Mostrando postagens com marcador Fuzil para Sniper. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fuzil para Sniper. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 24 de junho de 2022

FOTO: Soldado chinesa disparando um fuzil sniper pesado


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de junho de 2022.

Soldado chinesa do Exército de Libertação Popular, o pedante nome das forças armadas da China comunista, disparando o fuzil sniper pesado QBU-10 durante uma demonstração. O fuzil sniper QBU-10 ou Tipo 10 é um fuzil anti-material (calibre pesado), semi-automático, projetado e fabricado pela Norinco chinesa. O fui introduzido em serviço pela primeira vez em 2010, e equipa todas as forças chinesas. Foi relatado que o QBU-10 tem uma precisão ligeiramente melhor do que Barrett M82 americano.


O QBU-10 possui um mecanismo de ferrolho giratório operado a gás com um cano de recuo, com o recuo sendo mitigado ainda mais através de um freio de boca e almofada de recuo de borracha. O fuzil é alimentado com um carregador tipo cofre destacável de 5 tiros, e apoiado por um monopé traseiro pode fornecer uma plataforma de disparo estável. O QBU-10 pode ser desmontado em vários componentes principais, incluindo cano, receptor, coronha e punho com unidade de gatilho.

Cada QBU-10 é equipado com uma luneta de mira telescópica YMA09 (ampliação de 8x) com computador balístico integrado e telêmetro a laser. Uma unidade IR noturna adicional pode ser anexada ao osciloscópio para fornecer capacidade térmica. A unidade de mira é à prova d'água com um botão de telêmetro estendido até o guarda-mato.


Dois tipos de munições de atiradores dedicados são desenvolvidos para o QBU-10. O cartucho sniper DBT-10 de 12,7×108mm (chinês: DBT10狙击弹) apresenta um desenho de redução de resistência ao ar. A munição inteira pesa 130g, a ponta do projétil pesa 46g, com uma velocidade inicial de cerca de 820m/s. A munição multiuso DBJ-10 12,7×108mm (chinês: DBJ10多功能弹) é um tipo de munição incendiária PELE perfurante. Ou seja, a munição utiliza "penetrador com efeito lateral aprimorado" (Penetrator with enhanced lateral effectPELE), que contém substância inerte dentro do cartucho em vez de explosivos incendiários, e a substância inerte desencadeará uma onda de choque pressurizada, enviando estilhaços após a munição ter penetrado através da blindagem.

Bibliografia recomendada:

Sniper Rifles:
From the 19th to the 21st century.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 8 de junho de 2022

Snipers canadenses em trajes ghillie

Dois snipers do do 1º Batalhão de Paraquedistas Canadense, 1944.
(Colorização por David Stroodle / EUA)

Por Filipe do A.Monteiro, Warfare Blog, 8 de junho de 2022.

Dois atiradores não-identificados do 1º Batalhão de Paraquedistas Canadense durante uma inspeção real em Salisbury Plain, no condado de Wiltshire na Inglaterra, em 17 de maio de 1944. Atendendo à inspeção estavam o Rei George VI, a Rainha Elizabeth e a Princesa Elizabeth (a atual monarca). Os franco-atiradores usam trajes “ghillie” e camuflaram seus fuzis Lee-Enfield No. 4 Mk. I (T); o "T" indica fuzis de sniper.

Em 1939, quando a guerra eclodiu, os britânicos ainda eram equipados com os fuzis sniper P1914 Mk. I (T) da Primeira Guerra Mundial. Afortunadamente, por conta de veteranos e militares com visão, os britânicos rapidamente estabeleceram uma escola de atiradores de elite em Bisley, seguida de outras escolas no País de Gales e na Escócia. Em 1942, um novo fuzil foi introduzido para substituir o veterano P14, o Lee-Enfield No. 4 Mk. I (T)Este era um padrão No. 4 selecionado da linha de produção e enviado para a Holland & Holland em Londres, onde foi cuidadosamente reconstruído à mão, garantindo que o cano fosse devidamente assentado e a mira e a alma do cano estivessem perfeitamente alinhadas.

Foi-lhe fornecido um conjunto de blocos de montagem de aço usinado aos quais foi montado um suporte de ferro fundido e uma mira telescópica No. 32 Mk I de 3x potência. Embora criticado pela fragilidade de seu sistema de ajuste de elevação e vento, o No. 32 mostrou-se um escopo muito durável e, em forma modificada, permaneceria em serviço até 1970. Os atiradores de elite britânicos (Reino Unido e Commonwealth) também se destacaram pelo uso de um telescópio de ampliação de 20x, que era excelente para plotar alvos, e fornecido em uma escala de 14 telescópios por batalhão de infantaria.

Sniper britânico em ação na Normandia, França, em 1944.
O esquema de camuflagem e o retículo da luneta são bem ilustrados.
(Ilustração de Peter Dennis / Sniper Rifles, Osprey Publishing)

Leitura recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Sniper Rifles:
From the 19th to the21st century.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

Tireurs d'élite na Frente Ocidental31 de março de 2022.

quinta-feira, 26 de maio de 2022

A desmontagem do SVD Dragunov


Por Austin R., The Firearms Blog, 21 de maio de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de maio de 2022.

LEMBRE-SE das quatro regras de segurança de armas:
  1. Todas as armas estão sempre carregadas.
  2. Nunca deixe o cano apontar qualquer coisa que você não esteja disposto a destruir.
  3. Mantenha o dedo fora do gatilho até que sua mira esteja no alvo.
  4. Tenha certeza do seu alvo e do que está atrás dele.
Desmontagem em primeiro escalão: SVD Dragunov Tigre


Nesta edição do TFB Field Strip, desmontamos um SVD-63 russo também conhecido como Dragunov. Essa variante em particular é chamada de Tiger (Tigre) e foi importada para os Estados Unidos no início dos anos 90. O dono do fuzil não é outro senão Mike Pappas, da Dead Air Silencers. Ele teve a gentileza de me guiar pela desmontagem de primeiro escalão do seu Dragunov Tigre pessoal, bem como a desmontagem completa do fuzil.

Primeiro, remova o carregador do receptor e verifique se o rifle está vazio e o registro em seguro. Localize a alavanca de liberação rápida da luneta no lado esquerdo do fuzil e gire-a para a esquerda para a posição destravada. Com a luneta destravada, deslize-a para removê-la do receptor.

Retire o carregador.

Destrave a luneta (escopo).

Remova a luneta deslizando-a para trás.

Gire a alavanca do eixo do receptor 180 graus para trás para destravar a tampa do receptor. Em seguida, empurre a tampa para trás lentamente para removê-la. Empurre o conjunto do ferrolho para trás até a extremidade do receptor e, em seguida, levante-a verticalmente do receptor para removê-la. Empurre o ferrolho para trás e gire 45 graus para destravá-lo do conjunto.

Gire a alavanca do eixo do receptor 180º para trás.

Remova a tampa para trás.

Empurre o ferrolho 45º para trás.

Com o ferrolho solto do conjunto, puxe o ferrolho para frente para removê-lo. Gire a alavanca de segurança 90 graus no sentido anti-horário e, em seguida, levante verticalmente para removê-la. Puxe suavemente a extremidade inferior do conjunto do gatilho para baixo em um ângulo de 45 graus para removê-lo.

Com o ferrolho solto do conjunto, puxe o ferrolho para frente para removê-lo.

Gire a alavanca de segurança 90º no sentido anti-horário.

Puxe suavemente o guarda-mato para baixo em um ângulo de 45º.

Ranhuras do conjunto do gatilho.

Observe as ranhuras de indexação na frente do conjunto do gatilho. Coloque-os no pino no centro do receptor antes de encaixar o conjunto no lugar (durante a reinstalação).

Desmontagem total

Ferramenta para desparafusar o tubo de gás.

Usando a ferramenta de remoção fornecida, desparafuse o tubo de gás do bloco de gás. Insira o lado pequeno da ferramenta de remoção no pino do eixo da liga e gire-o 180 graus para baixo. Com o pino do eixo da liga liberado, empurre a liga superior para frente para liberar as placas do guarda-mão.

Gire a ferramenta 180º para baixo.

Empurre a liga para liberar o guarda-mão.

Para remover o pistão de gás, pegue o pistão de gás e empurre-o para trás para removê-lo do tubo de gás dianteiro. Com o pistão de gás de curso curto removido, agora você pode desaparafusar e remover o tubo de gás. Todo o conjunto do pistão consiste em uma mola empurradora, empurrador, pistão de gás e tubo de gás.

Empurre o pistão de gás para trás.

Remova o tubo de gás.

Para remover o apoio de bochecha, coloque a mão embaixo do fecho e puxe a trava na sua própria direção. Agora você pode guardar o apoio de bochecha com segurança, longe de qualquer solvente ou material de limpeza que você possa precisar.

Pressione a trava do fecho.

O descanso da bochecha.

O Tigre agora está totalmente desmontado, com todos os componentes de disparo removidos.

As peças desmontadas.

O fuzil foi desmontado ainda mais, e algumas ferramentas americanas foram usadas para realizar essa tarefa. Certifique-se sempre de manter sob controle as suas peças e ter uma área de trabalho designada ao desmontar armas de fogo.

O fuzil e as peças em cerimonial.

Sobre o autor:

Austin R. é um contratado militar que gosta de conduzir pesquisas e recargas independentes de armas de fogo. Consultas e sugestões de artigos são bem-vindas em austinjrex no Gmail.com

Leitura recomendada:


segunda-feira, 23 de maio de 2022

Fuzil de Sniper Long Branch Scout 1943-1944


Por Colin MacGregor Stevens, Captain Stevens, Canadá.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de maio de 2022.

O Scout Sniper Rifle foi um fuzil sniper experimental feito em quantidades limitadas. Era muito inovador, mas não foi adotado para produção em massa.

Em 1943-1944, a Small Arms Limited (S.A.L.) em Long Branch em Toronto, Ontário, Canadá e a Research Enterprises Limited (R.E.L.) em Leaside, Toronto, Ontário estavam cooperando no projeto de novos fuzis de precisão a pedido dos britânicos. Vinte desses fuzis foram feitos. Dez eram Fuzis de Sniper Batedor (Scout Sniper’s RiflesSN ASC…) e dez eram Fuzis de Sniper de Pelotão (Section Sniper’s RiflesASE…). A história detalhada destes é bem contada no livro Without Warning ("Sem Aviso") do falecido Clive Law, editora Service Publications.

Destes 20 fuzis de precisão experimentais feitos, 2 foram destruídos em ação e 1 foi capturado pelos alemães. O capturado pelos alemães provavelmente foi destruído. Isso não deixa mais de 18, e provavelmente 17, possíveis sobreviventes. Parece que três ou quatro fuzis intactos sobrevivem em coleções e eu adquiri um em 2017. Ficaria muito feliz em ouvir sobre outros exemplares sobreviventes e gostaria especialmente de ouvir outros proprietários para saber mais sobre esses fuzis raros e lunetas para que eu possa fazer essa restauração o mais precisa possível.

1943 – 1944 Small Arms Limited, Long Branch, “Scout Sniper's Rifle” número de série ASC285 (eu suspeito que seja ASC-85-2) – foto de Al Fraser-Fred Van Sickle mostrada no livro Without Warning, pg.60 (editado ligeiramente). Este fuzil é quase idêntico ao que o meu teria sido durante a Segunda Guerra Mundial.

Scout Sniper's Rifle número de série ASC-85-4 como encontrado - Lado esquerdo. (Foto T.J. Pisani)

Scout Sniper's Rifle ASC-85-4, lado esquerdo, durante a restauração em julho de 2017. Luneta R.E.L. experimental 3.5X EXP.0144 na corrediça ASC-85-3, coronha civil e um guarda-mão antigo ex-Índia nº 4 esculpido grosseiramente para moldar como uma peça de treinamento. Uma "réplica" da base de luneta de fabricação italiana é instalada, mas não é uma cópia precisa e apenas 2 de 4 parafusos se alinham. Uma rara montagem Long Branch original já foi obtida.

3º curso de Snipers - Campo Borden, 12 de janeiro de 1945.
O segundo fuzil da direita é um Scout Sniper's Rifle.

1945-01-12 Terceiro Curso de Snipers em Campo Borden, Ontário, Canadá. O fuzil à esquerda é um Sniper Experimental Long Branch “Scout” com luneta C No. 32 MK. 4 (mais tarde chamado de C No. 67 MK. I) e coronha Monte Carlo. O da direita é um No. 4 MK. I* (T) com luneta C No. 32 Mk. 4 (também conhecido como C No. 67 MK.I). No começo eu pensei que este era um fuzil numerado de série 80L8xxx, (Detalhe de uma foto via CheesyCigar em Milsurps.com) mas tendo agora notado que o retém da bandoleira extra de atirador de elite está alguns centímetros na frente do carregador, agora suspeito que era um dos 10 Fuzis de Sniper de Pelotão Experimental Long Branch que tinha um número de série começando com ASE.

DETALHE – 1945-01-12 Terceiro Curso de Snipers em Campo Borden, Ontário, Canadá. Observe a variedade de fuzis No. 4 (T). “Scout” Sniper Experimental Long Branch com luneta C No. 67 MK. I e coronha Monte Carlo; e o último parece ser um No. 4 MK. I* (T) com luneta C No. 67 MK. I.
(Coleção particular de CheesyCigar em Milsurps.com)


Fuzis Scout Sniper sobreviventes
  1. ASC-43-3 – Mostrado em grande detalhe em Milsurps.com.
  2. ASC-43-7 (?) – Coleção Dan Fabok como mostrado no livro The Lee-Enfield por Ian Skennerton, 2007, páginas 317-318.
  3. ASC-84-2 – Ex-Coleção Gorton, Nova Zelândia. Coronha muito rachada ou quebrada no punho da pistola e reparado, mas não perfeitamente. A luneta é supostamente 5X R.E.L. número de série 0143, mas as fotos do leilão mostram o que parece ser uma luneta de fabricação alemã com uma almofada retangular na parte inferior do tubo, onde se alarga no sino traseiro.
  4. ASC-85-2 (?) – Registrado como número de série ASC285 em Without Warning pelo falecido Clive Law, páginas 57 e 60, mas suspeito que seja realmente ASC-85-2.
  5. ASC-85-4 – Com a corrediça do ASC-85-3 e luneta R.E.L. Gimbal de 3,5X.
  6. EXP.0144 – Colin MacGregor Stevens. Em restauração. Agora equipado com uma coronha padrão No. 4 Mk. I* (T).
  7. SN Desconhecido – Equipado com uma luneta R.E.L. experimental de 5x. (Without Warning pelo falecido Clive Law, página 63). Equipado com coronha Monte Carlo como usado em fuzis da série 80L8xxx.

Meu fuzil é o número de série ASC-85-4. Este era o segundo fuzil da direita na foto da classe de franco-atiradores acima, ou idêntico. É um dos 10 fuzis Scout Sniper e desses, apenas três, incluindo este, foram feitos sem encaixe de baioneta. Assim, as chances são de 1 em 3 de que meu fuzil seja o da foto.

Quando encontrado, o ASC-85-4 tinha um retém da bandoleira “sniper” bem na frente do carregador, embora não se saiba quando foi instalado. Estes tornaram-se padrão em fuzis de precisão nº 4 (T) em 1945 e muitos fuzis foram adaptados. Esta é a única evidência que eu vi até agora de tal retém em um Fuzil Scout Sniper. Pode ter sido um exemplo de teste muito cedo em 1944 antes da padronização no início de 1945 ou o fuzil pode ter permanecido em serviço após a Segunda Guerra Mundial e pode ter sido adicionado em algum momento ou possivelmente um proprietário civil adicionou-o. Meu fuzil havia sido modificado como esportivo para caça depois de ter sido vendido como sobra de estoque, mas felizmente é restaurável.

Nove entalhes foram encontrados na parte inferior da extremidade dianteira esportiva, sugerindo que o caçador havia matado nove veados, alces ou ursos. Adquiri uma luneta R.E.L. experimental 3.5X Gimbal, um modelo piloto para a luneta C No. 32 MK. 4 / C No. 67 Mk. I, número de série EXP.0144, na corrediça (montagem superior) # 9 que é numerado para o Scout Sniper Rifle ASC-85-3, o fuzil imediatamente anterior ao meu. Não é um número de série correspondente, mas não é ruim, considerando que apenas 10 fuzis Scout Sniper foram feitos há três quartos de século! Eu tenho uma coronha padrão No. 4 Mk. I* (T) com apoio de bochecha, bem como coronha civil com apoio de bochecha “Monte Carlo” embutido e almofada de borracha. Estou esculpindo uma extremidade dianteira de uma extremidade dianteira No. 4. Eu primeiro cortei um que estava em más condições para aprender as habilidades antes de cortar uma boa extremidade no guarda-mão do Long Branch.

Registro de ajuste da mira de vento para um fuzil Scout Sniper.
Este é o número de série ASC285 (que acredito ser ASC-85-2) - Al Fraser - foto de Frad Van Sickle mostrado no livro Without Warning, pág. 60 (ligeiramente editado).

"Scout Sniper's Rifle" número de série ASC285 na coronha e no guarda-mão.
(Eu suspeito que é o ASC-85-2) - Alf Fraser
 - foto de Frad Van Sickle mostrado no livro Without Warning, pág. 60 (ligeiramente editado).
Este fuzil é quase idêntico ao que o meu teria sido durante a Segunda Guerra Mundial.

Guarda-mão e bumbum. Parecem coronhas de espingardas de caça civis do pós-guerra, mas foram fabricadas em tempo de guerra. A coronha provavelmente tem um número de série da luneta estampada na parte superior na frente (abaixo do cão do fuzil) e pode muito bem ter marcas canadenses Long Branch estampadas na parte inferior do punho e do guarda-mão.

Suporte de telescópio C MK I para telescópio C No 67 MK I. Base de montagem da luneta, padrão Griffin & Howe. Idealmente canadense feito para melhor ajuste.

Comparação entre o fuzil Scout Sniper e o fuzil E.A.L de sobrevivência militar

Scout Sniper's Rifle ASC-85-4 de 1943-1944 (topo) e um Fuzil de Sobrevivência Militar E.A.L. (R.C.A.F.) dos anos 1950 (abaixo).

Há muitas semelhanças entre o fuzil Scout Sniper de 1943-1944 e o modelo do fuzil de sobrevivência Essential Agencies Limited (E.A.L.) Military (R.C.A.F. e  Rangers Canadenses) da década de 1950. Ambos têm remoção extensiva semelhante de metal no corpo e armação de estilo esportivo. Os dois fuzis são muito parecidos na aparência, mas ao pegá-los mostra que o Scout Sniper's Rifle é muito mais pesado, apesar dos cortes de diminuição de peso no lado esquerdo do corpo, os quais estão presentes no ASC-85-4, mas não em todos os fuzis Scout Sniper.

AVISO: Os colecionadores devem estar cientes de que alguém pode tentar falsificar um fuzil Scout Sniper algum dia usando o corpo de um fuzil E.A.L. Military ou um No. 4 Mk. I*, então observe os detalhes com cuidado.

Scout Sniper's Rifle ASC-85-4 de 1943-1944 (topo) e um Fuzil de Sobrevivência Militar E.A.L. (R.C.A.F.) dos anos 1950 (abaixo).

Fuzil de Sobrevivência Militar E.A.L. (R.C.A.F.) dos anos 1950 (acima) e um Scout Sniper's Rifle ASC-85-4 de 1943-1944 (abaixo).

Leitura recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

sábado, 21 de maio de 2022

Armas portáteis emiráticas na Etiópia


Por Stijn Mitzer e Joost Oliemans, Oryx Blog, 4 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de maio de 2022.

A entrega contínua de armas e equipamentos para a Etiópia, um país revolvido pela guerra, permanece em grande parte não relatada, e seu impacto na situação no terreno é, no momento, amplamente desconhecido. O que se sabe, no entanto, é que o desgaste constante do arsenal militar da Etiópia levou o país a vasculhar o planeta atrás de qualquer pessoa disposta a fornecê-la com armamento adicional, que incluiu até veículos aéreos de combate não-tripulados Mohajer-6 (UCAV) do Irã. Esses UCAV agora operam ao lado de projetos israelenses e chineses, mostrando o quão complicada se tornou a rede moderna de fornecedores estrangeiros de armas.


Outro país que manifestou repetidamente seu apoio ao governo etíope são os Emirados Árabes Unidos. O que exatamente esse apoio implicou até agora ainda é objeto de debate. A alegação frequentemente repetida de drones emiráticos que operam na base aérea de Assab, dos Emirados Árabes Unidos na Eritreia, em nome do governo etíope parece ter pouca base na realidade, sem evidências apontando para a presença de UCAV Wing Loong emiráticos sobre o campo de batalha em 2020 ou agora.

No entanto, grandes aeronaves de transporte Il-76 frequentemente voam entre os Emirados Árabes Unidos e Harar Meda, a maior base aérea da Etiópia.[1] Embora o conteúdo de sua carga só possa ser adivinhado, é provável que contenha itens de nível militar, com ajuda humanitária entregue aos aeroportos civis do país. Os Il-76 que operam em nome dos Emirados Árabes Unidos pousam regularmente, pois aeronaves iranianas do mesmo tipo também trazem sistemas de armas, uma indicação clara do grande volume de armas enviadas para a Etiópia diariamente.


Sabe-se que as remessas anteriores de armas dos Emirados Árabes Unidos para a Etiópia incluíram grandes volumes de armas portáteis produzidas pela empresa Caracal, que produz vários projetos modernos de armas portáteis. Assim como o fuzil de assalto israelense TAR-21 também em serviço na Etiópia, o armamento fornecido pela Caracal foi distribuído exclusivamente para a Guarda Republicana (GR). A GR tem a tarefa de defender as autoridades etíopes e edifícios importantes de ameaças e tentativas de ataques. Para este fim, opera uma série de projetos modernos de armas portáteis e veículos leves (blindados). Nos últimos tempos, a GR viu suas tarefas se expandirem até o ponto em que agora participam ativamente da Guerra do Tigré como uma das forças mais bem treinadas do país.

Indiscutivelmente, o projeto Caracal mais elegante entregue à Etiópia é o fuzil semiautomático CAR 817DMR para atiradores designados calibrados em 7,62x51mm OTAN. Equipado com um carregador de 10 ou 20 tiros, o CAR 817DMR oferece melhorias consideráveis em todos os parâmetros relevantes sobre os DMR PSL e SVD em uso com o Exército Etíope. Embora presumivelmente em uso com as forças da Guarda Republicana atualmente desdobradas para conter o avanço da Força de Defesa Tigré (FDT) na Etiópia, nenhum exemplar capturado apareceu nas mãos dos combatentes da FDT até agora.

Guardas republicanos com um fuzil AK e fuzis SVD Dragunov.



Outro produto Caracal que entrou em serviço com a Guarda Republicana é a carabina CAR 816 de 5,56x45mm. A arma pode ser encomendada em vários comprimentos de cano de 7,5" de submetralhadora a 16" de fuzil de assalto. A Etiópia parece ter sido cliente da variante carabina de 14,5", complementando o TAR-21 israelense também em uso com a GR. Como o CAR 817DMR, nenhum CAR 816 parece ter sido capturado pela FDT até agora. Claro, usar um tipo de munição diferente da série de fuzis AK, diverso daqueles em uso na Etiópia, tal armamento apenas seria um recurso útil para a FDT até que suas munições se esgotassem.

O último produto Caracal conhecido por ter sido entregue à Etiópia é o fuzil sniper CSR 338 calibrado em .338 Lapua Magnum. O CSR 338 também é o único produto Caracal conhecido por ter sido capturado pelas forças tigré, que agora empregam vários dos fuzis de precisão contra seus antigos proprietários. Seu peso leve (apenas 6,35kg) certamente será apreciado por ambas as forças no terreno de batalha muitas vezes montanhoso da Etiópia.

CSR 338 em .338 Lapua Magnum.

Se o influxo contínuo de armamento para a Etiópia será suficiente para salvar um exército que é cada vez mais dependente das milícias, ainda não se sabe. O pequeno número de armas portáteis dos Emirados Árabes Unidos, sem dúvida, terá pouco impacto no resultado final da guerra civil. No entanto, essas armas são representativas do que, entretanto, se tornou um arsenal de armamento altamente diversificado em serviço com os militares etíopes, um arsenal que certamente continuará a desempenhar um papel significativo em uma guerra que está prestes a entrar em seu segundo ano.


Leitura recomendada:


quinta-feira, 31 de março de 2022

Tireurs d'élite na Frente Ocidental

"Na trincheira de Suffren, armado com um fuzil com luneta, um vigia da linha de frente está em seu posto, apoiado em sacos de areia, 12 de fevereiro de 1917."
(
Maurice Boulay / ECPAD)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de março de 2022.

Foto tirada por Maurice Boulay na comuna de Tracy-le-Val, no departamento do Oise, na região da Picardie durante a guerra de trincheiras na Frente Ocidental. O atirador de elite (tireur d'élite) está armado com um fuzil Lebel e uma das lunetas APX francesas, o conjunto padrão para os snipers franceses da Primeira Guerra Mundial.

Funcionamento interno do Lebel


Antes da eclosão da Grande Guerra em 1914, a França tinha uma pequena indústria óptica, concentrada principalmente em Paris, baseada predominantemente na produção de telescópios, binóculos, óculos de ópera e lunetas de pontaria de artilharia. Porém, pouquíssimo tempo foi dedicado ao estudo de miras ópticas para o soldado de infantaria. O número elevado de soldados mortos por snipers alemães nos primeiros meses da guerra levou os comandantes franceses a iniciarem estudos para se adaptarem ao novo estilo de guerra. A França teve competições de tiro de mil metros muito populares que eram abertas aos civis, então o exército conscrito de 1914 entrou na guerra contendo muitos atiradores de longa distância competentes.

Lebel com luneta APX 1917.

Da mesma forma que os demais exército, a França não possuía um fuzil projetado especificamente para o tiro de precisão e incorporou o fuzil padrão usado pelo exército: o Lebel M1886/M93Não havia lunetas nos estoques do exército e - em estado de urgência - o Ministro da Guerra, , realizou testes com uma luneta modificada do canhão de infantaria TR de 37mm, mas sem resultados. Também foi testada uma luneta modelo 1907 de uso comercial. Em 1915, após a condução de experimentos com lunetas capturadas dos alemães, foi desenvolvida a luneta  APX 1915 (Atelier de Puteaux Mle 1907-1915). Essa luneta APX era muito parecida com o a luneta Gerard alemã, com ampliação de 3x, um anel de foco no corpo da luneta, retículo cruzado e um tambor de alcance graduado para 800 metros. Esse modelo foi sendo atualizado nos APX 1916 e APX 1917, com um modelo APX 1921 no pós-guerra que tinha o retículo de um V invertido.

O maior problema para os armeiros foi a criação de um suporte para afixar a luneta ao fuzil que não atrapalhasse o manuseio do ferrolho. Este precisava ser levantado e puxado para trás toda vez que um disparo fosse feito. Esse sistema de repetição expelia o estojo do cartucho e carregava a munição subsequente. Poucos exemplares desses fuzis snipers sobreviveram, e os modelos preservados apresentaram montagens à mão, usando uma variação de combinações de blocos de montagem no lado esquerdo da caixa da culatra e um retém lateral de liberação rápida, com um sistema de encaixe. Os métodos de encaixe variam, alguns apresentando uma montagem frontal que encaixava-se em um anel era deslizado para baixo do cano até a culatra, onde era soldado no lugar. Outros tinham uma base frontal rosqueada e soldada em cima do cano próximo à alça de mira, e a montagem traseira era ou rosqueada à lateral da culatra ou, em alguns casos, montada em uma treliça de ferro que também era rosqueada no lugar.

Todos os modelos e variantes de lunetas, bem como os três suportes mais comuns.

Da esquerda pra direita:
  • Tipo 1886 APX montagem 15
  • APX 1907/15 montagem 16
  • APX 1907/15
  • 4 APX 1916 (diferentes marcações e retículos dependendo do ano de fabricação)
As 4 lunetas que seguem adotam um pára-brisa (parte traseira) de maior diâmetro à partir do final de 1916:
  • APX 1917 montagem lateral 17
  • 2 APX 1921 (diferentes marcações)
  • APX 34 (igual à APX 21 em desenho, mas sem marcação no pára-brisa da luneta)

Disparo com o Lebel a 500m


Como todos os fuzis de precisão da época, todas as lunetas eram agrupadas de fábrica com fuzis que se provaram particularmente precisos durante testes. O fuzil e a luneta recebiam um número de série de modo a garantir que a luneta permanecesse com o fuzil certo, e um estojo de couro era emitido para o transporte da luneta.

Luneta APX 1916 fabricada pela G. Forest de Paris colocada em um Lebel, número de série 15309.

O ferrolho do Lebel.

O fuzil Lebel foi revolucionário na sua época, sendo o primeiro fuzil moderno disparando com pólvora sem fumaça (Poudre B), mas era um projeto com raízes no antigo Chassepot da Guerra Franco-Prussiana (1870-1871) e em 1915 já estava ficando obsoleto. O exército então passou a introduzir o Berthier na infantaria. Ele era alimentado com pentes de três tiros (depois 5) ao invés do carregamento tubular do Lebel. A armação da luneta no Berthier usava uma montagem de duas peças, similar ao Lebel, ou uma armação fundida que era rosqueada no lado direito da culatra. A maioria dos Berthiers foi equipado com a luneta APX 1917, a qual era maior (280mm) do que a APX 1915 (240mm). Não há um número exato de lunetas produzidas mas fontes francesas indicam até 50 mil unidades.

Na Frente Ocidental, os franceses eram supridos com fuzis de luneta na base de três ou quatro por companhia, sem uma doutrina centralizada. Desta forma, o uso de snipers era de acordo com a visão do comandante local, sem uma prática definida ou escola própria. O historiador do Regimento de Infantaria nº 70 do exército alemão comentou sobre enfrentar os snipers franceses na floresta de Argonne:

"[A] cada passo, a morte batia. Os tireurs d'élite franceses estavam solidamente presos às árvores. Mesmo que um ou dois fossem atingidos, ainda não poderíamos passar. Nesta situação, as posições inimigas não puderam ser encontradas. Era como metralhadoras nas árvores [...] era como lutar contra fantasmas."

"Lagoa do papagaio. Um atirador de elite, trincheira."
Foto do Exército francês, 17 de janeiro de 1916.

Luneta APX 1917.

Manual de armamento francês de 1940 descrevendo a luneta APX 1921.

Desenho técnico da luneta APX 1921 e descrição da pontaria e montagem no fuzil.

No clássico do cinema Nada de Novo no Front (All Quiet on the Western Front, 1930), o protagonista Paul Baumer (interpretado por Lew Ayres) é morto por um sniper francês no ato final do filme. Ao som de uma triste gaita, Paul se estica de dentro da trincheira com a intenção de pegar uma borboleta e acaba alvejado pelo sniper, que usa um fuzil comercial Oberndorf Mauser Sporter com luneta. A música pára, e o fantasma de Paul marcha junto a tantos outros para um cemitério de cruzes brancas. A última passagem do livro assim descreve a morte de Paul:

Ele tombou em 1918 em um dia que estava tão quieto, tudo o que o alto comando alemão relatou foi "Tudo quieto na frente ocidental". Ele não sofreu muito. Seu rosto parecia tranquilo, como se quase aliviado pelo fim finalmente chegar.
FIM

O sniper francês com o Oberndorf Mauser Sporter.

A luneta.

Cena final do Nada de Novo no Front


Leitura recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.