Mostrando postagens com marcador Oriente Médio. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Oriente Médio. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 23 de maio de 2022

"Conselheiros" militares russos treinam novo batalhão sírio

Uma foto tirada durante uma visita guiada com o exército russo mostra soldados de elite sírios participando de uma sessão de instrução com treinadores militares russos em uma base do exército em Yafour, cerca de 30 quilômetros a oeste de Damasco, em 24 de setembro de 2019. (Maxime POPOV / AFP)

Por Maxime Popov, Times of Israel, 25 de setembro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de maio de 2022.

Em rara exibição das operações militares de Moscou em um país devastado pela guerra, as tropas do regime exibem novas habilidades com armas, realizam exercícios de limpeza de minas e realizam ataques simulados.

YAFOUR, Síria (AFP) - Usando coletes à prova de balas e joelheiras limpas, combatentes de um novo batalhão do exército sírio mostram as habilidades que aprenderam com os conselheiros militares da Rússia.

Na zona rural a oeste de Damasco, os soldados realizam um ataque simulado, disparam morteiros e foguetes, realizam exercícios de remoção de minas e primeiros socorros. Grandes nuvens de poeira se erguem sobre o campo de treinamento enquanto as tropas camufladas abrem fogo. Ao sol da tarde, os altos escalões dos dois países e dezenas de jornalistas, incluindo uma equipe da AFP convidada de Moscou, estão assistindo.

“Nós sacrificamos nosso sangue por você, Bashar”, os soldados cantam em uníssono, brandindo seus punhos no ar, em louvor ao presidente sírio Bashar Assad.

Uma foto tirada durante uma visita guiada com o exército russo mostra um treinador do exército russo (esquerda) gesticulando durante uma sessão de instrução com soldados de elite sírios, em 24 de setembro de 2019, em uma base do exército em Yafour, cerca de 30 km a oeste de Damasco. (Maxime POPOV / AFP)

Com o apoio militar da Rússia, as forças de Assad retomaram grande parte da Síria de rebeldes e jihadistas desde 2015 e agora controlam cerca de 60% do país. A Rússia muitas vezes se refere às tropas que desdobrou na Síria como “conselheiros” militares, embora suas forças e aviões de guerra também estejam diretamente envolvidos em batalhas contra jihadistas e outros rebeldes.

Na terça-feira, conselheiros russos apareceram na frente das câmeras, usando máscaras faciais verdes e óculos de sol, em uma rara exibição das operações militares de Moscou na Síria devastada pela guerra.

Com a ajuda de um tradutor de árabe, um conselheiro instruiu as tropas sobre como detectar e desarmar minas, enquanto outro as treinou no tratamento de ferimentos de guerra.

Olhos em Idlib

“O batalhão foi criado em 10 de agosto e começou a treinar no mesmo dia”, disse Omar Mohamed, que comanda essa nova força de elite. “Graças aos conselheiros russos, o nível de preparação dos soldados aumentou e eles sabem usar todos os tipos de armas”, disse à AFP.

Depois de dois meses de treinamento militar individual, os membros da força agora aprenderão a operar em grandes grupos.

Uma foto tirada em 14 de junho de 2019 mostra um homem caminhando entre os escombros de prédios destruídos na cidade de Ihsim, na região de Idlib, na Síria. (Omar Haj Kadour/AFP)

Os comandantes não descartam a possibilidade de que as tropas possam se deslocar para o último grande reduto da oposição, Idlib, no noroeste. Um acordo que a Rússia e a Turquia, apoiadora dos rebeldes, chegaram no ano passado pretendia evitar um banho de sangue na região controlada pelos jihadistas, mas o bombardeio recomeçou no final de abril.

Desde 31 de agosto, um cessar-fogo separado apoiado pela Rússia foi mantido, apesar de ataques esporádicos. Mas Damasco prometeu repetidamente retomar todo o território sírio, incluindo a região de Idlib.

“Nós depositamos nossas esperanças em uma solução política, mas se não virmos resultados, então recorreremos à opção militar”, disse um comandante a repórteres.

Uma foto tirada durante uma visita guiada com o exército russo mostra soldados de elite sírios participando de uma sessão de instrução com treinadores militares russos, em 24 de setembro de 2019, em uma base do exército em Yafour, cerca de 30 quilômetros a oeste de Damasco. (Maxime POPOV / AFP)

O General Hassan Hassan, chefe da divisão de administração política do exército sírio, é mais definitivo. “Idlib será libertada em todos os casos”, disse ele. "Vamos nos ver lá em breve", disse ele a repórteres.

O conflito sírio matou mais de 370.000 pessoas e expulsou milhões de suas casas desde que começou com a brutal repressão aos protestos contra o governo em 2011.

Post script: Idlib permanece sob controle dos rebeldes apoiados pela Turquia em 2022.

sábado, 21 de maio de 2022

Monstros do Desespero: os Sturmpanzers do YPG


Por Stijn Mitzer e Joost Oliemans, Oryx Blog, 7 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de maio de 2022.

Relegado aos anais da história pela maior parte do mundo desde aproximadamente 1918, o YPG, por outro lado, continua sendo um usuário ativo dos chamados Sturmpanzers: plataformas de apoio de infantaria blindada que remetem aos seus homônimos da Segunda Guerra Mundial. De aparência volumosa e monstruosa, esses veículos começaram a simbolizar a resistência do YPG contra as forças do Estado Islâmico e do Exército Sírio Livre que tentaram desalojar o YPG do território que detém no norte da Síria em várias ocasiões. Embora a presença dessas monstruosidades DIY nas fileiras do YPG seja bem reconhecida, poucas tentativas foram feitas para inventariar os tipos de Sturmpanzers em serviço. Portanto, este artigo está muito atrasado.

Comparado a outras grandes facções envolvidas na Guerra Civil Síria, o YPG (Yekîneyên Parastina Gel: Unidades de Proteção Popular, em si a principal facção da aliança das Forças Democráticas Sírias) operou pouco em termos de veículos blindados de combate (AFV). Para compensar a lacuna resultante nas suas capacidades, o YPG tornou-se muito ativo na produção de veículos blindados DIY, geralmente baseados em carregadeiras de esteiras, tratores ou caminhões grandes. A princípio consistindo de estruturas quadradas sobre lagartas – quase parecendo casamatas móveis – o YPG acabaria incorporando vários avanços em seus projetos. Os veículos resultantes, embora limitados em eficácia de inúmeras maneiras, podem realmente ser úteis em determinadas situações.

Sem dúvida, como resultado de uma maior falta de informações sobre as operações de blindados do YPG, pouco se sabe sobre a eficácia de combate dos Sturmpanzers. Embora muitas vezes presente em imagens de propaganda e fotografias tiradas de posições do YPG situadas longe da linha de frente, as imagens dos veículos em ação parecem quase inexistentes. Mesmo o Estado Islâmico (EI), que travou guerra contra as FDS de 2013 a 2017, só conseguiu capturar um exemplar que foi danificado e posteriormente abandonado pelo YPG depois que suas forças foram derrotadas na província de al-Hasakah em 2015.

Origens humildes


Os primeiros Sturmpanzers eram frequentemente baseados em um chassis sobre rodas, para o qual o caminhão basculante provou ser uma base ideal. Embora um chassis sobre rodas possa estar associado a uma diminuição da mobilidade no campo em comparação com suas contrapartes com esteiras, as carregadeiras sobre lagartas nunca foram projetadas com velocidade em mente e, combinadas com a blindagem recém-adicionada, é plausível que alguns dos modelos de esteiras maiores estão limitados a dirigir apenas em superfícies endurecidas. Isso coloca restrições severas em suas capacidades operacionais e dá às plataformas sobre rodas uma vantagem na retenção de alguma capacidade fora da estrada.

A imagem abaixo mostra um caminhão basculante tipicamente modificado, que foi ricamente adornado com uma pintura que consegue pouco além de se destacar do ambiente (a menos que se queira argumentar que instila medo no coração de seus inimigos). No lugar de areia ou resíduos de construção, uma estrutura blindada foi colocada dentro da caixa aberta, abrigando vários soldados de infantaria que podem disparar suas armas pessoais de uma das três janelas de tiro de cada lado. Uma metralhadora pesada DShK de 12,7 mm em uma cúpula blindada foi instalada no topo da cabine, que também foi totalmente coberta com revestimento de metal.


O conceito de um bunker móvel seria continuado com as primeiras versões sobre lagartas do Sturmpanzer. Claramente prestando homenagem (não intencional) ao tanque pesado alemão A7V desdobrado nos campos de batalha da França na Primeira Guerra Mundial, este exemplar em particular estava armado com uma metralhadora KPV de 14,5 mm de disparo frontal, além de armas coletivas usadas pela tripulação que podem ser disparadas das 10(!) janelas de disparo do veículo. Embora estas forneçam quase 360 graus de cobertura do veículo, as armas disparadas delas somente seriam úteis contra inimigos que já se aventuraram no alcance de tiro de RPG do Sturmpanzer. Com sua blindagem leve fornecendo proteção apenas contra fogo de armas portáteis e estilhaços, um RPG quase certamente causaria danos catastróficos ao seu interior, matando seus ocupantes e, assim, parando o Sturmpanzer bruscamente.


Talvez por essa mesma razão, as iterações posteriores quase sempre apresentavam duas torres na frente do Sturmpanzer, que podem girar para fornecer um grau mais amplo de cobertura. O exemplo visto abaixo ilustra bem esses projetos, que parecem estar armados com uma metralhadora pesada KPV de 14,5mm em sua torre esquerda (da nossa perspectiva) e outra de 12,7mm na torre localizada à direita. Além disso, um escudo é colocado no topo da torre esquerda para um tripulante disparar outra arma enquanto permanece em cobertura.


Entrando na batalha como se estivesse em uma era passada, três Sturmpanzers realizam uma "carga" adiante para mais perto do inimigo. O veículo mais próximo da câmera parece ser o mesmo exemplo visto na imagem acima, sugerindo que, apesar das frequentes aparições desses veículos em imagens de propaganda, a produção dessas monstruosidades foi bastante limitada.


Uma fileira de blindados YPG mostra claramente o tamanho gigantesco do tipo maior de Sturmpanzer estacionado na parte traseira. Quase o dobro da altura dos veículos blindados multifuncionais MT-LB estacionados à sua frente, os Sturmpanzers fazem pouco para expandir as capacidades do MT-LB, ou de qualquer outro tipo de AFV. Embora tenha nascido por necessidade, a carreira da maioria dos Sturmpanzers foi surpreendentemente longa, continuando a operar muito depois que veículos de substituição mais adequados, como veículos protegidos contra emboscadas e resistentes a minas (mine-resistant ambush protected vehiclesMRAP), tornaram-se prontamente disponíveis para o YPG/SDF.


Um Sturmpanzer que foi capturado pelo EI perto de Tel Tamir em 2015, que surpreendentemente é a única perda registrada de um desses veículos. Dito isso, sua baixa taxa de perdas também pode ser explicada pelo pequeno número produzido e pelo emprego conservador desses veículos, utilizando-os principalmente em operações de limpeza nos quais havia apoio de infantaria suficiente. Ao contrário da crença popular, os Sturmpanzers nunca foram usados como veículos de rompimento fortemente blindados em batalhas acaloradas com o IS ou o FSA.


A captura do exemplar acima também destaca a fraqueza inerente do projeto: sua baixa mobilidade. Com uma velocidade que provavelmente está bem abaixo de 10 km/h e principalmente limitada a se mover em estradas pavimentadas, qualquer Sturmpanzer que se encontre sob fogo inimigo concentrado teria problemas para fazer uma retirada bem-sucedida, especialmente quando precisa movimentar-se para trás fora do perigo. Em tais situações, abandonar o veículo por completo pode acabar sendo a melhor opção, para a qual a grande porta traseira e as escotilhas de escape na(s) lateral(is) oferecem amplas oportunidades.


Um subconjunto de Sturmpanzers manteve sua lâmina dozer para uso como veículos de engenharia fortemente blindados (AEV), limpando escombros e outras obstruções para permitir que as forças amigas continuassem seu avanço. Aliás, a lâmina dozer também atua como uma camada adicional de blindagem ao enfrentar o inimigo pela frente. Embora este exemplar estivesse desarmado (no entanto, ele vem equipado com duas janelas de tiro em cada lado), outros apresentavam uma torre de metralhadora para afastar possíveis ataques de retardatários inimigos.


Um desses Sturmpanzer AEV foi atingido por uma munição improvisada lançada de um drone quadricóptero do EI em Raqqa em agosto de 2017, resultando em danos desconhecidos à superestrutura blindada. Curiosamente, este exemplar foi erroneamente identificado como um veículo de combate de infantaria BMP (IFV) pelo departamento de mídia do EI responsável pela divulgação da foto.



Além dos projetos maiores, o YPG construiu vários exemplares menores que, após várias iterações de projeto, acabariam como os Sturmpanzers mais capazes construídos. Esta afirmação tem pouca relevância para o primeiro exemplar da série, que embora agora equipado com um sistema de câmeras para melhor consciência situacional, tem seu armamento duplo instalado em uma posição fixa na frente. Isso significa que o veículo teria que mover suas esteiras para se alinhar com o alvo, provavelmente resultando em ser extremamente impreciso e pesado. Outra característica curiosa deste exemplar é uma caixa fixa contendo quatro lançadores de foguetes não-guiados presos ao lado esquerdo do veículo.



Para o benefício do YPG, esse conceito evoluiu rapidamente para um projeto significativamente mais útil, desta vez apresentando uma torre armada com uma metralhadora pesada Tipo 54 de 12,7mm (uma versão chinesa do onipresente DShK soviético) e um total de sete janelas de tiro. Por outro lado, o pequeno tamanho do veículo e a proximidade dos operadores com o motor potencialmente o tornam um pesadelo para operar no clima quente e seco da Síria. Observe também a pequena porta na parte traseira direita do veículo, um dos dois pontos pelos quais a tripulação pode entrar e sair do veículo.



O Soendil.

Uma segunda iteração (chamada Soendil) foi claramente construída em torno do mesmo projeto, mas com uma torre de topo aberto (que, embora forneça menos proteção ao atirador, aumenta muito sua consciência situacional) e outras pequenas diferenças. Este veículo em particular também é um dos poucos Sturmpanzers a serem vistos em ação, fornecendo vigilância e fogo supressivo durante as batalhas de rua quando as FDS começaram a limpar o norte da Síria da presença do Estado Islâmico em 2016.



Ainda outra versão do mesmo projeto apresenta uma torre maior que lembra um pouco a do VBTP 323 norte-coreano. No entanto, sua origem real é menos exótica, já que torres de aparência semelhante já foram vistas em blindados DIY anteriores produzidos pelo YPG. As novas torres agora portam duas metralhadoras em vez de uma, que podem ser trocadas dependendo dos requisitos operacionais ou das armas disponíveis. No caso da segunda imagem, esta consiste em uma metralhadora pesada KPV de 14,5mm e uma metralhadora de apoio geral PK de 7,62mm, enquanto no veículo da terceira imagem são montadas duas KPV.

Transporte blindado sobre lagartas 323 norte-coreano.




O projeto final do Sturmpanzer também é o que mais se aproxima de um AFV completo. Equipado com a torre de um veículo de combate de infantaria BMP-1 e uma metralhadora pesada frontal W85 de 12,7mm montada em uma bola, é bem blindado e fortemente armado, mantendo alguma consciência situacional. A blindagem da gaiola foi adicionada para reduzir a eficácia das ogivas de carga oca, tentando assim proteger contra mais do que apenas armas portáteis e estilhaços, mas o espaçamento próximo ao casco significa que é improvável que seja eficaz. Seu poder de fogo e mobilidade superiores em relação aos projetos anteriores significam que ele pode realmente ter algum valor como veículo de apoio de fogo, mostrando claramente os benefícios de anos de melhorias incrementais no projeto.


Nascidos de puro desespero, os Sturmpanzers do YPG permaneceram por muito mais tempo do que se pensava inicialmente nas condições incrivelmente duras do conflito sem fim na Síria, mesmo quando melhores alternativas na forma de MRAP entregues pelos EUA se tornaram prontamente disponíveis. Talvez a razão de sua resistência esteja em pouco mais do que seu valor de propaganda ou a necessidade de manter os engenheiros do YPG trabalhando, mas na ausência de dados confiáveis, este autor opta por acreditar que é o puro espírito de resiliência que mantém os Sturmpanzers do YPG vivos e em ação.

Bibliografia recomendada:

Kurdish Armour Against ISIS:
YPG/SDF tanks, technicals and AFVs in the Syrian Civil War, 2014–19.
Ed Nash e Alaric Searle.

Leitura recomendada:

Uma teoria econômica da guerra: o exemplo sírio além da religião e da etnia


Por Hippolyte Boucher, The Tseconomist, 5 de dezembro de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de maio de 2022.

Quando olhamos para o Oriente Médio hoje, pensamos diretamente em conflitos inter-religiosos, inter-étnicos e politicamente motivados desencadeados por algum evento. Tomemos, por exemplo, a guerra civil síria e as primeiras manifestações da primavera árabe lá, que aconteceram na cidade de Daraa.


Isso levanta a questão: podemos criar uma teoria geral da guerra que funcione para todos os conflitos, em vez de pensar na guerra como uma série de circunstâncias individuais? Por um lado, o jornalismo tende a apresentar a guerra como uma única linha do tempo dentro de um contexto, implicando que existem relações causais diretas entre os eventos. Por outro lado, historiadores e cientistas políticos apresentaram diferentes teorias unificadoras da guerra: poderia ser parte de um processo de barganha entre Estados ou facções dentro de um Estado (modelo de "Barganha", James D. Fearon); guerras podem ocorrer simplesmente porque ninguém pode detê-las (teoria da “Anarquia”, Kenneth Waltz); outros pesquisadores apresentam as guerras como eventos únicos que não podem realmente ser teorizados e dependem da cultura dos beligerantes (Why Wars Happen, Jeremy Black). Este é realmente um refinamento claro da abordagem do jornalista.

Recentemente, tem havido uma tendência interessante entre os teóricos da guerra e da guerra civil de usar funções de utilidade, colaborando cada vez mais com economistas para criar micromodelos estilizados. Eles usam problemas de utilidade esperada, informação e comprometimento, como seleção adversa, risco moral e teoria da barganha. Essa abordagem é muito elegante, mas também é bastante difícil de testar. Como devemos, como jovens economistas, teorizar a guerra? Podemos validar essa teoria usando o conflito sírio?

O objetivo de um belicista

Síria: composição étnica.

Tomando uma perspectiva de economia de guerra moderna, deve ser que o iniciador de uma guerra tenha um interesse econômico, político ou social em iniciá-la, e que o outro protagonista se beneficie de revidar. Ambos também devem recompensar seus apoiadores, ou pelo menos poupá-los de uma perda muito alta. Na realidade, as guerras não são apenas extremamente caras em termos de vida humana e liquidez, mas também em termos de infraestrutura, capital humano, comércio e reputação internacional. No entanto, as guerras ainda acontecem.

A partir do relatório do Banco Mundial de 2017, The toll of war, the economic and social consequences of the conflict in Syria, World Bank (O preço da guerra, as consequências econômicas e sociais do conflito na Síria, Banco Mundial), sobre as consequências do conflito sírio, sabemos que um terço do total de edifícios residenciais da Síria foi destruído, que metade da sua população foi deslocada e que cerca de 450.000 pessoas foram mortas. Mais importante ainda, o PIB nominal da Síria contraiu 61% desde 2011.


Suponhamos que os agentes ou facções que participam da guerra sejam racionais. Então, para que uma guerra comece, deve ser que um dos protagonistas espere pelo menos algum benefício a longo prazo dela. Essa suposição de racionalidade é muito plausível porque começar uma guerra não é uma decisão de um homem só, mesmo nos regimes mais despóticos. Aqui, o importante é que as expectativas dos agentes que entram na guerra são positivas, mas também se baseiam apenas nas informações de que dispõem. Esta informação obviamente não é perfeita e muitas vezes é muito otimista. Isso explica por que países e facções iniciam guerras que não podem vencer, ou guerras que os deixam em pior situação a longo prazo.

Tomemos, por exemplo, a invasão do Kuwait por Saddam Hussein em agosto de 1990 e a conseqüente operação Tempestade do Deserto em janeiro de 1991: depois de dois conflitos com o Irã, as finanças do Iraque estavam esgotadas, então Saddam decidiu invadir o Kuwait para reivindicar suas vastas reservas de petróleo e levantar o ânimo dos iraquianos para proteger seu regime. Ele subestimou completamente a probabilidade de uma intervenção apoiada pelas Nações Unidas contra ele. A invasão destruiu a reputação do Iraque e levou a enormes perdas militares. É considerada a principal razão pela qual Saddam perdeu o poder nos anos seguintes, o que acabou levando à sua eliminação em 2003.

Os fatores por trás do conflito: recursos, informação e queixas


As facções se envolvem em uma guerra porque, com base em suas informações atuais, podem obter algo a longo prazo. O tamanho do exército e o poder de fogo são fatores importantes que entram em jogo nessas decisões. Se uma facção não tem como derrotar outra, ela pode não se rebelar, iniciar uma insurgência ou um conflito de baixa intensidade. Este é o caso do Talibã no Afeganistão, do ISIS na Síria e no Iraque, agora que seu exército permanente foi mais ou menos derrotado. Quanto aos outros fatores, há grandes diferenças de opinião entre os economistas de guerra. Paul Collier é famoso por defender um modelo de ganância em oposição a um modelo de queixa. Ele argumenta que, em última análise, qualquer grupo que se envolva em guerras é motivado por duas variáveis econômicas principais, sendo a primeira a presença de recursos naturais em uma região específica: esses recursos são vitais e ao mesmo tempo indivisíveis, pois apenas um grupo pode controlá-los. A segunda é a marginalização econômica, ou mais precisamente, perdas econômicas percebidas e falta de oportunidades.

Novamente, tomemos a Síria como exemplo. As cidades dominadas pelos alauítas, que estão principalmente na parte ocidental do país, desenvolveram-se consideravelmente em comparação com o leste, apesar de muitos campos de petróleo e depósitos de gás estarem localizados lá. Outra grande questão é a água: o Tigre e o Eufrates nascem na Turquia e são vitais para as áreas menos desenvolvidas da Síria, localizadas a jusante. Isso também é verdade para o Iraque, que fica ainda mais a jusante. A montante, no entanto, é controlada pela Turquia e pelo regime de Assad, que construiu barragens e bombeou a maior parte da água para si. Por último, mas não menos importante, a população da Síria passou de 3 milhões em 1950 para 22,5 milhões em 2011, com seus jovens (com menos de 25 anos) representando 56% de sua população total. Um terço dos jovens sírios em idade ativa está desempregado, e esse número é ainda maior para os altamente qualificados. Deste ponto de vista, o conflito sírio não parece ser causado por diferenças ideológicas ou ódio racial e religioso entre curdos e árabes, ou sunitas e alauítas, mas principalmente pela extrema marginalização econômica e desigualdade entre as regiões dominadas pelos alauítas e o resto, e entre os velhos e os jovens.


A teoria de Collier é muito útil e foi testada com sucesso usando a insurgência do Talibã desde 2001 ou a guerra civil do Sri Lanka de 1983 a 2009. No entanto, essa teoria pode ser muito simples. David Keen, um de seus oponentes mais ferrenhos, acredita que para modelar um conflito, líderes e apoiadores devem ter utilidades diferentes e que a ganância e as queixas podem ser combinadas e se alimentarem mutuamente. Ele pega o caso da segunda guerra civil do Sudão (1983-2005) e argumenta que os líderes do Norte provocaram o ressentimento e o ódio das milícias árabes para que cometessem crimes no Sul e, no final, o despovoassem. Essas exações ocorreram precisamente na atual fronteira entre o Norte e o Sul do Sudão, onde estão localizados todos os campos de petróleo do Sudão. Assim, os interesses dos líderes eram tanto ideológicos quanto práticos, demonstrados por atacar o Sul cristão e pagão e controlar importantes recursos naturais, respectivamente. Quanto às milícias, elas fizeram mais do que compartilhar a ideologia de seus líderes. É por isso que eles foram capazes de cometer atrocidades que a privação econômica nunca poderia desculpar. Da mesma forma, o uso sistemático de estupro e tortura por milícias islâmicas (sunitas e xiitas) no conflito iraquiano-sírio não pode ser motivado apenas pela ganância.

Apesar de ser um campo jovem, a economia de guerra, assim como a economia política ou de identidade, está se mostrando muito útil porque suas teorias podem ser testadas. É tão útil que outras ciências sociais estão copiando seus métodos e modelos. Esta não é apenas uma tendência: em todos os tipos de ciências sociais, a economia está desempenhando um papel cada vez mais importante. Na minha opinião, está se tornando a ciência social quantitativa padrão porque coloca tanta ênfase no lado empírico quanto na teoria, e porque as teorias são testadas. Não é mais aceito em economia “falar por falar” e projetar uma boa teoria sem “testar na prática” provando ou refutando seriamente com a ajuda de dados.

Leitura recomendada:

Israel tenta derrubar seu próprio drone por engano

Um drone militar israelense em 8 de junho de 2018.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

As sirenes soaram na Alta Galiléia, perto da fronteira libanesa, com moradores correndo para abrigos. Israel lançou seus foguetes de defesa apenas para descobrir que estava atirando em seu próprio drone, conforme revelou o exército israelense dois dias atrás, em 19 de maio desse ano.

"Devido a um erro de identificação, a Matriz de Defesa Aérea das FDI lançou interceptadores que causaram os alarmes ouvidos no norte de Israel", disse o Exército israelense em comunicado. Isso ocorre dias depois que um drone do Hezbollah foi abatido enquanto viajava do Líbano para Israel. A Matriz de Defesa Aérea mencionada é o famoso Domo de Ferro, o sistema de defesa anti-mísseis de Israel.
O Líbano e Israel estão tecnicamente em estado de guerra, e Israel lançou uma guerra devastadora contra seu vizinho do norte em 2006, matando 1.200 pessoas - entre civis e terroristas - durante um período de 34 dias. A confrontação terminou com um cessar-fogo mediado pela ONU. No mês passado, um foguete disparado contra o norte de Israel partindo do Líbano caiu em uma área aberta perto do Kibutz Matzuva, perto da fronteira, sem causar danos ou ferimentos. Em resposta, os militares israelenses bombardearam alvos no Líbano com dezenas de obuses de artilharia, e o porta-voz das FDI, Ran Kochav, disse que facções palestinas no Líbano são consideradas responsáveis.

Houve vários casos de lançamento de foguetes do Líbano para Israel nos últimos anos, com a maioria atribuída a facções palestinas no país, não ao grupo terrorista libanês Hezbollah. No entanto, é improvável que terroristas no sul do Líbano consigam disparar foguetes sem pelo menos a aprovação tácita do grupo terrorista apoiado pelo Irã, que mantém um controle rígido sobre a área.

Um posto militar das FDI na fronteira entre Israel e Líbano, 20 de julho de 2021.

Bibliografia recomendada:

quinta-feira, 5 de maio de 2022

As ruínas da cidade síria de Homs

Destruição: Esta vista aérea mostra a destruição no bairro de al-Khalidiyah, em Homs, que viu alguns dos combates mais pesados enquanto as forças do governo tentam expulsar os rebeldes.

Nota do Warfare: As atuais cenas horripilantes de destruição vistas nas cidades ucranianas é um lembrete ao confortável ocidente dos resultados destrutivos do combate de alto poder de fogo. O mesmo padrão de destruição ocorrido na Ucrânia foi realizado primeiro na Síria, conforme a doutrina russa de poder de fogo massivo.

As guerras modernas serão travadas em cidades, onde as pessoas vivem e trabalham, e a recente invasão russa à Ucrânia relembrou o público de que este tipo de ocorrência é possível até mesmo na sofisticada Europa. A geração atual do Ocidente está há 3 gerações separada de uma guerra "próxima de casa", desde que os alemães se renderam em 8 de maio de 1945. Guerras de repente tornaram-se ocorrências estranhas, provenientes apenas de sociedades incivilizadas e atrasadas, que carecem da sofisticação da internet e do voto democrático.


Por Matt Blake, Daily Mail, 29 de julho de 2013.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de maio de 2022.

Terra arrasada: imagens aéreas horripilantes mostram a escala total da destruição da cidade síria de Homs.

Forças sírias dizem ter capturado o distrito de Khaldiyeh, em Homs, um reduto rebelde desde o início da guerra, mas o Observatório Sírio para os Direitos Humanos diz que ainda há combates dispersos nas áreas do sul do bairro. A TV síria transmitiu imagens de tropas perambulando por ruas desertas e agitando bandeiras em frente a prédios marcados por bombas.

Destruído: Os sons de tráfego intenso, mercados movimentados e crianças brincando nas ruas foram substituídos pelo rugido de jatos de combate, bombas explodindo e tiros.

Casa após casa, quarteirão após quarteirão, é uma cena da mais terrível devastação. Nenhum edifício escapou do ataque de incontáveis morteiros, bombas e balas na selvagem guerra civil da Síria. Os únicos sinais de vida em Homs são ervas daninhas fora de controle. A terceira maior cidade da Síria – e lar de 650.000 pessoas antes de dezenas de milhares fugirem ou serem mortas – agora parece ter sido lançada de volta à Idade da Pedra.

A imagem mostra o distrito estratégico de Khalidiya, na cidade, que as tropas leais ao presidente Bashar al-Assad acabaram de retomar após semanas de combates ferozes com os rebeldes. A contra-ofensiva, que também viu o governo obter ganhos em torno da capital Damasco, foi apoiada por guerrilheiros libaneses do Hezbollah. Pelo menos 100.000 pessoas foram mortas no conflito sírio, que começou com protestos pacíficos contra o governo de Assad em março de 2011. Quase dois milhões de refugiados fugiram.

Cascas de casas: A Mesquita Khaled bin Walid está marcada e marcada por estilhaços cuspidos na cidade pelas explosões diárias que atingem a cidade. Além da mesquita, as conchas de prédios e casas dão à cidade a aparência de um deserto pós-apocalíptico.

Trágico: A outrora gloriosa Mesquita Khalid Ibn al-Walid, no fortemente disputado bairro norte de Khaldiyeh, Homs, está em ruínas após ser atingida por bombas durante o longo bombardeio da cidade.

Machucada e batida: Do lado de fora, a Mesquita Khalid Ibn al-Walid não parece muito melhor.

Tropas do governo lançaram uma ofensiva abrangente para retomar áreas controladas por rebeldes de Homs, a terceira maior cidade da Síria, há um mês. Mesmo que pequenos bolsões de resistência permaneçam, a queda de Khaldiyeh para as tropas do regime parecia uma conclusão inevitável, e sua captura seria o segundo grande revés para os rebeldes na Síria central em poucos meses.

No início de junho, as forças do regime capturaram a cidade estratégica de Qusair, na província de Homs, perto da fronteira com o Líbano. As tropas também capturaram a cidade de Talkalakh, outra cidade fronteiriça da província. A província de Homs é a maior da Síria e vai da fronteira libanesa no oeste até a fronteira com o Iraque e a Jordânia no leste. A cidade de Homs tem valor estratégico porque serve como uma encruzilhada: a estrada principal de Damasco ao norte, bem como a região costeira, que é um reduto da seita alauíta do presidente Bashar Assad, passa por Homs. Khaldiyeh tinha uma população de cerca de 80.000 habitantes, mas apenas cerca de 2.000 permanecem lá hoje, pois os moradores fugiram da violência, dizem ativistas. Os fortes combates nos últimos dois anos causaram grandes danos, com alguns edifícios reduzidos a escombros.


Em uma reportagem na segunda-feira, a TV estatal síria disse que "o exército sírio restaurou a segurança e a estabilidade em todo o bairro de Khaldiyeh em Homs". Um repórter de TV sírio incorporado com tropas na área deu uma reportagem ao vivo em frente a prédios danificados. Ele entrevistou um oficial do exército que disse que as tropas travaram uma dura batalha contra os rebeldes que mineravam prédios e lutavam em túneis subterrâneos. "A partir desta manhã, nossas forças armadas em cooperação com as Forças de Defesa Nacional (paramilitares pró-governo) assumiram o controle de Khaldiyeh e agora estão limpando o bairro", disse o oficial, cercado por cerca de uma dúzia de soldados e agentes de segurança à paisana.

"O destino dos terroristas estará sob nossos pés", disse ele, afirmando que todos os Homs serão em breve "limpos" de rebeldes. O Observatório disse que as tropas são apoiadas por membros do grupo libanês Hezbollah. O Hezbollah, que não reconheceu se seus membros estão lutando em Khaldiyeh, desempenhou um papel importante em uma batalha no mês passado em Qusair, nos arredores de Homs, e perdeu dezenas de homens lá.

Cidade fantasma: Muitas das estradas em Homs estão completamente vazias, dando a esta cidade outrora grande a aparência de uma cidade fantasma, habitada apenas por milhares de almas que morreram aqui.

Comovente: Uma cadeira vazia entre as conchas dos edifícios é um lembrete assustador da vida que costumava encher as ruas de Homs. Eles agora estão vazios e desolados.

Sem trégua: jovens sírios inspecionam o local da explosão de um carro-bomba em uma rotatória nos arredores de Homs.

O diretor do Observatório, Rami Abdul-Rahman, disse que as tropas do governo capturaram a maior parte do bairro, além de alguns combates em suas áreas ao sul. Outro ativista da oposição, que falou sob condição de anonimato devido à sensibilidade do assunto, disse que a batalha em Khaldiyeh "está quase no fim". Ele reconheceu que as tropas estão quase no controle total da área.

Na cidade de Aleppo, no norte, várias facções rebeldes, incluindo a Jabhat al-Nusra, ou Frente Nusra, ligada à Al Qaeda, atacaram postos do exército em dois bairros em uma ofensiva intitulada "amputação de infiéis", disse o Observatório. Ele disse que os rebeldes capturaram vários prédios nos bairros de Dahret Abed Rabbo e Lairamoun, e que oito soldados do governo foram mortos.

Fogo e fumaça: Fumaça e chamas elevam-se no bairro Khalidiyah de Homs após um ataque das forças sírias.
Ainda lutando: soldados sírios disparam suas armas enquanto os combates continuam a ocorrer em bolsões da cidade.

Rodando pelos escombros:
Um tanque do governo patrulha o bairro sob uma mortalha de fumaça.

Os rebeldes estiveram na ofensiva na província de Aleppo e capturaram na semana passada a cidade estratégica de Khan el-Assal. Ativistas e a mídia estatal disseram que dezenas de soldados foram mortos ali após sua captura. O Conselho Nacional Sírio, apoiado pelo Ocidente, condenou os assassinatos.

Na região sul de Quneitra, à beira das Colinas de Golã ocupadas por Israel, tropas do governo capturaram a cidade de Mashara na noite de domingo após intensos combates, disse o Observatório.

Vitória? Soldados sírios posam para uma foto segurando a bandeira síria no bairro de al-Khalidiya, que eles afirmam ter garantido.