terça-feira, 24 de maio de 2022

Poder Brando: A China desiste de briga com fãs de K-Pop

Monumento chinês em frente ao Museu da Guerra para Resistir à Agressão Americana e Ajudar a Coreia em Dandong.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de maio de 2022.

A China sofreu um choque em 2020 quando percebeu que sua propaganda começa e termina dentro das fronteiras da China continental, sendo sobrepujada em basicamente todas as mídias internacionais, lhe faltando empatia e amigos por todos os lados. Ao reclamar sobre a sua versão da Guerra da Coréia não ser aceita na Coréia do Sul, viu impotente como não tinha poder de coerção sobre até mesmo uma banda de celebridades adolescentes. Isso levou a uma catarse na cúpula chinesa e a uma corrida para tentar criar o poder brando (soft power) que tanto lhe falta. A China precisa apresentar uma "cara nova" diante do mundo que Pequim tanto deseja guiar como um hegemon.

O especialista S. Nathan Park, advogado de Washington e membro não residente do Sejong Institute, assim analisou o caso envolvendo a banda BTS de K-Pop. Tudo começou quando a China quis impor a sua versão histórica onde os bravos e abnegados "voluntários" chineses foram salvar a Coréia do Norte da agressão "imperialista" dos Estados Unidos. Inicialmente, a Samsung até mesmo removeu os produtos relacionados ao grupo sul-coreano BTS de suas lojas oficiais nas plataformas de comércio eletrônico chinesas, depois que os comentários da banda sobre a Guerra da Coréia irritaram os internautas chineses, que disseram que a "atitude unilateral" do grupo de K-pop em relação à guerra "nega a história". Apesar do bravado e da reação irritada, Pequim se viu - atônita - no lado perdedor. Isso levou a uma reavaliação do seu poder brando.

A Batalha do Lago Changjin
(
Chang jin hu, 2021).

Em resposta, a China produziu o filme A Batalha do Lago Changjin (Chang jin hu), um blockbuster sobre a Guerra da Coréia (1950-1953) que se tornou o filme de maior bilheteria de 2021 e da história do cinema chinês; batendo a Marvel e James Bond. O filme estrela Wu Jing, uma estrela chinesa em ascensão, como o protagonista comandante da 7ª Companhia do "Exército Voluntário do Povo Chinês". Este sucesso foi seguido pela continuação A Batalha do Lago Changjin II (1º de fevereiro de 2022), e por Snipers (Ju ji shou), este último sobre o atirador de elite chinês Zhang Taofang, que matou 214 soldados inimigos em 32 na Batalha de Triangle Hill. Tal como Simo Häyä, Zhang não usava luneta no seu fuzil, que também era um Mosin-Nagant.

Poder Brando: A China desiste de briga com fãs de K-Pop

Membros do BTS participam do Mnet Asian Music Awards 2019 no Nagoya Dome em Nagoya, Japão, em 4 de dezembro de 2019.
(Jean Chung/Getty Images)

Por S. Nathan ParkForeign Policy, 20 de outubro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de maio de 2022.

O poder brando da Coreia do Sul deve ser um modelo para Pequim.

A República Popular da China (RPC) provou não ser páreo para o ARMY. Quando o grupo de superestrelas do K-pop, BTS, reconheceu o sacrifício compartilhado de americanos e coreanos ao receberem o Prêmio James A. Van Fleet da Korea Society, em homenagem a um general americano durante a Guerra da Coréia, as mídias sociais chinesas ficaram indignadas, percebendo a mensagem do BTS para ser um desrespeito contra os soldados chineses na guerra. O Global Times, o tablóide estatal da China, criticou o grupo por sua “atitude unilateral” que “nega a história”. As lojas online começaram a puxar produtos relacionados ao BTS, antecipando o tipo de frenesi nacionalista que custou a franquias gigantes como a NBA e a loja de supermercados sul-coreana Lotte centenas de milhões de dólares no passado.

Mas a ofensiva da mídia chinesa contra os reis do K-pop durou apenas dois dias. O Global Times deletou discretamente alguns de seus artigos criticando o BTS, e a negatividade contra o grupo nas mídias sociais chinesas também desapareceu rapidamente. O pedido de boicote de alguns fãs chineses pouco afetou o BTS, apoiado por seu fã-clube mundial “ARMY” (que significa Adorable Representative M.C. for Youth, se você está se perguntando). Pouco depois de receberem o Prêmio Van Fleet, o BTS se tornou um dos cinco grupos musicais da história a ocupar os dois primeiros lugares simultaneamente na parada de músicas Hot 100 da Billboard, juntando-se aos Beatles e Bee Gees, entre outros. A oferta pública inicial da Big Hit Entertainment, empresa de produção do BTS, na semana passada, estava entre os IPO mais bem-sucedidos da história do mercado de ações coreano, já que o preço das ações quase dobrou no primeiro dia.

Este episódio recente é mais um exemplo de um fato cada vez mais óbvio: a China é ruim em soft power. Sua recente virada para o nacionalismo intensificado e detestável não está conquistando corações e mentes. Em todo o mundo, a percepção negativa da China está atingindo máximos históricos. Em uma pesquisa recente do Pew Research Center em 14 países, a opinião negativa média da China foi de 74% – acima dos 36,5% em 2002. Isso contrasta fortemente com sua vizinha Coreia do Sul, o qual não fica em segundo plano para muitos países quando, ahem, se trata de nacionalismo expressivo. Em uma pesquisa de 2019 conduzida pelo Serviço de Cultura e Informação Coreano (Korean Culture and Information ServiceKOCIS), a favorabilidade média da Coreia do Sul entre os 15 países pesquisados ​​foi de sólidos 76,7%, com mais de 90% de avaliações de favorabilidade de vários países, incluindo Rússia, Índia, Brasil, e Tailândia. A Coreia do Sul, em outras palavras, é tão popular quanto a China é impopular. A cultura pop da Coreia do Sul desempenhou um papel importante na imagem positiva da nação no mundo: uma pluralidade de entrevistados na mesma pesquisa KOCIS disse que o K-pop foi a primeira coisa que veio à mente sobre a Coreia do Sul (12,5%), seguido por comida coreana (8,5%) e cultura (6,5%).

Grupo de K-Pop Red Velvet na Coreia do Norte


A China seria sensata em seguir a estratégia de poder brando da Coreia do Sul. Para ter certeza, a afirmação da moda de que “o governo coreano criou o K-pop” é um exagero e geralmente é usada para descontar a arte e a criatividade da cultura pop coreana, pintando-a como um projeto de obras públicas monótono. Fundamentalmente, a cultura pop sul-coreana encontrou ressonância global porque os artistas da Coreia criaram produtos culturais que o mundo achou atraentes. Mas o governo coreano desempenhou um papel: queria ganhar soft power (poder brando) por meio da cultura pop, concebeu uma estratégia abrangente para aumentar o alcance de seus próprios artistas e implementou políticas específicas que conduzem ao florescimento da cultura pop.

O ex-presidente sul-coreano e vencedor do Prêmio Nobel da Paz Kim Dae-jung foi o arquiteto da estratégia de poder brando do país. Kim assumiu o cargo no momento certo em 1997, quando a Coreia do Sul estava começando a ver uma explosão da cultura pop após a transição da ditadura militar em 1987. Seo Taiji and Boys, a fonte do K-pop moderno, estreou em 1992. Seopyeonje, um filme de 1993 sobre a música pansori tradicional da Coréia, atraiu quase 3 milhões de espectadores, tornando-se o filme doméstico de maior sucesso até hoje. O megahit de 1991, What Is Love, com uma classificação nacional irreal de 64,9% (a terceira maior audiência de um drama coreano de todos os tempos), também foi o primeiro drama coreano a encontrar popularidade na China quando a CCTV (agora CGTN) transmitiu o programa em 1997. De pé à beira desse Big Bang, Kim Dae-jung formulou uma postura em relação ao desenvolvimento da cultura pop que continua até hoje.

Kim tinha muita confiança na capacidade da cultura coreana de se destacar no cenário mundial. Ele gostava de notar que, embora a Coréia tenha sido influenciada pela cultura chinesa por 2.000 anos, a Coréia nunca foi sinicizada ao contrário, como ele viu, dos mongóis do Império Yuan ou dos manchus do Império Qing - porque os coreanos foram capazes de aceitar a cultura internacional e criar sua própria versão exclusiva. Kim também acreditava que a cultura crescia por meio de trocas; qualquer tentativa de proteger uma cultura da exposição internacional levaria à estagnação. Mais importante ainda, Kim reconheceu que o governo tinha um papel de apoio à cultura, mas que não deveria ultrapassar seus limites. Em uma entrevista de 2007 que revisitou as realizações de seu governo, Kim deixou essa crença clara: “A intervenção mata as artes. A criatividade deve fluir livremente. Mas os artistas são economicamente fracos, então o governo deve apoiá-los financeiramente. Ajude-os com dinheiro, mas não intervenha.”

Esse mantra “apoie, mas não intervenha” ficou conhecido como o “princípio da distância” – a doutrina orientadora da política cultural da Coreia do Sul até hoje. Sob esse princípio, o governo Kim se concentrou em promover a liberdade de criação e troca, estabelecer a infraestrutura legal para proteger o direito dos artistas à propriedade intelectual e fornecer subsídios financeiros sem referência ao conteúdo da arte. A administração aboliu o processo de aprovação de filmes que efetivamente atuavam como censura. A proibição de produtos da cultura pop do Japão foi suspensa, permitindo que filmes, programas de TV, histórias em quadrinhos e música viajassem livremente pelo estreito. Inicialmente, alguns temiam que o produto japonês superior dizimasse o mercado coreano - mas o resultado foi o oposto, pois os dramas coreanos e o K-pop começaram a florescer no mercado japonês.

Inúmeras leis foram aprovadas para proteger os direitos de propriedade intelectual e o fluxo de dinheiro decorrente de tais direitos, especialmente no que diz respeito a filmes e música. As leis também forneceram clareza sobre o status legal de formas emergentes de cultura pop na época, como videogames, clubes de música ao vivo para bandas indie e streaming online. Kim prometeu dedicar pelo menos 1% do orçamento do governo para a promoção das artes, elevando-o da faixa de 0,3% na época. Sua administração alcançou esse marco em 1999; parte do orçamento foi usado para estabelecer o Fundo de Promoção da Indústria Cultural, que forneceu empréstimos a juros baixos para criadores de conteúdo. Um dos beneficiários desse fundo, por exemplo, é a desenvolvedora de jogos Bluehole, mais conhecida por seu jogo online multiplayer PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG), uma das plataformas de e-sports mais populares do mundo. Todas essas políticas formaram a base para o que veio a ser conhecido como hallyu, ou a “onda coreana”, uma onda global de popularidade de produtos da cultura pop coreana, incluindo filmes, programas de TV e música.

PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG).

Tom Clancy's Rainbow Six: Take-Down – Missions in Korea.
Esse jogo foi feito exclusivamente para a Coreia do Sul.

As sucessivas administrações sul-coreanas nem sempre aderiram à regra de distância do governo Kim, pois cederam à tentação de tentar controlar a cultura puxando os cordões da bolsa. O presidente conservador Lee Myung-bak, em uma tentativa de “equilibrar o poder cultural”, compilou uma lista negra de celebridades de esquerda para cortar o apoio público. Na administração seguinte de Park Geun-hye, a lista negra cresceu para incluir quase 10.000 nomes. Felizmente, porém, tais tentativas de subjugar as artes nunca foram normalizadas. Quando a lista negra foi revelada em 2016, tornou-se um dos focos dos protestos à luz de velas que derrubaram a presidência de Park por meio do impeachment. Com o princípio da distância restaurado, a cultura pop da Coréia do Sul teve outro ano de destaque em 2020: além do sucesso do BTS, o filme Parasita (Gisaengchung, 2019) de Bong Joon-ho - que foi um dos primeiros diretores a ser colocado na lista negra pelas administrações de Lee e Park - ganhou quatro prêmios da Academia, incluindo melhor filme.

A China certamente não carece da capacidade de fazer produtos fantásticos da cultura pop; na verdade, não faz muito tempo que Hong Kong era a capital cinematográfica da Ásia, com obras-primas de diretores como Wong Kar-wai e John Woo. O que falta, em vez disso, é uma liderança comprometida em apoiar as artes sem intervenção e a sociedade civil que disciplinaria a liderança se ela se desviasse desse princípio, como foi o caso de Kim Dae-jung e do corpo político da Coreia do Sul. Em vez disso, os controles sobre a cultura pop tornaram-se cada vez mais rígidos nos últimos oito anos sob Xi Jinping. Os líderes chineses que desejam maior poder brando fariam bem em prestar atenção ao diagnóstico simples de Kim: “A China não tem nada como o hallyu porque não é uma democracia”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário