Mostrando postagens com marcador Submetralhadora. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Submetralhadora. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 9 de novembro de 2021

FOTO: Soldado americano com a Grease Gun na Alemanha Ocidental

Soldado americano com uma submetralhadora M3 Grease Gun durante o Exercício REFORGER '85, na Alemanha Ocidental, 1985.

Soldado de Primeira Classe Jose Ledoux-Garcia da Companhia C, 5º Batalhão, 77º Regimento Blindado, guarda seu tanque de batalha principal M60A3 durante a Central Guardian (Guardião Central), uma fase do Exercício REFORGER '85, na cidade alemã de Giessen, na Alemanha Ocidental.

Ele está armado com uma submetralhadora M3A1 calibre 45, apelidada Grease Gun (Engraxadeira).

Forgotten Weapon: Disparando a M3A1 Grease Gun

domingo, 24 de outubro de 2021

A Carabina San Cristóbal da República Dominicana


Por Chris Eger, Guns.com, 14 de janeiro de 2014.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de outubro de 2021.

Made in D.R.

Então você é um ditador caribenho com bocas para alimentar e um enorme exército para equipar, o que você faz? Bem, para um generalíssimo de ilha, a solução foi fácil: construa seus próprios fuzis.

O problema

"El Jefe Trujillo era um fã de minúsculos bigodes, uniformes e armeiros húngaros.

A patente oficial de Rafael Leonidas Trujillo Molina era comandante do exército e presidente, mas era conhecido simplesmente na República Dominicana como El Jefe, ou "o chefe". Isso porque Trujillo foi o homem forte à frente do governo do país por mais de três décadas, dos anos 1930 a 1961, quando comeu uma bala nas mãos de um grupo de assassinos.

Além da ameaça sempre presente de golpes e levantes locais, o país fazia fronteira com o instável Haiti de François “Papa Doc” Duvalier, e os dois enfrentavam tensões de vez em quando. Isso levou Trujillo a expandir o exército para mais de 50.000 soldados. O problema era que, no final da década de 1940, o país tinha poucos bens e, embora Trujillo fosse próximo de outros ditadores latinos, incluindo Franco da Espanha, Perón da Argentina e Somoza da Nicarágua, tinha ainda menos amigos. Para manter suas legiões em armas, ele precisava de armas de fogo.

Felizmente, ele conhecia um cara.

Entra o húngaro

As submetralhadoras Danuvia de Kiraly foram usadas pelo Exército Húngaro na Segunda Guerra Mundial e foram a base do seu projeto Cristobal.

Aos 70, Pal Kiraly era um sobrevivente. Capitão de artilharia do Exército Austro-Húngaro na Primeira Guerra Mundial, ele teve que deixar seu país após o fim dessa guerra. Morando na Suíça, ele produziu vários designs para a SIG (a metralhadora Kf.7 e as metralhadoras MKMO/MKPO), bem como uma pistola cujo design da Walther P-38 posterior foi considerado "emprestado".

Voltando para a Hungria na década de 1930, ele projetou os modelos Danuvia 39M e 43M de submetralhadoras com retardo por alavanca para o Exército Húngaro. Quando os soviéticos chegaram após a próxima guerra mundial, ele partiu para climas mais quentes com menos russos, chegando à República Dominicana em 1947.

Lá, ele encontrou trabalho no arsenal apoiado pelo Estado dominicano, onde o compatriota húngaro Sandor “Sandy” Kovacs estava no comando. O novo arsenal manteve estoques antigos de carabinas M1 doadas dos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial e algumas submetralhadoras Beretta M1938, que foram licenciadas no país. Sem nenhuma dessas duas armas em quantidade suficiente para substituir o suprimento de fuzis Mauser do Exército, Kovacs pediu a Kiraly que inventasse algo.

O projeto da Cristóbal

A configuração distinta do gatilho duplo das carabinas Cristóbal é fácil de detectar.

Reciclando sua popular ação de blowback (recuo por gases) com retardo por alavanca, a nova arma de Kiraly parecia muito com as antigas, mas com algumas vantagens. Como o SIG MK e seus fuzis Danuvia, ele usou a mesma ação funcional disparando de um ferrolho aberto. Ao contrário das munições Mauser Export de 9×25mm que seus projetos anteriores disparavam, ele usou munição de Carabina .30, pois estava prontamente disponível.

Exteriormente, o desenho do seu novo fuzil era muito semelhante ao do M1938 Beretta, para o qual as ferramentas já estavam configuradas. Usando um receptor tubular muito parecido com a lendária submetralhadora Sten da Segunda Guerra Mundial, o fuzil era fácil de produzir em massa com mão de obra semi-qualificada. A coronha e a armação eram de madeira lisa. Era simples de desmontar e manter em campanha, com poucas peças (a desmontagem de primeiro escalão até seus nove componentes básicos poderia ser ensinada a um soldado em minutos).

Carabina Cristóbal Modelo 2.

Marcas de fábrica.
"Armeria F.A. San Cristobal R.D."

Compacta e eficaz, a arma tinha um cano de 15,9 polegadas (40,5cm) e um comprimento total de apenas 37,2 polegadas (94,5cm). Pesando 9,4 libras (4,25kg) com um carregador de 30 tiros inserido, a carabina é semelhante em tamanho à Ruger Mini-14, mas é uma arma de tiro seletivo com uma cadência de tiro de quase 600 tiros por minuto. Era robusta e pronta para produção total em semanas. Em vez de uma chave seletora, a arma tinha dois gatilhos diferentes, um para semi-automático e o segundo na parte traseira para rock and roll - totalmente automático. Se necessário, um acessório para uma baioneta de padrão Mauser poderia ser instalado, da qual alguns milhares estavam à disposição. Quando oferecido para o Exército Dominicano, foi um sucesso instantâneo.

Kovacs sabia de que lado seu pão tinha manteiga e, em homenagem a El Jefe, chamou a nova série de fuzis de Cristóbal e da fábrica Armeria San Cristóbal, em homenagem à cidade natal de Trujillo, San Cristóbal, onde coincidentemente estava localizada.

Uma desmontagem revela um sistema de ferrolho muito simples.

O uso da Cristóbal


Colocada em produção em 1950, cerca de um quarto de milhão de carabinas Cristóbal foram produzidas. No auge da produção, mais de 400 novas carabinas por mês saíam da linha de montagem, que empregava até 2.000 habitantes locais, supervisionada por uma pequena equipe de engenheiros europeus expatriados. Kiraly (como P De Kiraly) até patenteou o mecanismo de ferrolho nos Estados Unidos só pra garantir.

A variante padrão do Modelo 2, destacada neste artigo, era a mais comum, mas também havia uma versão modernizada com um guarda-mão ventilado e coronha dobrável conhecida como Modelo 62. A maioria foi direto para a máquina militar de Trujillo, mas vários milhares foram fornecidos para seus amigos na Cuba de Batista e na Colômbia de Pinilla. Lá, as armas chegaram às mãos das forças rebeldes de Castro e são frequentemente vistas em fotos dos bons e velhos tempos de Fidel. O próprio Che Guevara preferiu o Cristóbal a outras armas e sua carabina Kiraly pessoal está em exibição em um museu cubano da revolução.

Tropas cubanas revolucionárias de Fidel Castro.

A carabina M1 modificada de Camilo Cienfuegos (à esquerda) e a carabina Cristóbal de Che Guevara (à direita) no Museu da Revolução, Havana.

Por falar em Kiraly, ele viveu tranquilamente na República Dominicana, mesmo depois que El Jefe foi para aquele grande palácio presidencial no céu. Antes que o mestre-armeiro húngaro falecesse pacificamente em 1965, aos 85 anos, ele até havia projetado uma versão experimental 7,62x51mm OTAN da Cristóbal. Em 1966, com o fechamento da conexão com a Hungria e a saída de Trujillo, a Armeria San Cristóbal interrompeu a produção de armas. Na década de 1970, o arsenal foi fechado.

Revolucionários cubanos com carabinas Cristóbal.

O mercenário italiano Ilio Capozzi em camuflado com um AR10 na República Dominicana conversando com um oficial de segurança com um Cristóbal.

A carabina de Kiraly, no entanto, permanece em arsenais militares e policiais em toda a ilha. Embora o Exército agora esteja equipado principalmente com fuzis M16 fornecidos como ajuda militar nos últimos anos, nunca se sabe quando uma boa arma de calibre .30 de design húngaro pode ser útil.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

A serviço do Generalíssimo:
Os pilotos brasileiros na República Dominicana.
Hélio Higuchi.

domingo, 12 de setembro de 2021

As submetralhadoras Hotchkiss

Soldado vietnamita com uma submetralhadora Hotchkiss Universal (Modelo 010), Indochina.

Por Jean HuonSmall Arms Review, junho de 2009.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de setembro de 2021.

Após a Segunda Guerra Mundial, o Exército Francês queria adotar uma nova submetralhadora para substituir as várias armas britânicas, alemãs e americanas com as quais suas tropas estavam equipadas. O pedido tinha uma sensação de emergência, pois uma nova guerra estava se formando na Indochina. Tanto as fábricas estatais em Châtellerault, Saint-Étienne, Tulle e o fabricante de armas privado Hotchkiss começaram a trabalhar neste projeto.

A Companhia Hotchkiss, fundada por Benjamin B. Hotchkiss em 1867, foi inicialmente dedicada à produção de munições de invólucro sólido durante a guerra de 1870-71. Mais tarde, ele desenvolveu o Canhão Rotativo Hotchkiss que foi usado por muitos países no final do século XIX. A arma de maior sucesso que a empresa já produziu foi a metralhadora Hotchkiss desenvolvida por Laurence Benét e Henri Mercié na virada do século XX e usada com grande efeito durante a Primeira Guerra Mundial.

Durante a década de 1920-30, a Hotchkiss desenvolveu metralhadoras leves, metralhadoras de infantaria, metralhadoras para aeronaves, armas de grande calibre e armas anti-carro para exércitos em todo o mundo. Depois de 1945, a empresa Hotchkiss produziu submetralhadoras para o Exército Francês e outros.

Informações gerais sobre as submetralhadoras Hotchkiss

A aparência geral e a operação das submetralhadoras Hotchkiss são as mesmas para todos os seus modelos. Elas têm uma estrutura cilíndrica com a alavanca de manejo e a janela de ejeção ambas localizadas no lado direito. Dependendo do modelo, podem ter coronha fixa ou dobrável, em madeira ou metal. Alguns modelos possuem um cano curto telescópico que pode ser empurrado para trás dentro da armação, enquanto outros possuem um cano fixo com uma camisa de resfriamento cilíndrica. O carregador é derivado daquele da MP 40 e está localizado em um porta-carregador dobrável. As armas funcionam com um ferrolho de recuo por gases com um percussor retardado. As armas são relativamente complicadas, por serem feitas com muitas peças. Os dispositivos de disparo são complicados e são feitos de muitas peças, com várias peças sendo feitas de chapa de metal estampada.

Modelo 011

Submetralhadora Hotchkiss Modelo 011.

O Modelo 011 tem uma coronha de madeira rígida, é muito simples na sua fabricação e é tão rudimentar quanto a submetralhadora Sten. A coronha triangular tem uma barra vertical no lado esquerdo para prender uma bandoleira. A coronha é montada com uma tampa que fecha a armação na parte traseira. O mecanismo de trancamento está localizado em uma caixa de formato triangular sob a estrutura do receptor. O compartimento do carregador também é um punho frontal que pode ser dobrado, permitindo que a arma seja carregada com um carregador carregado sob o cano. A janela de ejeção tem uma tampa que pode travar o ferrolho na posição aberta ou fechada e é usada como uma segurança secundária. O cano está localizado em um soquete que pode se mover para trás para o transporte, reduzindo assim o comprimento da arma. A alça de mira está localizada no topo da tampa da coronha e a massa de mira pode ser dobrada.

Este modelo foi desenvolvido em 1948 e foi usado por unidades locais na Indochina, como a Guarda de Supletivos do Bispo Phat-Diem.

Modelo 010 ou “Tipo Universal”

Submetralhadora Hotchkiss Modelo 010.

O Modelo 010 é provavelmente uma das submetralhadoras mais curiosas já feitas. A maioria dos componentes pode ser movida para reduzir o volume da arma para transportar:
  • A coronha tubular metálica pode ser dobrada sob a estrutura,
  • O punho da pistola pode ser dobrado para a frente, envolvendo o guarda-mato,
  • O compartimento do carregador pode ser dobrado para a frente sob o cano,
  • O cano também pode ser movido para trás.
A estrutura do receptor é tubular com uma aba para cobrir a janela de ejeção que está localizada no lado direito. A alavanca de manejo é esférica e também está localizada no lado direito. Ele segura uma tira de chapa para cobrir a ranhura sobre a qual se move. O ferrolho tem um percussor separado e a mola de recuo é helicoidal. A ignição da espoleta é retardada até o momento imediato após o ferrolho ser fechado e é acionada por uma alavanca. O alojamento do gatilho é uma caixa triangular localizada sob o receptor e contém um seletor de botão de pressão. O carregador está localizado em um alojamento dobrável para a frente. A coronha é feita de um conjunto de tubos com descanso de ombro em madeira. O punho da pistola é equipado com cabos de plástico marrom. A alça de mira dobrável tem duas aberturas e a massa de mira é protegida por um toldo.

A submetralhadora Hotchkiss Modelo 010 dobrada (acima) e desmontada.

A desmontagem da Hotchkiss Modelo 010 é simples:
  • Remova o carregador e limpe a arma,
  • dobre a coronha,
  • remova o plugue traseiro,
  • extraia a mola de recuo e o ferrolho.
  • Remonte na ordem inversa.
O Modelo 010 é uma arma muito complicada e não é fácil de usar; particularmente durante o manuseio, pois é fácil para os dedos ficarem presos e / ou prensados em qualquer uma das muitas partes dobráveis.

A arma foi fabricada entre 1949 e 1952. Foi testada pelo Exército Francês na Indochina por paraquedistas e pela Legião Estrangeira. Alguns países compraram algumas dessas armas, como Venezuela e Marrocos. O último Hotchkiss Modelo 010 em guerra foi encontrado no Afeganistão na década de 1980.

Paraquedistas venezuelanos marchando no desfile do Dia da Independência em Caracas, capital da Venezuela, em 5 de julho de 1955. (FAV-Club)

Modelo 017

Submetralhadora Modelo 017, provavelmente feita para a polícia.
Abaixo, com o carregador dobrado e com o número de série 401.

O Modelo 017 foi projetado como o Modelo 010, exceto por ter uma coronha fixa de madeira, um cano mais longo, uma camisa de resfriamento perfurada e o cabo da pistola não pode ser dobrado. Um dispositivo de segurança adicional é instalado próximo ao gatilho e quando ele está no lugar, o uso do gatilho não é possível. O Modelo 017 foi projetado para uso policial e foi testado pela polícia francesa; mas o MAT 49-54 foi escolhido em seu lugar. O modelo Hotchkiss 017 também foi testado pelo Marrocos.

Modelo 304

Submetralhadora Modelo 304 cano curto
Abaixo, cano curto e baioneta.

O Modelo 304 é uma evolução dos modelos anteriores. Possui coronha fixa de madeira e existem diversas variações:
  • Armação tubular do receptor, cano curto que pode ser retraído na armação e um mecanismo de caixa de gatilho retangular;
  • armação tubular do receptor, cano longo com uma camisa de resfriamento perfurada, mecanismo de gatilho de caixa retangular e uma baioneta pontiaguda reversível como no fuzil MAS 36;
  • armação em chapa de metal com tampa protetora contra poeira na janela de ejeção, cano longo com camisa de resfriamento perfurada, mecanismo de caixa de gatilho triangular e baioneta pontiaguda reversível como no fuzil MAS 36.

Submetralhadora Modelo 304 cano longo e baioneta.
Abaixo, com a baioneta e o carregador dobrados.

Características

Modelo 011
Munição: 9mm Luger
Comprimento total: 76cm
Comprimento do cano: 21cm
Comprimento: 67cm com o cano retraído
Peso: 3,3kg
Capacidade do carregador: 32 tiros

Modelo 010
Munição: 9mm Luger
Comprimento total: 780mm
Comprimento total: 53,8cm com a coronha dobrada
Comprimento do cano: 27cm
Comprimento: 67cm com o cano retraído
Peso: 3,43kg
Capacidade do carregador: 32 tiros

Modelo 017
Munição: 9mm Luger
Comprimento total: 94,5cm
Comprimento do cano: 40,5cm
Peso: 3,8kg
Capacidade do carregador: 32 tiros

Modelo 304 cano curto
Munição: 9mm Luger
Comprimento total: 86cm
Comprimento do cano: 27cm
Comprimento: 67cm com o cano retraído
Peso: 3,2kg
Capacidade do carregador: 32 tiros

Modelo 304 cano longo
Munição: 9mm Luger
Comprimento total: 92cm
Comprimento do cano: 30cm
Peso: 3,7kg
Capacidade do carregador: 32 tiros

Small Arms Review V12N9, junho de 2009.

Bibliografia recomendada:

Les Pistolets-mitrailleurs français.
Jean Huon.

Leitura recomendada:

Armas vietnamitas para a Argélia14 de dezembro de 2020.

Resultados dos testes do MAS 62, 1º de fevereiro de 2021.

A submetralhadora MAS-38, 5 de julho de 2020.


terça-feira, 13 de abril de 2021

Policiais belgas encarregados de vigiar a sede da OTAN ainda empunham a icônica submetralhadora Uzi


Por Joseph Trevithick, The Warzone, 20 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de abril de 2021.

Depois de mais de sete décadas, a lendária submetralhadora Uzi continua a ser usada em todo o mundo.

Embora inquestionavelmente icônica, a submetralhadora Uzi israelense original é uma visão cada vez mais incomum entre as forças de segurança ocidentais. No entanto, imagens divulgadas recentemente mostram que a Polícia Federal belga encarregada de guardar o principal quartel-general operacional da OTAN em Bruxelas ainda tem acesso a essas armas.

As forças armadas americanas divulgaram as imagens do pessoal da Polícia Federal belga treinando com suas Uzis em um estande coberto no Centro de Suporte de Treinamento na Base Aérea de Chièvres. Chièvres está situado a cerca de 19km do Quartel-General Supremo das Potências Aliadas da OTAN na Europa (Supreme Headquarters Allied Powers EuropeSHAPE), sede das Operações de Comando Aliado (Allied Command OperationsACO) da Aliança, na cidade de Mons.


As fotos também mostram policiais treinando com suas pistolas Smith&Wesson M&P9. O fabricante de armas americano ganhou um contrato para fornecer essas armas de 9 mm para a Polícia Federal belga em 2011.

As Uzis em tamanho real são definitivamente as armas mais atraentes. Essas exemplares específicos são armas fabricadas sob licença na Bélgica pela igualmente famosa empresa de armas leves Fabrique National, mais comumente chamada de FN.

Uziel "Uzi" Gal, nascido na Alemanha, começou a trabalhar nesta arma de 9x19mm logo após o estabelecimento do Estado de Israel em 1948 e o primeiro protótipo foi concluído em 1950. Gal pessoalmente não queria a arma, que entrou em serviço nas Forças de Defesa de Israel (IDF) quatro anos depois, batizada em sua homenagem.

Um policial da Polícia Federal belga engatilha sua submetralhadora Uzi enquanto treina em uma área coberta na Base Aérea de Chièvres. (Exército dos EUA)

Uma policial da Polícia Federal belga aponta sua pistola Smith&Wesson M&P9. (Exército dos EUA)

A Uzi padrão, que pesa pouco menos de quatro quilos, foi uma das primeiras submetralhadoras a apresentar o chamado ferrolho telescópico. O que isso significa é que uma parte substancial do conjunto do ferrolho, um componente-chave do mecanismo interno da arma, está situada na frente da arma e desliza para frente e para trás em torno do cano. Em muitos projetos anteriores, bem como nos subsequentes, esse componente é posicionado inteiramente atrás do cano.

Isso permite uma arma mais compacta que ainda tem um cano relativamente longo. A Uzi padrão original, que tinha uma coronha fixa de madeira, tinha um cano de pouco mais de 25 centímetros de comprimento e um comprimento total de pouco mais de 64 centímetros. Em comparação, a submetralhadora M1 Thompson, outra arma icônica, tem um cano de 26,7cm e meia de comprimento, mas tem quase 86cm de comprimento.

Uma submetralhadora Uzi padrão com coronha fixa de madeira. (Museu do Exército Sueco)

Uma versão da Uzi padrão com coronha dobrável, como visto nos exemplos belgas em Chièvres, foi posteriormente introduzida. Com esta coronha estendida, o comprimento total da arma é apenas ligeiramente menor do que seria com a coronha fixa de madeira instalada.

Apesar das complexidades políticas que muitos países enfrentaram, e que muitos ainda enfrentam, ao lidar com Israel, a Uzi rapidamente se tornou um padrão-ouro para submetralhadoras em todo o mundo. O Irã sob o xá estava entre os importadores dessas armas e elas permanecem em uso na atual República Islâmica, embora seja contrário à própria existência de Israel por uma questão de política. Grandes quantidades de cópias licenciadas e clones não-licenciados foram produzidas em vários países.

Militares das forças especiais iranianas armados de Uzis com silenciadores. (Agência de Notícias Borna)

Por meio de sua onipresença, inclusive junto às principais forças militares e outras forças de segurança, a arma alcançou status de ícone, tanto na vida real quanto na mídia popular. Robert Wanko, assim como outros agentes do Serviço Secreto dos EUA, sacou sua Uzi durante a tentativa de assassinato do presidente Ronald Reagan em 1981.

O agente do Serviço Secreto dos Estados Unidos, Robert Wanko, à esquerda, desdobra a coronha de sua submetralhadora Uzi logo após a tentativa de assassinato do presidente Ronald Reagan em 1981. Uma pasta na qual uma Uzi, seja aquela mantida por Wanko, ou uma empunhado por outro agente em outro lugar na cena, tinha sido escondida, é vista na rua à direita. (NARA)

As Uzis também foram usados com as forças de operações especiais militares dos EUA, incluindo as equipes SEAL da Marinha dos EUA e as Forças Especiais do Exército dos EUA, e permanecem em armários dentro da comunidade das forças de operações especiais americanas para treinamento de familiarização com armas estrangeiras. Outras agências do governo federal, como o Serviço de Segurança Diplomática do Departamento de Estado e organizações predecessoras, também emitiram Uzis para seus funcionários.

Os alunos designados para o Centro de Guerra Especial JFK do Exército e a Escola disparam Uzis, bem como outras submetralhadoras, durante um curso de treinamento de familiarização com armas estrangeiras. (Exército dos EUA)

Um agente especial do então Escritório de Segurança do Departamento de Estado dos EUA, armado com uma Uzi, é visto à esquerda nesta foto do então Embaixador dos EUA em El Salvador Thomas Pickering, em primeiro plano, e então Embaixador dos EUA nas Nações Unidas Jeane Kirkpatrick, à direita, em El Salvador em 1984.

Ao mesmo tempo, Uzis também se tornaram populares entre grupos terroristas e criminosos. O desenho robusto e compacto combinado com o grande número dessas armas em circulação em todo o mundo - somente Israel fabricou mais de 1,5 milhão delas - aumenta as chances de que continuem a encontrar seu caminho até as mãos de atores maléficos não-estatais.

Tudo isso foi rapidamente traduzido para a tela grande em filmes como Comando Delta (The Delta Force, 1986), estrelado por Chuck Norris e Lee Marvin. A lista de filmes, bem como programas de televisão, em que a Uzi é um recurso de destaque, incluindo outros grandes sucessos de bilheteria, como O Exterminador do Futuro (The Terminator, 1984), com Arnold Schwarzenegger como o Exterminador titular, é longa demais para ser postada aqui por completo. Jogos de vídeo e outras mídias populares também apresentam Uzis rotineiramente.



Depois de mais de sete décadas, a Uzi continua a ver um uso significativo por unidades militares e forças de segurança estatais até hoje - incluindo a Polícia Federal belga. No entanto, agora é certamente um desenho datado que é relativamente pesado para seu tamanho e tem uma cadência de tiro - 600 tiros por minuto - que é decididamente lenta para uma arma deste tipo, mesmo que a torne mais controlável e, como resultado, preciso.

Um derivado compacto pesando 2,7kg e com uma cadência de tiro de 950 tiros por minuto, chamado de Mini Uzi, foi introduzido em 1980. Isto foi seguido seis anos depois pela Micro Uzi ainda menor e de disparo mais rápido, que, embora visualmente semelhante, é um desenho substancialmente diferente. Uma "pistola" Micro Uzi sem coronha, com um cano um pouco mais curto, veio logo em seguida. Versões semiautomáticas também foram produzidas, incluindo tipos com canos mais longos, necessários para atender às diversas legislações referentes à propriedade civil, principalmente nos Estados Unidos.


Um anúncio da década de 1980 mostrando todos os modelos da família Uzi naquela época.

"A tecnologia antiga deve ser eliminada em algum momento", disse Iddo Gal, filho de Uzi Gal, ao The Baltimore Sun em 2004, dois anos depois que seu pai morreu aos 79 anos. "Existem pouquíssimas armas que resistiram por tanto tempo."

Ainda assim, assim como seu uso operacional, a produção da Uzi persiste. Em 2010, o fabricante de armas israelense IWI até mesmo revelou um novo tipo, a Uzi Pro, um derivado da Mirco Uzi apresentando um receptor inferior de polímero leve totalmente novo, entre outras mudanças, e vários acessórios modernos, como trilhos de acessórios para montagem de itens como miras ópticas, miras laser e luzes táticas. Uma versão semiautomática de "pistola", inicialmente sem coronha, mas agora disponível com uma braçadeira, também foi introduzida, novamente voltada principalmente para os mercados civis, particularmente os entusiastas de armas nos Estados Unidos.


No entanto, mesmo quando apareceu pela primeira vez, há mais de uma década, a Uzi Pro estava entrando em um mercado inundado com submetralhadoras mais novas e modernas, que cada vez mais ultrapassaram outros tipos icônicos, mas datados, tais como as séries Heckler & Koch MP5, também. As forças militares, em geral, há muito tempo se afastam das armas desse tipo geral, também, em favor de fuzis de assalto compactos que disparam cartuchos com melhor desempenho e alcance balístico. Essa mesma tendência também foi aparente em muitas forças policiais e de segurança em todo o mundo, em grande parte devido às preocupações com a proliferação de armas e armaduras corporais mais capazes entre grupos criminosos.

Uma nova classe de armas, conhecida como Armas de Defesa Pessoal (Personal Defense Weapons, PDW), tenta fazer o melhor dos dois mundos, oferecendo um pacote compacto e altamente controlável com uma profundidade de carregador que dispara o que pode ser descrito como munição de fuzil em miniatura que são capazes de penetrar armadura corporal. Essas ofertas também degradaram a atratividade das subs em alguns casos.

O HK MP7 é uma PDW altamente popular usada por forças militares e policiais em todo o mundo. (SRI Tactical)

Dito isso, as submetralhadoras, em geral, continuam a servir nas principais forças militares e outras forças de segurança, embora frequentemente em funções de nicho. Por exemplo, em 2019, o Exército dos EUA selecionou oficialmente uma versão da série B&T USA AC9 PRO como uma nova arma especificamente para detalhes de segurança VIP, algo que você pode ler com mais detalhes neste artigo anterior da War Zone.

Ainda não se sabe por quanto tempo a Polícia Federal belga manterá suas Uzis, mas, pelo menos por enquanto, elas permanecem como parte do arsenal disponível para os policiais que protegem um dos principais quartéis-generais do que é indiscutivelmente a aliança militar mais significativa no planeta.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendado:

GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.


A submetralhadora MAS-38, 5 de julho de 2020.

Micro Tavor VS M4/M16, 5 de março de 2020.

domingo, 28 de março de 2021

FOTO: Rara submetralhadora tcheca na Venezuela

Tenente-Coronel Carlos Delgado Chalbaud, do Exército Nacional Venezuelano, praticando tiro com a submetralhadora ZK-383, anos 1940.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de março de 2021.

A Venezuela é conhecida por suas armas exóticas, em muito devido aos diferentes picos do preço do petróleo, e a posse da ZK-383 é mais um exemplo.

A submetralhora ZK-383 foi desenvolvida pelos irmãos Koucký em 1938 na fábrica de armas então chamada Československá zbrojovka, akc.spol. (depois Československá zbrojovka-Brno) na cidade de Brno, na então Tchecoslováquia. O ZK-383 foi exportado para muitos países europeus menores após sua data de início de produção em 1938. A produção do ZK-383 continuou na fábrica de armas de Brno, mesmo durante a ocupação alemã durante a Segunda Guerra Mundial. A maioria das armas produzidas foi fornecida à Waffen-SS. Ele continuou a ser produzido em pequenos números no período pós-guerra e a produção terminou em 1948. O ZK-383 foi lentamente substituído por metralhadoras menores e mais leves, como a Sa vz. 23. A Bulgária, o mais pobre dos exércitos do Pacto de Varsóvia, continuou a usá-la até a década de 1970. A produção total girou em torno de 35 mil unidades.

A ZK-383 também chegou à América do Sul, sendo exportada para o Brasil, Venezuela e Bolívia (sendo usada por estes na Guerra do Chaco).

Vídeo recomendado:


Teste da ZK-383 pelo Forgotten Weapons

Bibliografia recomendada:

The Chaco War 1932-35:
South America's greatest modern conflict.
Alejandro de Quesada e Phillip Jowett.
Ilustração de Ramiro Bujeiro.

Leitura recomendada:

GALERIA: Armas do golpe militar na Venezuela em 195811 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Ativação do Comando de Operações Especiais venezuelano30 de agosto de 2020.

Selva de Aço: A História do AK-103 Venezuelano13 de fevereiro de 2021.

O regime da Venezuela enche seus bolsos com dinheiro do narcotráfico24 de fevereiro de 2021.

FOTO: Paraquedistas venezuelanos marchando com a sub Hotchkiss14 de fevereiro de 2021.

FOTO: Sniper com baioneta calada9 de dezembro de 2020.

sábado, 20 de fevereiro de 2021

GALERIA: Submetralhadora Hotchkiss Universal no Iêmen

Submetralhadora Hotchkiss "Tipo Universal" totalmente dobrada, Iêmen, agosto de 2019. (Calibre Obscura)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de fevereiro de 2020.

Os bazares do Oriente Médio e Próximo são sempre prolíficos em achados fascinantes de armas exóticas. Das modificações artesanais quase Steampunk do Passo de Khyber, às armas antigas ou raras encontradas por toda a região, o Oriente sempre deslumbra os entusiastas. O canal Calibre Obscura, especializado em armas raras em lugares exóticos publicou no Twitter, em 29 de agosto de 2019, essas fotos da submetralhadora Hotchkiss Universal em um bazar no Iêmen, atualmente em guerra civil desde 2014.
A submetralhadora Hotckiss "Type Universal" (Tipo Universal) é uma metralhadora de mão dobrável para uso de paraquedistas e unidades especiais em missões secretas, portanto, necessitando de uma opção em ambientes que não dispunham de espaço, em uma época onde o salto de pára-quedas era um meio de transporte frequente. O desenho nada ortodoxo da Tipo Universal a torna uma arma incrivelmente portátil à porta de um avião, com apenas 440mm de comprimento quando dobrada em um bloco, mas é complicada e demorada para desdobrar e colocar em uso. Projetada inicialmente para o tiro semi-automático, ela foi modificada para fogo automático para as selvas da Indochina.

O desenho inovador teve seu preço e a Tipo Universal é de construção cara e complicada, exigindo muito tempo para sair da fábrica. Projetada em 1949, perdeu o páreo para a MAT-49, a submetralhadora que se tornaria o símbolo das guerras francesas na Indochina e na Argélia. Apenas a Venezuela e o Marrocos compraram a Hotchkiss Universal em grandes quantidades, e a Venezuela usou a exótica submetralhadora em combate no golpe militar de 1958. O que leva ao questionamento do Calibre Obscura: como que essa Hotchkiss Universal chegou no Iemên?




Vídeo recomendado:

Bibliografia recomendada:

Chassepot to FAMAS:
French Military Rifles 1866-2016.
Ian McCollum.

Leitura recomendada:

FOTO: Paraquedistas venezuelanos marchando com a sub Hotchkiss14 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Armas do golpe militar na Venezuela em 195811 de fevereiro de 2021.

Armas vietnamitas para a Argélia14 de dezembro de 2020.

A submetralhadora MAS-385 de julho de 2020.

FOTO: Fuzil Lebel capturado no Afeganistão1º de janeiro de 2021.

GALERIA: Forças Especiais Sauditas no Iêmen15 de novembro de 2020.

domingo, 14 de fevereiro de 2021

FOTO: Paraquedistas venezuelanos marchando com a sub Hotchkiss

Paraquedistas venezuelanos marchando no desfile do Dia da Independência em Caracas, capital da Venezuela, em 5 de julho de 1955. (FAV-Club)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de fevereiro de 2021.

Os soldados do destacamento escola dos paraquedistas da Força Aérea Venezuelana marcham em ceelbração ao Dia da Independência, em 5 de julho de 1955. A data celebra quando a Junta de Caracas estabeleceu um congresso de províncias, e este Congresso declarou a independência da Venezuela em 5 de julho de 1811, estabelecendo a República da Venezuela.

O paraquedista da centro-direita claramente porta uma raríssima submetralhadora dobrável Hotchkiss Tipo Universal, de fabricação francesa pela Societé des Armes à Feu Portatives Hotchkiss et CieA dobragem dessa arma não era meramente da coronha, mas de todo o armamento como um cubo, inclusive com a retração do cano. A Venezuela foi um dos raros países a comprar a Hotchkiss Universal. Imagens do golpe militar de 1958 mostram a Hotchkiss Universal em ação.

Especificações técnicas

  • País de origem: França.
  • Operação: ação de recuo dos gases.
  • Princípio: ferrolho aberto.
  • Munição: 9x19mm Luger/Parabellum.
  • Peso descarregada: 3,43kg (7,56lbs)
  • Comprimento com a coronha aberta: 776mm.
  • Comprimento com a coronha dobrada: 540mm.
  • Comprimento com a coronha totalmente dobrada: 440mm.
  • Comprimento do cano: 273mm (10,74in).
  • Capacidade do carregador: 32 tiros.
  • Alimentação: carregador metálico tipo cofre.
  • Cadência de tiro: 650rpm.
  • Alcance efetivo: 150-200m.
  • Alça de mira: dobrável de 50 e 150 metros.
  • Massa de mira: coberta.
  • Variantes: semi-automática e automática.

Desdobrada e dobrada.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

Chassepot to FAMAS:
French Military Rifles 1866-2016.
Ian McCollum.

Leitura recomendada:

GALERIA: Armas do golpe militar na Venezuela em 195811 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Ativação do Comando de Operações Especiais venezuelano30 de agosto de 2020.

Selva de Aço: A História do AK-103 Venezuelano13 de fevereiro de 2021.

Armas vietnamitas para a Argélia14 de dezembro de 2020.

FOTO: O jovem cadete Hugo Chavez27 de março de 2020.

FOTO: Sniper com baioneta calada9 de dezembro de 2020.

FOTO: Fuzis SKS capturados1º de janeiro de 2021.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

GALERIA: Armas do golpe militar na Venezuela em 1958

Tanques do exército durante o golpe militar em 23 de janeiro de 1958.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 9 de fevereiro de 2021.

O golpe de estado venezuelano de 1958 ocorreu em 23 de janeiro de 1958, quando o ditador General Marcos Pérez Jiménez foi derrubado, reestabelecendo a democracia no país. Um governo de transição primeiro sob o Almirante Wolfgang Larrazábal e depois Edgar Sanabria foi estabelecido até as eleições de dezembro de 1958, onde o candidato da Ação Democrática, Rómulo Betancourt, foi eleito e assumiu o cargo em 13 de fevereiro de 1959.

Na madrugada do dia 23 de janeiro, apesar de contar com o apoio de um importante setor das Forças Armadas, Pérez Jiménez decidiu abandonar o Palácio de Miraflores e se deslocar para o aeroporto La Carlota, localizado na cidade de Caracas, para embarcar em um avião para o República Dominicana. Com a notícia da derrubada, a população saiu às ruas, saqueando as casas dos partidários do regime, atacando a sede da Segurança Nacional e linchando funcionários.

Também foi destruída a sede do jornal governamental El Heraldo. Além disso, em poucas horas o Palácio de Miraflores tornou-se o ponto de encontro dos rebeldes e de muitos líderes políticos, que procederam à nomeação de uma Junta de Governo Provisório que substituiu o regime deposto. O Conselho constituiu o Almirante Wolfgang Larrazábal, Comandante-Geral da Marinha, como presidente junto com os coronéis Luis Carlos Araque, Pedro José Quevedo, Roberto Casanova e Abel Romero Villate. Na madrugada de 23 de janeiro, os venezuelanos celebraram a queda de Pérez Jiménez, protestando contra a presença de membros do perejimenismo do Conselho de Administração, incluindo Romero Casanova Villate, que acabou sendo forçado a renunciar e posteriormente substituído em 24 de janeiro pelos empresários Eugenio Mendoza e Blas Lamberti.

Jipes e blindados nas ruas de Caracas em 23 de janeiro de 1958.

O General Pérez Jiménez fora o 6º ditador latino-americano deposto ou assassinado em menos de seis anos em 1958.

Um dos bairros de Caracas, Barrio 23 de Enero (Bairro 23 de Janeiro), é nomeado em homenagem ao evento.

Para facilitar o trabalho do Conselho Diretor e o restabelecimento da democracia na Venezuela, foi criado um gabinete provisório, composto por advogados, empresários e executivos e pelo Coronel Jesús María Castro León, do Ministério da Defesa. Posteriormente, o Conselho Diretor convocou eleições para dezembro daquele ano, libertou presos políticos em todo o país, ampliou o Conselho Patriótico com representantes de setores independentes, nomeando o jornalista Fabrício Ojeda como presidente.

Também deu início ao processo de punição dos exilados jimenistas que retornavam.

Um exército bem armado

General Marcos Evangelista Pérez Jiménez.
Entre outras coisas, Jiménez usou o petróleo da Venezuela para financiar um exército muito bem equipado, e o país foi um dos primeiros a adotar os fuzis FN49 e FAL.

A Venezuela fez uma encomenda de 5.000 fuzis FAL fabricados pela FN em 1954, no calibre 7x49,15mm Optimum 2; este 7x49mm, também conhecido como 7mm Liviano ou 7mm venezuelano, é essencialmente um cartucho 7x57mm encurtado para comprimento intermediário e mais perto de ser uma verdadeira munição intermediária do que o 7,62x51mm OTAN.

Este calibre incomum foi desenvolvido em conjunto por engenheiros venezuelanos e belgas motivados por um movimento global em direção aos calibres intermediários. Os venezuelanos, que usavam exclusivamente a munição 7x57mm em suas armas leves e médias desde a virada do século XX, sentiram que era uma plataforma perfeita para basear um calibre feito sob medida para os rigores particulares do terreno venezuelano. Eventualmente, o plano foi abandonado, apesar de ter encomendado milhões de munições e milhares de armas deste calibre. Com a escalada da Guerra Fria, o comando militar sentiu que era necessário alinhar-se com a OTAN por motivos geopolíticos, apesar de não ser um membro, resultando na adoção do cartucho 7,62x51mm OTAN. Os 5.000 fuzis do primeiro lote foram recalibrados em 7,62x51mm.

O FAL e FAP venezuelanos do modelo 7mm Liviano.

Pacote de munição 7mm Liviano.

Silhueta de um soldado venezuelano com o FAL 7mm. (Forgotten Weapons)

O mesmo soldado mais visível enquanto pega uma carona em um blindado. (Forgotten Weapons)

Soldados venezuelanos em posição com o FAL 7mm e o FN BAR Modelo D.
O quebra-chama distinto do FAL venezuelano é visível próximo ao carregador do BAR.
(Forgotten Weapons)

Esse primeiro modelo de FAL venezuelano em 7mm também era equipado com um quebra-chama de três pontas distinto. Em 1961, um segundo lote de fuzis FAL foi encomendado no calibre 7,62mm OTAN, e as armas existentes também foram convertidas para esse calibre, com o FAL de 7mm existindo apenas brevemente, de 1954 a 1961, com a sua única ação real na Venezuela no golpe de 1958.

Um outro exemplo foi na Revolução Cubana. Ao marchar vitoriosamente em Havana em 1959, Fidel Castro carregava um FN FAL venezuelano em 7mm Liviano.

A Venezuela foi o primeiro país a encomendar o FN49, com um lote de 4.000 fuzis em 1948 e outro de 4.000 em 1951. Estes foram calibrados no cartucho 7x57mm Mauser, que fora a munição padrão na Venezuela por muitos anos. Essas armas serviram ao lado de fuzis de ferrolho FN 24/30 Mauser de mesmo calibre 7mm Mauser.

Soldados venezuelanos com fuzis FN 24/30 Mauser e FN49 em 7mm Mauser.
(Forgotten Weapons)

Tropas armadas com fuzis FN 24/30 Mauser em 7mm Mauser em meio à população.
(Forgotten Weapons)

Soldados com a baioneta longa do fuzil FN 24/30 Mauser.

Outra arma rara que tomou parte no golpe foi a submetralhadora francesa Hotchkiss Universal, que é dobrável. A Venezuela é um dos poucos países que comprou essa arma. Dois militares são vistos com a Hotchkiss Universal atrás de um oficial empunhando um microfone.

A coronha distinta de um Hotchkiss Universal aparece na extrema esquerda. O oficial atrás do homem com o microfone também está segurando uma Universal pelo cano. Um guarda-costas com uma submetralhadora M1A1 Thompson está em pé no fundo. (Forgotten Weapons)

Os mesmos homens tomando posições na varando pouco depois. As submetralhadoras Hotchkiss Universal e M1A1 Thompson estão claramente visíveis. (Forgotten Weapons)

Dobragem da Hotckiss Universal

O canal Forgotten Weapons fez um vídeo demonstrando esse sistema de dobragem da submetralhadora Hotchkiss Universal.

Legado

Pérez Jiménez se recusou a resistir o golpe. Quando incitado a bombardear com artilharia a academia militar sublevada, Pérez respondeu "eu não mato cadetes". O ex-ditador se exilou na República Dominicana de Trujillo e depois em Miami, nos Estados Unidos. Ele depois se mudaria para a Espanha de Franco, morrendo em Alcobendas, no distrito de Madri, aos 87 anos em 20 de setembro de 2001. 

Pérez Jiménez (mais conhecido como "P.J.") é considerado um dos melhores presidentes que a Venezuela já teve. Seu sucessor, Rómulo Betancourt, continuou seus projetos nacionais e crescimento do poder de compra dos venezuelanos. Betancourt permaneceu alinhado aos Estados Unidos e foi alvo de um atentado à bomba por terroristas comunistas em 1960.

Soldado armado com o primeiro modelo do FAL venezuelano vigiando a limusine do presidente Rómulo Ernesto Betancourt Bello, danificada por uma bomba em 1960.
(Daniel/ Forgotten Weapons)

O General Pérez Jiménez iniciou sua carreira militar em 1931, quando ingressou no Colégio Militar da Venezuela, graduando-se como Segundo Tenente em 1933, com as melhores notas de sua turma, sem ter ultrapassado sua média na história da Academia Militar da Venezuela. Em 1941 fez cursos de especialização na Escola Militar de Chorrillos, em Lima, Peru, junto com o ex-Ministro do Desenvolvimento e Obras Públicas, General de Brigada José del Carmen Cabrejo Mejía durante o governo militar do General Manuel A. Odria, sendo promovido a capitão ao retornar à Venezuela.

Pérez Jiménez fez uso do aumento do preço do petróleo para iniciar e concluir muitos projetos de obras públicas, incluindo estradas, pontes, prédios governamentais e moradias públicas, bem como o rápido desenvolvimento de indústrias como hidroeletricidade, mineração e aço. A economia da Venezuela desenvolveu-se rapidamente enquanto Jiménez estava no poder, com a inflação controlada entre 0,84% a 1,67%.

Um dos mais ousados projetos de Jiménez foi o Plano Ferroviário Nacional, que uniria quase todo o território nacional venezuelano pela malha ferroviária, solucionando assim um dos principais problemas dos países subdesenvolvidos: a integração territorial. Apenas a primeira etapa foi realizada - a união de Puerto Cabello com Barquisimeto - e a segunda foi cancelada por Betancourt.

Outra frente foi a criação de grandes blocos urbanos, com enormes conjuntos habitacionais públicos e o simbólico Humboldt Hotel & Tramway com vista para Caracas. A Venezuela, nessa época, era chamada de "A Jóia da América do Sul", e os venezuelanos tiveram a maior renda per capita sul-americana até a década de 1980.

O esforço modernizante de Jiménez também incentivou a imigração européia à Venezuela, fazendo uso do nível de instrução e cultural dos novos imigrantes para o desenvolvimento imediato da sociedade venezuelana.

A década de 50 é considerada a época em que começa a institucionalização da ciência e o desenvolvimento de uma verdadeira política científica na Venezuela que deu lugar à produção de conhecimento científico sistemático, financiado, com reconhecimento social e com apoio direto. estatal ou da empresa privada. Durante esses anos iniciais, a política científica na Venezuela deu maior peso às ciências básicas do que as ciências aplicadas e o desenvolvimento tecnológico.

Em 29 de abril de 1954, o Instituto Venezuelano de Neurologia e Pesquisa do Cérebro (IVNIC) foi fundado nas terras dos Altos de Pipe sob a direção de Humberto Fernández-Morán. Vários pesquisadores estrangeiros especializados principalmente em pesquisa biomédica foram contratados, bem como bem como a compra e instalação de um Reator Nuclear do Centro de Física, o primeiro do gênero na América Latina.

A origem do golpe de 1948 que acabaria levando PJ ao poder em 1952 ocorreu pelo temor de cortes nos salários dos soldados e pela falta de equipamento militar modernizado. A Venezuela adquiriu considerável quantidade de material militar e suas forças eram notadamente bem instruídas, sempre notadas pela precisão de marcha durante desfiles.


Em sua edição de 28 de fevereiro de 1955, a revista americana Time homenageou Marcos Pérez Jiménez com sua capa. Junto com o retrato na capa, você pode ler a frase "From buried riches, a golden rule" ("Das riquezas enterradas, um governo de ouro"). O artigo nesta publicação dedicado ao governante foi intitulado "VENEZUELA: Skipper of the Dreamboat" (Venezuela: Capitão do Barco dos Sonhos).

Pérez Jiménez ainda mudou o nome do país, que desde 1864 era "Estados Unidos da Venezuela", para "República da Venezuela". Esse nome permaneceu até 1999, quando foi alterado para República Bolivariana da Venezuela por um referendo constitucional.

Embora as coisas tenham terminado mal para Jiménez entre prisões e exilados, sua imagem para alguns cidadãos passou por uma espécie de reabilitação em ambos os lados do espectro político hoje, de acordo com alguns meios de comunicação e colunas de opinião. O período de Pérez Jiménez no poder é historicamente lembrado como um governo de raízes nacionalistas. Seu governo baseava-se em um pragmatismo ideológico caracterizado pela Doutrina do Bem Nacional (Doctrina del Pozo Nacional), que para o regime se expressava em que o Novo Ideal Nacional (Nuevo Ideal Nacional) seria o farol filosófico que orientaria as ações do governo.

Seu legado político conhecido como Perezjimenismo foi sustentado pelo partido político Cruzada Cívica Nacionalista (CCN), que ocupou cadeiras no Congresso de 1968 a 1978. Nos últimos anos, houve um renascimento do Perezjimenismo e do Nuevo Ideal Nacional, com vários grupos revisando e mantendo o legado de Marcos Pérez Jiménez.


Em 25 de abril de 2010, o presidente Hugo Chávez comentou em uma das edições do seu programa semanal Aló Presidente

“Acredito que o General Pérez Jiménez foi o melhor presidente que a Venezuela teve em muito tempo. (...) Foi melhor que Rómulo Betancourt, ele era melhor do que todos eles. Não vou citar. (...) Eles o odiavam porque ele era militar”. (...) “Veja, se não fosse pelo General Pérez Jiménez, você acha que teríamos o Forte Tiuna, a Academia, o Efofac, o Círculo Militar, Los Próceres, a rodovia Caracas-La Guaira, as superquadras de '23 de enero'?, Rodovia Centro, Teleférico, Siderúrgica, Guri?"


Bibliografia recomendada:

Latin America's Wars:
The Age of the Professional Soldier, 1900-2001.
Robert L. Scheina.

Leitura recomendada:

O Fuzil FN49 - Uma Breve Visão Geral30 de março de 2020.

GALERIA: FN49 do contrato egípcio9 de maio de 2020.

VÍDEO: Instrutora de fitness filmou um treino ao vivo durante o golpe de Mianmar3 de fevereiro de 2021.

Eleições Não Importam, Instituições Sim8 de janeiro de 2020.

Os Processos Políticos nos Partidos Militares do Brasil, 21 de janeiro de 2020.

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?4 de janeiro de 2020.

PERFIL: General Germán Busch Becerra - Herói do Chaco e presidente da Bolívia (1937-1939)22 de outubro de 2020.

FOTO: Soldados caribenhos, 21 de abril de 2020.

FOTO: Forças de Defesa do Caribe Oriental em Granada21 de fevereiro de 2020.

FN FAL: “O Braço Direito do Mundo Livre”14 de janeiro de 2020.

GALERIA: Snipers no Forças Comando na República Dominicana3 de novembro de 2020.