quarta-feira, 11 de maio de 2022

Exército de Potemkin? As Legiões superestimadas da Rússia


Por Jan Kallberg, CEPA, 6 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de maio de 2022.

Uma obsessão doentia por números pode explicar a má interpretação do Ocidente sobre as capacidades militares da Rússia.

As datas não devem importar muito na guerra, mas 9 de maio não é um dia como qualquer outro. Para os homens do Kremlin, o Dia da Vitória é uma chance de polir suas credenciais como herdeiros do que muitos russos ainda consideram sua maior geração – os homens e mulheres que pagaram o preço com sangue para derrotar os invasores nazistas.

A ligação com a Ucrânia é inevitável. Não só o exército russo está sofrendo sua campanha mais cara desde a Segunda Guerra Mundial, mas também está supostamente fazendo isso para livrar a Ucrânia de um regime nazista (embora liderado por um judeu democraticamente eleito).


À medida que as fileiras polidas de soldados russos marcham pela Praça Vermelha e linhas de munições de alta tecnologia repintadas percorrem os paralelepípedos, temos que fazer uma pergunta que provavelmente não nos teria ocorrido no ano passado – como por tantas décadas poderíamos ter superestimado as forças armadas russas? Isso é, como alguns dizem agora, um Exército de Potemkin, melhor em polir botões do que lutar em guerras?

Se for esse o caso, então o problema não é apenas para os russos. Isso significaria que o Ocidente julgou mal seu adversário. Na verdade, o Ocidente vem sofrendo de path dependency, um conceito econômico em que o comportamento passado influencia o comportamento atual, independentemente das mudanças nas circunstâncias. Neste caso, a OTAN tem seguido um caminho traçado durante a Guerra Fria. Uma guerra contra os soviéticos exigia que a OTAN estabelecesse suas defesas com precisão matemática para compensar a inferioridade numérica.


Durante anos, houve uma cultura de acreditar nas declarações de capacidades e especificações técnicas da URSS/Rússia porque elas alimentaram nossos modelos matemáticos. Para a OTAN criar essa arte da guerra científica, as habilidades do adversário tinham que se tornar números. Se um regimento de fuzileiros motorizados soviético fosse capaz de avançar 20km em 24 horas, de acordo com os soviéticos, os números entrariam no modelo da OTAN. Como vimos a URSS como altamente capaz, os soviéticos ficaram presos em sua propaganda incontestada. E isso retroalimentava o pensamento russo – eles não podiam ser tão ruins na guerra, já que a OTAN os temia.

Durante a Guerra Fria, a OTAN e os países ocidentais criaram uma forma de arte da estimativa das forças do Pacto de Varsóvia, avaliando todos os aspectos das forças armadas do outro lado da Cortina de Ferro. Durante as décadas de 1970 e 1980, o resultado potencial de uma futura grande guerra europeia baseava-se em números que levavam a recomendações baseadas em avaliações matemáticas. Poderíamos chamar isso de economia do Passo de Fulda.

A chegada de computadores e estimativas computadorizadas impulsionaram o sistema de contagem de corpos do Secretário de Defesa (1961-68) Robert McNamara no Vietnã, onde o conflito passou a ser impulsionado por um modelo matemático. No documentário do Serviço de Radiodifusão Pública (PBS) “A Guerra do Vietnã”, um ex-soldado declarou: “Se você não pode contar o que é importante, você torna o que você pode contar importante”. Uma guerra potencial na Europa também se tornou números.


Os números nos dão certezas em um mundo incerto onde buscamos fazer inferências cercados por uma névoa de informações. Nos últimos 60 anos, os números, chamados de dados, orientaram como os países ocidentais avaliaram primeiro a União Soviética e depois a Federação Russa.


“O objetivo primordial da ofensiva de armas combinadas [soviética] é transformar rapidamente o sucesso tático em sucesso operacional por uma combinação bem orquestrada de fogo maciço, manobras e ataques profundos e violentos.”

Visto do Ocidente, o Exército Vermelho era um oponente capaz, bem integrado e competente, capaz de lançar rapidamente operações ofensivas conjuntas com pouco ou nenhum aviso. Todos os soldados ocidentais aprenderam como os soviéticos lutariam assistindo a filmes de propaganda do Exército Vermelho que projetavam um ataque blindado de movimento rápido que tomaria de assalto qualquer defesa ou destruiria as forças de defesa após o cerco.


O Ocidente foi enganado pela máquina de propaganda comunista porque esses eram os únicos filmes que mostravam as capacidades soviéticas. Acreditávamos que as divisões blindadas russas varreriam a paisagem aberta, atravessariam rios e córregos com facilidade quando os engenheiros desdobrassem pontes flutuantes quando a ponta de lança chegasse, todas cercadas por uma sinfonia de artilharia e foguetes bem orquestrados e emolduradas pelas trilhas de fumaça das aeronaves de ataque ao solo SU -24 em operações conjuntas.

Nós olhamos para a ordem de batalha soviética, e agora russa, e fizemos uma inferência matemática – e acabamos errados.

Ignoramos disciplina, liderança, coordenação, confiança e os efeitos nas tropas e equipamentos, vivendo em uma cultura de corrupção e roubo por décadas. Esses fatores não puderam ser quantificados e nunca chegaram ao modelo. Em vez de passar a fronteira portuguesa no dia 75 do ataque, seguindo o modelo original de Seven Days to the Rhine (Sete Dias para o Rio Reno), os russos na realidade mal chegaram ao próximo código postal no Donbas.

Os números já enganaram antes – não é a primeira vez. Durante 1938, após a crise da Tchecoslováquia, e em 1939, o ministro das Relações Exteriores alemão nazista Joachim von Ribbentrop e o alto comando alemão estudaram e mediram os preparativos de guerra franceses e britânicos e a capacidade de mobilização. A avaliação quantificada dos alemães foi que os aliados não conseguiriam se envolver com sucesso em uma guerra em grande escala em curto prazo. Os alemães acreditavam que os números revelavam a realidade – os aliados não iriam à guerra pela Polônia porque não estavam prontos nem aptos. Assim, a Alemanha invadiu a Polônia em 1º de setembro de 1939. Dois dias depois, a Grã-Bretanha e a França declararam guerra.


A avaliação quantificável estava de fato correta e levou à derrota dos aliados e à retirada de Dunquerque, mas a avaliação maior estava errada e subestimou a vontade britânica e francesa de enfrentar a luta. A Segunda Guerra Mundial deixou pelo menos 50 milhões de mortos, metade da Europa atrás da Cortina de Ferro soviética e (mais felizmente) a destruição do próprio regime nazista. A disposição da Grã-Bretanha de lutar até o fim, seu sucesso em convencer os EUA a fornecer recursos e a subsequente luta bem-sucedida dos aliados nunca foram capturados nos dados. A avaliação quantificada alemã foi um instantâneo dos preparativos de guerra britânicos e franceses no verão de 1939 – nada mais.

O modelo matemático não continha nenhuma variável para as tropas voltando para a Bielorrússia para postar iPads roubados e outros saques, falta de ótica em veículos de combate vendidos há muito tempo no mercado negro ou pneus de baixa qualidade comprados por uma agência corrupta de aquisição do exército. Todos nós fomos enganados pelos demônios da economia do Passo de Fulda. Realmente não há outra explicação de como poderíamos ter superestimado o exército russo a esse ponto.

Jan Kallberg, Ph.D., LL.M., tem se concentrado em cibernética há vários anos. Ele é membro do corpo docente da Universidade de Nova York e da Universidade George Washington. Seus trabalhos apareceram em Joint Forces Quarterly, Strategic Studies Quarterly, IEEE Security & Privacy e IEEE Access. Siga-o em cyberdefense.com e @Cyberdefensecom.

Nenhum comentário:

Postar um comentário