para combater guerrilheiros e estiveram envolvidas em batalhas defensivas contra o avanço das tropas do 5º Exército americano em Monte Amiata e perto de Volterra, entre outros lugares, antes da divisão se retirar para o Vale do Arno entre Pisa e Florença.

No final de julho de 1944, a divisão foi primeiro transferida para o Vale do Pó entre Módena e Parma e depois para a Ligúria ao norte de Gênova para descanso. Em meados de agosto, depois que os Aliados desembarcaram no sul da França, foi transferida para o Piemonte para garantir as travessias dos Alpes. A partir do final de setembro de 1944, ela estava novamente na Emilia-Romagna.

Oficial altamente condecorado da 90ª.
O Escudo da Sardenha é visível no lado esquerdo do quepe.

Outro oficial da divisão, um portador da Cruz de Cavaleiro, com o escudo claramente visível na lateral esquerda do quepe.

Em meados de dezembro de 1944, a divisão, inicialmente retida como reserva do exército, defendeu Faenza do ataque V britânico e II Corpo polonês, sofrendo pesadas perdas, mas finalmente teve que evacuar a cidade. Durante a ofensiva de primavera dos Aliados em abril de 1945, a 90ª Divisão Panzergrenadier foi novamente desdobrada como unidade de reserva. Unidades da divisão foram usadas para afastar as formações americanas da costa do Tirreno, perto de Massa, até os Apeninos Toscano-Emilianos. Após o colapso da frente alemã, os remanescentes da divisão capitularam aos Aliados ao sul do Lago de Garda no final de abril de 1945.

A divisão fora destruída próximo a Bolonha, mas alguns remanescentes dela se uniram à a 148. Infanterie-Division do Generalleutnant Otto-Fretter Pico. Blindados da 90ª em missão de reconhecimento trocaram tiros com tropas avançadas de reconhecimento da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na região de Collecchio-Fornovo di Taro, sendo capturados pela divisão brasileira na rendição de 29 de abril de 1945.

O Generalmajor Ernst-Günther Baade (esquerda), então comandante da 90ª, com um capitão em Rimini-Ancona, na Itália.
O capitão mostra o Sardinienchild no seu quepe.

Generalmajor Ernst-Günther Baade era popular entre as tropas, sendo notoriamente corajoso sob fogo e trabalhar com um estado-maior pequeno, focando os esforços na linha de frente. Ele era portador da Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho e Espadas, e também foi premiado com um Distintivo de Destruição de Tanques (Panzervernichtungsabzeichen) pela destruição de um tanque inimigo com uma arma de infantaria (incomum para um oficial-general). Baade foi ferido em 24 de abril de 1945, quando seu carro da equipe foi metralhado por um caça britânico perto de Neverstaven, em Holstein. Ele morreu de gangrena em um hospital em Bad Segeberg em 8 de maio de 1945, o dia da rendição incondicional alemã.

O comandante da 90ª (de dezembro de 1943 a dezembro de 1944) ter o Panzervernichtungsabzeichen é bastante revelador do tipo de liderança e ethos da unidade. Ele era conhecido por sua bravura e era apreciado pelos soldados. Ele ganhou sua Cruz de Cavaleiro em Bir Hakeim (1942) contra a 1ª Brigada Francesa Livre na África. O general Sir William Jackson, o historiador governamental  responsável por documentar a história oficial britânica da guerra na Itália e autor do livro The Battle for Italy (1967), considerou a 90ª Divisão Panzergrenadier um "adversário digno".

Bibliografia recomendada:

Orders, Decorations and Badges of the Third Reich
(Including the Free City of Danzig).
David Littlejohn e Coronel C. M. Dodkins.

Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário