Mostrando postagens com marcador República Dominicana. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador República Dominicana. Mostrar todas as postagens

domingo, 24 de outubro de 2021

A Carabina San Cristóbal da República Dominicana


Por Chris Eger, Guns.com, 14 de janeiro de 2014.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de outubro de 2021.

Made in D.R.

Então você é um ditador caribenho com bocas para alimentar e um enorme exército para equipar, o que você faz? Bem, para um generalíssimo de ilha, a solução foi fácil: construa seus próprios fuzis.

O problema

"El Jefe Trujillo era um fã de minúsculos bigodes, uniformes e armeiros húngaros.

A patente oficial de Rafael Leonidas Trujillo Molina era comandante do exército e presidente, mas era conhecido simplesmente na República Dominicana como El Jefe, ou "o chefe". Isso porque Trujillo foi o homem forte à frente do governo do país por mais de três décadas, dos anos 1930 a 1961, quando comeu uma bala nas mãos de um grupo de assassinos.

Além da ameaça sempre presente de golpes e levantes locais, o país fazia fronteira com o instável Haiti de François “Papa Doc” Duvalier, e os dois enfrentavam tensões de vez em quando. Isso levou Trujillo a expandir o exército para mais de 50.000 soldados. O problema era que, no final da década de 1940, o país tinha poucos bens e, embora Trujillo fosse próximo de outros ditadores latinos, incluindo Franco da Espanha, Perón da Argentina e Somoza da Nicarágua, tinha ainda menos amigos. Para manter suas legiões em armas, ele precisava de armas de fogo.

Felizmente, ele conhecia um cara.

Entra o húngaro

As submetralhadoras Danuvia de Kiraly foram usadas pelo Exército Húngaro na Segunda Guerra Mundial e foram a base do seu projeto Cristobal.

Aos 70, Pal Kiraly era um sobrevivente. Capitão de artilharia do Exército Austro-Húngaro na Primeira Guerra Mundial, ele teve que deixar seu país após o fim dessa guerra. Morando na Suíça, ele produziu vários designs para a SIG (a metralhadora Kf.7 e as metralhadoras MKMO/MKPO), bem como uma pistola cujo design da Walther P-38 posterior foi considerado "emprestado".

Voltando para a Hungria na década de 1930, ele projetou os modelos Danuvia 39M e 43M de submetralhadoras com retardo por alavanca para o Exército Húngaro. Quando os soviéticos chegaram após a próxima guerra mundial, ele partiu para climas mais quentes com menos russos, chegando à República Dominicana em 1947.

Lá, ele encontrou trabalho no arsenal apoiado pelo Estado dominicano, onde o compatriota húngaro Sandor “Sandy” Kovacs estava no comando. O novo arsenal manteve estoques antigos de carabinas M1 doadas dos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial e algumas submetralhadoras Beretta M1938, que foram licenciadas no país. Sem nenhuma dessas duas armas em quantidade suficiente para substituir o suprimento de fuzis Mauser do Exército, Kovacs pediu a Kiraly que inventasse algo.

O projeto da Cristóbal

A configuração distinta do gatilho duplo das carabinas Cristóbal é fácil de detectar.

Reciclando sua popular ação de blowback (recuo por gases) com retardo por alavanca, a nova arma de Kiraly parecia muito com as antigas, mas com algumas vantagens. Como o SIG MK e seus fuzis Danuvia, ele usou a mesma ação funcional disparando de um ferrolho aberto. Ao contrário das munições Mauser Export de 9×25mm que seus projetos anteriores disparavam, ele usou munição de Carabina .30, pois estava prontamente disponível.

Exteriormente, o desenho do seu novo fuzil era muito semelhante ao do M1938 Beretta, para o qual as ferramentas já estavam configuradas. Usando um receptor tubular muito parecido com a lendária submetralhadora Sten da Segunda Guerra Mundial, o fuzil era fácil de produzir em massa com mão de obra semi-qualificada. A coronha e a armação eram de madeira lisa. Era simples de desmontar e manter em campanha, com poucas peças (a desmontagem de primeiro escalão até seus nove componentes básicos poderia ser ensinada a um soldado em minutos).

Carabina Cristóbal Modelo 2.

Marcas de fábrica.
"Armeria F.A. San Cristobal R.D."

Compacta e eficaz, a arma tinha um cano de 15,9 polegadas (40,5cm) e um comprimento total de apenas 37,2 polegadas (94,5cm). Pesando 9,4 libras (4,25kg) com um carregador de 30 tiros inserido, a carabina é semelhante em tamanho à Ruger Mini-14, mas é uma arma de tiro seletivo com uma cadência de tiro de quase 600 tiros por minuto. Era robusta e pronta para produção total em semanas. Em vez de uma chave seletora, a arma tinha dois gatilhos diferentes, um para semi-automático e o segundo na parte traseira para rock and roll - totalmente automático. Se necessário, um acessório para uma baioneta de padrão Mauser poderia ser instalado, da qual alguns milhares estavam à disposição. Quando oferecido para o Exército Dominicano, foi um sucesso instantâneo.

Kovacs sabia de que lado seu pão tinha manteiga e, em homenagem a El Jefe, chamou a nova série de fuzis de Cristóbal e da fábrica Armeria San Cristóbal, em homenagem à cidade natal de Trujillo, San Cristóbal, onde coincidentemente estava localizada.

Uma desmontagem revela um sistema de ferrolho muito simples.

O uso da Cristóbal


Colocada em produção em 1950, cerca de um quarto de milhão de carabinas Cristóbal foram produzidas. No auge da produção, mais de 400 novas carabinas por mês saíam da linha de montagem, que empregava até 2.000 habitantes locais, supervisionada por uma pequena equipe de engenheiros europeus expatriados. Kiraly (como P De Kiraly) até patenteou o mecanismo de ferrolho nos Estados Unidos só pra garantir.

A variante padrão do Modelo 2, destacada neste artigo, era a mais comum, mas também havia uma versão modernizada com um guarda-mão ventilado e coronha dobrável conhecida como Modelo 62. A maioria foi direto para a máquina militar de Trujillo, mas vários milhares foram fornecidos para seus amigos na Cuba de Batista e na Colômbia de Pinilla. Lá, as armas chegaram às mãos das forças rebeldes de Castro e são frequentemente vistas em fotos dos bons e velhos tempos de Fidel. O próprio Che Guevara preferiu o Cristóbal a outras armas e sua carabina Kiraly pessoal está em exibição em um museu cubano da revolução.

Tropas cubanas revolucionárias de Fidel Castro.

A carabina M1 modificada de Camilo Cienfuegos (à esquerda) e a carabina Cristóbal de Che Guevara (à direita) no Museu da Revolução, Havana.

Por falar em Kiraly, ele viveu tranquilamente na República Dominicana, mesmo depois que El Jefe foi para aquele grande palácio presidencial no céu. Antes que o mestre-armeiro húngaro falecesse pacificamente em 1965, aos 85 anos, ele até havia projetado uma versão experimental 7,62x51mm OTAN da Cristóbal. Em 1966, com o fechamento da conexão com a Hungria e a saída de Trujillo, a Armeria San Cristóbal interrompeu a produção de armas. Na década de 1970, o arsenal foi fechado.

Revolucionários cubanos com carabinas Cristóbal.

O mercenário italiano Ilio Capozzi em camuflado com um AR10 na República Dominicana conversando com um oficial de segurança com um Cristóbal.

A carabina de Kiraly, no entanto, permanece em arsenais militares e policiais em toda a ilha. Embora o Exército agora esteja equipado principalmente com fuzis M16 fornecidos como ajuda militar nos últimos anos, nunca se sabe quando uma boa arma de calibre .30 de design húngaro pode ser útil.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

A serviço do Generalíssimo:
Os pilotos brasileiros na República Dominicana.
Hélio Higuchi.

terça-feira, 3 de novembro de 2020

GALERIA: Snipers no Forças Comando na República Dominicana

Um sniper de Belize mira durante o evento Sniper Stalker no Fuerzas Comando, na República Dominicana, em 17 de junho de 2010.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de novembro de 2020.

Fuerzas Comando (Forças Comando) de 2010 ocorreu em Santo Domingo, na República Dominicana. O evento Sniper Stalker (Espreitador Sniper) inclui equipes formadas por atiradores e observadores em várias situações táticas como camuflagem, tiro à distância e tiro de oportunidade. As equipes concorrentes avançaram rastejando por uma área densamente coberta nos arredores da base militar da 1ª Brigada de Infantaria "16 de Agosto" do Exército Dominicano, em 17 de junho de 2010.

Sniper Stalker no Forças Comando 2017


No desafio, os snipers tiveram 2:30h para atravessar o campo de 1.200m sem serem detectados enquanto eram observados por juízes com binóculos de alta potência. Um sniper paraguaio foi entrevistado durante a competição (vídeo acima) e declarou:

"É muito difícil porque os juízes normalmente são snipers também, então eles sabem o que procurar e onde procurar, e o que eles estão procurando".

Além de deslocarem-se indetectáveis, as equipes também tiveram que disparar tiros de festim e identificar cartões de couro, plotados de vários locais pré-determinados.

O evento Sniper Stalker foi apenas um dos vários eventos que compõem a Competição de Operações Especiais Fuerzas Comando, com a participação de 20 países: Argentina, Bahamas, Belize, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guatemala, Guiana, Jamaica, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Trinidad e Tobago, Estados Unidos e Uruguai.

Patrocinada pelo Comando Sul americano (USSOUTHCOM), um dos principais objetivos da competição é promover a parceria entre países da América do Norte, América Central, América do Sul e Caribe.

Dois atiradores jamaicanos escondidos observam seu alvo.

Duplas jamaicana e belizenha em trajes ghillie.

Sniper panamenho.

Sniper não-identificado completamente dissimulado no terreno.

Virtualmente invisível.

Sniper chileno zerando a mira da luneta enquanto aguarda a sua vez.

Observador de uma das equipes repassa informações pelo rádio, de modo a ajustar os tiros.

Sniper argentino completamente mascarado.

O Fuerzas Comando 2010 terminou em 24 de junho com a vitória do Grupo Especial de Operaciones (GEO) do Equador, com 1.386 pontos, seguido pela Argentina (1.334 pontos), Estados Unidos (1.330 pontos), Colômbia (1.307), Chile (1.273) e Peru (1.243).

A competição encerrou com um salto de amizade e uma cerimônia.

A cena do sniper Ding Chavez no filme Perigo Real e Imediato (1994) 


Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:



FOTO: Sniper do FORAD no CENZUB, 23 de janeiro de 2020.

FOTO: Posto sniper na Chechênia15 de outubro de 2020.

FOTO: Sniper na chuva, 16 de setembro de 2020.